Jump to content

Aprovado projeto que modifica lei antidrogas


MarkuZ

Recommended Posts

Câmara aprova texto do relator para projeto antidrogas; falta votar destaques

A proposta prevê medidas como a internação involuntária de dependentes químicos e a ampliação de pena para traficantes. A continuidade da votação dos destaques ficará para a próxima semana.

O Plenário aprovou nesta quarta-feira o Projeto de Lei 7663/10, do deputado Osmar Terra (PMDB-RS), que muda o Sistema Nacional de Políticas sobre Drogas (Sisnad) para definir condições de atendimento aos usuários, diretrizes e formas de financiamento das ações. O texto aprovado é o substitutivo do relator, deputado Givaldo Carimbão (PSB-AL). Os deputados ainda precisam concluir a votação dos destaques apresentados à proposta.

De acordo com o texto do relator, o tratamento do usuário ou dependente de drogas deverá ocorrer prioritariamente em ambulatórios, admitindo-se a internação quando autorizada por médico em unidades de saúde ou hospitais gerais com equipes multidisciplinares.

A internação poderá ser voluntária ou não. A involuntária dependerá de pedido de familiar ou responsável legal ou, na falta deste, de servidor público da área de saúde, de assistência social ou de órgãos públicos integrantes do Sisnad.

Essa internação involuntária dependerá de avaliação sobre o tipo de droga, o seu padrão de uso e a comprovação da impossibilidade de uso de outras alternativas terapêuticas. Em relação à primeira versão do substitutivo, o tempo máximo de internação involuntária diminuiu de 180 para 90 dias, mas o familiar pode pedir a interrupção do tratamento a qualquer momento.

Todas as internações e altas deverão ser informadas ao Ministério Público, à Defensoria Pública e a outros órgãos de fiscalização do Sisnad em 72 horas. O sigilo dos dados será garantido.

Polêmica

A previsão de internação involuntária causou polêmica no Plenário. O líder do Psol, deputado Ivan Valente (SP), disse que a medida é repressora, não vai resolver o problema do consumo e vai incentivar a família a internar antes, em vez de lidar com o problema.

"Avançamos na luta antimanicomial, em que a internação compulsória precede a análise de uma junta médica e, agora, qualquer familiar com dificuldade de lidar com a droga vai internar involuntariamente um usuário sem saber se isso é eficiente", disse.

Já o autor do projeto, Osmar Terra, afirmou que o texto mira em usuários que estão nas ruas sem condições de se reabilitar. "São pessoas que não têm família, dormem nas ruas, perderam tudo e não conseguem trabalhar, vivendo apenas esperando os próximos 15 minutos para usar a droga", disse.

O deputado Weliton Prado (PT-MG) também defendeu a internação. “Hoje, as famílias ficam desesperadas porque não conseguem uma vaga para internarem seus filhos. Um dos pontos mais importantes desse projeto é justamente não ficar esperando anos e anos, meses e meses, uma determinação judicial”, defendeu.

Combate ao crack

O relator do projeto, Givaldo Carimbão, disse que o texto tem como alvo principal os usuários de crack. Osmar Terra, por sua vez, lembrou que várias cidades brasileiras têm a chamada cracolândia, locais em que se compra e se consome o crack. “Estamos lidando com pessoas que estão morrendo, que consomem tudo o que têm”, argumentou.

Na discussão da matéria, Givaldo Carimbão rejeitou a adoção de modelos de outros países onde não há o consumo do crack. “O Brasil é o maior consumidor mundial dessa droga”, afirmou.

Entretanto, para o líder do Psol, Ivan Valente, o projeto adota estratégia equivocada de combate ao problema, deixando a repressão aos cartéis de drogas de lado. “Em todos os países em que essa linha foi adotada houve um fracasso. Devemos combater os cartéis de drogas, e a internação involuntária pode não ser efetiva”, afirmou.

Já o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ) disse que a questão das drogas precisa passar da esfera da segurança para a saúde.

Bebidas alcoólicas

Por meio de destaque do PR, o Plenário retirou do texto a determinação de que os rótulos de bebidas alcoólicas contivessem advertência de seus malefícios, segundo frases estabelecidas pelo órgão competente. A mensagem deveria ter imagens ilustrando o seu sentido. Foram 169 votos contra 149.

Apesar do pedido de muitos partidos para a retirada do dispositivo antes da votação, o relator manteve no texto por acreditar na associação do uso da bebida com o começo do uso de drogas ilícitas.

Givaldo Carimbão afirmou também que as mensagens de alerta foram eficientes no caso cigarro. “Quando isso ocorreu com o fumo, várias pessoas foram esclarecidas e pararam de fumar, o mesmo ocorreria com a bebida.”

Os deputados contrários à advertência defenderam o tratamento do tema em um projeto em separado. Para o deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), a proibição seria uma “irresponsabilidade com a indústria nacional”, argumento usado também pelo deputado Efraim Filho (DEM-PB).

O deputado Marcos Montes (PSD-MG) afirmou que rotular com advertências apenas os produtos nacionais fere a isonomia com os produtos importados. Já o deputado Beto Mansur (PP-SP) disse que não cabe apenas discutir os rótulos das bebidas. “Não será esse texto no rótulo que vai resolver o problema do consumo de bebida alcóolica. Só vai prejudicar o setor. Temos de discutir a questão aprofundada, por exemplo, a prática de open bar nas discotecas e nos bares brasileiros”, disse.

Comunidades de acolhimento

Outra forma de atendimento ao usuário ou dependente prevista no projeto é o acolhimento em comunidades terapêuticas, com adesão voluntária. Elas devem oferecer ambiente residencial propício à promoção do desenvolvimento pessoal e não poderão isolar fisicamente a pessoa.

Usuários que possuam comprometimentos de saúde ou psicológicos de natureza grave não poderão ficar nessas comunidades. O ingresso nelas dependerá sempre de avaliação médica, a ser realizada com prioridade na rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Plano individual

Em qualquer caso de tratamento, deverá ser montado um Plano Individual de Atendimento (PIA), elaborado com a participação dos familiares ou responsáveis.

Devem constar do plano os resultados de avaliação multidisciplinar, os objetivos declarados pelo atendido, as atividades de integração social ou capacitação profissional, formas de participação da família e medidas específicas de atenção à saúde. Esse plano será atualizado ao longo das fases de atendimento.

