Ir para conteúdo
João Gilberto

Clubes vetam árbitro de vídeo no Brasileirão-2018; veja como cada um votou

Recommended Posts

João Gilberto

Clubes vetam árbitro de vídeo no Brasileirão-2018; veja como cada um votou
No Conselho Técnico, "venda" de mando de campo e uso de grama sintética são liberados na Série A

Por motivo econômico, não haverá árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro de 2018. A decisão foi tomada por representantes dos 20 clubes da Série A em reunião do Conselho Técnico da competição, realizada nesta segunda-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro. O placar foi 12 a 7 contra o VAR, além de uma abstenção.

A CBF queria que os clubes pagassem pela implantação da tecnologia, que corrige marcações e dúvidas da arbitragem em determinados tipos de lances. O custo estimado para os 380 jogos da Série A era de R$ 20 milhões.

– Vetar foi uma decisão da maioria, pelo custo elevados para os clubes. Para cada clube, (o árbitro de vídeo) custaria R$ 500 mil apenas para o segundo turno, ou R$ 1 milhão para o campeonato inteiro. Decidimos esperar a observação na Copa do Mundo e talvez implantar no Brasileiro do ano que vem – explicou Alexandre Campello, presidente do Vasco.

No entanto, haverá árbitro de vídeo a partir das quartas de final da Copa do Brasil.

Veja como foi a votação sobre a implantação do VAR:

  • A favor: Flamengo, Botafogo, Bahia, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e Internacional;
  • Contra: Corinthians, Santos, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR, Paraná, Vasco, Fluminense, Sport, Vitória e Ceará;
  • Não votou: São Paulo (o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva tinha ido embora no momento dessa votação).

img_7880.jpg

Duas mudanças

Em outra decisão conjunta, os clubes liberaram a "venda" de mando de campo no Brasileirão deste ano, com algumas restrições:

  • os times só poderão atuar cinco vezes fora de seu estado de origem em seus 19 jogos de mando;
  • os times só poderão mandar jogos fora de seus estados se houver a concordância do visitante;
  • as trocas de local de jogo estão proibidas nas últimas cinco rodadas.

No ano passado, nenhum clube pôde mandar partidas fora de seu estado.

whatsapp_image_2018-01-27_at_15.17.32.jp

Outra decisão do Conselho Técnico foi liberar o uso de grama sintética em jogos do Brasileirão. A Arena da Baixada, estádio do Atlético-PR, é o único da Série A com esse tipo de piso.

O regulamento de 2017 previa que haveria um veto ao uso de grama sintética em 2018, mas a reunião deste ano reverteu essa decisão.

GLOBO ESPORTE

  • Downvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
João Gilberto

Só um adendo a essa votação aí:

Pelo que soube, Sport e Vitória não se posicionaram contra, disseram ser a favor, MAS só se a CBF arcasse com os custos, coisa que a entidade não quis; se tiveram outros clubes com a mesma postura eu não sei, mas é bem possível.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
SilveiraGOD.

PAU NO SEU CU, TIMES QUE VOTARAM CONTRA. RIDÍCULO.

Mas mais ridículo que isso é a CBF querer passar os custos pros times. TÁ DE SACANAGE COM A MINHA CARA? PAU DUPLO NO SEU CU, CBF.

Por isso que essa merda de futebol brsaileiro não vai pra frente.

  • Like 1
  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
MICHEL O
3 minutos atrás, João Gilberto disse:

Só um adendo a essa votação aí:

Pelo que soube, Sport e Vitória não se posicionaram contra, disseram ser a favor, MAS só se a CBF arcasse com os custos, coisa que a entidade não quis; se tiveram outros clubes com a mesma postura eu não sei, mas é bem possível.

Todos os clubes não votaram contra o VAR e sim contra os custos serem arcados por eles.

Se fosse com a CBF bancando, seriam 100% a favor.

A chamada da matéria é errada. Dá a entender que os clubes são contra o VAR, o que não é o caso.

Editado por MICHEL O

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
João Gilberto
1 minuto atrás, MICHEL O disse:

Todos os clubes não votaram contra o VAR e sim contra os custos serem arcados por eles.

Se fosse com a CBF bancando, seriam 100% a favor.

Imaginei isso, mas ainda assim fico puto com os clubes.

Quero ver agora dirigente vir falar merda na TV quando eles mesmo preferiram economizar 1 milhão em detrimentos de possíveis pontos que podem custar desde uma vaga em competições internacionais ao rebaixamento.

  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
João Gilberto
Citar

A não adoção do VAR no Brasileirão é uma derrota até para quem é contra o VAR

622_e05b5847-5ab0-408d-b176-6845484a74dc

É para lamentar, mas não surpreender: o mesmo Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro que nesta segunda-feira liberou o absurdo que é a venda de mandos nos jogos do Campeonato Brasileiro até a 33ª rodada, vetou a utilização do árbitro de vídeo na competição em sua edição de 2018.

As decisões não surpreendem por um motivo simples: dinheiro.

Enquanto a venda de mando faz com que os clubes da Série A possam arrancar um dinheirinho de governos municipais ou estaduais pelo país, a utilização da arbitragem de vídeo, pelo contrário, os obrigaria a colocar a mão no bolso.

Em ambos os casos, lamentavelmente, privilegia-se o dinheiro em detrimento dos aspectos técnicos e esportivos.

Mesmo quem acredita que o VAR não traria benefícios ao campeonato deve admitir: embora estejamos falando de uma implementação de alto custo (R$ 20 milhões para todo o Brasileirão), o aspecto econômico não deveria ser o determinante para decisão tão relevante no cenário do futebol nacional.

Manoel Serapião, responsável pelo VAR na CBF, informou que, além do dinheiro, outros motivos foram alegados pelos clubes para tomar a decisão.

Um deles, de tão patético, só escancara o quanto estamos falando apenas de questões financeiras: segundo alguns clubes, seria melhor “esperar o efeito do VAR” nos 64 jogos da Copa do Mundo, como se 760 partidas dos campeonatos nacionais de Alemanha e Itália nesta temporada não bastassem para se fazer uma análise e até um aperfeiçoamento do sistema.

Falta vontade de agir, de melhorar e, claro, de gastar.

É até compreensível e louvável que os clubes brasileiros, em sua maioria ainda mal geridos e endividados até o pescoço, digam não para novos gastos. É compreensível que também exijam da milionária (e pelo menos em seu passado recente corrupta) CBF o pagamento da implementação do sistema, como aliás ocorrerá na Copa do Brasil.

Não é compreensível, contudo, que estes mesmos clubes sigam reféns de federações ou confederações parasitas para implementar as melhoras necessárias ao futebol nacional.

A não adoção do VAR, por este motivo, é mais uma derrota do futebol brasileiro. Até para quem é contra o VAR.

ESPN

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
davidreisc

Boa Vascão, pode tomar mais uns 5 gols de mão para aprender. "Muda" a diretoria mas continua a mesma merda. 

A CBF é isso aí mesmo né, tem dinheiro de sobrar para implementar a tecnologia, mas não mete a mão no bolso nem fudendo. Não é possível que não consegue pelo menos negociar, 50% para a entidade e 50% pros clubes.

É triste essa desorganização que parece que sempre irá se arrastar no futebol brasileiro.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
João Gilberto

----------------------------------

Se tá tendo prejuízo, ta na hora de largar o osso e deixar na mão dos clubes, não?!

  • Like 1
  • Upvote 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
@Vinny

Eu ouvi 500 mil para cada clube...

  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
MICHEL O

Na verdade, esse custo deveria ser pago pela CBF, que tem lucros exorbitantes. Em 2016 a CBF faturou R$ 647 milhões.  Desses 288 milhões foram investidos no futebol e em gastos diretos com as seleções, e R$ 200 milhões com gastos em salários e gastos indiretos.

Poxa vida, R$ 20 milhões pra CBF não é nada.

Na verdade os clubes são culpados. Perdem muito dinheiro nas mãos de parasitas como federações, CBF e empresários. Depois alegam que estão endividados. Alguém precisa quebrar esse esquema.

 

Editado por MICHEL O
  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
tod

Lamentável, estamos falidos. 1 milhão deveria ser dinheiro de pinga para um time de futebol. Espero que não tenha dirigentes ,nem técnicos desses times merdas reclamando quando o time for prejudicado. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
raskor

Vender mando de campo é BIZARRO. BIZARRO. Eu to mais puto com isso do que com o lance do árbitro de vídeo.

  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Léo R.

Por favor, essa justificativa de não quererem arcar com os custos é uma piada.

500 mil reais em um turno? Corinthians e a maioria dos clubes tiram isso em UM JOGO com bilheteria.

Justificar a não utilização do VAR por conta disso é uma piada, não vem querer amenizar não, seu time/diretoria é cagão pra não dizer mal intencionado(a). E você concordando com isso é mais cagão ainda.

O TIME/DIRETORIA QUE VOTOU CONTRA ESTÁ PASSANDO PANO PRA IRREGULARIDADE, SIMPLES ASSIM.

A Venda de mando de campo é outra piada que só favorece os times do eixo, principalmente Flamengo/Corinthians. Mas né, essa é bem mais relativa.

Editado por Léo R.
  • Upvote 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
João Gilberto
Posição oficial (errada):
 
Editado por João Gilberto

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
raskor

 

Engraçado que boa parte de quem votou contra, é time que não tá tão bem financeiramente.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
F J

eu até acho que 1 conto faz diferença pra times tipo o Paraná e o Ceará que provavelmente vão bater e voltar.

Podia tirar proporcionalmente das cotas, 2 de Fla e Corinthians 1,5 de Palmeiras, Vasco, Santos e SP, 1 de Inter, Gremio, Flu, Botafogo, Cruzeiro e Galo e 500mil do resto (se eu errei as conta nao me corrijam)

  • Upvote 8

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
EduFernandes

Brasil... 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Deod

Muita cara de pau da CBF ainda dizer que tem prejuízo com o brasileirão. Logo a instituição mais corrupta do país depois do próprio governo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Thiago Anjo

Não se salva nada nesse país. Lamentável. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Dsmoreira

Apesar disso, ridículo ver a diretoria do Galo votando contra o VAR.

EDIT: Palavra da diretoria do Galo ao jornalista:

 

Editado por Dsmoreira

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
raskor

Então a CBF simplesmente chegou na reunião e disse: "Seguinte, não sei como a gente vai implementar isso, mas deve dar papo de 20 milhões e vocês que se virem pra pagar."? KKKKKKKKKKKK, não me surpreende esse amadorismo vindo desses canalhas.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Tehh

Os clubes são coniventes com isso. A CBF e as Federações estaduais só existem por causa dos clubes. Nada vai mudar enquanto não quiserem que as coisas mudem, não adianta. O jeito é torcer pelo seu clube conseguir um título aqui e ali e acabou.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
AtIeticano

O Atlético (e o Paraná) votaram contra pelo $$ também. 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Léo R.
12 horas atrás, F J disse:

eu até acho que 1 conto faz diferença pra times tipo o Paraná e o Ceará que provavelmente vão bater e voltar.

Podia tirar proporcionalmente das cotas, 2 de Fla e Corinthians 1,5 de Palmeiras, Vasco, Santos e SP, 1 de Inter, Gremio, Flu, Botafogo, Cruzeiro e Galo e 500mil do resto (se eu errei as conta nao me corrijam)

Esses, eu entendo até, o Paraná principalmente, agora os demais...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Galford Strife

Entendo o ponto de vista de alguns quando falam que um milhão não deveria ser nada para clubes como Corinthians e tals. Mas no caso do Vasco (e de alguns clubes menores) é complicado, o time está com a folha salarial atrasada e ainda ter que pagar por algo que deveria ser feito pela CBF? Achei certo votarem em não e isso não vai deslegitimizar posteriores reclamações de erros de arbitragem. A galera não está contra o árbitro de vídeo, mas contra as condições impostas pela CBF para que insiram este recurso.

  • Like 1
  • Downvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • VitorSouza
      Por VitorSouza
      1ª rodada (14 e 15/abr):
      Ponte Preta vs. Paysandu
      Oeste vs. CRB
      Brasil de Pelotas vs. São Bento
      Figueirense vs. Juventude
      Fortaleza vs. Guarani
      Vila Nova vs. Avaí
      Atlético GO vs. Criciúma
      CSA vs. Goiás
      Londrina vs. Boa Esporte
      Sampaio Corrêa vs. Coritiba
       
      38ª rodada (24/nov):
      Guarani vs. Londrina
      São Bento vs. Vila Nova
      Juventude vs. CSA
      Avaí vs. Ponte Preta
      Criciúma vs. Sampaio Corrêa
      Coritiba vs. Fortaleza
      Goiás vs. Brasil de Pelotas
      Boa Esporte vs. Oeste
      CRB vs. Figueirense
      Paysandu vs. Atlético GO
       
      Tabela completa
       
      Confrontos estaduais:
      Atlético GO vs. Goiás - 8ª e 27ª rodadas
      Avaí vs. Figueirense - 5ª e 24ª rodadas
      Brasil de Pelotas vs. Juventude - 15ª e 34ª rodadas
      Criciúma vs. Avaí - 8ª e 27ª rodadas
      CSA vs. CRB - 10ª e 29ª rodadas
      Figueirense vs. Criciúma - 14ª e 33ª rodadas
      Guarani vs. Ponte Preta - 4ª e 23ª rodadas
      Guarani vs. São Bento - 11ª e 30ª rodadas
      Goiás vs. Vila Nova - 4ª e 23ª rodadas
      Londrina vs. Coritiba - 8ª e 27ª rodadas
      Oeste vs. Guarani - 14ª e 33ª rodadas
      Ponte Preta vs. Oeste - 8ª e 27ª rodadas
      São Bento vs. Oeste - 5ª e 24ª rodadas
      São Bento vs. Ponte Preta - 15ª e 34ª rodadas
      Vila Nova vs. Atlético GO - 11ª e 30ª rodadas
       
