Jump to content

Futebol é um esporte socialista


Lowko é Powko

Recommended Posts

Pra quem entende inglês, vai aí uma pira. O plano de Barack Osama Homo Bin Laden de transformar os EUA em um país socialista.

Fico pensando que essas paradas não podem ser reais.

Soccer Is a Socialist Sport

Marc Thiessen | June 30, 2010, 11:52 am

soccer-ball-300x199.jpg

In the Washington Post this morning, sports columnist Sally Jenkins complains about the lack of popular outrage over America’s elimination in the World Cup: “Why is it that Americans expect to win in every sport we compete in except for soccer? How is it that a nation so obsessed with games seems abnormally lacking in ambition when it comes to the most popular one on the globe?” Meanwhile, the Wall Street Journal reports that the National Soccer Hall of Fame in Oneonta, New York, is shutting its doors. According to the Journal, the place never had more than 17,000 visitors a year, and “the hall’s passing seems to have gone almost unnoticed. The local newspaper barely covered its demise.”

The world is crazy for soccer, but most Americans don’t give a hoot about the sport. Why? Many years ago, my former White House colleague Bill McGurn pointed out to me the real reason soccer hasn’t caught on in the good old U.S.A. It’s simple, really: Soccer is a socialist sport.

Think about it. Soccer is the only sport in the world where you cannot use the one tool that distinguishes man from beast: opposable thumbs. “No hands” is a rule only a European statist could love. (In fact, with the web of high taxes and regulations that tie the hands of European entrepreneurs, “no hands” kind of describes their economic theories as well.)

Soccer is also the only sport in the world that has “hooligans”—proletarian mobs that trash private property whenever their team loses.

Soccer is collectivist. At this year’s World Cup, the French national team actually went on strike in the middle of the tournament on the eve of an elimination match. (Yes, capitalist sports have experienced labor disputes, but can you imagine a Major League Baseball team going on strike in the middle of the World Series?)

At the youth level, soccer teams don’t even keep score and everyone gets a participation trophy. Can you say, “From each according to his ability…”? (The fact that they do keep score later on is the only thing that prevents soccer from being a Communist sport.)

Capitalist sports are exciting—people often hit each other, sometimes even score. Soccer fans are excited by an egalitarian 0-0 tie. When soccer powerhouses Brazil and Portugal met recently at the World Cup, they played for 90 minutes—and combined got just eight shots on net (and zero goals). Contrast this with the most exciting sports moment last week, which came not at the World Cup, but at Wimbledon, when American John Isner won in a fifth-set victory that went 70-68. Yes, even tennis is more exciting than soccer. Like an overcast day in East Berlin, soccer is … boring.

And finally, have you seen the World Cup trophy? It looks like an Emmy Award (and everyone knows that Hollywood is socialist).

There are many more reasons soccer and socialism go hand in hand. You can read some of them here. Perhaps in the age of President Obama, soccer will finally catch on in America. But I suspect that socializing Americans’ taste in sports may be a tougher task than socializing our healthcare system.

---

"Why in the name of our Lord and Savior who was killed by the Jews so we could have ever lasting life, is America in some soccer tournament? Why? Because it's all part of Barak Osama Homo bin Laden's plot to install socialism on our shores."

Link to comment
Share on other sites

Falar da resposta eles não falam né?

SOCCER IS A REPUBLICAN SPORT

by ADAM ROY on JULY 8, 2010

20100708-republicanelephant.jpg

Photo: Shine 2010

A Washington Post columnist is in the news after calling soccer a “socialist sport.” Adam Roy says he got it all wrong.

Writing on the American Enterprise Institute’s blog last week, Marc Thiessen said that “most Americans don’t give a hoot” about soccer, and contrasted it with “capitalist” sports like American football.

Thiessen, a former speechwriter for the Bush White House, also criticized the French team for their pregame strike, and pointed to soccer’s relatively low scores as evidence that the sport stifled competition.

I heard about Thiessen’s article on the radio today, and was immediately puzzled. My problem with Thiessen isn’t that he has obviously never watched or played soccer (one of his main objections is that players can’t use their hands), or that his post is a thinly-veiled dig at healthcare reform.

But he has it backwards: soccer isn’t a socialist sport. If anything, it’s a Republican sport: the game and its culture fit the GOP’s ideology perfectly. Here’s my reasoning:

It’s capitalist.

Soccer is nothing if not capitalist. The game is so laissez-faire that it makes our sports look borderline Marxist.

American sports leagues have all sorts of pesky salary cap regulations that dictate how much teams can pay players. No so in most soccer leagues, where teams are pretty much free to do whatever they want with their money. That’s why Cristiano Ronaldo took home $17.7 million this year, a bigger salary than that of LeBron James.

It could also be why the world’s richest sports team is a soccer club, England’s Manchester United. According to Forbes, the club’s net worth last year was $1.87 billion.

If you want firsthand evidence of soccer’s marketability, go find a busy street corner, park yourself there, and take a look at the torsos of the young people walking by. At least a few will probably be wearing jerseys from foreign soccer clubs, especially English Premier League teams like Chelsea, Manchester United, and Liverpool. EPL clubs make millions of dollars selling merchandise, and Americans are among those buying.

20100708-elephantworld.jpg

Photo: makelessnoise

There’s no government intervention.

Small government is a classic Republican value, but it doesn’t extend to American sports. It seems that every time there’s a controversy in an American sports league, the federal government steps in. Congress has called hearings on steroids in MLB, concussions in the NFL, and pensions in the NBA.

Soccer is governed by FIFA, a private, for-profit corporation with zero tolerance for government involvement in sport. The group recently threatened to suspend France and Nigeria after their presidents announced plans to investigate the countries’ poor performances in the World Cup.

It’s nationalist.

Thiessen characterizes soccer hooligan firms as “proletarian mobs”. In reality, their politics are usually right-wing, often extremely so.

English hooligans like Chelsea’s Headhunters are notorious for their ties to far-right fringe groups like the British National Party. They’ve also been tied to the English Defence League, an organization that’s taken the same anti-Islam stance that conservative groups like the David Horowitz Freedom Center have in the US.

Soccer leagues aren’t centrally controlled.

American sports leagues operate on a franchise system, in which all teams fall under the authority of a central commissioner. New teams can’t join without this central governing body’s approval. American leagues are also closed systems, so teams remain members no matter how poorly they perform. Seems like a pretty Soviet system to me.

Soccer leagues differ in that they have an open structure: clubs are independent entities, and anyone can start one. At the end of each season, the best clubs in each division get bumped up to the next league, so the teams that perform well get rewarded. As a system, it encourages entrepreneurship and good, old-fashioned hard work, rather than artificially protecting a select few.

There are no unnecessary rules.

With the possible exception of basketball, American sports are a mess of rules. There are rules that govern when one team has to turn over the ball to the other, who can pass the ball and where they can pass it, and how players are allowed to celebrate when they score. Add in instant replay, and games can slog on like a Supreme Court confirmation hearing.

Soccer can be summed up in about four rules: no hands, no body tackles, don’t go offsides, stay in bounds. There’s no unnecessary regulations, so any average Joe the Plumber can understand the game.

Link to comment
Share on other sites

"Soccer is nothing if not capitalist. The game is so laissez-faire that it makes our sports look borderline Marxist."

Hahahaha

Gostei da resposta.

Link to comment
Share on other sites

Falar da resposta eles não falam né?

Muito bom esse texto de resposta.

Link to comment
Share on other sites

Cara, esse talvez tenha sido um dos piores textos que eu já li na minha vida, graças a Deus um cara fez uma resposta decente e enfiou guela abaixo desse cara que claramente tem retardo mental e escreve pro WASHINGTON POST.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Coulter: Any growing interest in soccer a sign of nation's moral decay

I've held off on writing about soccer for a decade — or about the length of the average soccer game — so as not to offend anyone. But enough is enough. Any growing interest in soccer can only be a sign of the nation's moral decay.

• Individual achievement is not a big factor in soccer. In a real sport, players fumble passes, throw bricks and drop fly balls — all in front of a crowd. When baseball players strike out, they're standing alone at the plate. But there's also individual glory in home runs, touchdowns and slam-dunks.

In soccer, the blame is dispersed and almost no one scores anyway. There are no heroes, no losers, no accountability, and no child's fragile self-esteem is bruised. There's a reason perpetually alarmed women are called "soccer moms," not "football moms."

Do they even have MVPs in soccer? Everyone just runs up and down the field and, every once in a while, a ball accidentally goes in. That's when we're supposed to go wild. I'm already asleep.

• Liberal moms like soccer because it's a sport in which athletic talent finds so little expression that girls can play with boys. No serious sport is co-ed, even at the kindergarten level.

• No other "sport" ends in as many scoreless ties as soccer. This was an actual marquee sign by the freeway in Long Beach, California, about a World Cup game last week: "2nd period, 11 minutes left, score: 0:0." Two hours later, another World Cup game was on the same screen: "1st period, 8 minutes left, score: 0:0." If Michael Jackson had treated his chronic insomnia with a tape of Argentina vs. Brazil instead of Propofol, he'd still be alive, although bored.

Even in football, by which I mean football, there are very few scoreless ties — and it's a lot harder to score when a half-dozen 300-pound bruisers are trying to crush you.

• The prospect of either personal humiliation or major injury is required to count as a sport. Most sports are sublimated warfare. As Lady Thatcher reportedly said after Germany had beaten England in some major soccer game: Don't worry. After all, twice in this century we beat them at their national game.

Baseball and basketball present a constant threat of personal disgrace. In hockey, there are three or four fights a game — and it's not a stroll on beach to be on ice with a puck flying around at 100 miles per hour. After a football game, ambulances carry off the wounded. After a soccer game, every player gets a ribbon and a juice box.

• You can't use your hands in soccer. (Thus eliminating the danger of having to catch a fly ball.) What sets man apart from the lesser beasts, besides a soul, is that we have opposable thumbs. Our hands can hold things. Here's a great idea: Let's create a game where you're not allowed to use them!

• I resent the force-fed aspect of soccer. The same people trying to push soccer on Americans are the ones demanding that we love HBO's "Girls," light-rail, Beyonce and Hillary Clinton. The number of New York Times articles claiming soccer is "catching on" is exceeded only by the ones pretending women's basketball is fascinating.

I note that we don't have to be endlessly told how exciting football is.

• It's foreign. In fact, that's the precise reason the Times is constantly hectoring Americans to love soccer. One group of sports fans with whom soccer is not "catching on" at all, is African-Americans. They remain distinctly unimpressed by the fact that the French like it.

• Soccer is like the metric system, which liberals also adore because it's European. Naturally, the metric system emerged from the French Revolution, during the brief intervals when they weren't committing mass murder by guillotine.

Despite being subjected to Chinese-style brainwashing in the public schools to use centimeters and Celsius, ask any American for the temperature, and he'll say something like "70 degrees." Ask how far Boston is from New York City, he'll say it's about 200 miles.

Liberals get angry and tell us that the metric system is more "rational" than the measurements everyone understands. This is ridiculous. An inch is the width of a man's thumb, a foot the length of his foot, a yard the length of his belt. That's easy to visualize. How do you visualize 147.2 centimeters?

• Soccer is not "catching on." Headlines this week proclaimed "Record U.S. ratings for World Cup," and we had to hear — again about the "growing popularity of soccer in the United States."

The USA-Portugal game was the blockbuster match, garnering 18.2 million viewers on ESPN. This beat the second-most watched soccer game ever: The 1999 Women's World Cup final (USA vs. China) on ABC. (In soccer, the women's games are as thrilling as the men's.)

Run-of-the-mill, regular-season Sunday Night Football games average more than 20 million viewers; NFL playoff games get 30 to 40 million viewers; and this year's Super Bowl had 111.5 million viewers.

Remember when the media tried to foist British soccer star David Beckham and his permanently camera-ready wife on us a few years ago? Their arrival in America was heralded with 24-7 news coverage. That lasted about two days. Ratings tanked. No one cared.

If more "Americans" are watching soccer today, it's only because of the demographic switch effected by Teddy Kennedy's 1965 immigration law. I promise you: No American whose great-grandfather was born here is watching soccer. One can only hope that, in addition to learning English, these new Americans will drop their soccer fetish with time.

Ann Coulter is a syndicated columnist. Contact her through her website at www.anncoulter.com.

http://www.clarionledger.com/story/opinion/columnists/2014/06/25/coulter-growing-interest-soccer-sign-nations-moral-decay/11372137/

Link to comment
Share on other sites

Caralho, que mina idiota e xenófoba.

O texto todo é uma bosta, mas NESSA parte de baixo, ela se supera:

"In soccer, the blame is dispersed and almost no one scores anyway. There are no heroes, no losers, no accountability, and no child's fragile self-esteem is bruised."

HAHAHAHAHA

É doença mental escrever uma coisa dessas, só pode.

Link to comment
Share on other sites

Ann Coulter -> lixo total, do tipo que Will McAvoy limparia o chão com ela. Se bobear é mais um artigo pra ganhar atenção e os imbecis que concordam com ela concordarem.

There are no heroes, no losers, no accountability, and no child's fragile self-esteem is bruised

Não era assim no futebolzinho de rua hahahahaha

Link to comment
Share on other sites

Caralho, o primeiro texto é um lixo escrito por alguém que não tem nada pra fazer e não gosta de futebol porque o time do seu país não consegue ganhar. O republicano eu gostei.

