Jump to content

Bandido bom é bandido morto


Lusquerinhas do Amaral

Recommended Posts

Vídeo muito bom. Não se tem muito o que acrescentar.

Acho que um dos problemas que correm por fora e que se pode ser citado é que o sistema carcerário brasileiro é ridículo. A função de "reeducação social" - a qual é seu verdadeiro objetivo - não se tem cumprimento em nenhum quesito. Sem contar que o próprio sistema (de mercado, de trabalho) não oferece chances a ex-presidiários.

Link to comment
Share on other sites

Muito bom? Vocês estão de brincadeira.

Fizeram uma cena que tem um cidadão com argumentos escrotos defendendo o indefensável para ser massacrado por outros dois "donos da moral e defensores dos frascos e comprimidos".

A fala da mulher: "quer dizer que bandido bom é bandido mortando contanto que o bandido seja pobre, preto e favelado". Em que momento o cara disse isso? Assaltante de banco em geral não se enquadra em uma categoria específica e com certeza entraria na definição do "bandido de verdade", estupradores estão em todas as "categorias" e certamente entraria como "bandido de verdade"...

Forçaram demais a barra ao sugerir que todos que acham correto ações de policiais (em algumas situações) que resultam em bandidos mortos ou defensores de políticas ligadas a pena de morte são preconceituosos e ignorantes. Também forçaram ao descaracterizar a argumentação que há diferentes tipos de crimes - se não houvesse não precisaríamos de um código penal, a pena de morte não seria para crimes definidos e por aí vai. O exemplo de ação policial foi do "coitadinho desarmado assassinado", quando a maioria das vezes em que acontece algo do tipo (talvez em alguns estados onde a corrupção domine totalmente a força policial a história mude um pouco) o policial atira em um indivíduo também armado e geralmente atirando ou tentando atirar contra esse. E mesmo nessas condições acabam "se incomodando" com a ação.

Corrupção como crime hediondo também é algo que grande parte da população que sabe o que é hediondo concorda.

A questão mais controversa é a do cara que alcoolizado se envolve/causa um acidente. Eu dirijo há vários anos e nunca dirigi bêbado e acho reprovável a atitude de quem o faz. Mas o problema não é beber e dirigir, é beber o suficiente para afetar a habilidade motora e de raciocínio do indivíduo. Como não tem uma forma de medir isso os países optam por uma quantidade de álcool aceitável (e mesmo assim, só passa a ser crime quando o indivíduo ingerir mais que um tanto mesmo no Brasil). É imprudência, é irresponsabilidade e se passar desses valores é sim, crime.

Agora alguém aqui vai falar que é a mesma que entrar armado em uma loja, atirar na pessoa por não entregar algum pertence (ou simplesmente porque quis ou achou que o indivíduo ia reagir)?

Por causa da propagação de porcarias como esse vídeo que fico feliz de não fazer parte desse negócio chamado Facebook. É uma ferramenta que estimula a propagação da ignorância ao invés da proposição de uma boa discussão.

Link to comment
Share on other sites

Muito bom? Vocês estão de brincadeira.

Fizeram uma cena que tem um cidadão com argumentos escrotos defendendo o indefensável para ser massacrado por outros dois "donos da moral e defensores dos frascos e comprimidos".

A fala da mulher: "quer dizer que bandido bom é bandido mortando contanto que o bandido seja pobre, preto e favelado". Em que momento o cara disse isso? Assaltante de banco em geral não se enquadra em uma categoria específica e com certeza entraria na definição do "bandido de verdade", estupradores estão em todas as "categorias" e certamente entraria como "bandido de verdade"...

