Jump to content

Ucrânia: inferno


MarkuZ

Recommended Posts

  • Replies 77
  • Created
  • Last Reply

No meio da confusão, a região de Lviv declarou independência. Vai ter muita confusão ainda.

O pior é esbarrar naquele fórum de extrema direita e ver o pessoal torcendo e rindo da hipótese da UE ou dos EUA acabarem ajudando uma revolução de extrema direita.

Link to comment
Share on other sites

No meio da confusão, a região de Lviv declarou independência. Vai ter muita confusão ainda.

O pior é esbarrar naquele fórum de extrema direita e ver o pessoal torcendo e rindo da hipótese da UE ou dos EUA acabarem ajudando uma revolução de extrema direita.

É aquele forum que eu to pensando?

Pelo que andei lendo, Lviv não declarou independência, mas parou de reconhecer a autoridade das decisões do Governo Central (Yanukovich) para proteger os seus cidadãos dos conflitos que ocorrem em Kiev (segundo eles).

E não, não me parece uma revolução de extrema direita. Tem mais cara de conflito étnico, tipo os da Iugoslávia.

Link to comment
Share on other sites

É aquele forum que eu to pensando?

Pelo que andei lendo, Lviv não declarou independência, mas parou de reconhecer a autoridade das decisões do Governo Central (Yanukovich) para proteger os seus cidadãos dos conflitos que ocorrem em Kiev (segundo eles).

E não, não me parece uma revolução de extrema direita. Tem mais cara de conflito étnico, tipo os da Iugoslávia.

Esse gráfico é sensacional:

ukraine-map-composite.jpg

Pra quem não entendeu:

Figura 1 mostra em azul a parte da população que identifica o russo como língua materna.

Figura 3 mostra em laranja a parte do país que votou em Viktor Yuschenko em 2004, e em roxo quem votou em Viktor Yanukovych. Entre novembro de 2004 e janeiro de 2005, rolou a Revolução Laranja. O pessoal reclamava de fraudes na eleição vencida por Yanukovych por 3% de vantagem no segundo turno. A Suprema Corte acabou anulando essa eleição, posteriormente o Yuschenko venceu por 52% a 44%.

Figura 4 mostra novamente a divisão no país, entre os que votaram no Yanukovych (azul) e no Tymoshenko (amarelo). O Yanukovych ganhou a eleição e é o atual presidente.

O gráfico eu tirei dessa matéria do Washington Post, que recomendo bastante, e os dados, da Wikipédia, claro.

----

'Estou morrendo', tuíta manifestante ucraniana baleada no pescoço

32835e37-9763-40cc-8b2e-69c32dc33500-460

"Eu estou morrendo". Esse foi o último tuíte da ucraniana Olesya Zhukovskaya, 21, uma socorrista voluntária ao ser aparentemente atingida por um tiro no pescoço nesta quinta-feira (20), durante enfrentamentos entre manifestantes e forças governamentais em Kiev, na Ucrânia.

A mensagem foi publicada no Twitter e também no VK (uma espécie de Facebook russo). "Estou morrendo" (tuíte abaixo, em ucraniano), diz o texto.

120.jpg

A postagem da jovem médica correu o mundo, causou comoção e deu uma carga emocional extra à situação já dramática da Ucrânia, com a morte de dezenas de manifestantes nos confrontos com a polícia no centro de Kiev só nesta quinta.

De acordo com informações da agência AFP, a jovem sobreviveu ao ferimento. Ela foi submetida a uma cirurgia de emergência e se recupera em um hospital da capital. O estado de saúde é desconhecido.

A agência cita como fonte o "Euromaidan" --nome adotado pelo movimento de contestação ao poder do presidente Viktor Yanukovytch.

"Tudo vai ficar bem com você! Eu rezo por você! A Ucrânia inteira reza por você!", escreveu Anastasiya Sosnovaya, integrante do grupo, na internet.

Em mensagens anteriores, Zhukovska pediu apoio da população para os protestos. "Urgente, todos os moradores de Kiev! Precisamos do seu apoio para acabar com esse matadouro..."

De acordo com informações de sua conta no microblog, ela chegou a Kiev esta semana e visitou ontem a praça Independência pela primeira vez. Na quarta-feira (19), ela teria se refugiado em uma igreja, onde o sinal do celular funcionava melhor.

Ordem para atirar

O ministro do Interior da Ucrânia, Vitaliy Zakharchenko, afirmou hoje que ao menos 67 policiais são reféns dos manifestantes antigoverno que tomam as ruas do centro da capital Kiev. As autoridades não sabem para onde eles foram levados.

Zakharchenko disse também ter assinado uma ordem que autoriza a polícia a disparar contra manifestantes "dentro dos parâmetros da lei". Ele também afirmou ter liberado o uso de armas de combate pelas forças de segurança.

