Jump to content

Clubes vetam árbitro de vídeo no Brasileirão-2018; veja como cada um votou


Guest João Gilberto

Recommended Posts

Guest João Gilberto

Clubes vetam árbitro de vídeo no Brasileirão-2018; veja como cada um votou
No Conselho Técnico, "venda" de mando de campo e uso de grama sintética são liberados na Série A

Por motivo econômico, não haverá árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro de 2018. A decisão foi tomada por representantes dos 20 clubes da Série A em reunião do Conselho Técnico da competição, realizada nesta segunda-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro. O placar foi 12 a 7 contra o VAR, além de uma abstenção.

A CBF queria que os clubes pagassem pela implantação da tecnologia, que corrige marcações e dúvidas da arbitragem em determinados tipos de lances. O custo estimado para os 380 jogos da Série A era de R$ 20 milhões.

– Vetar foi uma decisão da maioria, pelo custo elevados para os clubes. Para cada clube, (o árbitro de vídeo) custaria R$ 500 mil apenas para o segundo turno, ou R$ 1 milhão para o campeonato inteiro. Decidimos esperar a observação na Copa do Mundo e talvez implantar no Brasileiro do ano que vem – explicou Alexandre Campello, presidente do Vasco.

No entanto, haverá árbitro de vídeo a partir das quartas de final da Copa do Brasil.

Veja como foi a votação sobre a implantação do VAR:

  • A favor: Flamengo, Botafogo, Bahia, Chapecoense, Palmeiras, Grêmio e Internacional;
  • Contra: Corinthians, Santos, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR, Paraná, Vasco, Fluminense, Sport, Vitória e Ceará;
  • Não votou: São Paulo (o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva tinha ido embora no momento dessa votação).

img_7880.jpg

Duas mudanças

Em outra decisão conjunta, os clubes liberaram a "venda" de mando de campo no Brasileirão deste ano, com algumas restrições:

  • os times só poderão atuar cinco vezes fora de seu estado de origem em seus 19 jogos de mando;
  • os times só poderão mandar jogos fora de seus estados se houver a concordância do visitante;
  • as trocas de local de jogo estão proibidas nas últimas cinco rodadas.

No ano passado, nenhum clube pôde mandar partidas fora de seu estado.

whatsapp_image_2018-01-27_at_15.17.32.jp

Outra decisão do Conselho Técnico foi liberar o uso de grama sintética em jogos do Brasileirão. A Arena da Baixada, estádio do Atlético-PR, é o único da Série A com esse tipo de piso.

O regulamento de 2017 previa que haveria um veto ao uso de grama sintética em 2018, mas a reunião deste ano reverteu essa decisão.

GLOBO ESPORTE

Link to comment
Share on other sites

Guest João Gilberto

Só um adendo a essa votação aí:

Pelo que soube, Sport e Vitória não se posicionaram contra, disseram ser a favor, MAS só se a CBF arcasse com os custos, coisa que a entidade não quis; se tiveram outros clubes com a mesma postura eu não sei, mas é bem possível.

Link to comment
Share on other sites

PAU NO SEU CU, TIMES QUE VOTARAM CONTRA. RIDÍCULO.

Mas mais ridículo que isso é a CBF querer passar os custos pros times. TÁ DE SACANAGE COM A MINHA CARA? PAU DUPLO NO SEU CU, CBF.

Por isso que essa merda de futebol brsaileiro não vai pra frente.

Link to comment
Share on other sites

3 minutos atrás, João Gilberto disse:

Só um adendo a essa votação aí:

Pelo que soube, Sport e Vitória não se posicionaram contra, disseram ser a favor, MAS só se a CBF arcasse com os custos, coisa que a entidade não quis; se tiveram outros clubes com a mesma postura eu não sei, mas é bem possível.

Todos os clubes não votaram contra o VAR e sim contra os custos serem arcados por eles.

Se fosse com a CBF bancando, seriam 100% a favor.

A chamada da matéria é errada. Dá a entender que os clubes são contra o VAR, o que não é o caso.

Link to comment
Share on other sites

Guest João Gilberto
1 minuto atrás, MICHEL O disse:

Todos os clubes não votaram contra o VAR e sim contra os custos serem arcados por eles.

