Jump to content

Eleições Municipais de 2020


Lowko é Powko
 Share

Recommended Posts

Tópico direcionado para notícias, pesquisas e debates sobre as eleições municipais de 2020.

 

São Paulo

Fonte Data(s)
conduzidas
Amostragem Russomanno
Republicanos
Covas
PSDB
Boulos
PSOL
França
PSB
Arthur
Patriota
Tatto
PT
Joice
PSL
Matarazzo
PSD
Vera
PSTU
Orlando
PCdoB
Antonio
PCO
Fidelix
PRTB
Marina
REDE
Sabará
NOVO
Outros Abst.
Indec.
Vantagem
                           
Pesquisa Estimulada
Datafolha 20-21 Out 1.204 20% 23% 14% 10% 4% 4% 3% 2% 1% 1% 0% 1% 1% 0% 16% 3%
XP/Ipespe 19-20 Out 800 27% 25% 12% 8% 2% 4% 2% 2% 0% 1% 0% 1% 1% 0% 17% 2%
RealTime BigData 14-17 Out 1.050 25% 24% 12% 8% 1% 4% 2% 3% 0% 1% 0% 0% 1% 0% 19% 1%
Ibope 13-15 Out 1.001 25% 22% 10% 7% 2% 4% 1% 1% 1% 1% 0% 1% 1% 1% 24% 3%
RealTime Big Data 01, 03 e 15 Out 1.000 28% 23% 10% 8% 2% 4% 1% 1% 0% 1% 0% 1% 1% 0% 20% 5%
XP/Ipespe 12-14 Out 800 28% 23% 13% 8% 3% 3% 1% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 12% 5%
Datafolha 05-06 Out 1.092 27% 21% 12% 8% 3% 1% 1% 2% 1% 1% 1% 2% 1% 1% 16% 6%
XP/Ipespe 05-06 Out 800 27% 22% 10% 8% 3% 3% 1% 1% 0% 1% 0% 1% 1% 0% 21% 5%
Ibope 30 Set-01 Out 805 26% 21% 8% 7% 1% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 0% 28% 5%
XP/Ipespe 28-29 Set 800 24% 21% 10% 9% 2% 1% 1% 2% 2% 1% 0% 1% 1% 0% 27% 3%
Pesquisa Espontânea
Datafolha 20-21 Out 1.204 11% 13% 11% 5% 3% 2% 1% 1% 50% 2%
XP/Ipespe 19-20 Out 800 10% 16% 10% 5% 3% 3% 1% 1% 51% 6%
RealTime BigData 14-17 Out 1.050 9% 14% 9% 4% 1% 1% 1% 1% 19% 5%
Ibope 13-15 Out 1.001 10% 13% 9% 3% 1% 2% 1% 1% 1% 58% 3%
XP/Ipespe 12-14 Out 800 9% 13% 9% 4% 2% 2% 1% 1% 1% 1% 57% 4%
Datafolha 05-06 Out 1.092 7% 10% 10% 3% 2% 1% 1% 1% 4% 61% 0%
XP/Ipespe 05-06 Out 800 8% 11% 7% 3% 1% 1% 1% 67% 3%
Ibope 30 Set-01 Out 805 9% 6% 5% 2% 1% 4% 73% 3%
XP/Ipespe 28-29 Set 800 6% 10% 6% 3% 1% 1% 1% 72% 4%


Rio de Janeiro

Fonte Data(s)

conduzidas

Amostragem Paes
DEM
Crivella
Republicanos
Martha
PDT
Benedita
PT
Bandeira
REDE
Clarissa
PROS
Lima
PSL
Renata
PSOL
Garcia
PSTU
Messina
MDB
Fred
NOVO
Glória
PSC
Suêd
PMB
Simonard
PCO
Outros Abst.

Indec.

Vantagem
                             
Datafolha[14] 20-21 Out 1008 28% 13% 13% 10% 3% 1% 4% 5% 2% 0% 1% 1% 0% 0% 20% 15%
20% 8% 7% 3% 1% 2% 3% 4% 52% 12%
52% 22% 27% 30%
41% 45% 14% 4%
48% 30%   18%
RealTime BigData 14-17 Out 1.050 31% 11% 9% 7% 3% 1% 2% 2% 0% 1% 1% 0% 0% 0% 32% 20%
24% 9% 5% 4% 1% 1% 1% 1% 54% 15%
IBOPE 13-15 Out 1.001 30% 12% 8% 7% 3% 1% 3% 3% 2% 1% 0% <1% - 0% - 28% 18%
22% 9% 3% 3% 1% 2% 1% 1% 57% 13%
50% 21% 29% 29%
RealTime Big Data[15] 13-15 Out 1000 31% 15% 12% 10% 5% 3% 2% 3% 0% 1% 1% 0% 0% 1% - 24% 16%
Datafolha 5-6 Out 900 30% 14% 10% 8% 3% 1% 1% 3% 2% 1% 1% <1% <1% <1% - 25% 16%
Datafolha 5-6 Out 900 18% 7% 3% 2% 1% - 1% 2% - - 1% - - - 4% 63% 11%

 

Salvador

Fonte Data(s)

conduzidas

Amostragem Bruno Reis
DEM
Pastor Sargento Isidório
Avante
Major Denice Santiago
PT
Olívia Santana
PCdoB
João Carlos Bacelar
PODE
Cezar Leite
PRTB
Hilton Coelho
PSOL
Rodrigo Pereira
PCO
Celso Cotrim
PROS
Outros Abst.

