Jump to content
Sign in to follow this  
Dinheiro Tardelli

Como apps de entrega estão levando pequenos restaurantes à falência

Recommended Posts

Dinheiro Tardelli
Quote

Como apps de entrega estão levando pequenos restaurantes à falência
Após levantar US$ 500 milhões, maior aplicativo de entrega de comida do país investe em promoções agressivas, impede acesso a clientes e monopoliza dados estratégicos


Aos 49 anos, Ricardo Masironi desistiu de empreender. Desde novembro, o ex-dono de hamburgueria se tornou cozinheiro de uma cervejaria artesanal em Moema, zona sul de São Paulo.

Masironi havia criado a Montanha Burger em 2016 e viu a chance de prosperar a partir do serviço de entrega de comida iFood, que estava expandindo as suas operações na mesma época.

Foi uma decisão acertada: com "propaganda" garantida por parte do parceiro de delivery, a Montanha Burger, que tinha um pequeno salão próximo ao metrô São Judas, também na zona sul da capital, chegou a despachar 90 entregas por dia, metade da sua demanda diária, com uma média de R$ 55 por pedido. Nada mau para um negócio de pequeno porte.

Mas, no começo de 2019, algo começou a dar errado: os pedidos deixaram de aparecer de uma hora para outra. Não foi uma redução gradual, fruto de um possível aumento de competição. Nem uma mudança de cardápio ou receita, que permaneceram exatamente os mesmos.

Masironi sequer teve a chance de sondar a clientela para saber o que estava acontecendo: no final de 2018, o iFood já havia deixado de fornecer o contato dos clientes aos restaurantes. A partir de então, o consumidor passou a ser do serviço de entrega — não importa quem faça a comida.

"Com o tempo, o iFood mudou radicalmente o atendimento aos restaurantes", diz Masironi, que acabou fechando o salão em agosto do ano passado. Manteve apenas o delivery e enveredou pelos lanches mais baratos, vendidos a R$ 9,50.

Mas seus produtos não eram exibidos na seção de comida barata do iFood, de até R$ 10. Questionou o aplicativo, mas não obteve resposta conclusiva. Sem pedidos, Masironi não suportou os custos e encerrou definitivamente a operação em novembro.

O caso da Montanha Burger não é isolado. A reportagem conversou com outros oito donos de restaurantes, cafés, bares e lanchonetes que colecionam mais dissabores que vantagens após contratar os serviços do iFood.

As principais queixas se referem às "promoções malucas" propostas pelo aplicativo, do tipo "compre um lanche e ganhe outro", ou a oferta sistemática de cupons de desconto de R$ 10, que acaba com as margens de lucro dos estabelecimentos.

"A minha porção de calabresa custa R$ 14. Eu tenho que pagar 27% sobre o preço do pedido para o iFood. Como é que eu vou dar um desconto de R$ 10? Vai me sobrar o quê?", questiona Jane Bassoli, sócia do marido Alexandre Bassoli no Bassa Bar e Restaurante, na zona oeste de São Paulo.

Questionado pela reportagem, o iFood não respondeu se, ao formular as suas promoções, que são as que mais chamam a atenção dos consumidores, leva em conta o percentual de lucro dos restaurantes.

Na percepção dos estabelecimentos, a relação com o iFood começou a piorar na segunda metade do ano passado, quando o aplicativo investiu no Loop, o seu próprio "restaurante". Por meio do Loop, o cliente programa a compra do almoço na véspera ou até as 11h do mesmo dia.

A primeira refeição é vendida a R$ 4,99, sem taxa de entrega. A partir da segunda refeição, o preço é R$ 9,99, também com entrega grátis. "Cinco reais é o preço de um salgado. Como a gente vai competir com isso? Como ter lucro e servir uma refeição decente a R$ 10, sem taxa de entrega?", pergunta Alexandre Bassoli.

A reportagem apurou que, no caso do Loop, o iFood faz acordos com restaurantes que vendem comida por quilo. O cardápio do dia é definido previamente e, na véspera, o iFood encomenda ao restaurante a quantidade que será entregue, com base na demanda já agendada. Na prática, o aplicativo compra o aumento da capacidade do restaurante, a quem paga antecipado.

Na visão da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), a prática indica dumping — quando um fornecedor põe à venda um produto a um preço muito inferior ao do mercado. "O delivery é um ponto chave para a competitividade dos restaurantes, cada vez mais os clientes buscam conveniência", diz Célio Salles, membro do conselho de administração nacional da Abrasel. "Mas o aplicativo não pode praticar subsídio na venda dos produtos, o que acaba deturpando o equilíbrio do mercado", afirma.

A empresa se defende. "O iFood esclarece que age de acordo com a legislação aplicável na operação do Loop e em suas demais atividades e que não compactua com qualquer tipo de prática ilegal. O modelo de negócio desse serviço tem como base a utilização da capacidade produtiva ociosa de restaurantes e o agendamento de pedidos combinado à logística de entrega eficiente, o que resulta em refeições a preços mais acessíveis."

A prática não envolve apenas os pequenos restaurantes. O franqueado de uma grande rede de fast-food, que não quis se identificar, afirmou que o aplicativo faz promoções em que oferece desconto de 50% sobre o preço do milk shake, por exemplo. "O aplicativo me paga o preço cheio do produto, mas vende pela metade", diz o franqueado. Neste caso, porém, o restaurante não tem prejuízo — embora a venda na sua loja física seja canibalizada, já que o cliente vai optar pelo aplicativo.

"É muito positivo atender aos anseios dos consumidores, assim como gerar novas oportunidades de negócios e fomentar a economia. Mas isso deve ser feito dentro de um modelo sustentável, em que as regras estejam claras e sejam iguais para todos, com transparência", diz a advogada Patrícia Peck, do escritório PG Advogados, uma das pioneiras no estudo do direito digital no Brasil.

Ela lembra que a competição costuma ser acirrada em novos mercados, o que acaba gerando benefício de descontos à clientela no começo, devido à guerra de preços. "Mas se a situação perdurar, gera um canibalismo do sistema, que logo alcança um desvio perigoso", diz Peck, que preside o Instituto iStart de Ética Digital.

Vende quem aparece primeiro

Além dos preços agressivos, uma das maiores queixas dos restaurantes se refere à transparência na exposição do seu negócio na plataforma. Quem aparece primeiro na pesquisa por categoria — lanches, padaria, comida brasileira etc. — tem mais chances de ser escolhido pelo consumidor.

"Na região do metrô São Judas, são cerca de 200 lanchonetes no iFood. Como é feito este ranqueamento? Eles dizem que a exposição depende da nota do restaurante, com base na pontualidade e na avaliação do cliente. Mas eu nunca vi essas informações. Minha lanchonete desabou das cinco primeiras posições para uma das 30 primeiras de uma hora para outra, sem ter recebido reclamação", diz Masironi, ex-Montanha Burger.

Outro restaurante que ficou sem resposta foi o Buffet Lé com Cré, na Lapa, zona oeste de São Paulo. "Para ser mais competitivo, queria me tornar um restaurante com frete grátis, como vários que aparecem na plataforma, porque o iFood cobrava R$ 6,90 do meu cliente pela entrega. Eu perguntei o que teria que fazer, mas eles nunca me responderam", diz Ruy da Silva Elentério, sócio do Lé com Cré.

Para aproveitar a ociosidade do buffet durante a semana, ele passou a servir almoço por quilo no restaurante, que tem capacidade para 80 pessoas. Mas, no último ano, empresas do entorno fecharam as portas e Elentério decidiu partir para o delivery, na tentativa de aquecer as vendas. Preparou fotos, cardápio e treinou pessoal. "Fiquei três meses no iFood e não vendi nada", diz.

"A gente foi atrás por causa da super-propaganda da marca, já que eles aparecem até na novela da Globo. Achamos que o negócio iria bombar, era nossa chance de atender além dos 500 metros, que é a distância média que alguém caminha para almoçar. Mas foi só ilusão", diz Elentério, que fechou o restaurante por quilo no fim de dezembro, para se concentrar apenas no buffet infantil. Demitiu três funcionários.