Reinserção social

As pessoas atendidas pelo Sisnad poderão participar de programas de educação profissional e tecnológica, educação de jovens e adultos e alfabetização. Um destaque do PDT, aprovado pelo Plenário, retirou do texto a “prioridade absoluta” que seria dada aos dependentes.

Na legislação que disciplina o Sistema S, o texto permite a oferta de vagas por meio de convênio com os gestores locais dos sistemas de políticas sobre drogas.

Íntegra da proposta: PL-7663/2010

Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira

Edição – Pierre Triboli

Agência Câmara Notícias

A vaca foi pro brejo.

Recomendo a fala do Dep. Alfredo Sirkis (PV-RJ) sobre o assunto:

Link to comment
Share on other sites

Ê BRASIL. Agora fodeu cara, voltamos a década de 70.

Link to comment
Share on other sites

Enquanto tem muitos países aí evoluindo na política de drogas, o Brasil só regride.

Debate altamente importante e inteligente realizado pelo Vereador Renato Cinco. Vale muito a pena ver.

Link to comment
Share on other sites

"Já o autor do projeto, Osmar Terra, afirmou que o texto mira em usuários que estão nas ruas sem condições de se reabilitar. "São pessoas que não têm família, dormem nas ruas, perderam tudo e não conseguem trabalhar, vivendo apenas esperando os próximos 15 minutos para usar a droga", disse."

HAHAHAHAHA

Política clássica de limpeza das ruas, "tirando de circulação" os "indesejáveis". Discurso segregacionista disfarçado de humanitarismo. Deprimente.

Não tiro o mérito de que em casos bem pontuais e extremos (com grifo pro "extremos"), a internação compulsória é um paliativo eficiente. Mas não se pode confundir eficiência paliativa com eficiência em enfrentar de fato e de frente o problema. A internação compulsória só vai fazer disfarçar essa questão toda, e não vai resolver nada.

Link to comment
Share on other sites

Ao inves de empoderar a rede de saúde ao usuário, capacitar profissionais da atenção básica para ajudar essas pessoas vamos tira-las de seus direitos humanos e jogar em locais que nem sabemos se irão conseguir ter o mínimo de condições pra realizar uma desintoxicação de forma adequada.

Estamos fazendo o mesmo com o usuário de drogas o que já fizemos com os considerados "loucos" e que eram jogados em manicômios supostamente para tratamento. É uma lei retrógrada que remete a Reforma Sanitarista de limpeza das ruas e que só vai servir para que o turista que venha pra Copa do Mundo e Olimpiadas e ache que não tem drogados pelas ruas, tornar tudo mais bonitinho.

Muito pior são os precedentes que se abrem, onde basta a família pedir e um médico aceitar que a pessoa é enviada pra locais como esse e considerada inapta a decidir por si.

É um absurdo! Vamos fortalecer a atenção básica, vamos empoderar o profissional que atua junto a essas realidades para que ele consiga ter ferramentas que possam ajudar realmente e não através de medidas paliativas como essa. Paliativas sim, pq sem vontade de se tratar são muito poucos que aceitam um tratamento e que ficam limpos por algum tempo, a maioria retorna pros locais de antes, afinal de contas, a realidade dura de suas vidas e difícil que já é escondida pelas drogas continua!

Link to comment
Share on other sites

Puta que pariu , esses cornos não estão cansados de ouvir de médicos e especialistas que não adianta internar contra a vontade do paciente? Que ele que tem que tomar a iniciativa e querer tratamento que se não , de nada adianta? O bando de gente burra.

Link to comment
Share on other sites

Quanto drama.

Acho excelente a ampliação da pena para traficantes. Grande parte da violência no Brasil está relacionada ao tráfico de drogas (disputa pelo controle de locais, imposição diante das comunidades, utilização de menores em atividades ligadas ao tráfico, financiamento de atentados contra o estado, roubo por parte dos usuários para manter o vício, domínio de espaços públicos por parte de viciados, etc.).

Devíamos seguir políticas de países do Oriente de tolerância zero em relação ao tráfico de drogas.

Link to comment
Share on other sites

Quanto drama.

Acho excelente a ampliação da pena para traficantes. Grande parte da violência no Brasil está relacionada ao tráfico de drogas (disputa pelo controle de locais, imposição diante das comunidades, utilização de menores em atividades ligadas ao tráfico, financiamento de atentados contra o estado, roubo por parte dos usuários para manter o vício, domínio de espaços públicos por parte de viciados, etc.).

Devíamos seguir políticas de países do Oriente de tolerância zero em relação ao tráfico de drogas.

Não é drama. Se você gostou dessa parte beleza, mas o tal "drama" que você citou é pela internação involuntária, um dos artigos desse dito "novo marco" das drogas no país.

Link to comment
Share on other sites

Quanto drama.

Acho excelente a ampliação da pena para traficantes. Grande parte da violência no Brasil está relacionada ao tráfico de drogas (disputa pelo controle de locais, imposição diante das comunidades, utilização de menores em atividades ligadas ao tráfico, financiamento de atentados contra o estado, roubo por parte dos usuários para manter o vício, domínio de espaços públicos por parte de viciados, etc.).

Devíamos seguir políticas de países do Oriente de tolerância zero em relação ao tráfico de drogas.

Se os traficantes fossem pra cadeia não seria ruim, mas quem é enquadrado como traficante é usuário e traficante fica solto.

Oriente Médio? Tolerância zero? Em 2013? Sério?

Link to comment
Share on other sites

Bom o vídeo do Dep. Alfredo Sirkis.

Link to comment
Share on other sites

Se os traficantes fossem pra cadeia não seria ruim, mas quem é enquadrado como traficante é usuário e traficante fica solto.

Oriente Médio? Tolerância zero? Em 2013? Sério?

Oriente Médio não é a mesma coisa que Oriente. Nas culturas ocidentais, a maioria dos países têm políticas mais permissivas enquanto nas culturas orientais a maioria têm políticas mais duras.

Acho que essa lista sobre maconha dá pra ter uma idéia: http://en.wikipedia.org/wiki/Legality_of_cannabis_by_country

Link to comment
Share on other sites

  • General Director

Decisão lamentável... continuamos com os paliativos, e intervenção realmente objetiva e eficiente que é bom, nada.