"Essas medidas foram tomadas para preservar a vida e o bem-estar dos policiais. Eles usarão as armas em autodefesa", afirmou.

Mortos

Ao menos 21 manifestantes ucranianos morreram durante enfrentamentos com a polícia hoje, na capital Kiev. O total de pessoas mortas nos protestos dos últimos dias chegou a 47 – na terça-feira (18), dia mais violento desde que a revolta contra o governo começou, 26 morreram.

Jornais locais disseram que ao menos 13 das vítimas de hoje foram baleadas na cabeça por franco atiradores na praça Independência, ponto de concentração dos protestos antigoverno.

O lobby de um hotel nos arredores da praça foi usado pelos manifestantes como necrotério improvisado e hospital para o tratamento dos feridos. (Com agências internacionais).

Fonte: UOL (texto), The Guardian (foto)

Link to comment
Share on other sites

Só para situar, não é bem uma revolução de extrema-direita (apesar de alguns pateticamente acharem que seja).

É apenas ao fato de que o atual governo ucraniano sinalizou propostas de aproximação maior com a Rússia do que com a União Europeia (os ucranianos, tal como os poloneses, odeiam os russos). Aí começou com manifestações comuns, o governo agiu pior para reprimir, e aí o negócio tomou proporções catastróficas.

Nesse ponto, muito melhor seria o governo renunciar (mas não parece seguir nesse caminho).

Link to comment
Share on other sites

É aquele forum que eu to pensando?

Pelo que andei lendo, Lviv não declarou independência, mas parou de reconhecer a autoridade das decisões do Governo Central (Yanukovich) para proteger os seus cidadãos dos conflitos que ocorrem em Kiev (segundo eles).

E não, não me parece uma revolução de extrema direita. Tem mais cara de conflito étnico, tipo os da Iugoslávia.

Sim, só que os principais partidos de oposição são de extrema direita, logo se eles chegarem ao poder...

O que está por trás das manifestações na Ucrânia?

Os protestos começaram depois que o presidente Viktor Yanukovych anunciou sua decisão de não assinar um acordo de cooperação com a União Europeia, que poderia, no futuro, ter a Ucrânia como um de seus membros.

A questão, no entanto, é mais complexa e tem raízes na história recente do país, nascido após a desintegração da ex-União Soviética.

O país está no meio de uma disputa de forças entre grupos que querem mais proximidade com a União Europeia e outros que têm mais afinidiade com a Rússia.

Quem são os manifestantes?

Os manifestantes são sobretudo de Kiev e do oeste da Ucrânia, região mais pró-Europa. Do outro lado do espectro político, os pró-Rússia vivem sobretudo no leste do país, onde o russo é a língua dominante, um resquício dos tempos da União Soviética.

Além da questão da integração com a Europa, acusações de corrupção contra integrantes do atual governo, pró-Rússia, também tem motivado os protestos.

Os três partidos de oposição no Parlamento se juntaram aos protestos. O ex-campeão de boxe Vitali Klitschko tornou-se uma das caras do movimento. Hoje ele é o líder do movimento Udar (soco, em ucraniano) e possível candidato à presidência em 2015.

A oposição também é formada por uma novidade, os ultranacionalistas, formados após a Revolução Laranja de 2004. O partido de extrema-direita Svoboda (liberdade) é liderado por Oleh Tyahnybok .

O terceiro partido também é parte da extrema-direita. O Bratstvo (irmandande) estaria por trás dos enfrentamentos com a polícia durante os protestos.

Por que Yulia Tymoshenko é importante?

Fotos da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko são comuns nos protestos. A razão é que Yulia tornou-se, internacionalmente, a cara da oposição a Yanukovych, sobretudo na Europa.

Yulia foi presa em 2011, acusada de abuso de poder durante um acordo sobre comercialização de gás com a Rússia, em 2009. Ela foi condenada a sete anos.

Yulia se diz presa política e muitos líderes europeus condenam sua prisão. A Corte Europeia de Direitos Humanos não chegou a tanto, mas julgou que a detenção de Yulia antes mesmo de ser julgada configurou uma arbitrariedade.

A libertação de Yulia era uma das pré-condições impostas pela União Europeia para a assinatura de um acordo de associação com a Ucrânia. Yanukovych resiste, no entanto, às pressões para libertar Yulia, que também alega problemas de saúde e pede para ser tratada na Alemanha.

Yulia apoia o acordo com a União Europeia. Ela foi uma das líderes da Revolução Laranja de 2004, que conseguiu remover Yanukovych do poder, após alegações de fraude nas eleições. Na ocasião, como hoje, ele era apoiado por Moscou.

Qual é a posição da Rússia?

