Jump to content
Sign in to follow this  
Henrique M.

Uma análise da assimetria tática

Recommended Posts

Henrique M.

sMA5keH.png

Quem acompanha a trajetória da Veterana sabe que nas últimas três temporadas venho utilizando um esquema assimétrico. No Football Manager, a assimetria tática é definida por um simples fator. O jogador não estar na posição esperada para aquela tática. Pode ser um atacante único que não está centralizado, pode ser um volante que atua na esquerda, porque você tem um meia-central ocupando a faixa direita. No meu caso, tudo começou com um 4-2-3-1. O tradicional esquema atua com dois meias-centrais, um meia-atacante e dois pontas. Com muitos atletas promissores na posição de meia-direita, para não atrasar o desenvolvimento dos atletas, ao invés de retreiná-los, resolvi adaptar minha tática. Com isso, o ponta-direita virou meia-direita e assim, surgiu a assimetria tática na Caldense.

AA-Caldense_-Vista-Geral-279d12c00a55913

Muita gente tem medo de montar uma tática que não pareça esteticamente correta. E visando demonstrar um pouco melhor como ela funciona dentro do jogo, decidi criar esse guia. É uma visão global, de diversas temporadas observando a assimetria tática jogo sim, jogo sim. Espero que isso possa ajudar vocês a perderem o medo de apostarem em algo só porque não parece algo visualmente correto ou que não costumamos ver no debate esportivo.

Posicionamento defensivo

O posicionamento defensivo do meia-direita com relação ao meia-esquerda na assimetria ocorre conforme o esperado. O desenho tático é respeitado e o ponta-esquerda ocupa a linha avançada, junto com o meia-atacante. E se o lado esquerdo fica mais avançado, o lado-direito fica mais recuado, acompanhando a linha de meias-centrais. Em um adversário que atua com dois pontas tradicionais, ocorre um embate entre os dois jogadores mais avançados pelo lado do campo. Ou seja, o ponta-esquerda enfrenta o ponta-direita e vice-versa.

URT-v-Caldense_-Match-Pitch0385292deb864

Com o recuo do meia-direita, o ponta daquele lado acaba tendo menos espaço para atacar. A distância na marcação entre os jogadores, sem que ocorra uma quebra da estrutura tática é visível. O ponta-esquerda está muito mais afastado da sua contra-parte do que o meia-direita. Portanto, em inversões de bola, a distância a ser percorrida é maior por quem defende, mas em ataques pelo lado esquerdo, o adversário terá mais dificuldades em trabalhar por aquele lado. Se eventualmente, o meia-direita perde o duelo, ainda tem o lateral fazendo a cobertura defensiva, permitindo que o time possa combater a ameaça efetivamente.

Entretanto, em táticas que não utilizem pontas, existe uma certa dificuldade de fazer uma aproximação no meio-campo, o que acaba gerando uma sobrecarga nos meias-centrais. Infelizmente, isso não é um problema que o recuo da linha de pontas resolve, já que para que os jogadores de lado pressionem quem atuam no meio, ou é necessário que o jogador entre na zona de ação daquela posição ou que você instrua pessoalmente para os pontas marcarem o meia-central pelo seu lado, mas isso gera complicações por si só. A única vantagem com relação ao esquema tradicional nesse ponto, é que o meia-direita estará mais próximo da linha de meias-centrais.

Posicionamento ofensivo

Se defensivamente a assimetria tática respeita o posicionamento da tática, surge o receio de que ofensivamente, possa existir uma discrepância entre o posicionamento do ponta-esquerda e do meia-direita. Felizmente, não é isso que ocorre na prática. O posicionamento dos dois ocorre mais ou menos na mesma linha, como se a tática fosse um 4-2-3-1.

Caldense-v-Tombense_-Match-Pitch19bc61d0

Ou seja, existe um ganho defensivo pelo lado direito, mas que não compromete ofensivamente. Entretanto, a exigência física sobre o meia-direita será muito maior, já que ele tem mais obrigações defensivas e corre mais campo que o ponta-esquerda. Ele tem que recompor o esquema na defesa e depois avançar para ocupar o espaço ofensivamente.