Link to comment
Share on other sites

Total lixo esse texto cara AHAH TOTAL. Pior é saber que se tá tendo mídia é pq tem gente que concorda AHHA Provavelmente algum texano burro comedor de irmã enquanto toma bud light e dá tiros pra cima AHAH Sim, eu usei estereótipos, mas vai se foder, se eles acham que somos macacos por querermos chutar uma bola e não pegar com a mão, vai se foder, eu posso também.



AHAHHAH Ela é muito tosca, curtam ae, nem dá de dar bola pra isso.
Link to comment
Share on other sites



AHAHHAH Ela é muito tosca, curtam ae, nem dá de dar bola pra isso.
Link to comment
Share on other sites

Tanto o texto quantos os links que ele trás são muito bons.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • bstrelow
      By bstrelow
      Eu sei o que você está pensando. Faz 10 anos que eu ouço isso.
      “O que aconteceu com o Pato?”
      “Por que o Pato não ganhou a Bola de Ouro?”
      “Por que o Pato estava sempre machucado?”
      Bah. Eu deveria ter respondido a essas perguntas há muito tempo, cara. Teve muita especulação, principalmente quando eu estava na Itália. Que eu exagerei na balada. Que eu não tinha ambição. Que eu vivia no mundo da fantasia. Mas quando eu queria falar, eu era instruído a “focar no futebol”. Eu era muito jovem para discordar.
      Cara, eu era uma criança.
      Então, acho que chegou a hora de fazer alguns esclarecimentos. Estou com 32 anos. Sou feliz. Estou em forma. Não tenho rancor de nada nem de ninguém. Se você quiser acreditar nas mentiras, não estou aqui para tentar te convencer.
      Mas se você quiser saber o que realmente aconteceu, então preste atenção, cara.
      O primeiro ponto que você precisa entender é que eu saí de casa cedo. Provavelmente muito cedo. Quando você tem 10 anos, você não está pronto para o mundo. Você sai em busca do seu sonho, mas você está sozinho e é muito fácil para se perder no caminho.
      Deus me deu um dom, isso é claro. Eu não joguei futebol de campo até fazer 10 anos, porque o futsal era mais divertido. E eu ainda tinha uma bolsa para estudar em uma escola particular. Um dia eu disputei um torneio interno, e um olheiro do Internacional perguntou ao meu pai: “Você já pensou em testar o seu filho no campo?”.
      O meu pai falou: “Hmmmmm, talvez você tenha razão”.
      Consegui um teste no Inter. E foi assim que eu fui parar em um motel.
      Hahaha. Vou explicar. Nós não tínhamos muito dinheiro, né? A minha mãe não podia trabalhar por causa de um problema na coluna, então o meu pai era o responsável por me bancar, a minha irmã e o meu irmão mais velho. Ele passava o dia inteiro construindo estradas. Tínhamos comida na mesa, mas eu não conseguia pagar os livros da escola particular. O máximo que eu conseguia era o xerox das páginas. Estou falando sério.
      O meu pai tinha um fusquinha. Ninguém chegava na escola num fusquinha. Eu pedia para ele me deixar a algumas ruas antes do portão.
      “Por que, filho?”, ele perguntava.
      A minha resposta era: “Hm, os meus amiguinhos estão aqui”. Não tinha ninguém.
      Uma vez eu estava chegando na entrada, e uma menina disse: “Então você tem um fusquinha?! Hahahahahahahahaha”.
      Caraca, que saco.
      De qualquer jeito, o meu pai teve de usar a criatividade algumas vezes. Quando chegou o grande dia do teste no Inter, oportunidade de uma vida, foram nove horas de viagem de Pato Branco a Porto Alegre. Na chegada à cidade, o meu pai percebeu que não teria condições de pagar um quarto de hotel.
      O que ele fez? Escolheu um motel.
      “Filho, esse é o único lugar que conseguimos pagar.”
      A minha reação foi: “Tudo bem, pai.”
      HAHAHAHAH. Cara, eu não tinha ideia. Eu era muito novo para entender o que era aquele lugar. Nosso quarto tinha uma cama pequena e só. O motel ficava na frente do Beira-Rio, então as pessoas podiam transar olhando para o estádio.
      Até hoje eu ainda brinco com o meu pai sobre essa história. Se isso acontecesse hoje ele provavelmente iria para a cadeia.
      Depois, estávamos andando em volta do estádio para conhecer. Uau, maravilhoso! De repente chega um diretor do clube. “Você não deveria estar treinando?” Caraca! Nós confundimos os horários. Pior ainda, a minha chuteira tinha ficado no motel. O meu pai saiu correndo para buscar. Quando ele voltou, adivinha o que tinha dentro da sacola?
      Um pé com trava de borracha, e outro com trava de ferro.
      “Pai, você só pode estar de brincadeira! Como vou jogar desse jeito???”
      Por sorte, havia um menino que era sensação na base, chamado Cocão, que tinha patrocínio de chuteira. Então ele me emprestou a dele. Novinha! Uhuul! Vamo pra cima!
      Graças a Deus eu fui aprovado no Inter. Mas juro para você, eu não estava pensando em me tornar jogador profissional. Na verdade, eu me sentia abençoado só por estar jogando com os garotos. Talvez você tenha ouvido falar sobre essa história...
      Mais ou menos um ano antes, eu tropecei em uma corrente de estacionamento e caí em cima do meu braço esquerdo. Eles engessaram metade do meu corpo, e eu estava parecendo uma múmia. Eu até joguei um campeonato com o braço ainda engessado. Após tirar o gesso, eu e meu amigo estávamos brincando de um jogo que quem ficasse de pé o outro poderia dar um chute, a não ser que você conseguisse escapar. Estava divertido até eu sentar em cima do braço esquerdo. O susto foi tão grande que até as minhas pernas começaram a doer.
      O médico fez um Raio-X e encontrou um tumor grande no meu braço.
      “Ou ele faz uma cirurgia agora, ou teremos de amputar.”
      Eu estava em choque. Em 24 horas eu poderia estar sem o meu braço esquerdo.
      Mas você acha que os meus pais tinham dinheiro para pagar a operação? Pffff.
      O que vamos fazer agora???
      Meu pai teve de ser criativo mais uma vez. Ele filmava todos os meus jogos, então ele pegou as fitas e as levou para o hospital, fez uma oração, entrou no consultório médico e colocou aquelas imagens chuviscadas de uma criança correndo na quadra de futsal.