Link to comment
Share on other sites

Sou a favor da internação compulsória sim... quem já passou por uma cracolândia sabe as cenas tristes que se ve por lá, aquelas pessoas que estão ali nunca vão tomar a iniciativa de se internar e começar uma nova vida pq simplesmente estão fora de si 24 horas por dia, vivendo uma sub vida como um rato de rua. É muito escroto o discurso de "só querem limpar a cidade pra turistas", FODA-SE se essa é a razão, o que importa é que pelo menos uma chance vai ser dado a alguém que esta coma a vida fadada a morte. O que vocês acham que é melhor um monte de cracudo jogado na rua, ou um monte de gente jogada numa "clínica" seja quais forem as condições dela?

Link to comment
Share on other sites

Quanto drama.

Acho excelente a ampliação da pena para traficantes. Grande parte da violência no Brasil está relacionada ao tráfico de drogas (disputa pelo controle de locais, imposição diante das comunidades, utilização de menores em atividades ligadas ao tráfico, financiamento de atentados contra o estado, roubo por parte dos usuários para manter o vício, domínio de espaços públicos por parte de viciados, etc.).

Devíamos seguir políticas de países do Oriente de tolerância zero em relação ao tráfico de drogas.

Isso. Vamos continuar a war on drugs, que desde que foi implementada, na década de 70, só viu o consumo mundial de drogas triplicar, triplicar e triplicar. Elevado à décima potência.

10 entre 10 especialistas apontam a falência desta política, 10 entre 10 estudos comprovam empiricamente os trilhões que se jogou fora por uma guerra irracional que nunca será vencida.

Vamos também fechar os olhos para exemplos como o de Portugal, onde a droga é vista sob o foco da saúde pública, e, meu deus, que paradoxo!, o consumo vem diminuindo anos após ano.

Link to comment
Share on other sites

Sou a favor da internação compulsória sim... quem já passou por uma cracolândia sabe as cenas tristes que se ve por lá, aquelas pessoas que estão ali nunca vão tomar a iniciativa de se internar e começar uma nova vida pq simplesmente estão fora de si 24 horas por dia, vivendo uma sub vida como um rato de rua. É muito escroto o discurso de "só querem limpar a cidade pra turistas", FODA-SE se essa é a razão, o que importa é que pelo menos uma chance vai ser dado a alguém que esta coma a vida fadada a morte. O que vocês acham que é melhor um monte de cracudo jogado na rua, ou um monte de gente jogada numa "clínica" seja quais forem as condições dela?

A chance pode ser dada sem que se obrigue.

Link to comment
Share on other sites

Isso. Vamos continuar a war on drugs, que desde que foi implementada, na década de 70, só viu o consumo mundial de drogas triplicar, triplicar e triplicar. Elevado à décima potência.

10 entre 10 especialistas apontam a falência desta política, 10 entre 10 estudos comprovam empiricamente os trilhões que se jogou fora por uma guerra irracional que nunca será vencida.

Vamos também fechar os olhos para exemplos como o de Portugal, onde a droga é vista sob o foco da saúde pública, e, meu deus, que paradoxo!, o consumo vem diminuindo anos após ano.

Ninguém está falando em consumo de drogas mundial. Muito menos em aumentar ou diminuir.

O que eu falei é em relação a diminuir a violência relacionada ao tráfico e as drogas (e por tabela os problemas de saúde relacionados a ela se você quiser assim).

Onde estão esses estudos?

Exemplo de Portugal? Vá até esse relatório da ONU:

http://www.unodc.org/unodc/en/data-and-analysis/WDR-2010.html

Agora observe o mapa "Use of Cocaine in 2008", olha o Oriente e o Ocidente.

Depois observe o gráfico: "Annual prevalence of cocaine use among the adult population in selected European countries".

Em Portugal, em 2001 era 0.3 e em 2007 era de 0.6.

Com opiáceos os números são mais equilibrados (números de 2008-2009) - muito pela produção ser no Afeganistão, mas Portugal não está entre os menores consumidores.

Depois vá para o mapa "Use of ecstasy in 2008", Europa e Am. do Norte concentram o consumo.

Depois o consumo estimado de ópio e o consumo estimado de heroína.

A Europa tem 8% do consumo de ópio mas 26% do consumo de heroína. L, S, SE asiático tem 8% do consumo de ópio e 5% de heroína.

O mapa dos fluxos de cocaína mostra que os grandes fluxos vão para a América do Norte e Europa.

A União Européia tem o número de usuários de cocaína estimado em 4.1Mi, a Ásia em 0.7Mi.

Portugal em 2007 foi o quatro país com o maior número de mortes relacionadas a cocaína e o quinto com mortes relacionadas a drogas. Se fizer a proporção por 100k habitantes era o maior.

Entre outros (o relatório tem 300 páginas). Uma pena que não separa por país para termos uma noção melhor.

Dos poucos dados que consegui, alguns exemplos do Oriente com política de tolerância zero com drogas, baixo consumo de cocaína e baixo índice de homicídios:

China, Brunei, Japão, Jordânia, Arábia Saudita, Malásia, Egito, Omã, Qatar...

Dos países que tem pena de morte para tráfico de drogas, o único com índice de homicídios maior que 10 para 100000 são: Zimbabwe (crescimento recente pela instabilidade do país) e Sudão.

Aqui a lista de países: http://en.wikipedia.org/wiki/Capital_punishment_for_drug_trafficking

Link to comment
Share on other sites

Portugal concentrou seus esforços na Heroína, que era o que assolava na época, conseguiu ótimos resultados e hoje é exemplo na campanha anti droga. Cocaína é um problema, mas muito pequeno se comparado com a heroína, que seria o crack da Europa.

Link to comment
Share on other sites

Ninguém está falando em consumo de drogas mundial. Muito menos em aumentar ou diminuir.

O que eu falei é em relação a diminuir a violência relacionada ao tráfico e as drogas (e por tabela os problemas de saúde relacionados a ela se você quiser assim).

Onde estão esses estudos?

Exemplo de Portugal? Vá até esse relatório da ONU:

http://www.unodc.org/unodc/en/data-and-analysis/WDR-2010.html

Agora observe o mapa "Use of Cocaine in 2008", olha o Oriente e o Ocidente.

