Jump to content

Recommended Posts

raphaelfrajuca

Primeiramente, Boa noite a todos!

Meu nome é Raphael, e com muito orgulho venho aqui neste fórum disponibilizar para vocês os resultados de um projeto meu, que é a tradução não oficial do Football Manager 2020 para o nosso português brasileiro!

 

Hospedo atualmente este projeto em meu GitHub, e consegui finalizar a primeira versão recentemente (com alguns bugs é claro), e conto com a ajuda de vocês para possíveis melhorias na tradução, pois levei alguns dias para desenvolver o script em Python que faz isso, e mais algumas horas aguardando a tradução de mais de 200 mil frases disponíveis atualmente no game XD

 

Tutorial de instalação:

 

  • Baixe o arquivo de tradução: (clique no pt-br.zip)
  • Extraia o arquivo em C:\Users\SEU USUÁRIO\Documentos\Sports Interactive\Football Manager 2020\languages
  • Dentro do game, vá em Preferências e selecione a opção Geral
  • Procure a opção Idioma do jogo, e selecione na lista o idioma Português Brasileiro
  • Logo abaixo, na opção Idioma dos dados, selecione novamente a opção Português Brasileiro
  • Clique em confirmar, e Aproveite!

 

spacer.png

 

Fiquem a vontade em divulgar, porém peço que mantenham os devidos créditos ao autor, pois tudo isso foi (e ainda é) fruto de muito trabalho e dedicação misturados com amor a este game

 

 

Link da versão atual do projeto para Download:


 

 

Edited by raphaelfrajuca
Adição de tags
Link to post
Share on other sites
  • General Director

Teria como postar mais imagens do jogo com a tradução? Principalmente da tela de atributos.

Link to post
Share on other sites
raphaelfrajuca
6 horas atrás, Leho. disse:

Teria como postar mais imagens do jogo com a tradução? Principalmente da tela de atributos.

Na próxima atualização que eu lançar, vou incluir mais imagens sim, agora no momento estou mais focado em corrigir os problemas ortográficos que uma tradução direta causa, mas de qualquer forma, segue abaixo a tela de atributos como se encontra nessa versão:

spacer.png

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...
Bruno Cavalcante

Por ser v1.0, a tradução tá bem ruim ainda, acho que teria sido melhor usar o Português de Portugal como base, tem muita coisa não traduzida, fica mais difícil usar essa tradução do que usar o Português de Portugal. Fica a dica aí pra quem tiver pensando em usar, ainda não tá legal não, longe disso. Mas agradeço o esforço do Raphael em tentar iniciar o projeto solo.

Link to post
Share on other sites
  • 2 weeks later...
  • 2 months later...
  • 3 weeks later...
  • 5 months later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

  • Similar Content

    • zeguinba
      By zeguinba
      Bautz, sobrenome incomum. Ao longo da história nunca significou nada, não há registro de ninguém importante com esse sobrenome. Isso mudou no ano de 2007, quando nasceu em Herne, na Alemanha um garoto filho de professor de polonês e de enfermeira francesa chamado Michel Bautz.
      Desde muito cedo sempre foi torcedor do Schalke 04 e jogou na base azul, porém em 2017 surgiu a proposta de ir ao grande rival de Gelsenkirchen, o Borussia Dortmund. Em 2022, assinou o primeiro contrato profissional, onde ficou até 2028. Em busca de tempo de jogo, saiu da Muralha Amarela para a Dinamarca, especificamente para o Vejgaard, time que José Zeguinba tirou da terceira divisão até um digno décimo lugar na elite dinamarquesa. Clube em ascenção, chegou com banca de craque e logo em sua primeira temporada chegou ao quarto lugar, classificando para a Conference League. Daí pra frente foi só sucesso, fez 647 jogos, 239 gols e deu 151 assistências.
      No final da temporada 2037/2038, uma catástrofe aconteceu: durante o aquecimento para a final da Sydbank Pokalen (Copa da Dinamarca) ele cai no chão e sai chorando de maca para o que poderia ser sua primeira taça como capitão. Tentou voltar mas não deu pra ele, triste aposentadoria precoce aos 31 anos. Tornou-se auxiliar de José Zeguinba e ficou estudando para a Licença Pro Continental até janeiro de 2040 (logo depois do Vejgaard ser tricampeão dinamarquês), quando decidiu iniciar a busca por seu primeiro clube como técnico com a promessa de algum dia voltar.

