Jump to content
Sign in to follow this  
Mantrax

FORD encerra produção no Brasil

Recommended Posts

Mantrax
Quote

Ford encerra a produção de veículos no Brasil
No país serão mantidos apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, e o campo de provas e sua sede administrativa para a América do Sul, ambos em São Paulo

Ficheiro:Ford logo.svg – Wikipédia, a enciclopédia livre


A Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que encerrará a produção de veículos em suas fábricas no Brasil em 2021. No país desde 1919, a marca manterá apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, e o campo de provas e sua sede administrativa para a América do Sul, ambos em São Paulo.

O G1 procurou a Ford para saber quantos funcionários serão afetados pelo encerramento da produção, e aguarda retorno. Em Taubaté, ao menos 830 funcionários serão demitidos. A fábrica de Horizonte emprega 470 pessoas.

As fábricas de Camaçari (BA), que produzia Ka e EcoSport, e Taubaté (SP), que fabrica motores e transmissões, serão fechadas imediatamente, reduzindo a produção às peças para estoques de pós-venda.

No último trimestre de 2021, será fechada também a planta da Troller, em Horizonte (CE). A empresa afirma que irá trabalhar em colaboração com os sindicatos para "minimizar os impactos do encerramento da produção".

Com a decisão, os modelos nacionais terão suas vendas interrompidas assim que terminarem os estoques.

A partir disso, os veículos comercializados no mercado brasileiro passarão a ser importados, principalmente das unidades de Argentina e Uruguai, além de outras regiões fora da América do Sul. Entre os próximos modelos já confirmados pela Ford, estão os novos Transit, Ranger, Bronco e Mustang Mach1.

“A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford.

“Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global", completou.

No ano passado, a Ford vendeu 119.454 automóveis, segundo dados da Anfavea. O resultado representou uma queda de 39,2% na comparação com 2019. A queda observada foi maior do que a registrada pelo segmento de automóveis. Em 2020, o tombo foi de 28,6%, para 1.615.942.

Encerramento em São Bernardo do Campo

Também como parte do seu plano de reestruturação global, a Ford encerrou, em 2019, a produção na fábrica de São Bernardo do Campo (SP), depois de 52 anos atuando na produção de veículos em São Bernardo do Campo. Em outubro, foi concluída a venda da fábrica do ABC paulista para a Construtora São José e com a FRAM Capital.

Como consequência, a marca deixou de vender no Brasil o Fiesta, um de seus modelos de maior sucesso, e abandonou o mercado de caminhões no país. A fábrica da Ford empregava 2.350 funcionários e, desses, apenas mil, que são da área administrativa, foram mantidos.

Em nota, a companhia afirmou que, entre os potenciais compradores, priorizou durante a seleção os projetos que melhor atendessem às necessidades da região, comemorou a transação e agradeceu aos envolvidos no negócio.

Fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/01/11/ford-fecha-fabricas-e-encerra-producao-no-brasil-em-2021.ghtml

A ironia disso tudo é que escolheram a Argentina e o Uruguai pra manter-se na América Latina.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34

Isso é muito mais complexo do que escolher onde abrir ou fechar uma fábrica estrangeira. Ao final é dito creio que por você, que "A ironia disso tudo, é que escolheram a Argentina e Uruguai pra manter-se na América Latina". Talvez se mantenham por lá, pois a parte que engloba mão de obra é muito mais barata que no Brasil, que tem seu "dízimo" sindicalista para atrapalhar e muito quem quer empreender. Isso falando superficialmente.

O maior problema do Brasil é não ter empresas automotivas nacionais, ter plantas de fabricação não torna um produto nacional e por consequência permite estes abandonos quando o mundo passa por uma transformação econômica. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Ariel'
47 minutes ago, marcss34 said:

Isso é muito mais complexo do que escolher onde abrir ou fechar uma fábrica estrangeira. Ao final é dito creio que por você, que "A ironia disso tudo, é que escolheram a Argentina e Uruguai pra manter-se na América Latina". Talvez se mantenham por lá, pois a parte que engloba mão de obra é muito mais barata que no Brasil, que tem seu "dízimo" sindicalista para atrapalhar e muito quem quer empreender. Isso falando superficialmente.

O maior problema do Brasil é não ter empresas automotivas nacionais, ter plantas de fabricação não torna um produto nacional e por consequência permite estes abandonos quando o mundo passa por uma transformação econômica. 

