Jump to content

Profissão: Técnico - Aguardando Avaliação


ggpofm
 Share

Recommended Posts

Três jogos ainda são muito pouco para analisar até onde o time pode ir, mas não foi um começo ruim e acho que conseguirá o objetivo de terminar entres os 10 primeiros sem muito dificuldade.

Sobre a tática, foi bem ousado, eu não acho que eu usaria um desenho destes. Mas parando pra pensar você conseguiu muito sucesso jogando no W-M, jogar com um volante e dois MAs deve ser fichinha.

E que legal queno SEV Hortolândia está na sua divisão, eles são daqui de perto, ficam numa cidade vizinha.

 

Link to comment
Share on other sites

Gostei da formação com dois extremos, um médio ofensivo e o construtor de jogo avançado. Esses dois devem ter um bom passe e boa técnica, correto? Você possui tais jogadores no elenco ou improvisou?

Link to comment
Share on other sites

Quando recusou o 4222 imaginei justamente essa arvore de natal de base baixa. Confesso que fico numa urticária de não usar as funções mais especializadas, pra mim é como irnuma churrascaria rodízio e só comer alcatra! Não que esteja errado. KISS.

KKKKK, ótima a diretoria! Olha só, se vc não conseguir ficar em último vc vai ser demitido!

No campeonato, se a IA ja deixa a desejar dirigindo o RM, imagina esses times da quinta divisão. Corre o risco de uns 4 acessos em sequência.

Link to comment
Share on other sites

4 hours ago, DiogoHernandes said:

Três jogos ainda são muito pouco para analisar até onde o time pode ir, mas não foi um começo ruim e acho que conseguirá o objetivo de terminar entres os 10 primeiros sem muito dificuldade.

Sobre a tática, foi bem ousado, eu não acho que eu usaria um desenho destes. Mas parando pra pensar você conseguiu muito sucesso jogando no W-M, jogar com um volante e dois MAs deve ser fichinha.

E que legal queno SEV Hortolândia está na sua divisão, eles são daqui de perto, ficam numa cidade vizinha.

 

Também acho é muito pouco, por isso nem coloquei a tabela de classificação. Eu também acho que dá para tentar algo por ali.

Eu fiquei preocupado com o fato de ter dois meias-atacantes e ninguém no meio, só na volância, mas achei que seria legal ver o time com os meias externos e tudo isso junto funcionando.

Aquele WM serviu para me mostrar que algo que parecia muito complicado, jogar com um zagueiro só dava fazer, então outras coisas também dão, falta acertar as tarefas, funções e os jogadores certos.

Essa 2ªB tá saindo melhor que a encomenda. Agora tem o SEV, de Hortolândia. Esse pelo menos não está licenciado.

 

4 hours ago, LC said:

Gostei da formação com dois extremos, um médio ofensivo e o construtor de jogo avançado. Esses dois devem ter um bom passe e boa técnica, correto? Você possui tais jogadores no elenco ou improvisou?

Quando jogo em equipes muitos ruins não penso nisso porque senão eu não monto o time para jogar. No caso deles eu não olhei. Fui na sugestão de funções para eles e na ideia que queria um jogador que chegasse à frente para ajudar o centroavante e outro que recuasse para partes mais profundas do gramado.

 

2 hours ago, Andreh68 said:

Quando recusou o 4222 imaginei justamente essa arvore de natal de base baixa. Confesso que fico numa urticária de não usar as funções mais especializadas, pra mim é como irnuma churrascaria rodízio e só comer alcatra! Não que esteja errado. KISS.

KKKKK, ótima a diretoria! Olha só, se vc não conseguir ficar em último vc vai ser demitido!

No campeonato, se a IA ja deixa a desejar dirigindo o RM, imagina esses times da quinta divisão. Corre o risco de uns 4 acessos em sequência.

Só comer alcatra na churrascaria é ruim. A primeira vez que ouvir falar em KISS foi lá pelo FM05 ou 06, não me lembro. São abordagens, né? Não sei você, mas o importante é conseguir extrair o melhor dos jogadores e saber o que está fazendo. Tem algumas funções que eu gostaria de usar durante o save, espero ter essa oportunidade.

Só faltava essa. Ia ser engraçado.

Esse é o perigo. Você jogar em divisões muitos baixas subir direto e achar que está jogando muito. Estou usando um mod de inteligência artificial para tornar os técnicos mais inteligentes, vamos ver se isso funciona porque jogar no Brasil sempre foi complicado por certas facilidades que encontramos aqui.

Link to comment
Share on other sites

A tática é bem curiosa e estou curioso para vê-la em funcionamento, pois é bem inspiradora para eu tentar aplicar algumas coisas no Bairro, pela ausência de meias-centrais que o meu elenco também tem. 

