Jump to content
Sign in to follow this  
Danut

Como montar um esquema de Gegenpressing no FM

Recommended Posts

Danut

MTp32WB.jpg

Olá pessoal,

esses tempos andando pelos sites de FM por aí eu me deparei com esse texto abaixo, que achei bem interessante. O objetivo do autor é montar um esquema de Gegenpressing (ou Counterpressing, para os que preferem a variante inglesa da palavra) no FM16. No site original tem a tática completa para baixar, mas sinceramente acho que não faz muito sentido baixar o que o cara fez ali - muito mais importante e interessante é a discussão sobre o porquê de cada instrução, o que vem no texto abaixo. Essa é uma discussão que já rolou no clube tático, então acho que o artigo pode acrescentar ao Forum.

 

Antes de iniciar o texto em si, preciso ainda fazer um aviso: o autor fala que a ideia é montar um esquema de Gegenpressing. Apesar de achar o artigo importante, eu não estou muito certo da aplicabilidade do termo no FM, e acho que o autor do texto confunde um sistema de pressão alta com um sistema de Gegenpressing. O artigo continua sendo muito importante para montar um bom esquema de pressão no FM, mas me parece que o Gegenpressing é algo que não pode ser simulado no jogo. Apesar disso, decidi manter a nomenclatura utilizada pelo autor original, e cada um pode decidir por si se concorda com ele ou não. Na minha visão, estamos falando sobre como montar uma boa pressão sobre o adversário - algo útil também, mas sem o glamour do Gegenpressing, infelizmente.

Sobre o porquê de eu não concordar, acabou ficando tão grande que resolvi colocar em um post separado, abaixo. Quem tiver interessado pode ler ali (e, para ser sincero, é essa parte que me interessa mais, mas ela não tem muita influência no jogo, então quem quiser só melhorar sua tática no FM pode ficar nessa parte aqui de cima).

Gegenpressing no FM16

Artigo originalmente publicado pelo autor do blog "Strikerless" aqui, em inglês, e traduzido por mim com permissão do autor.

Com a chegada de Jürgen Klopp à Inglaterra, têm-se dado cada vez mais atenção a um dos maiores avanços em termos táticos no futebol em anos recentes: o Gegenpressing (ou counterpressing, no inglês, mas utilizarei o termo em alemão nessa tradução porque é em terras germânicas que esse conceito realmente se desenvolveu para o mundo do futebol). Antes de Klopp se transferir para o Liverpool, Gegenpressing já era um tópico bastante discutido entre os hipsters do futebol entre nós. O ato de pressionar o adversário imediatamente após a perda da bola tornou-se popular através de treinadores como Guardiola, Klopp e Heynckes. Apenas para referência, é sobre isso que estamos falando (nota da tradução: esse vídeo ilustra perfeitamente o meu ponto a ser debatido no segundo post, isso aqui não é Gegenpressing, e sim pressão alta):

 

Os objetivos do Gegenpressing são evitar que a oposição possa contra-atacar e ganhar a bola tão rápido quanto possível. Ele depende do time que estava com a posse reagir tão rápido quanto possível no momento da transição, quando a posse é perdida. Idealmente, o time precisa jogar tanto quanto possível no campo do adversário, de modo a forçá-los a jogar com um bloco baixo no campo, desligando o atacante da linha de meio campo. Uma vez que os times estão nessa posição, a chave é ter posicionamento ideal com a bola – isto é, jogadores em posições onde eles estejam impactando o jogo e encontrando espaços com a bola, mas também onde eles poderão impedir o contra-ataque.

A dualidade entre posse de bola e Gegenpressing

A próxima parte fará com que eu pareça um hipster do futebol, mas eu realmente acho que é necessário discutir a ligação entre Gegenpressing, posse de bola e formações sem atacantes. Isto porque, na minha visão, os dois primeiros são requisitos indispensáveis de um sistema sem atacantes que funcione corretamente.

Um tema comum entre os times que jogam com base no Gegenpressing é o seu interesse em dominar a posse de bola. Isso não é uma coincidência. Essa forma agressiva de pressionar e a vontade de dominar em termos de posse de bola frequentemente andam juntas, simplesmente porque o time que quer controlar a bola tanto quanto possível naturalmente quererá recuperar a bola tão rápido quanto possível quando a perder. Em essência, um não pode existir de forma bem-sucedida sem o outro.

De fato, posse de bola e Gegenpressing estão muito conectados entre si. Se um time domina a posse de bola, então ele tentará manter a bola e forjar seus ataques através de passas curtos e decisivos. Essa forma particular de passe curto significa que os companheiros precisam estar posicionados próximos uns aos outros, como uma unidade coesa. Se os jogadores estiverem posicionados próximos uns aos outros, haverão mais jogadores da equipe próximos à bola quando esta passar à outra equipe, o que resulta em um aumento da efetividade do sistema de pressão. Afinal, quanto mais jogadores estiverem posicionados próximos à bola, mais provável é que o Gegenpressing seja efetivo.

cp001.png

Quando olhamos o mapa posicional de minha formação mais utilizada, podemos identificar claramente uma formação compacta, com os alas adicionando alguma largura à tática. Na média no entanto, os jogadores estão posicionados a menos de dez metros entre si, o que facilita passar a bola e atacar um oponente que venha a estar com ela sem deixar alguém muito exposto.

cp002.jpg

Quando um de meus jogadores está com a bola, a situação geralmente se parece assim. Existem diversos companheiros perto, com algumas opções mais arriscadas de passe longo também disponíveis. Se a bola for perdida, o time pode efetuar a transição entre ataque e defesa de forma bastante rápida pressionando agressivamente o oponente que esteja com a bola com dois ou mais jogadores. As fases de transição são em geral curtas, agressivas e decisivas, mas demandam muito dos jogadores em termos de concentração, jogo em equipe e físico.

A faca de dois gumes que pode ser o gegenpressing

Essas rápidas e agressivas transições se ligam a outro importante elemento do gegenpressing: quando parar de pressionar? Como mencionamos anteriormente, o gegenpressing depende dos jogadores que estão defendendo se movimentarem de forma agressiva em direção à bola, fechando as opções de passe do adversário que esteja com a bola. Quando tudo dá certo, é algo lindo, que pode se parecer com isso aqui:
 

O que podemos ver nesse vídeo é uma situação de jogo com diversas trocas de posse de bola, onde meu time perde a bola, rapidamente pressiona à frente e ou recupera a bola ou força o oponente a tentar um passe arriscado que pode ser interceptado. Vamos examinar esses momentos em mais detalhes.

cp003.jpg

Ferranit, um de nossos atacantes sombra, acabou de ser desarmado. A bola foi então recolhida pelo lateral adversário. Nosso time inteiro vai para a frente, o que torna difícil para o oponente realizar um passe. As linhas amarelas representam suas opções de passe, enquanto que as azuis representam possíveis movimentos defensivos para bloquear um espaço de passe ou atacar aquele que receba o passe. A bola acaba chegando até a opção mais segura possível, o ponta direita.

cp004.jpg

O ponta se encontra com sérios problemas. Ele realmente não tem para onde ir. A presença do lateral significa que ele não pode driblar em direção ao espaço sem antes ter que enfrentar um defensor em uma situação onde ele não gostaria de perder a bola, já que seu próprio time está realizando a transição da defesa para o ataque. As opções de passe mais realistas estão bloqueadas pelos meus jogadores. Ao final, a bola é recuperada pela minha equipe porque o ponta tenta sair da situação através do drible e acaba perdendo a bola. Ao fechar as opções de passe e deixar o espaço no campo limitado e nossa formação coesa e compacta, forçamos nossos oponentes a cometerem erros.

cp005.jpg

Quando a próxima perda da bola ocorre, o time adversário é puxado de volta até o redor de sua própria área, novamente com as opções de passe mais simples bloqueadas ou sob ameaça de bloqueio. O oponente consegue se livrar dessa primeira pressão com um passe longo e arriscado. Inicialmente, parece ter sido uma boa decisão. No entanto, logo recuperamos a bola porque esta foi difícil para o oponente alvo controlar. Quando o passe longo ocorre, o processo inteiro recomeça, com o time se reajustando para bloquear a maior parte das novas opções de passe. Os zagueiros se aproximam também, vindo à frente e antecipando o lançamento longo. Um conceito bastante interessante, não é mesmo?

Existem alguns riscos envolvidos em se jogar com um estilo de gegenpressing. Esses são riscos calculados, mas riscos mesmo assim. Gegenpressing é lindo quando funciona, mas pode acabar de forma catastrófica quando estoura na sua cara. Para começar, você depende de seus jogadores pressionarem agressivamente os adversários. Mas e o que acontece quando o jogador adversário consegue escapar da pressão?

Ainda que o gol tenha envolvido um tanto de sorte, o lance mostra alguns dos problemas que podem ocorrer quando um adversário escapa a pressão. Nesse caso, um meio-campista escapou da pressão tocando a bola para trás (Nota da tradução: o autor do texto menciona o primeiro passe, para o lateral, logo no começo do vídeo, e que tá um pouco cortado do lance no vídeo). Isso significa que há espaço em algum outro lugar do campo. Quando dois ou mais jogadores estão pressionando um adversário, a lógica é que haverá um ou mais adversários sem marcação direta naquele momento. Um time que seja rápido na transição pode explorar essas fragilidades. Isso significa que o gegenpressing pode ser arriscado quando você está jogando contra adversários mais qualificados, que podem enfrentar seus defensores no mano a mano e passar por eles assim.

cp006.jpg

Como mencionei anteriormente, a finalização contou com a sorte, mas o atacante rápido se movimentou para o espaço vago deixado pelo lateral esquerdo quando este se juntou à pressão. O cruzamento então acerta a trave e permite ao outro atacante finalizar uma chance fácil. Mas o importante é ilustrar o conceito de jogadores pegos fora de posição, o que esse lance mostra bem.

Um segundo risco da utilização do gegenpressing envolve o espaço que você dá para o time adversário. O gegenpressing geralmente ocorre no último terço do campo. Isso ocorre porque o time que domina a posse geralmente consegue manter a bola em sua própria defesa e meio de campo com relativa facilidade. Quando a bola entra o último terço do campo, esses times frequentemente encontram grandes barreiras de jogadores adversários, o que torna o espaço menor e facilita a perda da posse de bola.

cp007.jpg


De modo a manter a formação compacta que faz o gegenpressing funcionar, a defesa precisa subir relativamente bastante no campo, de modo a reduzir o espaço entre as linhas que pode ser utilizado pelos outros jogadores. Isso significa que você vai deixar bastante espaço atrás de sua própria linha defensiva, algo que pode vir a ser explorado por times com atacantes rápidos ou que gostam de fazer a transição de forma rápida. A tendência é conceder alguns gols “fáceis” quando um cruzamento ou um passe direto encontra o espaço atrás da defesa para um atacante que venha correndo. É um risco inerente que você aceita quando utiliza esse estilo de jogo. Em geral, se parece um pouco com isso aqui.

O fato de que somos suscetíveis a conceder gols como estes é a principal razão pela qual comecei a aplicar o conceito de gegenpressing que utilizo atualmente. A melhor defesa é um ataque agressivo. Se não permitimos ao adversário tempo com a bola, há menos chance de uma bola enfiada e mais tempo para a defesa se reorganizar.

Um dos efeitos colaterais que eu notei de todo o conceito de gegenpressing é o risco adicional de ver meus jogadores realizarem faltas táticas. Uma falta tática é uma falta onde o jogador sabe que vai levar um cartão, mas faz a falta com o intuito de evitar que o adversário possa fazer uma transição rápida. Assim, o time do jogador que comete a falta pode retornar a uma boa posição defensiva e o adversário perde a chance de um ataque potencialmente crucial. Ao fazer a falta, a defesa fica em uma situação melhor.

No clipe acima, é possível ver o Barcelona aplicando o conceito na vida real. No momento em que temem que o adversário pode tocar a bola de uma forma que pode colocar a defesa em grande risco, os jogadores do Barcelona empurram o adversário pelas costas, cometendo uma falta tática e permitindo que a defesa se reorganize. Isso é um problema – o terceiro problema, de fato -, porque você corre o risco de que seus jogadores levem cartões muito frequentemente e percam jogos por suspensão ou mesmo acabem expulsos.

As instruções necessárias para utilizar o gegenpressing no FM16

Existem uma série de instruções que fazem o gegenpressing funcionar no FM16. Não se trata de simplesmente sair marcando uma série de instruções de qualquer jeito. É um ato delicado e complexo de balanceamento entre as várias instruções que interagem entre si e a formação utilizada. Vamos começar olhando as instruções de equipe:

jwE1B9i.png

A primeira instrução de equipe que eu quero analisar é a “Levar a bola até a área”. Embora seja uma instrução de passe, ela impacta a forma como o time se alinha em campo – e, portanto, influencia o desenho da equipe, o que por sua vez influencia o gegenpressing. Se queremos pressionar de forma bem-sucedida, não podemos perder a bola em qualquer situação, então eu quero que meus jogadores trabalhem a bola até a área com cuidado.

Dar a bola ao adversário desnecessariamente poderia causar alguns problemas sérios, especialmente se acontecer próximo à linha de meio-campo ou em nosso próprio campo. Optar por passes mais seguros e pacientes, especialmente durante a transição da defesa para o ataque, tende a minimizar o risco de perder a bola.

cp009.png

Se perdêssemos a bola na situação acima, teríamos um sério problema, já que há um atacante livre atrás do defensor que está com a bola. Esse atacante não está sendo marcado no momento, uma simples alteração na posse de bola e um passe direto poderia resultar nesse atacante correndo livre em direção ao gol – e há bastante espaço porque os defensores subiram as linhas para manter a compactação da equipe e a coesão do desenho tático. Eu prefiro que o jogador com a bola opte por um passe seguro para as laterais em vez de arriscar o passe pela área central.

A próxima instrução que quero analisar é a de “Pressionar muito mais”. Eu quero que meus jogadores pressionem o adversário sempre que possível e essa instrução aumenta o nível de pressão das instruções de cada jogador da minha equipe. Eu quero que eles procurem o oponente para recuperar a bola, cortar as opções de passe ou mesmo dar a outros o tempo para se reagruparem. “Pressionar muito mais” induz a forma mais agressiva de pressão que você pode conseguir no FM. Em alguns casos quando utilizei essa instrução, eu notei que meus jogadores estavam saindo de posição muito frequentemente, o que arruinava o desenho tático da equipe e a coesão da formação, então sempre é possível reduzir um pouco o valor da instrução.

A próxima instrução a ser analisada é a de “Utilizar marcação apertada”. A instrução em questão basicamente reforça a instrução anterior. Eu quero que meus jogadores cheguem perto dos adversários e fiquem próximos a eles, especialmente na defesa e meio campo. Não lhes deixem tempo com a bola, não os deixam tempo para escolher um passe. Eu quero que meus jogadores ataquem de forma agressiva quem quer que seja que esteja com a bola, enquanto outros (e aí entra a formação “muito fluída” que utilizo) se aproximam e cortam as opções de passe.

A próxima instrução é a de “impedir distribuição curta do goleiro”. Eu vou ser honesto e dizer que não notei muita diferença entre utilizar essa instrução ou não, mas vou deixá-la ali, em todo caso. Em termos de filosofia de jogo, ela faz sentido de todo modo. Eu reconheço que ela basicamente se aplica a jogadores de ataque, que é uma área onde eu geralmente não tenho muitos jogadores. Mesmo assim, parece correto mantê-la ativada se você quer utilizar um sistema de Gegenpressing.

Apesar de não ter selecionado nenhuma das duas, eu quero discutir rapidamente as instruções “Evitar carrinhos” e “Desarme agressivo”, já que costumo utilizar ambas durante a temporada. Embora possa parecer contra-intuitivo utilizar a primeira das instruções, eu lhes asseguro que isso faz todo o sentido quando pensamos sobre. Um jogador que tente um carrinho assume dois riscos: se errar o tempo de sua jogada, ele estará no chão e precisará de tempo para levantar e voltar a se envolver com o jogo. Em termos de Gegenpressing, isso significa preciosos segundos perdidos. Em segundo lugar, os jogadores de ataque não são, em geral, os melhores desarmadores do mundo. Permitir que eles saiam dando carrinhos que nem maníacos geralmente resulta em uma grande quantidade de cartões e lesões a meus próprios jogadores. Evidentemente, isso é algo que eu quero evitar.

Por outro lado, por vezes enfrentamos adversários superiores. Quando seus jogadores são claramente inferiores, você corre o risco de o oponente se livrar do Gegenpressing e você tem de compensar de alguma forma. Um pouco de agressão bruta e força pode ser útil. Sim, ainda há o risco de jogadas erradas resultarem nos seus jogadores recebendo cartões, se lesionando ou ficando no chão e fora das jogadas, mas é preciso compensar a desvantagem de alguma forma e em alguns poucos casos, você pode intimidar o adversário dessa forma.

Isso nos traz até a parte da “Formação da equipe” de nosso sistema de Gegenpressing. Há somente uma abordagem que eu utilizo e ela é basicamente um pré-requisito para fazer o conceito inteiro funcionar.

4aDaLCt.png

“Muito fluído” significa que o time tenderá a ser mais compacto (com maior liberdade criativa). Dado que eu quero que o time aja como uma unidade coesa, isso faz sentido. Eu vou soar como um hipster novamente, mas, citando alguns treinadores da vida real, pessoas como Michels, Cruyff, Lobanovskiy e Sacchi sempre buscaram um estilo universal, onde cada jogador no campo tem uma responsabilidade coletiva sobre cada aspecto do jogo. Não no sentido de que o atacante deve voltar até a área para ajudar na linha de impedimento, mas no sentido, por exemplo, de um atacante pressionando um defensor adversário com a bola, permitindo a seus colegas de equipe o tempo para se aproximar e ajudar ou recuar e encontrar uma melhor posição defensiva.

Em todo caso, como universalidade é comumente associada ao Futebol Total, ela está se tornando uma espécie de palavra mágica. De um modo, universalidade é parte de um estilo de jogo mítico, que combina a estética de passes curtos e complicados, pressão agressiva, movimentos fluídos com e sem a bola e trocas de posições com resultados que entregam troféus.

Isso não é realmente o que eu quero. Eu quero que todos os jogadores tenham iguais responsabilidades criativas e defensivas durante todos os estágios e fases do jogo, resultando em um estilo muito fluído. Por causa desse estilo de jogo e através da subida da linha defensiva, eu tento manter as linhas compactas. Isso significa que os jogadores podem pressionar sem ter de se preocupar que tenham deixado espaços muito grandes atrás de si. Então, em minha visão, uma abordagem “Muito Fluída” é uma necessidade se eu quero manter uma formação compacta e coesa durante todo um jogo, porque os defensores precisarão pensar sobre seu posicionamento quando atacando e os atacantes terão que contribuir defensivamente pressionando.

Isso nos leva à parte da Mentalidade do sistema de Gegenpressing. Eu em geral utilizo todas as possibilidades, dependendo do jogo e da situação, mas a minha favorita tem de ser “atacante”.

jidnb3q.png

Se você quer pressionar de forma agressiva você precisa de jogadores à frente no campo para conseguir isso. Olhe à descrição. Observe o que é dito no começo. “vencer e … dominar a posse de bola no meio-campo” (Nota da tradução: no inglês, no FM, aparece “vencer e … dominar a posse de bola no campo do adversário”). Não faria sentido manter uma mentalidade mais cautelosa, quando é exatamente esse tipo de pressão que você quer conseguir. Se você quer utilizar o Gegenpressing, então precisa que seus jogadores avancem no campo e eu realmente acredito que o mentalidade atacante seja a melhor forma de fazê-lo sem comprometer a estabilidade defensiva.

Os atributos necessários para se utilizar o gegenpressing no FM16

A chave para utilizar o Gegenpressing de forma efetiva está na mentalidade de seus jogadores. Sem uma alteração instantânea da mentalidade dos jogadores de uma mentalidade atacante para uma mentalidade defensiva, o momento do Gegenpressing é perdido. Gegenpressing por si só não é uma tática revolucionária na história do futebol, mas o recente surgimento de times como Barcelona, Bayern e Dortmund, que são capazes de executá-lo de forma efetiva, é um dos mais incríveis desenvolvimentos do futebol atual.

Isso significa que eu olharei para jogadores com alta determinação, Índice de Trabalho, Trabalho em Equipe e Decisões, enquanto que um alto atributo de Agressividade provavelmente também não seria ruim. Esses atributos mentais são especialmente importantes para os jogadores no meio de campo. Eu vou citar um artigo da FM-Base aqui para a definição dos vários atributos (nota da tradução: o artigo pode ser encontrado aqui, em inglês)

Decisões é um dos mais importantes atributos no jogo. Os jogadores são constantemente apresentado com opções, e o atributo de Decisões determina se o jogador escolherá a melhor opção. Ele também controla quando e como uma opção é executada. Decisões é o que, quando e como.

Uma determinação baixa significa que o jogador desiste cedo. Um atributo alto significa que o jogador lutará até o final.

Um baixo atributo de Índice de Trabalho significa que o jogador não gastaria tanto tempo em decisões sem a bola, e preferiria esperar o surgimento de uma oportunidade em vez de tentar criar a situação ele mesmo. Um atributo alto significa que o jogador vai tentar se colocar como disponível e se envolver com o jogo tanto quanto possível.

Um baixo atributo de Trabalho em Equipe significa que o jogador colocará o seu próprio interesse à frente dos interesse da equipe, por exemplo tentando chutar à gol em vez de tentar o passe a um companheiro, ainda que o companheiro esteja melhor posicionado. Um alto atributo significa que o jogador basearia suas decisões no que seja melhor para a equipe, não para ele mesmo.

Podemos ver que faz sentido ter jogador com bons atributos nesses pontos, já que isso melhora a chance de eles estarem ativamente envolvidos no Gegenpressing.

Já que o Gegenpressing é bastante exigente fisicamente dos jogadores, também devemos procurar jogadores que possam aguentar o jogo inteiro. Uma alta resistência é uma boa ideia. Quanto maior a Resistência do jogador, mais tempo ele pode continuar sem se sentir cansado. A resistência está completamente conectada à condição de jogo de um jogador.