Na opinião do especialista em direito digital Renato Opice Blum, do Opice Blum, Bruno, Abrusio & Vainzof Advogados, a prática do iFood pode configurar abuso de poder econômico, caso seja comprovado que o aplicativo vem prejudicando a operação dos restaurantes. "Quando o propósito do investimento é eliminar pequenos parceiros, há concorrência desleal e dumping", diz o advogado, professor do Insper, onde coordena os cursos de proteção de dados e direito digital.

A questão de como se dá o ranqueamento dentro da plataforma, crucial para as vendas, foi levantada junto a iFood, Rappi e Uber Eats. Todos disseram que a ordem é determinada pela "inteligência artificial" (veja mais abaixo).

Em resposta à reportagem, o iFood afirmou que os parceiros costumam apresentar 50% de crescimento nos primeiros seis meses cadastrados da plataforma. O iFood diz que "está sempre disposto a ouvir os seus parceiros e fazer melhorias em seus processos para atendê-los com mais eficiência". Segundo o iFood, os restaurantes contam com "ferramentas de inteligência de negócio" para melhorar as vendas, um time que oferece as primeiras orientações e uma equipe de pós-venda.

Cozinhas que ninguém vê

Fundado em 2011, o iFood faz parte do seleto grupo de "unicórnios" do país — como são chamadas as startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão. No final de 2018, o aplicativo recebeu um aporte de US$ 500 milhões, a maior rodada de investimentos já obtida por uma empresa na América Latina. A previsão era aplicar o montante, cerca de R$ 2 bilhões, até o fim de 2019.

Brasileiro, com operações no México e na Colômbia, o iFood é líder no mercado de entrega de comida no país, à frente dos rivais Rappi, Uber Eats e da novata 99 Food. Entre janeiro e setembro de 2019, realizou 159,3 milhões de entregas, uma média de 18 milhões de pedidos por mês, o que representa um crescimento de quase 50% sobre 2018. No período, 86 mil entregadores atenderam a 886 cidades no Brasil e na América Latina.

Todo esse poder de fogo abriu o apetite para novas empreitadas: a criação de "dark kitchens", ou restaurantes virtuais, voltados apenas para o delivery. A aposta não é exclusividade do iFood: Rappi e Uber Eats também enveredaram por esse caminho, como uma maneira de explorar o enorme "big data" à sua disposição.

Funciona assim: a partir da sua base de dados, os serviços de entrega de comida detectam onde existe uma grande demanda por determinado tipo de produto. Elegem parceiros para abrir um restaurante naquela região, em regime de exclusividade — normalmente, os restaurantes que mais vendem na plataforma.

O aplicativo indica o melhor local para montar a "cozinha virtual" — o mesmo espaço, inclusive, pode reunir várias cozinhas diferentes (massa, pizza, sushi, hambúrguer e etc), uma espécie de coworking das cozinhas, atendendo a um só aplicativo.

O empresário entra com o investimento para equipar o espaço, enquanto o aplicativo se encarrega de fazer toda a propaganda, muitas vezes criando uma marca específica, que o cliente só vai encontrar na sua plataforma.

Essa marca tem visibilidade privilegiada e costuma estar à frente dos outros restaurantes. Ao dar as ordens na cozinha, os aplicativos conseguem ter o controle sobre todo o processo e negociar melhor as margens de cada etapa.

"Para mim, o fato de eu não aderir às promoções malucas do iFood fez as minhas vendas caírem de uma hora para outra no delivery", diz Masironi, ex-Montanha Burger. "Quem não entra no esquema deles, fica de escanteio. Eles privilegiam as dark kitchens que ajudam a montar".

Sobre o Loop, o iFood afirma ter iniciado testes em novembro de 2018, "e o serviço foi desenvolvido com o suporte de nutricionistas e chefs consultores para oferecer um cardápio balanceado, variado e de qualidade a preços acessíveis". "O modelo de operação do Loop traz rentabilidade aos restaurantes parceiros, que aproveitam melhor seus recursos, e também para as demais pontas do ecossistema".

O aplicativo diz que as refeições são entregues lacradas e com as informações do restaurante. Mas não informa quais os critérios para a escolha do parceiro.

Alexandre Sampaio Padovani, dono do restaurante Hollyfood no Itaim Bibi, zona sudoeste de São Paulo, desistiu de participar das promoções semanais propostas pelo iFood. "Quando eu entrava na promoção, a média de pedidos passava de seis para 20 no dia, mas eu não tinha lucro", diz.

Se em um primeiro momento ele encarou o custo como marketing, acabou deixando de fazê-lo. Apesar de mais do que triplicar o número de pedidos no dia, a promoção não agregava novos clientes, uma vez que a sua média diária de vendas permanecia a mesma.

"No iFood, o que compensa para mim é o cliente do salão que paga com o QR Code do aplicativo", afirma Padovani. O cliente do iFood que usa o QR Code para pagar seus pedidos acumula pontos, que podem ser usados como desconto tanto nos restaurantes físicos conveniados quanto no próprio aplicativo, com exceção do Loop.

"O valor da compra pelo QR Code entra para mim em dois dias, muito mais rápido do que no voucher ou nos cartões de débito e crédito, que demoram 30 dias para me pagar", diz.

Restaurante fora de área

Outra reclamação comum à maioria dos restaurantes ouvidos pela reportagem é o seu status dentro da plataforma: muitos aparecem para o consumidor como "fechados" ou com "área de atendimento reduzida", mas estão operando normalmente. "Se a área está bombando e não tem motoqueiro suficiente para fazer as entregas, o iFood tira o restaurante da área ou reduz a sua atuação", diz Masironi.

Alexandre Bassoli, do Bassa Bar e Restaurante, achou estranho quando consultou a visibilidade do seu estabelecimento no iFood em novembro. Em um dia de semana, pouco depois do meio-dia, o Bassa apareceu como "aberto — com área de entrega reduzida". O estabelecimento, porém, operava normalmente. A restrição se manteve ao longo da semana.

Quando questionou o aplicativo, recebeu a seguinte resposta, dentro da plataforma: "A logística iFood, quando verifica uma alta demanda na região, como prevenção para o próprio estabelecimento, reduz o raio de atendimento ou até mesmo pode indisponibilizá-lo momentaneamente ou por um curto período a fim de o restaurante não sofrer avaliações ou receber notas baixas decorrentes de possíveis atrasos. Esta operação logística é automática do sistema".

"Não tem cabimento essa resposta, sondei o meu principal concorrente na região e ele também estava vendendo pouco no delivery", diz Bassoli, que afirma que o problema se repete sistematicamente com o Bassa. "No iFood, leva vantagem na exposição quem vende comida de graça. Eles subsidiam os pratos, se tornaram nossos concorrentes."

Jane Bassoli reclama do ritmo ditado ao restaurante. "Eles determinam o tempo entre o pedido e a entrega. Mas como produzir e levar uma feijoada ou um bife à parmegiana em 25 minutos?", diz ela, que também aponta a difícil comunicação com o aplicativo, restrita a mensagens dentro da plataforma, e o sistema de pontuação. "Eu não tenho o contato do cliente, não sei se as avaliações que recebo são de gente que realmente consumiu o meu produto."

Encomendas que nunca chegam ao destino

Para Michel Khodair, até os entregadores do iFood complicam o relacionamento da plataforma com os restaurantes. "Um minuto depois que entra o pedido na plataforma, o motoboy chega. Estamos preparando os pratos, em um prazo super apertado para o nosso modelo de negócio, e os entregadores ficam enviando mensagem ao aplicativo, dizendo que estamos atrasados", diz o empresário, dono do Marilyn Restaurante, no Tatuapé, zona leste de São Paulo. "Isso prejudica a nossa nota no aplicativo e a exposição do restaurante cai."

Com pratos à la carte, o Marilyn é obrigado a vender mais caro na plataforma do que no salão, para compensar todos os gastos extras com o delivery — embalagem, lacre, sacolas, fora os 27% que vão para o iFood. "Alguns clientes falam que é mais barato pegar um Uber e vir comer no salão do que pedir minha comida pelo iFood".

Khodair decidiu sair da plataforma no começo deste ano e contratou um serviço particular de entregas. "Estou voltando à moda antiga", diz ele, que nem quis testar o serviço dos concorrentes Rappi e Uber Eats.

Todos os empresários ouvidos pela reportagem já contrataram motoboys particulares para o delivery, mas na maioria das vezes se queixaram de falta de profissionalismo e pontualidade — daí resolveram aderir ao iFood. E encontraram novos problemas envolvendo os entregadores. "Já tive que pegar um táxi para entregar um pedido feito pelo iFood por um cliente da pizzaria, que acabou entrado em contato comigo por estranhar a demora", diz Rose Halphen, dona da Pedaço da Itália Pizzaria, na Lapa, zona oeste de São Paulo. A pizza encomendada pelo iFood nunca chegou ao destino.

Problemas com entregadores não são exclusivos do iFood — mesmo porque um mesmo prestador de serviço pode trabalhar para dois ou três aplicativos ao mesmo tempo.

Christiane Chaves, dona da loja de doces Sweeter, na zona sul da capital, foi protagonista de um caso esdrúxulo: uma encomenda de bolo e doces foi sequestrada por um motoboy do Rappi. "O cliente me conhecia e ligou perguntando sobre a demora na entrega. A festa já iria começar e nada do bolo e dos doces", lembra Christiane. "Pouco depois, o motoboy me ligou e disse que só faria a entrega se eu depositasse uns R$ 20 reais de gorjeta para ele na plataforma. Não tive opção, fiz o que ele queria".

Já com um entregador do iFood, um bolo da Sweeter também sumiu no meio do caminho. "O surreal neste caso foi que o iFood me reembolsou o valor do bolo, que nunca chegou para o cliente, mas me cobrou a taxa de entrega, que não foi feita", diz ela, que também viu sua demanda na plataforma desabar ao longo do último ano.

"Antes, eu entregava quatro ou cinco bolos por dia pelo iFood. Depois passei a vender dois por semana", afirma. A empresária desistiu do aplicativo e também do Rappi e Uber Eats, cujas taxas considera ainda mais caras que as do concorrente. "Fechei contrato com um motoboy, pago por quilômetro de distância. E repasso a taxa para o cliente", diz.

Para Alexandre Lescovar, da Oh Café, que vende marmitas congeladas via delivery em Perdizes, zona oeste da capital paulista, a saída foi contratar um sistema de entregas sem comissionamento. Por meio do Apetite, ele paga R$ 11 por pedido e a taxa é repassada ao cliente. "Eu tive uma experiência muito ruim com o iFood", diz. "Eu nunca tinha feito delivery e eles não deram qualquer apoio ou orientação, os primeiros pedidos chegaram revirados para os clientes, eu não sabia qual a embalagem adequada", diz.

Ótimo para o cliente, péssimo para o restaurante

Enquanto dava entrevista por telefone à reportagem, Christiane Chaves, dona da loja de doces Sweeter, esperava a entrega do seu lanche, encomendado pelo iFood. Ela desistiu de contratar o serviço para entregar seus bolos, mas continua com o aplicativo instalado no seu celular. "Quero comer um hambúrguer e vêm 800 opções na minha tela. Pego a primeira que aparece. O iFood é ótimo para o cliente, mas acaba com o empresário", diz ela. "Se eu quisesse ter uma margem de lucro, pagando a entrega e os gastos com o delivery, teria que cobrar R$ 60 por um bolo de laranja. Nada justifica esse preço."

Christiane se incomodava especialmente com a falta de contato com o cliente — o consumidor sabe de quem está comprando, mas o restaurante nunca sabe para quem está vendendo. A identificação do comprador só fica visível para o restaurante durante o período da entrega.

Em um ramo em que a fidelidade à marca depende principalmente do bom atendimento, a falta de contato com a clientela prejudica a operação. "Já tiramos do ar determinados pratos no dia, mas a plataforma os manteve disponíveis. Os pedidos foram feitos e virou uma bagunça", diz Michel Khodair, do Marylin Restaurante.

"Não conseguimos falar diretamente com o cliente, tem que ser via atendente do iFood, que entra em contato com o consumidor, e depois retorna para nós, para informar se vamos seguir ou não com o pedido", afirma. "Nesse ínterim, chega o motoboy para controlar o tempo, dizendo que estamos atrasados, o que vai diminuir nossa pontuação no aplicativo. Tudo isso em meio à correria do serviço no salão. É tudo muito desgastante."

De quem é o cliente?

Segundo o advogado especializado em direito digital Renato Opice Blum, o aplicativo poderia pedir o aval do cliente para compartilhar as suas informações com o restaurante, seguindo a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que vai entrar em vigor em agosto deste ano. "A lei não veda o compartilhamento dessas informações, que devem ser uma escolha do cliente", diz.

Para a também especialista em direito digital Patrícia Peck, o advento dos aplicativos e plataformas digitais permitiu aumentar a inteligência de dados e conhecer mais o cliente. "Mas a questão que fica é: de quem são estes dados?", diz ela. "Para fins jurídicos, a relação de clientela sempre foi considerada um ativo empresarial, aquilo que pode inclusive compor com o ponto comercial e a marca o valor do negócio."

Segundo ela, com a nova LGPD, os dados pessoais são do próprio titular. Na relação com o restaurante, o consumidor pode consentir que suas informações sejam tratadas pelo estabelecimento. "Mas, a partir do momento em que a relação passou a ter um intermediário, no caso, o aplicativo, há a possibilidade legítima de tanto a plataforma ter a informação do cliente, pela relação direta com este, como o restaurante, se isso ficar estabelecido em contrato e o consumidor for avisado sobre o compartilhamento, sempre resguardando a sua privacidade", diz Patrícia Peck. Isso significa tratar os dados de maneira estatística, anônima, não individualizada.

É por meio desse tratamento de dados que os aplicativos chegaram à instalação das cozinhas virtuais, as "dark kitchens", criadas em parceria com alguns estabelecimentos. Neste ponto, mais uma vez, é fundamental a transparência, diz Peck.

"Quando as informações da base de dados da plataforma identificam quais os perfis de demanda não atendidos por bairros, isso deve estar disponível para todos os parceiros do aplicativo, gerando oportunidades para quem quiser explorar, o que estimula a livre concorrência", afirma a advogada. "No entanto, se essas informações forem repassadas apenas a um pequeno grupo privilegiado, isso pode ser enquadrado como uma prática de favoritismo e ser entendido como concorrência desleal."

Sem almoço grátis

A Abrasel, associação do setor de bares e restaurantes, já solicitou formalmente aos três principais aplicativos — iFood, Rappi e Uber Eats — o compartilhamento dos dados dos clientes. "Disseram que estão analisando", afirma Célio Salles. Ele avalia que os grandes serviços de delivery geram impacto direto sobre o setor, ao afetarem sistema de pagamentos, tecnologia e hábitos do consumidor.

"O iFood já declarou que seu objetivo é fornecer comida a um preço mais acessível. É uma meta muito nobre, mas vai ser atingida às custas de quem?", questiona Salles.

Ao espremer ou até aniquilar a margem de lucro dos restaurantes parceiros, investir em dark kitchens que ninguém sabe onde estão, aceitar na plataforma qualquer fornecedor com CNPJ, sem exigir as licenças da Vigilância Sanitária, a competição não está sendo fomentada em bases iguais, diz o conselheiro da Abrasel. "Quem se responsabiliza pelo que é entregue ao consumidor? Os aplicativos deveriam ser corresponsáveis pelo que vendem. Mas na maioria das vezes o cliente não recebe nem sequer a nota fiscal do que comprou", afirma.

Na opinião de Peck, as parcerias entre as plataformas e os negócios tradicionais podem trazer grandes resultados para todos os envolvidos, incluindo os consumidores, mas é preciso cuidado para evitar abusos. "Uma coisa é fomentar o surgimento de cozinhas voltadas para entregas, outra coisa é estimular um modelo de cozinha clandestina que não esteja cumprindo a legislação de vigilância sanitária, nem pagando impostos."

A especialista ressalta que a sociedade vive um momento de inovação em várias frentes e algumas das novas tecnologias são disruptivas. O modelo de negócios dos aplicativos de entrega de comida deve respeitar o previsto na lei 12.529/2011, de Defesa da Concorrência, especialmente o artigo 36, que define crimes contra a ordem econômica, como prática de preço predatório, venda casada, abuso de posição dominante e criação de dificuldades ao concorrente.

"Para ser um modelo sustentável, saudável, duradouro, precisa ser bom para todos, consumidores e a livre concorrência", diz Peck. "Com o aumento potencial do lucro, sempre vem a reboque o aumento da responsabilidade."

Com a palavra, os aplicativos

Os principais aplicativos de entrega de comida no país — iFood, Rappi e Uber Eats — foram questionados pela reportagem acerca das queixas dos restaurantes.

A reportagem testou o serviço dos três aplicativos. Nenhuma das entregas veio com cupom fiscal. Quando questionados a respeito, as empresas foram rápidas em responder ao cliente, via telefone ou e-mail. Em qualquer um dos casos, disseram que isso é uma responsabilidade do restaurante.

O iFood diz exigir, em contrato, que "os estabelecimentos cumpram todos os requisitos legais necessários estabelecidos pelo poder público, responsável pela fiscalização". Mas, no aplicativo, basta informar um CNPJ para fazer o cadastro.

A empresa diz que, ao personalizar a experiência do consumidor por meio da inteligência artificial, há variação no ranqueamento dos restaurantes na plataforma. Caso o restaurante não consiga atender o tempo de preparo que ele mesmo determinou, pode interromper a venda. "O último recurso é [o iFood] ajudar, fechando o estabelecimento momentaneamente, para evitar que isso impacte a própria operação e avaliação do restaurante, bem como a experiência dos clientes."

Segundo o aplicativo, cerca de 30% dos restaurantes utilizam o modelo em que a plataforma conecta os entregadores que fazem as entregas. "Nesse caso, os entregadores podem informar o iFood sobre possíveis atrasos do restaurante pelo chat no próprio aplicativo, ou entrar em contato com o cliente e/ou restaurante por meio do app".

A Rappi, por sua vez, não informa quais os critérios para a exposição dos restaurantes dentro da plataforma e como se dá o ranqueamento dentro da categoria. "Por questões estratégicas de negócio, a Rappi não divulga essa informação", diz. A empresa respondeu o mesmo sobre o que um restaurante precisa fazer para obter a entrega grátis. A respeito do percentual cobrado sobre os pedidos, diz que o "valor varia de acordo com a negociação com cada estabelecimento".

Sobre os critérios para escolha de um parceiro em uma dark kitchen, a Rappi diz que se baseia em três modelos: os restaurantes que estão com um bom desempenho, mas cujas cozinhas já não suportam tanto a demanda; os que estão bem estabelecidos em um bairro, mas ainda não conseguem chegar a outras regiões; e novos estabelecimentos com alto potencial de crescimento, que ainda não possuem condições financeiras para investir em uma ampliação.

A empresa afirma não solicitar a confirmação de regularização do restaurante junto à Vigilância Sanitária por entender que "essa é uma obrigação e uma prerrogativa dos estabelecimentos comerciais para operar". Segundo a Rappi, o endereço das dark kitchens é divulgado. "Elas aparecem no aplicativo na categoria 'cozinhas exclusivas', dentro do botão 'Restaurantes' e, quando o cliente faz o pedido, consegue ver o endereço da DK no mapa de entrega." A reportagem, porém, não conseguiu visualizar essa informação.

De acordo com o Uber Eats, as pequenas e médias empresas são 70% da sua base. Segundo a empresa, as taxas sobre os pedidos são negociadas caso a caso, e "nelas já estão inclusas a taxa de cartão de crédito, a logística através dos nossos restaurantes parceiros e toda tecnologia do algoritmo e inteligência artificial da Uber Eats".

O aplicativo diz oferecer aos restaurantes insights baseados nos dados que coletou, como "oportunidade de incremento ou variação de seus cardápios e de suas cozinhas".

"Por meio da inteligência artificial, a empresa identifica oportunidades como as culinárias mais procuradas em cada região e propõe diálogos com empreendedores parceiros", diz a empresa a respeito da instalação das dark kitchens, sem informar quais são os critérios para a seleção desses restaurantes. "Temos analisado cuidadosamente as oportunidades do setor e trabalhado junto com nossos parceiros para ampliar esse modelo", afirma.

No que se refere às normas da Vigilância Sanitária, a Uber Eats diz que, "ao se inscrever na plataforma, o restaurante atesta estar de acordo com essas exigências e é responsável pela manutenção de todas as permissões".

https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2020/02/08/como-apps-de-entrega-estao-levando-pequenos-restaurantes-a-falencia.ghtml

 

Discussão muito interessante. O que acham?

Essa reportagem me lembrou uma outra, mais antiga, sobre o Booking:

Quote

Fácil de amar, fácil de odiar
Ao mesmo tempo em que se tornou um canal de vendas essencial para o setor hoteleiro, o site de reservas Booking.com é acusado de espremer as margens e os lucros de parceiros

Principal ícone do mercado de reservas de viagens online, o Booking.com acumula marcas impressionantes em mais de duas décadas de estrada. Comprada em 2005 pelo grupo americano Priceline.com, por US$ 135 milhões, a empresa responde hoje por mais de dois terços da receita de US$ 10,7 bilhões da holding, dona de marcas fortes como a Kayak e a RentalCars.com, e é avaliada em US$ 88,7 bilhões. Outros números reforçam a bagagem adquirida nessa trajetória. O site oferece mais de 1,2 milhão de acomodações em 227 países. E responde, em média, por 1,1 milhão de transações diárias.

Apesar de consolidar a plataforma como um canal de vendas essencial para os hotéis, essa escala traz à tona um grande desafio: como lidar com as frequentes acusações de que usa o seu poder de barganha para pressionar as margens e lucros de seus parceiros. Há um ano à frente da companhia, a holandesa Gillian Tans já se acostumou a lidar com esses questionamentos. “Eu entendo essas alegações. Num mundo ideal, ninguém precisaria de intermediários”, diz a CEO global do Booking.com. Ela destaca alguns elementos para defender o modelo adotado.

O fato de os parceiros ingressarem gratuitamente na plataforma e só pagarem uma comissão ao site no caso de reservas geradas é um deles. Segundo fontes de mercado, a taxa varia de 13% a 35%. A oportunidade dos hotéis, especialmente os de menor porte, terem acesso a um canal digital, de escala global, é mais um componente. O custo mais baixo de divulgação, se comparado às verbas necessárias para financiar uma campanha de publicidade, completa o pacote. “Somos um canal de marketing altamente rentável para gerar negócios em todo o mundo.”

Essa relação de amor e ódio encontra eco no mercado brasileiro. Segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), os sites de viagens online responderam por 13% das reservas realizadas no País, em 2016. Os dados levam em conta as operações dos associados da entidade, que reúne redes como AccorHotels e Royal Palm. Para este ano, a projeção é de uma participação de 20%. Com uma fatia de 21,6%, o Booking.com lidera o segmento, à frente do Expedia e do Decolar.com, que detêm, respectivamente, 9,1% e 8,7%.

Apesar da relevância crescente para o setor, o trio foi alvo de uma representação do FOHB no Conselho de Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em agosto. A queixa reside em uma cláusula incluída nos contratos desses sites. Ela determina que os hotéis não podem ter uma oferta com melhores condições em outros canais de venda, sejam eles físicos ou digitais. “É inegável a importância dessas ferramentas, mas essa cláusula limita e amarra os parceiros”, diz Orlando de Souza, diretor do FOHB.