Forçaram demais a barra ao sugerir que todos que acham correto ações de policiais (em algumas situações) que resultam em bandidos mortos ou defensores de políticas ligadas a pena de morte são preconceituosos e ignorantes. Também forçaram ao descaracterizar a argumentação que há diferentes tipos de crimes - se não houvesse não precisaríamos de um código penal, a pena de morte não seria para crimes definidos e por aí vai. O exemplo de ação policial foi do "coitadinho desarmado assassinado", quando a maioria das vezes em que acontece algo do tipo (talvez em alguns estados onde a corrupção domine totalmente a força policial a história mude um pouco) o policial atira em um indivíduo também armado e geralmente atirando ou tentando atirar contra esse. E mesmo nessas condições acabam "se incomodando" com a ação.

Corrupção como crime hediondo também é algo que grande parte da população que sabe o que é hediondo concorda.

A questão mais controversa é a do cara que alcoolizado se envolve/causa um acidente. Eu dirijo há vários anos e nunca dirigi bêbado e acho reprovável a atitude de quem o faz. Mas o problema não é beber e dirigir, é beber o suficiente para afetar a habilidade motora e de raciocínio do indivíduo. Como não tem uma forma de medir isso os países optam por uma quantidade de álcool aceitável (e mesmo assim, só passa a ser crime quando o indivíduo ingerir mais que um tanto mesmo no Brasil). É imprudência, é irresponsabilidade e se passar desses valores é sim, crime.

Agora alguém aqui vai falar que é a mesma que entrar armado em uma loja, atirar na pessoa por não entregar algum pertence (ou simplesmente porque quis ou achou que o indivíduo ia reagir)?

Por causa da propagação de porcarias como esse vídeo que fico feliz de não fazer parte desse negócio chamado Facebook. É uma ferramenta que estimula a propagação da ignorância ao invés da proposição de uma boa discussão.

Também notei isso. Depois faço um comentário mais apropriado sobre.

Link to comment
Share on other sites

Num modo geral, sim, bandido bom é bandido morto.

Resolve o problema, garante que não vai acontecer mais e ainda dá um recadinho para quem pensar em fazer igual. Na minha opinião, não existe modo mais efetivo de controlar o crime.

Link to comment
Share on other sites

Num modo geral, sim, bandido bom é bandido morto.

Resolve o problema, garante que não vai acontecer mais e ainda dá um recadinho para quem pensar em fazer igual. Na minha opinião, não existe modo mais efetivo de controlar o crime.

Acho que existe, os piores em uma ilha cercada por tubarões e outras feras do mar, soltos na selva tendo que produzir sua comida e gerar renda para que tenham conforto.

Link to comment
Share on other sites

Acho que existe, os piores em uma ilha cercada por tubarões e outras feras do mar, soltos na selva tendo que produzir sua comida e gerar renda para que tenham conforto.

Mesmo que remota, deste jeito ainda tem uma chance do cara se dar bem. Sempre vai ter um esperto que vai formar um grupo e vai dominar as coisas, fazendo os outros trabalharem para ele. Mata e pronto. Menos um.

Nem vou aprofundar muito no assunto pq o pessoal sempre se ofende com a minha opinião sobre isso (enquanto escrevo, chegou o reply do JG para confirmar hahaha).

Enfim, viva os direitos humanos para os não-humanos. Sigam discutindo que vou só ler.

Link to comment
Share on other sites

Já cansei de discutir isso aqui. Até eu achei o vídeo meio forçado, mas prefiro não expor (novamente) minha opinião.

E pra comparação do Salvaro, entre quem dirige bêbado e quem rouba: sim, só não acho a mesma coisa porque as penas são diversas. Mas é crime igual.

Link to comment
Share on other sites

Muito bom? Vocês estão de brincadeira.

Fizeram uma cena que tem um cidadão com argumentos escrotos defendendo o indefensável para ser massacrado por outros dois "donos da moral e defensores dos frascos e comprimidos".

A fala da mulher: "quer dizer que bandido bom é bandido mortando contanto que o bandido seja pobre, preto e favelado". Em que momento o cara disse isso? Assaltante de banco em geral não se enquadra em uma categoria específica e com certeza entraria na definição do "bandido de verdade", estupradores estão em todas as "categorias" e certamente entraria como "bandido de verdade"...