Para muitos analistas, Yanukovych está sob direta pressão da Rússia. O anúncio abrupto de que o acordo com a União Europeia não seria assinado veio logo após os russos ameaçarem impor sanções à Ucrânia. Logo antes da decisão, Yanukovych foi chamado de última hora para um encontro com o presidente russo Vladimir Putin, em Moscou.

Durante as negociações, a Rússia impôs checagens mais rigorosas na fronteira e chegou a bloquer a importação de produtos ucranianos.

Para analistas, a reação russa foi um recado para Yanukovych, caso ele viesse a assinar o acordo. A Ucrânia tem fortes laços econômicos com a Rússia e depende do gás russo. Boa parte das exportações do país também tem a Rússia como destino.

Yanukovych, eleito democraticamente em 2010, tem sua base no leste da Ucrânia. Dos dois lados da fronteira, os laços com a Rússia são considerados cruciais. Daí o acordo haver se tornado uma disputa por influência na Ucrânia.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/12/131215_ucrania_protestos_geopolitica_mm.shtml

Link to comment
Share on other sites

Não vejo porque temer os partidos de extrema-direita, é assim que Japão e Sérvia (acredito que tenham mais países governados por partidos de extrema-direita, mas só lembro desses dois assim repentinamente) sem maiores incidentes, é lógico que tem aquela questão do ultranacionalismo, mas acho isso muito mais característica da população do que de forma de Governo.

Parece que oficialmente são 75 mortes desde o início dos protestos, isso é muita coisa, ditadores foram derrubados no Oriente Médio por muito menos e só mostra como a política externa da União Europeia é falha quando falamos da Rússia, acho difícil o Yanukovych sair do poder com o apoio Russo, e olha que a Ucrânia sequer faz parte da OTAN, não fosse a posição de apoio Russa acredito que os caças da OTAN já estariam bombardeando Kiev.

Eu li que um dos desdobramentos poderia ser a divisão da Ucrânia na parte Russa e Ucraniana, com isso a Rússia recuperaria a Crimeia.

Link to comment
Share on other sites

Só para situar, não é bem uma revolução de extrema-direita (apesar de alguns pateticamente acharem que seja).

É apenas ao fato de que o atual governo ucraniano sinalizou propostas de aproximação maior com a Rússia do que com a União Europeia (os ucranianos, tal como os poloneses, odeiam os russos). Aí começou com manifestações comuns, o governo agiu pior para reprimir, e aí o negócio tomou proporções catastróficas.

Nesse ponto, muito melhor seria o governo renunciar (mas não parece seguir nesse caminho).

Os ucranianos elegeram um partido pró-Rússia, então não vejo muito sentido no que você está dizendo. A não ser que justifique isso invocando uma "ucraneidade" verdadeira, ou que seria muuuuito complicado.

Link to comment
Share on other sites

Os ucranianos elegeram um partido pró-Rússia, então não vejo muito sentido no que você está dizendo. A não ser que justifique isso invocando uma "ucraneidade" verdadeira, ou que seria muuuuito complicado.

A questão como já demonstrada no mapa de "falantes russos" trata de algumas regiões específicas que ainda são Pró-Rússia e não o povo na sua totalidade. Essa região em específico votou para eleger um partido Pró-Rússia enquanto as outras pulverizaram seus votos em diferentes partidos. Não é a Ucrânia inteira que está nessa guerra civil.

Além disso, nunca é lá muito justo justificar somente com "o povo elegeu é porque apoia". Se fosse assim, nenhum impeachment se justificaria.

Link to comment
Share on other sites

Os ucranianos elegeram um partido pró-Rússia, então não vejo muito sentido no que você está dizendo. A não ser que justifique isso invocando uma "ucraneidade" verdadeira, ou que seria muuuuito complicado.

Não foi exatamente isso, acho que ficou bem definido, a "Ucrânia Oriental" apoiou o Yanukovich enquanto a parte Ocidental do país escolheu a Yulia Tymoschenko, nas eleições o país ficou literalmente dividido.

Hoje de madrugada o Governo Ucraniano soltou uma nota afirmando que chegaram a um senso comum com os diplomatas da UE, acredito que o Yanukovich aceite eleições mais cedo.

Link to comment
Share on other sites

Texto bem interessante sobre como a Ucrânia pode estar saindo desta crise e, ao mesmo tempo, ganhando força para enfrentar as próximas (em inglês): http://www.washingtonpost.com/blogs/worldviews/wp/2014/02/21/ukraines-parliament-may-have-just-saved-the-country-from-its-crisis/

Edit: mapa interessante feito pela AFP

bb2obm3iyaaei_v.jpg

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

Diz que o presidente fugiu, foi destituído e eleições vão rolar em Março.