        O meu pai disse: “Doutor, esse é o meu filho. Eu não sei como pagar por isso, mas eu só não quero vê-lo parar de jogar”. Para o que aconteceu depois eu não tenho explicação. Talvez o médico viu talento em mim. Ou ele escutou a voz de Deus.
      “Não se preocupe, eu faço de graça para o seu filho.”
      Foi um milagre.
      Nunca vou esquecer o nome dele: Paulo Roberto Mussi. Ele me deu uma nova vida.
      Mas a recuperação foi muito dolorosa, cara. O banco de ossos não tinha o osso que o meu braço precisava, então eles tiveram de retirar um osso do meu quadril. Eu ainda tinha de voltar para Pato Branco a cada seis meses para monitoramento. Uma vez o meu braço ficou VERDE. Eu estava gritando. MAIS INJEÇÃO, POR FAVOR!!
      Apesar de tudo, pude voltar a jogar e, na sequência, fui aceito no Inter.
      Mas isso gerou mais sofrimento quando eu tive de sair da casa dos meus pais. Eles não tinham condições de morar em Porto Alegre, então me disseram “VAI!”, mas foi muito duro pra eles. Mesmo depois que me mudei, a minha mãe continuou colocando o meu lugar na mesa como se eu fosse jantar com eles. Ela arrumava o meu quarto na espera que chegasse a qualquer momento.
      Ainda havia muitas lições para eles me ensinarem. Como jogador, eu estava pronto para o mundo. Como pessoa, eu estava muito longe disso.
      Definitivamente eu não estava pronto para a base do Inter. Os garotos mais novos tinham de fazer tudo para os mais velhos: lavar cueca, limpar chuteira, comprar salgadinho no posto. Tinha a brincadeira de “Marcar o gado”. O que era isso? Eles falavam para colocarmos a perna em cima da cama, eles pegavam uma ripa de madeira e PAU! Era um terror.
      Chorei muito. Me escondi no quarto. Mas eu não podia contar para a minha mãe, senão no dia seguinte ela estaria lá para me buscar. Por isso, eu falava: “Mãe, está tudo ótimo, tudo tranquilo”.
      O futebol? Era pura diversão.
      Eu fui do time sub-15 para o profissional num piscar de olhos. Aos 17 anos, eu estava no Mundial de Clubes fazendo gol na semifinal e enfrentando o Barcelona na decisão. E encontrei o Ronaldinho.
      Cara, precisamos de uma palavra nova para descrever esse cara. Ele é mágico. Ele não parece uma pessoa de verdade. Naquele dia eu não era um adversário, eu era um fã. No túnel eu falei para ele: “Guarda a sua camisa para mim!”. Quando o jogo acabou, eu pensei: “Cadê ele? Cadê ele?”. Todo mundo correu para trocar camisa com ele, mas ele honrou a palavra. Guardou para o garoto. Esse é o Ronnie.
      Como você deve saber, o Mundial é algo GIGANTE no Brasil. A vitória por 1 a 0 na final foi o auge para os Colorados. Depois, fizemos uma carreata em Canoas em um carro de bombeiros, eu estava segurando o troféu, e as pessoas gritavam o meu nome.
      Sete anos antes eu nunca havia jogado futebol de campo.
      Agora eu era campeão do mundo.
      Em seguida, eu poderia ter ido para o Barcelona, Ajax, Real Madrid. Por que o Milan? Olha, vou te fazer uma pergunta.
      Você já jogou com aquele Milan no PlayStation?
      Aquele time era incrível!! Kaká, Seedorf, Pirlo, Maldini, Nesta, Gattuso, Shevchenko... O Sheva era demais! Ronaldo Fenômeno! Eu tinha de jogar com esse cara. Que escalação, cara. Eles tinham acabado de ganhar a Champions League. O Milan era o time do momento. Meu pensamento era: quando é o próximo voo?
      Quando cheguei em Milão, passei por um teste de visão como parte da bateria de exames. Cara, eu pressionei demais a palma da minha mão no olho esquerdo e quando eu abri eu não enxergava nada. O médico pingou um colírio dilatador, e quando eu saí da sala eu não via nada. Adivinha quem apareceu? O grande Ancelotti.
      “Tutto bene?” 
      “Tudo bem.” Mas eu não conseguia vê-lo. Tiramos uma foto e os meus olhos estavam quase fechados hahahaha.
      Carlo me levou ao refeitório. “Esse é o Pato, o nosso novo atacante.” TODO MUNDO se levou para me cumprimentar. Todo. Mundo. Ronaldo, Kaká, Seedorf... UAU!
      Esse foi o meu primeiro dia no Milan. Eu tinha entrado no videogame.

      Luca Bruno/AP Photo
       
      Infelizmente eu completei 18 anos depois do prazo, em agosto, para a inscrição no Mundial. Nasci em 2 de setembro. Se eu tivesse vindo ao mundo alguns dias antes, eu seria bicampeão do mundo. Mas só de treinar com aquelas lendas já era algo muito especial. Os brasileiros me receberam de braços abertos: Ronaldo, Cafu, Emerson, Dida, Kaká... E, não, eu não morei na casa do Cafu! Mas estávamos sempre juntos, porque eu tinha quase a mesma idade dos filhos dele. E o Cafu é um cara muito família, então quando ele saía para jantar, precisava de uma van porque ao menos 10 pessoas o acompanhavam.
      Os brasileiros me protegiam até no treino. Essa história é boa: no grupo tínhamos o Kakha Kaladze, capitão da Geórgia, enorme. Teve uma vez que ele me deu um carrinho e me levantou. VAP!
      Caraca, que cara é esse?
      Falei com os brasileiros, e a resposta deles foi: “Seja forte. Pega ele também, pô!”.
      Eu???
      Eles falaram: “Claro! Qualquer coisa estaremos lá para te proteger”.
      Quando o Kaladze dominou a bola, a primeira coisa que eu fiz foi correr e acertar um carrinho nele. VAP! Com ele no chão, meu pensamento foi P***, agora vai dar briga! Ele se levantou e veio na minha direção. Eu já estava pensando na pancada que eu ia levar, mas ele levantou a mão eeeeee....
      ...fez o sinal de positivo.
      “Buon lavoro!”, disse. Bom trabalho. 
      Essa era a mentalidade que eles esperavam no Milan.
      Ancelotti se transformou em uma figura paterna para mim. Ele até deu o nome de Pato para o cachorro dele. Você viu as imagens dele comemorando em Madri há algumas semanas, de óculos de sol e fumando charuto? Olha, no Milan às vezes ele chegava de helicóptero. Ele morava em Parma, e a sua esposa sabia pilotar. Desembarcava ao estilo James Bond. Se alguém sabe viver com estilo, esse é o Carlo.
      Aprendi muito com todas aquelas lendas. Eu sentava ao lado do Ronaldinho no vestiário. Após os treinamentos, o Ancelotti pedia para o Seedorf e o Pirlo treinarem lançamentos comigo para eu entender os movimentos na hora de correr. O Pirlo só falava: “Apenas corra, porque a bola vai chegar”. E sempre chegava.
      Na minha segunda temporada, teve um dia que fomos treinar cobranças de falta. Quem estava lá para bater?
      Pirlo.
      Seedorf.
      Ronaldinho. 
      Beckham. 
      Quer saber? Hoje vou só assistir.
      Claro que todos sabíamos quem comandava o clube. Silvio Berlusconi me ligou certa vez. Era um ótimo chefe, gostava de contar piadas. Eu namorava a filha dele, Barbara. Dito isso, eu adorava driblar todo mundo pelas pontas. Zoooooooom. Silvio, então, me disse: “Por que você fica driblando desse jeito?”. Ele queria que eu jogasse mais perto da área, centralizado. De repente o Ancelotti e o Leonardo começaram a me falar o mesmo.
      Foi por aí que eu marquei aquele gol no Camp Nou. Eu estava no meio de campo e vi um buraco na minha frente. Dei um toque para frente e corri. Vi o Valdés saindo do gol e pensei: “Caraca, o que eu faço? Eu driblo? Toco por cima?”. A minha intenção era finalizar no canto direito, mas a bola passa no meio das pernas dele. Uau, golaço. Mas contei com a sorte também.
      Acho que até Deus queria que a jogada terminasse em gol.
      No fundo, o meu pensamento era: Será que o Guardiola viu o lance inteiro? Eu tenho uma enorme admiração por ele. Depois ele falou que nem o Bolt seria capaz de parar aquele menino. Foi, sem dúvidas, o gol mais bonito que eu já marquei. As narrações do lance são sensacionais.
      As pessoas ainda vêm falar comigo: “Vinte e quatro segundos! Venti quattro secondi!”
      Cara… noites como aquela me faziam acreditar que eu chegaria no topo.
      As expectativas sobre mim eram enormes, né? Eu era o menino prodígio. Estava na Seleção. A imprensa me elogiava, os torcedores falavam sobre mim, até os outros jogadores me colocavam lá em cima.