Acho que você generalizou ao invés de ir pelo contexto. Ela foi perguntando caso a caso e o cara defendeu cada um dos criminosos que faziam parte dos círculos de amizade dele. Aí ela concluiu que pra ele só merecem pena de morte os criminosos que não fazem parte.

Link to comment
Share on other sites

Acho que você generalizou ao invés de ir pelo contexto. Ela foi perguntando caso a caso e o cara defendeu cada um dos criminosos que faziam parte dos círculos de amizade dele. Aí ela concluiu que pra ele só merecem pena de morte os criminosos que não fazem parte.

Isso. O raciocínio dela, embora seja um pulo lógico desgraçado, se baseia no que foi deixado implícito pelo cara.

Link to comment
Share on other sites

Muito bom? Vocês estão de brincadeira.

Fizeram uma cena que tem um cidadão com argumentos escrotos defendendo o indefensável para ser massacrado por outros dois "donos da moral e defensores dos frascos e comprimidos".

A fala da mulher: "quer dizer que bandido bom é bandido mortando contanto que o bandido seja pobre, preto e favelado". Em que momento o cara disse isso? Assaltante de banco em geral não se enquadra em uma categoria específica e com certeza entraria na definição do "bandido de verdade", estupradores estão em todas as "categorias" e certamente entraria como "bandido de verdade"...

Forçaram demais a barra ao sugerir que todos que acham correto ações de policiais (em algumas situações) que resultam em bandidos mortos ou defensores de políticas ligadas a pena de morte são preconceituosos e ignorantes. Também forçaram ao descaracterizar a argumentação que há diferentes tipos de crimes - se não houvesse não precisaríamos de um código penal, a pena de morte não seria para crimes definidos e por aí vai. O exemplo de ação policial foi do "coitadinho desarmado assassinado", quando a maioria das vezes em que acontece algo do tipo (talvez em alguns estados onde a corrupção domine totalmente a força policial a história mude um pouco) o policial atira em um indivíduo também armado e geralmente atirando ou tentando atirar contra esse. E mesmo nessas condições acabam "se incomodando" com a ação.

Corrupção como crime hediondo também é algo que grande parte da população que sabe o que é hediondo concorda.

A questão mais controversa é a do cara que alcoolizado se envolve/causa um acidente. Eu dirijo há vários anos e nunca dirigi bêbado e acho reprovável a atitude de quem o faz. Mas o problema não é beber e dirigir, é beber o suficiente para afetar a habilidade motora e de raciocínio do indivíduo. Como não tem uma forma de medir isso os países optam por uma quantidade de álcool aceitável (e mesmo assim, só passa a ser crime quando o indivíduo ingerir mais que um tanto mesmo no Brasil). É imprudência, é irresponsabilidade e se passar desses valores é sim, crime.

Agora alguém aqui vai falar que é a mesma que entrar armado em uma loja, atirar na pessoa por não entregar algum pertence (ou simplesmente porque quis ou achou que o indivíduo ia reagir)?

Por causa da propagação de porcarias como esse vídeo que fico feliz de não fazer parte desse negócio chamado Facebook. É uma ferramenta que estimula a propagação da ignorância ao invés da proposição de uma boa discussão.

Bom, vamos lá. É difícil de te contrariar porque neste caso, teus argumentos são muito bem feitos.

Mas vamos nos prender ao propósito principal do vídeo: Dizer que bandido bom não é bandido morto.

O cara não disse que bandidos são todos negros, pobres e favelados, entretanto, foi usado uma ideia que já esta generalizada e vem passando de geração pós geração. Tá na música, ta no dia a dia e na mentalidade das pessoas. Não seria preciso dizer isso quando apenas a palavra "bandido" já traz estas três características à tona. Forçaram a barra sim, mas não deixaram de falar verdades. Quanto amigo meu e teu que sabemos que compra seu baseado ou que burla alguma lei (seja ela mais simples como não pagar o IPVA e dirigir com o carro atrasado) falam que "bandido bom é bandido morto", não seriam eles mesmos um dos próprios bandidos?

