Jump to content

Fernando Diniz avisa que dá mais trabalho ter a bola, elogia a PL e quer lado humano mais valorizado


MitoMitológico
 Share

Recommended Posts

Citar

Entrevista do mês: Fernando Diniz avisa que dá mais trabalho ter a bola, elogia Premier League e quer lado humano mais valorizado no futebol: 'Uma pessoa melhor é um jogador melhor"

Fernando Diniz assumiu o Atlético-PR neste início de temporada
Fernando Diniz assumiu o Atlético-PR neste início de temporada

Quando Fernando Diniz e o seu ousado Audax debutaram no Campeonato Paulista, a primeira sensação para quem acompanhava o estadual daquela época era de estranheza. "Mas como assim esse time não dá chutão?", todos se perguntavam. Pixotadas dos goleiros, erros na saída de bola, entregadas que custavam derrotas... O ano foi o de 2014 e nem para a segunda fase do Paulistão os "malucos de Osasco" conseguiram ir. O resultado, definitivamente, não veio. Mas veio o mais importante: o debate.

A discussão sobre o tipo de futebol desenvolvido por um grupo de atletas que, em sua maioria, haviam passado por diversos clubes e nunca haviam brilhado no cenário nacional, foi impactante. Seu treinador, ainda em começo de carreira, sonhava alto quando colocava um futebol de muita troca de passes, mudança de posições e jogos duros contra os grandes da capital. A gente mal sabia o que estava por vir.  Dois anos depois, uma final de igual para igual com o Santos. 

Ex-jogador profissional, Fernando Diniz passou por Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Fluminense... Ganhou títulos pela maioria destes grandes clubes. Esteve no topo. Mas existe algo que o deixa mais feliz atualmente: ajudar outros  jogadores chegarem no topo. Tchê Tchê (Palmeiras) e Camacho (Corinthians), campeões brasileiros nos últimos dois anos, são exemplos e motivos de orgulho para o atual treinador do Atlético-PR.

Neste entrevista exclusiva ao blog, dias antes de sua estreia pelo Atlético-PR (0x0 com o Caxias, pela Copa do Brasil) Diniz bate muito na tecla do lado humano do esporte mais visto do mundo.  Diz usar sua formação em psicologia e luta para fazer de seus jogadores pessoas melhores. Ele ainda fala da qualidade do futebol brasileiro, sobre os pilares de seus trabalhos no futebol e mostra expectativas com o Furacão para 2018.

Ele ainda fala em resgatar a essência do futebol brasileiro, da importância do goleiro dentro do seu modelo de jogo e fala quais ligas e times do mundo gosta de assistir quando sobra um pouco de tempo entre os jogos e treinos que participa. Na íntegra você confere essa longa conversa só sobre futebol:

Depois de alguns anos de trabalho em um só clube (teve uma rápida passagem pelo Guarani), como tem sido seu início no Atlético-PR? Como você tem usado toda a estrutura que o clube te oferece?

Está sendo ótimo. De fato a estrutura é algo assim que só dá para falar quem vê. Mesmo sabendo que existe aqui uma estrutura muito boa, quando você chega acaba se surpreendendo positivamente. E isso é ótimo. Mas mais que a estrutura tenho profissionais aqui para me dar apoio que são de muita qualidade. Então nesse aspecto tem sido muito positiva a experiência. É acima do que eu imaginava.   

O que te fez ir para o Atlético-PR? Foi uma situação diferente na sua carreira. Você ficou anos no Audax e rejeitou ofertas por acreditar em um projeto e agora deixou o Guarani muito rapidamente. Algo mudou para você adotar uma outra medida neste caso recente?

A questão é que o meu acordo moral e ético com o Guarani eu cumpri da mesma forma que o fiz com o Seu Mário Teixeira (homem forte por trás do Osasco Audax). Eu deixei claro textualmente que eu não poderia mais deixar passar oportunidades como aconteceu quando eu estava no Audax. Disse que, se aparecesse alguma proposta de um time grande da Série A, provavelmente eu sairia. Sinceramente eu não acreditava que isso ia acontecer tão cedo. E nem o pessoal do Guarani. Foi uma coisa de comum acordo. Eles também falaram que não iriam me brecar. Então eu cumpri minha palavra com o Seu Mário no Audax e cumpri também no Guarani. São situações diferentes. Achei que era o momento, que era uma oportunidade grande. Eu tinha que aproveitar. Acima da estrutura que o Atlético-PR oferece, o que me trouxe para cá foi uma conversa muito significativa com o Seu Mario Celso Petraglia (CEO do clube paranaense). A gente teve uma grande afinidade de ideias. Parecia que a gente já se conhecia. Foi determinante para minha vinda. Me senti super confortável e confiante, vi uma sincronia de pensamentos. Isso me fez aceitar o desafio. Tenho convicção que fiz uma escolha certa.

DIVULGAÇÃO/GUARANI
Fernando Diniz chegou a assumir o Guarani meses atrás, mas teve passagem relâmpago
Fernando Diniz chegou a assumir o Guarani meses atrás, mas teve passagem relâmpago

Neste início de trabalho com os atletas o que você tem tentado mais desenvolver nos treinamentos? O que mais tem cobrado dos jogadores?

Eu tenho trabalhado com três pilares que eu acho fundamentais para um treinador de futebol. A primeira situação a pensar é na formação de um bom ambiente facilitador para que as relações humanas ocorram de maneira positiva. A segunda é muito trabalho tático. É preciso apostar nisso. E tem uma terceira coisa que também é muito importante, buscar sempre intensidade nos treinamentos. Na verdade, são estes três componentes que me acompanham em tudo que eu faço no futebol. O eixo central do trabalho está apoiado nestas três questões. Em termos táticos a gente treina exaustivamente a saída de bola, que é uma característica marcante das equipes que eu dirijo. É algo que a margem de erro tem que ser pequena, então é uma coisa que a gente tem que sempre trabalhar. As questões de compactação também. Temos que ter um time sempre próximo em qualquer setor do campo. São abordagens que sempre trabalho. E isso não depende de ser começo ou um estágio mais avançado do trabalho, são situações que a gente precisa sempre estar alinhados. Outra coisa que treinamos muito é como se comportar marcando em linha alta, média ou baixa. Depois disso, caminhamos mais para coisas mais específicas. Ainda não conseguimos trabalhar bola parada, mas teremos que fazer. Encaixe de marcação, ajustes, movimentações no último terço, como vamos elaborá-las... Tem que ser um passo de cada vez. 

Sua forma de jogar exige muita intensidade dos atletas, principalmente nas reações pós-perda da posse. Como você enxerga o estágio do Brasil neste sentido? Tem a impressão de que o jogo por aqui é mais lento? Claro que não devemos comparar isso com as maiores ligas do mundo, com a Premier League. Mas por que acha que estamos tão abaixo?

Eu acho que temos que aproveitar as características dos nossos jogadores. Quando um deles vai para fora, você o introduz em um todo, então facilita para ele se adaptar e passar a ter comportamentos que aqui não temos. Aqui não temos uma cultura enraizada sobre esses conceitos. O que temos aqui, se você for ver na prática do nosso jogo, olhando para os últimos campeonatos, está todo mundo jogando em transição. Ninguém quer a bola. Todo mundo tenta se defender bem para usar o contra-ataque para vencer os jogos. Sempre na transição defesa-ataque. E para quem joga dessa forma, não tem necessidade de treinar reações pós-perda. Não tem porque estimular esse tipo de intensidade. Então esse tipo de situação tem a ver com o tipo de modelo que você quer implantar. Para a maneira que eu gosto que minhas equipes joguem, esse tipo de conceito é muito importante. Velocidade no passe, no movimento e na reação pós-perda. Para mim a intensidade é muito importante. Para quem prefere "expor menos o time" - e digo isso entre aspas mesmo -, não é algo tão preponderante assim. 

Você percebe que no Brasil a gente absorveu muito conceitos de defesa, de controlar espaço e de jogar sem a bola nos últimos anos e que isso influencia na nossa maneira de jogar? O brasileiro acredita muito que organização tem a ver com defender, e sabemos que não é só isso. Não acha que é o momento de a gente dar um passo à frente na organização ofensiva também? Acha que falta conteúdo no nosso futebol neste sentido?

Eu não sei porque as pessoas acham tanto que organização no futebol serve só para defender. Claro que se organizar na fase defensiva é muito mais fácil do que quando você tem a bola. Dá muito trabalho ter a bola. Você tem que criar espaços, enfrentar linhas mais baixas... Quando isso acontece, você acaba se expondo mais. E no Brasil isso é ir contra a norma. Existe uma preferência para todos jogarem de uma forma mais conservadora. Você se protege melhor. Eu acredito que dois pilares fazem o futebol brasileiro caminhar para trás. A cultura do povo é de gente leve, a matéria prima ainda tem jogadores mais ousados, verticais, com bom drible, que sabem jogar com aproximação, serem criativos... E isso está na cultura do nosso povo. Os jogadores do futebol brasileiro, de uma forma mais geral, são oriundos de famílias menos favorecidas financeiramente. São caras que passam muito tempo na rua praticando futebol sem nenhuma inibição pois não tem um adulto monitorando as regras do jogo. Então a gente tem esse tipo de atleta e a gente está colocando ele para praticar um jogo com prioritariamente organização defensiva. Você precisa criar espaço para estimular a criatividade do jogador. E aí ele não cumpre de maneira satisfatória esses quesitos. O menino sonha ser jogador para jogar futebol. Não é porque ele quer marcar e jogar em transição. Isso é a contramão do que, principalmente o jogador brasileiro, sonha fazer quando é garoto. Avaliando de uma maneira mais profunda, eu tento, no geral, resgatar esse lado lúdico. Tentar trazer de volta o prazer que todo mundo teve de jogar futebol um dia. Todos estes jogadores já foram o melhor da escola ou da rua. Então se cria estruturas que favoreçam estes comportamentos para um jogo bem jogado. Sempre pensando em ter um time mais competitivo.

Muito se fala que o drible sumiu no futebol brasileiro. Muita gente sente falta disso, inclusive. Temos uma cultura forte de que devemos jogar a bola no melhor do time para que ele resolve sozinho, são situações criadas desde a base. Hoje se controla muito bem os espaços, se faz linhas de cobertura... Qual é o caminho para resgatar isso? A palavra não seria condicionar os jogadores a isso? Criar situações para este tipo de enfrentamento?

É condicionar, sem dúvida. Uma das coisas mais difíceis de ser feitas é você entrar na cabeça do jogador, na alma dele... Aquele atleta que tem o 1x1, que tem muita qualidade técnica. Fazer ele entender que o coletivo favorece as qualidades dele, que ajuda na sua criatividade. E não o contrário. O jogador precisa ser coletivo para participar do jogo de uma maneira relevante. Com isso ele terá mais espaço. Por fazer parte do todo. Neste momento ele vai ter a situação de 1x1. E para isso é preciso ter articulação, ter movimentos pré-estabelecidos... Não é uma receita de bolo. Você tem que criar estes movimentos, trabalhar padrões que favoreçam tanto o jogador mais técnico, com qualidades de enfrentamento, quanto aquele que prefere um jogo mais de aproximação. E isso dá trabalho, não é simples. Não vão ser 40 minutos de treinamento que vão gerar estas situações. Eu não acredito nisso. Os jogadores não vão se sentir confortáveis para estas coisas. De uma aproximação, de uma tabela com infiltração... Não é fácil, mas tem gente que faz isso muito bem no mundo. Tem outros que já não ligam muito para isso, preferem jogar em transição. Vai do gosto de cada treinador, do que acredita como futebol. Para mim o futebol só faz sentido desde que estes componentes estejam na prática do jogo. Não se trata de um jogo que você joga apenas pelo resultado, existem maneiras de você buscar uma vitória e eu acredito que a estética, o jogo bem jogado, intensidade e construção coletiva te colocam mais perto de ganhar um jogo. Eu não acredito que jogar em transição, mais fechado, te deixa mais perto da vitória. Eu não acredito nisso. Se você o faz bem, tem suas chances. Mas se você reage bem a perda da bola, se criar movimentos em sincronia e ataca espaços você tem maiores chances de levar o jogo. Tenho isso comigo. Não estou criticando quem ganha com linha mais baixa, esperando uma ou duas bolas para fazer o gol... Mas existe uma distorção destes conceitos. E mundo está aí para mostrar que não precisa ser assim. A Seleção de 82, quando não ganhou, criou-se uma distorção de pensamento que se o Brasil jogasse de maneira mais defensiva, teria maiores chances de ganhar a Copa. E para mim isso não faz sentido. A chance que aquela equipe foi muito maior daquela forma.  

Você bateu muito na tecla de que não é algo simples chegar em um nível de organização ofensiva mais aprofundado e o tempo está muito ligado a isso. No Audax você teve bastante respaldo para desenvolver estes conceitos durante anos. Acha que a realidade no Atlético-PR vai ser a mesma? Acredita que terá tempo?

É difícil fazer uma análise exata disso. Meu maior trabalho no Audax foi convencer os jogadores de que a gente podia jogar de igual contra equipes de maior expressão. E jogar até melhor, inclusive. E tudo isso levou um tempo realmente. Mas se a gente olhar para o meu início de trabalho lá ele foi bom. Não fiquei lá porque fui fazendo coisas erradas e ganhando tempo para consertar. Não acho que um treinador precise de 3 ou 4 anos para desenvolver um trabalho. Logo de cara a gente subiu da A2 para a A1 (do Campeonato Paulista). E batemos recordes de pontuação na competição. E para este primeiro time eu treinei uns 10 dias só. Claro que eu fiquei e as coisas foram evoluindo com o tempo. Em 2014 fizemos um primeiro jogo contra o Santos, que chamou a atenção das pessoas. Conseguimos um grande amadurecimento tático. Mas também uma evolução individual e coletiva dos jogadores, eles passaram a se sentir capazes de enfrentar grandes adversários. Sem dúvida foi o mais difícil. Tinha muitos jogos que a gente acabava jogando bem contra times grandes, mas por um erro muito infantil, acabava dando tudo errado. Teve um jogo no Morumbi, nosso primeiro tempo muito bom contra o São Paulo, mas por conta de uma expulsão e várias desatenções, tomamos uma série de gols. O tempo serviu muito para amadurecer a equipe. Fomos fazendo correções, criando alternativas... Quando eu peguei o grupo do Audax, a maioria dos jogadores vinham de insucessos na carreira. Então também foi um trabalho de resgatar a confiança deles. De criar um ambiente facilitador para que a comunicação entre eles fosse positiva. Foi um processo longo, que durou anos. No terceiro Campeonato Paulista juntos eles atingiram o nível máximo. 

GAZETA PRESS
Fernando Diniz durante final do Paulista entre Audax e Santos
Fernando Diniz durante final do Paulista entre Audax e Santos
 
Sabemos que você estudou e se formou em psicologia. Nas suas abordagens sobre futebol você sempre bate muito na tecla também de questões humanas, de entender a pessoa naquele atleta. Como você usa esse conhecimento que você adquiriu durante sua vida?

Eu fui jogador antes de ser treinador. A impressão que tenho é muito clara para mim. Tive uma boa carreira, joguei em times grandes. E eu sentia que faltava muito esse contato mais humano. O jogador é tratado como um robô, como uma coisa qualquer. Eu vi muito isso durante meus anos como atleta. Quando um cara jogava bem, ele era tratado como uma pessoa muito legal. Mesmo, em muitas vezes, ele não sendo uma pessoa lá muito legal. Às vezes era um cara que na parte humana deixava bastante a desejar. Aí o cara que trabalhava duro, que tentava fazer seu melhor, buscava as coisas, mas vivia um momento ruim, era quase sempre destratado. Era visto como uma pessoa menor. E esse tipo de distorção sempre me incomodou, me marcava muito. E eu sei que isso continua acontecendo. Não acho que seja a maneira mais correta de conduzir um time de futebol. As pessoas precisam ser respeitadas, você tem que procurar facilitar para que as pessoas se encontrem e sintam prazer de estar ali naquele ambiente. É algo que busco promover isso o máximo que consigo. Para mim uma pessoa melhor é um jogador melhor. Todos têm suas angústias, seus medos. E quando a gente consegue oferecer algo que as pessoas consigam superar os desafios, você acaba tendo um jogador melhor.

Muitos questionam um pouco a relação de cobrança que você tem com seus atletas. De uma dura mais ríspida, uma chamada de atenção... Te chateia este tipo de comentário? Você acha que teve algum exagero durante sua carreira?

