Jump to content

Lega Calcio Serie A 18/19


Henrique M.
 Share

Recommended Posts

  • Vice-President
Citar

Guia da Serie A 2018/2019

O Campeonato Italiano mais aguardado deste milênio está chegando, fortalecido e cheio de novidades. A miríade de reforços de peso trazidos pelas equipes é encabeçada por Cristiano Ronaldo: o craque da Juventus, heptacampeã nacional, entra em campo na abertura da competição, que acontece às 13 horas de sábado, diante do Chievo. O português foi o grande destaque da janela de transferências, que pela primeira vez fecha antes do início do campeonato. As equipes estão autorizadas a contratar jogadores apenas até a noite de amanhã.

Nem tudo são flores, porém. A valorização do campeonato gerou um aumento no preço dos direitos de transmissão do torneio, o que tem dificultado as negociações para que a Serie A seja exibida no Brasil. A agência multinacional IMG adquiriu os direitos pelo triênio 2018-21 por 371 milhões de euros – quase o dobro do contrato anterior, que a MP & Silva fechou por 190 mi. A IMG pede 270 milhões de reais para cedê-los, valor considerado muito alto pelas emissoras brasileiras. Nos últimos dias surgiu a informação de que a empresa abaixou a pedida, mas nenhuma tratativa foi concluída até o momento.

Até a presente data, só existem duas possibilidades legais de assistir o Italiano em nosso país. A primeira delas é através da Rai International, canal italiano disponível apenas para os assinantes de algumas operadoras de TV fechada (Claro, NET, Sky e Vivo) na modalidade à la carte. Deve ser assinado à parte, individualmente ou como integrante dos chamados pacotes “étnicos” ou “mundo”. A segunda delas é através do serviço de streaming da Bet365, mediante depósito mínimo de R$ 20.

Até o fechamento do nosso guia, 35 brasileiros estão inscritos para disputar esta edição do Campeonato Italiano – desconsiderando Thiago Cionek, naturalizado polonês. Os jogadores do nosso país estão distribuídos em 16 equipes: somente o Chievo e os recém-promovidos Empoli, Frosinone e Parma não tem brasileiros em seus elencos. A equipe com mais representantes tupiniquins é a Lazio, com cinco: Wallace, Luiz Felipe, Maurício, Lucas Leiva e André Anderson, embora Maurício e André não devam ser aproveitados pelo time principal. Em seguida, temos a Udinese, com quatro (Nícolas, Danilo, Samir e Felipe Vizeu).

Atalanta

Cidade: Bérgamo (Lombardia)
Estádio: Atleti Azzurri D’Italia (21.300 lugares)
Fundação: 1907
Apelidos: Nerazzurri, La Dea, Orobici
Principais rivais: Brescia, Inter e Milan
Participações na Serie A: 58
Títulos: nenhum (melhor desempenho: 4ª colocação)
Na última temporada: 7ª posição
Objetivo: vaga na Liga Europa
Brasileiros no elenco: Rafael Tolói
Técnico: Gian Piero Gasperini (3ª temporada)
Destaque: Alejandro Gómez
Fique de olho: Christian Capone
Principais chegadas: Duván Zapata (a, Sampdoria), Mario Pasalic (m, Spartak Moscou) e Matteo Pessina (mat, Spezia)
Principais saídas: Mattia Caldara (z, Milan), Leonardo Spinazzola (le, Juventus) e Bryan Cristante (m, Roma)
Time-base (3-4-3): Berisha; Rafael Tolói, Mancini, Masiello; Hateboer, De Roon, Freuler, Gosens; Ilicic, Zapata, Gómez.

Sensação das duas últimas temporadas, a Atalanta de Gasperini não pode mais ser considerada surpresa há algum tempo. Muito bem treinada, a equipe bergamasca almeja um fato inédito em sua história: se classificar por três anos consecutivas às principais competições europeias. Assim como nas campanhas anteriores, os nerazzurri não começam a Serie A no grupo dos maiores favoritos às vagas continentais, mas continuam fortes o suficiente para incomodar o pelotão dos grandes – ainda que Gasperini tenha se declarado insatisfeito com o mercado.

O atual elenco orobico é muito diferente daquele que protagonizou a campanha do quarto lugar de 2016-17 – somente sete peças permanecem. Entre as saídas dessa janela, as de Caldara e Spinazzola eram certas, já que ambos estavam emprestados. A direção da Atalanta optou por substitui-los por peças que já estavam no elenco, sendo preparadas para assumir a titularidade. Também a custo zero, a equipe repatriou jovens da base e outros jogadores que estavam emprestados, como o zagueiro Djimsiti e os meias Valzania, Pessina e Capone.

Isto não significa que a Atalanta não tenha gastado. Considerando todas as variáveis, o clube fez a contratação mais cara de sua história: aplicou 28 milhões de euros para ter Zapata. O colombiano vem de duas ótimas temporadas por Udinese e Sampdoria e tem tudo para garantir uma boa cota de gols em Bérgamo, como aríete de Gasperini. A vocação ofensiva desta Atalanta, personificada por jogadores como Ilicic, Gómez, Barrow e o próprio Duván, já foi inclusive demonstrada em 2018-19: em quatro jogos da fase preliminar da Liga Europa a equipe marcou 14 vezes.

Bologna

Cidade: Bolonha (Emília-Romanha)
Estádio: Renato Dall’Ara (36.462 lugares)
Fundação: 1909
Apelidos: Rossoblù, Felsinei, Petroniani, Veltri
Principais rivais: Cesena e Fiorentina
Participações na Serie A: 72
Títulos: sete
Na última temporada: 15ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: Angelo da Costa e Caio Vinícius
Técnico: Filippo Inzaghi (1ª temporada)
Destaque: Mattia Destro
Fique de olho: Arturo Calabresi
Principais chegadas: Lukasz Skorupski (g, Roma), Federico Santander (a, Kobenhavn) e Diego Falcinelli (a, Fiorentina)
Principais saídas: Simone Verdi (a, Napoli), Antonio Mirante (g, Roma) e Adam Masina (le, Watford)
Time-base (3-5-2): Skorupski; Helander, González, De Maio; Mattiello, Poli, Pulgar, Dzemaili, Dijks; Destro, Santander (Falcinelli).

Novos tempos para o Bologna. A equipe se despediu do técnico Donadoni, que ficou três anos no cargo, e também negociou alguns atletas que estavam muito inseridos no ambiente, como o goleiro Mirante (seu capitão), os laterais Krafth, Torosidis e Masina e os atacantes Di Francesco e Verdi. Para conduzir o novo ciclo, a diretoria aposta em Pippo Inzaghi, que volta à Serie A três anos depois de sua experiência como técnico do Milan.

Nos dois últimos anos, Inzaghi realizou um trabalho muito bom no tradicional Venezia, com direito a título da terceira divisão e da copa dos clubes da Lega Pro, além de briga pelo acesso à elite. Nos Leões Alados, se destacou principalmente por montar um bom sistema defensivo e pelo alto número de empates. Se repetir o mesmo no Bologna, não fará um trabalho tão diferente do de Donadoni, que montou um Bologna caracterizado por marcar poucos gols e fazer campanhas medianas. Será, no entanto, o suficiente para garantir a equipe na elite e sua permanência no comando.

Os pressupostos para que o time vá bem na defesa estão bem definidos, sobretudo por causa da contratação do ótimo goleiro Skorupski e da manutenção de Pulgar. Por outro lado, o time felsineo terá menos talento na criação, já que não contará mais com Masina, Di Francesco e Verdi – o último deles ainda descomplicava partidas com jogadas de bola parada. Se Dzemaili e os alas conseguirem fazer a bola chegar, ao ataque, a promessa é de que o time tenha melhor aproveitamento nas finalizações. Isso porque, além de Destro e Palacio, o time contará com os centroavantes Falcinelli e Santander, muito hábeis na disputa corpo a corpo com os defensores adversários.

Cagliari

Cidade: Cagliari (Sardenha)
Estádio: Sardegna Arena (16.233 lugares)
Fundação: 1920
Apelidos: Rossoblù, Casteddu, Isolani
Principais rivais: Sassari Torres
Participações na Serie A: 39
Títulos: um
Na última temporada: 16ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: Rafael, João Pedro e Diego Farias
Técnico: Rolando Maran (1ª temporada)
Destaque: Nicolò Barella
Fique de olho: Fabrizio Caligara
Principais chegadas: Darijo Srna (ld, Shakhtar Donetsk), Filip Bradaric (v, Rijeka) e Alberto Cerri (a, Perugia)
Principais saídas: Leandro Castán (z, Vasco), Senna Miangue (le, Standard Liège) e Andrea Cossu (m, encerrou carreira)
Time-base (4-1-3-2): Cragno; Srna, Romagna, Ceppitelli, Lykogiannis; Bradaric; Ionita, Barella, Castro; Pavoletti, Diego Farias.

O Cagliari adicionou tempero croata à sua receita: além de Bradaric, vice-campeão mundial, e do veteraníssimo Srna, o ala Pajac retorna de empréstimo para compor elenco. Os dois primeiros são as maiores apostas do presidente Giulini para evitar que o time da Sardenha passe os mesmos sustos de 2017-18, temporada em que só evitou o rebaixamento no apagar das luzes.

A escolha pelo técnico Maran segue a mesma linha de pensamento. O trentino costuma montar bons sistemas defensivos e já levou o Catania ao recorde de pontos na elite e o Chievo a três salvações sem sustos – numa delas, em 2016, o time ficou com o nono lugar no campeonato. O treinador contará com a evolução dos jovens Cragno e Romagna, que tiveram seus primeiros anos como titulares na Serie A e conseguiram destaque mesmo com toda a desconexão da equipe. A dupla será ainda mais importante em 2018-19.

Bradaric atuará como cão de guarda, mais recuado num meio-campo de três meias centrais. A manutenção de Barella, o mais dinâmico e técnico deles, é um bálsamo para o Cagliari. A permanência do jovem formado na base dos casteddu foi surpreendente: o interesse dos gigantes italianos acabou não se concretizando em propostas. Com isso, Barella continuará sendo o principal elo entre o setor e o ataque, que dependeu demais de Pavoletti na temporada anterior. Autor de 15 gols na última segundona, Cerri é um bom reforço, mas a torcida também espera que Sau e Farias voltem a mostrar bom futebol.

Chievo

Cidade: Verona (Vêneto)
Estádio: Marcantonio Bentegodi (39.211 lugares)
Fundação: 1929
Apelidos: Gialloblù, Ceo, Burros Alados, Clivensi
Principal rival: Verona
Participações na Serie A: 17
Títulos: nenhum (melhor desempenho: 4ª colocação)
Na última temporada: 13ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: nenhum
Técnico: Lorenzo D’Anna (2ª temporada)
Destaque: Valter Birsa
Fique de olho: Adrian Semper
Principais chegadas: Luca Rossettini (z, Genoa), Joel Obi (m, Torino) e Filip Djordjevic (a, Lazio)
Principais saídas: Dario Dainelli (z, Livorno), Lucas Castro (m, Cagliari) e Roberto Inglese (a, Parma)
Time-base (4-3-3): Sorrentino; Jaroszynski, Tomovic, Bani (Rossettini), Cacciatore; Obi, Radovanovic, Hetemaj; Birsa, Stepinski, Giaccherini.

Nos últimos anos o Chievo foi sinônimo de estabilidade, mas 2018-19 já conta uma história bem diferente para os Burros Alados. O clube estava sendo investigado por falsificar seu balanço contábil e, por isso, correu o risco de ser rebaixado pela justiça desportiva. A participação na Serie A foi garantida às vésperas do sorteio do calendário do torneio, mas o processo ainda corre e o clube pode sofrer outras sanções, como a perda de pontos. O suspense continua.

Para um clube tão ameaçado, o Chievo não fez grande investimento no mercado – nem em quantidade nem em valor. O time negociou cinco atletas que frequentaram bastante o onze inicial, incluindo o artilheiro Inglese. Seu substituto é Stepinski, que já estava no elenco e apareceu bem na última Serie A, mas o time carece de opções no setor. Djordjevic é uma incógnita porque nem foi inscrito pela Lazio no campeonato passado e só atuou em 18 partidas em 2016-17. Além disso, o capitão Pellissier já tem 39 anos e Pucciarelli e Meggiorini não são grandes goleadores.

Os clivensi dependerão muito das assistências e, sobretudo, dos gols de Birsa e Giaccherini, jogadores versáteis que costumam marcar gols de fora da área. Cacciatore e Jaroszynski, muito agudos no apoio, também serão uma arma importante para um time que costuma passar longe de ser criativo. Os amistosos de pré-temporada não foram muito promissores e mostraram que o inexperiente técnico D’Anna terá muito trabalho. Bandeira do clube como jogador, o ex-zagueiro comandou o time nas três vitórias nas rodadas finais do último campeonato e, por garantir a permanência na elite, foi confirmado no comando para 2018-19. O desafio será maior dessa vez.