Porém, mesmo os gigantes do setor reconhecem que o maior impacto é reservado a outras companhias dessa cadeia. E, nesse caso, as grandes vilãs são as comissões cobradas, que variam de acordo com fatores como a posição de destaque nas buscas realizadas pelos viajantes. “Esses operadores dificultaram a sobrevivência, principalmente, dos hotéis pequenos e independentes”, disse Patrick Mendes, CEO da AccorHotels na América do Sul, em entrevista concedida em março à DINHEIRO.

Em resposta a essas críticas, Gillian ressalta que mais de 25 autoridades de concorrência em todo o mundo analisaram o modelo do Booking.com e de rivais. E que o resultado tem sido favorável a esses sites. Isso não impede que a companhia busque aprimorar seu relacionamento com parceiros. Uma das iniciativas recentes foi a criação da BookingSuite, divisão que oferece softwares, no modelo de computação em nuvem, para que esses hotéis parceiros possam desenvolver seus próprios canais online. O pacote dá acesso a atualizações contínuas, sem custo extra.

A empresa também está atenta ao avanço do Airbnb. Inspirado ou não pela startup bilionária, o site tem diversificado suas ofertas de hospedagem. Do pacote antes mais restrito a hotéis, hoje, o inventário inclui mais de 30 categorias, que vão desde iglus, na Finlândia, castelos, casas na árvore até barcos e um albergue instalado em um antigo Boeing 747, em Estocolmo.

Outro foco é aprimorar a experiência dos usuários. A plataforma vem adicionando novos recursos, como informações sobre o que fazer, opções de transporte e previsão de tempo no destino escolhido. A aposta mais nova é o uso da inteligência artificial. O Booking.com está incorporando, pouco a pouco, esse conceito. A ideia é criar assistentes virtuais para ajudar os viajantes a encontrar exatamente o que procuram em suas viagens. “Essa tecnologia vai nos permitir criar uma experiência mais personalizada”, diz Gillian, que, à parte de qualquer polêmica, aponta a prioridade da companhia. “Queremos assegurar que todos os nossos clientes e parceiros possam fazer suas melhores escolhas.”

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mantrax

O caso do iFood é o mesmo de outros aplicativos lideres de mercado.

Sou motorista de aplicativo a 2 anos e nesse tempo todo vi inúmeros artifícios utilizados pelos aplicativos pra reduzirem os lucros dos motoristas e aumentar os seus. Isso tudo, junto de uma estagnação absurda dos preços frente ao constante aumento do combustível.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZaMBiA

É tipo o que o AirBnB tá fazendo nas cidades mais procuradas pelos turistas.

O preço do aluguel subiu absurdamente, em especial na Europa, por causa do aplicativo. Tanto que muitas pessoas sequer conseguem pagar mais o aluguel de casas que ocupam há muito tempo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
felipevalle
1 hora atrás, Mantrax disse:

O caso do iFood é o mesmo de outros aplicativos lideres de mercado.

Sou motorista de aplicativo a 2 anos e nesse tempo todo vi inúmeros artifícios utilizados pelos aplicativos pra reduzirem os lucros dos motoristas e aumentar os seus. Isso tudo, junto de uma estagnação absurda dos preços frente ao constante aumento do combustível.

tem previsão em sair desse trabalho?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Psicopinto
1 hora atrás, Mantrax disse:

O caso do iFood é o mesmo de outros aplicativos lideres de mercado.

Sou motorista de aplicativo a 2 anos e nesse tempo todo vi inúmeros artifícios utilizados pelos aplicativos pra reduzirem os lucros dos motoristas e aumentar os seus. Isso tudo, junto de uma estagnação absurda dos preços frente ao constante aumento do combustível.

Estas empresas geralmente não tem dado lucro. A Uber registra prejuízos bilionários. Elas ainda estão na fase de aumento e fidelização da base de usuários. A Amazon operou 6 anos no prejuízo, até ter o primeiro ano de lucro.

Sorte de quem pegou a fase onde o Uber queria aumentar a base de motoristas. Agora, eles já não precisam subsidiar tanto assim para continuar crescendo. E ainda assim, continuam pagando para operar. Não tem lucro.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mantrax
1 hora atrás, Psicopinto disse:

Estas empresas geralmente não tem dado lucro. A Uber registra prejuízos bilionários. Elas ainda estão na fase de aumento e fidelização da base de usuários. A Amazon operou 6 anos no prejuízo, até ter o primeiro ano de lucro.

Sorte de quem pegou a fase onde o Uber queria aumentar a base de motoristas. Agora, eles já não precisam subsidiar tanto assim para continuar crescendo. E ainda assim, continuam pagando para operar. Não tem lucro.

Mas Psicopinto, vc já pensou no pq ela não da lucro? Não é pq o serviço em si não de retorno. Mas sim pelo investimento agressivo e expansão de mercado. O serviço retirando o investimento da muito retorno e é o que consegue manter essa agressividade.

Eles não pagam pra operar, isso é ilusão, o retorno da corrida daqui é o que paga o investimento em todo mundo, sem falar no investimento em tecnologia, como por exemplo os carros autônomos. O termo correto seria: eles pagam operam pra investir kkk

Edited by Mantrax

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mantrax
1 hora atrás, felipevalle disse:

tem previsão em sair desse trabalho?

Faço mestrado. Mas é a flexibilidade de horários do app q me permite continuar os estudos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Psicopinto
12 minutos atrás, Mantrax disse:

Mas Psicopinto, vc já pensou no pq ela não da lucro? Não é pq o serviço em si não de retorno. Mas sim pelo investimento agressivo e expansão de mercado. O serviço retirando o investimento da muito retorno e é o que consegue manter essa agressividade.

Eles não pagam pra operar, isso é ilusão, o retorno da corrida daqui é o que paga o investimento em todo mundo, sem falar no investimento em tecnologia, como por exemplo os carros autônomos. O termo correto seria: eles pagam operam pra investir kkk

Tá certo, vamos concordar que eles pagam para investir. Foi uma colocação imprecisa. Embora a operação deles seja deficitária, eu estou ciente que eles não são um monte de filantropos pagando para dar um serviço para a população. 😄

Meu ponto é que eles são uma empresa, e não uma comum. Eles existem basicamente pq alguém investiu muito dinheiro nela esperando receber retorno. E parte do plano deles para gerar este retorno passa também por criar um ambiente propício para adesão de motoristas e usuários através de subsídios. Mas eles não vão durar para sempre. Que é oq eu acho que vem acontecendo no teu caso.

Se o plano não fosse gerar este nível de lucro, ninguém investiria neles e teu emprego de motorista de aplicativo não existiria na minha opinião.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Dinheiro Tardelli

 

4 hours ago, Mantrax said:

O caso do iFood é o mesmo de outros aplicativos lideres de mercado.

Sou motorista de aplicativo a 2 anos e nesse tempo todo vi inúmeros artifícios utilizados pelos aplicativos pra reduzirem os lucros dos motoristas e aumentar os seus. Isso tudo, junto de uma estagnação absurda dos preços frente ao constante aumento do combustível.

Tipo quais artifícios?

3 hours ago, ZaMBiA said:

É tipo o que o AirBnB tá fazendo nas cidades mais procuradas pelos turistas.

O preço do aluguel subiu absurdamente, em especial na Europa, por causa do aplicativo. Tanto que muitas pessoas sequer conseguem pagar mais o aluguel de casas que ocupam há muito tempo.

O que o Airbnb está fazendo?

 

2 hours ago, Psicopinto said:

Estas empresas geralmente não tem dado lucro. A Uber registra prejuízos bilionários. Elas ainda estão na fase de aumento e fidelização da base de usuários. A Amazon operou 6 anos no prejuízo, até ter o primeiro ano de lucro.

Sorte de quem pegou a fase onde o Uber queria aumentar a base de motoristas. Agora, eles já não precisam subsidiar tanto assim para continuar crescendo. E ainda assim, continuam pagando para operar. Não tem lucro.

