Jump to content

Uma análise da assimetria tática


Henrique M.
 Share

Recommended Posts

  • Vice-President

sMA5keH.png

Quem acompanha a trajetória da Veterana sabe que nas últimas três temporadas venho utilizando um esquema assimétrico. No Football Manager, a assimetria tática é definida por um simples fator. O jogador não estar na posição esperada para aquela tática. Pode ser um atacante único que não está centralizado, pode ser um volante que atua na esquerda, porque você tem um meia-central ocupando a faixa direita. No meu caso, tudo começou com um 4-2-3-1. O tradicional esquema atua com dois meias-centrais, um meia-atacante e dois pontas. Com muitos atletas promissores na posição de meia-direita, para não atrasar o desenvolvimento dos atletas, ao invés de retreiná-los, resolvi adaptar minha tática. Com isso, o ponta-direita virou meia-direita e assim, surgiu a assimetria tática na Caldense.

AA-Caldense_-Vista-Geral-279d12c00a55913

Muita gente tem medo de montar uma tática que não pareça esteticamente correta. E visando demonstrar um pouco melhor como ela funciona dentro do jogo, decidi criar esse guia. É uma visão global, de diversas temporadas observando a assimetria tática jogo sim, jogo sim. Espero que isso possa ajudar vocês a perderem o medo de apostarem em algo só porque não parece algo visualmente correto ou que não costumamos ver no debate esportivo.

Posicionamento defensivo

O posicionamento defensivo do meia-direita com relação ao meia-esquerda na assimetria ocorre conforme o esperado. O desenho tático é respeitado e o ponta-esquerda ocupa a linha avançada, junto com o meia-atacante. E se o lado esquerdo fica mais avançado, o lado-direito fica mais recuado, acompanhando a linha de meias-centrais. Em um adversário que atua com dois pontas tradicionais, ocorre um embate entre os dois jogadores mais avançados pelo lado do campo. Ou seja, o ponta-esquerda enfrenta o ponta-direita e vice-versa.

URT-v-Caldense_-Match-Pitch0385292deb864

Com o recuo do meia-direita, o ponta daquele lado acaba tendo menos espaço para atacar. A distância na marcação entre os jogadores, sem que ocorra uma quebra da estrutura tática é visível. O ponta-esquerda está muito mais afastado da sua contra-parte do que o meia-direita. Portanto, em inversões de bola, a distância a ser percorrida é maior por quem defende, mas em ataques pelo lado esquerdo, o adversário terá mais dificuldades em trabalhar por aquele lado. Se eventualmente, o meia-direita perde o duelo, ainda tem o lateral fazendo a cobertura defensiva, permitindo que o time possa combater a ameaça efetivamente.

Entretanto, em táticas que não utilizem pontas, existe uma certa dificuldade de fazer uma aproximação no meio-campo, o que acaba gerando uma sobrecarga nos meias-centrais. Infelizmente, isso não é um problema que o recuo da linha de pontas resolve, já que para que os jogadores de lado pressionem quem atuam no meio, ou é necessário que o jogador entre na zona de ação daquela posição ou que você instrua pessoalmente para os pontas marcarem o meia-central pelo seu lado, mas isso gera complicações por si só. A única vantagem com relação ao esquema tradicional nesse ponto, é que o meia-direita estará mais próximo da linha de meias-centrais.

Posicionamento ofensivo

Se defensivamente a assimetria tática respeita o posicionamento da tática, surge o receio de que ofensivamente, possa existir uma discrepância entre o posicionamento do ponta-esquerda e do meia-direita. Felizmente, não é isso que ocorre na prática. O posicionamento dos dois ocorre mais ou menos na mesma linha, como se a tática fosse um 4-2-3-1.

Caldense-v-Tombense_-Match-Pitch19bc61d0

Ou seja, existe um ganho defensivo pelo lado direito, mas que não compromete ofensivamente. Entretanto, a exigência física sobre o meia-direita será muito maior, já que ele tem mais obrigações defensivas e corre mais campo que o ponta-esquerda. Ele tem que recompor o esquema na defesa e depois avançar para ocupar o espaço ofensivamente.

Inversão do jogo e transição ofensiva

Entretanto, o grande diferencial da assimetria tática está na inversão do jogo e na transição ofensiva. Quando o jogo está concentrado pelo lado esquerdo, o posicionamento defensivo do adversário praticamente esquece que existe um jogador mais avançado na direita. Isso dá muita liberdade e espaço para o meia-direita atuar. Logo, quando algum atleta afunila para o meio, ele tem uma opção completamente livre e desmarcada no lado direito. Isso permite ao meia-direita avançar e buscar um cruzamento ou finalização, até que a marcação adversário se recomponha. 