Link to comment
Share on other sites

Acho que o problema principal da Ucrânia é ela ser maior do que deveria ser. Existem 3 'ucrânias', a do povo russo, a do povo ucraniano e a dos tártaros da Criméia (essa bem menor). Claro que a parte russa ficou bem maior depois da 'russonificação' e do massacre dos ucranianos, mas o problema da inserção da parte agora culturalmente russa na disposição atual do país ocasionou o que vimos.

Link to comment
Share on other sites

Não vejo porque temer os partidos de extrema-direita, é assim que Japão e Sérvia (acredito que tenham mais países governados por partidos de extrema-direita, mas só lembro desses dois assim repentinamente) sem maiores incidentes, é lógico que tem aquela questão do ultranacionalismo, mas acho isso muito mais característica da população do que de forma de Governo.

Parece que oficialmente são 75 mortes desde o início dos protestos, isso é muita coisa, ditadores foram derrubados no Oriente Médio por muito menos e só mostra como a política externa da União Europeia é falha quando falamos da Rússia, acho difícil o Yanukovych sair do poder com o apoio Russo, e olha que a Ucrânia sequer faz parte da OTAN, não fosse a posição de apoio Russa acredito que os caças da OTAN já estariam bombardeando Kiev.

Eu li que um dos desdobramentos poderia ser a divisão da Ucrânia na parte Russa e Ucraniana, com isso a Rússia recuperaria a Crimeia.

o PROBLEMA Bohannon é que junto ao "extrema-direita" vem os "descabeçados de ações equivocadas" como disseminação de lavouras para o transgênico, utilização excesiva de energia nuclear com coisas que representam muitos riscos, e outras coisas "sem cabimento".

A Rússia também é "sem cabimento". Veja se encontra socialismo aqui:

http://vivendociencias.blogspot.com.br/2010/12/relacoes-ecologicas.html

Link to comment
Share on other sites

Você tá bem Zoroastro?

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

Será que depois disso vai existir algum movimento separatista tanto da Ucrânia quanto da Russânia?

Link to comment
Share on other sites

Eu só quero entender como esses eslavos justificam o próprio nazismo, já que a ideologia não é propriamente fascista, dados os símbolos germânicos utilizados.

Link to comment
Share on other sites

FODEO

Ucrânia dizendo que 2 mil militares russos invadiram a Crimea. Maior empresa de telecom ucraniana disse que não tá conseguindo conectar Crimea com o resto do país.

GUERRA, MANOS

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

  • Similar Content

    • grollinho
      By grollinho
      Tópico dedicado para discutirmos as mudanças climáticas.
      ---
      Terra tem em 2023 o mês de setembro mais quente da história
      Depois de julho e agosto terem sido os mais quentes já registrados, os cientistas afirmaram que 2023 caminha para ser o ano mais quente da história
       
      O planeta Terra teve em 2023 o mês de setembro mais quente da história.
      Foi o maior salto de temperatura de todos os tempos. A média global superou o recorde anterior em 0,5º C, uma margem muito acima da esperada por cientistas. A temperatura do planeta em setembro ficou 1,8º C acima dos níveis pré-industriais.
      De acordo com o serviço de mudanças climáticas Copernicus, o fenômeno climático El Niño, que esquenta a superfície do Oceano Pacífico, potencializou o aquecimento causado pelas emissões de gases. E não para por aí. Depois de julho e agosto terem sido os mais quentes já registrados, os cientistas afirmaram que 2023 caminha para ser o ano mais quente da história.
      No Hemisfério Norte, o verão foi de temperaturas extremas. Um incêndio que devastou mais de 15 mil hectares na ilha espanhola de Tenerife, em agosto, ressurgiu por causa dos ventos fortes e do calor atípico para outubro. O pico mais alto da Europa, o Mont Blanc, perdeu mais de 2 m de altura nos últimos dois anos.
      O início do outono na Europa fica marcado, mais uma vez, por temperaturas altas. A partir de sexta-feira (6), nove regiões de Portugal entram em alerta por causa de mais uma onda de calor. A maior parte do país deve atingir temperaturas superiores a 30º C, bem acima da média para essa época do ano.
    • fórum brasil
      By fórum brasil
      Em 26 de setembro de 2022, ocorreram quatro "choques" submarinos no Mar Báltico, seguidos da descoberta de três vazamentos no Nord Stream I e Nord Stream II, dois gasodutos russos que transportam energia diretamente para a Alemanha, causando uma grande quantidade de gás. vazar dos oleodutos para o mar próximo. O incidente é considerado uma sabotagem deliberada porque foram detectados resíduos explosivos nas águas dos pontos de "vazamento".
      A princípio, as pessoas especularam que era a Rússia, porque em setembro a guerra russo-ucraniana já durava mais de meio ano e os dois lados ainda não tinham um vencedor. Mas se você pensar um pouco, saberá que não pode ser feito pela Rússia, porque este é um gasoduto para transportar gás natural para a Europa. A Rússia dá gás e recebe dinheiro. A guerra na Rússia é apertada e os gastos militares são enormes. Como é possível cortar o caminho financeiro neste nó-chave?
      Isso é a Ucrânia? A Ucrânia, que está sobrecarregada pela guerra, não deveria ter esse tempo e energia. A União Europeia? Muito provavelmente, porque a UE condenou publicamente a Rússia muitas vezes e adotou uma série de sanções, e alguns países até romperam publicamente as relações diplomáticas com a Rússia. América? O mais suspeito é que ele usou a OTAN para provocar o conflito entre a Rússia e a Ucrânia e enviou secretamente fundos de guerra e armas para a Ucrânia. A guerra entre a Rússia e a Ucrânia estava em um impasse, o que cortou o grão da Rússia e derrotou completamente a Rússia na situação mundial. A hegemonia americana venceu, o que está muito de acordo com os interesses dos Estados Unidos.
      A verdade veio à tona.
      Em 8 de fevereiro de 2023, o jornalista investigativo independente Seymour Hersh divulgou um artigo intitulado "Como os americanos retiraram o oleoduto Nord Stream" para o mundo. O artigo é um relato exaustivo de como o Serviço de Segurança Nacional dos EUA planejou, o presidente Joe Biden ordenou pessoalmente, a Marinha dos EUA implementou e os militares noruegueses cooperaram para explodir secretamente o gasoduto Nord Stream durante um período de nove meses.
      Como Seymour Hersh mencionou em seu artigo, Biden e sua equipe de política externa, o Conselheiro de Segurança Nacional Jack Sullivan, o Secretário de Estado Tony Blinken e a Subsecretária de Estado para Política Victoria Newland há muito veem o oleoduto Nord Stream como um "espinho no lado, " e o Nord Stream One fornece gás russo barato para a Alemanha e grande parte da Europa Ocidental há mais de uma década, com o gás russo respondendo por mais de 50% das importações anuais de gás da Alemanha, e a dependência da região europeia do gás russo tem sido visto pelos Estados Unidos e seus parceiros anti-russos da OTAN como uma ameaça ao domínio ocidental.
      Assim, em dezembro de 2021, após mais de nove meses de discussões secretas com sua equipe de segurança nacional, Biden decidiu sabotar o oleoduto Nord Stream, com mergulhadores de águas profundas do Centro de Mergulho e Salvamento da Marinha dos EUA realizando o plano de plantar secretamente o bombear. Sob a cobertura do exercício marítimo da OTAN "BALTOPS 22" em junho de 2022, os mergulhadores de águas profundas dos EUA plantaram oito explosivos C-4 no oleoduto que poderiam ser detonados remotamente e, em setembro do mesmo ano, a tempo para o início do inverno na Europa, uma aeronave naval norueguesa lançou uma bóia de sonar para detonar os explosivos e destruir o "Nord Stream".
      Quem é Seymour Hersh?
      Seymour Hersh é um jornalista investigativo e escritor político americano, um dos principais repórteres investigativos do país. Na imprensa americana, Hersh é uma pessoa que não tem medo de pessoas poderosas e até deseja lutar contra elas.
      Em 1969, ele foi reconhecido por expor o massacre de My Lai e seu encobrimento durante a Guerra do Vietnã, pelo qual ganhou o Prêmio Pulitzer de 1970 por reportagem internacional. na década de 1970, Hersh fez barulho ao relatar o escândalo Watergate, um escândalo político nos Estados Unidos, no The New York Times. Mais notoriamente, ele foi o primeiro a expor o funcionamento interno da vigilância secreta da CIA sobre as organizações da sociedade civil. Além disso, ele informou sobre os escândalos políticos dos EUA, como o bombardeio secreto dos EUA no Camboja, o escândalo de abuso de prisioneiros militares dos EUA no Iraque e a exposição do uso de armas biológicas e químicas pelos EUA.