A verdade é que, quem nunca trabalhou comigo e não conhece quase nada do meu trabalho, que não conviveu comigo, não me conhece. Claro que você não agrada todo mundo, mas se você ver a minha aceitação é muito grande. E falo isso vendo as relações que tenho com os jogadores. A minha maneira de ver o futebol e de me relacionar com os atletas se mistura muito. Eu exijo muito. E faço isso porque quero o melhor para eles. Eles vão parar de jogar bola em algum momento e se eles não souberem aproveitar o agora, eles podem ter muitas dificuldades lá na frente. Eu não quero isso para nenhum deles. Às vezes o cara não tem muita consciência disso. Minhas cobranças vão muito em cima disso. De mostrar para os caras, de não admitir que eles estejam jogando uma parte da vida deles fora. Eu quero que eles joguem um grande futebol, que cheguem a grandes equipes, que ganhem títulos... Que vivam o melhor do futebol. Para que saiba usufruir, que guardem sua grana, que cuidem bem de suas famílias... Quando a carreira deles acaba, sabemos que eles vão viver pelo Estado, e sabemos que o Estado é falido. A escola é ruim, a saúde é ruim, a segurança é ruim... Esse lado está muito impregnado em mim. Nunca neguei isso. Claro que a gente precisa fazer ajustes o tempo todo. Você precisa melhorar, e eu estou procurando isso. Estou atento neste sentido, de buscar outras alternativas, achar outras formas de tirar o melhor de cada jogador. Mas essencialmente o meu movimento é sempre para beneficiar o atleta. Tenho respostas claras destes jogadores que tive convivência. De mensagens que recebo até hoje, de como falam de mim para outras pessoas. Em sua maioria eu tenho convicção que essa aceitação é grande. E o que eu ajudei a promover na vida deles me preenche muito. Me satisfaz. É algo muito verdadeiro em mim essa vontade de ajudar. Isso emana em mim de uma forma muito intensa. Claro que eu tenho que corrigir exageros que em alguns momentos existiram. Mas quando eu os fiz sempre foi com a melhor intenção possível. Tive muitas conversas com meus atletas, de saber o que incomoda neles, tentar entender porque aquela pessoa é daquele jeito, tentar entender o passado que eles trazem, como foi a construção existencial de cada um... Às vezes as pessoas enxergam aquele pedacinho, mas ele é só a ponta do iceberg. Mas ninguém quer saber do todo. Vai lá perguntar para o Tchê Tchê (Palmeiras) do quanto eu cobrei ele, como foi nossa evolução. Cada um ver o que quer nestes momentos. Às vezes aquele pouco que você perde da normalidade, aquele pouquinho, vira um estardalhaço. Mas existem muito mais coisas por trás. E no futebol as pessoas não costumam valorizar isso. Se dá muita importância à parte tática, e eu valorizo isso, trabalho de forma exaustiva o que quero jogar, fase de construção, é só ver os jogos dos meus times, mas ali por trás tem pessoas. É um todo e uma construção constante de vários aspectos. Temos caminhos ainda pouco percorridos no futebol. É preciso ter coragem. 

Quando olhamos para suas equipes chama muito a atenção o papel do goleiro dentro do modelo de jogo que você busca. Como tem sido aí no Atlético-PR? Você vai buscar alguém de fora? Dá para trabalhar a evolução do goleiro com os pés ou é algo que ele já trás da base?

Se você tem um goleiro que já tem um jogo com os pés mais elaborado, facilita muito. Realmente é algo que facilita muito a forma como eu gosto de jogar. A parte técnica, física e tática é bastante complexa. Tem goleiros que não tem tanta qualidade com o pé, mas sabem tomar as melhores decisões. Até por entender suas limitações. O goleiro não precisa ser um craque com o pé para jogar comigo. O Sidão, quando cheguei ao Audax, não tinha quase nada de trabalho com os pés. Mas foi se desenvolvendo. Tanto que foi para o Botafogo e agora no São Paulo também por conta de ter qualidade com os pés. Acho que muita coisa o goleiro pode melhorar com treinamento. E aqui no Atlético-PR tem uma escola excelente de goleiros. Tem uma nova geração sendo formada aqui por grandes profissionais. Encontrei bons goleiros aqui. Mas quando a gente encontra algum que já entende o sistema, tem essa facilidade a mais, ajuda. Mas não que seja uma coisa que vai se definir sozinha. Ele só não pode ser horroroso neste sentido. Que não tem nada de qualidade, que não tem margem de evolução. Realmente eu uso bastante. De maneira geral eu acho que todos os goleiros, se bem trabalhados, tem o que evoluir.

No Brasil existe muito uma discussão sobre treinamentos fechados. Qual sua opinião quanto a isso? É de fato relevante fechar uma atividade para a imprensa?

Não tenho uma opinião totalmente formada quanto a isso. A imprensa faz parte do futebol. Quando você não fala, não dá uma entrevista, vai se construir coisas em cima do que não se ouviu. Obrigar o profissional a caçar informações. Tanto que a gente lê coisas e escuta na televisão coisas que não correspondem à realidade. Então fica uma coisa meio chata. Mas tem momentos que eu acho que precisa ter privacidade. Um treino tático mais importante, por exemplo, você precisa estar mais fechado. Como você vai abrir isso? Você não conhece as pessoas que estão ali naquele ambiente. Acho importante neste momento ter só as pessoas envolvidas no processo. Ali estão suas ideias de jogo, suas estratégias... Tem treinos que não tem problema você mostrar. Mas tem situações que é importante você estar ali sozinho.

