Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
jozitocarlos

Campeonato Argentino - nova versão/divisões

Recommended Posts

jozitocarlos

Boa Noite Senhores ...

Alguem pode fazer a Nova Liga Argentina, ela esta com 30 clubes, caem 3 atraves do promedio ... E tambem as divisoes inferiores que senao me engano são 5 ...

Muito Obrigado

  • Upvote 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
JJTorres

Tambem gostariaa de jogar este novo formATO do campeonato argentino!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Leon_fogo

Fmsite.net o forum espanhol tem tudo meu amigo, esse da argentina ja tem a um tempinho!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
FBMELLO

Basta jogar uma temporada. A partir de 2015 o próprio FM já muda o formato para 30 clubes, conforme a realidade.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LeonardoTonin

Seria legal jogar com ela no FM14

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Diego Santos - PSL
      Por Diego Santos - PSL



      NO ARQUIVO .RAR EXISTEM 2 ARQUIVOS, UM PARA O PATCH 17.3 E OUTRO PARA O PATCH 17.1
      SOBRE:
      O PS 2017 chega com um formato um pouco diferente das outras edições, alguns times á mais, representantes de outros países que antes não tinham, no total são 212 times, oriundos de 58 países divididos em 7 divisões.
      CONCEITO - Juntar os maiores clubes de vários países dando poder econômico parecido para todos para que possam ir com o tempo se igualando em reputação.
      JOGABILIDADE – Neste formato o jogo deve ficar mais atrativo, interessante e menos enjoativo, será muito comum no jogo ver times top como Barça, Man Utd entre outros caindo de divisão e sofrendo declínios, enquanto verão times saindo de divisões de baixo e alcançando o topo.  Para quem gosta de fazer carreira começando a jogar desempregado ou em equipes inferiores para ir subindo este jogo é ideal.
      PAÍS – Foi editado em cima do País de Gales que agora se chama País Supremo, que também foi removido do Reino Unido, foi adicionada línguas nativas como Espanhol, Português, Italiano e Francês além do inglês já existente.
      CIDADES -  Foram criadas cidades e regiões para abrigar estes clubes, e dividindo por línguas faladas, quando não era de uma das línguas acima citadas, eram incluídos em inglês.
      FINANÇAS – Todos os times iniciam com R$ 250 M em caixa e R$ 100 M para transferência, foi removido todos os contratos de patrocínios e inseridos novos de forma 100% igual a todos os clubes, acordos individual de TV todos removidos os clubes receberam a verba da liga apenas que varia entre  260 M na 1ª div à R$ 80 M 5ª div.
      REPUTAÇÃO – Não foi alterada a reputação de nenhum time.
      DIVISÕES – São 5 divisões no total, sendo da 1ª e 2ª com 20 times cada, da 3ª á 7 com 32 times jogando apenas em um turno, ainda conta com um divisão inferior com 12 times que subiram para 7ª divisão na temporada seguinte.
      COPA SUPREMA - Participam os times das divisões 1ª, 2ª e 3ª, muita grana distribuída á cada fase da competição e o campeão é classificado para a competição continental.
      COPA SUPREMA MENOR - Participam os times das divisões 4ª, 5ª, 6ª e 7ª, muita grana distribuída á cada fase da competição.
      SUPERCOPA -  Jogam os vencedores anteriores da 1ª DIVISÃO E COPA SUPREMA, rende muito dinheiro.
      COPA DOS CAMPEÕES SUPREMO- Jogam 12 clubes, os campeões e vices das divisões 2ª á 7ª (o campeão e vice da 1ª não participa para não se chocar com o calendário da Champions e congestionar de jogos no primeiro semestre), em sistema de mata-mata mas com ordem aleatória para o sorteio. Rende uma grana boa para quem passa para a fase de mata-mata.
      CLUBES – São 212 clubes de 58 países.
      VAGAS POR PAÍS – Não existe um conceito definido para a quantidade de vaga que cada país tenha, foi levado em conta apenas a tradição do país no futebol e clubes que são mais conhecidos por nós todos principalmente o que já estamos habituados a ver na champions. Porém nenhum continente ficou sem representante, CLIQUE NO SPOILER ABAIXO PARA VER A LISTA DE TIMES POR PAÍS.
      Para quem vai jogar está liga sugiro que para tornar o jogo mais interessante adicionar liga de outros países no jogo, como Espanha, Itália, Brasil, Alemanha, Inglaterra, etc. E verás que os clubes que restaram nessas ligas ficaram mais fortes para substituir os que foram retirados.
      EDIÇÕES FORA DO PAÍS SUPREMO – Foram reeditadas todas as ligas que sofreram subtrações de times, tornando todos os países jogáveis.
      UM MACETE IMPORTANTE  PARA QUEM COMEÇAR O JOGO DESEMPREGADO, É IMPORTANTE COLOCAR A 2ª NACIONALIDADE COMO “SUPREMÊS” PARA QUE CONSIGA SE EMPREGAR NO PAÍS SUPREMO.


      Dúvidas, sugestões, elogios ou criticas, postem aqui neste tópico.
      CONHEÇA A MELHOR LIGA ONLINE DE FM "PAÍS SUPREMO LEAGUE". CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO PARA SABER MAIS.

       
    • Diego Santos - PSL
      Por Diego Santos - PSL

      Salve galera;
      Trago para vcs um novo desafio, o que achariam se o Brasil fosse localizado na Europa?
      Seu time buscaria uma vaga para Champions ou invés da Libertadores, e o Brasil disputaria uma vaga europeia para Copa do Mundo.
      Irreal? Claro, porém divertido, já pensou no Corinthians sendo campeão da Champions League? Kkkkkkk, essa foi boa, mas de repente pode acontecer.
       
      SOBRE O PROJETO BRASIL SUPREMO.
      Este projeto fiz no FM 2016 á pedido de um manager, porém confesso que quando terminou e rodei os testes eu percebi que não estava legal, então pensei, preciso melhorar muito isto para poder criar saves longos e atrativos.
      E com este intuito pude finalizar este projeto para o FM 2017, rodar teste de + de 10 anos e ver que o jogo ficaria mais interessante a cada ano.
       
      COMO FOI FEITA A TRANSFERÊNCIA PARA EUROPA?
      Infelizmente o editor não deixa editar o continente, então tive que recriar o Brasil em outro País, porém desta vez consegui recriar tudo minunciosamente, transferindo:
      Pessoas, prêmios, clubes, cidades, competições, regiões, estádios e condições meteorológicas.
      Outros, detalhes e informações, países rivais, históricos de competições, recordes, regras de impostos, jogadores famosos, uniformes, etc.
      Ou seja o Brasil disputa a qualificação europeia para Copa do Mundo da mesma maneira que disputava na América do Sul.
       
      CLUBES E DIVISÕES.
      São 4 divisões Campeonato BR da A á D, não haverá estaduais já que não caberia no calendário europeu estreitar tantos jogos pra disputar campeonatos sem relevância.
      Serie A, B e C 20 times, todos jogam com todos 2 turnos, sobem 4 e caem 4.
      Serie D 72 times, 4 grupos de 18 times, neste grupo todos jogam com todos 2 turnos, 4 de cada grupo classifica para o Playoff que defini o campeão e os que chegarem na semifinal são promovidos para a Serie C.
      Os Clubes tiveram algumas alterações para se adequarem ao novo sistema.
       Todos os acordos individuais de TV foram retirados, desta forma receberam o que está determinado na liga, que é em torno de 200M na Serie A, 100M na B, 50M na C e 20M na D.
      Todas as dividas foram perdoadas, (enfim o Corinthians e Palmeiras são donos do seu estádio).
      Não foi mexido nos valores dos patrocínios, desta forma quando forem vencendo novos entraram com os valores ditáveis pelo FM.
      Também não foi mexido nas finanças dos times, ou seja no começo pode ser osso, mas depois as coisas se ajeitam.
       
      CLASSIFICAÇÃO PARA CHAMPIONS LEAGUE E EURO LEAGUE.
      A Serie A inicialmente oferece 3 vagas para Champions League, sendo 2 direta para fase de Grupos e 1 para fase preliminar e 2 vagas para Euro League diretas para fase de grupos, e a Copa do Brasil dá 1 vaga para preliminar da Euro League.
      Estes valores podem ser alterados com o passar dos anos, aumentando ou diminuindo de acordo com o coeficiente europeu.
       
      ESTRANGEIROS.
      Não achei legal permitir jogadores comunitários (que fazem parte da união europeia) como nativos, já que talvez a ideia seja resgatar os jogadores brasileiros que a china e outros países levaram embora, e para também ter um time competitivo para disputar uma competição continental limitei em 10 estrangeiros na Serie A, 9 na B e 8 na C e D.
      Na Series C e D também conta com uma regra de no mínimo 5 jogadores Sub-20, para estimular o desenvolvimento dos jovens.
       
      SAVE TESTE
      Foi simulado + de 10 anos rodou tudo belezinha, Divisões novas, assim como a Champions, Libertadores e Mundial.