Empoli

Cidade: Empoli (Toscana)
Estádio: Carlo Castellani (16.800 lugares)
Fundação: 1920
Apelido: Azzurri
Principais rivais: Fiorentina, Pisa, Siena, Pistoiese e Lucchese
Participações na Serie A: 13
Títulos: nenhum (melhor desempenho: 7ª colocação)
Na última temporada: campeão da Serie B (promovido)
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: nenhum
Técnico: Aurelio Andreazzoli (2ª temporada)
Destaque: Francesco Caputo
Fique de olho: Samuel Mráz
Principais chegadas: Matías Silvestre (z, Sampdoria), Leonardo Capezzi (m, Sampdoria) e Antonino La Gumina (a, Palermo)
Principais saídas: Sebastiano Luperto (z, Napoli), Nikola Ninkovic (mat, Genoa) e Alfredo Donnarumma (a, Brescia)
Time-base (4-3-1-2): Provedel; Di Lorenzo, Veseli (Silvestre), Maietta, Pasqual (Antonelli); Bennacer, Capezzi, Krunic; Zajc; La Gumina, Caputo.

Candidato a surpresa da temporada, o Empoli vem de uma segunda parte de Serie B irrepreensível. A diretoria decidiu demitir o técnico Vincenzo Vivarini na 20ª rodada e apostou em Andreazzoli, ex-auxiliar da Roma e interino da Loba em 2013. Em 22 jogos, o treinador fez a equipe disparar e, invicta desde sua chegada, conquistar o bicampeonato da segundona. O ataque já era a força do time, mas o comandante aperfeiçoou o setor e o Empoli quase bateu o recorde de gols da competição: os azzurri fizeram 88, dois a menos que o Pescara de Zeman, em 2011-12.

O Empoli teve os dois principais artilheiros da segundona: Francesco Caputo, com 26 gols, e Alfredo Donnarumma, que foi às redes em 23 ocasiões. O segundo deles deixou o elenco, mas a equipe foi ao mercado e contratou dois jovens promissores para seu lugar: La Gumina, provável titular, e o eslovaco Mráz, sub-21 do país do Leste Europeu. Juventude, aliás, é palavra de ordem na Toscana. O elenco era o mais jovem da última Serie B e ganhou mais reforços sub-23: além dos já citados, os defensores Marcjanik e Rasmussen, que se unem a Untersee, Bennacer, Zajc e Krunic. Todos eles contam com passagens em seleções de base e os três últimos já foram além, com convocações para os times principais de seus países.

Para equilibrar, o Empoli conta com alguns jogadores muito experientes. Alguns, como o interminável volante Brighi, são apenas opções de banco. Outros, como o capitão Pasqual e os defensores Silvestre, Maietta e Antonelli, devem ter presença constante no onze inicial azzurro. O artilheiro Caputo também está no time dos veteranos, mas tem uma peculiaridade: só marcou um gol na primeira divisão. O camisa 11 sempre foi goleador na Serie B, mas só aos 31 anos terá chance real de se mostrar na elite.

Fiorentina

Cidade: Florença (Toscana)
Estádio: Artemio Franchi (43.147 lugares)
Fundação: 1926
Apelidos: Viola, Gigliati
Principais rivais: Juventus, Roma e Bologna
Participações na Serie A: 82
Títulos: dois
Na última temporada: 8ª posição
Objetivo: vaga na Liga Europa
Brasileiros no elenco: Vitor Hugo e Gerson
Técnico: Stefano Pioli (2ª temporada)
Destaque: Federico Chiesa
Fique de olho: Dávid Hancko
Principais chegadas: Alban Lafont (g, Toulouse), Gerson (m, Roma) e Marko Pjaca (a, Schalke 04)
Principais saídas: Marco Sportiello (g, Frosinone), Milan Badelj (m, Lazio) e Diego Falcinelli (a, Bologna)
Time-base (4-3-3): Lafont; Milenkovic, Pezzella, Vitor Hugo, Biraghi; Benassi, Dabo, Veretout; Chiesa, Simeone, Pjaca.

Uma Fiorentina projetada para o futuro, mas que pode colher frutos no presente. Com a média de idade mais baixa do campeonato (23,45 anos), a “baby viola” promete futebol insinuante para competir por uma vaga nas competições europeias. Oitava colocada na Serie A 2017-18, a equipe treinada por Pioli já mostrou atributos positivos na última temporada e ainda tem uma alta margem de evolução de seu potencial.

O elenco é quase o mesmo da última temporada: entre os titulares, saíram apenas o goleiro Sportiello e o capitão Badelj. A diretoria conseguiu segurar Chiesa e Simeone, que muito interessavam a outros times europeus, e reforçou o elenco com juventude. Entre todos os contratados pela Fiorentina, só o belga Mirallas tem mais de 25 anos.

Uma das chegadas mais interessantes é a do goleiro Lafont, que se tornou titular do Toulouse antes mesmo de completar 17 anos. O goleiro nascido em Burkina Faso tem apenas 19 anos e já é candidato a ser uma das sensações da temporada italiana. Mais à frente, o forte meio-campo violeta perdeu o capitão Badelj, mas Benassi e Veretout já estão entrosados com Dabo e Saponara, que brigam por uma posição no setor. O que chama mais atenção, no entanto, é o tridente ofensivo, que deve dar muitas alegrias à torcida. Chiesa, Simeone e Pjaca oferecem um misto de dinamismo e alto rendimento, ao passo que Eysseric, Théréau, Gerson e Mirallas também são opções interessantes.

Frosinone

Cidade: Frosinone (Lácio)
Estádio: Benito Stirpe (16.227 lugares)
Fundação: 1912
Apelidos: Canarini, Ciociari, Leoni gialloblù
Principal rival: Latina
Participações na Serie A: 2
Títulos da Serie A: nenhum (melhor desempenho: 19ª colocação)
Na última temporada: 3º na Serie B; promovido através dos play-offs
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: nenhum
Técnico: Moreno Longo (2ª temporada)
Destaque: Camillo Ciano
Fique de olho: ninguém
Principais chegadas: Marco Sportiello (g, Fiorentina), Cristian Molinaro (le, Torino) e Emil Hallfredsson (m, Udinese)
Principais saídas: Roberto Crivello (le, Spezia), Moussa Koné (m, Erzurumspor) e Alessandro Frara (m, encerrou carreira)
Time-base (3-5-2): Sportiello; Goldaniga, Terranova (Salamon), Kranjc; M. Ciofani; Chibsah, Hallfredsson, Crisetig, Molinaro; Ciano, Perica.

Em sua segunda participação na Serie A, o Frosinone apresenta sua segunda arena. No ano passado os canarini aposentaram o antigo Matusa e começaram a usar o Benito Stirpe, estádio mais novo da Itália, com todos os lugares cobertos: com os dividendos oriundos da passagem pela primeira divisão, inauguraram seu estádio próprio no ano passado, depois de terem recomeçado um projeto abandonado há três décadas. As belezas da equipe lacial, porém, devem ficar restritas à praça esportiva.

O elenco do Frosinone tem nove remanescentes da campanha de estreia na elite, em 2016-17. Essa turma quase devolveu os ciociari à primeira divisão na temporada seguinte e persistiu, até realizar o sonho da torcida na última segundona. O time do técnico Longo não tem enormes destaques individuais nem atingiu números tão chamativos na Serie B, mas se caracteriza por lutar bastante e vender caro as derrotas. Esse deve ser o principal atributo dos leoni, que precisarão mesmo suar para escapar do descenso.

O destaque do time é o atacante Ciano, que terá sua primeira oportunidade na elite após quatro anos de boas atuações na Serie B – ele foi um dos artilheiros da equipe ao lado de Daniel Ciofani, bandeira gialloblù. A dupla terá a companhia de alguns bons reforços, como o ótimo goleiro Sportiello (que brigará por posição com Bardi) e os veteranos Molinaro e Hallfredsson, mas o elenco continua bastante modesto: outros contratados, como Salamon, Crisetig e Perica não fazem Frosinone dar um salto de qualidade necessário para abordar o campeonato com maior tranquilidade.

Genoa


Cidade: Gênova (Ligúria)
Estádio: Luigi Ferraris (36.599 lugares)
Fundação: 1893
Apelidos: Grifone, Grifo, Rossoblù, Vecchio Balordo
Principal rival: Sampdoria
Participações na Serie A: 52
Títulos: nove
Na última temporada: 12ª posição
Objetivo: meio da tabela
Brasileiros no elenco: Rômulo e Sandro
Técnico: Davide Ballardini (2ª temporada)
Destaque: Domenico Criscito
Fique de olho: Lorenzo Callegari
Principais chegadas: Domenico Criscito (le, Zenit), Sandro (v, Benevento) e Krzysztof Piatek (a, Cracóvia)
Principais saídas: Mattia Perin (g, Juventus), Armando Izzo (z, Torino) e Diego Laxalt (le, Milan)
Time-base (4-3-1-2): Marchetti; Rômulo, Lisandro López, Zukanovic, Criscito; Daniel Bessa, Sandro, Hiljemark; Pandev; Lapadula, Piatek.

Em 2017-18, o Genoa de Ballardini se destacou por ter um ataque bastante improdutivo, mas também por uma defesa fortíssima, que levou a equipe a uma posição confortável na classificação. O treinador costuma ter um prazo de validade curto, mas foi mantido no comando e recebeu reforços para corrigir os problemas ofensivos e aperfeiçoar seu ferrolho.

No ataque, Lapadula e Pandev ganham a companhia de Piatek, jovem de 22 anos que foi artilheiro do último Campeonato Polonês. Pré-convocado para a Copa do Mundo, ele é um centroavante moderno, que sabe jogar fora da área e já impressionou: fez uma penca de gols nos amistosos de pré-temporada e fez os quatro da vitória rossoblù sobre o Lecce na terceira fase da Coppa Italia. Os grifoni ainda terão opções interessantes para a criação, como Hiljemark, Kouamé, Iuri Medeiros e o dinâmico Rômulo. Laxalt, que vem em excelente momento, será u

O bom sistema defensivo ganhou várias alternativas a Zukanovic e Spolli. Com isso, as saídas de Burdisso e Izzo não devem influenciar no andamento da campanha. Afinal, Criscito e Lisandro López são rodados e têm qualidade – sem falar que Sandro será um leão de chácara à frente da linha de zaga. A incógnita está na meta: o capitão Perin foi fundamental nos cinco anos em que foi titular e seus substitutos são apostas da diretoria. O veterano Marchetti, ex-goleiro da seleção italiana, larga com a vaga no onze inicial, mas vive às voltas com problemas físicos e não atua no campeonato há um ano e meio. Já o romeno Radu tem potencial, mas disputou apenas uma Serie B pelo Avellino.

Inter

Cidade: Milão (Lombardia)
Estádio: Giuseppe Meazza (80.018 lugares)
Fundação: 1908
Apelidos: Nerazzurri, Beneamata, Biscione
Principais rivais: Milan e Juventus
Participações na Serie A: 87
Títulos: 18
Na última temporada: 4ª posição
Objetivo: vaga na Liga dos Campeões
Brasileiros no elenco: Miranda e Dalbert
Técnico: Luciano Spalletti (2ª temporada)
Destaque: Mauro Icardi
Fique de olho: Xian Emmers
Principais chegadas: Sime Vrsaljko (ld, Atlético de Madrid), Radja Nainggolan (m, Roma) e Lautaro Martínez (a, Racing)
Principais saídas: João Cancelo (ld, Juventus), Rafinha (m, Barcelona) e Éder (a, Jiangsu Suning)
Time-base (4-2-3-1): Handanovic; Vrsaljko, Skriniar, De Vrij (Miranda), Asamoah; Brozovic, Gagliardini; Politano (Keita), Nainggolan, Perisic; Icardi.

Com o retorno para a Liga dos Campeões, a Inter em formato gigante voltou. Os nerazzurri fizeram um mercado robusto, reforçaram todos os setores carentes e formaram um elenco extremamente sólido, capaz de competir nas três frentes em que o clube está na temporada. Não é exagero dizer que, no papel, a Beneamata é a principal antagonista da Juventus em 2018-19. O objetivo mínimo, no entanto, é garantir mais uma vez a classificação para o principal torneio continental.

Somente as saídas de Cancelo e Rafinha foram realmente significativas, mas dá para dizer que o time se fortalece com as contratações de Vrsaljko e Nainggolan, que preenchem as lacunas deixadas pelos que se despediram. A equipe ainda quer colocar uma cereja no topo do bolo e flerta com Modric até as últimas horas da janela de transferências. Sem o croata, a equipe já é forte; com o Bola de Ouro da Copa do Mundo, fica fortíssima.

Spalletti ganhou peças versáteis (Asamoah, Vrsaljko, Nainggolan, Politano, Keita) e a possibilidade de experimentar diferentes sistemas numa mesma partida – até mesmo uma linha defensiva com Skriniar, Miranda e De Vrij não está descartada. Para o alívio da torcida, Candreva perdeu espaço e a Inter conseguiu segurar Perisic e Icardi, suas maiores estrelas. Um terceiro astro também começou a brilhar: Martínez fez ótima pré-temporada e deve ser o 12º jogador do elenco em 2018-19.