Também me surpreende ver o Atlético Sorocaba ali, pois pra mim eles estavam no máximo na segunda divisão do Campeonato Paulista. 

No Jaboticabal, bom início, trabalhar sem pressão nesse primeiro momento pode ser importante para fazer os ajustes necessários na tática e tudo mais. Vamos ver o que acontece e ver se o time pode pensar em um importante acesso pra sair do limbo das divisões estaduais o mais rápido possível.

Link to comment
Share on other sites

1 hora atrás, ggpofm disse:

Esse é o perigo. Você jogar em divisões muitos baixas subir direto e achar que está jogando muito. Estou usando um mod de inteligência artificial para tornar os técnicos mais inteligentes, vamos ver se isso funciona porque jogar no Brasil sempre foi complicado por certas facilidades que encontramos aqui.

Fiquei curioso nisso ai. Fiquei triste com os caminhos que o Mundi UP tomou, nem sabia que tinha isso. Curioso em ver se funciona. E depois por que funciona...

Link to comment
Share on other sites

2 minutes ago, Andreh68 said:

Fiquei curioso nisso ai. Fiquei triste com os caminhos que o Mundi UP tomou, nem sabia que tinha isso. Curioso em ver se funciona. E depois por que funciona...

Triste com o quê? Não entendi.

Link to comment
Share on other sites

saírem do forum, virar empresa, fora uns detalhes tipo mexer nos atributos dos jogadores...

Link to comment
Share on other sites

1 minute ago, Andreh68 said:

saírem do forum, virar empresa, fora uns detalhes tipo mexer nos atributos dos jogadores...

Ah tá, mas a coisa é menor do que parece em vários sentidos.

1 hour ago, brlgon said:

A tática é bem curiosa e estou curioso para vê-la em funcionamento, pois é bem inspiradora para eu tentar aplicar algumas coisas no Bairro, pela ausência de meias-centrais que o meu elenco também tem. 

Também me surpreende ver o Atlético Sorocaba ali, pois pra mim eles estavam no máximo na segunda divisão do Campeonato Paulista. 

No Jaboticabal, bom início, trabalhar sem pressão nesse primeiro momento pode ser importante para fazer os ajustes necessários na tática e tudo mais. Vamos ver o que acontece e ver se o time pode pensar em um importante acesso pra sair do limbo das divisões estaduais o mais rápido possível.

Às vezes o que parece dar errado só dá porque não tentamos ou porque os jogadores são inadequados. Vale a pena arriscar.

O Atlético Sorocaba é outro clube licenciado. Como o clube tinha ligação com a seita do reverendo Moon e ele morreu em 2012, a coisa começou a desandar.

Trabalhar sem pressão é bom por isso mesmo, mas ficaria desgostoso se eu conseguisse o acesso agora. Não faz muito sentido.

Link to comment
Share on other sites

Eu queria dizer que não li ainda porque sou preguiçoso mas essa quero ler com atenção. Já está favoritada faz 3 dias.

Link to comment
Share on other sites

13 hours ago, Lowko é Powko said:

Eu queria dizer que não li ainda porque sou preguiçoso mas essa quero ler com atenção. Já está favoritada faz 3 dias.

Obrigado pelo atenção que deseja dar ao save, Lowko. Muito legal você estar por aqui. Mas se demorar demais vai ter muita coisa para ler.😄

Link to comment
Share on other sites

Bom começo, GG. 

Essas divisões inferiores não se pode inventar muito mesmo não, sua tática foi muito bem colocada, principalmente com o antecipar cruzamentos, sempre pega alguma zagueiros de baixa qualidade. 

Acho que o Jaboticabal pode ir além da 10° posição, Sebastião tem um time equilibrado em mãos. Vamos aguardar o futuro e ver o que será hahaha 

Boa sorte no decorrer do ano.

Link to comment
Share on other sites

ACtC-3fjCv-Bzv_-_YUeSI0W-lOFA_kAt9nI6tIQ

 

Temporada 2020: Estavam com a bexiga lixa

Contratar para vencer: fator desequilibrante

Eu jogo FM desde 2004 quando ele foi lançado. Já acompanhei muito mais saves do que joguei, mas também joguei bastante.

Contratar jogadores é muito divertido. E quando se consegue contratar um nome famoso, ou em baixa, ou um jogador desconhecido e ele joga bem, a sensação é gratificante. Já fiz isso muitas vezes. Entretanto, os anos jogando e acompanhando saves me deram a certeza de que contratar jogadores desequilibra o jogo para o lado do treinador humano e isso ocorre porque somos muito melhores do que a Inteligência Artificial do FM para contratar. Mesmo com menos dinheiro. Ou até sem dinheiro. 

Contratar jogadores talvez seja a estratégia mais utilizada por treinadores humanos no FM para elevar o nível de uma equipe, mesmo quando não percebam isso. Táticas, treinos, finanças, relacionamento com a imprensa, dinâmica do elenco, formação da comissão técnica, tudo isso é importante, mas nada parece ter um impacto tão grande para melhorar o desempenho de uma equipe como as contratações. E aqui é preciso elogiar os que encaram o Youth Challenge. Não é à toa que é difícil. Não há atalhos a serem tomados. Só o crescimento lento e gradual dos jogadores surgidos em seu próprio clube pode levá-los à glória.

Diferentemente do Youth Challenge, ao adotar a estratégia de contratar jogadores a cada janela de transferências, espera-se, em contrapartida, que a equipe melhore o desempenho esportivo. Mesmo quando a ideia de contratar é para diversificar ou mudar o estilo de jogo, o objetivo final é o de melhorar o desempenho em campo, ou seja, ganhar partidas, melhorar a posição na tabela de classificação, avançar fases em copas, enfim, ganhar títulos. Refletir sobre a relevância e o impacto das contratações pode ser essencial para aqueles que estão de alguma forma insatisfeitos com o FM, sejam novatos ou veteranos de jogo.

Elenco e transferências: Excedentes?

Eu não toquei no assunto de forma clara até agora, mas Sebastião Oliveira está totalmente alheio às contratações do clube. Ele não indica jogadores, ele não decide quem e quantos devem ser contratados, ele não pede renovações contratuais. Essa é a realidade do início de carreira dele. Quem gerencia tudo isso é o diretor de futebol, Zezinho Botafogo.

E por falar nele, desde sua chegada o Jaboticabal Atlético parece que esqueceu o limite da folha salarial e está contratando vários jogadores. Foram três em fevereiro e outros três em março. No momento, o teto da folha salarial já foi ultrapassado em quase 21 mil reais mensais. Isso não vai dar certo.

ACtC-3dsEBRgPtRl1sqXT9wtw6waKxuWI-vMzgC7

Das contratações, algumas foram bem-vindas porque reforçaram posições carentes, tais como Ivan (lateral direito) e Lucas Ybom e Marco Antônio (zagueiros). Já a contratação de Thiago Heleno (meia externo esquerdo) pareceu excedente já que existem Igor e Rubenilson para a posição. Outras contratações que parecem desnecessárias são para meia externo direito. A equipe tem o jovem Adolpho (19D), 17 anos, uma das três melhores médias do elenco, mas contratou outros dois jogadores para a posição, Matheus e Palito. Bastava um, mas tentando compreender o diretor de futebol, ele deve achar que por ter contrato de formação não entra na conta do elenco principal e por isso a necessidade dos dois jogadores.

Estatísticas: Só três acima de 7

O destaque de todo elenco é o atacante Wellington. Ele já havia se destacado nos amistosos e desde a primeira partida mostrou que funcionaria com a função escolhida para ele, Ponta-de-Lança Fixo (ataca). No momento é o 3º artilheiro do campeonato.

ACtC-3di3Kv51a5VVcauhS8uw9E4wZZx5xqlIsUT
ACtC-3fV9s7CjHsg9jD52MpzSONHe7sxTt7kzrfC

Outro destaque é o zagueiro Marcelino, que foi qualificado ao lado de Igor, como os dois melhores do elenco. É o jogador que mais interceptações fez no campeonato, o 3º com mais cabeceamentos decisivos e o 5º com mais desarmes decisivos.

Quem também tem média superior a 7, é o jovem Adolpho (19D). Com apenas 17 anos, ele é juntamente com outros três jogadores o que mais criou oportunidades no campeonato, nove. Infelizmente, só três se tornaram assistências.

ACtC-3dk5rGWC5EzFtU1TMrE8mJ1r058DVZDjBAJ

Dos jogadores que chegaram recentemente,  nenhum foi avaliado com mais de duas estrelas e meia. com exceção do zagueiro Lucas Ybom e o lateral direito Ivan, os outros ainda não contribuíram muito para a equipe.

Campeonato Paulista - 2ªB: Viés de queda que não assusta

No momento, o Jaboticabal Atlético está na 9º colocação, uma colocação que não é ruim e está um pouco acima do que Sebastião Oliveira esperava atingir. Por três rodadas o time esteve em 4º lugar, quando venceu o Radium (2ª rodada), o União São João (5ª rodada) e o Catanduva (7ª rodada), mas durou só uma rodada.

ACtC-3eF0n7iVGiwPeKerpkS7_Rq7Go7iWQrcBJa

Pelas últimas quatro rodadas sem vitória pode parecer que o Atlético está em um viés de queda, mas não acho que esteja. O problema foi que os adversários recentemente enfrentados, Diadema (3º lugar), ECUS (4º lugar) e Fernandópolis (6º lugar), são fortes e mesmo tendo feito duas partidas equilibradas contra o Diadema (4-1-4-1) e o Fernandópolis (4-1-4-1), o Jotão foi derrotado.

ACtC-3crqS3pPoreG3mZcQybxNocxICwjrteNgqW

E fazer partidas equilibradas importa bastante para Tião Oliveira em uma análise sobre o modelo de jogo utilizado. Das 11 partidas jogadas em apenas três partidas considero que o Atlético foi superado em campo pelo adversário. Contra o União São João (4-2-2-2), Atlético Sorocaba (3-4-3) e ECUS (4-1-4-1). Fora de Casa, o União São João pressionou, arrematou muito, mas errou muito também e perdeu por  2 a 1. Em casa, o Atlético Sorocaba, o time do reverendo Moon, atropelou no 1º tempo e fez 4 a 1. Parecia que estavam com o diabo no corpo, ou seja "estavam com a bexiga lixa". No 2º tempo, o Jaboticabal diminuiu para 4 a 3. Contra o ECUS, o problema foi a precisão do adversário, que marcou três gols no 1º tempo e acabou com o Atlético.

ACtC-3dRZOmWUL5XzsOOIdfYrRYkMj1AC8r2Q6sz

Nas demais partidas jogadas até agora, houve equilíbrio contra o Presidente Prudente (4-2-3-1), Catanduva (4-2-3-1), Cotia (4-1-4-1), Diadema (4-1-4-1) e Fernandópolis (4-1-4-1), mas nessas partidas, o Jaboticabal conquistou cinco de 15 pontos disputados.

Mas há que lamentar partidas onde o Jaboticabal foi superior e não saiu com os três pontos, como nas partidas contra o SEV (4-1-4-1) e o Sumaré (4-2-3-1 MD), onde quatro pontos ficaram em campo e o Jaboticabal ficou só com dois nessas partidas.

ACtC-3fKgatL5jHtmPLR3B2cPWQW7dBq47bUDYW2

Nas últimas três rodadas, o Jaboticabal Atlético enfrentará o Ilha Solteira (11º), Palmeirinha (5º) e Paulínia (12º). ACtC-3diOwF03c1QtV0e7CoBywtQg9b01W6HgBa8LXMY5-Rum3ujonaLyF72siF6y059E1xGWGXHcPABbJWkPFIHQbZhXV_uQT0iAUYcXSVgFdDrcnosrX5ITy9fehjIsJopRQEkIdI_U20rXgfC67NKbt7c9w=s15-no?authuser=0

 

Link to comment
Share on other sites

Gostei da contratação do Pedro Riello e achei que ele seria um jogador interessante pro nivel do campeonato, mas acabou que isso não se concretizou, e a surpresa fica pelo jogador de 17 anos, que tem um grande potencial  para surpreender e crescer na equipe. Embora seja o diretor contratando, achei que seria pior e mais enxuto do que foi o que chega a dar uma animada. O time vem se comportando bem no campeonato dentro das suas limitações, tu acha que tem espaço para ir a proxima fase ja na proxima temporada?

Link to comment
Share on other sites

Fiquei surpreso com a atividade de seu diretor no mercado, parecia um treinador humano, exceto pela perícia, ainda eu tenha atendido, em boa parte delas, a necessidade da equipe. 

Link to comment
Share on other sites

Bom retorno, Gilson!

Você já vem comentando há alguns anos sobre essa questão das contratações influenciarem diretamente no sucesso alcançado no FM. Se não me falha a memória - e ela costuma falhar -, em saves anteriores, como na Turquia e no Cádiz, você começou dessa forma e depois passou a ter um pouco mais de liberdade, sugerindo nomes para o diretor de futebol, por exemplo. Na primeira postagem você disse que durante o save pode adquirir algumas responsabilidades de manager e isso me deixou curioso para saber até que ponto você se manterá afastado da montagem do elenco. Mas prefiro que você não dê spoilers, até porque talvez isso ainda não esteja totalmente definido no seu pensamento sobre o save e será mais interessante ir descobrindo junto com você.

Uma questão que achei bem interessante nesse início de save e que deve seguir com o andamento dele, é a criação de táticas. Por não contratar, terá que usar a criatividade em muitos momentos para conseguir tirar o máximo possível dos jogadores, tanto individual quanto coletivamente. Você já havia utilizado esse desenho tático em versões não tão antigas do jogo? E precisou fazer alguns ajustes na tática após as primeiras partidas ou o que você pensou no momento da criação - e compartilhou com a gente na atualização - está se mostrando eficaz dentro de campo?

Os resultados foram bons no início, mas na última atualização o Jotão encarou uma sequência de quatro partidas sem vencer, com três derrotas consecutivas. Porém, parece que o treinador Tião está satisfeito com as apresentações da equipe, conseguindo equilibrar partidas contra equipes mais fortes. A luta nessa reta final deve ser para alcançar as metas do treinador, pois as expectativas da direção já foram superadas. Falando nisso, você pretende sempre que possível escolher expectativas mais altas para aumentar as possibilidades de demissão em casos de "fracassos"?

Quanto ao FM 2020, principalmente dentro de campo, o que você está achando até o momento? 

Link to comment
Share on other sites

Bem legal a ideia cara, eu sou do interior de SP e conheço bem as dificuldades do futebol paulista, coisa é feia hehehe.

 

Nesse momento estou também em um save, com o time da minha cidade natal, Ilha Solteira, subi pra 2ª divisão em 2020 mesmo, mas agora já estou em 2023 e sigo na mesma, subi em 2021 para a regional, com a ajuda de uma boa fornada de jovens onde dei sorte, qnd montar um time razoável, dá pra subir no paulista, mas tô tendo dificuldades, a diferença é grande quando sobe. Outra coisa são as finanças, acostume-se a ficar 2, 3 milhões negativo porque vai acontecer, boa sorte pro resto do sabe e vou acompanhar bem aqui!

Link to comment
Share on other sites

Concordo que o olhar do treinador humano é muito melhor, mas as contratações fazem parte do jogo. Eu mesmo tenho uma lista de jovens jogadores que observo ou sempre peço um relatório desses jovens a cada 6 meses. É uma forma de acompanhar e ver se encaixa na proposta do clube.Quando treinamos um clube no FM temos alguns objetivos raiz, como cuidar bem das finanças, contratações, etc. Na minha opinião o que desequilibra é não dar tempo suficiente para que a equipe encontre uma evolução. Contratar 10,15 jogadores numa pancada só e sem dar chance para que aquele jogador mediano consiga evoluir. Quando jogo no modo carreira a evolução do clube fica em termos de importância, 50/50%. Quando jogo no modo Clube a evolução, tanto do clube, como dos jogadores se torna 80%. Vou usar o save com o York como exemplo: 70% dos jogadores da primeira temporada continuam na equipe e quando contratei foram 1 na primeira temporada, Connor Stanley e agora 3. Foram 4 jogadores pontuais em 3 temporadas, sendo que 3 foram jogadores livres. Eu acredito que assim seja a melhor forma de evoluir uma equipe, mas é a minha opinião e como sempre falo nós que jogamos Managers a mais de 10 anos sabemos os caminhos das pedras e impor certos limites é a melhor forma de nos divertirmos com o FM.

Link to comment
Share on other sites

Vejam só, o União São João de Araras, pra quem tem mais de 30, eh impossível não lembrar deles, o time que sempre ocupava as últimas posições da 1ª divisão do brasileirão na primeira metade dos anos 90, com seus uniformes verdes e tudo mais.

Mas bom, a pauta é Jaboticabal. Mesmo vc não tendo falado de forma clara sobre essa política de contratações, pra mim estava meio claro que as coisas seriam assim, com Tião focado nas 4 linhas e Zezinho "time da capital", kkk, mandando ver nos contratos. Achei bem legal sua reflexão sobre contratações, tanto que li 2x pra ver se vc só estava querendo divagar sobre ou se existia algum Easter Egg perdido, hehe. Daria um fácil um prefácio (olha a rima) em qualquer atualização minha, e de mais da metade dos escritores, nas épocas de janela de transferências. Num próximo post poderia discorrer mais sobre o assunto.

Qt ao time, eu vejo um Jabota bem serelepe na competição, jogando sem muito medo de tomar gols (e tomando) e anotando seus tentos. Achei que a dificuldade em marcar seria maior, visto que ando percebendo que essa é uma pedra chave no início dos Saves em qualquer versão do FM, vide meu Save e o de Johann, por exemplo. Tb percebi que o "X" da questão em marcar gols passa pelos homens de criação. Olhando os números vejo que dos 14 gols, 10 tiveram assistências de algum indivíduo. Em jogo, como andam as chances criadas? Nos prints que vc colocou em alguns jogos vcs vão melhor do que os adversários em outros são meio nulos.

Esse nono lugar me diz que vc está mais longe do que perto de seu objetivo pessoal.

Link to comment
Share on other sites

O campeonato parece ser bem bipolar, os 4 primeiros jogam um campeonato a parte e disputam entre si as posições ali. Pra um começo de trabalho, vem conquistando resultados positivos e está acima da expectativa inicial. É curioso mas bacana ver que mesmo sem interação direta, o Zezinho (e a IA do jogo) respeita o que você montou pro time e tenta reforçar pensando nisso. Curioso também ver que nem o jogo consegue se segurar financeiramente muitas vezes.

Link to comment
Share on other sites

  • Vice-President

A equipe começou mal, se recuperou, mas nessa nova perna acabou demonstrando que a recuperação anterior foi apenas momentânea e que a irregularidade seria a marca da equipe. Os 4 pontos que você mencionou que ficaram para trás, deixariam a equipe em condições melhores nessas três últimas rodadas, já que o Jaboticabal irá apenas cumprir tabela.

E interessante notar a ausência de estratégia do Diretor de Futebol, lugar comum no futebol brasileiro.

Link to comment
Share on other sites

O Jaboticabal não faz um campeonato dos melhores, mas as coisas ainda podem mudar. Geralmente eu sou do tipo de treinador que contra bastante, especialmente para a base. Como eu costumo jogar com times de menos poderio financeiro eu busco lucrar com essas contratações, mas sem esquecer do staff, dos jogadores produzidos no clube e da sinergia dos jogadores que já atuam juntos há muito tempo. Sempre tem que haver equilíbrio, mas também é bom aproveitar as melhores oportunidades que o mercado oferece.

Link to comment
Share on other sites

6 hours ago, ElPeroMG said:

Bom começo, GG. 

Essas divisões inferiores não se pode inventar muito mesmo não, sua tática foi muito bem colocada, principalmente com o antecipar cruzamentos, sempre pega alguma zagueiros de baixa qualidade. 

Acho que o Jaboticabal pode ir além da 10° posição, Sebastião tem um time equilibrado em mãos. Vamos aguardar o futuro e ver o que será hahaha 

Boa sorte no decorrer do ano.

Valeu, Pero.

Eu não invento por princípio mesmo, mas espero no decorrer do save, brincar que elas, tenho muitas funções que gostaria de ver em campo e que nunca usei. Por isso optei deixar o Tião livre para experimentar. 

Tem isso que você disse, cruzamento antecipado sempre pode pegar um erro da defesa adversária, sem contar a ideia do nosso jogador estar menos avançado no campo adversário.

Eu também bem feliz como as coisas estão indo, principalmente pelo o que eu vejo e infelizmente, vocês não.

 

5 hours ago, Valismaalane said:

Gostei da contratação do Pedro Riello e achei que ele seria um jogador interessante pro nivel do campeonato, mas acabou que isso não se concretizou, e a surpresa fica pelo jogador de 17 anos, que tem um grande potencial  para surpreender e crescer na equipe. Embora seja o diretor contratando, achei que seria pior e mais enxuto do que foi o que chega a dar uma animada. O time vem se comportando bem no campeonato dentro das suas limitações, tu acha que tem espaço para ir a proxima fase ja na proxima temporada?

Também achei, mas ele ainda tá devendo.

A surpresa é o Adolpho. Estou botando fé nele para o restante da temporada.

O diretor tá gastando no quesito salarial. Várias contratações sendo negociadas simultaneamente.

Não há espaço para ir para a fase seguinte. O negócio é voltar a ganhar nas últimas rodadas e terminar bem colocado. Só isso.

 

5 hours ago, Jirimias said:

Fiquei surpreso com a atividade de seu diretor no mercado, parecia um treinador humano, exceto pela perícia, ainda eu tenha atendido, em boa parte delas, a necessidade da equipe. 

Tentando entender o DdF ele até está contratando bem, mas eu ainda acho que ele poderia ter investido em outras posições, em vez dos meias-externos. Mas tá valendo, a graça é essa.

 

3 hours ago, guigasparotto said:

Bom retorno, Gilson!

Você já vem comentando há alguns anos sobre essa questão das contratações influenciarem diretamente no sucesso alcançado no FM. Se não me falha a memória - e ela costuma falhar -, em saves anteriores, como na Turquia e no Cádiz, você começou dessa forma e depois passou a ter um pouco mais de liberdade, sugerindo nomes para o diretor de futebol, por exemplo. Na primeira postagem você disse que durante o save pode adquirir algumas responsabilidades de manager e isso me deixou curioso para saber até que ponto você se manterá afastado da montagem do elenco. Mas prefiro que você não dê spoilers, até porque talvez isso ainda não esteja totalmente definido no seu pensamento sobre o save e será mais interessante ir descobrindo junto com você.

Uma questão que achei bem interessante nesse início de save e que deve seguir com o andamento dele, é a criação de táticas. Por não contratar, terá que usar a criatividade em muitos momentos para conseguir tirar o máximo possível dos jogadores, tanto individual quanto coletivamente. Você já havia utilizado esse desenho tático em versões não tão antigas do jogo? E precisou fazer alguns ajustes na tática após as primeiras partidas ou o que você pensou no momento da criação - e compartilhou com a gente na atualização - está se mostrando eficaz dentro de campo?

Os resultados foram bons no início, mas na última atualização o Jotão encarou uma sequência de quatro partidas sem vencer, com três derrotas consecutivas. Porém, parece que o treinador Tião está satisfeito com as apresentações da equipe, conseguindo equilibrar partidas contra equipes mais fortes. A luta nessa reta final deve ser para alcançar as metas do treinador, pois as expectativas da direção já foram superadas. Falando nisso, você pretende sempre que possível escolher expectativas mais altas para aumentar as possibilidades de demissão em casos de "fracassos"?

Quanto ao FM 2020, principalmente dentro de campo, o que você está achando até o momento? 

Olha aí, @Jirimias Só foi solicitar a presença dele que ele apareceu.

Obrigado, gasparotto. E aí, dá para voltar?

Com o Cádiz, eu não usei o DdF até poque tinha que implantar o W-M.  Eu não vou contar como você pediu, mas já tenho ideias a respeito, diferentemente de outras coisas do save que estou definindo o que fazer enquanto o save rola. 

O Tião tem fazer cursos, tirar suas licenças e melhorar de reputação para conseguir ter influência com a direção. A partir daí, ele pode se envolver mais nessa questão de contratações, mas dependendo do clube. A ideia de manager que controla tudo, até na Inglaterra já não é mais assim há anos, mas tem variedades de clube para clube. Vamos ver como isso pode ser. Por enquanto, do jeito que está, tenho pouco a me preocupar além do campo. Estou achando interessante, mas daqui a pouco, vou me estressar.😄

Eu pensei em ter um estilo e levá-lo durante todo o save, mas decidi que o melhor seria me virar com o que eu tenho. Isso só pode me ajudar, não vejo como não ajudaria. Dessa forma posso inventar e fracassar ou conseguir sucesso.

Essa tática eu nunca usei, ainda mais com um volante com tarefa apoio. Geralmente, com um volante uso tarefa defender. Já usei dois meias atacantes. Mas nessa configuração, não.

Durante as partidas eu já mexi em algumas coisas, na mentalidade sempre mexo durante as partidas, mas fiz outras alterações durante ela, mas são pequena e deixei para falar no último post da 2ªB, mas não mudei nada ainda em definitivo. Não porque tudo que escolhi é ótimo, mas porque preciso de tempo para ver como o time joga e como os jogadores são. 

Para tentar colocar pressão no trabalho eu quero sempre colocar a expectativa mais alta que tive, mesmo que isso cause insatisfação posterior na direção, torcedores, jogadores. Acho que se eu tiver essa opção de escolher, ela faz todo sentido para o save. Você sabe, como eu, que as expectativas baixas são a nossa salva-guarda para manter o emprego e ir elevando o nível da equipe com baixo risco de demissão.

Eu sempre leio o que escrevem e é verdade que existem versões com erros irritantes, mas eu tento não ficar focado nisso e reclamando. Por enquanto sinto falta de jogadas de infiltração pelo meio, mas não sei se é problema do jogo ou dos meus jogadores. 

3 hours ago, gerlin said:

Bem legal a ideia cara, eu sou do interior de SP e conheço bem as dificuldades do futebol paulista, coisa é feia hehehe.

 

Nesse momento estou também em um save, com o time da minha cidade natal, Ilha Solteira, subi pra 2ª divisão em 2020 mesmo, mas agora já estou em 2023 e sigo na mesma, subi em 2021 para a regional, com a ajuda de uma boa fornada de jovens onde dei sorte, qnd montar um time razoável, dá pra subir no paulista, mas tô tendo dificuldades, a diferença é grande quando sobe. Outra coisa são as finanças, acostume-se a ficar 2, 3 milhões negativo porque vai acontecer, boa sorte pro resto do sabe e vou acompanhar bem aqui!

Você sabe, então.

Legal que esteja tendo dificuldades para levar o Ilha Solteira adiante, mas acredito que seja mais prazeroso porque fica mais realista do que subir divisões consecutivamente. Legal que depois de subir rápido para a 2ª, esteja lá ainda e que depois de ter conseguido a Regional ainda anda por lá. Sinal que há desafio no seu save para você.

A lógica é perder dinheiro mesmo, né? Quem vai ter que resolver isso é a direção. Não quero nem saber.😄

Quem sabe o Tião não aparece no Norusca ou no Ilha Solteira? Valeu pela força.

 

3 hours ago, LC said:

Concordo que o olhar do treinador humano é muito melhor, mas as contratações fazem parte do jogo. Eu mesmo tenho uma lista de jovens jogadores que observo ou sempre peço um relatório desses jovens a cada 6 meses. É uma forma de acompanhar e ver se encaixa na proposta do clube.Quando treinamos um clube no FM temos alguns objetivos raiz, como cuidar bem das finanças, contratações, etc. Na minha opinião o que desequilibra é não dar tempo suficiente para que a equipe encontre uma evolução. Contratar 10,15 jogadores numa pancada só e sem dar chance para que aquele jogador mediano consiga evoluir. Quando jogo no modo carreira a evolução do clube fica em termos de importância, 50/50%. Quando jogo no modo Clube a evolução, tanto do clube, como dos jogadores se torna 80%. Vou usar o save com o York como exemplo: 70% dos jogadores da primeira temporada continuam na equipe e quando contratei foram 1 na primeira temporada, Connor Stanley e agora 3. Foram 4 jogadores pontuais em 3 temporadas, sendo que 3 foram jogadores livres. Eu acredito que assim seja a melhor forma de evoluir uma equipe, mas é a minha opinião e como sempre falo nós que jogamos Managers a mais de 10 anos sabemos os caminhos das pedras e impor certos limites é a melhor forma de nos divertirmos com o FM.

Sim e como as contratações fazem parte. contratar muito ou não, depende de cada um, não é mesmo? 

Você tem razão, muitas vezes sequer damos tempo para conhecer os jogadores, avaliamos pelas estrelas, atributos, relatório e pronto, serve ou não serve. Legal o que você tem feito com o seu York. Tenho certeza que se você quisesse existiriam vários jogadores livre para contratar. 

O importe é encontrar o que lhe move e não compreender a dinâmica do jogo. Aí, o caminho a ser escolhido depende de cada um.😉

 

2 hours ago, Bega Gomes said:

Vejam só, o União São João de Araras, pra quem tem mais de 30, eh impossível não lembrar deles, o time que sempre ocupava as últimas posições da 1ª divisão do brasileirão na primeira metade dos anos 90, com seus uniformes verdes e tudo mais.

Mas bom, a pauta é Jaboticabal. Mesmo vc não tendo falado de forma clara sobre essa política de contratações, pra mim estava meio claro que as coisas seriam assim, com Tião focado nas 4 linhas e Zezinho "time da capital", kkk, mandando ver nos contratos. Achei bem legal sua reflexão sobre contratações, tanto que li 2x pra ver se vc só estava querendo divagar sobre ou se existia algum Easter Egg perdido, hehe. Daria um fácil um prefácio (olha a rima) em qualquer atualização minha, e de mais da metade dos escritores, nas épocas de janela de transferências. Num próximo post poderia discorrer mais sobre o assunto.

Qt ao time, eu vejo um Jabota bem serelepe na competição, jogando sem muito medo de tomar gols (e tomando) e anotando seus tentos. Achei que a dificuldade em marcar seria maior, visto que ando percebendo que essa é uma pedra chave no início dos Saves em qualquer versão do FM, vide meu Save e o de Johann, por exemplo. Tb percebi que o "X" da questão em marcar gols passa pelos homens de criação. Olhando os números vejo que dos 14 gols, 10 tiveram assistências de algum indivíduo. Em jogo, como andam as chances criadas? Nos prints que vc colocou em alguns jogos vcs vão melhor do que os adversários em outros são meio nulos.

Esse nono lugar me diz que vc está mais perto o que longe de seu objetivo pessoal.

União São João, Roberto Carlos. Sim, figura conhecida. Lembro do Bragantino, Novo Horizontino e antes até da Inter de Limeira. Pois é, só ativando uma liga inexistente para eles reaparecerem. A 2ªB Paulista é repleta de times licenciados.

É assim, "time da capital", que o pessoal de João Pessoa se refere ao Botafogo? Ele está com a carteira recheada e está disposto a gastar.

Easter Egg...boa.😀 Legal que tenha gostado, mas se não tivesse gostado não haveria problema, não é mesmo? Resolvi aproveitar esse no tópico para escrever algumas convicções que adquiri durante anos de FM e acompanhando saves dos colegas. É bom deixar registrado porque já falei disso, mas de forma solta, pouco estruturada.

Serelepe, sem medo de tomar gols...Nem foi a intenção, mas acontece, né? Desde o início eu achei o Wellington bom para o nível do campeonato. Vi em outros lugares essa reclamação de atacantes que não marcam gols e tava preocupado, mas parece que ele não está ficando sem suprimento.

Sobre essa pergunta: "Em jogo, como andam as chances criadas? Nos prints que vc colocou em alguns jogos vcs vão melhor do que os adversários em outros são meio nulos." O que você quer que eu procure para lhe informar? Eu não a entendi direito. Quer saber de chutes a gol, chances claras, meias oportunidades... Me diga que eu te falo.

Tá batendo perto do que eu disse que dá para chegar.

 

56 minutes ago, Peepe said:

O campeonato parece ser bem bipolar, os 4 primeiros jogam um campeonato a parte e disputam entre si as posições ali. Pra um começo de trabalho, vem conquistando resultados positivos e está acima da expectativa inicial. É curioso mas bacana ver que mesmo sem interação direta, o Zezinho (e a IA do jogo) respeita o que você montou pro time e tenta reforçar pensando nisso. Curioso também ver que nem o jogo consegue se segurar financeiramente muitas vezes.

Não achei tão díspare como você achou. