Jump to content
Sign in to follow this  
Lowko é Powko

Por que a geração de ouro da Inglaterra "falhou"?

Recommended Posts

Lowko é Powko

Vi um vídeo ontem e decidi trazer a discussão pra cá. Ferdinand, Lampard e Gerrard discutem sobre porque a seleção inglesa não foi mais longe com a qualidade que possuía. A explicação deles, por cima, é que não havia um laço tão forte entre os jogadores que atuavam por clubes e não tinham crescido juntos nas seleções de base do país, além de uma forma de jogar antiquada que não aproveitava o que de melhor a seleção oferecia, seu meio de campo.

england-euro-2004.jpg?strip=all&quality=

 

Em 2004, na Euro, o treineiro era o sueco Sven-Göran Eriksson, e o time se organizava assim:

300px-ENG-SUI_2004-06-17.svg.png

Caiu nas quartas de final após uma derrota nos pênaltis para Portugal, que acabou como vice-campeão.

Em 2006, na Copa do Mundo, cai novamente para Portugal, nas quartas e nos pênaltis. O 4-4-2 básico se manteve,, com a formação sendo mais ou menos essa:

QpUVdN6zejgv6YjyYKX6TQISy37KG6uxMsqBciJ6

E em 2010, sob Fabio Capello, a Inglaterra quase não passou da fase de grupos, apenas para ser goleada pela Alemanha nas oitavas.

 

E aí, o que vocês acham?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Wancho

Em 2010, no apito. E também pela ausência de um goleiro que acompanhasse o nível dos jogadores de linha. Aliás, desde o Seaman a Inglaterra não tem um goleiro decente (desconsiderando o Pickford, que até onde vi vinha falhando muito). 

Agora, esse meio-campo de 2004... que meio-campo!

Share this post


Link to post
Share on other sites
felipevalle

da geração do Gerrard, a de 2010 foi bem, mas tiveram um gol mal-anulado.

Edited by felipevalle

Share this post


Link to post
Share on other sites
Head Coche Z

Futebol é um esporte de resultados bastante aleatórios, que competência dos jogadores e do trabalho coletivo conta muito, mas não é determinante.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZaMBiA

Cara, era um CANO esse time. Realmente, o único ponto fraco era o goleiro...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.
3 hours ago, Lowko é Powko said:

[...] além de uma forma de jogar antiquada que não aproveitava o que de melhor a seleção oferecia, seu meio de campo.

Acho que o ponto-chave de uma possível resposta é justamente esse: o estilo de jogo. Qualidade técnica tinha, entendimento tático idem, faltava acionar melhor as peças numa estratégia que favorecesse suas principais vantagens... problema é que era extremamente tentador cair sempre no estilo do "chuveirinho", na primeira e mínima dificuldade que surgisse.

Os caras jogaram desde os primórdios assim, por que não (pensava o torcedor)? Hahahaha e aí esse material humano que nos clubes se sobressaía e fazia história, na Seleção era praticamente subaproveitado.

 

Quantas bolas o Beckham não alçou praticamente do meio-de-campo buscando o jogo aéreo do Rooney e do Crouch, quando poderia mt bem botá-la na grama e trabalhar ao lado de Gerrard e Lampard, por exemplo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Thiago

Muitos fatores, inclusive um técnico que conseguisse encaixar da melhor forma o time, não é só escalar os melhores que funciona.

Se falam muito dos jogadores de meio campo, mas lembro da época que o J. Cole jogava muita bola, era o diferente desse time, o único que partia pra cima usando o drible e velocidade.

Share this post


Link to post
Share on other sites
David Reis

Discussão interessante. Pra mim faltou técnico, aliás esse é um problema crônico das seleções inglesas que mesmo com boas gerações não tinham um padrão de jogo que favorecesse todas essas estrelas.

Sobre 2010: sim, teve o erro de arbitragem...mas falando sério: a Alemanha passou o carro pra cima daquele time e da Argentina em seguida, em questão de padrão era um time muito mais bem organizado.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Wancho
11 hours ago, David Reis said:

Discussão interessante. Pra mim faltou técnico, aliás esse é um problema crônico das seleções inglesas que mesmo com boas gerações não tinham um padrão de jogo que favorecesse todas essas estrelas.

Sobre 2010: sim, teve o erro de arbitragem...mas falando sério: a Alemanha passou o carro pra cima daquele time e da Argentina em seguida, em questão de padrão era um time muito mais bem organizado.

Pior que assistindo aos melhores momentos de Alemanha x Argentina, a Argentina criou bem mais, mas, pra variar, o Higuaín perdeu boas chances de gol, o Agüero também... depois de perder esse caminhão de gols, a Alemanha foi lá e fez mais três no desespero argentino. Contra a Inglaterra, se o gol do Lampard vale, era o empate em um momento que eram melhores no jogo. Se ia virar ou não ninguém sabe, mas a história podia ser bem diferente se tivesse o VAR... é um goleiro, já que o James falhou em uns dois gols.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Léo R.

Eu sou defensor do futebol objetivo, mas tudo tem limite. Uma seleção que ter Peter Crouch como titular não vai ganhar nada em lugar nenhum.
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.
21 hours ago, Thiago said:

[...] Se falam muito dos jogadores de meio campo, mas lembro da época que o J. Cole jogava muita bola, era o diferente desse time, o único que partia pra cima usando o drible e velocidade.

Joe Cole era um ótimo meia, pena que de vidro. Não tinha consistência nem regularidade, e isso o prejudicou bastante também na Seleção.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.

A Inglaterra é um país obsoleto no futebol mundial desde quando a Hungria ensaiava em encantar o futebol mundial. Desde sempre, eles se aliaram nos princípios básicos do que era o futebol nos seus primórdios, um jogo físico e o mais caótico possível. Durante todos os anos de futebol, o objetivo sempre foi maximizar as chances ao seu favor e minimizar as contras, diminuindo a natureza caótica do futebol. O último técnico revolucionário inglês foi o Herbert Chapman, que morreu antes da segunda guerra mundial. Talvez se tivessem disputado as três primeiras Copas teriam mais Copas, mas a soberba falou mais alto.

Desde sempre, a produção de atletas no futebol inglês prezou por simples preceitos: força física e altura para quem fosse jogador de defesa, meio-campo e ataque. Velocidade e aceleração se você fosse jogador de lado de campo, e se conseguisse ser ágil, alto e forte, melhor ainda. O futebol evoluiu muito tecnicamente e eles foram perdendo a vantagem que o físico lhes dava, à medida que fisicamente, o restante evoluía. E a evolução técnica de outros países, permitiu inovações táticas que a Inglaterra nunca acompanhou. Nos anos 90, depois que os técnicos ingleses pareciam incapazes de evoluir taticamente a seleção, passaram a se apoiar na esperança de que um estrangeiro ia resolver. O estrangeiro também não resolveu.

As coisas começaram a mudar com o dinheiro da Premier League e com as ideias estrangeiras entrando dentro da gestão e formação de atletas. Além, é claro, de terem achado um treinador que conseguiu modernizar taticamente a seleção inglesa em volta dos preceitos de jogo que a FA escolheu priorizar. Hoje, você ainda tem muitos jogadores físicos, entretanto, os jogadores hoje, acompanham mais o rigor do futebol moderno, seja fisicamente, seja tecnicamente, seja taticamente. Mesmo que eles ainda sejam apaixonados por atletas com mais capacidades físicas do que o restante.

Entretanto, o principal problema da Inglaterra é que por terem inventado um futebol e terem conseguido uma Copa em casa, à base de muita pancadaria e chuveirinho, eles acham que são uma seleção de grande relevância. Tecnicamente, a relevância deles é a mesma do Uruguai, mas vocês não veem o Uruguai sonhando que toda Copa é a Copa deles. Tanto é que a melhor Copa deles desde 66, foi uma em que ninguém acreditava na seleção e o foco estava todo em 2022 (onde provavelmente vão dar vexame de novo). As expectativas que existem sobre a seleção inglesa não são compatíveis com a realidade, e isso gera um fator psicológico muito importante na psique de qualquer um que vai disputar uma competição de seleções vestindo a camisa deles.

E vale lembrar que a geração de Ouro da Inglaterra teve que encarar o auge da Fúria Espanhola, a magia de um país que fez 3 finais de Copa em 16 anos, uma Itália unificada em torno de um escândalo futebolístico e uma França que contava com Zinedine Zidane e uma de suas maiores gerações. Se você for pegar qualquer um dos expoentes da geração de ouro inglesa, a maioria não fardaria nos times do Brasil, da Espanha e da Itália, e ainda acho que Beckham, Lampard e Gerrard suariam para entrar no 11 inicial da França. São todos grandes jogadores, obviamente, mas tiveram a sorte de nascer num país menos favorecido de talentos futebolísticos, então, a concorrência era menor.