Indec.

Vantagem
                 
RealTime BigData 14-17 Out 1.050 41% 10% 7% 6% 4% 4% 3% 0% 0% 25% 31%
33% 5% 4% 3% 2% 1% 1% 19% 28%
Ibope 3-4 Out 602 42% 10% 6% 6% 5% 3% 2% 1% 0% 25% 32%
29% 4% 3% 1% 1% 2% 1% 0% 0% 5% 54% 25%

 

Fortaleza

Período da pesquisa Amostragem Instituto Margem de Erro Tipo de Voto Candidato
Capitão Wagner
(PROS)
Luizianne Lins
(PT)
Sarto Nogueira
(PDT)
Heitor Férrer
(SD)
Renato Roseno
(PSOL)
Célio Studart
(PV)
Anízio Melo
(PCdoB)
Heitor Freire
(PSL)
Samuel Braga
(PATRI)
Paula Colares
(UP)
José Loureto (PCO) Brancos e Nulos Não sabem/não responderam
14 a 17 de outubro 1.050 Real Time Big Data[9] ±3% Absolutos 31% 21% 18% 4% 4% 2% 1% 1% 1% 0% 1% 12% 5%
Válidos 37% 25% 21% 5% 5% 2% 1% 1% 1% 0% 1% N/A N/A
14 a 16 de outubro 812 Datafolha[10] ±3% Absolutos 33% 24% 15% 5% 4% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 10% 4%
Válidos 39% 28% 18% 6% 5% 5% 0% 0% 0% 0% 0% N/A N/A
13 a 15 de outubro 1.200 Brasil Pesquisas A ser divulgado
8 a 14 de outubro 602 Ibope[11] ±4% Absolutos 28% 23% 16% 6% 3% 4% 0% 1% 0% 0% 0% 12% 7%
Válidos 35% 28% 20% 7% 4% 5% 0% 1% 0% 0% 0% N/A N/A
9 a 11 de outubro 740 Paraná Pesquisas[12] ±3,5% Absolutos 35,0% 14,9% 10,1% 7,3% 4,7% 4,5% 0,5% 2,2% 0,5% 0,4% 0,3% 13,9% 5,7%
Válidos 43,5% 18,5% 12,6% 9,1% 5,9% 5,6% 0,6% 2,7% 0,6% 0,5% 0,4% N/A N/A
19 a 23 de setembro 1.200 Zaytec Brasil[13] ±2,8%[14] Absolutos 35,1% 23,2% 5,1% 7,1% 3,5% 2,7% 0,7% 0,5% 0,4% 0,2% N/C[nota 1] 13,4% 8,1%
Válidos 44,7% 29,6% 6,5% 9,0% 4,5% 3,4% 0,9% 0,6% 0,5% 0,3% N/C[nota 1] N/A N/A

 

Belo Horizonte

Fonte Data(s)

conduzidas

Amostragem Alexandre Kalil
PSD
João Vítor Xavier
Cidadania
Áurea Carolina
PSOL
Rodrigo Paiva
NOVO
Bruno Engler
PRTB
Wendel Mesquita
Solidariedade
Nilmário Miranda
PT
Cabo Xavier
PMB
Luisa Barreto
PSDB
Marília Domingues
PCO
Lafayette Andrada
Republicanos
Fabiano Cazeca
PROS
Wadson Ribeiro
PCdoB
Marcelo Souza
Patriota
Outros Abst.

Indec.

Vantagem
                           
Datafolha 20-21 Out 868 60% 7% 5% 1% 3% 1% 2% 1% 1% 1% >1% 1% 0% 1% 1% 14% 53%
49% 3% 3% 2% 1% 4% 37% 46%
RealTime BigData 14-17 Out 1.050 56% 7% 6% 4% 4% 0% 1% 0% 1% 0% 1% 0% 0% 0% 1% 19% 51%
47% 2% 2% 2% 1% 1% 45% 45%
lbope 13-15 Out 1.001 59% 7% 3% 1% 1% 1% 2% 1% 0% 1% 0% >1% 0% 22% 53%
Datafolha 5-6 Out 800 56% 6% 3% 2% 3% 2% 2% 1% >1% 1% >1% 1% >1% 1% 1% 20% 50%
37% 1% 2% 1% 1% 1% 4% 53% 35%
lbope 30 Set-2 Out 805 58% 4% 3% 2% 3% 1% 2% 1% 1% 1% 1% >1% >1% 23% 54%
43% 1% 2% 2% 1% 1% 3% 47% 41%

 

Manaus

Fonte Data(s)

conduzidas

Amostragem Amazonino Mendes
PODE
David Almeida
Avante
Ricardo Nicolau
PSD
Zé Ricardo
PT
Capitão Alberto Neto
REPUBLICANOS
Coronel Menezes
PATRI
Alfredo Nascimento
PL
Chico Preto
DC
Romero Reis
NOVO
Marcelo Amil
PCdoB
Abst.

Indec.

Outros Vantagem
                         
lbope 12-14 Out 504 25% 13% 11% 10% 7% 6% 3% 3% 2% 1% 19% 12%

 

Curitiba

Fonte Data(s)
conduzidas
Amostragem Rafael Greca
DEM
Fernando Francischini
PSL
Goura
PDT
Christiane Yared
PL
João Arruda
MDB
Professora Samara
PSTU
Camila Lanes
PCdoB
Caroline Arns
PODE
Diogo Furtado
PCO
Dr. João Guilherme do Novo
NOVO
Marisa Lobo
Avante
Paulo Opuszka
PT
Profº Renato Mocellin
PV
Zé Boni
PTC
Profº Eloy Casagrande
REDE
Letícia Lanz
PSOL
Abst.
Indec.
Vantagem
                               
Ibope 20-22 Out 805 46% 8% 8% 5% 3% 1% 0% 3% 0% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 19% 38%
Opinião 16-19 Out 1.200 45,57% 7,95% 5,66% 3,93% 3,03% 0,57% 0,49% 2,13% 0,57% 3,20% 0,66% 0,90% 0,98% 0,57% 0,16% 0,33% 23,28% 37,62%
32,62% 3,44% 3,61% 0,98% 0,33% 0,49% 0,49% 0,41% 0,66% 0,33% 55,98% 29,18%
Ibope 4-5 Out 602 47% 6% 5% 3% 3% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 0% 0% 25% 41%

 

Recife

Fonte Data(s)
conduzidas
Amostragem João Campos
PSB
Mendonça Filho
DEM
Marília Arraes
PT
Patrícia Domingos
PODE
Cláudia Ribeiro
PSTU
Coronel Feitosa
PSC
Marco Aurélio
PRTB
Charbel Maroun
NOVO
Carlos Andrade Lima
PSL
Thiago Santos
UP
Victor Assis
PCO
Abst.

Indec.

Outros Vantagem
                             
Datafolha 20-21 Out 868 31% 15% 18% 16% >1% 2% >1% 1% 1% 1% 16% 13%
40% 37% 3%
43% 43% 0%
48% 36% 12%
RealTime Big Data 14-17 Out 1.050 28% 13% 14% 11% 2% 1% 1% 1% 1% 28% 14%
lbope 13 Out-15 Out 805 33% 18% 14% 13% 1% 1% 1% >1% 1% >1% >1% 17% 15%
Datafolha 5-6 Out 800 26% 16% 17% 10% >1% 1% 2% >1% 1% >1% >1% 26% 9%
lbope 30 Set-2 Out 805 23% 19% 14% 11% 1% 1% 1% >1% >1% >1% >1% 29% 4%
9% 5% 5% 3% 74% 5% 4%

 

Goiânia


Belém

Fonte Data(s)
conduzidas
Amostragem Edmilson Rodrigues
PSOL
José Priante
MDB
Cássio Andrade
PSB
Vavá Martins
Republicanos
Thiago Araújo
Cidadania
Mário Couto
PRTB
Everaldo Eguchi
Patriota
Gustavo Sefer
PSD
Guilherme Lessa
PTC
Cleber Rabelo
PSTU
José Jerônimo
PMB
Jair Lopes
PCO
Abst.
Indec.
Vantagem
                       
DOXA 15-17 Out 800 33,3% 9,7% 6,1% 5,4% 9,2% 2,5% 3,6% 1,8% 0,5% 0,8% 0,7% 0% 26,4% 23,6%
26,2% 6,2% 3,5% 3,6% 6,6% 0,1% 4,4% 0,2% 0,2% 0,2% 4,4% 0% 51,9% 19,6%
RealTime Big Data 14-17 Out 1.050 34% 18% 2% 5% 3% 3% 7% 4% 0% 1% 0% 0% 22% 16%
Regnum 9-10 Out 1.000 36,8% 8,2% 8,5% 5,5% 5,1% 1,1% 6,9% 1,6% 0,6% 0,4% 0,2% 0,7% 24,6% 28,3%
Alvo Pesquisas 7-9 Out 625 35,9% 13,3% 5,3% 4,5% 3,4% 2,9% 3,8% 2,1% 0,8% 0,3% 0,8% 0% 26,9% 22,6%
Regnum 3-4 Out 1.000 33,27% 7,94% 7,65% 5,96% 3,57% 2,48% 4,87% 2,48% 0,5% 0,4% 0,7% 0,7% 29,49% 25,33%
19,46% 3,57% 2,88% 2,78% 1,29% 0,7% 2,28% 0,4% 0,1% 0,1% 0,1% 0,1% 13% 15,89%
Alvo Pesquisas 1-3 Out 625 35,1% 12,3% 5,8% 5,4% 3,8% 4,1% 2,4% 1,3% 0,3% 0,8% 0,2% 0,2% 28,3% 22,8%
IBOPE 30 Set - 2 Out 504 39% 10% 4% 4% 4% 4% 5% 5% 1% 1% 2% 1% 21% 29%
25% 3% 1% 1% 1% 1% 1% 3% 1% 1% 1% 1% 61% 19%
DOXA 29 Set - 3 Out 800 37,2% 8,6% 5,4% 6,1% 6,5% 3,8% 3,7% 2,2% 0,6% 1,1% 1,9% 0,2% 22,7% 28,6%
19,2% 3,5% 1,8% 1,8% 2,1% 1,7% 1% 0,4% 0,2% 0% 0,8% 0% 66,4% 15,7%
Acertar 29 Set - 2 Out 811 39,5% 10,1% 3,7% 6,4% 3,3% 4,6% 4,2% 1,8% 0,9% 1,2% 1,1% 0,2% 23% 29,4%
19,4% 4,2% 1% 2,2% 0,6% 2% 2,5% 0,4% 0,1% 0,1% 0,1% 0,1% 67,3% 15,2%
Alvo Pesquisas 24-25 Set 625 34,2% 11,3% 5,8% 5,6% 4,6% 4,2% 2,1% 1,6% 1,1% 0,8% 0,8% 0% 27,9% 22,9%

 

Porto Alegre

Fonte Data(s)
conduzida(s)
Amostragem Fernanda Melchionna
PSOL
Gustavo Paim
PP
João Derly
Republicanos
José Fortunati
PTB
Juliana Brizola
PDT
Julio Flores
PSTU
Luiz Delvair
PCO
Montserrat Martins
PV
Manuela D'Ávila
PCdoB
Nelson Marchezan Júnior
PSDB
Rodrigo Maroni
PROS
Sebastião Melo
MDB
Valter Nagelstein
PSD
Brancos e nulos Não sabem Vantagem
                         
Paraná Pesquisas[112] 19-22 Out 760 pessoas 3,3% 1,8% 1,7% 12,6% 4,7% 0,1% 0,1% 0,3% 22,6% 13,2% 0,3% 14,5% 3,4% 12,6% 8,7% 8,1%
Instituto Methodus[113] 15-18 Out 800 pessoas 2,1% 1,4% 1,8% 14,2% 4,8% 0,4% 0% 0,1% 24,9% 9,5% 0,4% 10,5% 1,1% 15,8% 13,2% 10,7%
RealTime BigData[114] 14-17 Out 1.050 3% 3% 2% 12% 3% 0% 0% 2% 24% 9% 0% 11% 2% 10% 19% 12%
IBOPE[115] 03-05 out 2020 805 pessoas 3% 1% 4% 14% 5% 1% 0% 0% 24% 9% 0% 11% 3% 13% 11% 10%
Instituto Methodus[116] 01-04 out 2020 800 pessoas 2,5% 2% 2,3% 12,6% 5,8% 0,5% 0% 0,1% 22,2% 6,5% 0,4% 12,9% 0,5% 16,3% 15,5% 9,3%
Clube da Opinião[117] 06-09 out 2020 801 pessoas 2% 2% 4% 14% 3% 0% 0% 0,5% 19% 7% 0,5% 11% 3% 12% 22% 5%
Link to comment
Share on other sites

9 horas atrás, -Demolidor- disse:

O homem disparou na sua cidade tb?

Aqui tá dando Greca com 46% dos votos totais.

Candidatos

Fonte Data(s)
conduzidas
Amostragem Rafael Greca
DEM
Fernando Francischini
PSL
Goura
PDT
Christiane Yared
PL
João Arruda
MDB
Professora Samara
PSTU
Camila Lanes
PCdoB
Caroline Arns
PODE
Diogo Furtado
PCO
Dr. João Guilherme do Novo
NOVO
Marisa Lobo
Avante
Paulo Opuszka
PT
Profº Renato Mocellin
PV
Zé Boni
PTC
Profº Eloy Casagrande
REDE
Letícia Lanz
PSOL
Abst.
Indec.
Vantagem
                               
Ibope 20-22 Out 805 46% 8% 8% 5% 3% 1% 0% 3% 0% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 19% 38%
Opinião 16-19 Out 1.200 45,57% 7,95% 5,66% 3,93% 3,03% 0,57% 0,49% 2,13% 0,57% 3,20% 0,66% 0,90% 0,98% 0,57% 0,16% 0,33% 23,28% 37,62%
32,62% 3,44% 3,61% 0,98% 0,33% 0,49% 0,49% 0,41% 0,66% 0,33% 55,98% 29,18%
Ibope 4-5 Out 602 47% 6% 5% 3% 3% 2% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 1% 0% 0% 25% 41%

 

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, Aleef disse:

 

 

 

 

Cada vez mais convencido que o twitter do Eduardo Cunha tem uma postagem para qualquer situação, em qualquer contexto e em qualquer tempo.