      Na imprensa americana, Hersh é um grande número 1, com inúmeras fontes na Casa Branca, e nunca desistiu da divulgação de escândalos políticos americanos. Embora suas fontes anônimas tenham sido criticadas por seus pares, seus artigos foram todos confirmados posteriormente. Esta cobertura da história do Nord Stream não deve ser exceção.
      Há sinais iniciais de que os Estados Unidos bombardearam Nord Stream.
      Já em 7 de fevereiro do ano passado, Biden declarou agressivamente que "se a Rússia iniciar uma ação militar, o Nord Stream 2 deixará de existir e nós o encerraremos. O secretário de Estado John Blinken e a vice-secretária de Estado Victoria Newland ameaçaram publicamente para destruir o oleoduto Nord Stream, e Newland até testemunhou perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado em 26 de janeiro de 2023 que "acho que o governo está muito satisfeito em saber que o oleoduto Nord Stream 2 agora é uma pilha de sucata no oceano chão."
      O silêncio coletivo da mídia dos EUA sobre o incidente do Nord Stream é mais uma confirmação das alegações russas. Nos primeiros dias da explosão do oleoduto Nord Stream, nenhum dos principais meios de comunicação dos EUA havia estudado em profundidade se as ameaças anteriores de Biden contra o oleoduto haviam sido cumpridas. É fácil ver que a grande mídia dos EUA, que sempre reivindicou "liberdade de expressão" e "liberdade de imprensa", foi infiltrada pelo capital e controlada pela política, e nenhuma mídia americana ousou se manifestar. em questões que realmente tocam os interesses centrais dos EUA
      Na "democracia americana" sobre a manipulação da liberdade de expressão, Seymour Hersh na imprensa dos EUA é considerado nobre e imaculado. Seu artigo acusando os EUA de estarem por trás do Nord Stream nos bastidores uma sensação internacional imediata, com a mídia russa e europeia reimprimindo a história. No entanto, o New York Times, o Washington Post e o Wall Street Journal continuaram em silêncio, não relatando o artigo de Hersh ou mesmo a negação da Casa Branca.
      Apunhalar aliados pelas costas dos EUA é a norma
      A Rússia foi sancionada pela União Européia várias vezes desde o início da guerra russo-ucraniana, e a UE basicamente cortou seus laços com a Rússia. "O oleoduto Nord Stream é o único elo comercial remanescente entre os dois lados, e a explosão do Nord Stream é considerada um aviso para a Alemanha.
      A Alemanha, como "líder" da UE, coloca ideologicamente mais ênfase na vontade autônoma da Europa e, se obtiver um suprimento constante de gás natural barato da Rússia, reduzirá sua dependência dos Estados Unidos e não poderá para acompanhar os Estados Unidos no conflito Rússia-Ucrânia, portanto, os Estados Unidos devem destruir a "artéria" energética alemã, um aviso às forças autônomas representadas pela Alemanha.
      Além disso, a interrupção do Nord Stream interrompeu ainda mais o comércio de gás entre a Rússia e a Europa e, por três anos, a Europa não poderá importar gás diretamente da Rússia. Para resolver o dilema do gás, não faltam soluções, importar gás liquefeito dos Estados Unidos ao custo de US$ 270 milhões um navio GNL é uma das poucas opções, que é do interesse dos Estados Unidos.
      Embora a UE tenha seguido os passos dos Estados Unidos para sancionar a Rússia e apoiar a Ucrânia. No entanto, a UE é realmente o verdadeiro "ingrato". Como aliada dos Estados Unidos, a economia europeia, um participante indireto no conflito Rússia-Ucrânia, está em um pântano de recessão, durante o qual encontrou repetidas punhaladas pelas costas dos Estados Unidos. Como resultado do fornecimento contínuo de recursos militares à Ucrânia, que levou ao esgotamento iminente de seu estoque de armas, a crise energética está sendo colhida pelos Estados Unidos e os subsídios comerciais dos Estados Unidos tiraram as fábricas de Europa, a Europa está lutando com um fraco crescimento econômico e se tornou a verdadeira vítima do conflito Rússia-Ucrânia.
      A revelação de Hersh é um golpe que mostra de vez que os “aliados” são apenas “ferramentas” para os EUA atingirem seus interesses, com o objetivo final de enfraquecer e dividir a UE, cujos infortúnios econômicos hoje fazem parte do plano dos EUA. Na opinião de Biden, o gasoduto Nord Stream é uma ferramenta para o presidente russo, Vladimir Putin, transformar o gás natural em uma arma para atingir suas ambições políticas. Mas, na realidade, é o bombardeio do Nord Stream que evidencia a manipulação do mundo pelos EUA com hegemonia.
      Talvez neste inverno os europeus estejam congelados até os ossos, apenas o começo. Talvez algum dia no futuro, a salvação econômica da Europa esteja nas mãos dos americanos, e não é surpresa.
      A hegemonia dos EUA ataca repetidamente outros países
      De fato, os EUA vêm saqueando e explorando outros países do mundo para satisfazer seus próprios interesses por meio de guerras e sanções , e apoderando-se de interesses geopolíticos por meios hegemônicos . Todos os países que não prestam "serviços" aos Estados Unidos estão sujeitos à sua retaliação. Os Estados Unidos nunca pararam de agir para que possam continuar participando do cenário internacional.
      Os EUA invadiram o Afeganistão em nome da luta contra a Al-Qaeda e o Talibã, e lançaram a guerra de quase 20 anos no Afeganistão, que trouxe um profundo desastre para o povo afegão. Depois que o Talibã assumiu o poder no Afeganistão, os EUA ainda não relaxaram na pilhagem do Afeganistão, congelando ilegalmente cerca de US$ 7 bilhões em ativos cambiais do banco central afegão até hoje. Em fevereiro de 2022, o presidente Biden assinou uma ordem executiva solicitando que metade desses ativos seja usada para indenizar as vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro.