Se fosse com a CBF bancando, seriam 100% a favor.

Imaginei isso, mas ainda assim fico puto com os clubes.

Quero ver agora dirigente vir falar merda na TV quando eles mesmo preferiram economizar 1 milhão em detrimentos de possíveis pontos que podem custar desde uma vaga em competições internacionais ao rebaixamento.

Link to comment
Share on other sites

Guest João Gilberto
Citar

A não adoção do VAR no Brasileirão é uma derrota até para quem é contra o VAR

622_e05b5847-5ab0-408d-b176-6845484a74dc

É para lamentar, mas não surpreender: o mesmo Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro que nesta segunda-feira liberou o absurdo que é a venda de mandos nos jogos do Campeonato Brasileiro até a 33ª rodada, vetou a utilização do árbitro de vídeo na competição em sua edição de 2018.

As decisões não surpreendem por um motivo simples: dinheiro.

Enquanto a venda de mando faz com que os clubes da Série A possam arrancar um dinheirinho de governos municipais ou estaduais pelo país, a utilização da arbitragem de vídeo, pelo contrário, os obrigaria a colocar a mão no bolso.

Em ambos os casos, lamentavelmente, privilegia-se o dinheiro em detrimento dos aspectos técnicos e esportivos.

Mesmo quem acredita que o VAR não traria benefícios ao campeonato deve admitir: embora estejamos falando de uma implementação de alto custo (R$ 20 milhões para todo o Brasileirão), o aspecto econômico não deveria ser o determinante para decisão tão relevante no cenário do futebol nacional.

Manoel Serapião, responsável pelo VAR na CBF, informou que, além do dinheiro, outros motivos foram alegados pelos clubes para tomar a decisão.

Um deles, de tão patético, só escancara o quanto estamos falando apenas de questões financeiras: segundo alguns clubes, seria melhor “esperar o efeito do VAR” nos 64 jogos da Copa do Mundo, como se 760 partidas dos campeonatos nacionais de Alemanha e Itália nesta temporada não bastassem para se fazer uma análise e até um aperfeiçoamento do sistema.

Falta vontade de agir, de melhorar e, claro, de gastar.

É até compreensível e louvável que os clubes brasileiros, em sua maioria ainda mal geridos e endividados até o pescoço, digam não para novos gastos. É compreensível que também exijam da milionária (e pelo menos em seu passado recente corrupta) CBF o pagamento da implementação do sistema, como aliás ocorrerá na Copa do Brasil.

Não é compreensível, contudo, que estes mesmos clubes sigam reféns de federações ou confederações parasitas para implementar as melhoras necessárias ao futebol nacional.

A não adoção do VAR, por este motivo, é mais uma derrota do futebol brasileiro. Até para quem é contra o VAR.

ESPN

 

Link to comment
Share on other sites

Boa Vascão, pode tomar mais uns 5 gols de mão para aprender. "Muda" a diretoria mas continua a mesma merda. 

A CBF é isso aí mesmo né, tem dinheiro de sobrar para implementar a tecnologia, mas não mete a mão no bolso nem fudendo. Não é possível que não consegue pelo menos negociar, 50% para a entidade e 50% pros clubes.

É triste essa desorganização que parece que sempre irá se arrastar no futebol brasileiro.

Link to comment
Share on other sites

Na verdade, esse custo deveria ser pago pela CBF, que tem lucros exorbitantes. Em 2016 a CBF faturou R$ 647 milhões.  Desses 288 milhões foram investidos no futebol e em gastos diretos com as seleções, e R$ 200 milhões com gastos em salários e gastos indiretos.

Poxa vida, R$ 20 milhões pra CBF não é nada.

Na verdade os clubes são culpados. Perdem muito dinheiro nas mãos de parasitas como federações, CBF e empresários. Depois alegam que estão endividados. Alguém precisa quebrar esse esquema.

 

Link to comment
Share on other sites

Lamentável, estamos falidos. 1 milhão deveria ser dinheiro de pinga para um time de futebol. Espero que não tenha dirigentes ,nem técnicos desses times merdas reclamando quando o time for prejudicado. 

Link to comment
Share on other sites

Vender mando de campo é BIZARRO. BIZARRO. Eu to mais puto com isso do que com o lance do árbitro de vídeo.

Link to comment
Share on other sites

Por favor, essa justificativa de não quererem arcar com os custos é uma piada.

500 mil reais em um turno? Corinthians e a maioria dos clubes tiram isso em UM JOGO com bilheteria.

Justificar a não utilização do VAR por conta disso é uma piada, não vem querer amenizar não, seu time/diretoria é cagão pra não dizer mal intencionado(a). E você concordando com isso é mais cagão ainda.

O TIME/DIRETORIA QUE VOTOU CONTRA ESTÁ PASSANDO PANO PRA IRREGULARIDADE, SIMPLES ASSIM.

A Venda de mando de campo é outra piada que só favorece os times do eixo, principalmente Flamengo/Corinthians. Mas né, essa é bem mais relativa.

Link to comment
Share on other sites

 

Engraçado que boa parte de quem votou contra, é time que não tá tão bem financeiramente.

Link to comment
Share on other sites

eu até acho que 1 conto faz diferença pra times tipo o Paraná e o Ceará que provavelmente vão bater e voltar.

Podia tirar proporcionalmente das cotas, 2 de Fla e Corinthians 1,5 de Palmeiras, Vasco, Santos e SP, 1 de Inter, Gremio, Flu, Botafogo, Cruzeiro e Galo e 500mil do resto (se eu errei as conta nao me corrijam)

Link to comment
Share on other sites

Muita cara de pau da CBF ainda dizer que tem prejuízo com o brasileirão. Logo a instituição mais corrupta do país depois do próprio governo.

Link to comment
Share on other sites

Apesar disso, ridículo ver a diretoria do Galo votando contra o VAR.

EDIT: Palavra da diretoria do Galo ao jornalista:

 

Link to comment
Share on other sites

Então a CBF simplesmente chegou na reunião e disse: "Seguinte, não sei como a gente vai implementar isso, mas deve dar papo de 20 milhões e vocês que se virem pra pagar."? KKKKKKKKKKKK, não me surpreende esse amadorismo vindo desses canalhas.

Link to comment
Share on other sites

Os clubes são coniventes com isso. A CBF e as Federações estaduais só existem por causa dos clubes. Nada vai mudar enquanto não quiserem que as coisas mudem, não adianta. O jeito é torcer pelo seu clube conseguir um título aqui e ali e acabou.

Link to comment
Share on other sites

12 horas atrás, F J disse:

eu até acho que 1 conto faz diferença pra times tipo o Paraná e o Ceará que provavelmente vão bater e voltar.

Podia tirar proporcionalmente das cotas, 2 de Fla e Corinthians 1,5 de Palmeiras, Vasco, Santos e SP, 1 de Inter, Gremio, Flu, Botafogo, Cruzeiro e Galo e 500mil do resto (se eu errei as conta nao me corrijam)

Esses, eu entendo até, o Paraná principalmente, agora os demais...

Link to comment
Share on other sites

Entendo o ponto de vista de alguns quando falam que um milhão não deveria ser nada para clubes como Corinthians e tals. Mas no caso do Vasco (e de alguns clubes menores) é complicado, o time está com a folha salarial atrasada e ainda ter que pagar por algo que deveria ser feito pela CBF? Achei certo votarem em não e isso não vai deslegitimizar posteriores reclamações de erros de arbitragem. A galera não está contra o árbitro de vídeo, mas contra as condições impostas pela CBF para que insiram este recurso.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • EduFernandes
      By EduFernandes
      Tópico destinado aos jogos da 23ª rodada que não possuem tópicos próprios.
       
       
      - Atlético-MG × 0 Goiás (SÁB, 20/08/2022 16:30)
      - Fluminense × Coritiba (SÁB, 20/08/2022 19:00)
      - Juventude × Botafogo (DOM, 21/08/2022 11:00)
      - RB Bragantino × Ceará (DOM, 21/08/2022 18:00) 
      - Atlético-GO × Cuiabá (DOM, 21/08/2022 18:00) 
      - Athletico-PR × América-MG (DOM, 21/08/2022 18:00)
      - Avaí × Internacional (SEG, 22/08/2022 20:00)
    • EduFernandes
      By EduFernandes
    • EduFernandes
      By EduFernandes
    • EduFernandes
      By EduFernandes
    • bstrelow
×
×
  • Create New...