Não viaja cara, quer dizer que isso é um problema de 98% do mundo então? Você não precisa ter um produto nacional pra ter ele barato e com qualidade, aliás muito pelo contrário.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34
15 minutos atrás, Ariel' disse:

Não viaja cara, quer dizer que isso é um problema de 98% do mundo então? Você não precisa ter um produto nacional pra ter ele barato e com qualidade, aliás muito pelo contrário.

Explique por favor citando exemplos de produtos que englobam a sua linha de pensamento, por favor... gostaria de aprender...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Banton
1 hora atrás, marcss34 disse:

O maior problema do Brasil é não ter empresas automotivas nacionais, ter plantas de fabricação não torna um produto nacional e por consequência permite estes abandonos quando o mundo passa por uma transformação econômica. 

Eu também acho que o Brasil deveria ter uma empresa nesse ramo (se já não tem). Tenho uma visão ingênua e até esperançosa de que carros nacionais caberiam mais no bolso do brasileiro médio e ajudaria em diversos setores da economia.

Não estou fazendo comparação, mas só dando um exemplo: a Positivo com seus computadores.

Edited by Banton

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34
5 minutos atrás, Banton disse:

Eu também acho que o Brasil deveria ter uma empresa nesse ramo (se já não tem). Tenho uma visão ingênua e até esperançosa de que carros nacionais caberiam mais no bolso do brasileiro médio e ajudaria em diversos setores da economia.

Não estou fazendo comparação, mas só dando um exemplo: a Positivo com seus computadores.

Quando citei empresas automotivas, na realidade quero dizer de qualquer segmento, empresas/fábricas nacionais ajudam a fortalecer o PIB e fazer com que o exterior se interesse pelos produtos nacionais o que ajuda a valorizar a moeda brasileira, o que não ocorre quando é o inverso com a necessidade de produtos de origem exterior. Isso resumindo bem superficialmente falando.

A Ford (usando como exemplo) é americana vai e vem para países onde terá abatimento fiscais, ajuda governamental, posicionamento estratégico de logística para despacho dos produtos, para maximizar os lucros. O que afasta uma empresa de um país A ou B não é o carinho ou tempo de casa, a Ford estava aqui a mais de 100 anos e agora se vai, porque outro país oferece benefícios melhores que o Brasil no momento, seja talvez como uma mão de obra dos funcionários mais baratos ou logística ou um somatório de tudo isso.

Você citou a Positivo, ela precisaria de um re-brand da marca para elevar o nível de confiança, porque se popularizou como produto ruim, as pessoas quando ouvem falar de Positivo, primeiro lembram que é ruim, depois que é um produto nacional e daí caem na regra de produto importado é melhor, dura mais, tem status e por aí em diante.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Léo R.
7 horas atrás, marcss34 disse:

Quando citei empresas automotivas, na realidade quero dizer de qualquer segmento, empresas/fábricas nacionais ajudam a fortalecer o PIB e fazer com que o exterior se interesse pelos produtos nacionais o que ajuda a valorizar a moeda brasileira, o que não ocorre quando é o inverso com a necessidade de produtos de origem exterior. Isso resumindo bem superficialmente falando.

A Ford (usando como exemplo) é americana vai e vem para países onde terá abatimento fiscais, ajuda governamental, posicionamento estratégico de logística para despacho dos produtos, para maximizar os lucros. O que afasta uma empresa de um país A ou B não é o carinho ou tempo de casa, a Ford estava aqui a mais de 100 anos e agora se vai, porque outro país oferece benefícios melhores que o Brasil no momento, seja talvez como uma mão de obra dos funcionários mais baratos ou logística ou um somatório de tudo isso.

Você citou a Positivo, ela precisaria de um re-brand da marca para elevar o nível de confiança, porque se popularizou como produto ruim, as pessoas quando ouvem falar de Positivo, primeiro lembram que é ruim, depois que é um produto nacional e daí caem na regra de produto importado é melhor, dura mais, tem status e por aí em diante.

Avell é um exemplo contrário no mesmo segmento. É nacional e tem uma boa aceitação.

---

Mas é no mínimo curioso (não vou dizer que é engraçado porque é algo que afeta muita gente aqui no país), a "política econômica liberal" aqui do Brasil perdendo uma montadora para os "comunistas" argentinos. Vocês imaginem se tivesse sido na época do PT, já teria pato na paulista, adesivo nos carros e tudo mais. Mas né...

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZMB

#VoltaGurgel

Share this post


Link to post
Share on other sites
pedrobello

Pior que eu acho que indústria automotiva anda cagada no mundo. Toda a crise de fontes energéticas, a dominância das montadoras asiáticas, o aumento do uso dos transportes coletivos.. 

