Jump to content

Homem negro é covardemente espancado até a morte por seguranças do Carrefour em Porto Alegre


ZMB

Recommended Posts

Um homem negro, identificado como João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, morreu após ter sido espancado no estacionamento do supermercado Carrefour no bairro Passo D'Areia, na zona norte de Porto Alegre, na noite desta quinta-feira (19).

O fato teria sido precedido por uma discussão, dentro do estabelecimento, com uma funcionária, um segurança e um policial militar temporário. Os dois homens, identificados como Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, foram presos em flagrante.

O Carrefour divulgou nota em que "lamenta profundamente o caso" e afirma que "adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso". 

"Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente", diz o texto. 

Fonte: ZH

Mais informações: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/11/20/video-mostra-homem-sendo-e-espancado-por-segurancas-do-carrefour-no-rs.htm

 

Vídeo (Cenas assustadoras):

Spoiler

 

 

Começo a discussão com a seguinte frase: de novo no Carrefour.

Link to comment
Share on other sites

2 minutos atrás, Léo R. disse:

Vai ter gente aqui querendo justificar a ação dos "seguranças"...

 

Link to comment
Share on other sites

A lembrança do cachorro é que mais uma vez um ato de violência acontece no Carrefour. Dessa vez um muito pior, que é a morte de uma pessoa pelo racismo.

A pessoa quis militar da maneira errada e dessa forma acaba desviando o foco real. Sei lá.

 

Link to comment
Share on other sites

2 minutos atrás, Aleef disse:

E a mulher filmando isso tudo na boa? 😞

 

 

 

É foda, bicho.

O povo ainda não percebeu que não só pode, como (moralmente) deve intervir nesse tipo de situação.

Imagina se diante dessa situação, chegam seis ou sete pessoas ali falando "parô parô parô!"? Possivelmente o cara estaria vivo agora.

Juridicamente, existe legítima defesa de direito de terceiro. Ou seja, o próprio direito estaria "do lado" do povo, que ao se deparar com uma situação dessas, intervém para salvar a vida ou integridade física do cara.

Link to comment
Share on other sites

A filmagem é muito curta. Parece mais o início. Pelo que as reportagens apontaram logo outras pessoas saíram gritando que estavam matando o cara e mesmo assim continuaram.

Tem outra filmagem rápida que eu vi nessa matéria: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2020/11/20/homem-negro-e-espancado-ate-a-morte-em-supermercado-do-grupo-carrefour-em-porto-alegre.ghtml

Nela, da pra ver o sangue no chão e que mesmo assim continuava sendo agredido, inclusive utilizando a mesma técnica de joelho no pescoço que ficou tão emblemática após George Floyd:

Na mesma reportagem do G1 que postei o link:

"Ainda não se sabe qual foi a causa da morte, mas uma análise preliminar da perícia indica que pode ter sido asfixia."

Mano. Tem site de notícias não colocando o nome do Carrefour no título das notícias! PORRA! Os caras tão de sacanagem, nesse momento vemos quem faz jornalismo ou quem tem rabo preso com patrocinador!

EnRZ_vVXEAg7_te?format=jpg&name=small

Link to comment
Share on other sites

A lógica de quem estava filmando: ele deu um soco na funcionária, logo, vamos espancá-lo. Ou seja, não existe limite de punição para algumas pessoas, nem jurídica (pena de morte "limpa") nem popular (pena de morte violenta). Essa visão, que é problemática por si só, sequer é igualitária. O limite para pessoas negras é bem diferente do limite para pessoas brancas.

Agora, eu não consigo entender como não há algumas pessoas ao redor que não consigam mitigar com eficácia parte da violência. Falando de homens, porque necessita de uma potência física. Pode ser medo da violência em si, não saber o que ocorre, enfim. Eu acho compreensível, mas é complicado.

Agora, mais uma vida se perde por um motivo fútil, provavelmente, potencializado pela desumanização do do outro, quase sempre negro.

Vale aproveitar para trazer a tona outros problemas relacionados, além de alguns lacradores oportunistas, como essa conta que o Zambia postou. Como disse o Mantrax, lembrar o cachorro não tem NADA A VER com desvalorizar a morte do cara. É apenas uma lembrança que vem a tona por conta do local onde outra violência que rodou o Brasil ocorreu. Lembrar essa outra violência, por conta do local, é apontar que talvez exista uma cultura na empresa que incentive ou permita a violência contra a vida, seja humana, seja animal. E se existe tal lugar, isso deve ser falado, porque a violência não deve ser incentivada (por óbvio!). Não há relação de paridade na gravidade dos dois atos. A comparação é feita, aliás, por quem tentou lacrar. É o típico comentário que polariza e polemiza apenas para gerar sentimentos completamente irracionais e que não devem estar na discussão, porque o que importa aqui é a violência contra o negro, sintomática, e o possível problema específico de cultura de violência de uma instituição.

Mais um exemplo de gente retardada polarizando uma discussão de forma artificial:

Dodô Azevedo, na Folha.

Citar

 

"Tem sangue negro nas mãos todos os que compartilham a antiga e irresponsável fala do ator. Quando seus argumentos ainda não haviam sido vencidos pelos fatos. 

Quem compartilha é cúmplice. É criminoso. Continua espancando João Alberto Silveira Freitas, mesmo depois de morto."

 

A "fala do ator" é de Morgan Freeman, em 2012: se “nós parássemos de dividir as pessoas por cores, preto, branco, amarelo…”.

Sério? A tiazinha de 50 anos que acha que o problema do racismo é menor do que realmente é, que todas as vidas importam, tem sangue negro nas mãos? Ela é cúmplice? CRIMINOSA? Ela ESPANCA a vítima?

Porque quando eu digo que alguém é criminoso, eu tenho que estar disposto a aplicar uma pena a essa pessoa. Do contrário, é só saliva gasta pra ganhar popularidade. Eu entendo esse tipo de expressão no calor do momento, quando vem de alguém sem a responsabilidade de um artigo na Folha. Desse cara, é inaceitável.

Link to comment
Share on other sites

1 minuto atrás, Léo R. disse:

O problema é a lacração...

Como assim, cara?

O problema é o assassinato.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

"Ainda bem" que nosso vice-presidente não decidiu lacrar em cima desse ato vil e torpe.

Lamentável é pouco para descrever esse crime hediondo. 

Link to comment
Share on other sites

  • General Director

"No Brasil não existe racismo"
"No Brasil não existe racismo"
"No Brasil não existe racismo"
"No Brasil não existe racismo"
"No Brasil não existe racismo"

 

Olha... sinceramente. Não tenho nem o que falar. Chega a embrulhar o estômago tudo o que envolve essa situação, e essa fala do Mourão aí fecha com "chave de merda". Cara, nossa sociedade TÁ MUITO DOENTE, mas mt mesmo.

Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, David Reis disse:

 

"Gente, deixa eu ir lá que meus filhos estão me esperando. Meu neto é um cara bonito, viu ali. Branqueamento da raça"

Link to comment
Share on other sites

Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia. "A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax", disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos

Fonte: Uol 

Espero que a família entre com o processo em cima da empresa que contratou essa pessoa para ser segurança. 

Ainda está confuso o lance do PM. Ele tava de folga e tava trabalhando para empresa ou era cliente que viu a situação e por ser PM ele foi para cima do cara? 

Selvageria total.

 

 

Link to comment
Share on other sites

18 minutos atrás, Aleef disse:

Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia. "A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax", disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos

Fonte: Uol 

Espero que a família entre com o processo em cima da empresa que contratou essa pessoa para ser segurança. 

Ainda está confuso o lance do PM. Ele tava de folga e tava trabalhando para empresa ou era cliente que viu a situação e por ser PM ele foi para cima do cara? 

Selvageria total.

 

 

O que você acha? 😂

Porra, sempre tem um PM de folga pra reagir a essas coisas. É incrível. No mercado aqui da frente do prédio no ano passado um PM reagiu e matou o assaltante.

Se eu não confiasse na nossa polícia eu diria que é trabalho remunerado.

Link to comment
Share on other sites

35 minutos atrás, Aleef disse:

Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia. "A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax", disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos

Fonte: Uol 

Espero que a família entre com o processo em cima da empresa que contratou essa pessoa para ser segurança. 

Ainda está confuso o lance do PM. Ele tava de folga e tava trabalhando para empresa ou era cliente que viu a situação e por ser PM ele foi para cima do cara? 

Selvageria total.

 

 

As imagens mostram q ele estava usando a mesma roupa da equipe de segurança.

Link to comment
Share on other sites

20 minutos atrás, Lowko é Powko disse:

O que você acha? 😂

Porra, sempre tem um PM de folga pra reagir a essas coisas. É incrível. No mercado aqui da frente do prédio no ano passado um PM reagiu e matou o assaltante.

Se eu não confiasse na nossa polícia eu diria que é trabalho remunerado.

Tá confuso, ainda não está definido.

"O PM temporário que participou do crime estaria no local como cliente."

https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2020/11/4890130-homem-negro-e-espancado-e-morto-por-seguranca-e-pm-em-carrefour-de-porto-alegre.html

 

O policial militar temporário Giovane Gaspar da Silva, um dos seguranças que espancou até a morte um homem negro no hipermercado Carrefour em Porto Alegre (RS), não tem treinamento policial e será afastado.

https://www.metropoles.com/brasil/pm-que-espancou-homem-no-carrefour-nao-tem-treinamento-policial

 

Muito desencontro nas informações.

 

Link to comment
Share on other sites

Pelo que ouvi, ele era agente temporário de polícia, não é policial de fato. Em geral são pessoas que ficam mais em serviços administrativos e algumas outras coisas. Não possuem as mesmas atribuições que um brigadiano concursado.