Inversão do jogo e transição ofensiva

Entretanto, o grande diferencial da assimetria tática está na inversão do jogo e na transição ofensiva. Quando o jogo está concentrado pelo lado esquerdo, o posicionamento defensivo do adversário praticamente esquece que existe um jogador mais avançado na direita. Isso dá muita liberdade e espaço para o meia-direita atuar. Logo, quando algum atleta afunila para o meio, ele tem uma opção completamente livre e desmarcada no lado direito. Isso permite ao meia-direita avançar e buscar um cruzamento ou finalização, até que a marcação adversário se recomponha. 

Caldense-v-Ipatinga_-Match-Pitch98bceafd

Assim como no afunilamento de algum jogador da esquerda para o meio, a assimetria tática fornece uma excelente opção para o portador da bola. O jogador que está com a posse da bola tem duas opções marcadas pela esquerda, a opção de recuar a bola, ou lançar no espaço para que o meia-direita aproveite a liberdade e espaço fornecida pela marcação adversária. E isso é muitas vezes positivo, porque como os atletas mais avançados do meio-campo acabam estando mais próximos, isso força com que o jogo penda para a esquerda, deixando bastante espaço na esquerda.

Caldense-v-Tupynambas_-Match-Pitch8471cf

E isso, durante a transição ofensiva, é uma excelente maneira de chegar rápido à defesa adversária. A equipe recupera a bola na esquerda ou no meio, aciona o armador e ele tem a opção de rapidamente explorar o espaço deixado no lado direito da equipe. Isso faz com que a transição defesa-ataque possa ser executada de maneira rápida e eficiente, sem o risco de ter a bola interceptada por algum marcador próximo.

Considerações finais

Isso não significa que a assimetria tática é uma maneira de montar uma tática invencível, pois não é. Ela é uma opção que lhe pode fornecer algumas coisas em termos de estratégias de transição e até mesmo para proteger um lado do campo que esteja sendo sobrecarregado pelo adversário ou que seja o lado mais talentoso do oponente. Entretanto, a exigência física sobre o meia que irá fornecer a assimetria é imensa. Ele precisa ter os atributos físicos em dia, pois se não, acaba prejudicando sua equipe, porque a demanda é muito maior do que se ele simplesmente estivesse sendo acionado como ponta.

Conteúdo original criado por Henrique M. para o FManager Brasil e Engenharia do Futebol

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leonardo Moreno

Belíssima análise. Pra quebrar de vez o paradigma de que só dá pra jogar nas formações ortodoxas. Obrigado por trazer mais esse conteúdo! 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.

Eu confesso que ainda tenho um certo preconceito com as assimétricas, hahahahaha... mas esse guia deu uma boa desmistificada na minha cabeça quanto a isso. Sempre tive receio de "quebrar" a tática, principalmente no meio-de-campo, com medo de abrir buracos defensivos ou até ofensivos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Douglas.