Isso influenciou a Ford a sair com certeza. Não vejo como um problema do Brasil em si já que o incentivo fiscal pra fábrica aqui era surreal. Era quase um crime. 

Agora, sobre uma indústria nacional de carros, acho que só se fosse voltada pro mercado interno/sul americano com MUITA estratégia de venda. Pensar em mercado global é tiro no pé, esse bonde já passou .

Share this post


Link to post
Share on other sites
Dan_Cunha
12 minutos atrás, pedrobello disse:

Pior que eu acho que indústria automotiva anda cagada no mundo. Toda a crise de fontes energéticas, a dominância das montadoras asiáticas, o aumento do uso dos transportes coletivos.. 

Isso influenciou a Ford a sair com certeza. Não vejo como um problema do Brasil em si já que o incentivo fiscal pra fábrica aqui era surreal. Era quase um crime. 

Agora, sobre uma indústria nacional de carros, acho que só se fosse voltada pro mercado interno/sul americano com MUITA estratégia de venda. Pensar em mercado global é tiro no pé, esse bonde já passou .

Exato. Nego age como se uma empresa desse porte fizesse um puta sacrifício para operar no Brasil. Mal sabem que (quase) tudo gira em torno dos benefícios.

O que muito provavelmente aconteceu é que Argentina e Uruguai abriram ou abrem as pernas mais do que aqui, a ponto de, mesmo saindo e correndo o risco de entrar numa linha de tributação de importação (o que acho que vão escapar, talvez por algum acordo de comércio exterior ou Mercosul ou por manter alguma sede aqui no Brasil que consiga se enquadrar como filial e safar a tributação mais pesada) ainda assim compensou assumir esse “risco”. Aí é preciso avaliar mais a fundo, como a queda no mercado brasileiro, crise econômica, mercado latino e iare, iare.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34
51 minutos atrás, Dan_Cunha disse:

Exato. Nego age como se uma empresa desse porte fizesse um puta sacrifício para operar no Brasil. Mal sabem que (quase) tudo gira em torno dos benefícios.

O que muito provavelmente aconteceu é que Argentina e Uruguai abriram ou abrem as pernas mais do que aqui, a ponto de, mesmo saindo e correndo o risco de entrar numa linha de tributação de importação (o que acho que vão escapar, talvez por algum acordo de comércio exterior ou Mercosul ou por manter alguma sede aqui no Brasil que consiga se enquadrar como filial e safar a tributação mais pesada) ainda assim compensou assumir esse “risco”. Aí é preciso avaliar mais a fundo, como a queda no mercado brasileiro, crise econômica, mercado latino e iare, iare.

A real é que o Governo Federal cortou R$ 21 Bilhões em subsídios, então a Ford se foi atrás de um lugar que lhe convenha.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Aleef

 

 

Acabou a mamata. Se o Michel Temer não tivesse feito aquela coisa medíocre até 2030 para benefício do setor automobilístico, esse governo ia limpar ou começar oxigenar o setor. 

Edited by Aleef

Share this post


Link to post
Share on other sites
Léo R.

Vão me desculpar, mas o impacto negativo social e econômico que esses 5 mil empregos a menos vai causar, será muito maior que o valor desses subsídios. (sim, as fontes são as vozes da minha cabeça, se o Bolsonaro pode, eu também posso)

Edited by Léo R.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Dan_Cunha
3 minutos atrás, Léo R. disse:

Vão me desculpar, mas o impacto social e econômico que esses 5 mil empregos vão causar vai ser muito maior que o valor desses subsídios.

 Léo, eu até concordo contigo, mas aí precisamos ir a fundo para analisar até que ponto compensa subsidiar o setor automobilístico (que sempre foi um setor banhado e regado a incentivos, benefícios e subsídios) para mantermos o polo social (empregos). Primeiro que muito provavelmente seria um efeito cascata. Se a Ford fosse beneficiada, todas as outras teriam que receber também. Pode ocorrer de outras empresas do setor seguirem o caminho da Ford? Pode. Mas aí vai depender muito do que o mercado brasileiro oferece para cada uma (pelo que li parece que a Ford está em declínio no mercado brasileiro). 
 