------

É isso pessoal. Como comentei, no site do post original tem a tática dele para download, para aqueles que estiverem interessados. De resto, espero que essa tradução ajude quem quiser montar um esquema de pressão alta (ou Gegenpressing, para os que acreditam que isso seja possível no FM).

d3J7RSA.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut

Bom, no post inicial eu disse que acho que o autor erra ao falar em Gegenpressing, que na verdade esse artigo fala sobre um sistema de pressão ao adversário. Mas afinal, qual a diferença? E com base em que estou afirmando isso?

Explico.

Basicamente, pelo que eu entendo (se alguém ver que tá errado avise nos comentários), o futebol é composto de quatro fases:

1) ofensiva: quando o time tem a bola e procura abrir espaço de jogo

2) defensiva: quando o time não tem a bola e procura fechar os espaços e eventualmente recuperar a bola

3) transição ofensiva: quando o time acaba de recuperar a bola e está fazendo a troca de sua forma defensiva de jogo para uma forma ofensiva

4) transição defensiva: quando o time acaba de perder a bola e está fazendo a troca de sua forma ofensiva para uma forma defensiva - a reorganização da defesa

Em um jogo, o mais normal é que se alternem entre os times as fases ofensiva e defensiva. Um ataca, o outro defende. Depois troca. Um contra-ataque ocorre justamente quando um time consegue fazer a transição ofensiva mais rápido que o adversário faz a defensiva - e assim pega a defesa desorganizada, fora da fase defensiva.

Bem, e porque tudo isso é importante? Porque o conceito do Gegenpressing é justamente alterar um pouco essa forma tradicional de jogo (fase ofensiva -> transição defensiva -> fase defensiva -> transição ofensiva -> fase ofensiva). Em vez de, no momento da perda da bola, recuar o time e tentar se organizar de maneira defensiva (isto é, aplicar a transição defensiva clássica), o time continua posicionado de maneira extremamente ofensiva, quase como se ainda estivesse com a bola, por alguns segundos. O objetivo disso é recuperar a bola imediatamente, possibilitando a) que o time recupere a bola em posição ofensiva, "pulando" a fase de transição e b) que o adversário seja atacado justo no momento em que vulnerável, quando iniciava a sua transição ofensiva.

É essa a diferença, portanto, entre o Gegenpressing e a pressão normal, que já exisitia no futebol desde sempre. Basicamente, o Gegenpressing é uma tentativa de pressionar o contra-ataque adversário (sua transição ofensiva), e não o ataque normal do adversário (sua fase ofensiva em si). A pressão normal é uma forma de jogo na fase defensiva, o Gegenpressing é uma alteração nas fases normais do jogo. 

Para tentar deixar mais claro, alguns exemplos do que estou falando:

- aqui, no primeiro lance do vídeo, temos um lance típico de pressão normal de jogo. O Dortmund está com a bola atacando o Bayern, que pressiona sempre o jogador que está com a bola. A pressão é evidente, mas também é evidente que o Bayern está completamente posicionado de forma defensiva, enquanto que o Dortmund está completamente posicionado de forma ofensiva (se não der para ver a primeira vez, repitam o vídeo e pausem no primeiro instante). A pressão existe, mas ocorre dentro da fase defensiva do Bayern. Sequer dá para saber quando é que o Dortmund começou a jogada com a bola, porque isso não é relevante para a pressão.

- aqui, por sua vez, um exemplo bem didático do que é o Gegenpressing - a tentativa de recuperar a bola imediatamente após perder ela. O Dortmund perde a bola e, ao invés de fazer a transição para a defesa, joga todo mundo para cima do jogador com a bola e imediatamente consegue continuar sua fase ofensiva. Mas o que acontece no Gegenpressing quando não se consegue recuperar a bola nos primeiros segundos após perdê-la? Aqui tem um ótimo exemplo disso (de novo, o primeiro que aparece). O time australiano perde a bola e, adepto do Gegenpressing que é (ao menos por esses vídeos, confesso que nunca tinha ouvido falar da seleção australiana aplicando esse conceito), joga o time para cima do jogador com a bola. Alguns segundos se passam, porém, e a bola é recuada a um zagueiro que está completamente livre. Já não há mais possibilidade de uma pressão imediata sobre o jogador. O time australiano então faz a transição defensiva - que envolve um jogador indo pressionar o zagueiro, mas os demais permanecem em suas posições ou mesmo recuam no campo.

- talvez o melhor exemplo do que não é Gegenpressing seja justamente o vídeo que abre o tópico. O vídeo quase todo mostra situações que não se encaixam no Gegenpressing, mas a mais emblemática delas começa a 01:10 do vídeo. O goleiro do Gladbach tá indo cobrar um tiro de meta. É óbvio que não é possível pressionar a transição da defesa para o ataque de uma equipe que tá cobrando um tiro de meta. A equipe já sai a bola na sua fase ofensiva de jogo (não confundir fase ofensiva com estar no ataque - o time está na defesa, mas totalmente posicionado para tentar levar o jogo para a frente, não há nenhum jogador preocupado em recuperar a bola, afinal se está cobrando um tiro de meta). O Bayern, por sua vez, está claramente na fase defensiva. Uma fase defensiva que marca bastante à frente, mas não há nenhum jogador na fase ofensiva do jogo - todos estão preocupados em impedir o adversário de fazer o jogo.

Bem, esse ponto é o essencial de todo esse texto: o Gegenpressing não é a mesma coisa do que a marcação por pressão. A maior parte dos times que utiliza o Gegenpressing também utiliza um grau considerável de marcação por pressão, mas isso ocorre porque se você tem os jogadores com habilidade para fazer o Gegenpressing, então eles provavelmente também se sentirão confortáveis fazendo a marcação por pressão normal. Um não é dependente do outro, porém. E para jogar com Gegenpressing corretamente, é essencial saber o momento de parar - afinal, adia-se a transição defensiva por alguns segundos, mas se a bola não é recuperada ela deve ocorrer. Nos treinos de Gegenpressing, é comum que os treinadores utilizem apitos ou outros sinais sonoros para indicar o momento em que o time deve abandonar a estratégia e realizar a transição defensiva.

Meu problema com a ideia toda, portanto (e juro que dessa vez tô concluindo mesmo) é que, pelo que vejo no artigo que traduzi, o autor monta um esquema de pressão muito forte, mas não um esquema de Gegenpressing. Não se trata de adiar a transição defensiva, e sim de fazer com que a fase defensiva seja muito agressiva. Mas como eu disse, nunca utilizei a tática no jogo, talvez um dia faça o teste para ver se o FM se comporta melhor do que eu espero em relação a isso.


 

Share this post


Link to post
Share on other sites
SilveiraGOD.

A lá que bacana um tópico falando do gegen! Uhuuul! Tá se popularizando no fórum, hein. Aguardem o Klopp nos trazer um caneco na temporada que vem e ai vai ser febre que nem o tiki-taka do Guardiola hahahha!

@Danut

Eu tinha lido esse artigo já. É gigante, parabéns pela tradução. Deve ter demorado anos hahhahah!

Tu tá bem certo, cara. O gegen é justamente tu tentar parar o contra-ataque adversário e é ai que ele se modifica um pouco de um sistema de pressão comum. Mas eu acho que tu tem uma coisa dentro da outra. Os times do Klopp também fazem pressão, afinal, seria contra-produtivo tu ter um sistema onde tu luta nos primeiros segundos pra recuperar a bola pra recuar depois e defender com 11 atrás. 

Outro ponto que diferencia, ao meu ver, é que a pressão não é feita só por uma zona do campo (as tais "pequenas associações"), mas sim por quem estiver  por perto. Não é 1 ou 2 jogadores indo atrás da bola, é 3, 4 jogadores indo atrás da bola pra não deixar o adversário ter a opção do passe. Por isso é um sistema de jogo bem mais suicida que um sistema de pressão normal, onde tu tem um mínimo de organização.

Como tu faz esse tipo de coisa no FM? Bem, NÃO FAZ hahahaha! Não tem como fazer uma tática dessas no FM, o que é uma grande falha do jogo ao meu ver. O jogo tá começando a ficar pra trás com o gigantesco aumento tático que apareceu nos últimos anos.

No entanto, eu acho que o cara do texto fez um ótimo trabalho em pelo menos aproximar do que seria o sistema de jogo do gegen. Se a gente considerar todo o conceito do do Klopp (que é defensivo e ofensivo), como a pressão no homem da bola, transição rápida, amplitude dos laterais, sem tanta posse da bola e ofensividade, a tática me parece o mais próximo possível do que a gente pode fazer no FM.

Sistemas como o tiki-taka, por exemplo, ao recuperar a bola são totalmente opostos. Se espera que além de jogar com a bola no pé,  que na recuperação tu tenha um estilo de jogo bem mais lento que o comum, com trocas de passes mais próximas, de pé pra pé. O gegenpressing tem como modo de ataque o contra-ataque (a partir da recuperação da bola), até por isso a mentalidade é atacar, já que tu quer pegar o time adversário desprevenido, sem dar tempo de se organizar. 

Enfim, eu acho que o cara fez bem algo próximo do gegen. Vale lembrar que ele não é apenas a pressão logo que tu perde a bola, mas tem todo o resto que dá pra ti realizar no FM, pelo menos na minha opinião. A minha tática é bem próxima do modelo desse cabeçudo ai e eu consigo ver traços bem claros do  gegen, que embora não venha me trazendo lá grande sucesso, é muito bonito de se ver.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Paulinho_Kayser

Muito bom!

Também já tinha lido o artigo, mas é uma grande sacada tu apresentar a tradução adaptada com tuas considerações.

De minha parte, ainda não estou utilizando o gegenpressing no meu time, para evitar o choque de filosofias e conseguir ir moldando aos poucos, conseguindo assim resultados melhores.

Mas, já utilizei em alguns jogos e realmente exerce pressão sobre a bola no instante seguinte a perda da posse.

Share this post


Link to post
Share on other sites
DouglasBerndt

Excelente tradução @Danut, fico feliz que tenha continuado com a ideia de trazer alguns traduções para o fórum.

Vou falar por experiência própria(Baseado nos conhecimentos tácticos do futebol real e no Football Manager, especialmente no FM16 que é a versão que estou jogando), não tem como realmente aplicar, ao fundo o Gegenpressing atualmente no FM, infelizmente. A parte táctica do jogo vem evoluindo absurdamente versão após versão, mas ainda não é possível ter uma táctica que execute realmente o Gegenpressing. Conseguimos exercer um ritmo muito alto e um esquema de pressão, mas isso não é apenas do que se trata o Gegenpressing, é muito mais do que isso. A ação de "combater" o adversário imediatamente após a perda da posse de bola, ainda não "existe" no FM(Acho que logo estará presente, 17 ou 18 com certeza). Além desse principio de combatividade após a perda da posse de bola, umas das coisas que não existem(Ao menos eu não consegui aplicar algo diferente) é o estilo de marcação. No Gengerpressing, a equipe imediadamente dá o combate após a perda da posse de bola, mas após alguns segundos, ela se organiza e marca com uma pressão muito baixa, aguardando o adversário e isso não é possível aplicar no jogo. Essa variação dos 15 segundos mais o menos após a perda da posse para o recuo e posicionamento por zona da defesa, ainda não é possível. Nesses 15 segundos, os jogadores cercam o adversário com a bola e tenta limitar o espaço de ação, não é nem uma marcação a zona nem marcação individual, que são as duas opções no jogo e após isso ele volta a marcação a zona. 

É um assunto muito bacana, e se alguém conseguiu pelo menos aplicar um pouco desse estilo no jogo, seria legal compartilhar.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Pimenteeel

Parabéns pelo tópico, cara!

Sempre tentei fazer essa marcação apertada no ataque, para impedir a criação do adversário, mas não conhecia esse esquema.

Parabéns pela tradução e pela atitude!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
Em 14/02/2016 at 11:56, Silveira. disse:

A lá que bacana um tópico falando do gegen! Uhuuul! Tá se popularizando no fórum, hein. Aguardem o Klopp nos trazer um caneco na temporada que vem e ai vai ser febre que nem o tiki-taka do Guardiola hahahha!

@Danut

Eu tinha lido esse artigo já. É gigante, parabéns pela tradução. Deve ter demorado anos hahhahah!

Tu tá bem certo, cara. O gegen é justamente tu tentar parar o contra-ataque adversário e é ai que ele se modifica um pouco de um sistema de pressão comum. Mas eu acho que tu tem uma coisa dentro da outra. Os times do Klopp também fazem pressão, afinal, seria contra-produtivo tu ter um sistema onde tu luta nos primeiros segundos pra recuperar a bola pra recuar depois e defender com 11 atrás. 

Outro ponto que diferencia, ao meu ver, é que a pressão não é feita só por uma zona do campo (as tais "pequenas associações"), mas sim por quem estiver  por perto. Não é 1 ou 2 jogadores indo atrás da bola, é 3, 4 jogadores indo atrás da bola pra não deixar o adversário ter a opção do passe. Por isso é um sistema de jogo bem mais suicida que um sistema de pressão normal, onde tu tem um mínimo de organização.

Como tu faz esse tipo de coisa no FM? Bem, NÃO FAZ hahahaha! Não tem como fazer uma tática dessas no FM, o que é uma grande falha do jogo ao meu ver. O jogo tá começando a ficar pra trás com o gigantesco aumento tático que apareceu nos últimos anos.

No entanto, eu acho que o cara do texto fez um ótimo trabalho em pelo menos aproximar do que seria o sistema de jogo do gegen. Se a gente considerar todo o conceito do do Klopp (que é defensivo e ofensivo), como a pressão no homem da bola, transição rápida, amplitude dos laterais, sem tanta posse da bola e ofensividade, a tática me parece o mais próximo possível do que a gente pode fazer no FM.

Sistemas como o tiki-taka, por exemplo, ao recuperar a bola são totalmente opostos. Se espera que além de jogar com a bola no pé,  que na recuperação tu tenha um estilo de jogo bem mais lento que o comum, com trocas de passes mais próximas, de pé pra pé. O gegenpressing tem como modo de ataque o contra-ataque (a partir da recuperação da bola), até por isso a mentalidade é atacar, já que tu quer pegar o time adversário desprevenido, sem dar tempo de se organizar. 

Enfim, eu acho que o cara fez bem algo próximo do gegen. Vale lembrar que ele não é apenas a pressão logo que tu perde a bola, mas tem todo o resto que dá pra ti realizar no FM, pelo menos na minha opinião. A minha tática é bem próxima do modelo desse cabeçudo ai e eu consigo ver traços bem claros do  gegen, que embora não venha me trazendo lá grande sucesso, é muito bonito de se ver.

 

Bom, vamos lá, depois de muito tempo resolvi tirar um tempo pra responder aqui :P

Primeiro ponto: sinto informar, mas vocês não vão levar o caneco :P Não com o Guardiola indo para o City, e nem com esse time do Liverpool. Bem que eu gostaria que acontecesse né, mas não vai dar não :P

Enfim, sobre a questão da pressão, sim, realmente, elas andam muito ligadas - não diria que estão necessariamente dentro da outra, porque tu pode ter pressão sem fazer gegenpressing (metade dos times do mundo até hoje) e acho que pode ter o gegenpressing em um esquema que não pressione tanto assim em outras situações. Não faria muito sentido, realmente, concordo contigo, mas que é possível, é. 

Mas isso também não é tão importante assim, na real, porque, como tu mesmo disse, o trabalho apresentado aqui é o mais próximo que se pode chegar no FM. Só me incomoda porque eu não acho que dê para chamar de gegenpressing sem ter o elemento fundamental dessa forma de jogar, né. Mas claro, não tem como fazer isso no FM por enquanto. Talvez um dia seja possível :)

 

Em 16/02/2016 at 11:04, PHKayser disse:

Muito bom!

Também já tinha lido o artigo, mas é uma grande sacada tu apresentar a tradução adaptada com tuas considerações.

De minha parte, ainda não estou utilizando o gegenpressing no meu time, para evitar o choque de filosofias e conseguir ir moldando aos poucos, conseguindo assim resultados melhores.

Mas, já utilizei em alguns jogos e realmente exerce pressão sobre a bola no instante seguinte a perda da posse.

Valeu :) Sobre o esquema, eu na verdade nunca testei ele no FM, só achei um material interessante para trazer para cá. Mas não se adapta ao time que tenho em mãos, então não fiz o teste no jogo. Bom saber que funciona mesmo, não só na teoria.

 

Em 22/02/2016 at 14:00, DouglasBerndt disse:

Excelente tradução @Danut, fico feliz que tenha continuado com a ideia de trazer alguns traduções para o fórum.

Vou falar por experiência própria(Baseado nos conhecimentos tácticos do futebol real e no Football Manager, especialmente no FM16 que é a versão que estou jogando), não tem como realmente aplicar, ao fundo o Gegenpressing atualmente no FM, infelizmente. A parte táctica do jogo vem evoluindo absurdamente versão após versão, mas ainda não é possível ter uma táctica que execute realmente o Gegenpressing. Conseguimos exercer um ritmo muito alto e um esquema de pressão, mas isso não é apenas do que se trata o Gegenpressing, é muito mais do que isso. A ação de "combater" o adversário imediatamente após a perda da posse de bola, ainda não "existe" no FM(Acho que logo estará presente, 17 ou 18 com certeza). Além desse principio de combatividade após a perda da posse de bola, umas das coisas que não existem(Ao menos eu não consegui aplicar algo diferente) é o estilo de marcação. No Gengerpressing, a equipe imediadamente dá o combate após a perda da posse de bola, mas após alguns segundos, ela se organiza e marca com uma pressão muito baixa, aguardando o adversário e isso não é possível aplicar no jogo. Essa variação dos 15 segundos mais o menos após a perda da posse para o recuo e posicionamento por zona da defesa, ainda não é possível. Nesses 15 segundos, os jogadores cercam o adversário com a bola e tenta limitar o espaço de ação, não é nem uma marcação a zona nem marcação individual, que são as duas opções no jogo e após isso ele volta a marcação a zona. 

É um assunto muito bacana, e se alguém conseguiu pelo menos aplicar um pouco desse estilo no jogo, seria legal compartilhar.

 

Obrigado :) Agora eu acho que vou ter que dar uma parada nas traduções, porque o semestre já começou chutando a porta e acabando com meu tempo, mas tem vários materiais legais que um dia ainda espero poder colocar para o pessoal que não tem acesso ao inglês aqui.

Sobre o que tu falou, é mais ou menos o que eu quis trazer ali em cima. Realmente, o gegenpressing envolve mecanismos que não estão disponíveis no jogo. Espero que nos próximos FMs isso venha a ser incorporado, seria uma novidade muito legal, mas por enquanto não tem como mesmo. Mas a gente vai se virando com o que tem, né.

 

4 horas atrás, Pimenteeel disse:

Parabéns pelo tópico, cara!

Sempre tentei fazer essa marcação apertada no ataque, para impedir a criação do adversário, mas não conhecia esse esquema.

Parabéns pela tradução e pela atitude!

Valeu, e espero que ajude :)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.

Parabéns pela tradução Danut. Incluimos o texto nos nossos índices gerais e da área e ainda incluímos ele na tag da diretoria de conteúdo/projeto para que ele seja mostrado caso alguém deseje ver todos os conteúdos criados para o Football Manager 2016. Também adicionamos um banner e um selo de iniciativa para estimular vocês e a outros membros a trazerem mais conteúdos como esse.

Por fim, gostaria de dizer que durante essa semana, o seu guia será compartilhado através das redes socias do fórum. Parabéns pela tradução mais uma vez.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
25 minutos atrás, Henrique M. disse:

Parabéns pela tradução Danut. Incluimos o texto nos nossos índices gerais e da área e ainda incluímos ele na tag da diretoria de conteúdo/projeto para que ele seja mostrado caso alguém deseje ver todos os conteúdos criados para o Football Manager 2016. Também adicionamos um banner e um selo de iniciativa para estimular vocês e a outros membros a trazerem mais conteúdos como esse.

Por fim, gostaria de dizer que durante essa semana, o seu guia será compartilhado através das redes socias do fórum. Parabéns pela tradução mais uma vez.

Eu tinha entrado no tópico pra ver o que tinha sido reputado recentemente pelo @_Matheus_, e vi que tinha um banner estranho (estranho no sentido de que não fazia parte do que eu escrevi) no post. Agora tá explicado (: 

E legal essa iniciativa de vocês de organizar melhor a parte das tags, pra ficar mais fácil de achar, e de fazer uma divulgação. Acredito que todo usuário que tira seu tempo pra escrever um artigo ou traduzir um material de outra língua curte ver o trabalho sendo lido por mais gente, então essa iniciativa de vocês é muito bem vinda (:

Share this post


Link to post
Share on other sites
_Matheus_

Parabéns, Danut! Ficou muito bom, méritos seus.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
6 horas atrás, _Matheus_ disse:

Parabéns, Danut! Ficou muito bom, méritos seus.

Mérito de quem escreveu o artigo, na real. A tradução é a parte mais fácil né. Mas obrigado, de todo modo :)

Share this post


Link to post
Share on other sites
_Matheus_
3 horas atrás, Danut disse:

Mérito de quem escreveu o artigo, na real. A tradução é a parte mais fácil né. Mas obrigado, de todo modo :)

Mas você teve seu trabalho e o carinho para com toda uma comunidade que poderia não ter acesso a esse conteúdo por estar em outro idioma.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Perissé

Parabéns @Danut. Dei uma lida faz algumas semanas no primeiro post e é um material muito bom.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
6 horas atrás, Yan Perisse disse:

Parabéns @Danut. Dei uma lida faz algumas semanas no primeiro post e é um material muito bom.

Obrigado :) Fico feliz que o pessoal tenha gostado. Quando puder tento trazer mais algo para cá (só que "quando puder" vai ser nas férias de inverno provavelmente :P)

Share this post


Link to post
Share on other sites
Álvaro Rodrigues

Eu só não entendi nas instruções necessárias para utilizar o gegenpressing essa linha defensiva no normal aí. Acho que em um esquema de gegenpressing as linhas devem  ficar altas.E o comprimento também ao meu ver está equivocado. O comprimento com pontas deixaria os jogadores mais distantes uns dos outros, não? Acho que o comprimento deve ser mais estreito para facilitar a aproximação dos jogadores, e esta aproximação facilita a pressão imediata caso haja a perda de bola.

 

Edited by Álvaro Rodrigues

Share this post


Link to post
Share on other sites
Álvaro Rodrigues

Esse vídeo é interessante, em vários momentos mais de um jogador marca pressão em cima do jogador que está com a bola

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
12 horas atrás, Álvaro Rodrigues disse:

Eu só não entendi nas instruções necessárias para utilizar o gegenpressing essa linha defensiva no normal aí. Acho que em um esquema de gegenpressing as linhas devem  ficar altas.E o comprimento também ao meu ver está equivocado. O comprimento com pontas deixaria os jogadores mais distantes uns dos outros, não? Acho que o comprimento deve ser mais estreito para facilitar a aproximação dos jogadores, e esta aproximação facilita a pressão imediata caso haja a perda de bola.

 

Não fui quem escreveu o artigo né, só traduzi ele, então não tenho certeza dos motivos para isso. Mas acho que a linha normal é porque, jogando numa mentalidade ofensiva a linha de defesa já sobe bastante. Juntando isso a um estilo muito fluído (maior compactação vertical), já temos uma linha bastante avançada. Colocar ela como mais avançada, nesse caso, pode acabar expondo demais o time aos lançamentos longos para contra-ataques. Se tu utilizar instruções menos ofensivas, aí a linha alta faz mais sentido, mas aqui acho que ela já é naturalmente alta (já que a instrução da altura da linha também se altera pelas outras instruções).

Além disso, acho que tem um limite para o quanto se pode esmagar um adversário contra a própria defesa - se tu exagerar na dose, pode acabar ficando sem espaço nenhum para jogar, pois o adversário estará todo encurralado na sua área de defesa, o que por sua vez dificulta muito para fazer gols nele. 

Em relação ao comprimento de jogo, o autor utiliza o com pontas por entender que assim seu time ganha em poder ofensivo, conseguindo abrir melhor o adversário. Realmente, para uma pressão mais efetiva, faz mais sentido ter o time mais junto. A questão é se daí se perde muito em poder ofensivo (por o adversário poder se fechar mais na defesa) ou não. Tem um post do @Silveira., tirado daqui, que fala sobre isso:

Citar

 Largura o mais estreita possível > CHAVE pra funcionar. Quanto mais pra dentro (próximos) ficam os jogadores, mais pressão tu consegue no homem da bola. Eu usava equilibrado ou às vezes até o mais aberto possível, o que era um erro. Quando o time ficou com a largura bem treinada, os pontas começaram a infiltrar, a posse de bola aumentou, os alas pararam de cruzar, as bolas nas costas diminuíram MUITO e por ai vai. Hoje eu vejo quase como uma falácia a coisa de que tu precisa ter um comprimento largo pra poder fazer infiltração ou dar o último passe. Não necessariamente precisa ser assim;

No fim das contas, acho que as duas abordagens tem seu sentido. Tem que ver qual funciona melhor para a tua equipe. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Álvaro Rodrigues

Danut, valeu por responder. Eu sei que você apenas traduziu o texto. Na verdade eu questionei o autor, não você. Eu mesmo costumo jogar com linhas altas ou ligeiramente altas e sempre aplico uma filosofia que procura chegar mais próximo do gegenpressing e tenho obtido meus melhores resultados no FM 16. Foi assim com meu Borussia Dortmund, Manchester City e Nottin Forest. E está sendo assim com meu Leicester, e os resultados estão até me surpreendendo nesse save. Eu estou na primeira colocação da premier league na PRIMEIRA TEMPORADA. Mesmo que não vença a liga, já estou bastante orgulhoso, pois eu sou fanático por esse troço de filosofia de jogo chamado gegenpressing. 

Quanto ao mano Silveira, eu estava pensando nisso ontem( de estreitar o comprimento), mas estava com medo de meus resultados piorarem, pois não sou muito de tá mudando as coisas quando estou indo muito bem. Mas fiz o teste em um jogo da capital one cup e gostei do que vi. Os jogadores de fato sufocam mais o adversário por estarem mais próximos. Quando eu puder(na verdade aprender, pois não sei) eu vou postar um vídeo no momento em que 4 ou 5(não lembro bem) jogadores meus marcam o jogador adversário que está com a bola  desarmando-o. E em outros momentos mais de um jogador marcando o adversário com a bola. O comprimento estreito de fato se aproxima mais dessa filosofia de jogo. Vale apena! 

Edited by Álvaro Rodrigues

Share this post


Link to post
Share on other sites
Álvaro Rodrigues

Está aí o vídeo, note o desarme através da pressão exercida por 4 jogadores de minha equipe sobre o jogador adversário que se encontra com a bola. Na realidade tiveram outras pressões desse tipo durante essa partida; mas essa daqui se destacou.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
7 horas atrás, Álvaro Rodrigues disse:

Está aí o vídeo, note o desarme através da pressão exercida por 4 jogadores de minha equipe sobre o jogador adversário que se encontra com a bola. Na realidade tiveram outras pressões desse tipo durante essa partida; mas essa daqui se destacou.

Pressão linda mesmo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Thiago Anjo

Eu vejo o comprimento estreito muito mais como uma orientação defensiva do que ofensiva, para impedir infiltrações pelo meio da sua defesa. Uso bastante contra times que q jogam com passes curtos pelo meio, ofensivamente eu não vejo tanta diferença no comprimento (não chega a alterar com relevância a posição natural que os jogadores se colocam com a bola)

Share this post


Link to post
Share on other sites
El Piratz

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Medo

Muito interessante o tópico, surigu uma dúvida, existe alguma formação ideal ou o Gegenpress pode ser aplicado em qualquer uma?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Danut
17 horas atrás, Medo disse:

Muito interessante o tópico, surigu uma dúvida, existe alguma formação ideal ou o Gegenpress pode ser aplicado em qualquer uma?

O mais importante é que a formação seja compacta. Formações com um número maior de jogadores no meio de campo tendem a funcionar melhor, portanto. Se tu tiver cinco homens lá na defesa, tu dificilmente vai conseguir estar em cima do adversário o suficiente para pressionar lá em cima.

Da mesma forma, se tiver muitos atacantes que não participam tanto da marcação, também vai ser complicado. O autor do artigo original utiliza três homens na parte da frente de seu esquema, mas eles são meias ofensivos. Atacantes mesmo é mais difícil de conseguir que marquem tanto, por isso eu diria que é melhor atuar com um ou, no máximo, dois. 

Também me parece que não é uma boa ideia jogar com uma formação em linha, estilo 4-4-2. Para que os jogadores possam pressionar bem o adversário, é mais eficiente ter homens em alturas diferentes do campo. Se todo mundo estiver em uma linha, o passe pode vir com mais facilidade no espaço entre uma linha e a outra. 

Fora essas questões, acho que dá para tu utilizar uma série de variações. O mais normal é provavelmente uma variação de 4-1-2-3 ou 4-2-3-1, mas não acho que sejam as únicas formas de implementar isso. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Marrega

Boa tarde, galera!
Gostei demais da ideia do Gengenpressing ser trazida aqui para o fórum!
Estou em um save com o São Paulo, trabalhando, principalmente com a formação 4-1-2-3 com extremos variando entre pontas com a função de atacar e avançados interiores com a função de atacar, também. Notei que o time vem se adaptando bem ao estilo, foram 4 partidas, 3 vitórias e 1 empate, porém o melhor time que enfrentamos foi o Atlético Paranaense e, o jogo mais difícil que fizemos foi esse do empate contra a Chapecoense, ou seja: ainda não me testei contra os grandes.
Apesar de obter esse relativo sucesso, noto que alguns aspectos não estão sendo bem trabalhados no meu time, principalmente dois que eu acho fundamentais:

-Os atacantes não pressionam como deveriam: deixando muitas vezes a bola passar do meio campo, onde de fato começa a pressão(não sei se por alguma instrução ao time, meus atacantes não podem receber a instrução de pressionar mais individualmente)

-O time não está compacto como deveria: apesar de estar usando o 4-1-2-3, sinto que meus jogadores estão muito longe uns dos outros, precisando recorrer na maioria das vezes a passes longos(que por vezes até resultam em gols, mas acho que obteríamos mais sucesso se trabalhássemos  com um jogador mais perto do outro de forma mais compacta)

Se alguém puder me dar alguns toques e dicas, ficarei agradecido!

Valeu, galera!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • Henrique M.
      By Henrique M.
      Toda pessoa que joga FM sonha em descobrir uma pérola (o famoso "wonderkid" ou miúdo maravilho) de um país longínquo. Uma jovem promessa que seja capaz de elevar o patamar do time por anos a fio. Durante meus vários anos jogando FM, eu sempre apreciei a liga brasileira. Os truques que ensinarei para ajudar na busca por wonderkids são simples e não demandam muito trabalho. Entretanto, algumas pessoas podem acabar considerando que isso seria como roubar. A decisão é toda sua.
      Vá na Tela de Olheiros, selecione a opção Visão Geral, um menu irá abrir, daí é só escolher a opção Personalizado > Configurar Vista Actual..., ao fazer isso, um menu como o da imagem abaixo irá abrir: 