Porém, não importa se essas pessoas eram policiais, seguranças ou agentes temporários. O fato é que uma pessoa negra (mais uma) foi covardemente assassinada de forma brutal em um super mercado. O que motivou essa reação dos seguranças não importa. Isso não pode acontecer. Vi um monte de gente em redes sociais querendo justificar, que isso acontece com brancos, que o cara fez isso, que ele fez aquilo. Mourão me solta essa frase absurda. Gente reclamando da lacração quando isso não muda porra nenhuma de nada, algo totalmente bobo. Francamente, não dá, não sei mais o que pensar a respeito dessa nossa sociedade.

Aliás, sobre aquele que fala "ah, mas com brancos também acontecem coisas assim e ninguém fala". Bom, durante a pandemia rolaram vários vídeos de pessoas brancas reclamando e brigando com todo mundo por causa do não uso de máscara em mercados. Em nenhum desses vídeos houve alguma reação violenta por parte dos seguranças. Se uma dessas pessoas fosse negra, com certeza, a reação, no mínimo, tenderia a ser mais violenta e enérgica. Enfim, isso acontecer justamente nas vésperas do dia consciência negra só deixa as coisas mais tristes ainda. Teve mais o episódio das ameaças que a primeira vereadora negra eleita aqui da cidade recebeu ameaças de morte. Não dá, simplesmente não dá.

Link to comment
Share on other sites

Aliás, falas como a do Mourão de que não existe racismo no Brasil, só demonstra o quanto ele está alheio a sociedade e desconhece o que aflige a nossa população.

Link to comment
Share on other sites

16 minutos atrás, Mantrax disse:

Aliás, falas como a do Mourão de que não existe racismo no Brasil, só demonstra o quanto ele está alheio a sociedade e desconhece o que aflige a nossa população.

A maioria das pessoas pensa como ele, ainda mais aqui no sul. Tudo é vitimismo.

Link to comment
Share on other sites

4 horas atrás, Aleef disse:

Tá confuso, ainda não está definido.

"O PM temporário que participou do crime estaria no local como cliente."

https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2020/11/4890130-homem-negro-e-espancado-e-morto-por-seguranca-e-pm-em-carrefour-de-porto-alegre.html

 

O policial militar temporário Giovane Gaspar da Silva, um dos seguranças que espancou até a morte um homem negro no hipermercado Carrefour em Porto Alegre (RS), não tem treinamento policial e será afastado.

https://www.metropoles.com/brasil/pm-que-espancou-homem-no-carrefour-nao-tem-treinamento-policial

 

Muito desencontro nas informações.

 

G1 trouxe mais informações sobre isso:

https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2020/11/20/pf-diz-que-um-dos-envolvidos-na-morte-de-homem-negro-nao-tinha-registro-de-seguranca-o-outro-sera-suspenso.ghtml

Ele estava trabalhando, mas não deveria. Não possuía registro de segurança. 

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, Léo R. disse:

Gente reclamando da lacração quando isso não muda porra nenhuma de nada, algo totalmente bobo. Francamente, não dá, não sei mais o que pensar a respeito dessa nossa sociedade.

Vou responder diretamente porque é a segunda vez.

As coisas não são excludentes. É ÓBVIO que o assassinato é muito pior. Não se tem muito o que falar quanto ao fato. A única coisa que levanta alguma polêmica e discordância aqui é a posição dos lacradores em relação a isso.

Eu não sei o que você espera aqui no fórum. Você acha que a minha posição sobre a lacração muda alguma coisa? Porque as únicas manifestações que podem ser feitas aqui no fórum são de palavras, não de ações. Ficaria mais feliz se eu viesse apenas falar "nossa que absurdo! Olha a nossa sociedade racista aí"?

Link to comment
Share on other sites

10 horas atrás, Lowko é Powko disse:

O que você acha? 😂

Porra, sempre tem um PM de folga pra reagir a essas coisas. É incrível. No mercado aqui da frente do prédio no ano passado um PM reagiu e matou o assaltante.

Se eu não confiasse na nossa polícia eu diria que é trabalho remunerado.

É o que mais tem, meu primeiro trabalho foi em mercado e é muito comum PM fazer bico de segurança, mesmo em redes grandes de supermercado... mercado de bairro então, pode ter certeza que 9 de 10 seguranças ou é PM em folga ou é aposentado.

 

Link to comment
Share on other sites

O pior é saber que um profissional de segurança, ao menos em tese, deveria ter maior preparo (principalmente mental) para lidar com esse tipo de situação, e não se valer da posição de poder para assassinar alguém.

Várias manifestações Brasil afora nessa noite. Se vocês ouvirem algum repórter ou meio de comunicação tratando isso como vandalismo, enquanto chamam o assassinato de excesso na abordagem, já sabem...

 

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...