Jump to content

O que muda na Premier League com as novas regras pós-Brexit


Henrique M.

Recommended Posts

  • Vice-President
Quote

O que muda na Premier League com as novas regras de contratação de jogadores europeus pós-Brexit

A Premier League, a Football League e a Federação Inglesa definiram as regras para contratações de cidadãos europeus após a saída do Reino Unido da União Europeia, em 1º de janeiro 
 
 
Bruno Bonsanti
2 de dezembro de 2020 | 18:05

O Brexit, como ficou conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, foi aprovado em um referendo realizado em 2016. Em seguida, começou uma longa e difícil negociação para acertar os termos do divórcio. Os papéis foram assinados e entram em vigor a partir de 1º de janeiro. A UE começará 2021 sem os britânicos em seus quadros. Para nós, o importante é saber qual o impacto disso no futebol, após a Premier League, a Football League e a Federação Inglesa chegarem a um acordo para as novas regras de contratação de cidadãos europeus.

Os cidadãos europeus têm liberdade para circular e trabalhar em todos os membros do bloco. Agora, o Reino Unido não é mais um membro desse bloco. Em termos gerais, jogadores de Itália, Alemanha e Espanha, por exemplo, se tornaram estrangeiros à Inglaterra. Sempre foram contratados livremente pela Premier League e agora precisam de uma licença de trabalho, como sempre foi o caso com atletas sul-americanos, africanos, asiáticos ou de nações da Europa que não fazem parte dos acordos da UE.

Mas os principais clubes ingleses não queriam que as exigências para contratar jogadores europeus – que a partir daqui serão definidos como jogadores de membros da União Europeia – fossem tão rígidas quanto as que estavam em vigor para estrangeiros de outros cantos do mundo. Montar esquadrões de estrelas internacionais se tornou a principal marca da Premier League. Ela precisa dessa marca para vender contratos de televisão e ter capilaridade com o mercado internacional de torcedores para continuar fazendo mais dinheiro que as outras ligas do continente.

No entanto, mesmo que a Premier League conseguisse chegar a um acordo com o governo que mantivesse a sua capacidade de contratar jogadores europeus livremente, o que sempre pareceu perto do impossível, não pegaria bem. Nem ao governo, que teria que explicar por que abriu uma exceção ao futebol, nem à própria liga. Seria mais um exemplo de como ela vive em uma realidade paralela, visão que existe na sociedade inglesa e que foi exacerbada pela pandemia de coronavírus. Todos esperavam que fosse negociado um meio-termo, e nessa situação, a Federação Inglesa viu uma oportunidade de avançar sua própria agenda.

Sempre foi preocupação da FA o excesso de jogadores estrangeiros nos principais clubes da Inglaterra ocupando o espaço de jovens ingleses. A principal preocupação dela é a seleção. Ela não apenas quer como precisa que haja uma robusta formação de talento nacional. E, no fim, foi a este acordo que eles chegaram: pouca coisa muda na contratação de jogadores europeus adultos, muita coisa mudará na contratação de jogadores europeus jovens.

As novas regras, aprovadas pelo governo, valem a partir da próxima janela de transferências, em janeiro, depois da qual o novo sistema será reavaliado por todas as partes.

O que muda exatamente?

Para começar, a Fifa proíbe a contratação de jogadores menores de 18 anos de outros países. Isso é permitido dentro da União Europeia porque na prática todos têm o mesmo passaporte, mas, agora a proibição vale também para o Reino Unido. O Arsenal não pode mais contratar um Cesc Fàbregas de 16 anos da base do Barcelona, como fez em 2003, ou Héctor Bellerín. O Manchester City não pode mais assegurar os serviços de Eric García, também de La Masía, antes dele se tornar adulto. E o mesmo passa a valer também para a Irlanda, onde os clubes ingleses tradicionalmente garimpam as principais promessas. Como Caoimhin Kelleher, que se juntou à base do Liverpool em 2015, quando tinha 17 anos.