Uma pergunta que sempre faço aos treinadores é sobre a discussão do "velho vs novo", do "boleiro vs acadêmico"... Acha que é uma questão que enriquece o debate sobre o nosso futebol?

Eu acredito muito em vocação. E a pessoa precisa disso trabalhar no futebol. Tem gente que nunca jogou futebol, mas tem sensibilidade para ser treinador. Consegue ter uma percepção diferente, entender os jogadores... Eu tive a sorte de ter trabalhado, principalmente na base, com gente que aprendi muita coisa. E a grande parte dessas pessoas nunca tinha jogado futebol profissionalmente. Evolui pra caramba com esses caras! Tive treinadores que me marcaram muito, caso do Oswaldo de Oliveira. E ele nunca foi atleta. Eu nunca passei por estes preconceitos, tive sorte por isso. Acho que existe espaço para todo mundo. Existe preconceito de ambas as partes e isso não pode existir. Acima de tudo o futebol precisa de gente bem preparada. Que tenha vocação, mas que também se capacite para isso. E vale para qualquer função no futebol. Estudar todo mundo tem que estudar, não tem jeito. Estou percebendo que os ex-jogadores estão buscando isso de uns tempos para cá. E tem essa galera que vem da academia, que estuda bastante, que mostram bons trabalhos... É aliar o conhecimento de todos para um bem maior. No geral é uma discussão que não faz sentido. Que vença o time das melhores ideias, do protagonismo delas. Eu quero ver a ponta final, que é como o time destes treinadores joga. Não interessa se é acadêmico ou ex-jogador e sim o que vai ser apresentado dentro de campo. Temos que discutir a prática. Joga bem, corresponde? A ideia por trás daquele modelo é bem executada? O que interessa o que o time produz em campo. A discussão é essa. O mundo é das pessoas que fazem, não das pessoas que falam. A teoria só serve se for boa na prática. E isso vale para qualquer área da vida. O futebol precisa criar encantamento em quem assiste. Isso é importante, acima de tudo.

GAZETA PRESS
Fernando Diniz durante treino do Audax
Fernando Diniz durante treino do Audax

Qual a importância hoje de o treinador ter uma boa comissão técnica? Você acha que a figura do treinador também tem mudado nos últimos anos? Principalmente na questão de centralizar menos as coisas nele e também saber delegar?

Realmente teve uma mudança. Para mim, por onde eu passei, sempre levei em conta o ambiente. No Atlético-PR eu fui acolhido da melhor maneira. E da mesma for eu também busco sempre acolher todo mundo. Eu procuro usar todo mundo no processo. Eu gosto de gente, gosto de conviver com as pessoas. Às vezes tem gente ao seu redor que está enxergando coisas que você não consegue ver. Então o treinador precisa estar aberto. Eu procuro sempre ouvir o maior número de pessoas possíveis. Claro que quando é possível, quando a situação pede. Sempre deixou claro que estou aberto a novas ideias e tento estimular as pessoas a serem criativas. Quero que pensem um pouco fora da caixinha. O que está aí já está aí, e a gente tem mais coisas para descobrir no futebol. Quando você consegue prover este tipo de sentimento, fazendo as pessoas se sentirem mais à vontade, elas acabam te ajudando mais. O que eu falei de criar um ambiente facilitador vale para os jogadores e também para os membros de comissão técnica. O trabalho que todo mundo faz pode ser melhor. Se ajudando, todos melhoram. Eu gosto deste contato próximo, que as pessoas tenham liberdade e confiança para poderem ousar. Que tentem coisas novas, que errem... Porque quando estamos imobilizados não saímos do lugar. E sempre temos um mundo novo para construir. Analista, fisiologista, preparador, nutricionista... Todos eles precisam ter liberdade para falar com o treinador. Sugerir coisas, buscar resoluções. Claro que é função do técnico tomar a decisão, somos pagos para isso. Mas eu estou sempre aberto a escutar tudo que as pessoas têm para falar. É importante deixar todos confortáveis para expor suas opiniões. Se você vai usar ou não é outra história. Posso achar que não é o melhor para a equipe, mas vou sempre respeitar e deixar esse canal aberto. É importante para ter um time forte também fora de campo. A gente precisa um do outro. 

Claro que o treinador brasileiro precisa estar sempre com olhar forte aqui no Brasil. Mas você acha importante também observar o que acontece fora do Brasil? Quais ligas e times você gosta de ver jogar?

Eu acho bastante importante se manter antenado com o que acontece lá fora. Eu trabalho com dois olhares. O meu principal é para o que eu estou praticando. Meu time, os adversários que terei pela frente. O que me sobra de tempo eu busco olhar para outros países. Gosto muito do futebol inglês. Gosto de ver as equipes que o Guardiola treina. Do Klopp. Gosto muito do Napoli que é treinado pelo Sarri. Defensivamente é uma ideia um pouco antagonista do que eu penso de futebol, mas gosto de ver o time do Simeone também. É importante você entender formas para se defender bem também. É muito interessante o que ele faz no Atlético de Madrid. Com seu estilo e com menos recursos ele conseguiu ser competitivo em alto nível, contra equipes muito mais poderosas. A gente tem que tirar o chapéu. Não que eu queira defender como defende o Simeone, mas é importante observar. De maneira geral acho que o futebol inglês está um pouco à frente. É um movimento que acontece de tempos em tempos. De um país que acaba tendo uma maior organização e mais recursos financeiros, conseguindo ter os melhores jogadores e técnicos. Ao logo do tempo acaba tendo mais incidência também nas categorias de base. O movimento que está acontecendo lá de um período para cá é bem interessante. Quando se investe muito e você leva os melhores jogadores, e consequentemente os melhores treinadores, isso tem impacto na formação de uma nova geração de jogadores. Eles vivem esse momento. Assim como a Itália já viveu, a Espanha... Outro que gosto de ver é o Sampaoli. Mas o que eu mais estudo mesmo são os meus times, no que precisa ajustar, melhorar, e os adversários.       