Sim, a operação da Uber realmente é deficitária. Eles estão queimando muito dinheiro segurando o preço das corridas para continuarem competitivos e aumentar a base de usuários, mas a estratégia não é fazer isso eternamente. Eles investem forte em carros automatizados e apostam que isso vai ser uma realidade no médio-longo prazo. Assim, o objetivo deles é futuramente embolsar 100% do valor da corrida, e aí sim teriam (muito) lucro. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mantrax
8 minutos atrás, Dinheiro Tardelli disse:

 

Tipo quais artifícios?

O que o Airbnb está fazendo?

 

Sim, a operação da Uber realmente é deficitária. Eles estão queimando muito dinheiro segurando o preço das corridas para continuarem competitivos e aumentar a base de usuários, mas a estratégia não é fazer isso eternamente. Eles investem forte em carros automatizados e apostam que isso vai ser uma realidade no médio-longo prazo. Assim, o objetivo deles é futuramente embolsar 100% do valor da corrida, e aí sim teriam (muito) lucro. 

A operação da Uber é deficitária pelos investimentos agressivos e não pelo serviço. Quem paga mais pela estagnação dos preços é o motorista que tem que aguentar a alta dos combustíveis no bolso.

Sobre os artifícios:

* Criação de uma tarifa fixa que vai toda pra Uber;

* Desvinculação do valor pago pelo passageiro ao valor pago ao motorista;

* Alteração na maneira como funciona as corridas com destino definido e no valor cobrado;

* Alterações no cálculo do dinâmico.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZaMBiA
1 hora atrás, Dinheiro Tardelli disse:

O que o Airbnb está fazendo?

Basicamente, as pessoas que possuem imóveis em uma Veneza da vida, preferem alugar no AirBnB, onde dá pra tirar uns 80 euros por dia, do que para um locatário fixo, que pagaria uns 800 euros por mês.

Isso está irritando muito as pessoas que moram a vida toda no lugar, porque os alugueis estão se tornando absurdamente caros (sem contar os serviços de transporte, restaurante, etc.).

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko

Sim, o Airbnb não está fazendo nada, quem está fazendo são as pessoas. Mas isso não impede a possibilidade de controle para 1) manter minimamente a qualidade de vida da população loca, dado que nem se trata de gentrificação, mas de um processo ainda mais complicado e b) manutenção da existência do próprio turismo, em muitos casos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
David Reis

Acho que no caso do AirBnB é algo restrito a pessoas e acredito esse impacto é mais restrito a cidades muito turísticas. Ninguém fará nada, já que o Turismo é fundamental para a economia nesses locais.

Já no caso do iFood na matéria é diferente: está interferindo na economia local, o que impacta em geração de empregos e no próprio destino do dinheiro movimentado com o consumo..ele está saindo de um pequeno/médio empresário local para uma empresa multinacional. Além disso tem a questão das condições de trabalho dos entregadores, são jornadas exaustivas e muitas vezes com essas pessoas carregando um grande peso nas costas que pode resultar em problemas de saúde depois. Fora que o indivíduo não tem descanso remunerado, férias e etc. É algo que foi feito para ser um “bico”, mas que muitos estão utilizando como único emprego.

A sociedade muda numa velocidade muito maior do que a gente pensa, não entendemos ainda como lidar..em menos de uma década toda a lógica do trabalho foi modificada e a legislação não foi capaz de acompanhar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.

Eu acho que tem os dois lados nessa história.

Um deles diz respeito aos restaurantes que, com o avanço dessa tecnologia mobile viram um novo mercado se abrir, novas possibilidades e etc, etc. Isso claramente potencializou várias frentes dentro dos negócios. Logo, como bem disse o @David Reis a sociedade mudou, e mudou justamente a forma como consome seus itens básicos. Comida é uma delas.

O outro lado é justamente o das startups, que por meio dos app's viram que poderiam intermediar (inicialmente) essa nova forma de consumo, mas com potencial pra ir mais longe, com uma bigdata prontinha pra ser explorada e potencializada.

E onde tá pegando? Justamente no equilíbrio entre os dois. Um acusa o outro de abuso e monopólio dos negócios; o outro responde dizendo que segue as leis e que preza pela boa parceria entre as partes. Óbvio que tá tendo abuso por parte dos aplicativos, e isso precisa ser melhor negociado sim.

Mas pelo menos aqui na minha cidade, o iFood por exemplo ajudou alguns estabelecimentos a melhorarem sua infiltração de mercado, inclusive motivando-os a expandirem o mkt. Claro que outros devem ter ficado pelo caminho, mas aí creio eu que o aumento da competitividade também influencia nisso, e não somente o abuso dos app's.

 

Não adianta: o mundo muda a cada segundo. Estamos nos relacionando de forma mt diferente do que há 10~20 anos atrás, e os serviços precisam se adequar. Se os pequenos restaurantes não estão contentes, que se mexam e abram um app próprio, busquem novas parcerias, enfim. É claro que paralelo a isso precisam lutar e denunciar todo e qualquer monopólio dessas startups, mas não dá pra ficar só nisso.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Ariel'
On 2/20/2020 at 12:33 PM, ZaMBiA said:

É tipo o que o AirBnB tá fazendo nas cidades mais procuradas pelos turistas.

O preço do aluguel subiu absurdamente, em especial na Europa, por causa do aplicativo. Tanto que muitas pessoas sequer conseguem pagar mais o aluguel de casas que ocupam há muito tempo.

Oferta e demanda, né? A outra opção era o turista ficar na periferia, o que levaria o cara a não visitar a cidade = pior qualidade de vida pra todos.

Grande questão na Europa é equilibrar patrimônio histórico / preservar cultura com desenvolvimento econômico. Impossível não ter um "centro" da cidade completamente inflacionado se o entorno da Torre Eiffel não pode ter nenhum arranha-céu (sim, faz todo sentido, mas foi um exemplo e não tem muito o que fazer. São escolhas.)

On 2/20/2020 at 1:58 PM, Psicopinto said:

Estas empresas geralmente não tem dado lucro. A Uber registra prejuízos bilionários. Elas ainda estão na fase de aumento e fidelização da base de usuários. A Amazon operou 6 anos no prejuízo, até ter o primeiro ano de lucro.

Sorte de quem pegou a fase onde o Uber queria aumentar a base de motoristas. Agora, eles já não precisam subsidiar tanto assim para continuar crescendo. E ainda assim, continuam pagando para operar. Não tem lucro.

A resposta pra isso tudo é: SoftBank. Produto do dinheiro barato e da cultura inflacionária dos bancos centrais.

 

On 2/22/2020 at 9:57 PM, Leho. said:

Não adianta: o mundo muda a cada segundo. Estamos nos relacionando de forma mt diferente do que há 10~20 anos atrás, e os serviços precisam se adequar. Se os pequenos restaurantes não estão contentes, que se mexam e abram um app próprio, busquem novas parcerias, enfim. É claro que paralelo a isso precisam lutar e denunciar todo e qualquer monopólio dessas startups, mas não dá pra ficar só nisso.

É o clássico, né? Acha que a empresa está fazendo errado? Não compre. Aposto minha conta nesse site que toda a galera que postou aí achando ruim a forma como o iFood não perde a chance de usá-lo ou mesmo os concorrentes.

Os aplicativos só existem porque tem quem consuma (seja o consumidor final ou a empresa que consome o aplicativo pra vender comida). A partir do momento que os restaurantes abrirem mão ou os consumidores o fizerem, morre o aplicativo.

"Ah, Ariel, mas tu tá esperando um esclarecimento muito grande da população". Bom, a outra opção é tu vir e tirar a opção da pessoa escolher. Aí tu pode chamar do que quiser, mas o nome correto é fascismo mesmo. Podemos fazer o trabalho de conscientizar, discutir, propor novas formas de relacionar o intermediário com as pontas e até mesmo desenvolver novos aplicativos (essa seria a melhor opção), mas sempre o que vem na cabeça primeiro é alguém precisa regular essa conversa. Baseado na verdade de quem, cara pálida?