Como é o caso com toda regra, há um jeito de circundá-la. Os clubes ingleses podem fechar parcerias e estacionar jovens europeus em equipes menores de países membros da UE até que eles completem 18 anos. O City sai na frente nessa questão porque faz parte de uma rede com representantes em diversos países. Digamos que quisesse contratar outro Eric García de 16 anos. Bastava deixá-lo dois anos no Girona. Quando o jogador chegasse à maioridade, decidiria se o melhor para o seu desenvolvimento seria continuar no clube espanhol ou ser integrado à sua própria categoria de base.

Mesmo esse tipo de decisão terá que ser tomada com cautela porque haverá um limite para contratação de jogadores estrangeiros entre 18 e 21 anos: serão permitidos apenas três por janela e seis no total de uma temporada. Essa regra aplica-se a jogadores definidos como “estrangeiros” no comunicado da FA, que em outros trechos especifica atletas da União Europeia. Logo, indica que vale para jogadores sub-21 do mundo inteiro. Essa restrição não será adotada na Football League.

Aqui parece ter havido uma concessão das duas partes. Segundo a The Athletic, a Federação tentou aumentar a exigência de jogadores formados na Inglaterra de oito para 12, dentro da lista de 25 inscritos de cada clube para a Premier League. Houve resistência da elite. Essa limitação, porém, impede que as categorias de base sejam inundadas por jovens estrangeiros, mas ainda reserva aos clubes o direito de contratar alguns que sejam excepcionais ou mesmo prontos para o time principal, como Kylian Mbappé, quando ele surgiu no Monaco, ou Erling Haaland.

Em vez de buscar um teto restritivo a estrangeiros, a FA preferiu negociar uma maneira de aumentar o nível de qualidade daqueles que serão contratados. E aí chegamos ao novo sistema de pontos. O jogador europeu precisará receber um visto especial de trabalho para jogar no Reino Unido, o GBE (Governing Body Endorsement ou Endosso do Governo, em uma tradução excepcionalmente livre).

As regras para obter esse GBE são menos rígidas do que as aplicadas a estrangeiros-não-europeus. O visto de trabalho para estrangeiros-não-europeus baseia-se em partidas pelas seleções dos seus países. O novo oferece mais opções para provar que o cara sabe jogar bola mesmo e merece atuar na Premier League: em qual clube ele atua, em qual liga, as participações em competições europeias e até mesmo o sucesso em âmbito nacional.

De acordo com a BBC, a Premier League queria que fossem necessários apenas nove pontos para a obtenção automática do GBE. A Federação Inglesa começou a negociação em 18. No fim, fecharam em 15. Entre 10 e 14, os clubes podem levar o caso a um painel independente. Na apelação, terão que demonstrar condições excepcionais que impediram o jogador de alcançar os 15 pontos. Importante: o GBE também vale para a contratação de treinadores e comissão técnica no geral. São três critérios:

  1. Partidas pela seleção principal ou da base
  2. Qualidade do clube vendedor, com base em qual liga ele disputa, a posição na tabela e a progressão em competições continentais
  3. Minutos em campo pelo clube em competições nacionais e continentais

Os critérios para a contratação de jogadoras europeias pelos clubes ingleses são parecidos, mas eles não levam em conta partidas pelas seleções de base ou a progressão em competições continentais do clube vendedor.

Certo, mas e na prática, o que muda?

Na prática, muda pouca coisa. Os principais impactos são mesmo nas categorias de base. É muito provável que em breve sejam anunciadas novas parcerias entre equipes da Premier League e algum time belga ou holandês em que promessas com menos de 18 anos serão estacionadas. Isso causa um pequeno problema porque, dependendo da idade que o jogador chegava ao clube inglês, ele poderia ser considerado jogador formado em casa para a lista de inscrição, mesmo que não fosse cidadão britânico.

As contratações de jogadores entre 18 e 21 anos terão que ser feitas com mais critério, mas seis por temporada ainda são bastante para o time principal, mesmo que elas também tenham que passar pelo novo processo de obtenção do GBE. O que não será mais possível é recrutar 15 de uma vez para inchar as categorias de base, torcendo que pelo menos uns três deem certo.