       
      Objetivos do save:
      Ser campeão de pelo menos 16 campeonatos nacionais pelo menos de um país por continente.
      Michel Bautz se tornou melhor amigo pessoal de José Zeguinba, que é torcedor fanático pelo EC Vitória (assim como eu kkkkkk), portanto desenvolveu grande simpatia pelo Único de Salvador. Uma das metas é ser tri nacional passando o jahia, ser bi da Copa do Brasil pra passar o Sport e ganhar a Libertadores.
      Ganhar todos os continentais (exceto os que não estiverem na db)
      Ganhar a Copa com um país de fora 7da Europa e fora do eixo sul-americano (Brasil, Argentina e Uruguai).
      Tornar-se o treinador mais reputado do mundo
      Tornar-se o treinador mais vencedor da história

      Treinar Schalke e Borussia
      Voltar pra casa encerrar a carreira.
       
       
       
       
      Observações importantes:
      No save que estou com o Vejgaard atualmente estou em 30/31 brigando por vaga na Europa League e Bautz já é "pessoal favorito" do clube. Como ainda estou em 2031, vou simular de férias até 2049, portanto, nada me garante que Bautz vai se tornar ídolo e que o Vejgaard vai dar continuidade ao trabalho de José Zeguinba em busca da Champions League.
      Como é minha primeira história no tópico, quem quiser pode ficar à vontade pra sugerir melhorias.
      Ainda tenho que simular algumas temporadas, mas com meu PC da NASA vai demorar, o save deve começar realmente nas próximas semanas. Enquanto não acontece, quem quiser pode sugerir caminhos pro grande Bautz.
       
      Obrigado!
    • Rodrigo Violim
      By Rodrigo Violim
      Fala galera! Estive um tempo ausente, desde de que tive que encerrar meu primeiro save aqui no fórum. Durante este período também meu nootbook onde estava meu FM deu pau, voltei a trabalhar e acabei ficando sem tempo.
      Pois bem, novamente estarei por um período em casa e como estava sem o noot tive que recorrer ao PS4 e como distração e fui jogar o FIFA, mas a vontade de voltar ao FM era grande. E ai eis que arrumo meu nootbook e ai voltei a frequentar o fórum e já comecei a pensar em uma nova história. Já tinha acompanhado o "Soy loco por ti américa" do @mfeitosae a ideia de pegar um jogador aposentado e seguir em uma carreira manager me agrada muito. Fiquei dias pensando e dias depois comecei a ver no netflix o seriado do Sunderland, para quem é fã de documentários de futebol assistam! E ver como eles tratam o futebol, a paixão dos torcedores pelo clube independente do momento e me fez também escolher a Inglaterra como a terra de meu personagem desta vez.
      Com tudo isso tive a ideia de trazer o Alex Hunter, personagem da "jornada" do FIFA, que tem em sua família um histórico de jogadores sendo que seu avô é considerado como um dos maiores jogadores da Inglaterra e seu pai teve que encerrar a carreira brevemente devido a uma lesão. E agora vou colocar Hunter no papel de técnico para ser o maior técnico de história da Inglaterra.
      DADOS E OBJETIVOS DO SAVE
      - Vou usar o FM 20
      - O calendário de inicio será na Inglaterra inicio da temporada 19/20.
      - Como gosto de jogar ligas ao redor do mundo, então carreguei vários países de todos os cantos do mundo. Somente na Alemanha, Brasil, Espanha, França e Itália terão a segunda divisão e na Inglaterra terá TODAS as divisões.
      Hunter terá 10 objetivos com uma ênfase maior no futebol inglês:
      - Ser o maior técnico do mundo.
      - Ser campeão mundial com a seleção inglesa.
      - Ser campeão continental com seleção. (Não necessariamente a inglesa)
      - Ser campeão Mundial de Clubes.
      - Ser campeão Continental. (Qualquer torneio continental de clubes)
      - Vencer todos os campeonatos de elite na Inglaterra. (Premier League, FA Cup, Copa da Liga, Supercopa da Inglaterra)
      - Conseguir um acesso de divisão.
      - Ser campeão Nacional ao menos em cinco países diferentes. (Não necessariamente em continentes diferentes)
      - Ser campeão de Copas ao menos em três países diferentes. (Não necessariamente em continentes diferentes)
      - Passar por todas as ligas no Reino Unido (Escócia, Irlanda, Irlanda do Norte e País de Galês)
      Será um save longo, irei postar a cada metade de temporada para ter um tempo de jogar e ir atualizando aqui e espero chegar ao fim deste save.
       