Eu sou uma pessoa bastante crítica quanto a subsídios para empresas. Não que eu não concorde, mas acho que assim como é necessário ocorrer um corte na máquina estatal, reformas trabalhistas, tributárias  e previdenciárias para tornar o mercado brasileiro mais atrativo, é preciso ter um limite de incentivos e subsídios, principalmente àqueles voltados a grandes multinacionais. Claro, não sou inocente e sei que muito é feito também para buscar investimento empresarial, mas algo desenfreado me parece meio contraditório com o tal “livre mercado” que essas empresas costumam encher a boca para defender. Não faz sentido você enxugar o Estado, buscar formas alternativas de receita e ao mesmo tempo aumentar subsídios a ponto de tornar o setor praticamente “dependente” do Estado para sobreviver. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34
24 minutos atrás, Dan_Cunha disse:

 Léo, eu até concordo contigo, mas aí precisamos ir a fundo para analisar até que ponto compensa subsidiar o setor automobilístico (que sempre foi um setor banhado e regado a incentivos, benefícios e subsídios) para mantermos o polo social (empregos). Primeiro que muito provavelmente seria um efeito cascata. Se a Ford fosse beneficiada, todas as outras teriam que receber também. Pode ocorrer de outras empresas do setor seguirem o caminho da Ford? Pode. Mas aí vai depender muito do que o mercado brasileiro oferece para cada uma (pelo que li parece que a Ford está em declínio no mercado brasileiro). 
 

Eu sou uma pessoa bastante crítica quanto a subsídios para empresas. Não que eu não concorde, mas acho que assim como é necessário ocorrer um corte na máquina estatal, reformas trabalhistas, tributárias  e previdenciárias para tornar o mercado brasileiro mais atrativo, é preciso ter um limite de incentivos e subsídios, principalmente àqueles voltados a grandes multinacionais. Claro, não sou inocente e sei que muito é feito também para buscar investimento empresarial, mas algo desenfreado me parece meio contraditório com o tal “livre mercado” que essas empresas costumam encher a boca para defender. Não faz sentido você enxugar o Estado, buscar formas alternativas de receita e ao mesmo tempo aumentar subsídios a ponto de tornar o setor praticamente “dependente” do Estado para sobreviver. 

Exatamente e lembrando que os subsídios não vem apenas do governo federal, estado e o município onde é instalado uma fábrica também colaboram com certos abatimentos, com a tal promessa de "geração de empregos" locais.

43 minutos atrás, Léo R. disse:

Vão me desculpar, mas o impacto negativo social e econômico que esses 5 mil empregos a menos vai causar, será muito maior que o valor desses subsídios. (sim, as fontes são as vozes da minha cabeça, se o Bolsonaro pode, eu também posso)

Sim, poucos profissionais vão conseguir se realocar em outros setores em seus respectivos estados. Porém uma fábrica não desaparece de uma hora para outra, em breve outra montadora adquire a planta e realoca uma % destes funcionários desempregados. O problema é o quando isso acontecerá, lembrando que a Ford vem nessa de sair do país a 2 anos e os governadores dos seus respectivos estados nada fizeram por conta própria e nem em pedir ajuda ao governo federal para já deixar no gatilho uma substituição de montadora.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Léo R.
32 minutos atrás, Dan_Cunha disse:

 Léo, eu até concordo contigo, mas aí precisamos ir a fundo para analisar até que ponto compensa subsidiar o setor automobilístico (que sempre foi um setor banhado e regado a incentivos, benefícios e subsídios) para mantermos o polo social (empregos). Primeiro que muito provavelmente seria um efeito cascata. Se a Ford fosse beneficiada, todas as outras teriam que receber também. Pode ocorrer de outras empresas do setor seguirem o caminho da Ford? Pode. Mas aí vai depender muito do que o mercado brasileiro oferece para cada uma (pelo que li parece que a Ford está em declínio no mercado brasileiro). 
 

Eu sou uma pessoa bastante crítica quanto a subsídios para empresas. Não que eu não concorde, mas acho que assim como é necessário ocorrer um corte na máquina estatal, reformas trabalhistas, tributárias  e previdenciárias para tornar o mercado brasileiro mais atrativo, é preciso ter um limite de incentivos e subsídios, principalmente àqueles voltados a grandes multinacionais. Claro, não sou inocente e sei que muito é feito também para buscar investimento empresarial, mas algo desenfreado me parece meio contraditório com o tal “livre mercado” que essas empresas costumam encher a boca para defender. Não faz sentido você enxugar o Estado, buscar formas alternativas de receita e ao mesmo tempo aumentar subsídios a ponto de tornar o setor praticamente “dependente” do Estado para sobreviver. 