Juventus

Cidade: Turim (Piemonte)
Estádio: Allianz Stadium (41.507 lugares)
Fundação: 1897
Apelidos: Bianconeri, Zebras e Velha Senhora
Principais rivais: Torino e Inter
Participações na Serie A: 86
Títulos: 34
Na última temporada: campeã
Objetivo: título
Brasileiros no elenco: Alex Sandro e Douglas Costa
Técnico: Massimiliano Allegri (5ª temporada)
Destaque: Cristiano Ronaldo
Fique de olho: Christian Makoun
Principais chegadas: Cristiano Ronaldo (a, Real Madrid), Leonardo Bonucci (z, Milan) e João Cancelo (ld, Inter)
Principais saídas: Gianluigi Buffon (g, Paris Saint-Germain), Stephan Lichtsteiner (ld, Arsenal) e Gonzalo Higuaín (a, Milan)
Time-base (4-3-2-1): Szczesny; João Cancelo, Bonucci, Chiellini, Alex Sandro; Emre Can, Pjanic, Matuidi; Douglas Costa, Dybala; Ronaldo.

Ronaldo. Somente este nome próprio já serviria para mostrar o tamanho do favoritismo da Juventus e o que a Velha Senhora almeja para os próximos anos. O presidente Agnelli apostou alto e fez a maior contratação da história do clube: com o melhor do mundo em Turim, quer colocar a equipe no topo da Europa e do planeta. Ganhar apenas em casa já não é mais satisfatório para as ambições dos bianconeri.

Allegri já tinha em suas mãos o elenco mais qualificado da Itália e, embora os outros times tenham se reforçado, a Juve também melhorou no papel. Perdeu experiência com as saídas de Lichtsteiner e Asamoah, mas ganhou vocação ofensiva e juventude com Cancelo e Spinazzola – que mantêm as características de versatilidade no setor. Comparar o quão superiores são Can e Cristiano a Sturaro e Higuaín chega a ser covardia.

Se CR7 é uma das maiores garantias do futebol mundial, há duas (pequenas) incógnitas nesta Juve. A saída de Buffon, por tudo o que Gigi representa, é um baque – e pode se fazer sentir nos momentos mais difíceis. Szczesny e Perin têm qualidade para ocuparem a posição e não devem trazer problemas a Allegri neste particular, mas o que estará em jogo é a personalidade de cada um deles. O mesmo vale para Bonucci, que teve um ano abaixo da crítica no Milan e precisará reconquistar a torcida. Mas, vamos combinar: quase todos os times do mundo gostariam de ter estes “problemas”. Sem dúvidas, a Juve ainda é o esquadrão a ser batido.

Lazio

Cidade: Roma (Lácio)
Estádio: Olímpico (73.000 lugares)
Fundação: 1900
Apelidos: Biancocelesti, Biancazzurri, Aquile, Aquilotti
Principal rival: Roma
Participações na Serie A: 76
Títulos: dois
Na última temporada: 5ª posição
Objetivo: vaga na Liga Europa
Brasileiros no elenco: Wallace, Luiz Felipe, Maurício e Lucas Leiva
Técnico: Simone Inzaghi (4ª temporada)
Destaque: Ciro Immobile
Fique de olho: Lorenzo Filippini
Principais chegadas: Francesco Acerbi (z, Sassuolo), Milan Badelj (m, Fiorentina) e Joaquín Correa (mat, Sevilla)
Principais saídas: Stefan De Vrij (z, Inter), Felipe Anderson (mat, West Ham) e Nani (mat, Sporting)
Time-base (3-5-1-1): Strakosha; Luiz Felipe, Acerbi, Radu; Marusic, Parolo, Lucas Leiva, Milinkovic-Savic, Lulic; Luis Alberto; Immobile.

Um dos times mais atraentes os últimos anos de Serie A, a Lazio de Simone Inzaghi promete continuar incomodando nesta temporada. Os celestes perderam apenas De Vrij e Felipe Anderson nesta janela e a alta pedida feita pelo presidente Lotito por Milinkovic-Savic torna uma saída do sérvio praticamente impossível até sexta-feira. Somando a isso os reforços pontuais em todos os setores, o numeroso elenco laziale foi recheado com qualidade. A concorrência por vagas europeias é ferrenha, mas a Lazio brigará até o fim.

A espinha dorsal continua a mesma, com exceção da troca de De Vrij por Acerbi, um dos zagueiros mais regulares da Itália, com mais de 120 jogos seguidos como titular do Sassuolo. Sergej, Parolo e Lucas Leiva dão “quantidade e qualidade” no centro do campo e ganharam um companheiro de alto nível: Badelj, meia vice-campeão mundial adquirido a custo zero junto à Fiorentina. O croata pode jogar ao lado de Lucas ou substitui-lo em alguns momentos.

Grata surpresa da última temporada, Luis Alberto continua com a responsabilidade de municiar Immobile, comandante do ataque laziale. Com as saídas de Felipe Anderson e Nani, porém, ele terá outros concorrentes para a função. A venda do brasileiro ao West Ham serviu para financiar uma dupla de reforços que dão a Inzaghi a possibilidade de diversificar estratégias na parte de criação. Versáteis, Correa e Berisha são ótimas aquisições e terão muitos minutos em campo, já que a Lazio disputa três competições e o treinador tem o hábito de fazer rodízio.

Milan

Cidade: Milão (Lombardia)
Estádio: Giuseppe Meazza (80.018 lugares)
Fundação: 1899
Apelidos: Rossoneri, Diavolo
Principais rivais: Inter e Juventus
Participações na Serie A: 85
Títulos: 18
Na última temporada: 6ª posição
Objetivo: vaga na Liga dos Campeões
Brasileiros no elenco: nenhum
Técnico: Gennaro Gattuso (2ª temporada)
Destaque: Gianluigi Donnarumma
Fique de olho: Frank Tsadjout
Principais chegadas: Mattia Caldara (z, Atalanta), Tiemoué Bakayoko (v, Chelsea), Gonzalo Higuaín (a, Juventus)
Principais saídas: Leonardo Bonucci (z, Juventus), André Silva (a, Sevilla) e Nikola Kalinic (a, Atlético de Madrid)
Time-base (4-3-3): Donnarumma; Conti, Caldara, Romagnoli, Laxalt (Rodríguez); Kessié, Bakayoko, Bonaventura; Suso, Higuaín, Çalhanoglu.

Li Yonghong deixou a presidência do Milan tarde demais e sem provocar saudades na torcida. O dirigente não conseguiu cumprir suas promessas e honrar seus compromissos: não cobriu as dívidas da gestão anterior nem saldou o empréstimo junto ao fundo Elliott, que assumiu o controle da agremiação como forma de liquidar os débitos. Por causa da lambança da cartolagem, o clube quase ficou fora da Liga Europa (precisou de recurso ao TAS para manter a vaga) e teve o trabalho no mercado atrasado. O final da quizila, no entanto, foi feliz: mesmo com menos tempo, o Milan se reforçou bem e pode almejar o retorno à Liga dos Campeões.

A única perda realmente relevante foi a de Bonucci, que voltou à Juventus, mas a transação trouxe dois reforços vitais para os rossoneri. A começar por Caldara, zagueiro que já mostrou sua qualidade e que tem potencial de formar com Romagnoli a dupla de centrais do Milan e da Itália por uma década. Vale lembrar ainda que o Diavolo conta com Donnarumma no gol e pode repetir um modelo que já funcionou duas vezes na Juventus: formar uma linha defensiva que também joga junta na seleção. A primeira linha ainda terá o incansável Laxalt, de boa Copa pelo Uruguai.

Nesta temporada Gattuso também poderá contar com o futebol de Conti, que passou a última campanha inteira lesionado. O técnico também vê o time ganhar músculos e intensidade com Bakayoko no lugar de Biglia no centro do campo, completando um setor que já tem Kessié e Bonaventura, que foram os termômetros do time em 2017-18. Mais importante: o Milan conseguiu suprir sua principal carência, que era a necessidade de um goleador que pudesse capitalizar a criatividade de Suso e Çalhanoglu – e, agora, também de Samu Castillejo. Higuaín é um atacante que garante uma alta cota de tentos no campeonato e é um luxo ter Cutrone como opção ao argentino – em vez de Kalinic e André Silva, que fracassaram em Milanello. O Diavolo não tem muita profundidade de elenco, mas tem plenas condições de competir pelo seu objetivo.

Napoli

Cidade: Nápoles (Campânia)
Estádio: San Paolo (60.240 lugares)
Fundação: 1926
Apelidos: Azzurri, Partenopei
Principais rivais: Verona, Juventus, Inter e Milan
Participações na Serie A: 73
Títulos: dois
Na última temporada: 2ª posição
Objetivo: vaga na Liga dos Campeões
Brasileiros no elenco: Allan e Vinícius
Técnico: Carlo Ancelotti (1ª temporada)
Destaque: Lorenzo Insigne
Fique de olho: Sebastiano Luperto
Principais chegadas: Alex Meret (g, Spal), Fabián Ruiz (m, Betis) e Simone Verdi (a, Bologna)
Principais saídas: Pepe Reina (g, Milan), Jorginho (m, Chelsea) e Christian Maggio (ld, Benevento)
Time-base (4-3-3): Meret (Ospina); Hysaj, Albiol, Koulibaly, Mário Rui; Allan, Hamsík, Ruiz; Callejón, Mertens, Insigne.

Enquanto todos os adversários se reforçaram, o Napoli é o único postulante pelas primeiras posições da tabela que está imerso em dúvidas. A pré-temporada de horror acentuou o ceticismo da torcida, que já sabia que o time poderia demorar a engrenar em 2018-19. Afinal, a troca de Sarri por Ancelotti teria seus efeitos colaterais. Por mais vencedor que Don Carletto seja, as ideias do seu antecessor ainda estão muito arraigadas no elenco e uma mudança de filosofia não acontece de uma hora para outra.

O sorteio do calendário da Serie A, porém, obriga o elenco partenopeo a pegar no tranco. O Napoli não terá descanso nas sete primeiras rodadas, que reservam aos azzurri confrontos com Lazio, Milan e Juventus, por exemplo. Nesse período, Hamsík ainda estará se adaptando à função de Jorginho e o goleiro Meret estará ausente, por lesão. Seu substituto nos amistosos foi Karnezis, que se saiu muito mal e obrigou o clube a ir atrás de Ospina no último dia da janela. É o colombiano que começa jogando em 2018-19.

As chegadas de Meret, Ruiz e Verdi são bastante interessantes, mas também dão a dimensão das diferenças de receita entre o Napoli e seus rivais. Por sua qualidade, os dois jogadores de linha devem ter chances frequentes nas partidas e têm o potencial de fazer o time depender menos de Hamsík, Mertens e Callejón, que na segunda metade da última temporada ficaram aquém do que podem produzir. Insigne, porém, ainda é o centro de gravidade da equipe napolitana e qualquer chance de sucesso azzurro passa pela habilidade do baixinho.

Parma

Cidade: Parma (Emília-Romanha)
Estádio: Ennio Tardini (27.906 lugares)
Fundação: 1913
Apelidos: Gialloblù, Crociati e Ducali
Principais rivais: Bologna e Reggiana
Participações na Serie A: 25
Títulos da Serie A: nenhum (melhor desempenho: 2ª posição)
Na última temporada: vice-campeão da Serie B; promovido
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: nenhum
Técnico: Roberto D’Aversa (3ª temporada)
Destaque: Amato Ciciretti
Fique de olho: Francisco Sierralta
Principais chegadas: Bruno Alves (z, Rangers), Gervinho (a, Hebei) e Roberto Inglese (a, Chievo)
Principais saídas: Alessandro Lucarelli (z, encerrou carreira) e Roberto Insigne (a, Napoli)
Time-base (4-3-3): Sepe; Gazzola, Bruno Alves, Gagliolo, Gobbi; Grassi, Stulac, Dezi; Ciciretti, Inglese, Gervinho.

Para a alegria dos nostálgicos, o Parma está de volta à elite após falir e viver o inferno das divisões inferiores. A equipe crociata é a única na história do futebol italiano a conquistar três acessos consecutivos e chegar à primeira categoria, mas dessa vez precisará se acostumar a ficar na parte baixa da tabela. Afinal, dificilmente os ducali conseguirão algo além do seu objetivo inicial, que é escapar do rebaixamento.

A diretoria foi ao mercado em busca de jogadores experientes, como Gervinho, Bruno Alves e Gobbi, mas também colheu revelações de outras equipes, como Bastoni, Dimarco, Sepe, Grassi e Stulac; sem falar no zagueiro chileno Sierralta, reemprestado pela Udinese, e em Inglese, que terá a missão de marcar a maior parte dos gols da equipe. Por causa da atividade dos cartolas nos bastidores, o time-base parmense será bem diferente do que conquistou o acesso: apenas quatro prováveis titulares ajudaram o time a subir e carregam a experiência daqueles momentos de dificuldades.

Camisa 10 do time, Ciciretti terá mais uma oportunidade de deslanchar na Serie A, e terá a companhia dos rodados e velozes Gervinho e Biabiany, pelos lados do campo. Dois outros jogadores que também não tiveram a oportunidade de disputar a primeira divisão e têm potencial são os meio-campistas Stulac e Dezi, de ótimas atuações na última temporada. O Parma é um time com potencial, mas a capacidade de brigar com força pela permanência dependerá muito de como o inexperiente técnico D’Aversa irá se portar nas rodadas iniciais, que servirão como termômetro das capacidades dos emilianos.