Uma coisa que isso sempre vai ajudar, mesmo que não use como tática primária, é pra saber reagir quando estiver com um jogador a menos. Nessas situações quase sempre você será forçado a lançar mão disso.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • Selat
      By Selat
      Fala galera!
      Não sei se é válido dizer que sou novo aqui no fórum pois sou membro desde 2006 🤣. Mas o fato é que passei mais de uma década aqui apenas aproveitando o grande serviço que o FManager oferece para a comunidade FM, sempre nos bastidores. Achei que seria hora de eu tentar reverter isso e conseguir proporcionar para a comunidade algo em “troca”. Então decidi promover esse pequeno entretenimento em forma de história fictícia. 
      Me chamo Tales, tenho 27 anos e sou fã de FM desde o 2005. Sou de Belém do Pará e tenho apenas um time do coração: Paysandu Sport Club. Que por sinal foi a equipe escolhida para iniciar este save, "aproveitando" o mal momento do time estando recém-rebaixado para a Série C e me dando o desafio de subir de volta para a elite do futebol brasileiro.
      Apesar de ser jogador de FM desde quase os primórdios, confesso que tem algumas coisas que nunca consegui atingir em um save. Vou me dar o desafio de conseguir atingir algumas dessas coisas com este. Por exemplo: Nunca fui campeão de uma libertadores ou um mundial de clubes em qualquer FM (sempre gosto de começar com um time lá embaixo nas divisões até chegar ao sucesso, mas sempre abandono o save antes do grande sucesso chegar 😂 – às vezes por falta de tempo, às vezes porque lançou outro FM melhor e às vezes simplesmente porque perco o interesse). Nunca fui campeão de uma champions (embora tenha chegado na final certa vez com o PSG no FM2014, perdendo de 3x2 pro Chelsea, mas isso é outra história) ou de uma Copa do Mundo (na verdade nunca nem treinei uma seleção no FM).
      Enfim, deu pra ver que apesar de ter tempo e experiência com o jogo, tem muitas coisas que ainda não alcancei, e algumas delas pretendo alcançar com este save, jogando o FM2019 pela primeira vez, segue a lista de objetivos abaixo:
      Objetivos:
      - Campeão de ao menos 5 estaduais, não importando quais estados. (Faltam 4)
      - Campeão Brasileiro 3 vezes (Ao menos um deles deve ser a Série A).
      - Campeão da Copa do Brasil ao menos uma vez.
      - Libertadores ao menos uma vez.
      - Mundial de Clubes ao menos uma vez.
      Ao ver esses objetivos já deve ficar claro que meu save se passará no Brasil. Começarei no Paysandu mas não pretendo me limitar apenas nele. Caso outro clube me chame durante a jornada, posso acabar optando por ir treiná-lo, me limitando apenas no Brasil.
      Ligas selecionadas (Tem bastante coisa mas o PC aguenta).
      A História
      A partir do próximo post, vamos acompanhar a história de dois amigos: Edílio Marques, um jornalista esportivo, e Donald Santos, um jovem recém promovido a técnico de futebol. Ao saber que o amigo conseguiu uma promoção dentro do Paysandu Sport Club como técnico da equipe principal para a temporada 2019, Edílio decide “abusar” da amizade para ter acesso aos bastidores de tudo o que rola dentro do clube, decidindo então escrever vários relatos sobre a trajetória que se iniciava ali.
       
      Índice
      Capítulo I
      Capítulo II - Presente de Natal e Pré-temporada "fabulosa"
      Capítulo III - "É no detalhe que se define um clássico"
      Capítulo IV - "Diga ao Don que estou procurando ele"
      Capítulo V - 3 semanas, 3 decisões
      Capítulo VI - Um sobe, outro desce
    • Daniel Souza
      By Daniel Souza
      Tática que vi desenvolvendo nos ultimos dias,um Flamengo de puro controle de jogo,sem muita itensidade mas com troca de passes e movimentações o tempo todo,e marcação pressionando o adversário,em varias ocasiões terminei o primeiro tempo com 20 chutes enquanto o adversário terminava com 0,posse de bola sempre nos 60% até em 70% se o time for muito fraco,o ponto forte da tática é a sua bola parada,é muito forte se vc tiver bons cobradores e jogadores que tenham impulsão.
       Nas imagens a seguir vemos a formação da minha equipe e as estatisticas dominantes que ela vem trazendo:
      https://ibb.co/QbMC1Hy
      https://ibb.co/Jys0x02
      a tática não é opressora de criar muitas chances por isso um pivo ofensivo tem que ser um cara que tenha:Visão de jogo,Técnica,Passe.É fundamental isso,ele é o centro do time,é um Messi do seu time ou se preferir,um Zico,espero que possam desfrutar dessa tática,alias botei equilibrada porque defensivamente minha equipe fica muito forte assim,mas jogando de forma positiva também funciona muito bem,abraços.
       
      Download> https://www.4shared.com/file/dnHk2YL1gm/Tiki_Taka_1981_Flamengo.html
    • LuizH
      By LuizH
      Afastado durante longo período, senti que era hora de retornar à área para compartilhar uma nova experiência dentro deste jogo que tanto nos ocupa. A compra recente de um novo computador - o primeiro com capacidades dignas - unido a vontade de concretizar um objetivo que há bastante tempo almejo, levou-me a criação deste tópico e realização vasta pesquisa sobre o histórico do clube que possui comigo uma ligação bastante particular e que pretendo relatar no capítulo seguinte, o qual deixarei, por questões visuais, à disposição apenas daqueles que realmente se interessarem pelas motivações que levaram à escolha.
      Aos demais, resumidamente: A motivação é o futebol (hoje inexistente) da minha cidade, qual seja: Cachoeira do Sul(RS). O clube é o que leva o nome dela: Cachoeira FC; O início é na Terceira Divisão do Rio Grande do Sul. Te aguardo no capítulo 2.1!
      1.1 AS MOTIVAÇÕES EM UM BREVE RELATO HISTÓRICO:
      2.1 - DA CIDADE, DO CLUBE E DO ESTÁDIO:

      Cachoeira do sul é uma cidade do Rio Grande do Sul, localizada a 196 km de Porto Alegre. É uma cidade de aproximadamente 90 mil habitantes que ostenta o título de "capital nacional do arroz". Orgulha-se por ser o quinto município mais antigo do Estado, emancipando-se da cidade de Rio Pardo no ano de 1820. Dispondo de vastos territórios, pertenciam a Cachoeira do Sul municípios como Alegrete, Santa Maria, Santana do Livramento e São Gabriel.
      Cachoeira do Sul pertence a região econômica da Metade Sul do Rio Grande do Sul, grupo de municípios que teve prosperidade na primeira metade do século XX graças à agropecuária, mas que não se industrializaram ou tiveram uma industrialização tardia, mantendo seus tradicionais tipos de economia, empobrecendo e perdendo a concorrência para outros municípios.

      O Foot Ball Club Cachoeira, hoje Cachoeira Futebol Clube, é um clube fundado em 24 de fevereiro de 1914, na cidade de Cachoeira do Sul(RS), na residência do estudante Henrique Müller Barros, que mais tarde se tornaria médico no município. Em um período onde o campeonato gaúcho era disputado por regiões, em um sistema eliminatório entre o campeão da capital e um número variável de clubes das demais regiões do estado, o Cachoeira FC fora ter suas primeiras aparições no então campeão estadual somente no início da década de 40, mais precisamente em 1944. Até então, o clube viu-se ser amplamente dominado por seu grande rival, o Guarany de Cachoeira.  
      2.1.1 - A PRIMEIRA ERA
      Em 1944, depois de ser campeão municipal, a equipe derrotou o Inter de Santa Maria, pela final da Zona Centro, e o Floriano (após duas prorrogações), pelas quartas do estadual. Na semifinal, entretanto, o Cachoeira veio a ser facilmente eliminado pelo Bagé. Esse foi um momento muito importante na história do Cachoeira, pois, no ano anterior, o Guarany havia sido vice-campeão estadual e uma vitória contra o Bagé teria, ao menos, igualado o feito. O Cachoeira esteve ainda mais próximo da grande final estadual em 1948, quando foi eliminado, outra vez na semifinal, pelo Grêmio Santanense, em Porto Alegre. Na ocasião, o Cachoeira chegou a estar vencendo o jogo por 3 a 1, mas cedeu o empate e foi derrotado na prorrogação. O Cachoeira ainda voltaria ao Estadual em 1951 e 1955, mas nessas vezes seria eliminado em fases mais precoces.

      (Cachoeira FC, campeão citadino de 1942)
      2.1.2 - A GLORIOSA DÉCADA DE 70
      A partir da unificação do Campeonato Gaúcho em 1961, houve uma realocação dos clubes por meio de divisões: os clubes da capital e outros mais tradicionais foram incluídos na primeira divisão enquanto aqueles de regiões menos qualificadas foram alocados em uma segunda divisão, o do Cachoeira FC fora um destes clubes. 
      Dentro de um sistema bastante confuso de campeonatos que não davam acesso e nem rebaixavam, além das fórmulas mirabolantes existentes da década de 70, o Cachoeira FC conseguiu estar presente em 5 temporadas na primeira divisão do Campeonato Gaúcho: 72/73/75/77/79. O que causa surpresa, no entanto, é o fato de o clube ter sido promovido pela via tradicional em apenas uma oportunidade, quando obteve o acesso pelo vice campeonato da segunda divisão em 1978. 
      Considerada a melhor (e unica) década de sucesso na história do clube, o fim dos anos 70 culminariam com desaparecimento do Cachoeira FC na elite do futebol gaúcho. Após um péssimo desempenho campeonato de 1979, amargando a última posição entre 20 clubes, o clube ainda manteria, precariamente, suas atividades profissionais durante as temporadas de 80,81 e 82, até decidir-se pelo abandono do futebol profissional. 
      2.1.3 - O RETORNO AO FUTEBOL PROFISSIONAL E O PRIMEIRO E ÚNICO TÍTULO
      Foram necessários 17 anos até que o Cachoeira FC novamente voltasse a disputar uma competição profissional. Somente no ano de 2000, após a autorização para refiliação do clube à FGF, o Cachoeira FC voltaria a Terceira divisão do campeonato gaúcho.
      Eliminado precocemente na primeira temporada de retorno, o clube voltaria a campo para fazer história na temporada de 2001. Após vencer o Farroupilha por 3-2 no agregado (1-1 em Pelotas e 2-1 em Cachoeira do Sul) o clube alcançava seu primeiro e único título de sua história de 115 anos. 