Caldense-v-Ipatinga_-Match-Pitch98bceafd

Assim como no afunilamento de algum jogador da esquerda para o meio, a assimetria tática fornece uma excelente opção para o portador da bola. O jogador que está com a posse da bola tem duas opções marcadas pela esquerda, a opção de recuar a bola, ou lançar no espaço para que o meia-direita aproveite a liberdade e espaço fornecida pela marcação adversária. E isso é muitas vezes positivo, porque como os atletas mais avançados do meio-campo acabam estando mais próximos, isso força com que o jogo penda para a esquerda, deixando bastante espaço na esquerda.

Caldense-v-Tupynambas_-Match-Pitch8471cf

E isso, durante a transição ofensiva, é uma excelente maneira de chegar rápido à defesa adversária. A equipe recupera a bola na esquerda ou no meio, aciona o armador e ele tem a opção de rapidamente explorar o espaço deixado no lado direito da equipe. Isso faz com que a transição defesa-ataque possa ser executada de maneira rápida e eficiente, sem o risco de ter a bola interceptada por algum marcador próximo.

Considerações finais

Isso não significa que a assimetria tática é uma maneira de montar uma tática invencível, pois não é. Ela é uma opção que lhe pode fornecer algumas coisas em termos de estratégias de transição e até mesmo para proteger um lado do campo que esteja sendo sobrecarregado pelo adversário ou que seja o lado mais talentoso do oponente. Entretanto, a exigência física sobre o meia que irá fornecer a assimetria é imensa. Ele precisa ter os atributos físicos em dia, pois se não, acaba prejudicando sua equipe, porque a demanda é muito maior do que se ele simplesmente estivesse sendo acionado como ponta.

Conteúdo original criado por Henrique M. para o FManager Brasil e Engenharia do Futebol

Link to comment
Share on other sites

Belíssima análise. Pra quebrar de vez o paradigma de que só dá pra jogar nas formações ortodoxas. Obrigado por trazer mais esse conteúdo! 

Link to comment
Share on other sites

  • General Director

Eu confesso que ainda tenho um certo preconceito com as assimétricas, hahahahaha... mas esse guia deu uma boa desmistificada na minha cabeça quanto a isso. Sempre tive receio de "quebrar" a tática, principalmente no meio-de-campo, com medo de abrir buracos defensivos ou até ofensivos.

Link to comment
Share on other sites

Uma coisa que isso sempre vai ajudar, mesmo que não use como tática primária, é pra saber reagir quando estiver com um jogador a menos. Nessas situações quase sempre você será forçado a lançar mão disso.

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Belo conteúdo, @Henrique M.!

Sobre as inversões, o sistema defensivo adversário simplesmente esquecer que há um jogador avançado pelo lado que tiver o meia-lateral dá pra considerar um certo erro do FM? Já que se fosse um ponta o adversário iria perceber, pelo o que tu falou.

Link to comment
Share on other sites

  • 8 months later...

Uso com frequência uma tática assimétrica no posicionamento do atacante. Se o ponta for avançado interior ou o meia-ofensivo for um segundo atacante, o meu atacante sempre cai pra um lado de acordo com isso.

Link to comment
Share on other sites

Muito boa a análise. Sempre bom ler algo novo e aprender. Eu no momento estou usando uma tática assimétrica, mas com os volantes ao invés dos atacantes. Ocorrem coisas bem parecidas com o que você citou no tópico. As inversões continuam ocorrendo de maneira fantástica com isso.

Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

  • Similar Content

    • Nei of
      By Nei of
      “Depois de maio de 1940, os bons tempos se acabaram: primeiro a guerra a capitulação, seguida da chegada dos alemães. Foi então que, realmente, principiaram os sofrimentos dos judeus. Decretos anti-semitas surgiam, uns após os outros, em rápida sucessão. Os judeus tinham de usar, bem à vista, uma estrela amarela; os judeus tinham de entregar suas bicicletas; os judeus não podiam andar de bonde; os judeus não podiam dirigir automóveis. Só lhes era permitido fazer compras das três as cinco e, mesmo assim, apenas em lojas que tivessem uma placa com os dizeres: LOSA ISRAELIA. Os judeus eram obrigados a se recolher a suas casas às oito da noite, e, depois dessa hora, não podiam sentar-se nem mesmo em seus próprios jardins. Os judeus não podiam frequentar teatros, cinemas e outros locais de diversão. Os judeus não podiam praticar esportes publicamente. Piscinas, quadras de tênis, campos de hóquei e outros locais para a prática de esportes eram-lhes terminantemente proibidos. Os judeus não podiam visitar os cristãos. Só podiam frequentar escolas judias, sofrendo ainda uma série de restrições semelhantes.
      Assim, não podíamos fazer isto e estávamos proibidos de fazer aquilo. Mas a vida continuava, apesar de tudo Jopie costumava dizer-me: _ A gente tem medo de fazer qualquer coisa porque pode estar proibido. _ Nossa liberdade era tremendamente limitada, mas ainda assim as coisas eram suportáveis.” Diário de Anne Frank, págs. 11 e 12.
       