O mercado de jogadores adultos será pouco afetado. A grande maioria dos reforços europeus com mais de 21 anos será aprovada automaticamente, mas agora, naturalmente, a conta dos pontos terá que fazer parte do processo de observação e pode haver alguns bloqueios. O GBE será de fácil acesso a qualquer jogador que representa uma seleção do top 50 da Fifa ou que atua regularmente nas principais ligas do continente (Alemanha, Itália, Espanha ou França).

A The Athletic acredita que isso pode influenciar o fluxo de jogadores da Escandinávia. Deu o exemplo de um atleta qualquer da primeira divisão da Dinamarca: receberia quatro pontos pela liga, mais quatro se disputasse 90% dos minutos do seu clube e poderia juntar mais se o time fosse campeão, mas ainda não chegaria aos 15 da aprovação automática.

É possível que os clubes tenham que esperar um ou dois anos até que os seus alvos se estabeleçam nos times principais, o que seria um certo incômodo porque, àquela altura, o jogador seria mais conhecido e naturalmente haveria mais concorrência.

O timing da contratação também pode virar um fator. Por exemplo, seria esperto aproveitar a boa campanha do Copenhague na última Liga Europa para contratar alguns dos seus destaques. Os detalhes sobre a pontuação com base em progressão continental ainda não foram divulgados, mas pode existir o caso em que algum jogador que normalmente não receberia o GBE fosse elegível porque o clube dinamarquês chegou às quartas de final da competição.

Seria possível contratar Kanté. O volante, bicampeão nacional e eleito duas vezes seguida o craque da Premier League pela Associação dos Jogadores, foi o exemplo mais usado de talento que a Inglaterra potencialmente perderia por causa das novas regras, antes de elas serem definidas. Isso porque ele chegou ao Leicester, em 2015, do Caen, sem ter presença na seleção francesa, o que o bloquearia no processo anterior de visto. Neste novo, ele somaria os pontos necessários pela temporada na Ligue 1 em 2014/15, antes de se transferir à Inglaterra. Riyad Mahrez, porém, seria mais difícil porque ele foi garimpado direto do Le Havre, no meio da tabela da segunda divisão francesa.

Também pode haver algum impacto no mercado de treinadores. Segundo a The Athletic, os professores europeus precisarão ter a licença profissional da Uefa e pelo menos três temporadas de experiência em uma “liga top” ou dois anos consecutivos. O que é uma “liga top”? Segundo a publicação, são 33 campeonatos, da Serie A italiana à PrvaLiga da Eslovênia. O critério parece razoável, mas impediria que o Huddersfield contratasse David Wagner e que o Norwich trouxesse Daniel Farke porque ambos haviam treinado apenas a equipe reserva do Borussia Dortmund antes de se mudarem para a Inglaterra.

De qualquer maneira, o mercado disponível aos clubes da Premier League encolhe, mesmo que apenas um pouco. Jogadores ingleses, que já eram mais valorizados por contarem como formados em casa à lista de inscrição, devem ficar ainda mais caros. Talvez seja suficiente para que a elite passe realmente a dar mais ênfase ao desenvolvimento interno de talento para cobrir os buracos que possam aparecer no elenco. Isso não é interessante apenas à Federação Inglesa, mas também a eles próprios. Pratas da casa são mais baratos e têm identificação com a torcida.

O que os caras disseram?

Bom, para os executivos, é a melhor coisa desde a invenção do pão de forma, como dizem os britânicos, embora os cartolas tenham deixado em aberto uma reavaliação do processo, dependendo do que rolar na janela de transferências de janeiro de 2021.

Mark Bellingham, executivo-chefe da FA: “Apesar de haver diferentes perspectivas sobre como o Brexit deveria influenciar o futebol, este é mais um exemplo de como as autoridades do futebol podem trabalhar juntas de maneira eficiente pelo bem maior do esporte. Temos uma relação forte de trabalho com a Premier League e a EFL e vamos monitorar este novo acordo juntos para garantir que se desenvolverá para cumprir os nossos objetivos. Vamos discutir melhoras para o benefício mútuo dos clubes de futebol e do talento nacional deste país”.