Se fossemos julgar - o que seria extremamente errado -, teríamos de conceituar. Afinal de contas, quem é e quem não é um bandido? Que ações tornam (ou não) uma pessoa um bandido?

O vídeo é curto e não teria outra maneira de abordar esse tema em um vídeo curto se não assim. A hipocrisia presente em toda a sociedade é exatamente igual ao do vídeo em si. Sou a favor da pena de morte, acho que ela é válida e os números comprovam que a mesma gera um decréscimo na criminalidade, entretanto, acredito que somente para casos extremos, como estupro, por exemplo.

O maior problema é que quando a frase "bandido bom é bandido morto" chega a se tornar até política para alguns. Quando o policial que entra armado na favela e mata 4, 5 sem saber de nada, sem dar um julgamento justo ou algo parecido, argumenta que por ser bandido, este deve morrer.

Tu critica o vídeo por não apresentar os argumentos decentes... só que no vídeo, mesmo sem estas argumentações, as coisas refletem muito bem a realidade. E não, bandido bom não é bandido morto. Bandido bom é bandido que vai preso e é reeducado a sociedade. Só que na sociedade Brasileira, isto é impossível. E aí é que está o grande problema...

Link to comment
Share on other sites

Já cansei de discutir isso aqui. Até eu achei o vídeo meio forçado, mas prefiro não expor (novamente) minha opinião.

E pra comparação do Salvaro, entre quem dirige bêbado e quem rouba: sim, só não acho a mesma coisa porque as penas são diversas. Mas é crime igual.

Então não é crime igual, são crimes. Mas são crimes diferentes. Eu pessoalmente não defenderia a pena de morte para o indivíduo que atropelou alguém bêbado (embora eu defenderia penas restritivas de liberdade a começar pela proibição de dirigir e/ou se locomover de carro e se o indivíduo trabalhar poderia ficar em prisão domiciliar com o uso da tornozeleira podendo fazer apenas o trajeto casa-trabalho nos horários de trabalho). Mas defenderia a pena de morte para um indivíduo que entra em uma padaria armado e atira na outra pessoa porque demorou muito para "passar" o dinheiro.

Só que como eu te falei nas outras discussões, em caso de reincidência eu sou a favor de penas muito mais pesadas, para ambos os casos (mesmo aqui no Brasil sem a pena de morte).

Acho que você generalizou ao invés de ir pelo contexto. Ela foi perguntando caso a caso e o cara defendeu cada um dos criminosos que faziam parte dos círculos de amizade dele. Aí ela concluiu que pra ele só merecem pena de morte os criminosos que não fazem parte.

Na verdade quem generalizou foi ela. Exatamente pelos exemplos que eu citei (o assalto a banco, por exemplo).

...com as mentalidades acima? Nunca.

Verdade, deve ser difícil ter uma mente superior como a sua e ter que andar no meio de meros mortais :P.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

Não sou a favor desse tipo de pensamento, mas é inegável que é tem bandido que merece morrer mesmo. Por isso sou a favor da pena de morte para crimes hediondos, mas sou contra o excesso de força policial. Tem tanto nego aí que só porque acha que veste farda é Deus, que sinceramente, é complicado até dizer que o cara sabe o que é ser policial.

Link to comment
Share on other sites

Então não é crime igual, são crimes. Mas são crimes diferentes. Eu pessoalmente não defenderia a pena de morte para o indivíduo que atropelou alguém bêbado (embora eu defenderia penas restritivas de liberdade a começar pela proibição de dirigir e/ou se locomover de carro e se o indivíduo trabalhar poderia ficar em prisão domiciliar com o uso da tornozeleira podendo fazer apenas o trajeto casa-trabalho nos horários de trabalho). Mas defenderia a pena de morte para um indivíduo que entra em uma padaria armado e atira na outra pessoa porque demorou muito para "passar" o dinheiro.

Só que como eu te falei nas outras discussões, em caso de reincidência eu sou a favor de penas muito mais pesadas, para ambos os casos (mesmo aqui no Brasil sem a pena de morte).