       
    • div
      By div
      Buenas! Como vão? Tudo certo?
      Então, começo hoje meu novo empreendimento aqui na área. Pensei bastante que tipo de save gostaria de jogar e o que gostaria de trazer para cá. Tive algumas ideias e cheguei a começar alguns saves, um deles cheguei até a escrever a apresentação e fazer uns banners, mas acabei deixando de lado por conta deste aqui.
      Já queria registrar o agradecimento a todos que contribuem com a Galeria de Gráficos de onde peguei aquele que serviu de base para fazer o que estou usando. Não levo muito jeito com edição de imagem, então foi uma mão na roda.
      Este save foi inspirado no save “Os doze trabalhos de Hércules" do Jirimias, que me cativou pela premissa (completar 12 desafios, nos moldes dos trabalhos do semideus grego Hércules, dentro de um save no FM dirigindo o time do Hércules de Alicante). Com essa história como inspiração, eu queria fazer algo semelhante, porém com a cultura nórdica, que gosto muito. Assim, tentei chegar em algo que aliasse o FM, alguns desafios dentro de um save e a cultura nórdica, em especial sua mitologia.
      O primeiro passo era escolher o time que seria treinado. Não foi uma tarefa fácil, tanto que não encontrei nenhum clube que encaixasse com essa proposta como o Hércules se encaixava para aquela. Portanto...
      FIM DO SAVE, obrigado a quem acompanhou até aqui.
      Brincadeira, pensando um pouco, cheguei na conclusão de que seria melhor fazer o save com um time criado utilizando aquela opção “Criar um Clube” disponível no FM, inclusive porque nunca me aventurei nela. Assim nasceu o Viking Saga FC (falarei mais sobre o clube em outro momento, até para não alongar ainda mais a apresentação).
      Com relação ao subtítulo (“Uma nova invasão na Inglaterra”), acredito que seja de conhecimento geral a invasão Viking à Inglaterra nos séculos VIII e IX, de modo que vou me abster de explicar o contexto histórico (até porque não sou historiador e quanto mais me estender, mais chance tenho de falar besteira). Mas, caso não seja de seu conhecimento, tudo que é necessário saber é que os Vikings invadiram a Inglaterra naquele período e deram um calor no povo inglês, por assim dizer. Portanto, minha proposta é criar uma invasão Viking moderna na Inglaterra, por meio do futebol.
      Nesse momento você pode estar se perguntando: Mas por que não fazer o save num país nórdico, com o propósito dos Vikings dominando a Europa?
      E eu te responderia: Poderia ser interessante de se acompanhar um save assim e seria até mais lógico, sem sombra de dúvidas. Há na área diversos saves em países de menor tradição que levaram um clube à glória continental e mundial. Porém, especificamente para mim como jogador, há um problema nessa premissa: depende muito de ânimo e resiliência. Um save nesse estilo, salvo algo extraordinário ocorrendo, acaba chegando num ponto onde o time é bom demais comparado com seus conterrâneos, mas ruim demais para o sucesso continental, levando um tempo até que o time possa competir pela competição continental. E esse período em que não há competitividade doméstica e se joga um ano inteiro por causa de 6 a 13 jogos (ou menos), é algo que, como jogador, não me atrai no momento (repito que isto é como jogador porque me vejo muito bem lendo um save neste estilo sem problema algum, a questão para mim é jogar nestas condições).
      Tendo ponderado isso, acredito que a melhor forma de conciliar o meu interesse como jogador, com a premissa que idealizei, sendo algo que possa ser atraente para quem lê, é na ideia de fazer o clube na Inglaterra. Alguns fatores fazem da Inglaterra a melhor opção: Há uma ligação histórica entre os Vikings e a Inglaterra; há mais divisões na database básica do jogo; as ligas inglesas promovem mais competitividade aos times (o que gera desafio às sagas “Percorrendo a Yggdrasil” e “Evitando o Ragnarok”, abaixo explicadas); a Premier League em si é um desafio; e não há uma grande discrepância entre os times do G4 da PL e os postulantes ao título da UCL, de modo que evita aquela questão que mencionei antes.
      Assim, o Viking Saga FC substitui o time do Bradford PA (time escolhido unicamente por estar previsto para a última colocação da liga), atuante na National League North, a 6ª divisão da Inglaterra e a divisão inglesa mais baixa no jogo base (cabe aqui explicar que na opção de criar um clube só é possível carregar as ligas e divisões que estão no jogo base, de modo que não posso carregar uma base de dados com mais divisões na Inglaterra, por exemplo). Por fim, diferente do meu save anterior, este não será um save com ficção. Como único elemento de ficção, vou dar um “background” básico pro clube (claro que as sagas podem ser vistas como ficção também, mas vocês entenderam o que quis dizer com ficção haha).
       