Richard Masters, executivo-chefe da Premier League: “A Premier League trabalhou com a FA para chegar a um acordo para assegurar que o Brexit não prejudique o sucesso da Premier League ou as perspectivas das seleções inglesas. Ficamos satisfeitos que o governo aprovou nosso plano para a janela de transferências de janeiro de 2021. Continuar a ser capaz de contratar os melhores jogadores fará com que a Premier League permaneça competitiva e atraente e a solução complementará nossa filosofia de desenvolvimento dos melhores talentos estrangeiros ao lado de jogadores formados em casa”.

David Baldwin, executivo-chefe da EFL: “A EFL contribuiu para as discussões com nossos colegas do futebol, no momento em que o esporte se prepara para a saída do Reino Unido da União Europeia, e ajuda podermos oferecer esclarecimentos aos clubes da EFL com uma posição estabelecida nessa questão antes da janela de transferências de janeiro. O objetivo à EFL, ao longo do processo, foi assegurar que os nossos clubes tenham a oportunidade de contratar jogadores estrangeiros para melhorar a qualidade dos times, reconhecendo a necessidade de restrições, e vamos continuar avaliando a aplicação dessas regras e considerar as implicações de longo prazo”.

Fonte: https://trivela.com.br/o-que-muda-na-premier-league-com-as-novas-regras-de-contratacao-de-jogadores-europeus-pos-brexit/

 

Link to comment
Share on other sites

  • General Director

Tá, mas esse GBE vai valer pra jogadores-não-europeus também? Ou o antigo formato de jogos pela seleção vai continuar valendo?

Não ficou mt claro isso.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President
3 hours ago, Leho. said:

Tá, mas esse GBE vai valer pra jogadores-não-europeus também? Ou o antigo formato de jogos pela seleção vai continuar valendo?

Não ficou mt claro isso.

Só pra europeus.

Link to comment
Share on other sites

No final das contas "burlaram" o Brexit, como todo mundo já sabia que ia acontecer.

Ironicamente, esse GBE aí é só pra inglês ver hahahahahahahaha

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Entraremos no radar dos olheiros da Premier League. Agora o negócio vai ser interessante.

 

Brexit Visa Rules Mean Premier League Should Scout MLS, Liga MX And Brazil

Brexit is turning Premier League and Championship sides’ scouting policies upside-down as the new rules make it harder to sign unearthed gems from Europe’s weaker leagues.

The changes in work permits are supposed to give more opportunities to English players, while still allowing the best-of-the-best from overseas to play in the Premier League.

But due to the way the new rules work, clubs that scout the German second division or the Danish Superliga might be better off switching their attention across the Atlantic and scouting Liga MX, Major League Soccer, and the top leagues in Argentina and Brazil instead.

The new UK work permit rules that come into effect in the January 2021 transfer window will make it harder to sign players from the European Union. Brexit means these players will need a work permit, and while players in Europe’s top leagues won’t have any problem reaching the criteria, those in weaker leagues might struggle to get a ticket to England.

Players require 15 points to qualify for the governing body endorsement (GBE) required for a work permit under the new rules.

This can be hard to achieve for Europeans who play outside of the continent’s top leagues, particularly if they don’t play in continental competitions.

A German playing for Hamburg in Germany’s Bundesliga 2. would pick up six points for the strength of the league, and a further six points if he played at least 90% of the available minutes, meaning he would fall short of the points needed.

But in some areas, it has become easier to get a GBE.

Regular internationals for a top-50 country automatically qualified under the old system, but these rules have been relaxed slightly under the new system. Players in teams ranked 11-20 in FIFA’s rankings previously needed to play in at least 45% of available matches, and those in teams ranked 30-50 had to play in 75% of matches to qualify automatically. This has been reduced to 40% and 70% respectively.

But more importantly, players who fall short of this criteria still pick up points for the international minutes they do play.

A Mexican who played in just one of his country’s matches over the past two years would pick up eight points. Add that to the eight points he would get just for playing in Liga MX, and already he has passed the 15-point threshold.

An American who played at least 20% of games for his country over the past two years would pick up seven points, and would get six more for playing in Major League Soccer. He would pick up the extra two required points so long as he played at least half of the available minutes for his club in the last year.