Mantendo a tradição das entrevistas que faço, eu sempre fecho com uma pergunta que sempre rende boas respostas. Até por elas serem bastante pessoais. O que é jogar bem para você?

Para mim jogar bem é ser competitivo, mas sempre que puder encantando que o assiste. É produzir coisas positivas em todo o processo que antecede o jogo em si. Ganhar e sentir prazer, dar prazer para quem joga e quem assiste. O futebol tem uma conexão muito forte com a minha vida. Eu quis jogar futebol porque os jogadores me encantavam, o jogo me trazia uma sensação única. Zico, Maradona, Romário, vídeos do Pelé... Para mim a essência do jogo é isso. É a arte, a beleza. Quando você consegue resgatar isso, você se torna muito mais competitivo. Ao resgatar a essência do jogo ele te dá uma ferramenta muito poderosa para ganhar. Jogar bem é construir um futebol coletivamente. Não adianta também colocar um monte de talentos e soltar a bola para eles resolverem. Já foi o tempo disso. Passou. É preciso ter uma amarração coletiva para se construir algo sólido. Ter a posse, terminar as jogadas com eficiência... Isso te exige o trabalho coletivo de forma gigantesca. É necessário construir muitas conexões entre os jogadores. E a parte humana entra de maneira sistemática nisso. Não é só o modelo de jogo, não é só a parte tática... Tudo precisa ser construído de maneira agregada. O futebol precisa ter algo mais. Não é só o resultado no final da partida, tem que ter um gosto, um sabor. As pessoas precisam gostar de ver o jogo.

Fonte: ESPN.com.br

Baita entrevista. Quem curte futebol com certeza tem que ler isso. Não sei em vocês, mas em mim reacendeu bastante a minha paixão pelo futebol. Realmente o Fernando Diniz é um treinador diferenciado.

Link to comment
Share on other sites

14 minutos atrás, João Gilberto disse:

O bom e velho post da zica... a partir de agora a carreira do cara é ladeira abaixo.

hehehe

xD

Qual é, kkkk tava me esquecendo da tradição de posts zicados... vamos torcer para que abram-se exceções e o Furacão vá bem sob o comando dele.

Link to comment
Share on other sites

Tava lendo e me encantando aí me lembram da zika OMG.

#AntiZikaDiniz

 

Agora, ele é muito inteligente. Fala bem sobre suas ideias, suas convicções. Essa vontade de entreter o público, é algo que me agrada. Tem jogos que você assiste por assistir, o(s) time(s) fica(m) cozinhando o jogo, parece que não tem vontade de ganhar. Ou então só jogam um tempo, no outro ficam omissos. Ninguém quer pagar caro pra ver algo ruim ou que só seja bom pela metade.

Claro que futebol é muito mais que isso, envolve paixão, emoção, as vezes irracionalidade, mas acho que 99,999999999% dos fãs querem ver seu time jogando bem, dando show. É muito mais agradável. 

Torço pelo Diniz, que dê certo, o futebol brasileiro precisa de treinadores assim, precisa de um futebol intenso. 

Link to comment
Share on other sites

14 horas atrás, EduFernandes disse:

[...]

Sim kkkk torcer para a tradição de zicas aqui do fórum dar uma trégua.

Mas me encantei muito pela entrevista também, como eu falei. Mas por mais que eu goste de futebol bem jogado, tenho a opinião de que o treinador tem que fazer seu time de acordo com os jogadores que tem. Não adianta pegar 11 burucutus, e colocar pra jogar um futebol de passes rápidos. Mas sobre o que você falou, eu também concordo, pois com os ingressos caros tem que ter algo que faça valer a pena o ingresso, alem de odiar essa má vontade que alguns times tem que quando tem a vantagem no placar.

Mas o proprio Diniz mostrou que se importa com a emoção e a paixão, tanto que ele é exigente durante as partidas e sabe trabalhar com a parte Mental do Futebol.

Espero que ele dê certo também, apesar da Zica. Mas acho até que, como ele disse, que tenha treinadores de pensamentos diferentes de estilo de jogo, mas unidos em um bem maior, mas acho que todos os treinadores precisam melhorar na área na psicologia. 

E de pensar que ele foi o meu primeiro treinador "inimigo" no Football Manager.. kkk

13 horas atrás, Inner Logic disse:

E zicou. Só não reclamo porque quero esse cara longe do Atlético.

Relaxa man, é inicio de trabalho. Lembre-se que ele demorou uns três anos pra dar um padrão ao Audax e conseguir resultados e um futebol melhor.

Edited by MitoMitológico
Link to comment
Share on other sites

2 horas atrás, MitoMitológico disse:

 

Relaxa man, é inicio de trabalho. Lembre-se que ele demorou uns três anos pra dar um padrão ao Audax e conseguir resultados e um futebol melhor.

Hahahaha. Pode desistir então, nunca que ele vai ter esse tempo todo. Se não conseguir resultado agora, em 3 meses já tá demitido..essa é a realidade no Brasil. Mas tem que dar tempo pro cara sim, deixar ele pelo menos jogar 1 turno do Brasileirão. O Atlético não se importa muito com estadual mesmo.