      Simon Bruty/Sports Illustrated via Getty Images

      PATO SERÁ O MELHOR DO MUNDO.
      PATO VAI GANHAR A BALLON D’OR. 
      Eu amava essa atenção. Eu queria ser o centro das atenções. Mas sabe o que aconteceu?
      Sonhei demais. Por mais que eu me dedicasse no dia a dia, a minha imaginação me levou a vários lugares. Na minha cabeça eu já estava segurando a Bola de Ouro. É inevitável, cara. É muito difícil não se deixar levar. Sofri muito para chegar lá. Por que eu não deveria aproveitar o momento?
      Quando eu venci o Golden Boy como o Melhor Jogador Jovem da Europa, em 2009, eu não estava pensando na Bola de Ouro. Eu estava apenas curtindo o meu futebol e... OPA! Um prêmio.
      Eu era imparável quando estava vivendo o presente.
      Mas a minha mente foi parar no futuro.
      Em 2010 eu comecei a ter muitas lesões. Perdi confiança no meu próprio corpo. Tinha medo do que as pessoas falariam sobre mim. Estava indo treinar com a minha cabeça pensando: Eu não posso me machucar. Se eu me lesionasse, não contava pra ninguém. Uma vez eu estava me recuperando de um problema muscular, torci o tornozelo e continuei jogando. O meu pé parecia uma bola de tão inchado, mas eu não queria decepcionar os meus companheiros. Eu queria agradar a todos — e esse foi um dos meus erros.
      As pessoas esperavam que eu marcasse 30 gols por temporada, mas eu mal conseguia estar em campo. Até dava para administrar a dúvida dos outros sobre mim. Mas e quando a insegurança vem de dentro? É outra coisa.
      Então sabe o que acontece? Você descobre quem te ama de verdade. Muitas pessoas ao meu redor começaram com aquele pensamento: Hmmmmmm, talvez ele não vai chegar lá, afinal.
      Eu me senti sozinho. No Inter eu tinha sido sempre superprotegido. Faziam tudo para mim. Eu não entendia sobre lesões, preparação física ou dietas — porque eu não precisava. Tudo o que tinha de fazer era jogar.
      Então, quando eu tive dificuldades no Milan, eu não tinha ideia do que fazer.
      Hoje em dia todo jogador tem uma equipe em volta dele, né? Médico, fisioterapeuta, preparador físico. Naquela época apenas o Ronaldo tinha isso. Não havia nenhum parente perto de mim, porque a minha família permaneceu no Brasil. Eu tinha empresário, mas ele não cuidava de tudo como os agentes fazem atualmente. Claro que o Milan tinha um departamento médico, mas eles cuidavam de 25, 30 jogadores. Não tinha como estarem comigo todo o tempo.
      Um dia eu joguei contra o Barcelona depois de viajar aos Estados Unidos para fazer uma consulta com um médico em Atlanta. Viajei 10 horas e tive um treino antes da partida. Adivinha? Acabei me lesionando. O Nesta ficou maluco. “Ele não deveria ter jogado, vocês estão loucos??”
      Mas eu simplesmente não entendia. O meu pensamento era: Vamos tentar de novo.
      Sendo honesto, eu não tinha o conhecimento dos bastidores, sabe? No Inter eu nem ligava para contrato. Só quero renovar para poder continuar jogando. Essa parte política eu não entendia. O futebol é como teatro. Você tem que demonstrar ser de um jeito para conseguir aquilo que você quer. Mas eu só via como um simples jogo.
      Quando a imprensa escrevia mentiras sobre mim, eu não tinha um assessor pessoal. Eu deveria ter esclarecido tudo isso há muito tempo, mas eu não compreendia a importância de se comunicar bem e ter bons relacionamentos fora de campo. O que eu ouvia era que o que acontecia dentro das quatro linhas seria o suficiente. Mas essa está longe de ser a verdade.
      Se eu curti muito a noite? Não tanto quanto te fizeram acreditar.
      Faltou ambição para mim? Falavam isso por causa do meu jeito de correr. Mas quem realmente sabe isso? Deus me fez correr dessa maneira. Não consigo mudar.
      Queriam que desse carrinho. Queriam sangue, suor e lágrimas.
      As lágrimas eles acertaram. Paguei um preço alto.
      Eu deveria ter contado a verdade para todo mundo. Você se lembra da história do PSG? Galliani estava na Inglaterra para assinar com o Tévez, e o PSG me fez uma proposta maravilhosa. Eu queria ir — o Ancelotti estava lá. Mas o Berlusconi pediu para eu permanecer no Milan. Como eu estava machucado, os torcedores falaram: “Oooh, o Pato não quis ir! Com o Tévez nós seríamos campeões!”. A imprensa também ficou louca. Mas, o quê? Eu queria ter ido!
      Perdi a Copa do Mundo de 2010. A história do PSG aconteceu em janeiro de 2012. Eu mal estava jogando. A minha parte psicológica estava horrível. Era considerado uma decepção ganhando um salário alto. A torcida queria a minha saída.
      Cara, você sabe o quanto eu tentei voltar a jogar?
      Viajei o mundo atrás de uma solução. Eu me consultei com todos os médicos possíveis — e mais alguns. Em Atlanta me colocaram de cabeça para baixo e me fizeram girar. O diagnóstico? Os meus reflexos não estavam alinhados com os meus músculos. Na Alemanha, um médico me deu injeções nas costas inteiras — no dia seguinte eu estava andando no aeroporto de Munique todo curvado por causa de dores. Tinha outro que colocava 20 agulhas de manhã, antes do treino, e mais 20 antes de dormir. Eu poderia continuar para sempre com essas histórias.
      Eu visitei o sexto médico, depois o sétimo, oitavo... cada um deles falava algo diferente. Caraca, o que eu tenho???
      Eu chorei, chorei, chorei. Tive medo de nunca mais jogar futebol.
      Por isso que eu fui para o Corinthians, em janeiro de 2013. Sim, eu queria estar na Copa de 2014. Mas eu também tinha o desejo de trabalhar com o Bruno Mazziotti, o fisioterapeuta do Ronaldo. Quando eu cheguei lá, eles removeram um músculo do meu braço para fazer uma biópsia. Eu tremia na maca. Depois de 20 dias eles chegaram à conclusão de que alguns dos meus músculos tinham encurtado por causa das lesões. A parte posterior da minha perna estava mais fraca do que a região da frente, então existia uma descompensação.
      Graças a Deus, o Bruno me colocou em forma de novo. Desde 2013, acho que tive apenas três lesões musculares.
      Foi uma pena como tudo terminou no Corinthians.
      Cheguei como um astro do futebol europeu, com um salário alto, o que já cria uma distância em um país tão desigual como o Brasil. Então a exigência da torcida era gigantesca. Quando eu perdi o pênalti contra o Grêmio nas quartas de final da Copa do Brasil, fui o único culpado. Sim, eu cometi um erro, mas não é verdade que colegas de elenco tentaram me bater. Ninguém fez nada. Mas os torcedores queriam me bater e me matar. Eu passei a andar de carro blindado em São Paulo, com seguranças armados e bombas de gás lacrimogênio. Os torcedores invadiram o CT com pedaços de pau e facas. Isso é uma loucura, algo assustador. Isso não deve ter lugar no futebol de jeito nenhum.
      Sabe por que eu joguei muito melhor no São Paulo? Porque eles cuidaram de mim. Lá eu só precisava jogar. Mas quando o Chelsea se interessou por mim, eu ainda sonhava em voltar para a Europa.
      Infelizmente, mais uma vez eu paguei o preço por ser superprotegido.
      Eu ainda não entendia os bastidores. Pensei que fossem me levar por empréstimo por seis meses e depois eu assinaria um contrato por mais três anos. Eu não sabia que eles poderiam dizer não depois do empréstimo. E se eu soubesse? Teria ido para outro clube. Foi uma pena, porque eu estava treinando muito bem, mas o técnico me colocou para jogar em apenas dois jogos. Nunca entendi direito o porquê.
      Depois tive de me reapresentar ao Corinthians, onde algumas pessoas queriam me ver pelas costas. Como eu queria permanecer na Europa, decidi fazer algo inédito na minha carreira. Liguei para o Bonera, com quem eu havia jogado no Milan e que estava no Villarreal. “Bony, você acha que eles teriam o interesse?”
      Bom, o Marcelino, então treinador, me ligou, ofereceu as condições e poucos dias depois eu estava a caminho da Espanha. OPA! Eu mesmo resolvi a minha transferência.
      Contatos. Relacionamentos. É assim que o futebol funciona.
      Esse foi um ponto de virada para mim. Todos aqueles anos eu me comportei como se eu ainda fosse um garoto no Inter. Aos 27 anos, eu percebi que precisava mudar. Tive de assumir o comando da minha carreira.
      Assumi a responsabilidade do meu destino.
      Infelizmente, a minha passagem do Villarreal não durou tanto, mas o Tianjin Tianhai foi uma grata surpresa. Quando eu fui para a China, eu estava solteiro e mudei com um amigo. Por quê? Para me conectar com o meu interior. Eu nunca tinha parado para ter um panorama geral da minha vida. Do que eu gosto? O que é importante para mim?