As both Mexico and the USA national teams contain lots of domestically-based players, their matches could be of more interest to English clubs looking for the latest talent, and a single international cap could add even more to a player’s value than before.

Mexico, Brazil and Argentina also have domestic leagues in the FA’s band 3, meaning regular starters in those leagues, especially for the clubs playing in continental competitions like the CONCACAF Champions League or Copa Libertadores, are likely to meet the criteria for a GBE, even if they haven’t been capped internationally.

In recent seasons, many young Brazilians have come to Europe through clubs in Ukraine, Portugal and the Netherlands as a stepping stone before joining Europe’s richest clubs.

Ukraine’s Shakhtar Donetsk had more Brazilians than Ukrainians in their starting line up for their most recent Champions League match against Inter Milan, and are bound to make a big profit on some of those players like they did when they sold Fred to Manchester United for around three times what they originally paid for him.

Even players who joined English sides directly have had work permit difficulties in the past. When Aston Villa midfielder Douglas Luiz originally moved to Europe to join Manchester City, he was unable to get a work permit and had to be loaned to La Liga side Girona for two years to qualify.

Now, the top English sides can cut out the middleman, and business-savvy smaller English sides can become the middleman, bringing in players straight from South America, and reaping the profits that Shakhtar Donetsk, Ajax and Porto might have made instead.

Clubs like Brentford and Norwich City have had great success scouting Europe’s smaller leagues. This winter, it might be time for their scouts to start swotting up on their Spanish and Portuguese.

 

Forbes

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • Ibarra
      By Ibarra
      ✔️É com muita satisfação que trago mais um ano para a comunidade FManager Brasil o meu update agora para o FM23.
       
      ✔Download para o pessoal que não consegue baixar o update aqui na oficina:
           editor data (mediafire.com)
       
      ✔Começar em 8/1/2024 no País Seychelles (testado sem erros) para quem quiser começar um save no Brasil.
       
      ✔DICA: Adicionem jogadores e staff a times jogáveis de forma a terem mais quantidade dos mesmos nos vossos elencos.
               
          CONTATO DO DISCORD PARA ACESSO A PACOTES GRÁFICOS GRATUITOS
           Ibarra#1191
        ✔️ Extrai o arquivo RAR. para a seguinte pasta:
                                                                     ⬇ 
       ✔️Meus Documentos/Sports Interactive/Football Manager 2023/Editor Data
       ✔️Fiquem com Deus😇
                   
         CRÉDITOS DE ALGUNS ARQUIVOS DO UPDATE
         SORTITOUTSI, DAVEINCID, AZAMI NENE, pr0, ADRIANO ROBERTO E THE K1LL2R
       
       CRÉDITOS DOS PACOTES GRÁFICOS
       FAIXAS DE TORCIDAS (ADRIANO ROBERTO)
       SORTITOUTSI, FC12, KITBASHER KITS, FM KIT CREATOR E TCM LOGOS
       LINKS DIRETOS NO CANAL FMBRASIL NO DISCORD
                                          
           
    • Ibarra
      By Ibarra
      Olá a todos,
      Aqui está o update mais completo e atualizado do Brasil para o FM24, com o Brasileirão Séries A, B, C e (D em Formato Real via playoff de acesso e rebaixamento de 16 times) estão todos os times nas respectivas divisões para 2024. Ligas inclusas no update como: Arábia Saudita, Qatar, Emirados Árabes Unidos, Bolívia, Equador, Paraguai, Venezuela e Ligas Secundárias dentro da estrutura do Peru, Uruguai e Chile entre outras Ligas Alternativas.
      ATUALIZAÇÃO: É com muita satisfação que estou a disponibilizar aqui para vcs as divisões inferiores mais realistas em formato play-off com prémios e regras.
       
      Data de Começo: No Brasil em 1/1/2024
       
      DICA: Adicionem jogadores e staff a times jogáveis de forma a terem mais quantidade dos mesmos nos vossos elencos.
       
      Bom Divertimento.
       