Eu concordo contigo em boa parte do que você diz no primeiro parágrafo, mas infelizmente é o que se tem a fazer. Os governos são "submissos" a essas empresas. Na Argentina, pelo que eu escutei, haverão mais incentivos fiscais pra operação continuar lá. É bem provável que as demais montadoras já tenham subsídios do tipo aqui. Na verdade, pra instalação dessas empresas já rola uma espécie de guerra entre cidades/estados que querem essas empresas em seus territórios. Porém você veja que é uma cadeia de coisas que isso afeta. Não é só os 5 mil empregos, tem toda uma economia que gira em torno disso nos locais onde essas plantas estão instaladas. Ainda mais em uma região que carece desse tipo de coisa como a Bahia.

A parte em negrito eu acho que talvez não seja bem assim, as coisas eram até mais rígidas na época do PT e havia investimento e instalação de novas empresas no país. Eu acho que isso não devia tão somente aos aportes/incentivos que as empresas recebiam quando vinham pra cá. Havia incentivo ao consumo, financiamentos, linhas de crédito, suspensão temporária de imposto (meu primeiro carro eu comprei com o IPI baixo e com parte dele financiado com juros baixos no BB, por exemplo, se não fosse, eu não teria tido condições de ter comprado um carro 0 na época e era FORD hahahaha) etc.. Óbvio que houveram erros, mas ainda assim tudo caminhava bem. E olha que houve uma crise mundial na época e o Brasil ainda sim conseguiu prosperar. Acho mais preocupante quando o governo perdoa dividas, como é o caso das empresas de telecomunicações, mesmo que sejam valores menores.

Sobre a Ford, já tem tempo que a empresa passa por problemas, era de se esperar algo assim, mas não tão ABRUPTO.

Edited by Léo R.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZMB

O Brasil precisa se industrializar pesado. Investir no nacional. 

Esse lance de dar tudo e mais um pouco para multinacionais é e sempre será assim. Quando aparecer algo melhor, elas vão embora sem nem olhar pra trás. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Banton
58 minutos atrás, ZMB disse:

O Brasil precisa se industrializar pesado. Investir no nacional. 

Esse lance de dar tudo e mais um pouco para multinacionais é e sempre será assim. Quando aparecer algo melhor, elas vão embora sem nem olhar pra trás. 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Ariel'
1 hour ago, ZMB said:

O Brasil precisa se industrializar pesado. Investir no nacional. 

Esse lance de dar tudo e mais um pouco para multinacionais é e sempre será assim. Quando aparecer algo melhor, elas vão embora sem nem olhar pra trás. 

?????????????????

Meu deus, realmente estamos em 1886.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZMB
1 hora atrás, Ariel' disse:

?????????????????

Meu deus, realmente estamos em 1886.

Enquanto não se investir em educação e ciência, vamos ficar dependendo de exportação de commodities e da boa vontade das multinacionais.

Ninguém cria indústria no Brasil. Quem tem dinheiro vira rentista. A médio/longo prazo isso é catastrófico. Não tem arrecadação, nem geração de emprego.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marcss34
2 horas atrás, ZMB disse:

Enquanto não se investir em educação e ciência, vamos ficar dependendo de exportação de commodities e da boa vontade das multinacionais.

Ninguém cria indústria no Brasil. Quem tem dinheiro vira rentista. A médio/longo prazo isso é catastrófico. Não tem arrecadação, nem geração de emprego.

se uma praga maldita atacar nosso Agro, ou uma peste atingir os pastos e gados, vai sobrar apenas algumas metalúrgicas/siderúrgicas e algumas empresas do ramo sucro-alcooleiro.

Não temos uma variedade de fortes empresas. É tudo muito concentrado.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZMB
14 horas atrás, marcss34 disse:

se uma praga maldita atacar nosso Agro, ou uma peste atingir os pastos e gados, vai sobrar apenas algumas metalúrgicas/siderúrgicas e algumas empresas do ramo sucro-alcooleiro.

Não temos uma variedade de fortes empresas. É tudo muito concentrado.

É isso, cara.

E o Agro é bem contestável, viu? Conheço gente que tem quase 2.000 hectares e opera com 3~4 "peões", já que a tecnologia e o maquinário evoluíram muito.

Ou seja, para fins econômicos, o Agro serve pra empregar algumas poucas pessoas (in)diretamente (funcionários de cooperativa, transporte, agrônomo, contador, etc.), mas funciona mesmo para enriquecer o baronato latifundiário, em geral.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Léo R.
17 horas atrás, ZMB disse:

Enquanto não se investir em educação e ciência, vamos ficar dependendo de exportação de commodities e da boa vontade das multinacionais.