      Versão: FM 2020.
      Base dados: Grande.
      Ligas Carregadas.
      Mais Opções.
      A opção por adicionar jogadores a clubes acabou preenchendo as categorias de base do time, mas acredito que foi uma opção válida por duas razões: A primeira é porque assim todos os clubes das ligas inferiores, portanto rivais, terão plantéis completos, evitando jogar contra jogadores cinzas; a segunda é porque assim preenchem-se os elencos das ligas nórdicas, o que ajuda a cumprir uma das sagas (“Atravessando a Bifrost”), que seria praticamente inviável nesse começo de outra forma.
      Elenco Inicial: A ferramenta Criar um Clube permite que o jogador escolha como será montado o elenco do clube criado. Entre outras, as principais opções são: 1) manter o elenco do clube substituído; 2) limpar o elenco e começar sem jogadores, tendo que montar todo o elenco contratando dentro do jogo; 3) adicionar e remover jogadores a vontade, respeitando o orçamento salarial do clube. Optei pela primeira opção porque não quero perder tanto tempo no começo montando um elenco completo. Além disso, mantendo o elenco o jeito que está dá menos margem pra montar um time muito superior ao anterior, já que este elenco é cotado para o último lugar.
       

      Sagas são estórias contadas em prosa que misturam aspectos históricos com mitologia e religião. Para o save, as “Sagas” serão os objetivos/desafios propostos que misturam aspectos da mitologia nórdica com o futebol e o FM. Foi preciso adaptar muitas coisas, então peço que não estranhem, pois existem conceitos que serão variáveis para adaptar a mitologia aos objetivos (numa saga, “X” pode significar uma coisa, enquanto em outra, “X” pode significar algo diferente).
       