                                                                                                   
      Download do Patch Completo: 👇🏼
                                                                         
      BRASIL ULTIMATE UPDATE (mediafire.com)
                                                                                     
      CONFIGURADO Á DLC 24.3.0
       
      CRÉDITOS DE ALGUNS ARQUIVOS DO UPDATE
      SORTITOUTSI - DAVEINCID - pr0 - ADRIANO ROBERTO - THE K1LL2R
       
      CRÉDITOS DOS PACOTES GRÁFICOS
      FAIXAS DE TORCIDAS (ADRIANO ROBERTO)
      SORTITOUTSI FACES CUT OUT E OUTROS, FC12, FM KIT CREATOR E KITBASHER KITS, TCM LOGOS, SKIN STATO
                                               
      LINK DO CONTATO DO DISCORD
      #Ibarra1191
       
       
       
       
    • Carlos Magno22
      By Carlos Magno22
      Apresentação geral  -I- >>> Pular para o índice
       
      Olá amigos!
      Vamos chegando para mais uma aventura nesse belo espaço chamado FMANAGER!
      Sou o Carlos Magno, e antigamente eu tinha uma outra conta que me deu problemas chamada "Tricolor de coração", o qual estranhamente não consegui mais acessar, mas tudo bem. Nessa conta anterior recordei essa semana de um save contando uma história baseada no modesto Oldbury FC, clube de um bairro homônimo da cidade de Birmingham na Inglaterra. O save era muito lento à época e aquilo desanimou a continuar (...)
      Recentemente voltei a escrever uma saga baseada no Paysandu, mas como sou uma pessoa com bastante disponibilidade de tempo, viciado em jogar FM quase todo dia, as vezes me angustia esperar a interação do fórum, o qual por outro lado é necessária e saudável. E assim com tempo sobrando construirei nos momentos vagos, (naqueles que da uma "cansada" na história do Paysandu ) uma história por terras britânicas.
       
      Detalhando melhor
      Bem, não tenho expectativas de postagens, pode ser que poste diariamente, semanalmente, mensalmente ou além de 30 dias....não sei vai depender do tempo, da interação....enfim. 
      Para o jogo serão carregadas 20 níveis de divisões inglesas desde o nível amador dos bairros locais até a Premier League e mais 2 divisões galesas haja visto que alguns clubes de Gales atuam no futebol inglês como o Swansea, Cardiff, Whexram entre outros. 

      Com apenas 2 países com 22 ligas carregadas ao todo, o computador já indicou 2,5 estrelas de capacidade e temo que ao avançarmos de temporada a situação torne-se ainda mais lenta. Por isso enquanto não atingirmos o sexto nível da Pirâmide inglesa não irei adicionar outros países na no jogo e irei excluindo as divisões abaixo para ganharmos um pouco tempo e qualidade na história.
      Essa versão do jogo é a do FM 23, possui um editor MAS honestamente falando isso não será usado haja visto que não quero interferência alguma desse tipo na proposta dessa jogatina e o motivo de possuir o Editor é pelo fato de que jogarei em conta compartilhada de um terceiro, que fique bem claro isso.
      Foi procurado o mais baixo nível que costuma ser a 24ª divisão na região de Bristol ou então a de Middle Sussex mais a sudeste da Inglaterra, próximo a Londres. Porém como é normal nas divisões inferiores abaixo do 11º nível da pirâmide se fundir ou deixarem de existir por vezes, pode ser esse o motivo de eu não encontrar mais níveis abaixo do 20º nível.
       
      O personagem escolhido
      Bem geralmente eu escolho eu mesmo para ser o treinador ou algum personagem relacionado ao local, mas dessa vez resolvi homenagear Charles Miller, um brasileiro introdutor do futebol e rugby no Brasil, considerado assim o "pai do futebol no Brasil". Então vou me passar pelo suposto neto chamado Charles Miller Neto. De semelhança a seu avô, Charles Miller Neto também nasceu em São Paulo, mas não pegou grande simpatia pelos clubes da capital paulista. Antes preferiu torcer pelo Southampton, um dos clubes por onde seu avô passou. De seu pai veio a paixão pelo Manchester United, Arsenal e Chelsea. 