Link to comment
Share on other sites

18 minutos atrás, davidreisc disse:

Hahahaha. Pode desistir então, nunca que ele vai ter esse tempo todo. Se não conseguir resultado agora, em 3 meses já tá demitido..essa é a realidade no Brasil. Mas tem que dar tempo pro cara sim, deixar ele pelo menos jogar 1 turno do Brasileirão. O Atlético não se importa muito com estadual mesmo.

Sim, infelizmente ele só teria esse tempo todo no melhor dos mundos.  Mas o que queria dizer é que em inicio de trabalho não dá pra esperar muito. Pro Atletico ganhar algo, tem que manter ele, pelo menos até o meio de 2019, por aí.

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, MitoMitológico disse:

Mas por mais que eu goste de futebol bem jogado, tenho a opinião de que o treinador tem que fazer seu time de acordo com os jogadores que tem. Não adianta pegar 11 burucutus, e colocar pra jogar um futebol de passes rápidos.

Concordo também com isso. Não dá pra jogar bem sem ter peças pra isso. 

Ontem eu até estava conversando com um amigo colorado sobre isso, usando o Falcão como exemplo. Que ele entende e tem boas ideias sobre futebol ninguém duvida, mas ele tenta fazer isso sem ter as peças. Não dá pra ele tentar sair jogando desde a defesa com o Paulão na zaga. 

Guardiola também entra nessa discussão. Muitos criticam seus gastos, dizem que não iria ir tão bem em um time sem tanto dinheiro... Mas isso é algo óbvio. Ele jamais conseguiria fazer um time jogar bem, da forma que ele gosta se não tiver jogadores que são capazes de jogar dessa forma. Ele precisa das "peças", senão os jogadores não vão conseguir assimilar a forma de jogo. Vai ser igual aqui, quando treinador tenta implementar a "posse de bola", o time fica rodando ela sem objetivo, na maior parte do tempo no campo de defesa. 

Link to comment
Share on other sites

21 minutos atrás, MitoMitológico disse:

Sim, infelizmente ele só teria esse tempo todo no melhor dos mundos.  Mas o que queria dizer é que em inicio de trabalho não dá pra esperar muito. Pro Atletico ganhar algo, tem que manter ele, pelo menos até o meio de 2019, por aí.

Quais as pretensões do Atlético nesse campeonato? Imagino que seja beliscar uma vaga nos G7/8 da vida. Então eu acho que se ele não estiver com uma campanha muito ruim no campeonato, não tem porque não insistir com ele. Na Copa do Brasil tem que conseguir chegar nas oitavas e dependendo do adversário, até depois. Dar um voto de confiança para ele nesse ano não deve ser tão absurdo assim.

Link to comment
Share on other sites

5 horas atrás, MitoMitológico disse:

Relaxa man, é inicio de trabalho. Lembre-se que ele demorou uns três anos pra dar um padrão ao Audax e conseguir resultados e um futebol melhor.

Mas o Audax é o Audax e o Atlético é o Atlético. Essa formatação de jogo dele só funcionou no clube paulista pois era um time sem aspirações, então ele teve tempo e, dentro dos parcos recursos que tinha, fez funcionar. 

O que eu vi do jogo foi um time que só tocava a bola mas não avançava pelo campo, que era o pior aspecto daquele jogo de toques do Barcelona e que foi visível especialmente no período com o finado Tito Villanova.

Para um time que vinha treinando há pouco menos de um mês e ainda não havia entrado em campo oficialmente, como foi o caso do Atlético, era pouco. E aqui não falo de jogo bonito, mas jogo efetivo, coisa que não foi vista nessa partida.

O Caxias foi mais efetivo, mordeu mais e só não saiu com a vitória porque o goleiro salvou varias vezes.

E agora o Diniz começou a montar a patotinha com o mão de alface do Felipe Alves, goleiro "xodó" dele chegando.

Se esse Diniz se segurar no Atlético até o fim do ano e ganhar alguma coisa, vai ser milagre e eu me pinto de verde fluorescente.

Link to comment
Share on other sites

11 minutos atrás, Inner Logic disse:

O que eu vi do jogo foi um time que só tocava a bola mas não avançava pelo campo, que era o pior aspecto daquele jogo de toques do Barcelona e que foi visível especialmente no período com o finado Tito Villanova.

Para um time que vinha treinando há pouco menos de um mês e ainda não havia entrado em campo oficialmente, como foi o caso do Atlético, era pouco. E aqui não falo de jogo bonito, mas jogo efetivo, coisa que não foi vista nessa partida.

O Diniz não tem nem dois meses de trabalho, bicho. Ainda que existisse pré-temporada no Brasil, não deveriam criticá-lo agora.

Link to comment
Share on other sites

Ele precisava ter treinado mais na Série B antes de tentar algo assim, com mais pressão por resultados. Um time de meio de tabela primeiro, depois um Goiás da vida pra subir e aí já ter a base pronta...

Link to comment
Share on other sites

Reclamar de um trabalho de 2 meses, que tenta implantar uma filosofia tática praticamente desconhecida e, por que não, odiada pelos jogadores (que na sua maioria não tá nem ai pra isso), é tosco. O trabalho do Diniz requer no mínimo 1 ano, no melhor dos cenários (jogadores à altura do desafio e comprometidos com a ideia), pra começar a dar frutos verdadeiros, o que vier antes é lucro ou sorte.

O Atlético não é um bom time que vai aprender uma nova filosofia, é um time razoável que vai aprender a ser bom ao passo que se desenvolve taticamente.

Link to comment
Share on other sites

Guest João Gilberto

Se ele precisa de tanto tempo pra implementar sua filosofia de futebol, como vocês estão dizendo, só lamento. Basta ver o exemplo do Eduardo Baptista que durou apenas 13 jogos nesse mesmo Atlético-PR. Esse tipo de treinador precisa de respaldo e mão firme da diretoria pra segurar a pressão da torcida, não atoa, como mencionei, Eduardo só deu certo aqui (mesmo após ser eliminado no PE e na Copa do Nordeste) e na Ponte.