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZaMBiA

Meu admin me representa e me enche de orgulho.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko

Tiraria 10 no Enem.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Temujin

Estava indo bem demais, pena que fechou com isso:

12 horas atrás, Henrique M. disse:

(...) Se você for pegar qualquer um dos expoentes da geração de ouro inglesa, a maioria não fardaria nos times do Brasil, da Espanha e da Itália, e ainda acho que Beckham, Lampard e Gerrard suariam para entrar no 11 inicial da França. São todos grandes jogadores, obviamente, mas tiveram a sorte de nascer num país menos favorecido de talentos futebolísticos, então, a concorrência era menor.

Gerrard era top tier.

Share this post


Link to post
Share on other sites
felipevalle
22 minutos atrás, Temujin disse:

Estava indo bem demais, pena que fechou com isso:

Gerrard era top tier.

é. Forçou a barra.

Mas não acho o Gerrard um jogador que desequilibrava. É mais ou menos que nem o Milner, se não tiver um time ajudando, não irá render bem.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.
1 hour ago, Temujin said:

Estava indo bem demais, pena que fechou com isso:

Gerrard era top tier.

Quem você tiraria do Brasil de 98 e 2002, da França de 98 e 2006, da Itália de 2006 e da Espanha de 2010 para colocar ele?

Share this post


Link to post
Share on other sites
-Lucas
1 hora atrás, felipevalle disse:

é. Forçou a barra.

Mas não acho o Gerrard um jogador que desequilibrava. É mais ou menos que nem o Milner, se não tiver um time ajudando, não irá render bem.

Puts

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lowko é Powko

Também não acho o Gerrard top tier não. Ele foi um grande jogador mas a imagem fica aumentada pela relação com o Liverpool.

Share this post


Link to post
Share on other sites
SilveiraGOD.
2 horas atrás, felipevalle disse:

é. Forçou a barra.

Mas não acho o Gerrard um jogador que desequilibrava. É mais ou menos que nem o Milner, se não tiver um time ajudando, não irá render bem.

smkaMfaIOFASOFKdsioanvdosfnognsvófdanvifdmapvfadlc,vds

Share this post


Link to post
Share on other sites
Rafael Pires D.
6 horas atrás, Henrique M. disse:

Quem você tiraria do Brasil de 98 e 2002, da França de 98 e 2006, da Itália de 2006 e da Espanha de 2010 para colocar ele?

Dessas seleções todas, tiraria apenas o Perrotta pra colocá-lo, mas precisaria de mudança tática ainda...

Share this post


Link to post
Share on other sites
ZaMBiA

Cadê o textão, Silveira????????

Share this post


Link to post
Share on other sites
SilveiraGOD.
1 hora atrás, ZaMBiA disse:

Cadê o textão, Silveira????????

A gente lê umas coisas que não dá nem ânimo pra contra-argumentar, malandro. Tá louco sfijaOIFJSAFjaOIFasjiojsaiofojafjiosa!

Share this post


Link to post
Share on other sites
felipevalle
7 horas atrás, SilveiraGOD. disse:

smkaMfaIOFASOFKdsioanvdosfnognsvófdanvifdmapvfadlc,vds

assisti inúmeras partidas do Liverpool na época dele, e não me lembro de decidir o jogo sozinho. Foi esse o sentido. Talves o termo adequado seja decisor. Não era a dele. Mas era bom e tal.

Share this post


Link to post
Share on other sites
SilveiraGOD.
6 minutos atrás, felipevalle disse:

assisti inúmeras partidas do Liverpool na época dele, e não me lembro de decidir o jogo sozinho. Foi esse o sentido. Talves o termo adequado seja decisor. Não era a dele. Mas era bom e tal.