      Elenco campeão da Série C do Campeonato Gaúcho em 2001 (Terceirona)
      O acesso à segunda divisão trouxe nova esperança ao clube que passara seu últimos anos na obscuridade. Durante 7 temporadas consecutivas a equipe buscou retornar a elite do futebol gaúcho sem obter sucesso em nenhuma delas. O período, ainda, ficou marcado pela realização dos primeiros clássicos CA-SÉ (Cachoeira FC x São José-CS) em nível profissional. 
      Entre boas e más campanhas, o clube ainda teria que amargar ver o seu principal rival disputando a elite gaúcha durante as temporadas de 2003-2007. O retorno do clássico se daria na temporada de 2008, quando após uma campanha melancólica, ambos os clubes fechariam seus departamentos profissionais para nunca mais voltar. 
      2.1.4 - JOGOS MEMORÁVEIS
      Em 19 de junho de 1962, ocorre um fato marcante na história do clube: um amistoso contra o Racing Club de Montevideo, como preliminar de Uruguai e Checoslováquia (que alguns dias antes havia perdido a Copa do Mundo para o Brasil, no Chile), no Estádio Centenário. Logo no primeiro tempo, o Racing abre cinco gols de vantagem. Na segunda etapa, o time da casa tirou o pé e o Cachoeira diminuiu o placar para 5 a 3. Dois anos mais tarde, o Racing iria a Cachoeira do Sul para a revanche e seria derrotado no Estádio Municipal por 1 a 0.
      No jogo da volta, o goleiro do Racing era um jovem Ladislao Mazurkiewicz em começo de carreira, pouco antes de se transferir para o Peñarol e de jogar três Copas do Mundo. 
      Além disto, outros dois jogos são lembrados como memoráveis na história do clube, mesmo que se tratassem apenas de amistosos. 
      16.05.1965 - Cachoeira FC 2 x 1 Grêmio 
      31.05.1972 - Cachoeira FC 1 x 0 Internacional
      2.1.5 - O ESTÁDIO
      Estádio Joaquim Vidal
      O estádio Joaquim Vidal pertence ao município de Cachoeira do Sul. Atualmente, encontra-se dentro de um projeto de revitalização infraestrutural uma vez que a deterioração de sua estrutura o levara à interdição. Com a necessária destruição de um setor de arquibancadas que ficava no lado oposto ao pavilhão central, não se sabe qual sera a capacidade do estádio após o fim da referida reforma, mas acredita-se que o estádio deva ter capacidade para 2 a 3 mil pessoas (no FM são 5 mil lugares)
      2.2 - DO JOGO EM SI:
      A estrutura exigia o máximo de realidade possível e eis o que eu tentei buscar dentro do que eu entendia do editor do jogo. Diante da disponibilidade aqui no fórum do update MRT90 e a realidade estrutural alcançada dentro dele, restou a mim a parte fácil: encontrar uma forma de tornar "real" o possível retorno do Cachoeira FC ao futebol profissional.
      Considerando que o update não dispunha da segunda e terceira divisão gaúcha, fora necessário apenas alterar algumas configurações para incluí-las ao jogo. Mesmo que sem a reprodução perfeita das estruturas reais dos campeonatos, consegui criar as respectivas divisões. Atualizados os elencos da primeira e segunda divisão e habilitado novamente o profissionalismo ao futebol do Cachoeira FC (constava como extinto) estava tudo pronto.
      Em relação aos clubes da terceira divisão, optei por incluir aqueles que de fato participam da terceira divisão estadual em 2019 e fiz um apanhado de algumas pequenas equipes que estiveram presentes nos últimos anos para completar os 16 clubes da estrutura.
      Já a questão dos jogadores em si, nada foi alterado. Com exceção de alguns jogadores perdidos que já constavam em algumas equipes, a maioria das outras inicia com os conhecidos jogadores "cinzentos", inclusive o Cachoeira FC.
      2.3 - DOS OBJETIVOS:
      De início, há apenas um único objetivo que é algo que está ligado mais a minha forma de jogar FM do que propriamente a desafio na história: o desenvolvimento das categorias de base. 
      Confesso que por um determinado período eu até dividi a vontade de unir o youth challenge a esta história, afinal, gosto da ideia e e algo que ainda não fiz. Porém, no fim das contas, acabei optando por jogar de forma mais casual (com contratações).
      No mais, por ser um desafio, tentarei buscar incluir objetivos mais dinâmicos, temporada a temporada. 