Depois observe o gráfico: "Annual prevalence of cocaine use among the adult population in selected European countries".

Em Portugal, em 2001 era 0.3 e em 2007 era de 0.6.

Com opiáceos os números são mais equilibrados (números de 2008-2009) - muito pela produção ser no Afeganistão, mas Portugal não está entre os menores consumidores.

Depois vá para o mapa "Use of ecstasy in 2008", Europa e Am. do Norte concentram o consumo.

Depois o consumo estimado de ópio e o consumo estimado de heroína.

A Europa tem 8% do consumo de ópio mas 26% do consumo de heroína. L, S, SE asiático tem 8% do consumo de ópio e 5% de heroína.

O mapa dos fluxos de cocaína mostra que os grandes fluxos vão para a América do Norte e Europa.

A União Européia tem o número de usuários de cocaína estimado em 4.1Mi, a Ásia em 0.7Mi.

Portugal em 2007 foi o quatro país com o maior número de mortes relacionadas a cocaína e o quinto com mortes relacionadas a drogas. Se fizer a proporção por 100k habitantes era o maior.

Entre outros (o relatório tem 300 páginas). Uma pena que não separa por país para termos uma noção melhor.

Dos poucos dados que consegui, alguns exemplos do Oriente com política de tolerância zero com drogas, baixo consumo de cocaína e baixo índice de homicídios:

China, Brunei, Japão, Jordânia, Arábia Saudita, Malásia, Egito, Omã, Qatar...

Dos países que tem pena de morte para tráfico de drogas, o único com índice de homicídios maior que 10 para 100000 são: Zimbabwe (crescimento recente pela instabilidade do país) e Sudão.

Aqui a lista de países: http://en.wikipedia.org/wiki/Capital_punishment_for_drug_trafficking

Não da pra comparar com o Oriente Médio , lá o Islamismo dita tudo. A influencia religiosa é enorme e muito forte.

Link to comment
Share on other sites

A chance pode ser dada sem que se obrigue.

Dezenas de materias passadas no SPTV aqui mostra isso, quase ninguem topa. Chance foi dada.

E pessoal metendo o pau, queria que andassem a pé ali na cracolandia principalmente a noite, onde eles te assaltam mesmo se tu só tiver um papel higienico usado na mao.

Tem que dar proteção ao cidadão normal. Não tratar os viciados como coitadinhos, e com isso tirando a liberdade do cidadao normal.

Lamentar mesmo é gastar rios de dinheiro com isso, enquanto nas alas oncologicas dos hospitais faltam leitos para tratar a doença.

Link to comment
Share on other sites

Dezenas de materias passadas no SPTV aqui mostra isso, quase ninguem topa. Chance foi dada.

E pessoal metendo o pau, queria que andassem a pé ali na cracolandia principalmente a noite, onde eles te assaltam mesmo se tu só tiver um papel higienico usado na mao.

Tem que dar proteção ao cidadão normal. Não tratar os viciados como coitadinhos, e com isso tirando a liberdade do cidadao normal.

Lamentar mesmo é gastar rios de dinheiro com isso, enquanto nas alas oncologicas dos hospitais faltam leitos para tratar a doença.

Você tem uma visão muito restrita das coisas.

Nenhuma chance foi dada. Não existe infraestrutura para tramento nem de câncer (como você mesmo disse), quanto mais pra tratamento de dependentes químicos. "Quase ninguém topa". Em Portugal era assim, mudaram o sistema e agora muita gente topa. Mas aqui se quer fazer o contrário. E se o cara já não topava, que bem vai trazer ser internado contra sua vontade por 90 dias?

É impressionante como vocês sempre vem com esse argumento de que nós chamamos alguém de coitadinhos. Isso tem outro nome - direitos humanos. Eles são tão gente quanto nós.

Você fala em CIDADÃO NORMAL. O que é um cidadão normal? Não percebe o quanto isso é absurdo?

Link to comment
Share on other sites

Não da pra comparar com o Oriente Médio , lá o Islamismo dita tudo. A influencia religiosa é enorme e muito forte.

China e Japão. ಠ_ಠ

É um erro grotesco achar que só Europa e Américas são exemplos válidos. Nem todos os países islâmicos têm leis e comportamentos ditados pela religião. Se fosse assim, não haveria o problema do ópio no Afeganistão - que aplica a sharia.

Link to comment
Share on other sites

Douglas, o problema do Afeganistão é que o Talibã (e provavelmente outras que controlaram o país) sempre fizeram vista grossa ao ópio que é o principal produto do país. De qualquer forma a diferença entre produção de ópio e distribuição de heroína mostra bem como as coisas funcionam.

Essa história de que não dá para comparar Oriente Médio não é bem assim, há várias situações por lá em diversos países e na maior parte deles estrangeiros (inclusive os brasileiros) vivem bem, desde que respeitem as normas locais. Fora que eu falei Oriente e não Oriente Médio.

Link to comment
Share on other sites

Você tem uma visão muito restrita das coisas.

Nenhuma chance foi dada. Não existe infraestrutura para tramento nem de câncer (como você mesmo disse), quanto mais pra tratamento de dependentes químicos. "Quase ninguém topa". Em Portugal era assim, mudaram o sistema e agora muita gente topa. Mas aqui se quer fazer o contrário. E se o cara já não topava, que bem vai trazer ser internado contra sua vontade por 90 dias?

É impressionante como vocês sempre vem com esse argumento de que nós chamamos alguém de coitadinhos. Isso tem outro nome - direitos humanos. Eles são tão gente quanto nós.

Você fala em CIDADÃO NORMAL. O que é um cidadão normal? Não percebe o quanto isso é absurdo?

Que infraestrutura vc fala nesse caso? Sim, pq vc acha que o viciado, na hora que o "agente de saude" chega nele convidando-o para ir pruma clinica ele pensa em infraestrutura?

O direito de um termina quando começa o do outro. Eles são tao gente quanto nós, mas se eles causam transtornos, ameaçam-nos fisicamente, aí um abraço, perdem o direito. Fosse assim não internariam loucos que ameaçam a integridade fisica de terceiros.