      Sam Robles/The Players' Tribune
       
      Passei a cuidar da minha saúde mental e dos meus relacionamentos. Comecei a fazer terapia. Aprendi a encontrar a felicidade no trabalho duro. Ainda me divertia, mas entendi que o futebol era o meu trabalho, sabe? Passei a ter responsabilidade por todos os aspectos da minha carreira. Em Milão eu passei o primeiro ano inteiro sem ficar fluente no italiano. Na China, aprendi sobre a culinária e a cultura logo de cara. Passei até a cozinhar noodles em casa.
      O garoto amadureceu. Eu estava jogando bem. Entendi que o futebol vai muito além do que acontece no campo, e isso foi muito gratificante.
      Foi como encontrar o verdadeiro propósito da vida.
      Aí eu acabei dando um passo em falso.
      Depois da minha passagem na China, eu ainda estava solteiro, então eu decidi aproveitar a minha liberdade. Fui para Los Angeles. Queria o melhor hotel, o melhor carro, as melhores festas.
      Estava em um lugar e, de repente, uma menina começou a cheirar cocaína do meu lado.
      Caraca, o que eu tô fazendo aqui?
      Peguei as minhas coisas e saí. Não quero isso para a minha vida, esse mundo vazio. Falei com o meu amigo. “Será que vou passar o resto da minha vida sozinho?”.
      Decidi voltar para o Brasil. Mandei uma mensagem para uma até então amiga, a Rebecca. “Quer dar uma volta?”.
      “Vamos tomar um café”, ela respondeu.
      Eu me encontrei com ela e depois de poucos segundos...
      Cara, é isso o que eu quero.
      Chamei ela pra sair de novo.
      Coloquei uma roupa bacana, fiquei todo no estilo. Ela disse:
      “Vamos à igreja.”
      Igreja?
      Cara, que surpresa. A Bíblia tinha todas as respostas que eu estava procurando há anos. Olhei para o céu e falei: “Senhor, não quero mais aquela vida”.
      Naquele dia tudo mudou para sempre.
      Desde então eu passei a viver uma realidade totalmente diferente. Quando eu me transferi para o Orlando e logo machuquei o joelho, eu poderia ter desabado. No dia seguinte eu resolvi voltar mais forte e agora sei tudo de joelho. Tem uma lesão? É só ligar para o médico Alexandre.
      A minha carreira poderia ter tomado um rumo diferente? Claro. Mas é fácil olhar para trás e dizer o que eu deveria ter feito. Quando você está no meio do furacão, você não enxerga o todo. Por isso, não tenho arrependimentos. Olhe para o lado bom, cara. Estou em forma. Minha saúde está ótima. Ainda amo o futebol.
      Por que eu deveria estar amargurado? Só temos uma chance de viver neste mundo.
      Ainda acredito que posso disputar uma Copa. Veja o Thiago Silva e o Dani Alves jogando bem aos 37 e 39 anos.
      Mas essas coisas acontecem no tempo de Deus. Eu vivo o hoje. O resto é com Ele.
      Conforme você envelhece, você entende o que te faz feliz. Quando eu saí de casa, eu pensava que o futebol tinha tudo o que eu queria. Fui para a Itália, Inglaterra, Espanha, China. Sofri, chorei, gritei de dor. Eu estava quase sempre sozinho.

      Andrea Vilchez/SPP/Sipa USA Via AP Images
       
      Sim, eu não me tornei o melhor do mundo. Mas eu vou te falar uma coisa, cara.
      Vejo os meus pais com muito mais frequência — estamos recuperando o tempo perdido.
      Tenho um relacionamento maravilhoso com os meus irmãos.
      Estou em paz comigo mesmo.
      Sou um filho de Deus.
      Amo a Rê, a minha esposa.
      Do meu ponto de vista, eu tenho muitas Bolas de Ouro.
      Se a vida é mesmo um jogo, eu venci.
       
      --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- 
       
      Link para a página original.
      Relato bem legal do Pato sobre a carreira, acho que cabe uma bela discussão sobre isso e como deve ter acontecido com muitos outros.
    • pesquisaKULeuven
      By pesquisaKULeuven
      Olá,
      Sou uma pesquisadora brasileira da Universidade Católica de Leuven (KU Leuven), na Bélgica, e estou conduzindo um estudo sobre a opinião dos torcedores relacionadas a presença de jogadores de futebol homossexual em times de futebol masculino.
      Recentemente, o mundo do futebol tem presenciado atletas assumindo sua homossexualidade, bem como diversas intituições tem organizando campanhas no mundo todo para combater a homofobia no esporte, como foi o caso da revista de futebol alemã 11Freunde (11 Amigos), que reuniu centenas de jogadores de futebol em apoio a colegas LGBTQ+ e se posicionar contra a homofobia no esporte.
      Link para a notícia: https://p.dw.com/p/3pYDX (publicado em 18 de Fevereiro de 2021)
      No entanto, muitos jogadores não se sentem a vontade ainda para revelar sua orientação sexual publicamente, por temerem uma pressão de sua torcida, colegas e da imprensa. Algumas pessoas afirmam que o futebol brasileiro não está pronto para abraçar esta causa. Gostaria de avaliar como os torcedores de futebol no Brasil se sentem em relação a este tópico. Caso tenha interesse, por gentileza deixe seu comentário abaixo. Agradeço desde já pelo seu tempo e informação disponibilizados.
    • Aleef
      By Aleef
      Neymar y la sociología del odio
       
      Haciendo un juego semiótico podemos suponer que el sujeto del brevísimo cuento de Monterroso es Neymar Jr y el dinosaurio, el Odio. Se pueden dibujar en el contorno convulso de Neymar todos nuestros vicios como sociedad. Nuestros miedos, nuestras envidias, producto de un destilamiento de la frustración que nos sirve como bálsamo a la vez que como excusa. El Odio es nuestra droga. Odiar es alejarse de uno mismo para concentrar toda la energía en otro y esto es mucho más sencillo.
      El nombre del brasileño es un arma de doble filo, usada por el gremio periodístico de forma indistinta dependiendo de los intereses que se esconden detrás. A un lado, el grupo mayoritario. Aquellos que usan el nombre de Neymar como reprimenda a un fútbol que no les gusta -aunque esto sea mentira, porque lo que no les gusta es el fútbol, en genérico-, blandiendo esas seis letras con autoridad moral recordando la vileza en cada gesta extrafutbolística de Neymar. Así se logra que, una vez se habla de él, la muletilla de “el cumpleaños de su hermana” lo acompañe siempre. Neymar es, para este grupo, el estandarte de algo que les causa cierta repulsión. Neymar “atenta contra el fútbol”, dicen. Lo irónico es que no hay futbolista más lúdico que él. Su juego provoca en el espectador el Síndrome de Stendhal, un fútbol barroco, lleno de ornamentos que en realidad no esconden nada más que una intencionalidad venenosa. Neymar es la verdad. Es fútbol.
      Para el otro grupo, más reducido, Neymar es aquello que nos obliga a seguir pellizcándonos, a tiritar cuando el brasileño tiene el día. Creer en Neymar es como leer un samizdat peligroso. Su nombre lleva implícito cierto rechazo social. El Odio, en toda su complejidad, se entiende si uno posa su mirada sobre la figura del liviano delantero del -también odiado- PSG.
      Quien odia, no necesita argumentos para justificar su odio. Le basta con percibir la realidad como algo que le ataca constantemente. Neymar, al parecer, molesta a mucha gente. Y ahí entra en juego el relato. La narratología lleva décadas tratando de explicar cómo se construyen estos relatos que dominan todas y cada una de las esferas de nuestras vidas. El caso del brasileño no es distinto. A su llegada al Barcelona, al foco mediático, las luces empezaron a apuntar y fortalecer un discurso extrafutbolístico que casaba con el brasileño estereotipado: fiestero, provocador, amante de los salseos, piscinero reincidente. Una serie de características preconcebidas, y es que el fútbol es el terreno fértil del prejuicio. En ningún sitio circula tanto como en el del balompié. Ahí, el relato amarró.
      Su nombre lleva implícito cierto rechazo social. El Odio, en toda su complejidad, se entiende si uno posa su mirada sobre la figura del liviano delantero del PSG
      Poco importó todo lo demás, que es el fútbol, que lo es todo. Porque ahí va una realidad que duele y agrieta el relato. El fútbol no importa, es prescindible. Hablar de fútbol sin fútbol, como comer sopa sin caldo o macarrones sin tomate. Ha quedado como un objeto vacío de contenido, porque todo el marro se ha ido a los bordes, habitados por toda clase de polémicas y discursos incendiarios que alejan cada vez más y más el juego del centro del debate. El Odio lo colapsa todo, vertebrando un debate que no es tal en tanto que no existe bidireccionalidad, sino que solo funciona en una misma dirección. Y mientras discutimos, Neymar se nos apaga, se acaba su fútbol que hace no tanto parecía infinito. Nos estamos perdiendo los mejores días del jugador más divertido del planeta y nadie dice nada. Nadie llora.
      La gente no ve fútbol. Eso no es un problema, claro. La cosa se pone chunga cuando la gente no ve fútbol y opina categóricamente como si cada fin de semana estuviera delante de la tele viendo el Rennes-PSG de turno. “Es que en la Ligue 1 no tiene mérito”, repiten, obcecados por un odio carente de sentido. Y es que la Ligue 1 es la excusa, el blanco fácil. El prejuicio. De poco sirve cuando, en la pasada Champions, Neymar se coronó con dos partidos mayúsculos antes de la final. Una final perdida cuenta por todas las victorias de tu vida, ese es el peaje que pagar si quieres ganar.
      En Neymar jamás importó la victoria, pues en el reverso de su figura hay miles de flechas clavadas que dejan a la vista un esqueleto debilitado por el relato perverso que rodea la figura de uno de los mejores futbolistas del siglo XXI. Neymar es ya bastante mejor futbolista de lo que lo fue Ronaldinho, más completo, con más trayectoria y con mayor determinación. Más goles, más asistencias, más longevidad. Pero menos relato. Puede que hasta dentro de 20 o 30 años no se le reconozca tal realidad a Neymar porque el Odio es hereditario, a veces patológico, se traslada como en los viejos tiempos, a través del cuento contado al lado de la hoguera. Luchar contra esto es un reto casi imposible.
      Neymar se durmió. Como el personaje de Monterroso. Se durmió cuando se marchó del Barça porque los ojos ávidos de seguirle se apagaron. Nadie le miró allí. Lo olvidaron. Solo les llegaba la noticia de su lesión cada mes de febrero, noticia que asociaban con cumpleaños y carnavales. La victoria del relato es esta. Creernos que un ganador como Neymar no quiere ganar. Creer lo imposible. Se durmió y, cuando despertó, lejos del foco mediático obsesivo y tóxico del Barça, lejos de todo ruido de fondo que alejara el juego del centro, el Dinosaurio todavía estaba allí. El Odio, descubrió Neymar, no tiene fronteras. Su lenguaje es universal.
      Cuando Neymar despertó, el Odio todavía estaba allí.
       