Essa água aí já passou por baixo da ponte, esse modelo de negócio não só vai ficar como vai ser expandido ao máximo. Resta a nós, reles mortais, fazermos nossas escolhas. Ou para aqueles que têm negócio, escolher onde vai ofertar seus produtos. Ou para aqueles que fazem entrega, escolher pra quem vai fazer seu "freela".

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.

Acho que a discussão aqui virou cliente x restaurantes, sendo que a reclamação desses restaurantes é outra.

A reclamação dos restaurantes não é sobre o que o iFood propôs a fazer, é a forma que o iFood conduz ou conduziu a parceria. 

Eles não explicam os motivos de um restaurante estar bem ou mal ranqueado, como funciona a plataforma para quem quer melhorar a posição (ou manter a posição) e informações sobre a clientela, para o restaurante entender o perfil de quem atende. E nem vou entrar na discussão das dark kitchens.

Tudo aquilo no parágrafo acima é uma informação normal na relação cliente x empresário. Só que de forma predatória, o iFood está utilizando o trabalho de outrem para ganhos próprios. E vai além, usa as informações do cliente de determinado produto para competir com aqueles que supostamente ela está facilitando o contrato com o consumidor.

É molezinha botar a culpa no cliente que escolhe o que é mais barato, como se ir pelo caminho da não-escolha fosse viável.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Mantrax
6 horas atrás, Henrique M. disse:

Acho que a discussão aqui virou cliente x restaurantes, sendo que a reclamação desses restaurantes é outra.

A reclamação dos restaurantes não é sobre o que o iFood propôs a fazer, é a forma que o iFood conduz ou conduziu a parceria. 

Eles não explicam os motivos de um restaurante estar bem ou mal ranqueado, como funciona a plataforma para quem quer melhorar a posição (ou manter a posição) e informações sobre a clientela, para o restaurante entender o perfil de quem atende. E nem vou entrar na discussão das dark kitchens.

Tudo aquilo no parágrafo acima é uma informação normal na relação cliente x empresário. Só que de forma predatória, o iFood está utilizando o trabalho de outrem para ganhos próprios. E vai além, usa as informações do cliente de determinado produto para competir com aqueles que supostamente ela está facilitando o contrato com o consumidor.

É molezinha botar a culpa no cliente que escolhe o que é mais barato, como se ir pelo caminho da não-escolha fosse viável.

Exatamente. É a mesma discussão que os youtubers reclamam. O problema é não ficar claro como a plataforma funciona e como o algoritmo atua, pra que possam trabalhar com ele. Afinal, a ideia era ter uma parceria.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.
On 2/26/2020 at 10:34 AM, Henrique M. said:

[...] A reclamação dos restaurantes não é sobre o que o iFood propôs a fazer, é a forma que o iFood conduz ou conduziu a parceria. [...] 

Exato, e o que eu pontuei ali foi justamente os dois lados dessa moeda. Os pequenos restaurantes e as startups, donas dos apps. Se um lado está sendo lesado (e está), cabe a ele procurar meios de equilibrar esse sistema, buscar seus direitos e paralelo a isso, entender como o mercado tá se modificando pra encontrar outras alternativas.

Porque é óbvio que o iFood tá jogando sujo, mas e a forma como se "revolucionou" o delivery a partir dele? Quantos pequenos restaurantes não se inseriram no mercado justamente pela abertura dessa oportunidade mobile? E a nova clientela que se criou, justamente pelo aumento das opções no cardápio? Isso ninguém colocou na balança, né?

 

Acho a manchete bastante alarmista, pra resumir. O mercado se modifica a todo momento, e óbvio que pequenos negócios serão engolidos por grandes empresas. Isso aí não é de hoje. Agora, ficar chorando que o iFood isso, que o iFood aquilo sem tentar buscar alternativas é tosco.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Ariel'
On 2/26/2020 at 10:34 AM, Henrique M. said:

Acho que a discussão aqui virou cliente x restaurantes, sendo que a reclamação desses restaurantes é outra.

A reclamação dos restaurantes não é sobre o que o iFood propôs a fazer, é a forma que o iFood conduz ou conduziu a parceria. 

Eles não explicam os motivos de um restaurante estar bem ou mal ranqueado, como funciona a plataforma para quem quer melhorar a posição (ou manter a posição) e informações sobre a clientela, para o restaurante entender o perfil de quem atende. E nem vou entrar na discussão das dark kitchens.

Tudo aquilo no parágrafo acima é uma informação normal na relação cliente x empresário. Só que de forma predatória, o iFood está utilizando o trabalho de outrem para ganhos próprios. E vai além, usa as informações do cliente de determinado produto para competir com aqueles que supostamente ela está facilitando o contrato com o consumidor.

É molezinha botar a culpa no cliente que escolhe o que é mais barato, como se ir pelo caminho da não-escolha fosse viável.

Cara, consegue me explicar melhor isso daqui? Pensei e não consegui nenhuma relação de trabalho onde tu não consiga enfiar essa frase.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.
3 hours ago, Ariel' said:

Cara, consegue me explicar melhor isso daqui? Pensei e não consegui nenhuma relação de trabalho onde tu não consiga enfiar essa frase.

Não vou entrar nessa discussão, porque, sinceramente, é mais ideológica que prática.

Sobre o que apontei como prática predatória:

Quote

Funciona assim: a partir da sua base de dados, os serviços de entrega de comida detectam onde existe uma grande demanda por determinado tipo de produto. Elegem parceiros para abrir um restaurante naquela região, em regime de exclusividade — normalmente, os restaurantes que mais vendem na plataforma.

O aplicativo indica o melhor local para montar a "cozinha virtual" — o mesmo espaço, inclusive, pode reunir várias cozinhas diferentes (massa, pizza, sushi, hambúrguer e etc), uma espécie de coworking das cozinhas, atendendo a um só aplicativo.

Fica fácil utilizar os dados de uma cidade inteira baseado no trabalho de outros restaurantes e utilizar esses dados para acabar com o mesmo trabalho dos restaurantes que me proveram esses dados. O cliente do iFood não consome o iFood, consome os restaurantes. Se você não acha isso predatório, é uma questão de opinião.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko

Não existe isso de consumir o restaurante. O que o cliente consome é o serviço, que inclui restaurante e iFood.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.
4 hours ago, Lowko é Powko said:

Não existe isso de consumir o restaurante. O que o cliente consome é o serviço, que inclui restaurante e iFood.

Realmente, tira o restaurante e o iFood fica com o quê? Um serviço de entrega que não entrega nada.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko

Tira o iFood e eu também não consumiria. Consumiria de outro lugar.

Corrigindo minha parte um pouco aqui porque você disse restaurantes, no plural: de fato, consumo restaurantes. Mas o que importa aqui são os restaurantes individualmente falando.

Share this post


Link to post
Share on other sites
David Reis

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • Lanko
      By Lanko
      Nome dos jogadores não são divulgados pelo clube da capital francesa, mas diário "L'Equipe" diz que brasileiro, além dos argentinos Di María e Paredes, testaram positivo
      https://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/futebol-frances/noticia/um-dia-antes-de-reapresentacao-psg-confirma-tres-casos-de-coronavirus-no-elenco.ghtml
       
      Segundo o jornal “L´Equipe”, seriam os argentinos Paredes e Di María, que passaram juntos parte da folga pós final da Champions. Assim como Neymar. Todos os três estiveram em Ibiza, na costa espanhola, na última semana como mostram fotos nas redes sociais.
      https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2020/09/02/neymar-esta-contaminado-com-coronavirus-diz-jornal-frances.htm
       
       
       
      Várias fotos sem máscara e com parças são encontradas por aí e na reportagem.
    • Aleef
      By Aleef
      Como é esperado, a cada tempo temos uma nova fornada de treinadores nesse Brasil que inicialmente surgem em estaduais e campeonatos da base, mas vão ganhando a cena pouco a pouco. E neste cenário, em que vivemos, não seria diferente. São treinadores que estão nas duas principais competições nacionais de pontos corridos ou que atuaram neles e tiveram certa relevância.
      A intenção é acompanhar essa nova fornada de treinadores que não ganharam nada praticamente. Vamos aos treineiros que estão tentando buscar sombra e água fresca.
      Nomes:
      Felipe Conceição
      Times treinados: Botafogo, Macaé,  América MG e Rb Bragantino
      Teve um bom desempenho no América MG e foi contratado pelo RB Bragantino. Suas desavenças com o elenco foi um dos fatores a ser levado pela direção a demiti-lo.
       
      Ricardo Catalá
      Times treinados: Red Bull Brasil, Mirassol e atualmente treinador do Guarani
      38 anos, fez estágio na Espanha e Alemanha e trabalhou em um time da terceira divisão espanhola. Fez uma  boa campanha pelo Mirassol e acabou acertando com o Guarani.
       
      Ramon Menezes
      Times treinados: ASEEV, Anapolis, Guarani-MG, Joinville, Tombense e é o atual treinador do Vasco da Gama
      Assessorado por Antonio Lopes, chegou ao clube em 2019 numa mudança de administração aonde queriam trazer pro Vasco, pessoas com identidade com o clube.
       
      Allan Aal
      Times treinados: Rio Branco, Foz do Iguaçu, Portuguesa SP. Atualmente treina o Parana Clube
      Solução caseira encontrada pelo Alex Brasil para driblar a crise financeira que o paraná passa
       
      Bruno Pivetti
      Times treinados: Trabalhou bastante em bases de times como Atlético PR, Audax, Ferroviária. Vitória é o primeiro trabalho como técnico
      Bruno já foi assistente do Paulo Autuori, Pc Gusmão e veio para o Vitória por indicação do Geninho. Acabou assumindo a vaga dele e está comandando o time.
       
      André Jardine
      Times treinados: São Paulo Futebol Clube e é atual treinador da seleção brasileira sub20
      O famoso André Jardine, apontado como o cara que era preparado para o cargo de treinador do SPFC. É uma pena, mas não deu certo. Acabou assumindo a seleção brasileira e irá ter a missão de trazer o bi.
       
      Eduardo Barroca
      Times treinados: Sendas, Botafogo, Atlético Goianiense, Coritiba
      Treinador com maior rodagem de times de série A e B. Recentemente demitido pela sequencia de resultados ruins que obteve a frente do Coritiba
       
      Eduardo Barros
      Times treinados: Athletico PR sub23
      Mais um da geração de estudiosos da CBF. Veio por indicação do Fernando Diniz, no tempo que ficou como técnico do Athletico, deu conta do recado. Petraglia e Paulo André irão testa-lo.
       
      EDIT: Elano
      Times treinados: Inter de Limeira e atualmente Figueirense
      Depois da aposentadoria, Elano assume o Inter de Limeira e depois da boa campanha está ao cargo do Figueirense
       
      Matheus Costa
      times treinados: Paraná, Joinville e atualmente Confiança
      Foi auxiliar de treinadores como Levir Culpi e Wagner Lopes, assumiu o Paraná depois da saída do Wagner inclusive. Como não seria treinador do Paraná, aceitou ser técnico do Confiança.
       
      Gerson Gusmão
      Times treinados: Operario PR
      Técnico que está a mais tempo em clube do Brasil.
       
      Sylvinho
      times treinados: Lyon
      Assistente técnico do Tite e depois assumiu o Lyon e não deu bom. Atualmente está sem emprego, mas logo mais será contactado por algum clube.
       
      Daniel Paulista
      Times treinados: Sport (2x), Boa Esporte e Confiança
      Treinador que assumiu o Sport, mas não conseguiu um bom trabalho ainda. É relativamente jovem (38 anos).
       
      Se tiverem mais nomes ou acharem que estes não são. A vontade. O tópico é só para vermos o que esses caras podem gerar e mais caras tbm. Estou em duvida se entra o Tiago Larghi e o Rodrigo Santana. Tem outros também como o Van Gaal do Interior, que é o Carpini.
      Eu até pensei em por o Tiago, mas ao meu ver ele é da geração do Fábio Carille, Odair Maionese, Rogério Ceni pq o Tiago ficou um bom tempo em estadual, depois ele foi pro Veranópolis e de lá foi pro sub23 do Athletico. Também não sei se o Osmar Loss vale a pena ser posto, em todos os times ele flopou. Parece que não é bom para gestão de vestiário, é bom em coordenar, gerenciar e tal. Tanto que trabalha nesse cargo no Corinthians.
      Acho que essa geração é uma boa geração.
       
       
       
    • Henrique M.
    • Banton
      By Banton
      Centro Sportivo Alagoano, também conhecido pela sigla CSA, é uma agremiação esportiva brasileira de futebol, da cidade de Maceió, em Alagoas. Fundado em 7 de setembro de 1913 por um grupo de desportistas, o clube nasceu como Centro Sportivo Sete de Setembro, depois foi rebatizado para Centro Sportivo Floriano Peixoto e em 1918, ganhou seu nome atual.
      É o único clube do Nordeste a disputar uma decisão internacional, ficando com o vice campeonato da Copa Conmebol de 1999.[4] além de ser o único clube alagoano a conquistar um título de expressão nacional, a Série C de 2017. Conseguiu a façanha histórica de conquistar três acessos consecutivos no Campeonato Brasileiro de Futebol, deixando a Série D do futebol nacional para disputa da divisão de elite entre 2016 e 2019. Foi vice-campeão da Série B em 1980, 82, 83 e 2018, além de conquistar o vice campeonato da Série D de 2016.
      Com 39 títulos estaduais, é o maior vencedor do Campeonato Alagoano. Localmente, o CSA possui uma rivalidade histórica com o CRB na qual disputa o Clássico das Multidões. Há, também, uma rivalidade com o ASA, equipe do interior do estado.
      FILOSOFIA & CURIOSIDADES: 
      Jogadores livres e empréstimos. É assim que o Azulão costuma montar seus elencos. A equipe aposta bastante mas há muito tempo não revela um grande jogador. Porém, a base do CSA é recheada de história e grandes títulos. Por exemplo: você sabia que a lenda do Flamengo, o jogador Dida foi revelado no clube? Torcedores do Internacional e Palmeiras devem conhecer Adriano Gabiru e Cleiton Xavier, jogadores que também foram formados nas categorias de base do time alagoano.
      O CSA também revelou alguns nomes fora dos gramados:
      Você sabia que Fernando Henrique Collor o presidente mais jovem da história do Brasil (foi eleito com 40 anos) e o primeiro a sofrer um impeachment, foi o mandatário do CSA entre 1973 até 1974? Quando se licenciou do cargo para entrar de vez na política. Então com 24 anos, o agora senador, inclusive, foi o responsável pela homenagem à Garrincha - que chegou a jogar pelo clube. Felipão passou por Maceió e estreou como técnico no estádio do Rei Pelé! Poucos sabem, mas o comandante do quinto título mundial da seleção brasileira começou a carreira como treinador no clube alagoano. A oportunidade surgiu em 1982, quando tinha acabado de se aposentar como jogador com o título do Campeonato Alagoano - único troféu que obteve como atleta profissional - e recebeu o convite para treinar os ex-companheiros. Djavan, um dos maiores nomes da história da MPB foi um exímio meia que jogou pelo CSA nas categorias de base mas preferiu aventurar-se no meio musical. LEITURA:
      Conheça um pouco sobre o Azulão Márcio Canuto e o Campeonato Alagoano Uma homenagem à Zumbi dos Palmares CSA no Brasileirão UMA NOVA CARREIRA:
      Curtiu a dica? Procurando por mais desafios? Clique aqui e conheça a história de outros clubes espalhados pelo mundo.
    • Guilherme Faria
      By Guilherme Faria
      https://oglobo.globo.com/brasil/torcidas-organizadas-saem-as-ruas-em-defesa-da-democracia-em-sao-paulo-minas-rio-1-24455430
      Seriam, talvez, o início de muitas outras? 
×
×
  • Create New...