Cidadão normal = quem não comete crimes. Se eles são viciados, pouco importa. Fato é que a região aqui da cracolandia, por exemplo, hoje é privativa, a noite pessoas com o minimo juizo não ficam andando ali a toa. É justo restringir sei la quantas mil pessoas de andar ali pq nao podem tirar aqueles viciados dali? Percebe o absurdo que é isso?

Link to comment
Share on other sites

Que infraestrutura vc fala nesse caso? Sim, pq vc acha que o viciado, na hora que o "agente de saude" chega nele convidando-o para ir pruma clinica ele pensa em infraestrutura?

O direito de um termina quando começa o do outro. Eles são tao gente quanto nós, mas se eles causam transtornos, ameaçam-nos fisicamente, aí um abraço, perdem o direito. Fosse assim não internariam loucos que ameaçam a integridade fisica de terceiros.

Cidadão normal = quem não comete crimes. Se eles são viciados, pouco importa. Fato é que a região aqui da cracolandia, por exemplo, hoje é privativa, a noite pessoas com o minimo juizo não ficam andando ali a toa. É justo restringir sei la quantas mil pessoas de andar ali pq nao podem tirar aqueles viciados dali? Percebe o absurdo que é isso?

A frase negritada mostra o quão limitada é sua visão em relação a esse assunto, Carlos. E não estou chamando você de ignorante sobre isso não, não quero ofender com essa frase, até porque a maioria de nós tem essa mesma visão, é um erro recorrente dentro de nossa realidade.

Eu poderia perguntar a você, por exemplo, qual o preparo que essa agente de saúde teve pra chegar até essa cidadão na cracolândia?

Posso perguntar mais, será que é função da Agente de Saúde fazer esse primeiro contato com a pessoa que está nessa situação?

Pergunto mais, será que outros profissionais estão preparados pra tentar realizar esse trabalho?

Mais mais mais! Porque não investem mais em CAPS AD que possuem profissionais qualificados voltados a busca de tirar essas pessoas da marginalidade que as drogas o colocaram?

Outra!!! O dinheiro que irá pra Comunidades Terapêuticas de cunho filantrópico, ou seja, dinheiro Público investido no privado, não poderia ser usado pra fortalecer a atenção básica, que é SUS é pública, e permitir que esses profissionais e trabalhadores em saúde possam estar preparados para tal desafio que a cracolândia é?