"Crime igual" que eu quis dizer é que continua sendo crime, rs. O resto eu discuto depois.

Link to comment
Share on other sites

Acho que a questão está mais ligada à impunidade. As pessoas sabem que um cara que comete um crime daqui a pouco vai estar na rua fazendo de novo. Se os bandidos recebessem uma pena mais severa, sem milhares de benefícios, que ficasse mesmo na cadeia por décadas, trabalhando lah dentro pra sustentar a família da vitima, duvido que alguém iria querer que ele morresse.

Link to comment
Share on other sites

Bandido bom é aquele que trabalha e agrega alguma coisa. Falar que matar vai acabar com o crime é o pensamento mais utópico que existe. Mata-se os bandidos, piora a criminalidade. Isso é muito obvio, é só ver que o PCC governa São Paulo hoje só na base de ameaça de explodir tudo.

Link to comment
Share on other sites

Bandido bom é aquele que trabalha e agrega alguma coisa. Falar que matar vai acabar com o crime é o pensamento mais utópico que existe. Mata-se os bandidos, piora a criminalidade. Isso é muito obvio, é só ver que o PCC governa São Paulo hoje só na base de ameaça de explodir tudo.

Só se óbvio no seu dicionário tem um significado diferente do que estamos acostumados.

Link to comment
Share on other sites

Na verdade quem generalizou foi ela. Exatamente pelos exemplos que eu citei (o assalto a banco, por exemplo).

Ela não generalizou. Foi um salto lógico.

Assaltante desarmado. Sim.

Primo que dirigiu bêbado e matou 2 pessoas. Não.

Estagiário traficante. Não.

Amigo político corrupto. Não.

Bandido de verdade é quem rouba, mata, trafica, desde que não faça parte dos círculos de amizade/convívio dele.

A generalização foi na expressão usada (pobre, preto e favelado). O raciocínio está correto mas poderia ter se expressado melhor (ex.: bandido bom é bandido morto, desde que não seja seu conhecido).

Link to comment
Share on other sites

Você não pode querer comparar um país que tenha severidade nas leis com o Brasil. Não queira implantar uma realidade que NÃO É A NOSSA. Imagina, hoje, se o Marcola fosse condenado à morte. São Paulo simplesmente pararia, morreriam uns 20 juízes por aí, e assim vai. É simples, é visível. Basta ver o que houve em 2006, basta ver o que houve no final do ano passado. São Paulo para porque a criminalidade é combatida na bala. No México deu uma merda tamanha lá com os traficantes.

O que o maluco ali falou da impunidade é realmente o que diferencia. Nos Estados Unidos o que faz o cara pensar duas vezes é simplesmente o fato de que a lei faz o seu papel, e o cara é preso. Não fica tendo saidinha de natal, dia das mães, dia de santo, feriado, final de ano, condicional a torto e a direito, uma viadagem sem tamanho que aqui tem todas as brechas possíveis.

Na China a mesma coisa, porque quem faz merda é punido. Aqui é punido, em 6 meses de "bom comportamento" é liberado. E o que pega nesse bom comportamento, se os caras não trabalham, não aprendem nada? Não arrumar briga. ajudar na limpeza, cozinha, etc. O cara deveria aprender uma profissão, ser infiltrado em programas de reintegração em parceria com empresas, e assim por diante.

Hoje dizer que meter bala em bandido é a melhor saída é dar um tiro no próprio pé. Querer comparar a situação com a de outros países é simplesmente ridículo.

Link to comment
Share on other sites

Ela não generalizou. Foi um salto lógico.

Assaltante desarmado. Sim.

Primo que dirigiu bêbado e matou 2 pessoas. Não.

Estagiário traficante. Não.

Amigo político corrupto. Não.

Bandido de verdade é quem rouba, mata, trafica, desde que não faça parte dos círculos de amizade/convívio dele.