Link to comment
Share on other sites

31 minutos atrás, ZMB disse:

Cada vez mais convencido que o twitter do Eduardo Cunha tem uma postagem para qualquer situação, em qualquer contexto e em qualquer tempo.

Eduardo Cunha veio de um futuro onde o Brasil foi culpado pela Skynet e achava que estava tentando evitar que isso se repita, sem se tocar que é um loop determinista.

Link to comment
Share on other sites

2 horas atrás, Ariel' disse:

Será que o Arthur vai fazer a REMONTADA em Sp?

 

 

Arthur do Val, seu sobrenome é coragem.

 

Link to comment
Share on other sites

O que sempre me chamou a atenção em eleições municipais, como sou nascido e criado no interior, é a baixaria e o coronelismo.

Infelizmente 2018 estragou essa mística, tirando a exclusividade e a memória afetiva da infância, já que a putaria eleitoral foi popularizada em larga escala.

Link to comment
Share on other sites

Tópico inicial editado com as pesquisas nas principais cidades.

Só vi agora esse aumento do Boulos e o desempenho da Martha no Rio de Janeiro. Se ela for pro segundo turno, ganhar.

Aqui em Curitiba, o curitibano de sempre vota no candidato de sempre.

Link to comment
Share on other sites

19 minutos atrás, Lowko é Powko disse:

Tópico inicial editado com as pesquisas nas principais cidades.

Só vi agora esse aumento do Boulos e o desempenho da Martha no Rio de Janeiro. Se ela for pro segundo turno, ganhar.

Aqui em Curitiba, o curitibano de sempre vota no candidato de sempre.

Aqueles % de SP não fecham. 38% + 33% + 26% + 25% + 24% + 23%...

Link to comment
Share on other sites

17 minutos atrás, Psicopinto disse:

Aqueles % de SP não fecham. 38% + 33% + 26% + 25% + 24% + 23%...

Arrumado. Algum problema no ctrl c ctrl v.

Link to comment
Share on other sites

Gostaria muito de ver a Manu no comando de Porto Alegre.

Por conhecimento empírico digo, a capital gaúcha virou uma absoluta porcaria coincidentemente na época que os petistas (Pont, Tarso e Olívio) deixaram o poder.

Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, ZMB disse:

Gostaria muito de ver a Manu no comando de Porto Alegre.

Por conhecimento empírico digo, a capital gaúcha virou uma absoluta porcaria coincidentemente na época que os petistas (Pont, Tarso e Olívio) deixaram o poder.

É complicado tirar esse tipo de conclusão. A cidade é um continuum de gestões. Se uma dívida é feita agora, ele só será paga daqui a vários anos. Decisões só têm impacto de forma muito complexa e num período longo.

Por isso que a economia é a "ciência" da adivinhação.

Link to comment
Share on other sites

Em 22/10/2020 em 15:24, Lowko é Powko disse:

Goiânia

Essa de Goiânia tá desatualizada, o Íris desistiu da reeleição, que ele era favorito aliás, e se aposentou da vida pública. Vanderlan, que foi eleito senador em 2018, concorre no lugar do Francisco Jr.

https://g1.globo.com/go/goias/eleicoes/2020/noticia/2020/10/21/pesquisa-ibope-em-goiania-maguito-vilela-28percent-vanderlan-cardoso-27percent.ghtml

Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, David Reis disse:

Essa de Goiânia tá desatualizada, o Íris desistiu da reeleição, que ele era favorito aliás, e se aposentou da vida pública. Vanderlan, que foi eleito senador em 2018, concorre no lugar do Francisco Jr.

https://g1.globo.com/go/goias/eleicoes/2020/noticia/2020/10/21/pesquisa-ibope-em-goiania-maguito-vilela-28percent-vanderlan-cardoso-27percent.ghtml

Caralho, 16 candidatos? É em toda capital esse fenômeno?

Link to comment
Share on other sites

Aqui em Curitiba também são 16 candidatos. Época de turbulência é isso.

Só ver que nas eleições presidenciais de 89 eram 23 candidatos. kkkkk

Talvez a ausência de coligações seja parte da causa também.

Link to comment
Share on other sites

Essas primeiras pesquisas costumam ter os recalls em primeiros, mas esses caras não costumam ganhar, graças a Deus. Imagina Capitão Wagner como prefeito de Fortaleza ou o retorno de Luizianne Lins, que triste seria.

Link to comment
Share on other sites

2 horas atrás, Lowko é Powko disse:

Aqui em Curitiba também são 16 candidatos. Época de turbulência é isso.