      Não possuo qualquer ligação com a comunidade judaica, nem ascendência ou apreço maior por algum clube com tal relação. Por outro lado, os absurdos cometidos pelos nazistas foram muito bem documentados para não deixar ninguém incauto. Nada obstante, a idiotice humana aparece com mais força em tempos e situações de escassez (econômica, política, cultural...), portanto não me surpreendem que manifestações preconceituosas se reciclem em nossa história.
      A não ser que cheguemos em um tempo de disponibilidade total de recursos (o que considero improvável), entendo que o preconceito sempre existirá, transmutando-se em mentes fracas e com medo. Sim, o preconceito é a voz do medo e faz do ódio seu fio condutor. Por isso, não consigo ver muito sentido na frase comum: “não acredito que em 2019 alguém ainda pense assim”. Pois pensamos absurdos todo santo dia e o melhor que podemos fazer é explorar nossas opiniões, amadurecê-las e buscar evoluir – a expressão preconceituosa é imatura, fechada em si mesma e irracional.
      Apesar de não ser judeu, meu nome – para quem ainda não sabe – é Israel (tambores de revelação). O livro da Anne Frank chegou agora em minha vida e a genialidade, sensibilidade e capacidade de transmitir a crueldade e dor de um período com a sutileza do olhar de uma criança de 13 anos, me tocou demais.
      Pensei, portanto, em fazer uma jornada entre Alemanha e Holanda, lugares por onde Anne passou. Mas como ficaria um tanto limitado, decidi que vou começar de baixo, trabalhando em clubes com ligações à comunidade judaica, especialmente em Alemanha, Holanda e Israel, eventualmente jogando em algum clube dos EUA. O objetivo é chegar ao topo da carreira treinando Ajax e/ou Tottenham.
      A princípio começaria em Frankfurt, mas não consegui encontrar na base de dados (German System Football League - dica muito boa do @Johann Duwe) que estou utilizando o FC Gudesding Frankfurt, um clube criado por amigos judeus em Frankfurt an Main, cidade de nascimento de Anne. Enquanto procurava, me chamou atenção o TuS Makkabi Berlin e é por lá que vamos começar. Ou melhor, por onde Pedro Van Pels vai começar sua carreira.
       
      Makkabi Berlin
      Fundado em 1898, o clube antecessor Bar Kochba Berlin era uma das maiores organizações judaicas do mundo em 1930, com mais de 40.000 membros de 24 países, parte do movimento geral de Bar-Kochba destinado a promover a educação física e a herança judaica. O clube organizou equipes em vários esportes, incluindo um time de futebol que competiu nas ligas da cidade entre 1911 e 1929. Em 1924, Lilli Henoch, recordista mundial de eventos de discus, arremesso de peso e revezamento de 4 × 100 metros, treinou as mulheres. (Henoch foi assassinada pelos nazistas em um gueto próximo a Riga, Letônia, em 1942).
      Em 1929, o Bar Kochba fundiu-se com o Hakoah Berlin para formar o clube esportivo Bar Kochba-Hakoah . O lado Hakoah teve um sucesso cada vez maior, conquistando três campeonatos consecutivos na divisão inferior entre 1925 e 1927. Eles eram promovidos a cada vez até que, em 1928, jogavam futebol de primeira linha. O lado recém-combinado continuou a competir como Hakoah depois de 1929.
      A ascensão ao poder dos nazistas no início dos anos 30 levou à discriminação contra judeus e, em 1933, as equipes judias foram excluídas da competição geral e limitadas a jogar em ligas ou torneios separados. Em 1938, as equipes judaicas foram banidas imediatamente, quando a discriminação se transformou em perseguição.
      Em 26 de novembro de 1970, o TuS Makkabi Berlin foi formado a partir da fusão da Bar-Kochba Berlin (ginástica e atletismo), Hakoah Berlin (futebol, restabelecido em 1945) e Makkabi Berlin (boxe).
      Aparentemente não possui quaisquer títulos, mas poderei descobrir mais sobre o clube no decorrer.
      O clube joga a Berlin Liga, que faz parte do sexto nível do futebol alemão, tendo o seguinte caminho de ascensão:

       
      Índice:
      Histórico:
      Ligas selecionadas:
       

       
    • Danilo10
      By Danilo10
      ola amigos voltei a jogar o FM apos mto tempo porem so consigo rodar o FM 2019 no meu PC alguem por acaso poderia disponibilizar o update do Brasil mundi up 2019 por favor
       
    • samuelzeeraa
      By samuelzeeraa
      Gentileza, meu computador infelizmente não roda Football Manager superior a 2019. Alguém tem download de Update para FM 2019 o recente ou o último? Obrigado. Espero ajuda de vocês. 
    • AllMight
      By AllMight
      A REENCARNAÇÃO DO HERÓI
      Olá, aqui estou de volta, já faz algum tempo que estava planejando este save mas nos últimos meses não tinha motivação para jogar FM novamente, isso tudo voltou quando estava com um PC velho e resolvi baixar o FM13 para passar um tempo, foi baixar o game e vontade de jogar veio com tudo pra cima de mim. Isso já faz um tempo, fui me segurando para não começar o save sem um formato estabelecido e conversando com um pessoal daqui da área e especialmente o @Tsuru fui estabelecendo as diretrizes do save.
      O save será totalmente dentro da Dinamarca, embora eu tenha carregado mais algumas ligas elas estão como "ver apenas", e terá como objetivo principal treinar a Seleção Dinamarquesa e superar a melhor campanha da seleção em Copas do Mundo, mas para isso preciso percorrer um longo caminho, meu treinador começará sua jornada com 20 anos e sem qualificações anteriores e com um passado somente no futebol amador. O nome dele será Holger Dasnke, o mesmo nome do herói que segundo a lenda quando a Dinamarca passar por um perigo iminente ele levantará do seu trono e libertará a nação.

       
      DIRETRIZES DO SAVE
      Não sair dos clubes pedindo demissão ou se candidatando a outros clubes, só sair em fim de contrato ou sendo demitido. Não assumir clubes de divisões superiores ao meu antigo clube. Na primeira divisão até ganhar um título nacional, só assumir clubes que acabaram de subir ou da segunda divisão. Não assumir a seleção principal da Dinamarca sem antes ganhar um título nacional de primeira divisão. Não usar a barra de pesquisas para contratação de jogadores/staff, usar somente a base de dados fornecidas pelos olheiros do clube e pelos agentes.  
      OBJETIVOS DO SAVE
      Ganhar o Campeonato Dinamarquês Ganhar a Eurocopa Ganhar as Olimpíadas Chegar em uma Semi-Final de Copa do Mundo  
      ÍNDICE
      Temporada 1
      O primeiro emprego
      Os heróis improváveis
      Uma contratação mágica: Ibra chega ao Kolding!
      Um pistoleiro sem balas
      Temporada 2
      Seguindo os passos do mestre Fernando
      Um segundo turno complicado
      Um pouco de esperança
      Temporada 3
      Início muito promissor
      Consistência
      A primeira conquista do herói
      Temporada 4
      Novo lar
      Os verdes
      Trapalhões
      O azarado
      Temporada 5
      Começo decepcionante
      Um leve progresso
      A maldição da décima colocação
      Temporada 6
      O herói ainda resiste...
      Temporada 7
      De volta ao lar
      Os primeiros jogos
      O fim da batalha
      Temporada 8
      Lutando contra leões
      Choque de realidade
      De volta ao jogo
      Relações estremecidas
      Correnteza alviceleste
      Temporada 9
      Olá, Superliga!
      Recorde negativo
      Saco de pancadas
      Temporada para esquecer
      Temporada 10
      Convite inusitado
      Mudanças à vista
      A volta das férias
      A decisão
      Temporada 11
      O perigo amarelo
      Caos financeiro
      Engenharia financeira
      Empatadão
       