      A primeira saga consiste em percorrer a árvore que conecta nos 9 mundos nórdicos, lares de deuses, anões, elfos, gigantes e homens. Os nove mundos são representados pelas seis divisões inglesas e dois objetivos satélites.
      A jornada pela Yggdrasil do futebol inglês começa em Muspelheim e Niflheim (National League South/North). Os dois mundos coexistem, ficando um a norte e outro a sul, e foram os dois primeiros mundos a existir. Enquanto Muspelheim é um caos de fogo e calor, o ponto de partida onde Surt acordará e liderará o caminho dos gigantes à Asgard; Niflheim é coberto de gelo e névoa. A jornada pela Yggdrasil começa pelos primeiros mundos, pela liga mais baixa. *Obs.: Como não é possível disputar pelas duas regiões (norte e sul), os dois primeiros mundos coexistem em uma só liga, tal qual coexistem na mitologia.
      Chegar em Helheim (Acesso Direto) é complicado e muito pouco se sabe sobre esse mundo. Diz-se que para chegar em Helheim é necessário percorrer a Gjallarbrú, uma ponte coberta de ouro. Passar por Helheim representa o acesso direto de uma liga, sem passar pelos playoffs, encontrando o caminho de ouro. *Obs.: Este objetivo pode ser realizado em qualquer uma das 5 divisões que oferecem acesso.
      No segundo nível está Alfheim (Narional League). Na Edda de Prosa Gylfaginning, Alfheim, o mundo dos elfos, é descrito como o primeiro de uma série de mundos no céu. Assim, o próximo passo rumo ao céu é explorar a 5ª divisão inglesa.
      Após a terra dos elfos fica Nidavellir (League Two), a terra dos anões, que fica nos subterrâneos de Midgard. Chegar em Nidavellir representa estar a um passo da terra dos homens, representa chegar na League Two, a 4ª divisão.
      Passando pelo lar dos anões e subindo pela Yggdrasil, chegamos em Midgard (League One), a terra dos homens, o solo comum, onde se planta, colhe, briga e bebe. Além disso, “Mid” significa “meio”, que é a posição da League One, a 3ª divisão, na escalada das ligas inglesas.
      Após passar pela terra dos homens, é preciso passar por Jotumheim (Championship), a terra dos gigantes. Na Championship moram alguns gigantes do futebol inglês que, contudo, há muito não conseguem entrar em Asgard, como o Preston North End e o Nottingham Forrest.
      Antes de chegar no reino dos Aesir, é hora de chegar nos Vanir, em Vanaheim (Premier League). Um dos dois clãs de Deueses, os Vanir são rivais dos Aesir, os deuses asgardianos. Todos os clubes que chegam na Premier League são deuses apenas de estarem lá, porém apenas uma parcela destes chega a Asgard, onde ficam os deuses mais venerados e conhecidos. Chegar à Premier League é se juntar ao primeiro clã de Deuses, mas com a expectativa de chegar em Asgard.
      Por fim, no topo da Yggdrasil do futebol inglês, o lar de Odin, Thor, Balder, Tyr e outros. Enfim chegamos em Asgard (Ganhar a Premier League). É em Asgard que fica Valhalla, o grande salão onde os bravos guerreiros nórdicos são recebidos por Odin, festejam e se esbaldam em um banquete que durará até a chegada do Ragnarok. Chegar em Asgard é chegar aonde estão os Deuses, ou seja, os campeões. Significa ganhar a Premier League.
       

      A mitologia nórdica é repleta de seres lendários, cujos feitos (ou atrocidades) eram contados de geração para geração. Destaquei seis dessas figuras para serem grandes rivais: Fafnir, Odin, Thor e os três filhos de Loki com a gigante Angrboða. É necessário força e perseverança para ultrapassar esses seres lendários.
      Fafnir era um anão que matou seu pai em busca de tesouro, transformando-se em um dragão para proteger suas posses. Fafnir representa um clube pequeno que através do dinheiro se engrandeceu, o Manchester City.
      Odin é o pai de todos, o maior dos Deuses. O maior de todos é o que mais vezes conquistou o campeonato inglês e que tem a maior torcida, o Manchester United.
      Thor é o mais forte dos Deuses. Pode não ser o maior deles, ou talvez o mais venerado, mas é o mais temido. Com seis títulos da UCL, o Liverpool é o time inglês mais temido.
      De acordo com a mitologia nórdica, Loki teve diversos filhos (inclusive um cavalo de 8 patas, cuja história de sua concepção é sensacional), mas entre eles, três se destacam, seus filhos com a gigante Angrboða: Fenrir, Jörmungandr e Hela. Os três londrinos:
      Fenrir é um lobo gigante feroz e terrivelmente forte. Porém, Fenrir foi preso através do Gleipnir, um cordão feito pelos anões especialmente para este fim. Muito temido quando está solto, mas inofensivo quando é preso, o clube londrino que parece estar atado a algo e não consegue se desvencilhar é o Arsenal.
      Jörmungandr é a serpente que circula o mundo e ali vive ali desde que Odin a baniu de Asgard e a enviou para Midgard, há muito tempo. Como o clube do “big-six” que não vai à Asgard (que não é campeão da Premier League) há mais tempo, o Tottenham é o Jörmungandr do futebol inglês
      Hela foi banida por Odin para o mundo inferior, que recebeu seu nome (Helheim, aquele cujo único acesso é através de uma única ponte). O Chelsea foi o último dos filhos de Loki a ser rebaixado e conquistar o acesso direto por Helheim, na temporada 1988/89.
      Para derrotar um Deus ou um ser lendário não basta o vencer uma única vez. É necessário vencer várias batalhas para se vencer uma guerra. O objetivo, portanto, é segurar uma invencibilidade de 5 jogos contra cada um.
       