Ninguém cria indústria no Brasil. Quem tem dinheiro vira rentista. A médio/longo prazo isso é catastrófico. Não tem arrecadação, nem geração de emprego.

Perfeito, cirúrgico.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko
Em 12/01/2021 em 01:04, marcss34 disse:

Isso é muito mais complexo do que escolher onde abrir ou fechar uma fábrica estrangeira. Ao final é dito creio que por você, que "A ironia disso tudo, é que escolheram a Argentina e Uruguai pra manter-se na América Latina". Talvez se mantenham por lá, pois a parte que engloba mão de obra é muito mais barata que no Brasil, que tem seu "dízimo" sindicalista para atrapalhar e muito quem quer empreender. Isso falando superficialmente.

Daí a solução da Ford pra esse problema é ir para a Argentina, um país praticamente governado por sindicalistas e peronistas?

A questão não é essa.

22 horas atrás, ZMB disse:

O Brasil precisa se industrializar pesado. Investir no nacional. 

Esse lance de dar tudo e mais um pouco para multinacionais é e sempre será assim. Quando aparecer algo melhor, elas vão embora sem nem olhar pra trás. 

Mas isso é no mundo todo. Todo mundo depende de multinacionais.

O país que quiser produzir tudo tá fudido.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZMB
1 minuto atrás, Lowko é Powko disse:

Daí a solução da Ford pra esse problema é ir para a Argentina, um país praticamente governado por sindicalistas e peronistas?

A questão não é essa.

Mas isso é no mundo todo. Todo mundo depende de multinacionais.

O país que quiser produzir tudo tá fudido.

Não é questão de produzir tudo, pois no mundo atual é praticamente impossível.

É a questão de ter uma indústria condizente com o tamanho, riqueza e importância do Brasil. A gente não tá nem perto disso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • David Reis
      By David Reis
      Vou tentar explicar o que eu apurei lendo sobre o assunto:
      A Gamestop é uma empresa de venda de jogos em mídia física no varejo e necessariamente localizada em shoppings. Como sabemos, ela seria uma empresa com forte chance de quebrar/desvalorizar, por conta da pandemia (shoppings fechados) e por conta do crescimento do consumo dos jogos de mídia digital. Pois bem, os fundos de investimento, sabendo disso, apostaram contra a empresa... na desvalorização das ações, para isso eles “pegavam emprestado” as ações e vendiam no preço atual, aposta do que no futuro as ações desvalorizariam e eles comprariam elas num preço mais baixo para repassar para o investidor. Assim, lucrando com a desvalorização da ação.
      Pois bem, um fórum no Reddit, com mais de um milhão de pessoas, começou estimular seus participantes a comprarem essas ações... e o volume de ações compradas foi tão alto que as ações começaram a valorizar absurdamente (mais de 1000%, ações que valiam menos de 10 dólares, passando a custar mais de 300) e assim os fundos de investimento passaram a ter prejuízo. Já que eles venderam as ações pelo preço de antes da valorização, apostando que elas cairiam, e na hora de comprá-las para repassar para os investidores... acabaram pagando nas ações por um preço muito mais alto. 
      Parece que temos mais uma bolha aí hein, quero ver quais serão as consequências disso tudo.
    • Leho.
      By Leho.
      Um tempo atrás o Mercado Livre anunciou que havia expandido seus galpões afim de otimizar ainda mais suas entregas, vi no Twitter inclusive. Agora a Amazon, que já entrega uma experiência de compra fenomenal pra gente desde que chegou aqui (quem já comprou com eles sabe o que eu tô falando) também anuncia um novo incremento à sua rede logística.
      Quem ganha somos nós, que cada vez menos ficamos dependentes da merda que é os Correios. Vale lembrar que o grupo Magazine Luiza e o da Americanas também estão melhorando bastante seus serviços de venda e entrega, puxados principalmente pela rivalidade com a Amazon.
       
      É aquela história: quando alguém sobe o sarrafo no mercado, as outras são obrigadas a se mexer também hahahah.
    • BobJJ
      By BobJJ
      Grid 2020
       
    • Guilherme Faria
      By Guilherme Faria
      https://oglobo.globo.com/brasil/torcidas-organizadas-saem-as-ruas-em-defesa-da-democracia-em-sao-paulo-minas-rio-1-24455430
      Seriam, talvez, o início de muitas outras? 
×
×
  • Create New...