      Créditos ao trabalho de Evaldo Júnior (www.erojkit.com)
      3 - REFERÊNCIAS:
      Jamais havia encontrado na internet muito material acerca do Cachoeira FC, portanto, deixo aqui meus créditos de pesquisa ao excelente trabalho do blog "um pequeno museu do futebol gaúcho" (Disponível em: (https://1pmfg.com/home/)).
    • CapitaoX
      By CapitaoX
      São 27 pastas contendo + de 930 kits aonde cada clube do pais fica no seu estado natal facilitando a atualização dos times pequenos dos campeonatos estaduais e divisões inferiores ou que disputam o regional/divisões de acesso. Também evita necessidade de sobe e desce e mudanças na config, pois os times estarão sempre na pasta certa.
      Série A,B,C,D 100% atualizada alem dos times pequenos de divisão cada região que não se acha facilmente
      O Formato de Referencia seguido é o padrão do FC12 420x420.
      com apenas 85 mbs  é o maior compilação de kits brasileiro já reunida em link unico para o brasil.
      Downloads
       
                                                                         créditos para os Kitmakers do Fmanager Brasil e suas equipes.
      Principais membros envolvidos  e base de tudo a galera brasileira do SSKits megapack ss kits 2017 
       @Clayton_Padula, @Fab Cardoso, @VictorDomingos, @yanfer, @Sheldon Cooper km 18, @lucasaplima  e, @cheirador 
      FBkits D(Cavalcanti) :https://fm-view.net/forum/topic/18322-fbkits-download-area-season-1819/
      FC12 Kits ABC(IgorNatalino,HugoFera,Blaijin) FMSlovakia: https://fmslovakia.com/en/downloads/kitpacks/fc12-season-2018-19/
      GTCamisas D e Regionais(RomarioAlves) http://gtcamisas.blogspot.com

      +-628 times já foram atualizados,contando as 128 clubes da series ABCD feitas pelas equipes.
      esse trabalho colaborativo interequipes seria de referência pra todos Fms futuros e de ajuda para os kitmakers já que essas camisas de times pequenos regionais não eram atualizadas a mais de 2 anos algumas eram tão genericas q nem patrocínio tinham.
      novos kits estão sendo feitos no topico FC 12 Kits e serão atualizados gradualmente no pack.
    • Johann Duwe
      By Johann Duwe
      Banner by @Tsuru
      Estava entre duas situações distintas para este save, ou eu começaria na Ásia ou em alguma liga periférica na Europa. Acabei decidindo, ajudado por outros amigos da área, a começar na Europa, mais precisamente na região Escandinava.
      Um dos motivos que me fez escolher essa região foi o fato de eu não jogar em nenhuma liga escandinava desde o FM 2013, então é bom poder voltar novamente para a área nórdica do mundo.
       
       
      Ligas Selecionadas:
      Todas divisões de Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia.
      Ver apenas a primeira divisão de Bélgica, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Polônia, Irlanda e Rússia.
      Perfil do Treinador: Aron Steffarsson, treinador de 21 anos nascido em Ilhas Faroé, sem licença e com experiência no futebol amador. Começarei desempregado e irei trilhar meu caminho para o sucesso.

       
      Por se tratar de um save carreira, o único objetivo a longo prazo que irei impor é:
      Vencer 01 Eurocopa e 01 Copa do Mundo com alguma das seleções nórdicas.
       
       
×
×
  • Create New...