      RETROSPECTIVAS
      Retrospectiva 2018-2023
      Retrospectiva 2023-2028
       
      HISTÓRICO DE CLUBES
      Kolding BK (2019 - 2022)
      (2019/20) 15º na 2. Division / Eliminado nas oitavas de final da DBU Pokalen
      (2020/21) 7º na 2. Division / Eliminado na Segunda Eliminatória da DBU Pokalen
      (2021/22) 1º na 2. Division 🏆 / Eliminado na Segunda Eliminatória da DBU Pokalen
      Viborg FF (2022 - 2024)
      (2022/23) 3º na NordicBet Liga 🥉 / Eliminado nas oitavas de final da DBU Pokalen
      (2023/24) 5º na NordicBet Liga / Eliminado na semi final da DBU Pokalen 🥉
      Hobro IK (2024 - 2025)
      (2024/25) 6º na NordicBet Liga / Eliminado na semi final da DBU Pokalen 🥉 Assumiu na semi-final
      FC Helsingør (2026 - 2029)
      (2025/26) 3º na NordicBet Liga 🥉 Assumiu em 5º / Eliminado nas oitavas de final da DBU Pokalen Assumiu com o clube já eliminado 
      (2026/27) 1º na NordicBet Liga 🏆 / Eliminado nas quartas de final da DBU Pokalen
      (2027/28) 12º na Superliga / Eliminado na segunda eliminatória da DBU Pokalen
      (2028/29) 4º na NordicBet Liga / Eliminado na semi final da DBU Pokalen
      AC Horsens (2029 - ?)
      (2029/30) 3º na NordicBet Liga 🥉 (Assumiu em 3º) / Eliminado na terceira eliminatória da DBU Pokalen (Assumiu na 2ª eliminatória)
       
      TÍTULOS DO TREINADOR
      2. Division
      (2021/22) Kolding BK
      NordicBet Liga
      (2026/27) FC Helsingør 
       

    • Bigode.
      By Bigode.
      Apertando as teclas Crtl + F, digite o número da versão (ex.: 18) para ver todo material construído para a versão desejada. A maior parte dos guias presentes aqui servirá também para as versões mais novas do FM.
      ***
      Conteúdos da FManager TV estão neste post.
      ***
      Guias (em ordem alfabética) do Centro Tático:
      A arte do contra-ataque [FM 2016] A arte de Mourinho: retrancando o seu time [FM 2018] Atributos de Jogador por "Guide to Football Manager.com em PT-BR [FM 2015] Botando os pingos no IS: Ações com Bola [FM 2015] Botando os pingos no IS: Passe [FM 2015] Como jogar FM: Um guia de 12 passos [FM 2014] Como montar um esquema de Gegenpressing no FM [FM 2016] Como utilizar os gritos à beira do gramado [FM 2015] Como usar o estádio a seu favor [FM 2015] Criando uma tática em poucos minutos [FM 2017] Dicas básicas: de um novato para um novato [FM 2015] Entendendo e analisando a atuação do seu time no FM [FM 2018] Estilos de Jogo: a importância dos atributos [FM 2017] Enganche: uma ligação rápida para um ataque devastador [FM 2021] Extremo Invertido: uma breve análise [FM 2021] Football Manager: a evolução tática do jogo [FM 2018] Guia: Jogadas de Bola Parada [FM 2015] Guia Tático do FM 2015: Como criar uma tática? [FM 2015] Guia Teórico e Prático sobre o Football Manager [FM 2014] Guia de um perfeccionista para encontrar o estilo perfeito de jogo [FM 2021] Lidando com cartões vermelhos [FM 2017] O guia de instruções à equipe e instruções ao jogador no FM [FM 2018] O manual das instruções ao adversário [FM 2018] O que faz um goleador - Parte 1 [FM 2016] O "Princípio 323": Como distribuir tarefas por um time [FM 2016] O time da virada! 5 dicas para reverter um placar adverso [FM 2018] O guia rápido dos laterais no FM [FM 2021] O guia rápido dos pontas no FM [FM 2021] O guia rápido dos volantes no FM [FM 2021] O guia rápido dos meias ofensivos no FM [FM 2021] Pressionando de 3 maneiras diferentes [FM 2017] Princípios básicos de sistemas defensivos: um guia tático não oficial [FM 2021] Tactical Central & Insight: The New Era [FM 2016] Templates táticos não devem ser usados como táticas prontas [FM 2021] Transformando rotinas de escanteios ofensivos em gols no FM [FM 2021] Uma pré-temporada básica [FM 2016] Uma tática sem tática e muitos gritos à beira do gramado [FM 2021] Usando as cobranças laterais ao seu favor no FM [FM 2018] Um guia de design tático, gestão e construção de elencos no FM [FM 2021] Uma abordagem sobre o 4-4-2 diamante [FM 2021] Aos moderadores da área, pedimos que mantenham o tópico atualizado. Aos membros, pedimos que reportem materiais que podem ser adicionados ao índice geral em virtude de sua relevância para que possamos avaliar a situação.
      Obrigado.
×
×
  • Create New...