      A partir daí, é só selecionar na coluna do lado esquerdo a opção Descrição da Imprensa, clicar em Adicionar e OK. Isso irá adicionar uma coluna na sua vista atual que informará qual a descrição que a imprensa dá aos atletas. Wonderkid ou miúdo maravilha é uma delas, dependendo do idioma. Sendo assim, é só selecionar para filtrar a nova coluna por ordem alfabética e procurar os jogadores que são descritos dessa forma.
      Provavelmente, quando você começar seu save, você terá o conhecimento mínimo de jogadores no mundo, dessa forma, a sua listagem será impactada. Como seu olheiro não conhece bem os jogadores, ele não sabe como a imprensa trata o jogador. Logo, é preciso colocar seus olheiros para trabalhar. Quanto mais informações eles obterem, mais proveito você tirará desse truque para encontrar wonderkids no FM. Além disso, é normal que os jogadores venham com descrições de imprensa pré-definidas no editor e por isso, não apareçam para jogadores que vem com o jogo, entretanto, a medida que o jogo progride e os newgens surge, esse truque trará mais frutos.
      Por isso, gostaria de deixar claro, o truque só funciona se você observar jogadores. Logo, coloque seus olheiros para trabalhar. Se tem dificuldades para encontrar jogadores, talvez os guias "O mapa das promessas jovens no FM" e "Como encontrar as melhores promessas no FM" possam lhe fornecer ferramentas para tirar o máximo proveito para encontrar wonderkids no FM.
      A atual definição de Wonderkid no FM
      Nós tendemos a associar a expressão Wonderkid ou Miúdo Maravilha para qualquer jovem jogador que tenha uma boa capacidade atual e imenso potencial em idades muito baixas. Entretanto, nos FMs mais recentes, para tentar dificultar a vida dos jogadores na hora de buscar um atleta, eles mudaram o conceito de Wonderkid no FM.
      Antigamente, um jogador para ser considerado Wonderkid precisava ter mais de 130 de Capacidade Atual e mais de 170 de Capacidade Potencial. Portanto, não é surpreendente que o termo Wonderkid ou Miúdo Maravilha tenha ficado marcado da maneira descrita anteriormente no imaginário popular. Mas, para as versões mais recentes, a Sports Interactive realizou uma mudança no conceito. Atualmente, qualquer jogador que tenha Capacidade Atual superior a 125 e seja muito jovem, já pode ser descrito pela imprensa como um wonderkid no FM.
      Dessa forma, você eventualmente encontrará jovens jogadores com a descrição de imprensa de Wonderkid, mas que já está próximo da sua Capacidade Potencial e não virará o novo Messi. Mas isso não significa que esses jogadores não sejam úteis a curto e longo prazo. A maioria, mesmo se for um Wonderkid de CA e PA 125, poderá ser extremamente útil e rentável financeiramente nos times certos. Além disso, mesmo que ele tenha a descrição mas não tenha um PA de outro mundo, ele certamente poderá ser titular em grandes times. Dessa forma, não menospreze um Wonderkid no FM só porque ele tem sua Capacidade Atual próxima a Capacidade Potencial.
      Todos eles podem ser úteis de uma certa forma, já que para atingir uma CA tão elevada muito jovem, é necessário bons atributos psicológicos. E bons atributos psicológicos costumam gerar personalidades positivas. Ou seja, nem todo Miúdo Maravilha será o melhor jogador do universo, mas certamente o próximo Messi estará entre eles.
      Um filtro personalizado para download
      Para aqueles mais preguiçosos, ou que só procuravam um filtro de transferências, criei um filtro personalizado onde eu adicionei todas as informações a respeito de clausulas de rescisão que o jogo fornece, além do truque mencionado no guia. Ele é personalizável, e você pode fazer as alterações que quiser.
      Para instalar, basta extrair o arquivo e colocá-lo na pasta Meus Documentos/Sports Interactive/Football Manager 2020/views. Ir no jogo, escolher o mesmo caminho que escolheu para personalizar a vista, mas ao invés de clicar em Configurar Vista Actual..., é só escolher, Importar Vista... e escolher o filtro.
      Para fazer o download, é só clicar aqui.
      Aplicações em outros FMs
      O texto original é do FM 2018, portanto, funciona em todos os que vieram depois. E também funcionará em qualquer versão do jogo que lhe permita editar essas vistas da forma ensinada. Entretanto, o filtro só irá funcionar no FM 2020.
      Fonte: https://strikerless.com/2019/01/03/finding-wonderkids-the-easy-way/
      Texto traduzido e adaptado por Henrique M. para o FManager Brasil e Engenharia do Futebol
      Filtro criado por Henrique M. baseado no conteúdo original
      Banner: @_Matheus_
    • Henrique M.
      By Henrique M.
      A Major League Soccer (MLS) é uma liga que vem atraindo crescente interesse ao longo dos últimos anos e muita gente se aventura em jogar na terra do Tio Sam em algum save do Football Manager. Contudo, como é uma liga muito diferente do que estamos acostumados no mundo do futebol, as mecânicas da elite futebolística dos Estados Unidos acaba assustando. Portanto, para ajudar as pessoas interessadas em jogar na MLS no FM, trouxemos esse guia explicando tudo aquilo que importa para compreender melhor a liga dentro do jogo.
      A temporada regular da MLS - MLS Supporters' Shield
      A primeira e mais importante coisa a ser notada é que a MLS é uma liga de verão, não uma liga de inverno. A temporada regular da Major League soccer ocorre entre Março e Outubro, com os playoffs da MLS Cup começando logo em seguida.
      A liga é dividida em duas conferências - Conferência Oeste e Conferência Leste. Mas por que é assim? Como a maioria das outras ligas esportivas dos Estados Unidos utilizam esse formato, acharam que seria mais fácil aumentar a aceitação do esporte copiando esses formatos. Além disso, é uma das heranças de quando os estadunidenses resolveram "americanizar" muitos aspectos do esporte.
      A conferência em que seu time se encontra afeta quantas vezes você joga contra cada time da liga. Cada um dos 22 times na liga irá jogar 34 partidas na temporada regular, 17 em casa e 17 fora. Os clubes irão enfrentar duas vezes cada time de sua conferência, uma vez em casa e outra fora Além disso, eles também enfrentam ao menos uma vez os times da outra conferência, alternando o mandante a cada nova temporada. Por exemplo, se Dallas versus Chicago Fire ocorre em Dallas nesse ano, no próximo ano, ele ocorrerá em Chicago.
      Também existem mais três jogos adicionais entre equipes de conferências diferentes, com um time em cada conferência jogando uma partida extra contra um time da outra conferência. Ao final da temporada, os pontos somados ao longo dos 34 jogos determinam o vencedor da temporada regular, a MLS Supporters' Shield.

      Os playoffs - MLS Cup Playoffs
      Conquistar a MLS Supporters' Shield é uma conquista relevante dentro da MLS, entretanto, ela não é o grande prêmio. Após a temporada regular, os seis melhores times de cada conferência disputam os playoffs em buscada de conquistar a MLS Cup. Esse prêmio é o equivalente ao Super Bowl, da NFL ou ser o campeão da pós-temporada na NBA. O verdadeiro campeão da temporada é definido aqui.
      A primeira rodada de cada conferência tem o terceiro melhor colocado enfrentando em casa o sexto melhor colocado, enquanto o quarto melhor colocado recebe o quinto melhor colocado. O confronto em partida única determina quem avança para as semi-finais de cada conferência. Nas Semi-finais das conferências, o time de melhor campanha enfrenta o time de pior campanha, enquanto o time de segunda melhor campanha, enfrenta o time com a segunda pior campanha. Diferentemente da primeira rodada, que é disputada em uma única partida, aqui ocorrem partidas de ida e volta, com a melhor campanha decidindo em casa. Os vencedores avançam para as finais da Conferência, que também são disputadas em ida e volta. Quem vencer esse confronto avança para disputar a MLS Cup, com o vencedor das finais da outra Conferência. O time de melhor campanha geral decide a partida em jogo único em sua casa, com o vencedor desse confronto se sagrando o campeão da MLS daquele ano.
      Copas
      Existem duas copas que ocorrem concomitantemente com a temporada regular. A US Open Cup, disputada pelos times estadunidenses da MLS e divisões inferiores, enquanto o Canadiam Championship é disputa por todos os times profissionais de futebol do Canadá, estando eles ou não na MLS. O vencedor de cada uma dessas competições garantem uma vaga na Champions League da Concacaf, ocupando uma das vagas destinadas a cada um de seus países.
      Aproveitando o gancho, a distribuição de vagas para os times da MLS na Champions League da Concacaf é a seguinte:
      Uma vaga para o campeão da MLS Cup; Uma vaga para o vice-campeão da MLS Cup; Uma vaga para o vencedor da temporada regular, o MLS Supporters' Shield; Uma vaga para o vencedor da US Open Cup; Se um time conquistar o direito a diversas vagas, ou se um time canadense vencer o Supporters' Shield ou a MLS Cup, o time estadunidense com a melhor campanha que ainda não se qualificou para a competição fica com a vaga. Os times canadenses (Toronto FC, Montreal Impact e Vancouver Whitecaps) só podem se classificar para a Champions League da Concacaf vencendo o Canadian Championship.
      Em um menor grau, existem as "copas entre rivais". Elas são disputada toda temporada por rivais, com o vencedor sendo aquele tiver a melhor campanha nesses jogos especiais em cada temporada. Ainda utilizando o exemplo do FC Dallas, existem três dessas "copas". A Lamar Hunt Pioneer Cup, disputada contra o Columbus Crew, o Texas Derby contra o Houston Dynanmo e a Brimstone Cup disputada contra o Chicago Fire.
      Nenhum dessas "copas" tem real importância para a direção e para a torcida, já que não trazem prestígio adicional e nem são competições de verdade. São apenas títulos sem noções criados pela MLS para fabricar rivalidades e dar aos times algo para torcer. Nessas competições, você quer que seu time vença por causa dos três pontos, não por causa da conquista.
      Regras sobre Inscrição de jogadores e categorias de jogadores
      Depois de cobrirmos a estrutura da liga, é hora de mudarmos para as regras de inscrição de jogadores e suas diferentes categorias. Essa parte é destinada a informar aquilo que você precisa saber para montar seu time para a próxima temporada. Serão detalhadas as regras de inscrição e montagem de elenco, assim como as diferentes categorias de jogadores que podem ter em seu elenco.
      Um elenco da Major League Soccer é composto de um mínimo de 15 jogadores e no máximo 30 jogadores. Para a temporada de 2017 da MLS (o Football Manager 2018 não fornece a opção de começar na temporada 2018) o limite salarial é de 3.300.000 euros por ano. Enquanto a maioria dos jogadores de FM estão acostumados com valores salariais mensais, a Major League Soccer não computa as coisas dessa maneira, por isso, nesse guia, se necessário, as informações salariais serão mostradas em valores anuais.