      Não irá parar durante a Copa do Mundo.
    • VitorSouza
      Por VitorSouza
      1ª rodada (14 e 15/abr):
      Náutico vs. Santa Cruz
      Globo vs. ABC
      Atlético AC vs. Remo
      Salgueiro vs. Botafogo PB
      Juazeirense vs. Confiança
      Botafogo SP vs. Bragantino
      Operário PR vs. Volta Redonda
      Tupi vs. Tombense
      Cuiabá vs. Luverdense
      Joinville vs. Ypiranga RS

      A fase de grupos acaba em 12 de agosto. A primeira rodada de cada turno é marcada por esses confrontos estaduais.
      Mata-mata entre 19 de agosto e 23 de setembro, sem o gol qualificado também.
      A Série C não vai parar durante a Copa do Mundo.
    • VitorSouza
      Por VitorSouza
      Ontem a CBF divulgou os grupos da Série D 2018.

      A competição começará em 21 de abril e terá seus 4 promovidos conhecidos no segundo final de semana de julho. O campeão sai em 5 de agosto.
      O gol fora de casa foi abolido no mata-mata.
    • Gourcuff
      Por Gourcuff
      Finalmente acordando pra vida, não dá mais pra jogar com aquele meio-campo que não faz absolutamente nada de útil com a bola, principalmente contra defesa fechada. Casemiro, Paulinho ou Renato Augusto, um dos três precisa sair pra seleção melhorar.
    • victorcfs
      Por victorcfs
      Vamos falar de Calendário?
        A Copa do Brasil, como está desenhada hoje, vende aos clubes do Noroeste (N/CO) e do Nordeste (NE) a falsa ilusão de que estariam competindo em pé de igualdade com os times do "Sul Maravilha" (RS, MG, SP, RJ, PR). Basta olharmos os números das últimas 20 edições, para vermos o quão raro é um time do Nordeste chegar às quartas de final, raridade essa que se acentua para times do Centro-Oeste, e chega próximo de zero para times do Norte. Além disso, a sobreposição de datas com os estaduais e o Brasileiro acaba por esvaziar o torneio, e fecha as portas para o fortalecimento dos campeonatos regionais.    O que propomos é que a fase inicial da Copa do Brasil seja constituída pelos próprios torneios regionais: Nordestão (com 32 clubes dos 9 estados do Nordeste), Copa Verde (com 32 clubes dos 7 estados do Norte mais os dois Matos Grossos), e um torneio do centro-sul mais industrializado (com os times do Sul, Sudeste, DF e GO). Assim, após um mata-mata de 10 rodadas, teríamos um campeão regional em cada módulo, e ao fim um quadrangular final entre os 4 times (o campeão do Nordeste, o campeão do Noroeste, e o campeão e vice do Centro-Sul).   Paralelo a isso, os estaduais não podem morrer. Berço das rivalidades locais, inclusivos para a difusão da paixão pelo futebol por todo o nosso território, celeiro de renovação de novos jogadores, e lastro que fortalece potências locais e mantém suas torcidas vivas, os estaduais vêm sofrendo duros golpes da mídia hegemônica, que quer transformar o futebol brasileiro numa disputa exclusiva entre Flamengo e Corinthians, como ocorre na Espanha. Não podemos deixar.   O que propomos são duas coisas simultâneas: um torneio de ano inteiro, em cada estado, disputado pelo times daquele estado que não estão nem na série A nem na série B; um torneio com todos os times daquele estado, incluindo os grandes que disputam as séries A e B, concentrado em 14 rodadas nos meses de junho e julho (quando geralmente a nossa Seleção está jogando torneios FIFA). Assim, todas as competições nacionais parariam entre junho e julho, exceto os estaduais, que teriam uma copa própria de curta duração, para confrontar times grandes e pequenos daquele estado, e ainda fazer a etapa classificatória dos regionais do ano seguinte.   Por fim, entendemos que o Brasileirão deveria ter menos jogos, e melhores. O que propomos é um torneio de ano inteiro (fevereiro a maio - 1ª fase; agosto a novembro - 2ª fase), com 2 grupos de 16 times cada, 30 rodadas de pontos corridos em cada grupo na 1ª fase, e depois uma final única entre os 2 campeões (o 1º lugar de cada grupo), num dos estádios da Copa de 2014 (a ser sorteado a cada ano). 31 jogos ao todo, para o campeão. A Série B poderia continuar com os 20 times em pontos corridos e 38 rodadas.   A ideia é termos um calendário em que: (i) torneios regionais sejam fortalecidos, fortalecendo assim o futebol do Norte (e Centro-Oeste) e Nordeste; (ii) estaduais sejam novamente valorizados, com um torneio de tiro curto no meio do ano; (iii) o Brasileirão seja difundido pelo ano inteiro, com menos jogos e a volta de uma Grande Final, no estilo do Super Bowl. É um apelo ao bom senso e ao resgate dos tempos áureos do nosso futebol.
×