      Ragnarok pode ser traduzido para “destino dos deuses”, e é uma série de eventos que conduziriam ao fim do mundo. Alguns eventos são “profetizados” (por falta de palavra melhor) como sinais do Ragnarok e é aqui onde encontrei mais divergência entre fontes, então escolhi os que mais se adequariam a um save. Diferente das outras sagas, o objetivo aqui é não deixar que algo ocorra, no caso, o Ragnarok, evidentemente. Assim, para evitar o Ragnarok é preciso evitar que os sinais se concretizem. Na mitologia, até onde pude averiguar, há uma certa ordem para o acontecimento dos eventos, porém, para fins desse save, vamos dizer que o Ragnarok vem independente da ordem que seus sinais forem aparecendo.
      O primeiro sinal do Ragnarok é a morte de Balder, o Deus imortal. Para que esse sinal seja completo é preciso que o Viking Saga FC seja rebaixado, morrendo, de certa forma (claro que o rebaixamento não é a morte de um clube, mas o clube falir e ser refundado é meio difícil – senão impossível – de ocorrer no FM).
      Depois, vem o Fimbulvetr, o longo inverno, que dura por três anos consecutivos. Assim, o inverno será uma estagnação por 3 temporadas, ou seja, se estiver em uma divisão com condição de acesso (da 6ª à 2ª), significa ficar 3 anos sem alcançar a promoção, se estiver na Premier League, primeiramente o alvo é a vaga na UEL, depois para a UCL, então para o título. Ou seja, quando subir da 2ª para a 1ª divisão, começa a contar 3 anos para ter uma classificação para a Europa League, depois 3 anos para a Champions, e, então, 3 anos para o título, se chegar ao título sem ter causado o Fimbulvetr, o título deve ser renovado a cada 3 anos, pelo menos.
      Por fim, há o desaparecimento do sol e da lua. Esse foi mais complicado para adaptar à proposta desta saga, mas considero que o desaparecimento do sol e da lua é a demissão do treinador, deixando o clube na escuridão. Assim, a demissão não será necessariamente o fim do save, mas uma das condições para a chegada do Ragnarok.
      Se não conseguir evitar os três sinais, o Ragnarok acontece e traz consigo o fim do mundo, ou seja, o fim do save.
       

      A Bifrost é uma ponte que liga o reino dos homens ao reino dos Deuses. Para o save, representa a travessia dos jogadores nórdicos para a Inglaterra. Utilizar a Bifrost significa contratar pelo menos 4 jogadores de origem nórdica* por temporada (*Dinamarca, Finlândia, Groelândia, Ilhas Faroe, Islândia, Noruega e Suécia, e pode ser como 2º nacionalidade). Obs.: Para deixar claro, serão contabilizados eventuais jogadores trazidos para o time sub-19, inclusive aqueles eventualmente oriundos das fornadas do clube.
       

      Os Deuses nórdicos, como tais, tem muitos tesouros e artefatos valiosos, sendo presenteados frequentemente (geralmente como pedido de desculpa de Loki por ter feito alguma besteira). Alguns desses artefatos aparecem no conto “Tesouro dos Deuses”, do livro “Mitologia Nórdica” de Neil Gaiman. Além dos citados no conto, os Deuses têm outros tesouros valiosos (como a já citada Gleipnir para prender Fenrir). Cada artefato é único e de difícil acesso, abrangendo um aspecto do jogo.
      Brisingamen é o colar da deusa Freya, deusa da beleza e amor. Um artefato utilizado por uma deusa da beleza pode ser equiparado ao dinheiro, que seduz os jogadores. Adquirir o Brisingamen significa transformar o Viking Saga FC no clube mais rico do mundo.
      Draupnir é o anel de Odin que a cada 9 noites cria oito anéis de mesmo tamanho e peso que o original, multiplicando-se. Possuir um Draupnir é ter uma produção em massa de itens valiosos. Assim, para isto, é necessário ter 8 jogadores que vieram de fornadas no plantel principal, que iniciem ao menos 60% das partidas em uma temporada e conquistar um título expressivo. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Gleipnir é a corrente que conseguiu prender Fenrir. As correntes que “prendem” os jogadores nos clubes são seus contratos. Obter este artefato é ter o jogador mais bem pago do mundo. (Obs.: Não é permitido aumentar a proposta salarial oferecida pelo agente do jogador)
      Gungnir, a lança de Odin, que nunca erra o alvo, sempre volta à sua mão e torna os juramentos prestados inquebráveis. Significa acertar precisamente uma contratação e transformar um jogador contratado em ícone ou lenda do clube.
      Hugin e Munin, são os corvos de Odin, contam a ele tudo que ouvem e tudo que veem. São os olheiros do clube, claro. Hugin é ter a melhor equipe de observação da Premier League. Munin é ter conhecimento de 35% do mundo (se atingir muito cedo, aumentamos).
      Maçãs de Iduna. Iduna é a Deusa da Juventude. Ela carrega consigo uma cesta de maçãs que fazem com que os deuses permaneçam jovens. Quando um Deus começa a sentir o efeito do envelhecimento, uma mordida das maças de Iduna é o suficiente para recuperar a força e juventude. A renovação é necessária em todo clube de futebol. Comer dessas maçãs é ser campeão com o elenco mais jovem. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Mjolnir, o martelo de Thor é o mais famoso e desejado dos tesouros, aqueles que todos querem, mas apenas um tem. Representa ter um jogador reconhecido como o melhor jogador do mundo.
      Espero que apreciem essa viagem!
       