Ganhou final de Copa da Liga contra um United monstruoso  fazendo gol na final.
Meteu o golaaaaaaço da vitória contra o Olimpiacos nos acréscimos e levou o Liverpool pras oitavas da UCL (seríamos desclassificados)
Meteu o gol salvador nos acréscimos que levou o time a vencer nos pênaltis a FA contra o West Ham (marcou 2 gols depois de o time estar tomando 2x0)
Destruiu o Real na UCL em 2009 com 2 gols
Recebeu o pênalti numa jogada monstra contra o United que decidiu o jogo com a cobrança do Murphy
Tem gol da virada contra o United e dentro da casa deles
E na possivelmente melhor final de todos os tempos do campeonato de clubes mais importante do mundo sofreu pênalti e fez gol (além de ter jogado uma barbaridade)

E eu tô falando só o que vem à cabeça porque são momentos mais importantes e que envolviam títulos. O Gerrard tem o pé frio de na maior parte da carreira dele no Liverpool ter tido times bem medíocres. Foram talvez uns 4 ou 5 anos com times realmente ótimos. Na PL era a coisa mais normal do mundo ele carregar o time com o Torres nas costas e depois com o Suárez (aí mais com a ajuda do Sturridge, também). O cara é um DEUS e um dos maiores motivos de ser tão querido pela torcida é justamente por estar lá pra decidir nos momentos mais importantes. É por isso, por exemplo, que tocam o foda-se pra escorregada dele contra o Chelsea porque ele fez tão mais que foda-se.

_

Eu tenho a impressão de que o pessoal pegou os últimos 2~3 anos da carreira do Gerrard no Liverpool pra comentar sobre. O cara foi world class durante uns 6~7 anos da carreira e sempre sendo decisivo onde dava pra ser. Marca pra caralho, tem um passe absurdo (se fosse italiano franzino tocador de bola longa falariam mais), um dos melhores finalizadores de média/longa distância que eu já vi na vida, empurrava o time pra frente como eu poucas vezes vi alguém fazer e era decisivo. 

E já que estamos falando de seleção: o Gerrard fardaria como titular em praticamente qualquer seleção nos últimos 20 anos. Fácil. 

O problema da Inglaterra foram duas coisas simples: várias outras seleções tinham uns canhões e a Inglaterra nunca teve treinador. A gente já viu ter uma caralhada de jogador top em campo sem treinero a merda que dá.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • AllMight
      By AllMight
      A REENCARNAÇÃO DO HERÓI
      Olá, aqui estou de volta, já faz algum tempo que estava planejando este save mas nos últimos meses não tinha motivação para jogar FM novamente, isso tudo voltou quando estava com um PC velho e resolvi baixar o FM13 para passar um tempo, foi baixar o game e vontade de jogar veio com tudo pra cima de mim. Isso já faz um tempo, fui me segurando para não começar o save sem um formato estabelecido e conversando com um pessoal daqui da área e especialmente o @Tsuru fui estabelecendo as diretrizes do save.
      O save será totalmente dentro da Dinamarca, embora eu tenha carregado mais algumas ligas elas estão como "ver apenas", e terá como objetivo principal treinar a Seleção Dinamarquesa e superar a melhor campanha da seleção em Copas do Mundo, mas para isso preciso percorrer um longo caminho, meu treinador começará sua jornada com 20 anos e sem qualificações anteriores e com um passado somente no futebol amador. O nome dele será Holger Dasnke, o mesmo nome do herói que segundo a lenda quando a Dinamarca passar por um perigo iminente ele levantará do seu trono e libertará a nação.

       
      DIRETRIZES DO SAVE
      Não sair dos clubes pedindo demissão ou se candidatando a outros clubes, só sair em fim de contrato ou sendo demitido. Não assumir clubes de divisões superiores ao meu antigo clube. Na primeira divisão até ganhar um título nacional, só assumir clubes que acabaram de subir ou da segunda divisão. Não assumir a seleção principal da Dinamarca sem antes ganhar um título nacional de primeira divisão. Não usar a barra de pesquisas para contratação de jogadores/staff, usar somente a base de dados fornecidas pelos olheiros do clube e pelos agentes.  
      OBJETIVOS DO SAVE
      Ganhar o Campeonato Dinamarquês Ganhar a Eurocopa Ganhar as Olimpíadas Chegar em uma Semi-Final de Copa do Mundo  
      ÍNDICE
      Temporada 1
      O primeiro emprego
      Os heróis improváveis
      Uma contratação mágica: Ibra chega ao Kolding!
      Um pistoleiro sem balas
      Temporada 2
      Seguindo os passos do mestre Fernando
      Um segundo turno complicado
      Um pouco de esperança
      Temporada 3
      Início muito promissor
      Consistência
      A primeira conquista do herói
      Temporada 4
      Novo lar
      Os verdes
      Trapalhões
      O azarado
      Temporada 5
      Começo decepcionante
       