Roma

Cidade: Roma (Lácio)
Estádio: Olímpico (73.000 lugares)
Fundação: 1927
Apelidos: Giallorossi, Lupi, A Maggica
Principais rivais: Lazio e Juventus
Participações na Serie A: 86
Títulos: três
Na última temporada: 3ª posição
Objetivo: vaga na Liga dos Campeões
Brasileiros no elenco: Daniel Fuzato e Juan Jesus
Técnico: Eusebio Di Francesco (2ª temporada)
Destaque: Edin Dzeko
Fique de olho: Nicolò Zaniolo
Principais chegadas: Robin Olsen (g, Kobenhavn), Javier Pastore (mat, Paris Saint-Germain) e Justin Kluivert (a, Ajax)
Principais saídas: Alisson (g, Liverpool), Radja Nainggolan (m, Inter) e Grégoire Defrel (a, Sampdoria)
Time-base (4-3-3): Olsen; Florenzi (Karsdorp), Manolas, Fazio, Kolarov; Cristante (Strootman), De Rossi (N’Zonzi), Pastore; Ünder, Dzeko, Kluivert.

A Roma menos brasileira dos últimos tempos foi um dos times mais ativos do mercado e começou a se mexer cedo, considerando que era grande a possibilidade de negociar Nainggolan e Alisson nesta janela, como acabou acontecendo. Inclusive, o encaixe de seus substitutos será o fiel da balança da temporada giallorossa. Não podemos esquecer como o belga e o brasileiro foram decisivos na Cidade Eterna.

Aos 28 anos, Olsen chega gabaritado por uma boa Copa do Mundo pela Suécia, mas por outro lado terá sua primeira experiência num grande centro europeu. É uma aposta de Monchi. O novo posicionamento de Pastore, que deve jogar mais recuado, também é um lance de Di Francesco, mas há opções em abundância para o meio-campo, que deu a De Rossi e Strootman a dura concorrência dos ótimos e dinâmicos N’Zonzi e Cristante.

Para 2018-19, Dzeko ganha importância ainda maior para a Roma, pois é o único verdadeiro goleador do elenco – Schick ainda precisa se provar na função. Querido pela torcida, o bósnio tentará melhorar a marca de 16 gols do ano passado e lutará pela artilharia com Cristiano Ronaldo, Icardi, Higuaín e Immobile. O camisa 9 terá o auxílio de muitos jogadores leves pelos lados do campo, com destaque para Justin Kluivert. Destaque do Ajax, o garoto holandês almeja melhor sorte nos gramados da Itália do que seu pai, Patrick, que fracassou no Milan.

Sampdoria

Cidade: Gênova (Ligúria)
Estádio: Luigi Ferraris (36.599 lugares)
Fundação: 1946
Apelidos: Blucerchiati, Doria, Samp
Principal rival: Genoa
Participações na Serie A: 62
Títulos: um
Na última temporada: 10ª posição
Objetivo: vaga na Liga Europa
Brasileiros no elenco: Rafael e Júnior Tavares
Técnico: Marco Giampaolo (3ª temporada)
Destaque: Fabio Quagliarella
Fique de olho: Emil Audero
Principais chegadas: Emil Audero (g, Venezia), Jakub Jankto (m, Udinese) e Grégoire Defrel (a, Roma)
Principais saídas: Emiliano Viviano (g, Sporting), Lucas Torreira (v, Arsenal) e Duván Zapata (a, Atalanta)
Time-base (4-3-1-2): Audero; Bereszynski, Andersen (Tonelli), Colley, Murru; Praet, Linetty, Jankto; Ramírez; Quagliarella, Defrel.

Após uma temporada irregular, de início avassalador e metade final aquém das expectativas, a Sampdoria busca um novo caminho para não ser coadjuvante nesta Serie A. A equipe genovesa terá dura concorrência por uma vaga na Liga Europa, mas oferecerá dificuldades para os adversários e tem perspectiva de terminar o campeonato pelo menos entre os dez primeiros colocados.

O time perdeu vários jogadores importantes, como o goleiro titular Viviano e a dupla de defesa formada por Ferrari e Silvestre, além de dois de seus maiores destaques – Torreira e Zapata. Walter Sabatini, conhecido por ter boa observação do mercado, chegou para trazer bons valores de mercados emergentes e/ou pouco observados. Não decepcionou: da Bélgica, trouxe o defensor gambiano Colley e o volante Peeters; na segundona inglesa pescou o meia central Ronaldo Vieira. Além disso, conseguiu fazer belos negócios ao acertar com Jankto, ex-Udinese, e Defrel, de saída da Roma. Olho ainda no talentoso goleiro Audero, revelado pela Juve.

Por outro lado, a Samp conseguiu segurar seus “poloneses maravilhosos”, cuja importância no elenco deve crescer neste ano. Giampaolo aposta muito na agudez de Bereszynski e no equilíbrio de Linetty. O tridente com Jankto e Praet, aliás, promete muito. Cabe, aqui, um adendo para Kownacki. O atacante receberá mais oportunidades entre os titulares após um ano positivo na Itália e pelo fato de Quagliarella não durar para sempre. A última temporada foi a mais prolífica do veterano, mas também foi marcada por seguidos problemas físicos. A tendência é que o capitão seja preservado com maior frequência.

Sassuolo

Cidade: Sassuolo (Emília-Romanha)
Estádio: Città del Tricolore (21.584 lugares)
Fundação: 1920
Apelidos: Neroverdi, Sasòl
Principal rival: Modena
Participações na Serie A: 6
Títulos: nenhum (melhor desempenho: 6ª colocação)
Na última temporada: 11ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: Rogério e Marlon
Técnico: Roberto De Zerbi (1ª temporada)
Destaque: Domenico Berardi
Fique de olho: Jens Odgaard
Principais chegadas: Gian Marco Ferrari (z, Sampdoria), Kevin-Prince Boateng (mat, Eintracht Frankfurt) e Enrico Brignola (a, Benevento)
Principais saídas: Francesco Acerbi (z, Lazio), Luca Mazzitelli (v, Genoa) e Matteo Politano (a, Inter)
Time-base (4-3-3): Consigli; Lirola, Ferrari, Lemos (Marlon), Peluso; Boateng, Magnanelli (Locatelli), Duncan; Berardi, Babacar, Brignola (Di Francesco).

O susto em 2017-18 parece ter feito o Sassuolo acordar para a realidade. O flerte com o rebaixamento e a dependência quase total do futebol de Politano não combinavam com um clube que, desde que aportou na Serie A, se destaca pela organização e pelo planejamento. Parece que as coisas voltam aos trilhos nesta temporada, embora o time tenha perdido dois de seus principais jogadores e algumas outras peças importantes e experientes.

Escolhido para este momento de transição, o técnico De Zerbi mostrou qualidades mesmo no fraco Benevento e tem um estilo ofensivo, que dialoga com a identidade que o Sassuolo criou – e acabou perdendo na última temporada. O regular Acerbi rumou à Lazio, mas Ferrari, Marlon e Lemos podem formar uma dupla de zaga bem razoável – contando ainda que Magnani, adquirido e emprestado pela Juve nesta janela, vá se ambientar. Com a saída de Politano, as atenções se voltam novamente para Berardi, que vem de três campanhas negativas, muito aquém do mostrado em seus dois primeiros anos na elite. É a hora de explodir.

O atacante calabrês contará com o apoio de Brignola, um dos melhores pontas da última Serie A. O baixinho é conhecido de De Zerbi, que o treinou no Benevento, e é um dos tantos jovens jogadores que a equipe trouxe nesta janela – para contrastar com a experiência de Boateng, ex-Milan. Di Francesco, Brignola e Locatelli chegam para jogar, enquanto Sernicola, Boga, Odgaard e Scamacca são nomes interessantes para o futuro, mas que já têm condições de brilharem no presente. Com tantos atributos, quem sabe os neroverdi não surpreendam mais uma vez?

Spal

Cidade: Ferrara (Emília-Romanha)
Estádio: Paolo Mazza (13.135 lugares)
Fundação: 1907
Apelidos: Spallini, Biancazzurri, Estensi
Principais rivais: Bologna, Reggiana e Modena
Participações na Serie A: 18
Títulos: nenhum (melhor desempenho: 5ª colocação)
Na última temporada: 17ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: Felipe e Everton Luiz
Técnico: Leonardo Semplici (5ª temporada)
Destaque: Mirco Antenucci
Fique de olho: Lorenzo Dickmann
Principais chegadas: Johan Djourou (z, Antalyaspor), Mohamed Fares (a, Verona) e Andrea Petagna (a, Atalanta)
Principais saídas: Alex Meret (g, Napoli), Federico Mattiello (ld, Bologna) e Alberto Grassi (v, Parma)
Time-base (3-5-2): Gomis; Thiago Cionek, Felipe, Djourou; Lazzari, Schiattarella, Viviani, Kurtic, Costa (Fares); Petagna, Antenucci.

A Spal não disputou muitas vezes a primeira divisão italiana, mas quando o fez foi um osso duro de roer. Nas 17 participações anteriores, a equipe de Ferrara foi rebaixada em apenas duas oportunidades, nos anos 1960. O menor período que os estensi passaram na elite durou três anos. Então não espere que o time do competente Semplici vá vender barato a sua permanência na Serie A.

O único treinador que tem mais tempo de trabalho que Semplici na Itália é Allegri, da Juventus. Isso dá a dimensão do quão importante o toscano é para o funcionamento do time emiliano. O 3-5-2 físico e organizado é a chave para que o time some pontos e, de grão em grão, atinja seu objetivo. Na última temporada, a Spal foi a equipe que menos perdeu partidas entre os dez últimos colocados. Com um sistema defensivo pouco modificado e que ganhou a experiência de Djourou, esta deve ser a tônica do time outra vez.

Os biancazzurri privilegiam os ataques pelas laterais e, neste contexto, Lazzari e Costa se destacaram muito na Serie A 2018-19. Acabou faltando um atacante de área mais prolífico para que as chances criadas fossem aproveitadas com maior frequência. Petagna não é exatamente um goleador, mas oferece características diferentes das de Paloschi e, com sua eficiência no pivô, pode fazer com que o capitão Antenucci até amplie sua boa média de gols. Chegando de trás, o veterano atacante é a maior esperança da fiel torcida spallina.

Torino

Cidade: Turim (Piemonte)
Estádio: Olímpico Grande Torino (28.177 lugares)
Fundação: 1906
Apelidos: Toro, Granata
Principal rival: Juventus
Participações na Serie A: 75
Títulos: sete
Na última temporada: 9ª posição
Objetivo: vaga na Liga Europa
Brasileiros no elenco: Lyanco e Bremer
Técnico: Walter Mazzarri (2ª temporada)
Destaque: Andrea Belotti
Fique de olho: Vitalie Damascan
Principais chegadas: Roberto Soriano (m, Villarreal), Souahilo Meïté (m, Bordeaux) e Simone Zaza (a, Valencia)
Principais saídas: Nicolás Burdisso (z, sem clube), Cristian Molinaro (le, Frosinone) e Antonio Barreca (le, Monaco)
Time-base (3-4-1-2): Sirigu; Bremer, N’Koulou, Izzo; De Silvestri, Baselli (Soriano), Meïté (Rincón), Ansaldi; Falque (Ljajic); Zaza, Belotti.

O Torino é um dos times italianos que menos tiveram modificações no elenco de uma temporada para a outra. Com o orçamento comprometido quase que inteiramente para contratar em definitivo jogadores que estavam emprestados e já eram muito utilizados por Mazzarri, a gestão de Urbano Cairo resolveu se movimentar de verdade só no último dia da janela, quando adquiriu Soriano e Zaza. É possível brigar por vaga europeia, mas o time se contentará com uma campanha de preparação para voos maiores – mais uma vez.

Há alguns anos o Toro se restabeleceu como uma força capaz de oferecer dificuldades para os gigantes e ficar na metade superior da tabela, mas nada além disso. A história deve se repetir em 2018-19. O adiamento de planos ambiciosos incomoda a torcida, mas o fato de o clube ter vivido momentos terríveis nos anos 1990 e 2000 (com direito a uma falência em 2005) não deixa o ambiente pesado. Ademais, as poucas contratações feitas pela diretoria deixam a equipe ainda mais à feição de seu treinador, que pegou o bonde andando na última campanha.

Izzo e Bremer já mostraram na pré-temporada que agradaram a Mazzarri e devem receber minutos durante a temporada, até porque o Toro não tem muitos zagueiros no elenco e alguns deles, como Moretti, têm idade avançada. O trio de meio-campistas centrais tem a compleição física e psicológica de que o treinador gosta, o que acaba por liberar um ou dois entre Falque, Ljajic, Niang e Edera para flutuarem e criarem as principais chances dos grenás. Agora com a companhia de Zaza, Belotti continua absoluto no comando do ataque e finalmente se livrou dos problemas físicos que o atormentaram na última Serie A. A expectativa é de que o Galo volte a marcar muitos gols na campanha do Torino.

Udinese

Cidade: Údine (Friul-Veneza Júlia)
Estádio: Friuli-Dacia Arena (25.144 lugares)
Fundação: 1896
Apelidos: Bianconeri, Friulani e Zebrette
Principais rivais: Venezia e Triestina
Participações na Serie A: 46
Títulos: nenhum (melhor desempenho: vice-campeã)
Na última temporada: 14ª posição
Objetivo: escapar do rebaixamento
Brasileiros no elenco: Nícolas, Samir e Felipe Vizeu
Técnico: Julio Velázquez (1ª temporada)
Destaque: Kevin Lasagna
Fique de olho: Mamadou Coulibaly
Principais chegadas: Juan Musso (g, Racing), Rolando Mandragora (v, Crotone) e Ignacio Pussetto (a, Huracán)
Principais saídas: Emil Hallfredsson (m, Frosinone), Jakub Jankto (m, Sampdoria) e Danilo (z, Bologna)
Time-base (4-2-3-1): Musso; Stryger Larsen, Opoku, Nuytinck, Samir; Fofana, Mandragora; De Paul, Barák, Pussetto; Lasagna.

Temporada após temporada, a Udinese vai brincando com fogo e fazendo apostas arriscadas. Sem dúvidas, a equipe friulana é a maior incógnita desta Serie A (muito além do já citado Napoli) por ser uma contradição ambulante e manter uma política errática no mercado de técnicos e transferências.

Começamos pela inusitada escolha do treinador para a temporada. Anunciado como verdadeiro desconhecido pela torcida, Velázquez tem alguma experiência na segunda divisão espanhola e teve como melhor resultado a classificação do Murcia para os play-offs de acesso à elite, em 2014. Nas duas últimas temporadas, salvou o Alcorcón da queda para a terceirona e chegou às quartas de final da Copa do Rei em uma ocasião. É o suficiente para ter sucesso na Serie A?

Por outro lado, os bianconeri fizeram a contratação mais cara de sua história nesta janela: Mandragora, volante que jogou pelo Crotone emprestado pela Juve e chegou à seleção italiana. Ele formará uma dupla interessante e dinâmica com Fofana, mas é uma das poucas certezas desta equipe. As outras são Barák e Lasagna, que criam oportunidades por si só e são capazes de marcar gols importantes. Mais do que nunca eles serão vitais para evitar que a Udinese corra o mesmo risco de rebaixamento da temporada 2017-18 – ou emoções ainda maiores.

FONTE: http://calciopedia.com.br/2018/08/guia-da-serie-a-2018-19-parte-1.html

Quando sair a segunda parte eu posto ali e aviso. Quem tiver interesse em ser marcado quando eu postar a parte 2, avise.

Citar

Calciomercato 2018-19

Abaixo listamos todas as transferências que envolvem os clubes italianos da Serie A. Para melhor entendimento, vejam a legenda.

Legenda
Após o nome de cada jogador, estará entre parênteses a modalidade da transferência, em casos nos quais a negociação não tenha sido em definitivo.
(e) – empréstimo
(re) – retorno de empréstimo
(re)
> – jogador que estava emprestado, voltou ao clube de origem e foi repassado a terceiro clube; nome do clube que é origem final aparece após o símbolo “(re) > ”

* Seção “Outras negociações”: é destinada a jogadores que pertencem ao clube, mas que estavam emprestados na temporada anterior e foram/serão negociados outra vez; também são listadas transferências de jogadores contratados na janela e repassados imediatamente por empréstimo;

** Jogadores que voltarem a seu clube de origem após empréstimo constarão inicialmente na seção “Chegam”. Caso sejam negociados na mesma janela, serão movidos para “Outras negociações”;

*** Jogadores que tiverem empréstimo renovado com o mesmo clube ou que forem comprados em definitivo pelo clube que solicitou empréstimo não serão listados.

Posições
g – goleiro
ld – lateral direito
le – lateral esquerdo
z – zagueiro
v – volante
m – meio-campista
mat – meia-atacante
a – atacante

Janela de verão: julho a setembro

ATALANTA.png


Chegam:
Berat Djimsiti (z, Benevento) (re)
Luca Valzania (m, Pescara) (re)
Christian Capone (mat, Pescara) (re)
Nicolò Fazzi (m, Cesena) (re)
Matteo Pessina (mat, Spezia) (re)
Guido Marilungo (a, Spezia) (re)
Marco D’Alessandro (mat, Benevento) (re)
Arkadiusz Reca (le, Wisla Plock)
Marco Tumminello (a, Crotone > Roma)
Davide Bettella (z, Inter)
Marco Varnier (z, Cittadella)
Duván Zapata (a, Sampdoria) (e)
Mario Pasalic (m, Spartak Moscou > Chelsea) (e)

Saem:
Mattia Caldara (z, Juventus) (re) > Milan
Leonardo Spinazzola (le, Juventus) (re)
Luca Rizzo (m, Bologna) (re)
Alessandro Bastoni (z, Inter) > Parma (e)
Bryan Cristante (m, Roma)
João Schmidt (m, Rio Ave) (e)
Andrea Petagna (a, Spal) (e)
Nicolas Haas (m, Palermo) (e)
Panagiotis Louka (a, Palermo) (e)
Filippo Melegoni (m, Pescara) (e)

Outras negociações:
Alberto Almici (ld, Cremonese) (re) > Verona (e)
Marco Sportiello (g, Fiorentina) (re) > Frosinone (e)
Emmanuel Latte Lath (a, Pescara) (re) > Pistoiese (e)
Riccardo Gatti (z, Reggina) (re) > Monopoli (e)
Ákos Kecskés (z, Korona Kielce) (re) > Lugano
Michele Canini (z, Cremonese) (re) > FeralpiSalò
Modou Badjie (m, Catanzaro) (re) > Rimini (e)
Simone Emmanuello (m, Cesena) (re) > Juventus
Alberto Dossena (z, Siena) (re) > Pistoiese (e)
Antonio Palma (m, Renate) (re) > Giana Erminio
Mario Pugliese (m, Pro Vercelli) (re) > Carrarese (e)
Davide Agazzi (m, Foggia) (re) > Livorno (e)
Stefano Cason (z, Carrarese) (re) > Virtus Francavilla
Anton Kresic (z, Avellino) (re) > Cremonese (e)
Valerio Nava (ld, Juve Stabia) (re) > Pro Piacenza (e)
Michele Messina (ld, Pro Piacenza) (re)
Constantin Nica (ld, Dinamo Bucareste) (re)
Isnik Alimi (mat, Vicenza) (re) > Rimini (e)
Luca Milesi (z, Vicenza) (re)
Patrick Asmah (le, Salernitana) (re) > Senica (e)
Fabio Eguelfi (le, Cesena) (re) > Verona (e)
Gaetano Monachello (a, Ascoli) (re) > Pescara (e)
Federico Mattiello (ld, Spal) (re) > Bologna (e)
Tommaso Tentoni (m, Carrarese) (re) > Alessandria (e)
Marco Carraro (v, Pescara > Inter) > Foggia (e)
Bryan Cabezas (mat, Avellino) (re) > Fluminense (e)
Luca Vido (a, Cittadella) (re) > Perugia (e)
Boris Radunovic (g, Salernitana) (re) > Cremonese (e)
Emanuele Suagher (z, Cesena) (re) > Carpi (e)
Salvatore Molina (m, Avellino) (re) > Crotone

BOLOGNA.png


Chegam:
Luca Rizzo (m, Atalanta) (re)
Orji Okwonkwo (a, Brescia) (re)
Deian Boldor (z, Verona) (re)
Filippo Falco (a, Pescara) (re)
Nehuén Paz (z, Lanús) (re)
Mitchell Dijks (le, Ajax)
Arturo Calabresi (z, Foggia > Roma)
Federico Santander (a, Kobenhavn)
Lukasz Skorupski (g, Roma)
Diego Falcinelli (a, Fiorentina > Sassuolo)
Mattias Svanberg (m, Malmö)
Caio Vinícius (g, Campodarsego)
Federico Mattiello (ld, Spal > Atalanta) (e)
Lirim Kastrati (mat, Roma)
Alessio Militari (m, Cesena)

Saem:
Simone Romagnoli (z, Empoli) (re)
Cheick Keita (le, Birmingham) (re) > Eupen (e)
Vasilis Torosidis (ld, Olympiacos)
Simone Verdi (mat, Napoli)
Antonio Mirante (g, Roma)
Adam Masina (le, Watford)
Federico Di Francesco (a, Sassuolo)
Lorenzo Crisetig (v, Frosinone) (e)
Federico Ravaglia (g, Südtirol) (e)
Emil Krafth (ld, Amiens)
César Falletti (mat, Palermo) (e)
Michael Kingsley (m, Perugia) (e)

Outras negociações:
Alex Ferrari (z, Verona) (re) > Sampdoria (e)
Marios Oikonomou (z, Bari) (re) > AEK (e)
Mouhamadou Sarr (g, Prato) (re) > Carrarese (e)
Filippo Perucchini (g, Lecce) (re) > Ascoli
Andrea Vassallo (mat, Carrarese) (re) > Catania (e)
Bruno Petkovic (a, Verona) (re) > Dinamo Zagreb

CAGLIARI.png


Chegam:
Marko Pajac (m, Perugia) (re)
Santiago Colombatto (v, Perugia) (re)
Marco Capuano (z, Crotone) (re)
Darijo Srna (ld, Shakhtar Donetsk)
Simone Aresti (g, Olbia)
Lucas Castro (m, Chievo)
Alberto Cerri (a, Perugia > Juventus)
Filip Bradaric (v, Rijeka)

Saem:
Leandro Castán (z, Roma) (re) > Vasco
Andrea Cossu (m, encerrou carreira)
Senna Miangue (le, Standard Liège) (e)
Damir Ceter (a, Olbia) (e)
Joseph Tetteh (m, Olbia)
Luca Crosta (g, Olbia) (e)
Mattia Pitzalis (le, Olbia) (e)
Niccolò Giannetti (a, Livorno) (e)
Han Kwang-song (a, Perugia) (e)

Outras negociações:
Vasco Oliveira (z, Olbia) (re)
Federico Melchiorri (a, Carpi) (re) > Perugia

CHIEVO.png


Chegam:
Michele Rigione (z, Ternana) (re)
Antonio Cinelli (m, Cremonese) (re)
Arthur Yamga (m, Pescara) (re)
Alejandro Rodríguez (a, Empoli) (re)
Nicholas Frey (z, Venezia) (re)
Luca Garritano (mat, Carpi) (re)
Sofian Kiyine (m, Salernitana) (re)
Michael Fabbro (a, Bassano Virtus)
Martin Valjent (z, Ternana)
Filip Djordjevic (a, Lazio)
Luca Rossettini (z, Genoa) (e)
Adrian Semper (g, Lokomotiva Zagreb > Dinamo Zagreb) (e)
Joel Obi (m, Torino)
Federico Barba (z, Sporting Gijón)

Saem:
Dario Dainelli (z, Livorno)
Bostjan Cesar (z, sem clube)
Massimo Gobbi (le, Parma)
Roberto Inglese (a, Napoli) > Parma (e)
Samuel Bastien (m, Standard Liège)
Lucas Castro (m, Cagliari)
Alessandro Confente (g, Reggina) (e)
Cesare Pogliano (z, Reggina) (e)

Outras negociações:
Ali Sowe (a, Skenderbeu) (re)
Yusupha Bobb (m, Reggiana) (re) > Cuneo (e)
Matteo Solini (z, Siena) (re)
Radoslav Kirilov (a, PFC Pirin) (re)
Alessio Sestu (m, Alessandria) (re) > Piacenza
Edoardo Sbampato (z, Virtus Francavilla) (re) > Alessandria (e)
Giovanni Di Noia (a, Bari) > Carpi (e)
Lamin Jallow (a, Cesena) (re) > Salernitana (e)
Antonio Floro Flores (a, Bari) (re) > rescisão de contrato

EMPOLI.png

Chegam:
Simone Romagnoli (z, Bologna) (re)
Luca Bittante (ld, Carpi) (re)
Arnel Jakupovic (a, Juventus) (re)
Samuel Mráz (a, Zilina)
Michal Marcjanik (z, Arka Gdynia)
Jacob Rasmussen (z, Rosenborg)
Antonino La Gumina (a, Palermo)
Andrea Fulignati (g, Cesena)
Leonardo Capezzi (m, Sampdoria) (e)
Matías Silvestre (z, Sampdoria)
Luca Antonelli (le, Milan)

Saem:
Michele Castagnetti (m, Spal) (re) > Cremonese
Nikola Ninkovic (mat, Genoa) (re)
Gabriel (g, Milan) (re)
Sebastiano Luperto (z, Napoli) (re)
Alejandro Rodríguez (a, Chievo) (re)
Alessandro Piu (a, Carpi) (e)
Alfredo Donnarumma (a, Brescia)
Marco Curto (z, Reggina) (e)
Alessandro Giacomel (g, Virtus Verona) (e)
Marco Imperiale (le, Siena) (e)

Outras negociações:
Roman Tchanturia (a, Lokomotivi Tblisi) (re)
Davide Seminara (le, Prato) (re) > Reggina (e)
Alberto Picchi (m, Pistoiese) (re) > Cremonese (e)

FIORENTINA.png


Chegam:
Jan Mlakar (a, Venezia) (re)
Martin Graiciar (a, Slovan Liberec) (re)
Kevin Diks (ld, Feyenoord) (re)
Rafik Zekhnini (a, Rosenborg) (re)
Dusan Vlahovic (a, Partizan)
Dávid Hancko (z, Zilina)
Alban Lafont (g, Toulouse)
Federico Ceccherini (z, Crotone)
Christian Nørgaard (m, Brondby)
Gerson (m, Roma) (e)
Marko Hanuljak (m, Excelsior Mouscron)
Jordy Gillekens (z, OH Leuven)
Georgios Antzoulas (z, Asteras Tripolis)
Kevin Mirallas (a, Everton) (e)
Marko Pjaca (a, Schalke 04 > Juventus) (e)
Edimilson Fernandes (m, West Ham) (e)