      ATENÇÃO: Carregar os 2 arquivos na hora de criar o save como na figura abaixo.
      Reportar erros, sugestões ou sua opinião sobre o projeto aqui no tópico. ABS.
    • VitorSouza
      Por VitorSouza

      (Notícia original de 06/out/2017)
      Club Agropecuario Argentino é o nome oficial da jovem instituição fundada a 23 de agosto de 2011 em Carlos Casares. Mas todos o conhecem como Agropecuario. Nasceu com um grande respaldo: o empresário da soja Bernardo Grobocopatel, dono e presidente, decidiu investir forte para dar forma a sua enorme paixão por futebol. E o Agropecuario, desde o seu início, apostou na contratação de jogadores reconhecidos e por acessos com uma rapidez assombrosa.
      Acaba de fazer sua estreia na Primera B Nacional e já prematuramente, embora dê seus primeiros passos nessa nova experiência, não é pouco caso incluir a equipe entre os candidatos ao acesso. Estreou como visitante contra o Flandria, saindo de Jáuregui com uma vitória de 1x0 com gol de um de seus reforços, Mauricio Romero, volante que já jogou no Lanús, Colón, Gimnasia y Esgrima de La Plata e clubes mexicanos (Morelia, Atlante, Puebla e Dorados de Sinaloa), além de uma passagem pela Seleção Argentina sub-20.
      Na apresentação seguinte, superou o Guillermo Brown de Puerto Madryn por 2x0. Melhor início, impossível: 6 pontos de 6 possíveis, 3 gols a favor e nenhum contra. Desta maneira estendeu o seu recorde: as estreias do Agropecuario em torneios nacionais sempre foram com vitórias. O Time da Soja ganhou seus primeiros jogos no Torneo Argentino C (4x1 no Argentino de Trenque Lanque), Argentino B (1x0 no El Linqueño), Federal A (1x0 no Alvarado), Copa Argentina (5x1 no Club Mercedes) e agora na Primera B Nacional (1x0 no Flandria).
      Junto de Mauricio Romero chegaram outros futebolistas com histórico na Primera como Facundo Parra (ex-Chacarita Juniors, Independiente, Atlético de Rafaela, Santa Cruz de Recife e outros clubes estrangeiros), Fabián Assmann (ex-Independiente, Quilmes, Vélez Sarsfield e Las Palmas), Cristian Llama (ex-Arsenal de Sarandí, San Lorenzo, Newell's Old Boys, Colón e Aldosivi, além do Catania, Fiorentina e Veracruz), e o paraguaio Hernán Villalba (ex-Newell's e Olimpia). Da temporada passada, permaneceram Eduardo Casais (ex-Boca Juniors, Olimpo e Arsenal, somado a clubes das divisões de acesso) e Cristian Barinaga (ex-Quilmes e Colón, e equipes do acesso).
      José María Chaucha Bianco, ex-volante de Newell's, Racing de Córdoba, Independiente (campeão em 1988-89), Gimnasia y Esgrima de La Plata (campeão da Copa Centenario de 1993) e Arsenal, e com uma extensa trajetória como técnico, chegou ao Agropecuario no início da temporada passada, após comandar o Gimnasia y Tiro de Salta. E, por essas casualidades, foi a equipe de Salta que colaborou para o acesso da equipe de Carlos Casares para a B Nacional.
      Na última rodada do pentagonal do último Torneo Federal A, o Agropecuario, líder invicto com 3 vitórias e 1 empate, folgava, e para ser promovido dependia do Gimnasia y Tiro, que deveria ao menos empatar com o Gimnasia y Esgrima de Mendoza. Uma vitória dos mendocinos forçaria um jogo desempate, mas os saltenhos ganharam por 1x0, e o Time da Soja festejou à distância. A outra vaga de acesso foi preenchida pelo Atlético Mitre, de Santiago del Estero.
      Bianco tinha outros dois acessos em seu currículo: com o Tiro Federal de Ludueña para a Primera División, em 2005, e com o Guaraní de Antonio Franco para a B Nacional, em 2015.
      "Agora o sonho não é de poucos, e sim de toda a cidade e a zona", declarou Grobocopatel, na coletiva de imprensa de apresentação oficial em Carlos Casares.
      O presidente do Agropecuario falou mais: "transformamos uma linda cancha do Federal B em um lindo estádio da B Nacional", em referência ao estádio Ofelia Rosenzuaig, batizado em homenagem a avó do empresário.
      "Estou contente pela cidade, o grupo é muito bom e espero poder deixar toda a minha experiência. Não tem preço você estar a 3 minutos do treinamento, você acorda, toma um mate e chega ao campo", disse Fabián Assmann, que ainda não estreou em seu novo clube.
      "Quando começamos o projeto, sempre pensamos em fazer o melhor possível. Nesta nova divisão, vamos nos segurando graças aos resultados positivos", declarou Chaucha Bianco. "Arrumamos uma equipe", agregou o treinador, "para ser um rival duro para todos. Não é uma surpresa para nós, embora tenhamos os pés no chão. Todos os jogos, até o final, serão difíceis".
      Carlos Casares, cidade a oeste de Buenos Aires, a 315km da Cidade Autônoma, com apenas 18 mil habitantes, tem como maior orgulho esportivo o piloto Roberto Mouras (1948-1993), tricampeão da Turismo Carretera. Agora, o futebol, da mão da revolução da soja, quer ser outra marca registrada desta cidade agrícola. E ainda sonha jogar contra Boca e River.
      Clarín, traduzido por Chad/VitorSouza
      O Agropecuario chegou para esta pausa de verão na Argentina com 21 pontos em 11 jogos, na 4ª colocação da B Nacional, um ponto atrás do líder Atlético Rafaela, que também tem um jogo a mais. Entre eles, estão também com 21 pontos o Almagro (12 jogos) e o Villa Dálmine (11 jogos). Seguem também na briga o Juventud Unida de Gualeguaychú (21 pontos em 12 jogos) e o Aldosivi (20 pontos em 12 jogos).
    • VitorSouza
      Por VitorSouza