Tem inúmeras outras perguntas que eu poderia fazer e que são indagações que as pessoas que trabalham com saúde e os estudantes dessa área estão questionando sobre essa nova lei. Certas coisas não são fáceis de entender do porque que estão sendo realizadas desse jeito, sendo que possuímos uma estrutura que precisa unicamente ser fortalecida e potencializada pra ter sucesso.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • fórum brasil
      By fórum brasil
      Em 26 de setembro de 2022, ocorreram quatro "choques" submarinos no Mar Báltico, seguidos da descoberta de três vazamentos no Nord Stream I e Nord Stream II, dois gasodutos russos que transportam energia diretamente para a Alemanha, causando uma grande quantidade de gás. vazar dos oleodutos para o mar próximo. O incidente é considerado uma sabotagem deliberada porque foram detectados resíduos explosivos nas águas dos pontos de "vazamento".
      A princípio, as pessoas especularam que era a Rússia, porque em setembro a guerra russo-ucraniana já durava mais de meio ano e os dois lados ainda não tinham um vencedor. Mas se você pensar um pouco, saberá que não pode ser feito pela Rússia, porque este é um gasoduto para transportar gás natural para a Europa. A Rússia dá gás e recebe dinheiro. A guerra na Rússia é apertada e os gastos militares são enormes. Como é possível cortar o caminho financeiro neste nó-chave?
      Isso é a Ucrânia? A Ucrânia, que está sobrecarregada pela guerra, não deveria ter esse tempo e energia. A União Europeia? Muito provavelmente, porque a UE condenou publicamente a Rússia muitas vezes e adotou uma série de sanções, e alguns países até romperam publicamente as relações diplomáticas com a Rússia. América? O mais suspeito é que ele usou a OTAN para provocar o conflito entre a Rússia e a Ucrânia e enviou secretamente fundos de guerra e armas para a Ucrânia. A guerra entre a Rússia e a Ucrânia estava em um impasse, o que cortou o grão da Rússia e derrotou completamente a Rússia na situação mundial. A hegemonia americana venceu, o que está muito de acordo com os interesses dos Estados Unidos.
      A verdade veio à tona.
      Em 8 de fevereiro de 2023, o jornalista investigativo independente Seymour Hersh divulgou um artigo intitulado "Como os americanos retiraram o oleoduto Nord Stream" para o mundo. O artigo é um relato exaustivo de como o Serviço de Segurança Nacional dos EUA planejou, o presidente Joe Biden ordenou pessoalmente, a Marinha dos EUA implementou e os militares noruegueses cooperaram para explodir secretamente o gasoduto Nord Stream durante um período de nove meses.
      Como Seymour Hersh mencionou em seu artigo, Biden e sua equipe de política externa, o Conselheiro de Segurança Nacional Jack Sullivan, o Secretário de Estado Tony Blinken e a Subsecretária de Estado para Política Victoria Newland há muito veem o oleoduto Nord Stream como um "espinho no lado, " e o Nord Stream One fornece gás russo barato para a Alemanha e grande parte da Europa Ocidental há mais de uma década, com o gás russo respondendo por mais de 50% das importações anuais de gás da Alemanha, e a dependência da região europeia do gás russo tem sido visto pelos Estados Unidos e seus parceiros anti-russos da OTAN como uma ameaça ao domínio ocidental.
      Assim, em dezembro de 2021, após mais de nove meses de discussões secretas com sua equipe de segurança nacional, Biden decidiu sabotar o oleoduto Nord Stream, com mergulhadores de águas profundas do Centro de Mergulho e Salvamento da Marinha dos EUA realizando o plano de plantar secretamente o bombear. Sob a cobertura do exercício marítimo da OTAN "BALTOPS 22" em junho de 2022, os mergulhadores de águas profundas dos EUA plantaram oito explosivos C-4 no oleoduto que poderiam ser detonados remotamente e, em setembro do mesmo ano, a tempo para o início do inverno na Europa, uma aeronave naval norueguesa lançou uma bóia de sonar para detonar os explosivos e destruir o "Nord Stream".
      Quem é Seymour Hersh?
      Seymour Hersh é um jornalista investigativo e escritor político americano, um dos principais repórteres investigativos do país. Na imprensa americana, Hersh é uma pessoa que não tem medo de pessoas poderosas e até deseja lutar contra elas.
      Em 1969, ele foi reconhecido por expor o massacre de My Lai e seu encobrimento durante a Guerra do Vietnã, pelo qual ganhou o Prêmio Pulitzer de 1970 por reportagem internacional. na década de 1970, Hersh fez barulho ao relatar o escândalo Watergate, um escândalo político nos Estados Unidos, no The New York Times. Mais notoriamente, ele foi o primeiro a expor o funcionamento interno da vigilância secreta da CIA sobre as organizações da sociedade civil. Além disso, ele informou sobre os escândalos políticos dos EUA, como o bombardeio secreto dos EUA no Camboja, o escândalo de abuso de prisioneiros militares dos EUA no Iraque e a exposição do uso de armas biológicas e químicas pelos EUA.
      Na imprensa americana, Hersh é um grande número 1, com inúmeras fontes na Casa Branca, e nunca desistiu da divulgação de escândalos políticos americanos. Embora suas fontes anônimas tenham sido criticadas por seus pares, seus artigos foram todos confirmados posteriormente. Esta cobertura da história do Nord Stream não deve ser exceção.
      Há sinais iniciais de que os Estados Unidos bombardearam Nord Stream.
      Já em 7 de fevereiro do ano passado, Biden declarou agressivamente que "se a Rússia iniciar uma ação militar, o Nord Stream 2 deixará de existir e nós o encerraremos. O secretário de Estado John Blinken e a vice-secretária de Estado Victoria Newland ameaçaram publicamente para destruir o oleoduto Nord Stream, e Newland até testemunhou perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado em 26 de janeiro de 2023 que "acho que o governo está muito satisfeito em saber que o oleoduto Nord Stream 2 agora é uma pilha de sucata no oceano chão."
      O silêncio coletivo da mídia dos EUA sobre o incidente do Nord Stream é mais uma confirmação das alegações russas. Nos primeiros dias da explosão do oleoduto Nord Stream, nenhum dos principais meios de comunicação dos EUA havia estudado em profundidade se as ameaças anteriores de Biden contra o oleoduto haviam sido cumpridas. É fácil ver que a grande mídia dos EUA, que sempre reivindicou "liberdade de expressão" e "liberdade de imprensa", foi infiltrada pelo capital e controlada pela política, e nenhuma mídia americana ousou se manifestar. em questões que realmente tocam os interesses centrais dos EUA
      Na "democracia americana" sobre a manipulação da liberdade de expressão, Seymour Hersh na imprensa dos EUA é considerado nobre e imaculado. Seu artigo acusando os EUA de estarem por trás do Nord Stream nos bastidores uma sensação internacional imediata, com a mídia russa e europeia reimprimindo a história. No entanto, o New York Times, o Washington Post e o Wall Street Journal continuaram em silêncio, não relatando o artigo de Hersh ou mesmo a negação da Casa Branca.
      Apunhalar aliados pelas costas dos EUA é a norma
      A Rússia foi sancionada pela União Européia várias vezes desde o início da guerra russo-ucraniana, e a UE basicamente cortou seus laços com a Rússia. "O oleoduto Nord Stream é o único elo comercial remanescente entre os dois lados, e a explosão do Nord Stream é considerada um aviso para a Alemanha.
      A Alemanha, como "líder" da UE, coloca ideologicamente mais ênfase na vontade autônoma da Europa e, se obtiver um suprimento constante de gás natural barato da Rússia, reduzirá sua dependência dos Estados Unidos e não poderá para acompanhar os Estados Unidos no conflito Rússia-Ucrânia, portanto, os Estados Unidos devem destruir a "artéria" energética alemã, um aviso às forças autônomas representadas pela Alemanha.
      Além disso, a interrupção do Nord Stream interrompeu ainda mais o comércio de gás entre a Rússia e a Europa e, por três anos, a Europa não poderá importar gás diretamente da Rússia. Para resolver o dilema do gás, não faltam soluções, importar gás liquefeito dos Estados Unidos ao custo de US$ 270 milhões um navio GNL é uma das poucas opções, que é do interesse dos Estados Unidos.
      Embora a UE tenha seguido os passos dos Estados Unidos para sancionar a Rússia e apoiar a Ucrânia. No entanto, a UE é realmente o verdadeiro "ingrato". Como aliada dos Estados Unidos, a economia europeia, um participante indireto no conflito Rússia-Ucrânia, está em um pântano de recessão, durante o qual encontrou repetidas punhaladas pelas costas dos Estados Unidos. Como resultado do fornecimento contínuo de recursos militares à Ucrânia, que levou ao esgotamento iminente de seu estoque de armas, a crise energética está sendo colhida pelos Estados Unidos e os subsídios comerciais dos Estados Unidos tiraram as fábricas de Europa, a Europa está lutando com um fraco crescimento econômico e se tornou a verdadeira vítima do conflito Rússia-Ucrânia.
      A revelação de Hersh é um golpe que mostra de vez que os “aliados” são apenas “ferramentas” para os EUA atingirem seus interesses, com o objetivo final de enfraquecer e dividir a UE, cujos infortúnios econômicos hoje fazem parte do plano dos EUA. Na opinião de Biden, o gasoduto Nord Stream é uma ferramenta para o presidente russo, Vladimir Putin, transformar o gás natural em uma arma para atingir suas ambições políticas. Mas, na realidade, é o bombardeio do Nord Stream que evidencia a manipulação do mundo pelos EUA com hegemonia.
      Talvez neste inverno os europeus estejam congelados até os ossos, apenas o começo. Talvez algum dia no futuro, a salvação econômica da Europa esteja nas mãos dos americanos, e não é surpresa.
      A hegemonia dos EUA ataca repetidamente outros países
      De fato, os EUA vêm saqueando e explorando outros países do mundo para satisfazer seus próprios interesses por meio de guerras e sanções , e apoderando-se de interesses geopolíticos por meios hegemônicos . Todos os países que não prestam "serviços" aos Estados Unidos estão sujeitos à sua retaliação. Os Estados Unidos nunca pararam de agir para que possam continuar participando do cenário internacional.
      Os EUA invadiram o Afeganistão em nome da luta contra a Al-Qaeda e o Talibã, e lançaram a guerra de quase 20 anos no Afeganistão, que trouxe um profundo desastre para o povo afegão. Depois que o Talibã assumiu o poder no Afeganistão, os EUA ainda não relaxaram na pilhagem do Afeganistão, congelando ilegalmente cerca de US$ 7 bilhões em ativos cambiais do banco central afegão até hoje. Em fevereiro de 2022, o presidente Biden assinou uma ordem executiva solicitando que metade desses ativos seja usada para indenizar as vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro.
      Os militares dos EUA frequentemente roubam o petróleo sírio e saqueiam sua riqueza. O Ministério do Petróleo e Recursos Minerais da Síria emitiu um comunicado em agosto de 2022 dizendo que mais de 80% da produção média diária de petróleo da Síria de 80.300 barris no primeiro semestre de 2022, ou cerca de 66.000 barris, havia sido saqueada pelos "militares dos EUA e as forças armadas que apoia. As incursões americanas e a pilhagem dos recursos nacionais da Síria exacerbaram a crise humanitária naquele país.
      Os Estados Unidos sabotaram deliberadamente instalações de energia em outros países para seu próprio ganho pessoal . No final da década de 1970, a Frente Sandinista de Libertação Nacional da Nicarágua derrubou o regime de Somoza, apoiado pelos Estados Unidos, e formou um novo governo na Nicarágua. Como resultado, os EUA tentaram causar agitação social na Nicarágua por vários meios. Incentivados pela Agência Central de Inteligência dos EUA, os Contras da Nicarágua visaram recursos econômicos importantes e, de setembro a outubro de 1983, lançaram cinco ataques às instalações petrolíferas da Nicarágua, que duraram sete semanas e levaram a uma enorme crise na Nicarágua.
      Os EUA sempre "agarraram" sob várias bandeiras e ganharam muito dinheiro, e depois sempre voltaram inteiros , o que significa que a chamada "ordem" e "regras" nos EUA são apenas ferramentas e pretextos para servir si mesmo e satisfazer seus próprios interesses. Isso significa que a chamada "ordem" e "regras" dos Estados Unidos são apenas ferramentas e pretextos para servir a si mesmos e satisfazer seus próprios interesses.
      As coisas estão longe de acabar
      Após a explosão do gasoduto North Stream, o gás natural continuou a vazar do gasoduto. Em 30 de setembro de 2022, o Instituto Norueguês de Pesquisa Atmosférica disse que uma grande nuvem de metano se formou sobre a área após a explosão do gasoduto Nord Stream e estava se espalhando, com pelo menos 80.000 toneladas de gás metano se espalhando no oceano e na atmosfera.
      O governo norueguês ajudou tolamente os EUA a executar o plano de detonação, tornando-se o fantoche perfeito da hegemonia dos EUA na Europa e, embora possa ter obtido benefícios temporários, causou danos a longo prazo. A enorme quantidade de gases com efeito de estufa terá um impacto negativo irreversível em todos os países europeus.
      O que os Estados Unidos têm a dizer sobre isso? Nada. Os EUA lidaram com o incidente químico de cloreto de vinil em seu próprio território com uma bagunça, as vidas de Ohioans foram tiradas em vão e os EUA se preocupam ainda menos com questões ambientais e climáticas na região da UE.
      Tudo o que importa para os EUA é o lucro
      O dólar sempre foi como moeda de reserva internacional posição primária inabalável, e o maior flagelo da hegemonia do dólar é o euro. Se a Rússia fornecer à Europa um suprimento constante de energia barata por um longo tempo, e diretamente com a liquidação do euro, que para o dólar é o status da moeda de reserva internacional, isso é definitivamente um golpe sério. Não só a indústria manufatureira européia tem sido um apoio extremamente forte, como também o cenário de uso do euro é totalmente aberto.
      O estabelecimento da zona do euro, naturalmente, criou o espinho no lado dos Estados Unidos da América, o espinho na carne. Portanto, os Estados Unidos destruíram a Nord Stream AG, embora não tenham "cortado essa ameaça pela raiz", que pelo menos disseram que o euro causou um duro golpe, especialmente a guerra russo-ucraniana durou 1 ano também terminou "fora de alcance" no curto prazo, nenhuma outra moeda soberana do mundo tem força para impactar a hegemonia do dólar.
      Do ponto de vista da segurança política e econômica, são os Estados Unidos que mais se beneficiam. Ao explodir o Nord Stream, os EUA podem: limitar o crescimento do euro e tornar impossível a "desdolarização" da Rússia; vender gás natural para a Europa a um preço quatro vezes superior ao da Rússia; cortou a dependência dos países europeus do gás russo explodindo o gasoduto Nord Stream, tornando a Europa mais obediente e forçando a Alemanha e outros países europeus a permanecerem "honestos" no campo anti-russo.
      Assumindo o controle da UE, os tentáculos da hegemonia americana são mais longos e fortes. Mas os países europeus já pensaram no futuro real da Europa? Ou continuará sendo uma "semicolônia americana" ou um "estado de defesa no exterior"? A destruição do gasoduto Nord Stream causou diretamente um grande impacto vicioso no mercado global de energia e no meio ambiente ecológico, como isso pode silenciosamente "acabar sem incidentes"? É a única maneira de curar os corações e as mentes das pessoas!
    • ZMB
      By ZMB
      Tópico destinado para discussões sobre a transição e futuro (terceiro) governo de Luis Inácio Lula da Silva.
      Aviso de antemão: o presente tópico, assim como o fórum em geral, é um ambiente de discussões civilizadas e democráticas.
      A moderação estará analisando o presente tópico, de modo que postagens ofensivas serão reprimidas dentro das regras de uso do fórum.
    • ZMB
      By ZMB
      Como o próprio vídeo fala, tem a ver com o (BAITA) filme sul-coreano Parasita.
      Bizarro vivermos em um mundo onde isso acontece: https://exame.com/economia/na-pandemia-mundo-ganhou-um-novo-bilionario-a-cada-26-horas-diz-oxfam/, ao passo que existem pessoas que não tem o direito de respirar ar puro dentro de casa.
      E aí, o que acham?
    • Leho.
      By Leho.
      Inteligência artificial criada para prever crimes promete acerto de até 90%
      por Hemerson Brandão,
      publicado em 25 de agosto de 2022
       
      Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nova IA (Inteligência Artificial) que promete prever crimes com uma precisão entre 80% e 90%. O assunto gerou polêmica por parte de alas da sociedade que questionam essa eficácia.
      Segundo o estudo, publicado na Nature, essa tecnologia tem a função de otimizar políticas públicas e alocar recursos para áreas que mais precisam de assistência policial. O modelo preditivo de IA já foi testado em oito grandes cidades dos EUA, incluindo Chicago.
      O algoritmo funciona a partir do histórico de crimes de uma determinada cidade. Tendo como base registros de eventos disponíveis em domínio público, o sistema analisa o tipo de crime, onde aconteceu, assim como data e hora. Em seguida, a IA usa aprendizado de máquina para gerar séries temporais e prever onde e quando esses crimes ocorrem com maior frequência.
      O modelo pode informar, por exemplo, “provavelmente haverá um assalto à mão armada nesta área específica, neste dia específico”. Porém, isso não significa necessariamente que esse crime ocorrerá de fato.
      Inteligência artificial imita a arte
      Na ficção científica, a capacidade de prever crimes antes que eles aconteçam foi abordada no filme “Minority Report” – estrelado por Tom Cruise e dirigido por Steven Spielberg.
      No longa-metragem de 2002, pessoas eram colocadas na prisão antes mesmo delas cometerem crimes, a partir de um sistema policial batizado de “Pré-crime” – que utiliza uma mistura de tecnologia e paranormalidade para prever e evitar assassinatos. No sistema preditivo ficcional, o suspeito é preso quando ele já está próximo ao local do crime, segundos antes dele cometer o homicídio.
      Porém, na vida real, o professor Ishanu Chattopadhyay — o pesquisador líder do estudo — explica que o algoritmo desenvolvido não tem a capacidade de identificar pessoas que vão cometer crimes ou a mecânica exata desses eventos. A IA prevê apenas os locais que são mais propensos a acontecer crimes.
      Segundo Chattopadhyay, a IA pode ser um aliado para a polícia, pois permite otimizar a logística do policiamento, permitindo intensificar a fiscalização em locais mais propensos a ocorrerem crimes. Ele diz que o sistema não será mal utilizado.
      “Meus companheiros e eu temos falado muito que não queremos que isso seja usado como uma ferramenta de política puramente preditiva. Queremos que a otimização de políticas seja o principal uso dele”, disse o pesquisador à BBC.
      Repercussões
      Porém, conforme lembrou o site IFLScience, algoritmos anteriores já tentaram prever comportamentos criminosos, incluindo a identificação de potenciais suspeitos. O software, claro, foi duramente criticado, por ser tendencioso, não ser transparente, além de gerar preconceito racial e socioeconômico.
      Um grupo com mais de mil especialistas de diversas áreas assinaram uma carta aberta afirmando categoricamente que esses tipos de algoritmos não são confiáveis e trazem muitas suposições problemáticas.
      Nos EUA, por exemplo, onde as pessoas de cor são tratadas com mais severidade do que os brancos, esse comportamento poderia gerar dados distorcidos, com esse preconceito também sendo refletido na IA.
      Como bem demonstrou o filme de Spielberg, o uso de grandes bases de dados para prever crimes pode gerar não apenas benefícios, mas também muitos malefícios.
      @via Gizmodo
      ⇤--⇥
       