      RETROSPECTIVAS
      Retrospectiva 2018-2023
       
      HISTÓRICO DE CLUBES
      Kolding BK - (2019 - 2022)
      (2019/20) 15º na 2. Division / Eliminado na Terceira Eliminatória na DBU Pokalen
      (2020/21) 7º na 2. Division / Eliminado na Segunda Eliminatória na DBU Pokalen
      (2021/22) 1º na 2. Division 🏆 / Eliminado na Segunda Eliminatória na DBU Pokalen
      Viborg FF - (2022 - ?)
      (2022/23) 3º na NordicBet Liga / Eliminado nas oitavas de finais na DBU Pokalen
       
      TÍTULOS DO TREINADOR
      2. Division
      (2021/22) Kolding BK
       

    • Leho.
      By Leho.
      📅 Hoje, 19/07
      ⏰ às 14h00 (Brasília)
      📺 DAZN
      🏟️ Wembley Stadium

    • Leho.
      By Leho.
      📅 Hoje, 18/07
      ⏲️ às 15h45 (Brasília)
      📺 DAZN
      🏟️ Wembley Stadium

       
      (Escalações só mais próximo da bola rolar...)
    • Banton
      By Banton
      O West Ham United Football Club é um clube de futebol inglês baseado na região leste de Londres.
      O West Ham é um dos clubes mais tradicionais da Inglaterra e de todo Reino Unido, sendo um dos 25 que já disputaram por pelo menos 50 temporadas o Campeonato Inglês, e a Temporada 2018–19 registrando a sua 61ª presença na primeira divisão, sendo o 18º clube que mais pontou em todas as edições.[2] Sua nova casa é o Estádio Olímpico de Londres, que foi construído para as Olimpíadas de 2012. Depois de uma reforma no estádio, a capacidade foi de 80.000 para 57.000 lugares.
      FILOSOFIA: 
      Os Hammers é um clube formador e está sempre dando oportunidade para as pratas da casa. Também, o clube funciona como uma porta de entrada para jogadores de ligas menores se destacarem na Premier League. É um clube com muita história, simpatia pura e cheio de curiosidades! 
      LEITURA: 
      O jogo de 300 mil pessoas "The Academy of Football" , um viveiro de talentos O Estádio das Bolhas de Sabão Robert "Bobby" Moore CURIOSIDADES:
      O clube já contratou jogadores como Nenê e Wellington Paulista Os Hammers foi o primeiro clube de Carlitos Tevez e Javier Mascherano na Europa A rivalidade entre West Ham e Millwall é encenada no filme "Green Street Hooligans" Dimitri Payet: Um ídolo para se esquecer É considerado o primo-pobre de Tottenham, Arsenal e Chelsea ---
       
      UMA NOVA CARREIRA:
      Curtiu a dica? Procurando por mais desafios? Clique aqui e conheça a história de outros clubes espalhados pelo mundo.
    • Lowko é Powko
      By Lowko é Powko
      A Netflix lançará uma série baseada nas origens do futebol, e o trailer é bastante promissor
      por Leandro Stein, publicado em 5 de março de 2020   O futebol entra cada vez mais nos catálogos dos serviços de streaming. Há uma clara disputa entre Amazon Prime Video e Netflix por conteúdos que agradem também os fãs do esporte, sobretudo em relação às séries documentais. E o mês de março guardará uma nova cartada da Netflix em meio a esta queda de braço: nesta semana, a plataforma lançou o trailer de “The English Game”, uma mini-série dramática em seis episódios que recontará os primórdios do futebol.
      A série teve seu roteiro escrito por Julian Fellowes, autor de “Downton Abbey” e “Gosford Park”. Baseado em fatos reais, o drama se ambientará na década de 1870, quando o futebol deixa de ser um esporte elitizado para atingir as massas de trabalhadores na Inglaterra. Os protagonistas serão dois jogadores de classes sociais opostas, que se aproximarão em meio à popularização da modalidade. Pelas cenas presentes no trailer, as primeiras edições da Copa da Inglaterra serão abordadas, assim como a própria profissionalização do futebol e a criação da Football League.
      A prévia de “The English Game” também está disponível aos assinantes brasileiros da Netflix. O lançamento mundial da série acontecerá em 20 de março. Uma interessante maneira de atrair os amantes do jogo e também oferecer um belo entretenimento. O trailer é promissor:
       
      @Trivela
×
×
  • Create New...