      Ele chega a Inglaterra sem experiência alguma no futebol, a não ser pelos seus tempos de jogador amador em São Paulo.
       
      O clube escolhido e o por que da escolha
      Bem no último nível (20ª divisão) quase não temos escolha.

      Existem apenas os clubes mais ao sul do país na região de Devon e Exeter com Bristol sendo possivelmente a cidade de maior destaque, ou os clubes da região sul e central de Norfolk onde destacamos na macrorregião a cidade de Cambridge, mais ao centro-leste do país.
        ou 
                    Devon e Exeter em destaque                                                                       Norfolk, em destaque já no mapa do país
      Os primeiros citados mais a sul-leste (mais a sudoeste) de Londres e da própria Inglaterra enquanto os últimos citados mais a norte-leste de Londres (mais a nordeste).
                            
      Os clubes da região de Devon e Exeter ficavam muito mais próximos a Southampton (próximo a Guildforf) também. Excluindo as equipes reservas e sub-21 de equipes de divisões acima, sobravam apenas 2 opções para escolha na região de Devon e Exeter: o Ex Dons e o North Tawton. Na região de Norfollk também haviam umas 3 ou 4 opções a escolher fora as equipes reservas e sub-21, entre elas a mais interessante talvez o Colkirk mas pela proximidade com Southampton e a história a ser criada escolhi a região de Devon e Exeter para essa história. E o clube escolhido foi.....
      NORTH TAWTON FUTEBOL CLUBE


      E confesso, como era de esperar está difícil achar informações sobre o clube.
       
      O estádio
      O clube manda seus jogos no North Tawton Football Ground. Não tenho certeza se há arquibancadas mas pelas fotos que nosso personagem encontrou e pela informação de que as instalações podem acomodar 300 pessoas vamos confiar então.


      Bem, vamos confiar por ora. No fim das contas eles hoje são mais conhecidos pelo Rúgbi do que pelo Futebol.
       
      Objetivo Principal geral do save
      Levar um clube do último nível até o primeiro nível.  
      Objetivos Secundários
      Verificar quanto tempo levarei para chegar ao nível semiprofissional (primeira parte). (Atualizado: atingido em 10 temporadas). Ter a melhor saúde financeiro que conseguir. Ter a melhor infraestrutura que conseguir. Verificar quanto tempo levará para chegar até a Premier. Chegar na Premier League o quanto antes for possível. Verificar quais serão os maiores desafios. Verificar quantos clubes será necessário negar propostas quando vierem.  
      Objetivo Terciário
      Superar Alex Ferguson a frente de um clube com seus 27 anos de clube.  
      Expectativa de tempo
      Provavelmente levará no mínimo 20 temporada mas estimo umas 30 temporadas ou mais, portanto será um save longo, muuuuuuito longo com certeza. Por isso eu dividirei em partes para não ficar tão cansativo e nesse momento abordaremos a fase amadora desse clube, sendo que assim que atingirmos o semiprofissionalismo essa saga será interrompida e reaberta em um novo projeto, ou talvez continuamos aqui mesmo. A ver como as coisas vão andar.
      Por ora é isso pessoal. Ainda preciso pensar num banner para esse projeto e agradeço quaisquer contribuições de informações adicionais.
       
      Edit: Agradecimento especial ao @GG.pelo arte do banner!
       