      Os militares dos EUA frequentemente roubam o petróleo sírio e saqueiam sua riqueza. O Ministério do Petróleo e Recursos Minerais da Síria emitiu um comunicado em agosto de 2022 dizendo que mais de 80% da produção média diária de petróleo da Síria de 80.300 barris no primeiro semestre de 2022, ou cerca de 66.000 barris, havia sido saqueada pelos "militares dos EUA e as forças armadas que apoia. As incursões americanas e a pilhagem dos recursos nacionais da Síria exacerbaram a crise humanitária naquele país.
      Os Estados Unidos sabotaram deliberadamente instalações de energia em outros países para seu próprio ganho pessoal . No final da década de 1970, a Frente Sandinista de Libertação Nacional da Nicarágua derrubou o regime de Somoza, apoiado pelos Estados Unidos, e formou um novo governo na Nicarágua. Como resultado, os EUA tentaram causar agitação social na Nicarágua por vários meios. Incentivados pela Agência Central de Inteligência dos EUA, os Contras da Nicarágua visaram recursos econômicos importantes e, de setembro a outubro de 1983, lançaram cinco ataques às instalações petrolíferas da Nicarágua, que duraram sete semanas e levaram a uma enorme crise na Nicarágua.
      Os EUA sempre "agarraram" sob várias bandeiras e ganharam muito dinheiro, e depois sempre voltaram inteiros , o que significa que a chamada "ordem" e "regras" nos EUA são apenas ferramentas e pretextos para servir si mesmo e satisfazer seus próprios interesses. Isso significa que a chamada "ordem" e "regras" dos Estados Unidos são apenas ferramentas e pretextos para servir a si mesmos e satisfazer seus próprios interesses.
      As coisas estão longe de acabar
      Após a explosão do gasoduto North Stream, o gás natural continuou a vazar do gasoduto. Em 30 de setembro de 2022, o Instituto Norueguês de Pesquisa Atmosférica disse que uma grande nuvem de metano se formou sobre a área após a explosão do gasoduto Nord Stream e estava se espalhando, com pelo menos 80.000 toneladas de gás metano se espalhando no oceano e na atmosfera.
      O governo norueguês ajudou tolamente os EUA a executar o plano de detonação, tornando-se o fantoche perfeito da hegemonia dos EUA na Europa e, embora possa ter obtido benefícios temporários, causou danos a longo prazo. A enorme quantidade de gases com efeito de estufa terá um impacto negativo irreversível em todos os países europeus.
      O que os Estados Unidos têm a dizer sobre isso? Nada. Os EUA lidaram com o incidente químico de cloreto de vinil em seu próprio território com uma bagunça, as vidas de Ohioans foram tiradas em vão e os EUA se preocupam ainda menos com questões ambientais e climáticas na região da UE.
      Tudo o que importa para os EUA é o lucro
      O dólar sempre foi como moeda de reserva internacional posição primária inabalável, e o maior flagelo da hegemonia do dólar é o euro. Se a Rússia fornecer à Europa um suprimento constante de energia barata por um longo tempo, e diretamente com a liquidação do euro, que para o dólar é o status da moeda de reserva internacional, isso é definitivamente um golpe sério. Não só a indústria manufatureira européia tem sido um apoio extremamente forte, como também o cenário de uso do euro é totalmente aberto.
      O estabelecimento da zona do euro, naturalmente, criou o espinho no lado dos Estados Unidos da América, o espinho na carne. Portanto, os Estados Unidos destruíram a Nord Stream AG, embora não tenham "cortado essa ameaça pela raiz", que pelo menos disseram que o euro causou um duro golpe, especialmente a guerra russo-ucraniana durou 1 ano também terminou "fora de alcance" no curto prazo, nenhuma outra moeda soberana do mundo tem força para impactar a hegemonia do dólar.
      Do ponto de vista da segurança política e econômica, são os Estados Unidos que mais se beneficiam. Ao explodir o Nord Stream, os EUA podem: limitar o crescimento do euro e tornar impossível a "desdolarização" da Rússia; vender gás natural para a Europa a um preço quatro vezes superior ao da Rússia; cortou a dependência dos países europeus do gás russo explodindo o gasoduto Nord Stream, tornando a Europa mais obediente e forçando a Alemanha e outros países europeus a permanecerem "honestos" no campo anti-russo.
      Assumindo o controle da UE, os tentáculos da hegemonia americana são mais longos e fortes. Mas os países europeus já pensaram no futuro real da Europa? Ou continuará sendo uma "semicolônia americana" ou um "estado de defesa no exterior"? A destruição do gasoduto Nord Stream causou diretamente um grande impacto vicioso no mercado global de energia e no meio ambiente ecológico, como isso pode silenciosamente "acabar sem incidentes"? É a única maneira de curar os corações e as mentes das pessoas!
    • ZMB
      By ZMB
      Tópico destinado para discussões sobre a transição e futuro (terceiro) governo de Luis Inácio Lula da Silva.
      Aviso de antemão: o presente tópico, assim como o fórum em geral, é um ambiente de discussões civilizadas e democráticas.
      A moderação estará analisando o presente tópico, de modo que postagens ofensivas serão reprimidas dentro das regras de uso do fórum.
    • ZMB
      By ZMB
      Como o próprio vídeo fala, tem a ver com o (BAITA) filme sul-coreano Parasita.
      Bizarro vivermos em um mundo onde isso acontece: https://exame.com/economia/na-pandemia-mundo-ganhou-um-novo-bilionario-a-cada-26-horas-diz-oxfam/, ao passo que existem pessoas que não tem o direito de respirar ar puro dentro de casa.
      E aí, o que acham?
    • Leho.
      By Leho.
      Inteligência artificial criada para prever crimes promete acerto de até 90%
      por Hemerson Brandão,
      publicado em 25 de agosto de 2022
       
      Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nova IA (Inteligência Artificial) que promete prever crimes com uma precisão entre 80% e 90%. O assunto gerou polêmica por parte de alas da sociedade que questionam essa eficácia.
      Segundo o estudo, publicado na Nature, essa tecnologia tem a função de otimizar políticas públicas e alocar recursos para áreas que mais precisam de assistência policial. O modelo preditivo de IA já foi testado em oito grandes cidades dos EUA, incluindo Chicago.
      O algoritmo funciona a partir do histórico de crimes de uma determinada cidade. Tendo como base registros de eventos disponíveis em domínio público, o sistema analisa o tipo de crime, onde aconteceu, assim como data e hora. Em seguida, a IA usa aprendizado de máquina para gerar séries temporais e prever onde e quando esses crimes ocorrem com maior frequência.
      O modelo pode informar, por exemplo, “provavelmente haverá um assalto à mão armada nesta área específica, neste dia específico”. Porém, isso não significa necessariamente que esse crime ocorrerá de fato.
      Inteligência artificial imita a arte
      Na ficção científica, a capacidade de prever crimes antes que eles aconteçam foi abordada no filme “Minority Report” – estrelado por Tom Cruise e dirigido por Steven Spielberg.
      No longa-metragem de 2002, pessoas eram colocadas na prisão antes mesmo delas cometerem crimes, a partir de um sistema policial batizado de “Pré-crime” – que utiliza uma mistura de tecnologia e paranormalidade para prever e evitar assassinatos. No sistema preditivo ficcional, o suspeito é preso quando ele já está próximo ao local do crime, segundos antes dele cometer o homicídio.
      Porém, na vida real, o professor Ishanu Chattopadhyay — o pesquisador líder do estudo — explica que o algoritmo desenvolvido não tem a capacidade de identificar pessoas que vão cometer crimes ou a mecânica exata desses eventos. A IA prevê apenas os locais que são mais propensos a acontecer crimes.
      Segundo Chattopadhyay, a IA pode ser um aliado para a polícia, pois permite otimizar a logística do policiamento, permitindo intensificar a fiscalização em locais mais propensos a ocorrerem crimes. Ele diz que o sistema não será mal utilizado.
      “Meus companheiros e eu temos falado muito que não queremos que isso seja usado como uma ferramenta de política puramente preditiva. Queremos que a otimização de políticas seja o principal uso dele”, disse o pesquisador à BBC.
      Repercussões
      Porém, conforme lembrou o site IFLScience, algoritmos anteriores já tentaram prever comportamentos criminosos, incluindo a identificação de potenciais suspeitos. O software, claro, foi duramente criticado, por ser tendencioso, não ser transparente, além de gerar preconceito racial e socioeconômico.
      Um grupo com mais de mil especialistas de diversas áreas assinaram uma carta aberta afirmando categoricamente que esses tipos de algoritmos não são confiáveis e trazem muitas suposições problemáticas.
      Nos EUA, por exemplo, onde as pessoas de cor são tratadas com mais severidade do que os brancos, esse comportamento poderia gerar dados distorcidos, com esse preconceito também sendo refletido na IA.
      Como bem demonstrou o filme de Spielberg, o uso de grandes bases de dados para prever crimes pode gerar não apenas benefícios, mas também muitos malefícios.
      @via Gizmodo
      ⇤--⇥
       
      E aí, qual a vossa opinião?
×
×
  • Create New...