      Tela de inscrição dos jogadores na MLS com as regras a serem respeitadas.
      Como o teto salarial de 3,3 milhões de euros alocados para cada time, como eu faço para distribuir ele entre meus jogadores? O teto salarial somente é aplicado aos jogadores profissionais "dentro do orçamento". Esses serão cerca de 20 jogadores que você considera como o núcleo regular do seu time, e o salário máximo que pode ser pago é de 413 mil euros, isso sem utilizar o dinheiro de Alocação Geral para balancer as coisas.
      Os "jogadores fora do orçamento" são os seus dez jogadores suplementares e reservas e não contam para efeitos de teto salarial e são geralmente jogadores que serão últimos reservas ou opções aos jogadores mais regulares. Desses 10, no máximo 6 podem ser considerados Reservas e no máximo 4 podem ser considerados Reserva não-Homegrown. O valor máximo que pode ser pago aos reservas é de 45 mil euros anuais e para o Reserva Homegrown é de 55 mil euros
      Categorias dos jogadores
      Existem diversas categorias de jogadores que irão influenciar quem você pode e não pode contratar para ao seu time. A MLS aloca oito vagas para jogadores estrangeiros em cada time. Além disso, essas vagas podem ser trocadas em incrementos anuais, portanto, alguns times podem ter mais vagas em uma temporada e outros podem ter menos. Isso será discutido com mais detalhes abaixo.
      Jogadores domésticos e internacionais
      Para as regras de inscrição de jogadores, um jogador internacional para times baseados nos Estados Unidos é qualquer jogador que não se qualifica para um status de jogador doméstico do país. Para os clubes canadenses, um jogador internacional é qualquer jogador que não se qualifica para um status de jogador doméstico do Canadá ou dos Estados Unidos.
      Apesar de parecer óbvio o que deve ser um jogador doméstico ou internacional, é necessário fazer essa distinção pois as regras de jogadores domésticos são diferentes para estadunidenses e canadenses. Os jogadores canadenses não vão ser considerados domésticos num time dos EUA, mas jogadores estadunidenses serão considerados domésticos num time do Canadá. Para o jogo, um jogador doméstico é aquele que tem nacionalidade americana (ou canadense, no caso de clubes localizados nesse país), seja primária ou secundária e não existe limites para a quantidade de jogadores domésticos em seus times. Além disso, em times canadenses, é obrigatório ter ao menos três jogadores canadenses no elenco.
      Generation Adidas
      Generation Adidas é um programa designado para cultivar o talento de prospectivos jogadores de alto nível nos EUA e Canadá. Eles são jogadores de universidades e das seleções de base dos dois países que a MLS contratará para a liga com um status especial e que vão entrar no SuperDraft e podem ser considerados jogadores de maior potencial que os outros. Enquanto eles não se graduam no Generation Adidas, esses jogadores são registrados como jogadores suplementares no elenco e não impacta no teto salarial. No Football Manager 2018, os jogadores serão gerados no jogo no SuperDraft anual como newgens, portanto, você só pode adquirir esses jogadores durante o draft ou através de trocas. Vale ressaltar que não é um contrato ou categoria que você pode criar para você mesmo.
      Jogadores designados
      A última grande categoria que existe são os "Jogadores Designados". Esses jogadores são profissionais com uma qualidade significantemente mais alta que outros jogadores da MLS (pense em Beckham, Pirlo e Ibrahimovic, por exemplo). Esses jogadores contam no teto salarial apenas como o valor máximo de 413 mil euros, mas os times podem pagar muito mais se houver capacidade financeira para isso.
      Um "Jovem Jogador Designado", que ainda conta como um dos três jogadores designados na inscrição de elencos, é um jogador com idade inferior a 23 anos, mas seu impacto máximo no teto salarial será de 130 mil euros anuais para um jogador com menos de 20 anos e 172 mil euros anuais para jogadores entre 21 e 23 anos.
      Os clubes tem direito a duas vagas para Jogadores Designados, mas podem comprar uma terceira pagando cerca de 130 mil euros do seu orçamento de Alocação Geral para a organização da liga. Esse dinheiro será redistribuído para os outros times da liga na próxima temporada como verba de Alocação Geral.
      Ademais, tenha em mente que um clube pode utilizar seu orçamento de Alocação Geral para diminuir o impacto de um salário de um Jogador Designado até um valor mínimo de 130 mil euros anuais, o que pode ajudar a criar espaço no teto salarial de um clube.
      Aquisição de jogadores
      Para encerrar, cobriremos os diferentes tópicos relacionados a aquisição de jogadores. Falaremos de ranking de alocação, fundos de Alocação, os três drafts que um jogador de FM irá enfrentar e as diferentes formas que os clubes da MLS podem realizar trocas entre si.
      Fundos de alocação
      A coisa mais simples de explicar seriam os fundos de alocação. A Major League Soccer distribui um fundo de alocação anual para cada time que serve como fundo para contratar jogadores de ligas estrangeiras, para ser usado para cobrir pagamentos aos agentes, para ser usado como incentivo e opções na negociação contratual com jogadores, como parte das trocas entre times e para pagar de volta à organização da liga para diminuir o impacto salarial de um jogador designado no teto salarial anual. Enquanto pode ser utilizado de diferentes maneiras, mas todas específicas à MLS, pode ser rusticamente comparado com orçamentos de transferências em outras ligas.
      Ranking de Alocação
      O próximo conceito é o de "ranking de alocação". Favor não confundir com os fundos de alocação. Esse ranking determina a prioridade dos clubes em escolher jogadores no SuperDraft e no Re-Entry Draft.
      Para o SuperDraft, os clubes de expansão (novas franquias/clubes) ficam com a primeira escolha na sua primeira temporada, em seguida vem os times que não se classificaram para os playoffs em ordem inversa à sua classificação final na tabela geral da temporada regular (o último colocado tem preferência sobre o sétimo colocado), depois os times que foram eliminados nos Play-offs são encaixados na ordem em que foram eliminados e por fim, o vice-campeão e campeão da MLS Cup ficam com a penúltima e última escolha, respectivamente.
      Em suma, novos times ou os últimos colocados escolhem primeiro, e os vencedores por último. Essa é uma das maneiras encontradas pela estrutura da MLS é designada para encorajar competitividade e equilíbrio, garantindo que os piores times possam ter potencial acesso aos melhores jogadores primeiro. Além disso, é possível trocar a ordem de escolhas de qualquer rodada do SuperDraft com outros times da competição, dessa forma, os times podem fazer escolhas fora da ordem mencionado anteriormente, ou ter múltiplas escolhas em uma mesma rodada. Também é possível que um time não escolha ninguém e tenha que esperar até a próxima oportunidade em que tiver uma escolha, isso ocorre caso em alguma negociação, um clube tenha aberto mão de suas escolhas para contratar um jogador de outro clube da MLS.
      Drafts
      Agora que explicamos o ranking de alocação, podemos seguir para os três grandes drafts que ocorrem durante um save do FM 2018. Os anuais SuperDraft e Re-Entry Draft e o Draft de Expansão, que ocorre apenas ao final da primeira temporada, quando o Los Angeles FC se junta a competição a partir da temporada de 2018 em diante.
      SuperDraft
      O SuperDraft é o primeiro draft do calendário, e ocorre no começo de Janeiro. Você não pode participar do SuperDraft de 2017, mas eles começam a ocorrer anualmente a partir de 2018. O SuperDraft é um evento de quatro rodadas, onde os times escolhem newgens na faixa dos 20 anos em turnos. Esses são jovens jogadores que atuam em universidades americanas e estão buscando passar do futebol amador para o futebol profissional. Eles participam de uma série de combinados nas semanas anteriores ao evento. Esses combinados são sessões de treino e partidas que geram relatório de notícias dizendo quem está indo bem e quem está indo mal para dar uma ideia aos times na hora de buscar quem escolher.
      Na interface do Draft, você pode ver qual time será o próximo a escolher, pode revisar as seleções de drafts anteriores e pode avaliar os atributos dos jogadores para decidir quem escolher. Você pode passar suas escolhas ou deixar o draft a qualquer momento e pedir uma recomendação ao seu assistente técnico sobre quem selecionar para o seu time.

      Re-Entry Draft e Waiver Draft
      A MLS não tem agentes livres como em outros esportes americanos, já que todos os contratos são de propriedade da organização da liga e não dos times, e é isso que permite o movimento interno de jogadores dentro da liga. O Re-Entry Draft que ocorre em Dezembro, permite que jogadores veteranos que estejam sem contrato ou que não tiveram suas opções de renovações ativadas por seus clubes possam ser draftados por um novo time para a próxima temporada. O time que escolheu o jogador tem o direito de reativar o antigo contrato do jogador ou oferecer um novo contrato. Os jogadores que participam desse draft tem mais de 23 anos e experiência dentro da competição. Além disso, existe um outro pequeno draft dos jogadores que foram liberados pelos seus times para trocar de clubes, mas não atingem os limites de idade ou de experiência dentro da competição exigidos pela organização da liga para participar do Re-Entry Draft. Como eles funcionam de maneira idêntica, discutiremos apenas o Re-Entry Draft, pois já é o suficiente para entender ambos.
      O Re-Entry Draft tem dois estágios divididos em duas rodadas, separados por alguns dias. Se um time não encontrar um jogador que gosta no draft, ele pode passar sua escolha e sair de determinado estágio do draft. Esse draft geralmente conta com jogador de pior qualidade que não foram capazes de causar impacto na competição, por isso, a maioria dos jogadores em quase todas os anos tendem a não ser uma boa escolha, mas às vezes um diamante perdido pode ser encontrado ou um reserva de qualidade aceitável.

      Draft de Expansão
      O último draft no jogo ocorre apenas quando o Los Angeles FC se junta ao torneio em 2018. O Draft de Expansão é um draft apenas para os novos times para ajudá-los a construir um elenco para a próxima temporada. Num Draft de Expansão, cada time nomeia 11 jogadores do seu elenco como "jogadores protegidos" que não podem participar do draft, sendo assim, o restante dos jogadores está disponível para ser por times que estão se juntando a MLS em um draft curto de cinco rodadas, onde o time pode escolher uma pequena seleção de jogadores veteranos para juntar ao seu time. Nesse draft, o Los Angeles FC terá cinco escolhas, e assim que um jogador for escolhido, o restante dos jogadores de um time estão salvos de serem selecionados e retornam para seus clubes originais.

      Transferências e trocas
      Para contratar jogadores livres ou para times de fora da MLS, você pode usar o orçamento de alocação do seu time como um orçamento de transferências para fazer ofertas para jogadores de outros clubes, pagar os agentes e adicionar incentivos ao contrato do jogador, da mesma forma que qualquer outra liga do Football Manager. Entretanto, existem trocas únicas que os times da MLS podem fazer um com os outros.
      Para a transferências de jogadores que já estão em um clube da MLS, existe um sistema de trocas onde você pode trocar um jogador por outro, por fundos de alocação, pela escolhas de um time em qualquer rodada do SuperDraft pelos próximos anos, ou por uma vaga de jogador internacional, entre outras coisas. Além disso, você pode fazer trocas que não envolvam jogadores, como trocar escolhas de draft por fundos de alocação, ou vagas para jogadores internacionais, ou qualquer combinação que você desejar.

      O valor preciso de items como escolha de draft ou vaga para jogadores internacionais pode variar, e muitas vezes é necessário prática para determinar o que pode ser um valor justo por algo como uma escolha de draft. Por exemplo, um escolha de primeira rodada no SuperDraft de um time que tem mais probabilidades de ser um dos primeiros da lista tem mais valor do que um escolha de secunda ou última rodada, já que até lá, os bons jogadores já terão sido escolhidos, por isso, pode ser importante ter diversas escolhas em uma mesma rodada. Escolhas em algumas temporadas para frente, tem seu valor próprio, mas também tem menos valor o quão mais longe você estiver da data do draft, mas podem ser uma boa estratégia de longo prazo para ter opções em negociações futuras.
      É necessário intuição e prática para determinar se uma oferta é boa ou ruim para seu time. Se você tem um time fraco e precisa de um time de qualidade imediatamente, uma escolha próxima ao topo da lista pode ser uma boa troca com times de campanhas melhores por um jogador já desenvolvido, mas que não tem o espaço adequado por lá. Na contra-mão disso, se você for um treinador que gosta de desenvolver jovens jogadores não terá problemas em trocar essas escolhas, já que você pode usar essas escolhas para ter direito sobre jovens jogadores ou conseguir algum bom jogador mais velho caso você precisa.
      Outros guias do FManager Brasil
      https://www.fmanager.com.br/topic/130369-o-guia-das-instruções-à-equipa-e-instruções-ao-jogador-no-fm/ https://www.fmanager.com.br/topic/130178-usando-as-cobranças-de-laterais-ao-seu-favor-no-fm/ https://www.fmanager.com.br/topic/130213-um-guia-tático-em-12-passos/ https://www.fmanager.com.br/topic/130299-o-manual-das-instruções-ao-adversário/ https://www.fmanager.com.br/topic/129849-planos-de-a-a-z-mudando-o-panorama-de-um-jogo/ https://www.fmanager.com.br/topic/130004-treinamento-no-fm-um-guia-completo/ Texto traduzido e adaptado por Henrique M. para o FManager Brasil e Engenharia do Futebol
      Fontes: https://www.thehighertempopress.com/2017/11/fm18-league-guide-major-league-soccer-i-league-structure/, https://www.thehighertempopress.com/2017/11/fm18-league-guide-major-league-soccer-ii-roster-composition/ e https://www.thehighertempopress.com/2017/11/fm18-league-guide-major-league-soccer-iii-player-acquisition/
      Banner: @_Matheus_
    • Henrique M.
      By Henrique M.
      Uma das melhorias mais importantes do Football Manager 2018 foi a melhoria nos goleiros. Mais especificamente na função de Goleiro Líbero e na forma que ela atua dentro do próprio jogo. Antigamente eu ficava entre a função tradicional de Goleiro e talvez Goleiro Líbero - Apoiar, mas realisticamente quase não havia diferenças. Especialmente quando eu dava instruções ao meu goleiro para tocar a bola para os zagueiros. Eu raramente via o tipo de futebol que espera-se de um goleiro líbero, mas graças as modificações dessa nova edição, ela se tornou primordial para meu sistema de jogo no Bournemouth. Portanto, nesse guia você vai entender como usar eficientemente o goleiro líbero no FM, por que ele é tão importante e os exemplos de como ele adiciona positivamente ao estilo de jogo da minha equipe.
      Primeiramente, vou apresentar o jogador que utilizo na função: Timo Horn. Com uma clausula de rescisão de apenas 17,5 milhões de euros, você pega um dos melhores goleiros do jogo por um preço absurdamente baixo. Uma olhada rápida em seu perfil e já dar para perceber que ele tem a maioria dos atributos necessários para um bom goleiro líbero. Ele é muito bom no Um para Um, algo que certamente pode ocorrer num esquema mais agressivo, excelentes atributos de distribuição de bola (e com bastante espaço para melhorar seu atributo de Passe). Além disso, com excelente Frieza e Antecipação ele se torna adequado demais para fazer a função.