      A Copa Argentina ainda é uma novidade. A competição, que chegou a ser jogada nos anos 70, perdeu credibilidade quando sua segunda edição não teve campeão por problemas de calendário. Foram mais de 4 décadas sem que os argentinos tivessem um torneio importante de mata-mata, até que ela retornasse em 2011.

      Desde então, alguns times pouco badalados já conseguiram chegar entre os quatro melhores – como o Deportivo Merlo, o All Boys e o Atlético de Rafaela. Nenhum deles, porém, pode ser comparado ao Deportivo Morón, semifinalista deste ano. Essa é certamente a maior zebra da história do campeonato, mostrando ao nosso país vizinho – onde a cultura dos pontos corridos vem de longa data – um dos principais charmes das disputas eliminatórias.

      Pouco conhecido na própria Argentina, o clube está a apenas duas partidas de se internacionalizar. Basta se classificar nos dois próximos confrontos na Copa Argentina (todos disputados em jogo único) para alcançar uma inacreditável Copa Libertadores e conquistar seu primeiro título de expressão. O próximo desafio é no dia 12 de novembro, quando enfrentará o poderoso River Plate em campo neutro (no estádio Malvinas Argentinas, em Mendoza). O que dá esperanças para um triunfo é o retrospecto do Morón até aqui: na competição, eliminou quatro equipes da Primeira Divisão Nacional.

      O carrasco dos times da elite
      O “Gallo” começou a campanha na Copa Argentina derrotando o Patronato, por 2 a 0, no Estádio Florencio Sola, em Banfield. Na fase seguinte, alcançou seu feito mais incrível, superando o San Lorenzo por 1 a 0 – com um gol de Guzmán no fim -, no Estádio Ciudad de Lanús (justamente o palco da final da Libertadores deste ano). Nas oitavas de final, empatou sem gols com o Unión de Santa Fé, no Estádio Juan Domingo Perón (campo do Racing, em Avellaneda), mas avançou nos pênaltis.

      Nas quartas de final, novamente no Estádio Ciudad de Lanús, a vítima foi o Olimpo, outro time da elite que caiu por 1 a 0 (um gol de cabeça de Javier “Bicho” Rossi). Com a classificação para as semifinais, a pequena equipe recebeu um prêmio de 1,4 milhão de pesos (equivalente a cerca de R$ 270 mil), verba que demonstra a grande diferença de cifras do futebol argentino para o brasileiro. Ainda assim, uma quantia extremamente importante para um clube que começou a Copa Argentina na Primera B Metropolitana (liga regionalizada, equivalente à terceira divisão) e, em paralelo à grande campanha no mata-mata, conseguiu um título e o acesso para a Primera B Nacional, a segundona, que recentemente teve gigantes como Independiente, Rosario Central e o próprio River, o próximo rival.