Saem:
Simone Lo Faso (a, Palermo) (re)
Gil Dias (mat, Monaco) (re) > Nottingham Forest (e)
Diego Falcinelli (a, Sassuolo) (re) > Bologna
Marco Sportiello (g, Atalanta) (re) > Frosinone (e)
Milan Badelj (m, Lazio)
Bruno Gaspar (ld, Sporting)
Michele Cerofolini (g, Cosenza) (e)
Gabriele Gori (mat, Foggia) (e)
Luca Ranieri (le, Foggia) (e)
Vitja Valencic (m, Olimpija Ljubljana)

Outras negociações:
Amidu Salifu (v, Vicenza) (re) > Arezzo
Luzayadio Bangu (m, Vicenza) (re)
Luca Zanon (m, Ternana) (re)
Nicolò Gigli (z, Ternana) (re)
Joshua Pérez (mat, Livorno) (re) > Los Angeles FC
Mattia Trovato (mat, Cosenza) (re)
Jaime Báez (a, Pescara) (re) > Cosenza (e)
Andrés Schetino (m, Esbjerg) (re) > Cosenza (e)
Carlos Sánchez (v, Espanyol) (re) > West Ham

FROSINONE1.png

Chegam:
Marco Sportiello (g, Fiorentina > Atalanta) (e)
Lorenzo Crisetig (v, Bologna) (e)
Cristian Molinaro (le, Torino)
Edoardo Goldaniga (z, Sassuolo) (e)
Paolo Ghiglione (ld, Pro Vercelli > Genoa) (e)
Stipe Perica (a, Udinese) (e)
Emil Hallfredsson (m, Udinese)
Alessandro Iacobucci (g, Entella)
Bartosz Salamon (z, Spal) (e)
Rai Voet (mat, NAC Breda) (e)

Saem:
Alessandro Frara (v, encerrou carreira)
Massimo Zappino (g, encerrou carreira)
Roberto Crivello (le, Spezia)
Moussa Koné (m, Erzurumspor)
Adriano Russo (z, rescisão de contrato)

Outras negociações:

GENOA.png


Chegam:
Nikola Ninkovic (mat, Empoli) (re)
Domenico Criscito (le, Zenit)
Krzysztof Piatek (a, Cracóvia)
Ionut Radu (g, Avellino > Inter)
Ivan Lakićević (ld, Vojvodina)
Rok Vodisek (g, Olimpija)
Federico Marchetti (g, Lazio)
Sandro (v, Benevento)
Luca Mazzitelli (v, Sassuolo)
Luigi Carillo (z, Pescara)
Rômulo (m, Verona)
Christian Kouamé (a, Cittadella)
Lorenzo Callegari (m, Paris Saint-Germain)
Koray Günter (z, Galatasaray)
Esteban Rolón (m, Málaga) (e)
Andrea Favilli (a, Ascoli > Juventus) (e)
Lisandro López (z, Inter > Benfica)

Saem:
Andrea Bertolacci (m, Milan) (re)
Adel Taarabt (mat, Benfica) (re)
Isaac Cofie (m, Sporting Gijón)
Santiago Gentiletti (z, sem clube)
Aleandro Rosi (ld, sem clube)
Luca Rigoni (m, Parma)
Miguel Veloso (m, sem clube)
Giuseppe Rossi (a, sem clube)
Mattia Perin (g, Juventus)
Loïck Landre (z, Nîmes)
Armando Izzo (z, Torino)
Francesco Migliore (le, Cremonese)
Eugenio Lamanna (g, Spezia)
Eddy Salcedo (a, Inter)
Lukas Zima (g, Livorno) (e)
Luca Rossettini (z, Chievo) (e)
Diego Laxalt (le, Milan)

Outras negociações:
Davide Brivio (le, Entella) (re) > sem clube
Riccardo Improta (a, Bari) (re) > Benevento
Thomas Rodríguez (m, Vitória de Setúbal) (re) > Unión La Calera (e)
Manuel Milinkovic (mat, Hearts) (re) > Hull City
Sebastián Gorga (z, Chacarita Juniors) (re)
Paolo Ghiglione (ld, Pro Vercelli) (re) > Frosinone (e)
Raúl Asencio (a, Avellino) (re) > Benevento (e)
Leonardo Morosini (mat, Avellino) (re) > Brescia
Mario Ierardi (ld, Ravenna) (re) > Südtirol (e)
Giuseppe Panico (a, Teramo) (re) > Cittadella (e)
Riccardo Fiamozzi (ld, Pescara) (re) > Lecce
Franco Ferrari (a, Pistoiese) (re) > Brescia (e)
Petar Brlek (m, Wisla Kraków) (re) > Lugano (e)
Federico Valietti (ld, Inter) > Crotone (e)
Claudio Spinelli (a, San Martín > Tigre) > Crotone (e)

INTER.png


Chegam:
Lautaro Martínez (a, Racing)
Kwadwo Asamoah (m, Juventus)
Stefan De Vrij (z, Lazio)
Radja Nainggolan (m, Roma)
Matteo Politano (a, Sassuolo)
Eddy Salcedo (a, Genoa)
Sime Vrsaljko (ld, Atlético de Madrid) (e)
Keita Baldé (a, Monaco) (e)

Saem:
Lisandro López (z, Benfica) (re) > Genoa
Rafinha (m, Barcelona) (re)
João Cancelo (ld, Valencia) (re) > Juventus
Nicolò Zaniolo (m, Roma)
Davide Santon (le, Roma)
Davide Bettella (z, Atalanta)
Federico Valietti (ld, Genoa) > Crotone (e)
Jens Odgaard (a, Sassuolo)
Marco Pissardo (g, Monopoli) (e)
Manuel Lombardoni (z, Pro Patria) (e)
Tommaso Brignoli (m, Monza) (e)
Éder (a, Jiangsu Suning)
Marco Sala (le, Arezzo) (e)

Outras negociações:
Ionut Radu (g, Avellino) (re) > Genoa
Marco Carraro (v, Pescara) (re) > Atalanta > Foggia (e)
Rey Manaj (a, Granada) (re) > Albacete
Filippo Sgarbi (z, Südtirol) (re) > Perugia
Samuele Longo (a, Tenerife) (re) > Huesca
Federico Dimarco (le, Sion) > Parma (e)
Axel Bakayoko (a, Sochaux) (re) > St. Gallen (e)
Michele Di Gregorio (g, Renate) (re) > Avellino (e)
Jonathan Biabiany (mat, Sparta Praga) (re) > Parma
Francesco Forte (a, Spezia) (re) > Beveren
George Puscas (a, Novara) (re) > Palermo
Zé Turbo (a, Olhanense) (re) > Newell’s Old Boys
Ítalo (z, Olhanense) (re) > sem clube
Nicolò Belloni (m, Carpi) (re)
Raffaele Di Gennaro (g, Spezia) (re)
Andrea Romanò (m, Monza) (re) > sem clube
Gaston Camara (mat, Gil Vicente) (re) > sem clube
Rigoberto Rivas (ld, Brescia) (re)
João Mário (m, West Ham) (re)
Lorenzo Tassi (m, Vicenza) (re) > Arezzo (e)
Alessandro Bastoni (z, Atalanta) > Parma (e)

JUVENTUS1.png


Chegam:
Leonardo Spinazzola (le, Atalanta) (re)
Luca Clemenza (a, Ascoli) (re)
Moise Kean (a, Verona) (re)
Mattia Perin (g, Genoa)
Emre Can (m, Liverpool)
João Cancelo (ld, Inter > Valencia)
Cristiano Ronaldo (a, Real Madrid)
Christian Makoun (v, Zamora)
Leonardo Bonucci (z, Milan)

Saem:
Benedikt Höwedes (z, Schalke 04) (re) > Lokomotiv Moscou
Arnel Jakupovic (a, Empoli) (re)
Kwadwo Asamoah (m, Inter)
Stephan Lichtsteiner (ld, Arsenal)
Gianluigi Buffon (g, Paris Saint-Germain)
Gonzalo Higuaín (a, Milan)
Stefano Sturaro (m, Sporting) (e)

Outras negociações:
Roman Macek (m, Cremonese) (re)
Grigoris Kastanos (mat, Zulte Waregem) (re)
Alberto Cerri (a, Perugia) (re) > Cagliari
Alberto Brignoli (g, Benevento) (re) > Palermo
Vajebah Sakor (m, IFK Gotemburgo) (re)
Andrés Tello (m, Bari) (re) > Benevento
Stefano Beltrame (mat, Go Ahead Eagles) (re)
Pol García (z, Cremonese) (re) > Sint-Truiden
Luca Marrone (v, Bari) (re) > Verona (e)
Luca Barlocco (le, Alessandria) (re) > Piacenza (e)
Stefano Padovan (a, Casertana) (re)
Dario Del Fabro (z, Novara) (re) > Cremonese (e)
Laurentiu Branescu (g, Dinamo Bucareste) (re) > Gorica (e)
Timothy Nocchi (g, Perugia) (re) > sem clube
Matheus Pereira (mat, Paraná) (re)
Emil Audero (g, Venezia) (re) > Sampdoria (e)
Rolando Mandragora (v, Crotone) (re) > Udinese
Giangiacomo Magnani (z, Perugia) > Sassuolo
Mattia Caldara (z, Atalanta) (re) > Milan
Marko Pjaca (a, Schalke 04) (re) > Fiorentina (e)
Andrea Favilli (a, Ascoli) > Genoa (e)
Simone Emanuello (m, Cesena > Atalanta)

LAZIO.png


Chegam:
Cristiano Lombardi (a, Benevento) (re)
Riza Durmisi (le, Betis)
Mattia Sprocati (a, Salernitana)
Valon Berisha (m, Red Bull Salzburg)
Silvio Proto (g, Olympiacos)
Francesco Acerbi (z, Sassuolo)
Milan Badelj (m, Fiorentina)
Joaquín Correa (mat, Sevilla)
Djavan Anderson (ld, Bari)
André Anderson (a, Santos)

Saem: 
Nani (mat, Valencia) (re) > Sporting
Stefan De Vrij (z, Inter)
Filip Djordjevic (a, Chievo)
Federico Marchetti (g, Genoa)
Felipe Anderson (mat, West Ham)
Luca Crecco (v, Pescara)

Outras negociações:
Mamadou Tounkara (a, Flamurtari) (re) > Schaffhausen (e)
Ravel Morrison (m, Atlas) (re)
Luca Germoni (le, Perugia) (re)
Lorenzo Filippini (le, Pisa) (re)
Marius Adamonis (g, Salernitana) (re)
Alessandro Rossi (a, Salernitana) (re)
Ricardo Kishna (a, ADO Den Haag) (re)
Simone Palombi (a, Salernitana) (re) > Lecce (e)
Chris Oikonomidis (m, Western Sydney) (re)
Franjo Prce (z, NK Istra) (re) > Omonia Nicosia
Maurício (z, Legia Varsóvia) (re)

MILAN.png


Chegam:
Alessandro Plizzari (g, Ternana) (re)
Andrea Bertolacci (m, Genoa) (re)
Carlos Bacca (a, Villarreal) (re)
Stefan Simic (z, Crotone) (re)
Ivan Strinic (le, Sampdoria)
Pepe Reina (g, Napoli)
Alen Halilovic (mat, Las Palmas > Hamburgo)
Gonzalo Higuaín (a, Juventus)
Mattia Caldara (z, Atalanta > Juventus)
Tiemoué Bakayoko (v, Chelsea) (e)
Diego Laxalt (le, Genoa)

Saem:
Hachim Mastour (mat, sem clube)
Marco Storari (g, sem clube)
Leonardo Bonucci (z, Juventus)
Gustavo Gómez (z, Palmeiras)
Nikola Kalinic (a, Atlético de Madrid)
Luca Antonelli (le, Empoli)
André Silva (a, Sevilla) (e)
Manuel Locatelli (v, Sassuolo)

Outras negociações:
Gabriel (g, Empoli) (re)
Jherson Vergara (z, Bari) (re)
Gian Filippo Felicioli (le, Verona) (re)
Nnamdi Oduamadi (a, sem clube)

NAPOLI.png


Chegam:
Nikola Maksimovic (z, Spartak Moscou) (re)
Sebastiano Luperto (z, Empoli) (re)
Vinícius (a, Real SC)
Simone Verdi (mat, Bologna)
Amin Younes (m, Ajax)
Fabián Ruiz (m, Betis)
Alex Meret (g, Spal > Udinese)
Orestis Karnezis (g, Watford)
Kévin Malcuit (ld, Lille)

Saem:
Pepe Reina (g, Milan)
Rafael Cabral (g, Sampdoria)
Hrvoje Milic (le, sem clube)
Christian Maggio (ld, Benevento)
Luigi Sepe (g, Parma) (e)
Leandrinho (a, Atlético-MG) (e)
Jorginho (m, Chelsea)
Zinédine Machach (m, Carpi) (e)