A generalização foi na expressão usada (pobre, preto e favelado). O raciocínio está correto mas poderia ter se expressado melhor (ex.: bandido bom é bandido morto, desde que não seja seu conhecido).

Também estaria errado. Se ele tivesse um conhecido que assalta armado e mata?

Mas aquela conclusão da visão preconceituosa foi uma baita apelação.

Link to comment
Share on other sites

Você não pode querer comparar um país que tenha severidade nas leis com o Brasil. Não queira implantar uma realidade que NÃO É A NOSSA. Imagina, hoje, se o Marcola fosse condenado à morte. São Paulo simplesmente pararia, morreriam uns 20 juízes por aí, e assim vai. É simples, é visível. Basta ver o que houve em 2006, basta ver o que houve no final do ano passado. São Paulo para porque a criminalidade é combatida na bala. No México deu uma merda tamanha lá com os traficantes.

O que o maluco ali falou da impunidade é realmente o que diferencia. Nos Estados Unidos o que faz o cara pensar duas vezes é simplesmente o fato de que a lei faz o seu papel, e o cara é preso. Não fica tendo saidinha de natal, dia das mães, dia de santo, feriado, final de ano, condicional a torto e a direito, uma viadagem sem tamanho que aqui tem todas as brechas possíveis.

Na China a mesma coisa, porque quem faz merda é punido. Aqui é punido, em 6 meses de "bom comportamento" é liberado. E o que pega nesse bom comportamento, se os caras não trabalham, não aprendem nada? Não arrumar briga. ajudar na limpeza, cozinha, etc. O cara deveria aprender uma profissão, ser infiltrado em programas de reintegração em parceria com empresas, e assim por diante.

Hoje dizer que meter bala em bandido é a melhor saída é dar um tiro no próprio pé. Querer comparar a situação com a de outros países é simplesmente ridículo.

Mas claro que a impunidade é um dos grandes problemas e que se quem deveria estar preso estivesse preso o número de crimes cairia (até porque a grande maioria dos que cometem crimes são reincidentes que saíram porque fugiram, porque houve algum problema no processo, por super lotação, porque o juiz mandou soltar, porque não tinha vagas, etc.).

O que não faz sentido é você achar se os caras estão presos diminui a criminalidade, se estão mortos não. Se um bandido se envolve em um tiroteio e é morto pela polícia, o efeito é o mesmo de uma prisão perpétua.

E se o estado quer combater a criminaldiade na base do tiro não vai fazê-lo com uma polícia mal armada e em número menor do que o aceitável. Vai fazer como fizeram no Alemão.

(E eu falo um dos grandes problemas porque tem vários que eu cito toda vez que essa discussão começa: falta de efetivo das polícias, falta de preparação dessas, sistema prisional falido, ineficiente e insuficiente, decisões judiciais que favorecem a criminalidade (hoje muita gente com pena pequena nem fica detido), a falta de soluções alternativas (como a tornozeleira), falta do controle de fronteiras, a inexistência de uma legislação rigorosa sobre armas ilegais, a não descriminalização do aborto, a inexistência da pena de morte...).