Link to comment
Share on other sites

  • General Director
2 horas atrás, João Gilberto disse:

(...) e na Ponte.

E olha que aqui na Ponte esse "deu certo" é relativo ainda, hahahahah... o Eduardo não é unanimidade entre a torcida pontepretana não, inclusive tem mt gente que preferiria ter continuado com o Kleina.

Quanto ao Fernando Diniz, ele vai ser REALMENTE testado agora né, e não adianta se escorar na muleta do "pouco tempo de trabalho" porque ele conhece melhor do que ninguém a cultura resultadista do nosso futebol e a pouca paciência que os cartolas possuem com seus treineiros. Ele que se vire pra fazer essa implementação (de filosofia) paralela à conquista de resultados, nem que sejam resultados OK apenas.

 

Eu até tava torcendo por ele, mas depois da sacanagem que ele aprontou com o Bugrão, quero mais é que se foda.

Link to comment
Share on other sites

5 horas atrás, Leho. disse:

Eu até tava torcendo por ele, mas depois da sacanagem que ele aprontou com o Bugrão, quero mais é que se foda.

Na verdade, achei mais burrice dos cartolas do que sacanagem do Diniz. Como é que deixam uma cláusula que permite o treinador sair pra qualquer clube da Série A?

Link to comment
Share on other sites

9 horas atrás, João Gilberto disse:

Se ele precisa de tanto tempo pra implementar sua filosofia de futebol, como vocês estão dizendo, só lamento. Basta ver o exemplo do Eduardo Baptista que durou apenas 13 jogos nesse mesmo Atlético-PR. Esse tipo de treinador precisa de respaldo e mão firme da diretoria pra segurar a pressão da torcida, não atoa, como mencionei, Eduardo só deu certo aqui (mesmo após ser eliminado no PE e na Copa do Nordeste) e na Ponte.

Mas Eduardo no Sport, antes de ter a má fase, já tinha dado certo e provado a capacidade  no primeiro semestre de trabalho dele, isso facilitou muito também

Link to comment
Share on other sites

Quero ver ele ficar no cargo após um turno sem ganhar UMA partida (igual no Oeste em 2016) no Atlético PR.

Link to comment
Share on other sites

  • General Director
12 horas atrás, VitorSouza disse:

Quero ver ele ficar no cargo após um turno sem ganhar UMA partida (igual no Oeste em 2016) no Atlético PR.

Pois é, fez um trabalho péssimo naquele ano dentro do clube do interior paulista.

Link to comment
Share on other sites

Um adendo: eu não acho que seja viável na nossa cultura implantar esse sistema dele em clubes sem jogadores necessários ou dinheiro pra contratar, por que sempre seria preciso muitos anos de garimpo e maus resultados, acho que ele também tem que saber se adaptar aos clubes tanto quanto os clubes ás filosofias dele

Link to comment
Share on other sites

57 minutos atrás, Thiago Anjo disse:

Um adendo: eu não acho que seja viável na nossa cultura implantar esse sistema dele em clubes sem jogadores necessários ou dinheiro pra contratar, por que sempre seria preciso muitos anos de garimpo e maus resultados, acho que ele também tem que saber se adaptar aos clubes tanto quanto os clubes ás filosofias dele

Verdade.

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Independentemente de ter existido cláusula ou não falando de proposta de time grande, vale também a ética do treinador, em saber que assumiu a poucos dias um clube, indicou vários jogadores que custaram dinheiro aos cofres bugrinos. Mais enfim, há males que vem para o bem, e hoje estamos a 1 jogo de subir ao lugar que é de direito nosso, elite do Paulista, com um jovem treinador que deu identidade ao time bugrino, que tem o melhor ataque da competição.

Link to comment
Share on other sites

  • Leho. changed the title to Fernando Diniz avisa que dá mais trabalho ter a bola, elogia a PL e quer lado humano mais valorizado

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

  • Similar Content

    • JGDuarte
      By JGDuarte
      21ª RODADA
      Post destinado aos jogos que não terão tópicos específicos.
       
      SÁBADO - 06/08/2022
      Botafogo 1 x 1 Ceará
      16h30
      Juventude 0 x 1 América-MG
      16h30
      Atlético-GO 2 x 1 RB Bragantino
      19h00
      Avaí 1 x 1 Corinthians
      19h00
       
      DOMINGO - 07/08/2022
      Fluminense 1 x 0 Cuiabá
      16h00
      Palmeiras 3 x 0 Goiás
      16h00
      Fortaleza 3 x 0 Internacional
      18h00
      Atlético-MG 2 x 3 Athletico
      19h00
       
      SEGUNDA - 08/08/2022
      Coritiba x Santos
      20h00
    • JGDuarte
      By JGDuarte
      Sábado, 06 de agosto de 2022, 20h30
    • EduFernandes
      By EduFernandes
      Tópico destinado aos jogos da 20ª rodada que não possuem tópicos próprios.
       
      - Goiás 1 × 0 Coritiba (SÁB, 30/07/2022 16:30)
      - América-MG 3 × 1 Avaí (DOM, 31/07/2022 18:00) 
      - Cuiabá 0 × 1 Fortaleza (DOM, 31/07/2022 18:00) 
      - RB Bragantino × Juventude (DOM, 31/07/2022 19:00)
    • EduFernandes
    • EduFernandes
      By EduFernandes
×
×
  • Create New...