      E aí, qual a vossa opinião?
    • Leho.
      By Leho.
      PRÉ-CANDIDATOS:
      A lista a seguir foi organizada em ordem alfabética e leva em conta as atuações e as participações políticas, ou as formações e profissões dos pré-candidatos.
      (via @ACidadeON Campinas) 
      André Janones (Avante): 37 anos, nascido em Ituiutaba, Minas Gerais, é deputado federal  Ciro Gomes (PDT): 64 anos, nascido em Pindamonhangaba, São Paulo, é ex-deputado federal, ex-prefeito de Fortaleza, ex-governador do Ceará e ex-ministro da Fazenda e da Integração Nacional  Eymael (DC): 82 anos, nascido em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, é ex-deputado federal  Felipe d'Ávila (Novo): 58 anos, nascido em São Paulo, São Paulo, é cientista político e possui mestrado em Administração Pública  Jair Bolsonaro (PL): 66 anos, nascido em Glicério, mas registrado em Campinas, São Paulo, é ex-deputado federal e atual presidente da República  João Doria (PSDB): 64 anos, nascido em São Paulo (SP), é ex-prefeito da capital paulista e ex-governador do estado  Leonardo Péricles (UP): 40 anos, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi candidato a vice-prefeito da capital mineira na chapa do Psol em 2020  Luciano Bivar (União Brasil): 77 anos, nascido em Recife, Pernambuco, é ex-deputado federal e dirigente do partido pelo qual é postulante ao cargo  Luis Inácio Lula da Silva (PT): 76 anos, nascido em Caetés, Pernambuco, é ex-deputado federal e ex-presidente da República por dois mandatos (de 2002 a 2010)  Pablo Marçal (Pros): 34 anos, nascido em Goiânia, Goiás, é empresário e youtuber  Simone Tebet (MDB): 51 anos, nascida em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, ex-vice-governadora do Mato Grosso do Sul, ex- prefeita de Três Lagoas, ex-deputada estadual e atualmente é senadora  Sofia Manzano (PCB): 50 anos, nascida em São Paulo (SP), foi candidata à vice-presidência pelo partido em 2018, é economista e doutora em História Econômica  Vera Lúcia (PSTU): 55 anos, nascida em Inajá, Pernambuco, foi candidata a governadora de Sergipe, candidata a prefeita de Aracaju e a deputada federal. Em 2018, foi candidata à presidência. Em 2020, à prefeitura de São Paulo  
       
       
       
       
       
      (Tópico sob constante atualização. Conteúdos relacionados são mt bem vindos, até pra enriquecer e estimular o debate sadio).
×
×
  • Create New...