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • jonnyjones81
      By jonnyjones81
      Estava lendo uma matéria sobre a tal ligação do Kajuru na IstoÉ e a matéria termina assim:
      “Finalmente, uma observação sobre o sistema eleitoral brasileiro, que o Congresso está querendo alterar. O sistema vigente hoje já dá bastante espaço para que políticos como Jorge Kajuru se elejam. São pessoas que não têm outras credenciais além da fama e de algum sentimento de indignação, ou desejo vago de “fazer o bem”, mas que nunca perdeu um minuto da vida pensando sobre políticas e administração públicas.
      Se o Congresso fizer o que deseja, e implantar o tal sistema do “distritão”, em que apenas os candidatos mais votados são eleitos, só haverá gente famosa na política. Aquele sujeito que passou a vida lutando em silêncio por uma causa, ou estudando gestão pública, nunca mais chegará ao parlamento, pois costuma ser eleito pelos votos concedidos aos partidos no sistema proporcional.
      Hoje, existe um Kajuru a mais do que o necessário no Senado. Imagine agora um Congresso feito só de Kajurus. Gostou?”
      Ou seja, uma clara critica à mudança.
      Então fui pesquisar e ler um pouco melhor sobre o tema do voto distrital e distrital misto. Achei uma matéria sobre o assunto muito, mas muito bem escrita (IMO). Vou deixar aqui para a leitura e um debate saudável.
      Como o voto distrital misto pode mudar as eleições no país
    • Henrique M.
    • Guilherme Faria
      By Guilherme Faria
      https://oglobo.globo.com/brasil/torcidas-organizadas-saem-as-ruas-em-defesa-da-democracia-em-sao-paulo-minas-rio-1-24455430
      Seriam, talvez, o início de muitas outras? 
    • DEREK ROCHA
      By DEREK ROCHA
      Boa noite queridos,
      Gostaria da opinião de vocês.
      Quem foi melhor? Romário ou Ronaldo Fenômeno? Alguns números oficiais:
      [ROMÁRIO]
      ELEITO 1X MELHOR DO MUNDO
      PROTAGONISTA E CAMPEÃO DA COPA DO MUNDO DE 1994
      MELHOR JOGADOR DA COPA DO MUNDO DE 1994
      DISPUTOU AS COPAS DE 1990 E 1994
      8 JOGOS E 5 GOLS em COPAS DO MUNDO
      GOLS PELA SELEÇÃO: 70 JOGOS 55 GOLS
      GOLS PELOS CLUBES: POUCO MAIS DE 1000 JOGOS, 860 GOLS
      [RONALDO]
      ELEITO 3X MELHOR DO MUNDO
      PROTAGONISTA E CAMPEÃO DA COPA DO MUNDO DE 2002
      MELHOR JOGADOR DA COPA DO MUNDO DE 1998
      DISPUTOU AS COPAS DE 1994, 1998, 2002 E 2006
      19 JOGOS E 15 GOLS EM COPAS DO MUNDO
      GOLS PELA SELEÇÃO: 99 JOGOS 67 GOLS
      GOLS PELOS CLUBES: POUCO MAIS DE 500 JOGOS, 414 GOLS
      Comenta aqui!
       
       

    • Aleef
      By Aleef
      Podcast Presidente da Semana conta a história de Jair Bolsonaro; ouça
       
      Fatos relevantes
      01 de novembro de 2018 - Moro aceita convite de Bolsonaro para comandar Ministério da Justiça
      22 de novembro de 2018 - Bolsonaro anuncia Ricardo Velez Rodriguez como ministro da Educação
      06 de dezembro de 2018 - Coaf aponta que ex-motorista de Flávio Bolsonaro movimentou mais de R$ 1,2 milhão em operações suspeitas
      08 de janeiro de 2019 - Filho de Mourão assume assessoria especial da presidência do Banco do Brasil
      14 de janeiro de 2019 - Coaf aponta que Flávio Bolsonaro recebeu 48 depósitos suspeitos em 1 mês, no total de R$ 96 mil
      18 de fevereiro de 2019 - Governo anuncia demissão de Bebianno; Floriano Peixoto assume Secretaria-Geral
      20 de fevereiro de 2019 - Governo apresenta proposta de Reforma da Previdência para a Câmara
      08 de abril de 2019 - Vélez Rodríguez é demitido e Bolsonaro anuncia novo ministro da Educação
      17 de junho de 2019 - Em novo diálogo vazado, Moro orienta força-tarefa da Lava Jato a contestar na imprensa depoimento de Lula
      09 de setembro de 2019 - “Isso não é a atitude de presidente”, diz Macron sobre Bolsonaro em vídeo
      08 de novembro de 2019 - Congresso promulga reforma da Previdência nesta terça-feira
      21 de novembro de 2019 - Bolsonaro faz ato de lançamento de novo partido em Brasília
      16 de dezembro de 2019 - Pacote anticrime é sancionado com vetos
       
×
×
  • Create New...