      Um dos melhores goleiros líberos do jogo e por apenas 17,5 milhões de euros
      No passado, quando eu escolhia por usar um Goleiro Líbero, a função seria Apoiar. Entretanto, eu queria tirar testar e tirar o máximo possível da capacidade de Timo Horn com a bola e usá-lo efetivamente na nossa construção de jogo a partir da defesa. Tendo isso em vista, passei a usar o Goleiro Líbero - Atacar. 
      Apesar de a descrição oficial da função falar dos goleiros fazer realmente a função de Líbero defensivamente, saindo para cortar bolas na intermediária ou na lateral, como em algumas ocasiões já vimos Neuer fazendo, o jogo realmente não aplica isso adequadamente. Portanto, é algo que pode estar vindo nas próximas edições, caso continuem seguindo na melhoria dessa função. Afinal de contas, essa é a principal característica que associamos com um Goleiro Líbero, e foi isso que marcou os grandes nomes da função como Grosics, Jongbloed, Gatti, Valdes e Neuer. É o próximo passo na replicação na definição natural da função dentro do jogo. E esse é um comportamento que já tinha sido descrito por Kenneth Wolstenholme em 1954 como:
      Essa citação refere-se ao uso de Gyula Grosics (você pode conhecê-lo melhor nesse artigo em inglês da These Football Times) na seleção húngara de 1954 e exaltava a importância do arqueiro para o estilo de jogo do time. Essa geração de jogadores da Hungria ficou conhecida como Aranycsapat ou Time de Ouro. Da mesma maneira que Grosics era vital para a Húngria, e Honved, Timo Horn tornou-se para o meu Bournemouth.
      No começo, enquanto treino o passe do goleiro, resolvi ser mais cauteloso, pedindo passes mais curtos, mas assim que o atributo começar a progredir, removerei a instrução. Além dessa instrução, também peço para que ele distribua para os zagueiros. Naturalmente a função já conta com as instruções Driblar mais e Mais passes de risco. Essas instruções fazem com que ele seja mais ativo na reposição curta de jogo, ajudando na construção do jogo, ao passar a bola para seus companheiros de zaga.
      ,
      Quando analisamos algo no Football Manager, ou no futebol em geral, você não pode olhar apenas para um ponto de vista isolado. Você tem que analisar como os jogadores ou as funções encaixam em todo o sistema. Eu poderia criar a função perfeita para um camisa 10, mas se ele não encaixar com o restante do time, ele torna-se inútil. É a mesma coisa no caso do Goleiro Líbero. Na minha tático com o Bournemouth, Horn fica atrás da linha de quatro defensores, com um Defesa com Bola - Defender e um Defesa Central - Defender e dois Ala - Apoiar. Eu mostrarei posteriormente a forma que a equipe sai jogando em breve, mas isso acaba gerando o ambiente perfeito para Horn ter a bola e fazer os passes adequados para a bola progredir cuidadosamente pelo campo. Ter um Construtor de Jogo Recuado - Defender também é extremamente importante, como verão posteriormente.
      Você deve até estar pensando que eu uso a instrução Jogar A Partir da Defesa para tirar o máximo de Horn, mas eu não tenho necessidade dela. É possível enxergar constantemente meu time fazendo isso sem a instrução, já que peço Passes Mais Curtos nas Instruções à Equipa. Isso significa que todo o meu time irá procurar o jogador que estiver mais próximo dele na hora de passar, o que logicamente faz com que a defesa já tenha que sair jogando sem rifar a bola. Com uma mentalidade Controlar e com um maior Liberdade Criativa, o time também tem a oportunidade de fazer passes mais longos caso seja necessário, e meu goleiro líbero tira vantagens disso.
      Previamente eu disse que era importante envolver qualquer função no FM com um esquema de funções adequados para os outros jogadores. Como você pode ver, o Goleiro Líbero não é diferente. Nesse exemplo o goleiro tem que sair para recolher um cruzamento e movimentar até a entrada da área para inciar um ataque. Afinal de contas, goleiros líberos são os primeiros atacantes. Perceba que ele tem diversas opções disponíveis e graças a sua alta mentalidade, ele decide tocar para o lateral (linha de passe amarela), demonstrando que nem sempre ele irá sair jogando com os zagueiros. Note também que ele tinha o Defesa Central disponível (linha de passe laranja) e o Construtor de Jogo Recuado (linha vermelha) recuando para dar outra opção. Com tudo isso disponível, o adversário com a camisa 17 não pode cobrir todas as opções, e Horn pode usar sua mentalidade alta, além de bons atributos de Frieza e Decisões, para escolher o passe correto. Isso parece óbvio, mas essa abordagem é aplicável em qualquer outra função do jogo, apenas faça com que eles tenham opção para tocar a bola. Isso não é muito diferente do que um goleiro numa função tradicional faria, mas é importante para começar a construção do jogo a partir do goleiro. Na continuação desse lance, o ala tocou para o Atacante Sombra da esquerda e imediatamente estávamos no campo de ataque.

      SK-A: Goleiro Líbero Atacar, CD-D: Defesa Central Defender, DLP-D: Construtor de Jogo Recuado Defender, BPD-D: Defesa com Bola Defender, WB-S: Ala Apoiar, CAR-S: Carrilero Apoiar, MEZ-S: Mezzalla Apoiar, SS-A: Atacante Sombra Atacar e AM-A: Meia-Atacante Atacar
      Você quer um exemplo melhor do que eu disse a respeito das opções e funções à volta de um jogador? A bola foi passada para nosso Defesa Central e ele começou a ser pressionado pelo número 17 do adversário. Entretanto, o zagueiro tem diversas opções disponíveis através de nosso Ala, Carrilero, Construtor de Jogo Recuado e Atacante Sombra. Dessa forma, criamos um losango (Goleiro Líbero, Defesa Central, Defesa com Bola e Construtor de Jogo Recuado) para construir a jogada pelo meio, enquanto tínhamos dois Alas para dar largura em caso de pressão adversário e opções mais abertas de passe.

      SK-A: Goleiro Líbero Atacar, CD-D: Defesa Central Defender, DLP-D: Construtor de Jogo Recuado Defender, BPD-D: Defesa com Bola Defender, WB-S: Ala Apoiar, CAR-S: Carrilero Apoiar, MEZ-S: Mezzalla Apoiar, SS-A: Atacante Sombra Atacar e AM-A: Meia-Atacante Atacar
      E algumas vezes, o goleiro líbero pode adotar uma posicionamento mais ousado, apesar de não ser tão frequente quanto eu gostaria. Nesse exemplo, você pode ver que o adversário está recuado e Horn sentiu-se confortável o suficiente para avançar com a bola nos pés, ultrapassando até o Defesa com Bola. Isso gera diversas opções à sua frente e é muito bacana de ver acontecer dentro do jogo. Apesar de Horn ter lidado muito mal com a bola nesse exemplo, você pode enxergar o potencial que existe (principalmente se você conseguir alguém melhor ainda com a posse da bola) para o Defesa com Bola ou Ala estarem livres para receber a bola a medida que o número 17 ou 9 quebram a linha defensiva para pressionar o goleiro.

      Temos outros exemplos também em partidas que fomos pressionados mais agressivamente, tentando apertar o Defesa Central. Entretanto, somos capazes de lidar com esse tipo de pressão tranquilamente, já que Horn vai até a zona roxa para dar a opção de passe, e o zagueiro faz a opção correta ao recuar para ele. Então, Timo Horn passa a bola para nosso Defesa com Bola e rapidamente nos livramos da pressão alta do adversário. A jogada progride com o zagueiro passando para o lateral na esquerda, e rapidamente chega aos nossos jogadores mais avançados, nos colocando em posição para agredir o terço final do campo. Novamente, isso é simplório, mas mostra como a função adiciona muito ao nosso estilo de jogo por fornecer um passador (de vontade própria) extra na construção do jogo. A capacidade dele receber a bola e mudar a direção do jogo faz dele uma peça importante no nosso losango central de armação. Por isso, em jogos que nosso adversário tenta pressionar agressivamente nossa equipe, a presença do Goleiro Líbero é indispensável. Nós mantemos a bola e movimentamos-a agilmente, com a função do guarda-redes nos permitindo fazer isso sem que nosso Defesa Central tome uma decisão errada ou arriscada com seu passe.

      Nas condições adequadas, o Goleiro Líbero vai transformar a defesa em ataque. Nesse exemplo, o oponente bateu um lateral bem próximo a nossa área, e nosso Construtor de Jogo Recuado passou para nosso Defesa com Bola. De maneira corajosa, ele viu Timo Horn posicionando-se para receber o passe e tocou para ele (linha vermelha). Em seu processo de decisão e com muita frieza, Horn decide dar um passe para nosso Meia-Atacante (linha amarela) e claramente dá para perceber que foi uma decisão pensada. É importante ressaltar que ele não afastou a bola e ela magicamente foi para nosso Meia-Atacante. Ele fez esse passe de forma deliberada e pensada. Isso nos ajudou a evitar a pressão do adversário novamente, e nosso trio de frente combinou para marcar um gol. Enquanto o goleiro não irá receber a assistência, esse gol foi claramente criado por ele. Esse é um exemplo claro de quando um Goleiro Líbero fará algo que um goleiro tradicional não vai, e essa jogada originou um gol.

      Dessa forma, fica claros o potencial de utilizar um Goleiro Líbero no FM para melhorar seu estilo de jogo (se você estiver jogando com foco na posse de bola) e ajudar na construção do jogo e retenção da posse de bola. Provavelmente com um goleiro que tenha maiores capacidades de passe que Timo Horn, você pode melhorar e muito essa abordagem dentro do jogo e usá-la ao seu favor.
      Texto traduzido por Henrique M. para o FManager Brasil e Engenharia do Futebol
      Fonte: https://thetacticalannals.wordpress.com/2018/03/03/how-to-utilise-the-sweeper-keeper-effectively-on-football-manager/
      Banner: @_Matheus_
       
×
×
  • Create New...