    • Danilo Dantas
      By Danilo Dantas
      Boa noite pessoal,
      Baixei o FM 20 versão gratuita na EPIC GAMES, porém, não consigo salvar o jogo localmente, apenas em nuvem.
       
      O problema de salvar em nuvem é que demora demais pra salvar e carregar e não grava automaticamente, ou seja, já aconteceu várias vezes do jogo fechar sozinho e perco meses de progresso.
       
      Alguem já passou por isso?
       
    • alberto_ijui
      By alberto_ijui
      Apresentação
      Como diz o nome da saga, "não temo ser demitido, só temo a morte", o único objetivo é durar o máximo possível. E para isso decidir começar no clube da minha cidade natal. 
       
      Clube
      São Luiz foi fundado em 20 de fevereiro de 1938 por Angelino Alves dos Santos. Localizado em Ijuí, Rio Grande do Sul. O São Luiz profissionalizou-se na década de 1950, quando passou a disputar a Segunda Divisão gaúcha.

      Jogo Histórico: São Luiz 0x0 Seleção Brasileira - Estádio Beira Rio, 1991.
       
      Estádio

      Justamente em uma baixada foi onde surgiu o futebol apresentado na região de Ijuí, o Estádio 19 de Outubro era antes o Estádio da Baixada, muito antes de existir o Esporte Clube São Luiz já existia o campo da baixada em meados 1916. Com o tempo o campinho da baixada configurou-se com o nome de Estádio 19 de Outubro em homenagem a data da fundação da cidade, após veio todo o cercamento e o surgimento do Esporte Clube São Luiz em 1938, também foi criada uma arquibancada de madeira que sempre lotava. Desta forma surgia então o verdadeiro mandante do Estádio 19 de Outubro, o Esporte Clube São Luiz. O terreno onde era localizado o Estádio da Baixada foi então doado pele prefeitura do município ao clube de Ijuí.
      O Estádio 19 de Outubro tem capacidade para 8.000 pessoas, sendo boa parte sentados, possui copas, vestiários, sala de imprensa, salas de transmissão de imprensa, alojamento de atletas e sede do clube. Mais fotos aqui e aqui.
       
      Titulos

       
      Ijuienses Famosos
      Paulo César Baier: atleta da base, era conhecido apenas como Paulo Cesar. Atuando pelo São Luiz de Ijuí, anunciou oficialmente sua aposentadoria no dia 5 de junho de 2016, após um empate em 0 a 0 contra a União Frederiquense, em jogo válido pela Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho. 
      Carlos Caetano Bledorn Verri, Dunga: O apelido Dunga foi dado por um dos seus tios, em referência a um dos Sete Anões, acreditando que Carlos não teria uma estatura maior. Nunca jogou pelo São Luiz.
      Uma curiosidade: o pai do dunga morava perto da escola que estudei, ele tinha um campinho de futebol 7 que depois das aulas que tínhamos á tarde, nos alugávamos para jogar. Mas pensa num cara chato. 
      Paulo Afonso Bonamigo: Nunca jogou pelo São Luiz.
       
       
       
      O futuro é incerto e o fim está sempre perto!
       
       
       
       
       
       
       
       
×
×
  • Create New...