       
      Fonte: Panenka
    • oıqqǝɹƃEternoFilhoColorado
      By oıqqǝɹƃEternoFilhoColorado
      Sou novo aki e eu queria saber oq acham das chuteiras da Adidas, os modelos Court/Boost/Street/Top Sala são as que são pra Futsal, eu tava olhando e tals e achei muito bonitas e parecem ser boas pois contam com bom amortecimento e possuem cabedal dos modelos Pro de campo. Levando em conta que não são vendidas no Brasil, apenas em sites estrangeiros (em dólar e euro), mesmo assim algumas valem a pena custando até 200 reais sem frete. Oq acham?
      Alguns exemplos nas fotos:

       
       
    • Ibarra
      By Ibarra
      PES 2021: Lançamento, Novidades, Parcerias de Clubes O PES 2021 é um dos jogos dos lançamentos mais aguardados para 2021. Afinal, ele é um dos melhores jogos de futebol de todos os tempos. Devido a essa importância, é tudo sobre ele que você poderá encontrar aqui neste post. Mostraremos para você as incríveis novidades desse jogo e, também, a sua data de lançamento. Quer ficar por dentro de tudo isso? Então, continue lendo esse post até o final.
      Visto que o PES 2021 promete ser um dos melhores jogos do próximo ano, nos temos a certeza que você não vai querer ficar de fora de nenhum detalhe sobre esse jogo. Segundo a fabricante, ele chegará para o ano de 2021 com grandes novidades e uma atualização incrível. Vem conferir todos esses detalhes aqui conosco!
      PES 2021
      O Pro Evolution Soccer, popularmente conhecido apenas como PES, é um dos melhores jogos de futebol que existem atualmente. O primeiro jogo dessa série incrível teve seu lançamento em  23 de novembro de 2001. Sendo que, a partir desse ano, a Konami, fabricante do jogo, se comprometeu em lançar anualmente uma nova edição desse jogo.
      A última edição do PES, ganhou nada mais nada menos do que o prêmio de Melhor Jogo de Esportes da E3 2019. Foi também a primeira edição com a mudança do nome da franquia com a adição de ‘eFootball’ em seu nome. Diante disso, agora os jogos da série começaram a ser chamados pelo nome de eFootball Pro Evolution Soccer. Além disso, o PES 2020 marcou a volta de  Lionel Messi à capa do jogo. 
      Segundo a fabricante o PES 2021 chegará durante o próximo ano repleto de grandes novidades e surpresas para todos os jogadores que, poderão usufruir de um jogo de alta qualidade e definição de imagem.
      Dito isso e mais um pouco, continue lendo esse post para você conferir tudo sobre a nova edição do eFootball Pro Evolution Soccer.

      Novidades do PES 2021
      Sem mais delongas, confira agora mesmo algumas das incríveis novidades do PES 2021.
      Nova Técnica de Drible: Drible Finesse Mecânica de trapping melhorada Precisão de chute sensível ao contexto Defesa mais realista Física de bola melhorada Interação de jogador adaptativa Novas capacidades e habilidades “Jogue como Ronaldinho”
      Parcerias do PES 2021
      Visando manter seu público e seu favoritismo entre os melhores jogos de futebol, o PES 2021 estabeleceu importantes parcerias com os clubes nacionais e, também, com os internacionais.
      Diante disso, confira agora mesmo quais foram essas parcerias realizadas.
      País Equipe Notas  Espanha FC Barcelona Continua, estádio exclusivo RCD Mallorca Novo, estádio exclusivo  Inglaterra Arsenal FC Continua Manchester United Retorna  Itália AC Milan Continua Internazionale Continua Juventus Retorna, clube e estádio exclusivos  França AS Monaco Continua  Alemanha Bayern de Munique Retorna, estádio exclusivo FC Schalke 04 Continua  Escócia Celtic FC Continua Rangers FC Continua  Argentina Boca Juniors Continua, estádio exclusivo River Plate Continua, estádio exclusivo  Brasil Atlético Mineiro(1971) Novo SC Corinthians(2017) Continua, clube e estádio exclusivos Flamengo(2019) Continua, clube exclusivo Palmeiras(2018) Continua, clube exclusivo São Paulo FC(2008) Continua, clube exclusivo Sport Recife (1987) Novo, clube exclusivo Vasco da Gama(2000) Continua, clube e estádio exclusivos e patrocinado pelo jogo  Chile Colo-Colo Continua, clube e estádio exclusivos Universidad de Chile Novo, clube exclusivo  Peru Alianza Lima Continua, clube exclusivo Sport Boys Novo, clube exclusivo e patrocinado pelo jogo Sporting Cristal Continua, clube exclusivo e patrocinado pelo jogo Universitario Novo, clube exclusivo e patrocinado pelo jogo  
       
       
×
×
  • Create New...