Outras negociações:
Roberto Insigne (a, Parma) (re) > Benevento (e)
Igor Lasicki (z, Wisla Plock) (re)
Antonio Negro (a, Paganese) (re)
Alfredo Bifulco (a, Pro Vercelli) (re)
Amato Ciciretti (mat, Parma > Benevento) > Parma (e)
Alberto Grassi (v, Spal) (re) > Parma (e)
Roberto Inglese (a, Chievo) > Parma (e)

PARMA1.png

Chegam:
Luigi Scaglia (le, Foggia) (re)
Leo Stulac (v, Venezia)
Federico Dimarco (le, Sion > Inter) (e)
Luigi Sepe (g, Napoli) (e)
Bruno Alves (z, Glasgow Rangers)
Massimo Gobbi (le, Chievo)
Luca Rigoni (m, Genoa)
Cristian Galano (a, Bari)
Amato Ciciretti (mat, Napoli) (e)
Jonathan Biabiany (mat, Sparta Praga > Inter)
Alessandro Bastoni (z, Atalanta > Inter) (e)
Alberto Grassi (v, Atalanta > Napoli) (e)
Roberto Inglese (a, Chievo > Napoli) (e)

Saem:
Alessandro Lucarelli (z, encerrou carreira)
Amato Ciciretti (mat, Benevento) (re)
Roberto Insigne (a, Napoli) (re)
Pasquale Mazzocchi (ld, Perugia)
Marco Frediani (a, Ternana) (e)
Andrea Dini (g, Trapani) (e)

Outras negociações:
Manuel Nocciolini (mat, Pordenone) (re)
Kristaps Zommers (g, Cosenza) (re) > Imolese (e)
Juan Ramos (le, Cosenza) (re)
Cristian Cauz (le, Real Forte) > Piacenza (e)
Giacomo Ricci (le, Pro Piacenza) (re) > Carrarese (e)
Francesco Galuppini (a, Cuneo) (re) > Ravenna (e)
Francesco Golfo (a, Pianese) (re) > Trapani (e)
Stefano Scognamillo (le, Matera) > Trapani (e)
Facundo Lescano (a, Sicula Leonzio) (re) > Telstar (e)

ROMA.png


Chegam:
Ante Coric (mat, Dinamo Zagreb)
Iván Marcano (z, Porto)
Bryan Cristante (m, Atalanta)
Justin Kluivert (a, Ajax)
Antonio Mirante (g, Bologna)
Nicolò Zaniolo (m, Inter)
Davide Santon (le, Inter)
Javier Pastore (mat, Paris Saint-Germain)
William Bianda (z, Lens)
Daniel Fuzato (g, Palmeiras)
Robin Olsen (g, Kobenhavn)
Steven N’Zonzi (v, Sevilla)

Saem: 
Jonathan Silva (le, Sporting) (re) > Leganés (e)
Bogdan Lobont (g, encerrou carreira)
Radja Nainggolan (m, Inter)
Bruno Peres (ld, São Paulo) (e)
Lorenzo Valeau (le, Ascoli) (e)
Mirko Antonucci (a, Pescara) (e)
Alisson (g, Liverpool)
Elio Capradossi (z, Spezia) (e)
Gerson (m, Fiorentina) (e)
Lirim Kastrati (mat, Bologna)
Grégoire Defrel (a, Sampdoria) (e)

Outras negociações:
Marco Tumminello (a, Crotone) (re) > Atalanta
Arturo Calabresi (z, Foggia) (re) > Bologna
Edoardo Soleri (a, Almería) (re) > Almere city (e)
Christian D’Urso (m, Ascoli) (re)
Alessandro Bordin (m, Ternana) (re)
Eros De Santis (z, Entella) (re)
Moustapha Seck (le, Novara) (re) > Almere City (e)
Norbert Gyömbér (z, Bari) (re) > Perugia
Ismail H’Maidat (m, Westerlo) (re) > sem clube
Lorenzo Di Livio (m, Matera) (re) > Siena (e)
Umar Sadiq (a, NAC Breda) (re) > Glasgow Rangers (e)
Matteo Ricci (m, Salernitana) (re) > Spezia
Daniele Verde (mat, Verona) (re) > Valladolid (e)
Ezequiel Ponce (a, Lille) (re) > AEK (e)g
Abdullahi Nura (le, Perugia) (re)
Filippo Franchi (a, Reggina) (re)
Giammario Piscitella (a, Prato) (re) > Carpi
Leandro Castán (z, Cagliari) (re) > Vasco

SAMPDORIA.png


Chegam:
Gabriele Rolando (ld, Palermo) (re)
Alex Ferrari (z, Verona > Bologna) (e)
Omar Colley (z, Genk)
Daouda Peeters (v, Club Brugge)
Jakub Jankto (m, Udinese)
Júnior Tavares (le, São Paulo) (e)
Emil Audero (g, Venezia > Juventus) (e)
Rafael Cabral (g, Napoli)
Grégoire Defrel (a, Roma) (e)
Mohamed Bahlouli (m, Lyon)
Ronaldo Vieira (m, Leeds)
Federico Furlan (m, Brescia > Bari)
Albin Ekdal (m, Hamburgo)

Saem:
Gian Marco Ferrari (z, Sassuolo) (re)
Ivan Strinic (le, Milan)
Bozo Mikulic (z, Hajduk Split)
Emiliano Viviano (g, Sporting)
Giacomo Vrioni (a, Venezia) (e)
Lucas Torreira (v, Arsenal)
Ricky Álvarez (mat, Atlas)
Duván Zapata (a, Atalanta) (e)
Ibourahima Balde (a, Vis Pesaro) (e)
Andrea Tozzo (g, Verona) (e)
Leonardo Capezzi (m, Empoli) (e)
Matías Silvestre (z, Empoli)
Denis Baumgartner (m, Dunajská Streda) (e)
João Cláudio Ricciulli (a, Braga) (e)

Outras negociações:
Filip Djuricic (mat, Benevento) (re) > Sassuolo
Antonio Palumbo (m, Trapani) (re) > Salernitana (e)
Dávid Ivan (m, Pro Vercelli) (re)
Cristian Hadziosmanovic (m, Reggina) (re) > Vis Pesaro (e)
Andrés Ponce (a, FeralpiSalò) (re) > Anzhi Makhachkala
Michele Rocca (m, FeralpiSalò) (re) > Livorno (e)
Antonio Di Nardo (a, Arezzo) (re)
Wladimiro Falcone (g, Gavorrano) (re)
Maxime Leverbe (z, Olbia) (e)
Michele Rocca (m, Pro Vercelli) (re)
Bambo Diaby (z, Girona) (re) > Lokeren
Federico Bonazzoli (a, Spal) (re) > Padova (e)

SASSUOLO.png


Chegam:
Gian Marco Ferrari (z, Sampdoria) (re)
Gianluca Scamacca (a, Cremonese) (re)
Marcello Trotta (a, Crotone) (re)
Filip Djuricic (mat, Benevento > Sampdoria)
Leonardo Sernicola (le, Ternana)
Jens Odgaard (a, Inter)
Federico Di Francesco (a, Bologna)
Kevin-Prince Boateng (mat, Eintracht Frankfurt)
Mehdi Bourabia (m, Konyaspor)
Jérémie Boga (m, Birmingham > Chelsea)
Giangiacomo Magnani (z, Perugia > Juventus)
Enrico Brignola (a, Benevento)
Manuel Locatelli (v, Milan)

Saem:
Dany Mota Carvalho (a, Virtus Entella) (re)
Leonardo Marson (g, Palermo) (re)
Gianluca Pegolo (g, sem clube)
Davide Biondini (m, sem clube)
Matteo Politano (a, Inter)
Luca Mazzitelli (v, Genoa)
Simone Franchini (m, Reggina) (e)
Nicholas Pierini (a, Spezia) (e)
Francesco Acerbi (z, Lazio)
Edoardo Goldaniga (z, Frosinone) (e)
Riccardo Marchizza (z, Crotone) (e)
Pietro Cianci (a, Siena) (e)
Antonino Ragusa (a, Verona)

Outras negociações:
Diego Falcinelli (a, Fiorentina) (re) > Bologna
Ettore Gliozzi (a, Padova) (re) > Siena (e)
Giovanni Sbrissa (m, Cremonese) (re) > Siena (e)
Martin Erlic (z, Südtirol) (re) > Spezia (e)
Jérémie Broh (m, Südtirol) (re) > Padova (e)
Marius Marin (m, Catanzaro) (re)
Leonardo Fontanesi (z, Gubbio) (re) > Pontedera (e)
Jonathan Rossini (z, Pontedera) (re) > Albissola
Federico Ricci (mat, Crotone) (re) > Benevento (e)
Filippo Bandinelli (m, Perugia) (re) > Benevento (e)

SPAL.png


Chegam:
Mohamed Fares (a, Verona)
Lorenzo Dickmann (ld, Novara)
Aron Katuma (m, Novara)
Mattia Valoti (m, Verona) (e)
Vanja Milinkovic-Savic (g, Torino) (e)
Andrea Petagna (a, Atalanta) (e)
Johan Djourou (z, Antalyaspor)
Lazar Nikolic (m, Partizan)

Saem:
Federico Mattiello (ld, Atalanta) (re) > Bologna (e)
Federico Bonazzoli (a, Sampdoria) (re) > Padova (e)
Alberto Grassi (v, Napoli) (re) > Parma (e)
Alex Meret (g, Udinese) (re) > Napoli
Marco Borriello (a, rescisão de contrato)
Eros Schiavon (m, sem clube)
Gabriele Marchegiani (g, sem clube)
Boukary Dramé (le, sem clube)
Pa Konate (le, Cincinnati) (e)
Bartosz Salamon (z, Frosinone) (e)

Outras negociações:
Michele Castagnetti (m, Empoli) (re) > Cremonese
Fabio Della Giovana (z, Arezzo) (re) > Südtirol (e)
Alessandro Bellemo (m, Padova) (re) > Pro Vercelli (e)
Michele Cremonesi (z, Entella) (re) > Perugia (e)
Mattia Finotto (a, Ternana) (re) > Cittadella (e)
Francesco Posocco (m, Pontedera) (re)
Alessandro Miotto (m, Imolese) (re)
Andrea Gemignani (ld, Gavorrano) (re)
Jacopo Murano (a, Trapani) (re)
Riccardo Mastrilli (le, Pontedera) (re) > Teramo (e)
Gabriel Strefezza (mat, Juve Stabia) (re) > Cremonese (e)
Maurice Gomis (g, Nocerina) > Siracusa (e)

TORINO.png


Chegam:
Arlind Ajeti (z, Crotone) (re)
Sasa Lukic (v, Levante) (re)
Vittorio Parigini (mat, Benevento) (re)
Vitalie Damascan (a, Sheriff Tiraspol)
Armando Izzo (z, Genoa)
Souahilo Meïté (m, Bordeaux > Monaco)
Bremer (z, Atlético-MG)
Antonio Rosati (g, Perugia)
Ola Aina (ld, Hull > Chelsea) (e)

Saem:
Gennaro Ruggiero (m, Palermo) (re)
Nicolás Burdisso (z, sem clube)
Cristian Molinaro (le, Frosinone)
Hervé Favre (ld, Modena) (e)
Vanja Milinkovic-Savic (g, Spal) (e)
Antonio Barreca (le, Monaco)
Alessandro Buongiorno (z, Carpi) (e)
Joel Obi (m, Chievo)

Outras negociações:
Danilo Avelar (le, Amiens) (re) > Corinthians (e)
Leonardo Candellone (a, Südtirol) (re)
Manuel De Luca (a, Renate) (re) > Alessandria (e)
Jacopo Segre (m, Piacenza) (re) > Venezia (e)
Samuel Gustafson (m, Perugia) (re) > Verona (e)
Abou Diop (a, Bassano Virtus) (re) > sem clube
Mattia Aramu (mat, Entella) (re)
Giovanni Graziano (m, Teramo) (re) > sem clube
Andrea Zaccagno (g, Pistoiese) (re)
Lucas Boyé (a, Celta) (re) > AEK (e)
Federico Giraudo (z, Vicenza) (re) > Ternana (e)
Tommaso Cucchietti (g, Reggina) (re) > Alessandria (e)

UDINESE.png


Chegam:
Molla Wague (z, Watford) (re)
Emmanuel Agyemang-Badu (v, Bursaspor) (re)
Thomas Heurtaux (z, Verona) (re)
Panagiotis Kone (m, AEK) (re)
Mamadou Coulibaly (m, Pescara)
Felipe Vizeu (a, Flamengo)
Petar Micin (m, Cukaricki)
Hidde ter Avest (ld, Twente)
Juan Musso (g, Racing)
Nicholas Opoku (z, Club Africain)
Ignacio Pussetto (a, Huracán)
Darwin Machís (a, Granada)
Rolando Mandragora (v, Crotone > Juventus)
Nícolas (g, Verona) (e)

Saem:
Francesco Zampano (ld, Pescara) (re)
Albano Bizzarri (g, Foggia)
Maxi López (a, Vasco)
Jakub Jankto (m, Sampdoria)
Silvan Widmer (ld, Basel)
Stipe Perica (a, Frosinone) (e)
Emil Hallfredsson (m, Frosinone)

Outras negociações:
Alex Meret (g, Spal) (re) > Napoli
Mauro Coppolaro (z, Brescia) (re) > Venezia (e)
Ewandro (a, Estoril) (re) > Austria Vienna (e)
Nabil Jaadi (m, Asteras Tripolis) (re)
Antonio Vutov (a, Levski Sofia) (re)
Yrondu Musavu-King (z, St. Gallen) (re)
Emanuele Rovini (a, Pro Vercelli) (re) > Pistoiese (e)
Alexandre Coeff (v, Brest) (re) > sem clube
Samuele Perisan (g, Arezzo) (re) > Padova (e)
Melker Hallberg (m, Kalmar) (re) > Vejle
Lucas Evangelista (m, Estoril) (re) > Nantes

FONTE: http://calciopedia.com.br/mercado-2018-19

TRANSMISSÃO

Por enquanto só na RAI, emissora italiana que tem em algumas TVs a cabo.