       
      >>> Pular para o índice -I- <<< Voltar para a Apresentação -i- >>> Pular para o Capítulo 1
    • adriano roberto
      By adriano roberto
      É com muita satisfação que lanço mais uma vez meu projeto pessoal para o FM23 em parceria com o FManager!   Foram criadas diversas competições que não vem na dB oficial, como Estaduais, Copas Estaduais e divisões nacionais (Séries A, B, C, D e Seletiva Série D), com seus atuais formatos; Criadas fontes de imprensa e jornalistas; Criadas premiações para as competições; Jogadores e Staff's que não vem na dB oficial; Arquivo de movimento de mercado de transferências mais realista; Criado as ligas que altamente recomendo para utilizar com o arquivo, como as da América do Sul e a Liga do Japão. Além, é claro, das transferências mais recentes, incluindo de clubes menores, todos retirados do BID da CBF.   Mundial de Clubes da Fifa Decidi manter o atual formato devido a indefinição sobre a forma de classificação dos clubes para o novo formato: Adicionado o título do Real Madrid.   Copa do Mundo Adicionado o título da Argentina   Copa do Mundo Sub-17 Essa competição não está ativa no jogo. Com esse arquivo agora é possível ver a competição ativa.   Juventus Adicionado a punição de 15 pontos para o Clube, além da punição para os dirigentes.   Libertadores Adicionado os atuais participantes, além do ajuste da premiação   Copa Sul-americana Novo formato da competição   Nomes de clubes, competições, países e regiões Editado diversos nomes para PT-BR   Cores e Kits corrigidos Corrigido as cores dos clubes, além dos kits baseado nas criações do FC´12   Dívidas e Finanças (opcional) Editado as dívidas dos clubes com os atuais valores divulgados, assim como equilibrado as finanças para que os clubes não fiquem rico no jogo com pouco tempo de save. Adicionado valores padrão na receita de centenas de clubes brasileiros que não possuíam essa informação no editor, fazendo com que, ao iniciar o save, esses clubes comecem sem qualquer tipo de receita de patrocínio ou de sócios do clube.   SAF A SAF foi adicionada a todos os clubes que já aderiram. Clubes como Bahia, Vasco e Botafogo recebem uma injeção de capital referente aos valores e prazos de pagamento anunciados por suas SAF. A SAF do Cruzeiro funciona para abater a dívida do clube e a contratação de jogadores pontuais. A SAF dos clubes menores funciona parecida com a do Cruzeiro, mas com recursos menores e, em situações bem extremas em relação as finanças.   Você pode fazer o Download clicando aqui:        Versão sem estaduais:      Extrair em: Documentos\Sports Interactive\Football Manager 2023\editor data   Duas notas:   1) Siga rigorosamente as instruções de instalação para não ter nenhum erro. Não use Real Name Fix! Antes de utilizar qualquer arquivo de terceiro com o update, pergunte aqui se pode causar conflitos. Muitos dos problemas que acontecem são pelo uso indevido de arquivos de terceiros com o update.   2) Todos os arquivos contidos nesse update são de minha criação, exceto a dB do Japão de Quinn Robles. Todos criados e idealizados por mim. Caso você pretenda postar em seu canal ou fórum, não esqueça de dar os devidos créditos.   Caso queira apoiar meus projetos, segue abaixo os links:                                       Conheça minhas outras criações:    Faixas de torcidas organizadas: https://www.fmanager.com.br/topic/134674-faixas-de-torcidas-organizadas/
       Bolas 3D Brasil: https://www.fmanager.com.br/topic/134685-fm21-bolas-3d-brasil/
    • EduFernandes
      By EduFernandes
      Tópico para a discussão das transferências na janela europeia de meio de ano.
      Algumas das principais transferências até agora foram:
       
      Jude Bellingham - Real Madrid Ilkay Gundogan - Barcelona Kai Havertz - Arsenal Mateo Kovačić - Manchester City Mason Mount - Manchester United James Maddison - Tottenham Marco Asensio - PSG Brahim Diaz - Real Madrid Alexis Mac Allister - Liverpool Moise Kean - Juventus Dominik Szoboszlai - Liverpool Sandro Tonali - Newcastle Iñigo Martinez - Barcelona Joselu - Real Madrid Timothy Weah - Juventus Houssem Aouar - Roma Raphaël Guerreiro - Bayern Konrad Laimer - Bayern Marcus Thuram - Internazionale Christopher Nkunku - Chelsea Kim Min-jae - Bayern Milan Skriniar - PSG Ángel Di María- Benfica Dejan Kulusevski- Tottenham Lucas Hernández - PSG Granit Xhaka - Bayer Leverkusen Manuel Ugarte - PSG Caglar Söyünkü - Atlético de Madrid Arda Güler - Real Madrid César Azpilicueta - Atlético de Madrid Vitor Roque - Barcelona
×
×
  • Create New...