Só ver que nas eleições presidenciais de 89 eram 23 candidatos. kkkkk

Talvez a ausência de coligações seja parte da causa também.

Até no interior tá ocorrendo esse fenômeno, aqui são 300 mil habitantes e são 11 candidatos.

Pra mim o que explica também é o presidente, muita gente deve ver o tamanho da ignorância e incapacidade e deve pensar que consegue chegar lá também, sem falar em todos os privilégios. Quem não quer?

Edited by Everett
Link to comment
Share on other sites

1 hour ago, Lowko é Powko said:

A única capital que não é a maior cidade de seu Estado não merece.

🤬

Aqui o bixo vai ganhar no primeiro turno msm, então...

Link to comment
Share on other sites

8 horas atrás, Lowko é Powko disse:

Aqui em Curitiba, o curitibano de sempre vota no candidato de sempre.

Natal é Curitiba com praia e calor... E lá vamos nós pra 35 anos do mesmo grupo na prefeitura (e sem perspectiva de mudar)

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

  • Similar Content

    • Leho.
      By Leho.
      Por Pedro Henrique Ribeiro,
      21 de julho de 2021
      Você já fez terapia ou pelo menos se consultou com um psicólogo? Essa é uma prática muito boa que deveria se tornar hábito. Assim como algumas pessoas vão ao dentista duas vezes por ano, todos deveríamos reservar um tempinho para conversar com um psicólogo e organizar a mente. Isso serve para pessoas comuns, mas também para super-heróis. Nos últimos anos, ficou cada vez mais comum vermos super-humanos tentando resolver problemas que tinham dentro da cachola. Para isso, ou eles dão uma passadinha no “divã” da terapia, ou tentam botar a angústia para fora. Por causa disso, estamos perdendo aquela imagem de super-herói perfeito e invulnerável, e os estúdios estão investindo nessas narrativas para dar um ar de profundidade às histórias.
      “Nos primeiros 40 anos dos quadrinhos, uma narrativa mais simplificada dominou o mercado dos quadrinhos. Graças ao Stan Lee e seus quadrinhos da Marvel, o super-herói passou a ter uma vida pessoal, problemas psicológicos e se aproximar mais dos problemas do leitor. Esse modelo fez muito sucesso com as histórias do Homem-Aranha, Quarteto Fantástico e Capitão América, e é reproduzido até hoje pela indústria”, explica o pesquisador do Núcleo de Pesquisas de Histórias em Quadrinhos da USP, Waldomiro de Castro.
      Nas telinhas e telonas vemos vários heróis assumindo a importância de conversar, como o Utópico, em O Legado de Júpiter, e Bucky Barnes, em Falcão e Soldado Invernal”. Em WandaVision vemos a Feiticeira Escarlate cruzar as fases do luto após a morte de seu marido, Visão, em Vingadores: Guerra Infinita”. Em Watchmen – O Filme, o cruel Rorschach se consulta com um psiquiatra após ir para a prisão. Durante os testes – que dão nome ao personagem -, ele consegue identificar os próprios traumas, mas mente para não ser considerado doente.
      Rorschach se consulta com psiquiatra após ser preso em Watchmen. Imagem: Reprodução/Prime Video
      O professor e pesquisador de quadrinhos, Mario Marcello Neto, explica que muitos desses debates encontrados nas HQs fazem parte de um sentimento de dívida dos autores estadunidenses. “Essa geração pós-Guerra do Vietnã está muito imbuída em uma sociedade que tem muitas dívidas a pagar, seja com minorias ou com eles mesmos. Esse aparecimento do ‘divã’ nos contextos mais atuais, reflete um certo avanço no reconhecimento da importância da saúde mental. Porém, uma coisa que dita isso [ter ou não o divã] é o ritmo da história. Eu acho que se houver muito conflito pessoal, as pessoas saem do cinema. Eu não consigo ver uma cena como a consulta do Soldado Invernal acontecendo em um filme dos Vingadores, porque [o filme] é muito frenético”.
      Sam Wilson (Falcão) e Bucky Barnes (Soldado Invernal) cara a cara na terapia. Imagem: Reprodução/Disney Plus
      “E, às vezes, você pode ser um herói ou um vilão dependendo do contexto. Um super-herói é um sujeito que também tem fragilidades, acontece com muitos personagens, não apenas nos seus traumas, mas também na questão da agressão. Isso sem dúvida abre muito campo para explorar novas histórias e narrativas. Eu acho positivo, porque tira a ideia de que há um super-homem em cada um desses heróis. Isso está afinada aos debates atuais”, explica a pesquisadora de história da arte Vanessa Bortulucce.
      À medida em que as décadas avançam, a postura do super-herói se modifica. Em alguns momentos, como na década de 1960, muitos heróis se envolveram no movimento pacifista. Já na década de 1980, vemos personagens com personalidades mais assertivas e mais agressivos. Agressividade essa geralmente associada aos traumas que deram origem ao lado heroico deles, como as mortes dos pais de Bruce Wayne (Batman) e do tio de Peter Parker (Homem-Aranha) e até mesmo o suicídio do pai de Utópico. Com isso, esses personagens apresentam uma postura muito mais agressiva em relação aos criminosos. “Você nunca viu um Batman tão violento como o da década de 1990”, afirma Castro.