      Caso consiga superar os Millonarios, o Morón enfrentará o vencedor de Rosario Central e Atletico Tucumán na grande decisão. O regulamento da Copa, toda disputada em jogos únicos e campos neutros, torna bastante imprevisível o desfecho desse conto de fadas. Se o time de Rosario avançar, haverá um outro componente especial: os canallas amargam três vices seguidos no campeonato (perdendo as últimas decisões, respectivamente, para Huracán, Boca e River Plate).

      O “alfajor de frango”
      Fundado em 1947, o Deportivo Morón representa a cidade mesmo nome, um município de cerca de 90 mil habitantes na grande Buenos Aires (cujo nome não pode ser confundido com a palavra “moron“, que significa algo como “idiota” em inglês). Na verdade, a piada mais comum com a equipe é feita em bom espanhol: os torcedores dos rivais (principalmente o Almirante Brown, com quem faz o “Clássico de la Zona Oeste“) aproveitam o fato do mascote do clube ser um galo e o chamam de “alfajor de pollo” – literalmente, alfajor de frango, uma iguaria que não existe.

      O Deportivo Morón existe e é muito tradicional, mas sempre foi figurante no futebol. Ao contrário do seu time de vôlei, hoje na elite nacional, “el gallo” com a bola nos pés só jogou a primeirona uma vez, em 1969 – graças uma repescagem criada no fim dos anos 60, que permitiu um acesso com a 6ª colocação em um grupo de dez times (os outros nove foram Almagro, Atlanta, Ferro Caril Oeste, Gimnasia La Plata, Nueva Chicago, Platense, Quilmes, Tigre e Unión Santa Fé).

      O Campeonato Metropolitano (equivalente à primeira divisão) de 1969 foi dividido em dois grupos de onze times. O Morón terminou como vice-lanterna na Chave B, apenas à frente do Los Andes, e retornou à liga inferior com 5 vitórias, 3 empates e 14 derrotas (e um saldo negativo de 22 gols). Seus triunfos foram contra Newell`s Old Boys (1×0), Huracán (3×2), Argentinos Juniors (fora e dentro de casa: 1×0 e 2×1) e Los Andes (3×2, também como visitante).

      As décadas seguintes foram de alternâncias entre a segunda e terceira divisões, às vezes chegando perto de cair para a quarta (onde esteve apenas nos anos 50). Já neste século (quase inteiro passado no terceiro escalão), o clube conheceu seu maior ídolo da história: o atacante Damián Akerman, recordista em gols (153) e jogos (309) com a camisa do Gallito.

      Números que ainda serão ampliados, já que, aos 37 anos, Akerman – conhecido como “El Tanque” – retornou em 2017 para a quinta passagem no time da sua vida. Ele já tentou a sorte em lugares como o Gimnasia La Plata, o Deportes La Serena (Chile) e o Blooming (Bolívia), mas sempre volta para o estádio Nuevo Francisco Urbano.

      Um novo estádio para novos tempos?
      Aliás, o campo do Morón também merece destaque nessa apresentação internacional da equipe. Com capacidade para 30 mil pessoas, ele foi inaugurado em 2013 como símbolo do sonho de subir de patamar (o que, de fato, vem acontecendo). Veio para substituir o antigo estádio Francisco Urbano, onde cabiam pouco mais de 15 mil torcedores e que foi casa alvirrubra por 57 anos. Deixou de ser utilizado em 2012, quando uma forte chuva destruiu boa parte das suas instalações. Como outro estádio já estava sendo construído, a reparação foi apenas parcial.

      A ascensão parece ser bastante sólida. Ser campeão da Copa Argentina e jogar a Libertadores de 2018 ainda é um sonho difícil, dada a grandeza dos rivais na reta final, mas não há dúvidas de que o Morón tem tudo para continuar evoluindo e talvez voltar à elite nacional em breve. Uma das chaves para esse sucesso é a forte categoria de base, que recentemente revelou nomes como os meias Diego Perotti (hoje na Roma), Hugo Campagnaro (no Pescara, ex-Napoli e Inter de Milão) e Román Martinez (titular do surpreendente Lanús).

      Outro fator positivo é o forte carinho que os argentinos vem nutrindo pelo clube, agora começando a ser notado. Essa afeição não é novidade para a torcida do Tigre (o rival do São Paulo na conturbada final da Sul-Americana de 2012), que mantém uma relação de cooperação mútua com os fãs do Morón desde os anos 70.

      Última Divisão 
    • Iagotta
      Por Iagotta
         
      Data: 31/08/2017
      Hora: 20:00
      Transmissão: Sportv 2
      Estádio: Centenário 
      Árbitro: Víctor Carrillo 
×