TABELA

tabela-18-19.jpg

Link to comment
Share on other sites

  • Henrique M. changed the title to Campeonato Italiano 18/19

Agora que eu vi, a Fox não vai mais passar o Italiano. Cacete, que merda!

Sem Espanhol, sem Italiano. Porra, só falta acabar o Inglesão na TV fechada! Que piada!

Link to comment
Share on other sites

Basicamente, vai passar só o inglês e o alemão na TV fechada. É isso? Bah, que merda.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President
12 minutos atrás, Will disse:

Basicamente, vai passar só o inglês e o alemão na TV fechada. É isso? Bah, que merda.

Parece que a ESPN tem direito de escolhas dos jogos da La Liga que a Fox não quiser, ou alternam escolhas.

Link to comment
Share on other sites

18 minutos atrás, Will disse:

Basicamente, vai passar só o inglês e o alemão na TV fechada. É isso? Bah, que merda.

Sem contar que a cobertura da Champions League vai diminuir muito sem o Esporte Interativo.

Eu só pago Tv fechada pra ver futebol. Estou pensando em cancelar e comprar um ou dois campeonatos, sai mais barato.

Link to comment
Share on other sites

  • Leho. changed the title to Lega Calcio Serie A 18/19
  • Leho. featured this topic
  • Vice-President

Começou bem a Juventus. Joguinho tranquilo.

Link to comment
Share on other sites

Foi irônico, não? Hahaha

O jogo foi maluco, isso sim! Juventus só conseguiu o gol da vitória no final.

Cristiano Ronaldo no primeiro tempo foi discreto, senti que não está muito à vontade como 9 fixo. Só finalizou uma vez com perigo.

No segundo tempo foi deslocado para o lugar do Douglas Costa e o Mandzukic ficou de 9. Aí o Cristiano rendeu MUITO mais, obrigou o goleiro a fazer duas belas defesas e armou boas jogadas pelo flanco esquerdo. Pra mim foi o melhor jogador da Juventus hoje, honestamente. A maioria dos lances de perigo saíram dele.

E pra mim é um motivo de dúvidas na cabeça do Allegri, seu craque rendeu mais pelos flancos do que como 9 em seu primeiro jogo da temporada.

De resto, muita coisa vai mudar ainda e é só o começo.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

Começou bem a nova temporada do carequinha.

Link to comment
Share on other sites

Vi alguns jogos do Ajax com esse garoto e gostei muito do que vi. Promissor demais! Torcendo para dar certo na Roma.

Link to comment
Share on other sites

Caralho, tava assistindo bem na naice Napoli x Milan e dando aquela torcida pro Napoli, 2x0 Milan. Ai fui ver Dotinha e quando volto tá 3x2 pro Napoli UIFSAHFIUAHFIUASHFUAHUFAU!

 

Link to comment
Share on other sites

Só vi o jogo da Juventus, essa porra de não passar mais na Fox está fudendo tudo. Queria ver Napoli x Milan e ver como a Inter está jogando, enfim..

Jogo feio, muito físico e com poucas chances. Ronaldo fez uma partida "ok" e a Juventus ganhou sem fazer muito esforço. 

 

Link to comment
Share on other sites

7 minutos atrás, bernardog disse:

Só vi o jogo da Juventus, essa porra de não passar mais na Fox está fudendo tudo. Queria ver Napoli x Milan e ver como a Inter está jogando, enfim..

Jogo feio, muito físico e com poucas chances. Ronaldo fez uma partida "ok" e a Juventus ganhou sem fazer muito esforço. 

 

Parece que só a RAI que está transmitindo os jogos, foda.

Hoje tem Roma e Atalanta no Olímpico, espero que sem Romada.

Link to comment
Share on other sites

E não é que teve romada? Em casa tomando esse vareio de bola que foi no primeiro tempo.

Link to comment
Share on other sites

6 horas atrás, Lucas.Duarte disse:

E não é que teve romada? Em casa tomando esse vareio de bola que foi no primeiro tempo.

Atalanta com o time reserva ainda. Poupou por causa do confronto na Liga Europa.

Link to comment
Share on other sites

  • Leho. unfeatured this topic
  • Leho. locked this topic
Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

  • Similar Content

    • bstrelow
      By bstrelow
      Calcio 21/22
      A Primeira Divisão do Campeonato Italiano de Futebol da temporada 2021–22, oficialmente Serie A TIM 2021–2022 por motivos de patrocínio, será a 119.ª edição da principal divisão do futebol italiano (90.ª como Serie A).
      Regulamento
      Atual Campeão
      Últimos Vencedores
      Promovidos e Rebaixados
      Troca de Treinadores
       
    • EduFernandes
      By EduFernandes
      Tópico geral para transferências na Lega Calcio nessa janela de verão, se um time não tem um tópico próprio, esse é o espaço para discutir sobre o mercado dele.
      ⚫ Tópico próprio da Juventus
       
       
      Fiquem à vontade para criar um tópico específico caso seja uma transferência especial ou coisa do tipo.
    • Lowko é Powko
      By Lowko é Powko
      Da várzea ao primeiro gol no Campeonato Italiano em quatro anos: a incrível história do brasileiro Junior Messias
      por Felipe Lobo publicado em 26 de outubro de 2020   Junior Messias marca seu primeiro gol na Serie A (Enrico Locci/Getty Images/OneFootball) A história de Junior Messias, de 29 anos, é dessas inacreditáveis. Brasileiro de Belo Horizonte, ele mudou para a Itália em 2011, aos 20 anos, para tentar uma vida melhor, seguindo os passos do irmão, que já tinha ido para o país europeu antes dele. Até 2015, Messias era entregador de uma loja em Turim e jogava apenas futebol de várzea na Itália. Foi só em 2016, aos 24 anos, que começou a sua trajetória profissional. Agora, em 2020, joga pela primeira vez a Serie A e fez o seu primeiro gol no Campeonato Italiano neste fim de semana, na derrota do seu time, o Crotone, para o Cagliari, de João Pedro. O atacante canhoto, de 1,79 metro, vive uma história de filme na Itália.
      Junior Messias nasceu em Belo Horizonte, no dia 13 de maio de 1991. Sua primeira tentativa na carreira como jogador foi ainda no Brasil, na base do Cruzeiro. Por necessidade, precisou abandonar o sonho de ser jogador. Precisava trabalhar. Em 2011, seguiu os passos do irmão e foi buscar uma vida melhor na Itália. Foi para Turim e começou a trabalhar como entregador de uma loja de eletrodomésticos. A carreira no futebol tinha ficado para trás, a milhares de quilômetros, no Brasil. O que ele não sabia é ela ainda não havia chegado ao fim. Apesar de trabalhar como entregador, Junior Messias continuava jogando futebol, mas de forma amadora. Jogava nos torneios amadores da UISP (Unione Italiana Sport Per Tutti), uma organização para futebol amador, como a várzea no Brasil. Foi jogando um desses torneios amadores, ainda em 2015, que as coisas começaram a mudar para ele. O técnico Ezio Rossi, do Casale, gostou do que viu e o convidou para fazer testes no clube, então na quinta divisão italiana, que ainda é amadora. Foi naquela temporada, 2015/16, que o time conseguiu subir para a Serie D.
      Na temporada seguinte, em 2016/17, ele se mudou para o Chieri Calcio, também na Serie D. Curiosamente, o primeiro jogo da temporada no novo clube foi justamente contra o seu antigo time, Casale. O Chieri venceu por 3 a 1 e teve lei do ex: ele fez um dos gols, atuando como ponta direita. Naquela temporada, o brasileiro fez 15 gols e uma assistência em 34 jogos. Foi destaque do time, que foi sétimo colocado no Grupo A. Não se classificou à fase final, mas foi o suficiente para o atacante mostrar talento.
      Mudou novamente de time na temporada 2017/18, contratado pelo Gozzano, também da Serie D. Fez 23 jogos e cinco gols na campanha do time que foi o primeiro colocado, garantindo a subida diretamente para a Serie C. Em 2018/19, na Serie C, o desafio era melhor. Foram 35 jogos, cinco gols e uma assistência, em uma campanha dura. O clube brigou contra o rebaixamento e terminou em 17º, escapando do descenso por uma posição.
      Ainda no meio daquela temporada, o Crotone já tinha garantido a contratação do brasileiro. Em janeiro de 2019, o Crotone garantiu o Junior Messias para a temporada seguinte. Ele foi para o novo clube só em junho de 2019. Pelo Crotone, disputaria a Serie B, onde os jogadores possuem melhores condições, salários melhores e os times são completamente profissionais em sua integralidade, o que não acontece em todos os clubes da Serie C e abaixo.
      Na Serie B, Junior Messias deu a sua contribuição para que o time conseguisse uma excelente campanha e subisse para a Serie A: foram seis gols e seis assistências, em 34 jogos. Ao longo da sua trajetória nas divisões inferiores, era quase sempre ponta direita, mas foi se convertendo em um atacante mais centralizado e chegou a jogar até mais recuado, no meio-campo. A sua principal posição foi de atacante centralizado na Serie B, às vezes como centroavante, outras como um segundo atacante, atrás de outro jogador na referência.
      O Crotone acabou a temporada 2019/20 como segundo colocado na Serie B, garantindo a promoção direta para a Serie A. Junior Messias continuou no time, já que foi titular ao longo de toda a campanha – só em dois jogos veio do banco de reservas, nos 36 jogos disputados na segunda divisão italiana e na Copa da Itália.
      Nesta temporada, Junior Messias, que veste a camisa 30 no Crotone, estreou na Serie a contra o Genoa, no dia 20 de setembro, primeira rodada. O início foi difícil: foram três derrotas em três jogos: 4 a 1 para o Genoa, 2 a 0 para o Milan e 4 a 1 para o Sassuolo. Na quarta rodada, porém, veio uma das maiores surpresas até aqui na Serie A: o empate por 1 a 1 com a Juventus. Junior Messias foi escolhido o jogador da partida.

      Junior Messias conduz a pelo no jogo entre Crotone e Juventus, quando foi eleito o melhor em campo (GIOVANNI ISOLINO/AFP via Getty Images/OneFootball)
      “Os adversários foram muito duros, a Juventus comandou (o futebol italiano) nos últimos 10 anos”, afirmou o brasileiro, depois do jogo, no dia 17 de outubro ao DAZN, que transmite alguns jogos do Campeonato Italiano na Itália. “O resultado é muito bom, o time está melhorando, mas ainda há muito a ser feito para melhorar. Está tudo bem”.
      Quando foi perguntado sobre ter sido o melhor em campo, o jogador falou sobre o quanto aquilo era inacreditável. “Se alguém tivesse me contado (que isso aconteceria), eu não teria acreditado”, admitiu o atacante. “Eu acredito em Deus, para ele, nada é impossível”.
      Na rodada seguinte ao jogo contra a Juventus, o adversário foi o Cagliari, fora de casa. A partida, realizada neste domingo, 25, teve vitória do Cagliari por 4 a 2, com direito a João Pedro, outro brasileiro, chegando a uma marca histórica de gols na Serie A pelo clube. Apesar da derrota, foi um dia histórico para Junior Messias também: ele marcou o seu primeiro gol na Serie A. Foi aos 21 minutos do primeiro tempo e abriu o placar para o clube visitante, quando ele completou o cruzamento da esquerda para o gol com a sua perna esquerda.
      Junior Messias ainda revelou um sonho depois do jogo contra a Juventus. “Eu acho que tenho que ir passo a passo, então ver o que acontece no futuro. Seria um sonho que se realiza ser chamado pela seleção brasileira”, afirmou o jogador, de 29 anos. Pode parecer um sonho muito distante, quase impossível, ainda mais para um jogador da sua idade. Mas para quem viveu o que ele viveu até aqui, quem pode duvidar?
       
       
    • EduFernandes
      By EduFernandes
      CALCIO 20/21
      Essa é a 89ª edição da competição máxima do futebol italiano. A temporada está marcada para começar de 19 de setembro de 2020 até 23 de maio de 2021.
      REGULAMENTO
      ATUAL CAMPEÃO
      ÚLTIMOS VENCEDORES
      REBAIXADOS E PROMOVIDOS
      Pos. Rebaixados da Serie A 18º Lecce 19º Brescia 20º SPAL Pos. Promovidos da Serie B 1º Benevento 2º Crotone 3º Spezia (Play-offs)
    • Dan_Cunha
      By Dan_Cunha
      https://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/futebol-italiano/noticia/maurizio-sarri-e-demitido-da-juventus-depois-da-eliminacao-nas-oitavas-da-liga-dos-campeoes.ghtml
       
      Sarri caiu. Pocchentino cotado.
×
×
  • Create New...