      Utópico buscou ajuda psiquiátrica após problemas com a família. Imagem: Reprodução/Netflix
      Ascensão em meio ao desastre
      A Crise de 1929, também conhecida como “A Grande Depressão”, marcou um dos momentos mais caóticos do capitalismo na era moderna. Ela teve origem nos Estados Unidos, que na época já tinha se consolidado como a maior economia do mundo. Com a crise, muitas empresas quebraram e o desemprego saltou de 4% para 27%. Foi um verdadeiro caos econômico que em pouco tempo trouxe sérias consequências para a sociedade. Esse tsunami de problemas que sucedeu a crise foi crucial para a revolução das comics. 
      Para Vanessa Bortulucce, a principal relação entre a Grande Depressão e as HQs é a mudança do cenário das histórias. “Como a Crise de 29 envolveu o mercado de ações, os bancos e etc, você tem as cidades como um lugar marcado por desastres e más notícias. Então, os quadrinhos sofrem um certo refluxo nesse ambiente”, explica ela. Fora do ambiente das cidades, novos cenários começaram a ganhar força, como o espaço sideral de Flash Gordon e Brick Bradford. 
      Essa fragilização acabou criando o conceito do “herói extraordinário”, aquele que resolve problemas com facilidade, sem quebrar a cabeça, e assim entrega uma aventura fantástica que restaura a esperança do leitor, que não tem muita paciência para novos problemas. 
      Em 1938, quando foi lançada a primeira HQ do Superman, o herói absorveu muitas características da época, especialmente nas edições lançadas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O kryptoniano era invencível, imparável, como se estivesse passando uma mensagem. O mesmo pôde ser vista nas revistas da Capitã Marvel. Assim surgiram os primeiros aspectos para se discutir o mito do herói nas comics.
      Mito do herói no traço e na tela
      Contar sobre a vida dos personagens humanizou os super-humanos e até mesmo os alienígenas como Clark Kent. Isso reforçou a ideia de que um herói pode ser qualquer pessoa, como um fazendeiro do Kansas, um jovem franzino do Brooklyn ou um nerd do Queens.
      “O Super-Homem é um alienígena, mas o leitor olha para o Clark Kent, que é um homem comum. Ao se mostrar como um homem comum, ele estabelece um reconhecimento, e o leitor pensa em um Super-Man que estaria, simbolicamente, dentro dele. Com os heróis da Marvel, Stan Lee tem uma importância vital nesse sentido, porque ele inverte a lógica do Super-Homem: você não tem um herói que se passa por um homem comum, mas um homem –  ou mulher – comum que pode se mostrar como herói”, diz Bortulucce.
      Pensando sobre essa afirmação da pesquisadora, alguns nomes do MCU vêm em mente, como Viúva Negra, Falcão, Gavião Arqueiro, Homem de Ferro, Homem-Formiga, Vespa e muitos outros. Esses heróis sem poderes “mágicos ou alienígenas” usam tecnologia e habilidades de combate para derrotar os vilões. Porém, diferentemente dos heróis do século 20, os personagens da Marvel nos cinemas não carregam consigo um senso inabalável de justiça e têm em comum traumas que precisam ser tratados seriamente.
      Heróis enlatados
      Todo esse roteiro de heróis traumatizados e órfãos é bem conveniente para os enredos, como vimos até aqui. Por isso essa jornada entre perda e poder foi reproduzida em larga escalada para as dezenas de heróis que surgiram nas décadas seguintes aos anos 1960. Esses heróis chamados de enlatados basicamente mudam de nome, o lugar de origem, mas a essência segue sendo a mesma. Essa zona de conforto permitiu que grandes estúdios e produzissem vários heróis sem perder o trunfo de uma história dividida entre vida civil e vida com uniforme, como explica Mario Marcello Neto.
      “Algumas coisas se repetiriam, como a ideia da orfandade como característica para ser super-herói. Nisso a gente tem desde Shazam até o Batman. Parece até que o critério para ser herói é não ter os pais e mães [biológicos]. Na década de 1940 era pior e os heróis que sobreviveram daquela época para cá são muito poucos. Naqueles anos a gente via heróis que eram plágios. O próprio Shazam se envolveu em um processo de plágio por causa das semelhanças com o Superman”. 
      Heróis e política
      Entre as influências que as histórias de super-heróis podem ter na sociedade está a política. Assim como foi o caso do governo de Reagan nos anos 1980, as políticas e as HQs fazem essa troca de signos. Além de exercer uma influência natural com seus enredos, as histórias em quadrinhos também podem ser utilizadas como ferramenta política, como explica Bortulucce. “Muitos personagens surgem por causa da Segunda Guerra Mundial, como o Capitão América. Guerra do Vietnã? Homem de Ferro. Corrida espacial? Quarteto Fantástico. O medo e a maravilha do poder atômico? Hulk e Homem-Aranha. Minorias e lutas sociais? Pantera Negra e X-Men. Os quadrinhos são uma grande ferramenta política”. 
      Um bom e recente exemplo aconteceu durante as manifestações de 2013 contra o então governo de Dilma Roussef (PT). Muitos manifestantes foram às ruas com camisas da CBF e máscara do personagem V, de V de Vingança. A intenção era mostrar que “o povo” estava disposto a ir longe, como V foi. Na história em quadrinhos, o personagem adota um tom professoral e filosófico em seus discursos, e tem todo o tipo de ideia para derrubar um governo fascista que governava a Inglaterra. Entre as ações de V está a explosão do Parlamento Britânico.
      Essa ideia de que todo mundo pode ser um herói se mostra nesses tipos de situação. Na época, Alan Moore, o autor da HQ, chegou a comentar sobre o caso em entrevista ao site UOL. “Há 30 anos eu estava apenas respondendo à situação da Inglaterra da minha perspectiva. Não eram premonições do que aconteceria no futuro”, disse ele sobre a produção de V de Vingança. “Acho que não tenho muito a dizer a respeito [do uso das máscaras], porque eu sou apenas o criador da história. E eu não tenho uma cópia de ‘V’ em casa, isso foi tirado de mim por grandes corporações”, completou.
      Esse uso do V por manifestantes em 2013 é apenas um exemplo da relação entre quadrinhos e política. “As histórias em quadrinho influenciam em termos de filosofia de vida. Os leitores acabam se influenciando pelas ideias e propostas, acabam acreditando na visão de mundo daqueles heróis. Mas eu não acredito que uma pessoa normal seja influenciada aponto de vestir uma máscara ou uma roupa e sair por aí batendo nas pessoas resolvem os problemas do mundo”, diz Castro.
      Então, da próxima vez que você assistir a uma série, filme ou ler uma HQ e se perguntar: isso não está realista demais? Lembre-se de que a resposta é sim! Tudo vai ficar cada vez mais real enquanto continuaremos a ver homens voadores atirando raio laser pelos olhos.
      @Bitniks
    • Lowko é Powko
      By Lowko é Powko
      Quem não conseguir acessar pode ler a notícia no outline com aqueles problemas de formatação.
      Sanders se retirando da cena e as eleições de 2020 se encaminhando para ser uma disputa entre Trump e Biden, com um Partido Democrata em tese um pouco mais à esquerda do que de costume, ao menos no discurso.
    • Lanko
      By Lanko
      De acordo com as notícias, se não jogarem o Tite será demitido, o que está fazendo os jogadores mudarem a postura de boicote para apenas um manifesto público... e então irem jogar o torneio, o que seria o mesmo que "muito barulho por nada".
    • jonnyjones81
      By jonnyjones81
      Estava lendo uma matéria sobre a tal ligação do Kajuru na IstoÉ e a matéria termina assim:
      “Finalmente, uma observação sobre o sistema eleitoral brasileiro, que o Congresso está querendo alterar. O sistema vigente hoje já dá bastante espaço para que políticos como Jorge Kajuru se elejam. São pessoas que não têm outras credenciais além da fama e de algum sentimento de indignação, ou desejo vago de “fazer o bem”, mas que nunca perdeu um minuto da vida pensando sobre políticas e administração públicas.
      Se o Congresso fizer o que deseja, e implantar o tal sistema do “distritão”, em que apenas os candidatos mais votados são eleitos, só haverá gente famosa na política. Aquele sujeito que passou a vida lutando em silêncio por uma causa, ou estudando gestão pública, nunca mais chegará ao parlamento, pois costuma ser eleito pelos votos concedidos aos partidos no sistema proporcional.
      Hoje, existe um Kajuru a mais do que o necessário no Senado. Imagine agora um Congresso feito só de Kajurus. Gostou?”
      Ou seja, uma clara critica à mudança.
      Então fui pesquisar e ler um pouco melhor sobre o tema do voto distrital e distrital misto. Achei uma matéria sobre o assunto muito, mas muito bem escrita (IMO). Vou deixar aqui para a leitura e um debate saudável.
      Como o voto distrital misto pode mudar as eleições no país
    • Lowko é Powko
      By Lowko é Powko
      Topei com esse texto do Pindorama sobre as pesquisas eleitorais e os resultados das eleições em 2020. Vale a pena pra quem se interessa pelo tema. Pra quem não quer ler o texto inteiro, vou colar os pontos mais importantes num quote. Pra quem tiver mais interesse, pode pular o quote e ir direto pro texto original, abrindo o spoiler.
       
       
×
×
  • Create New...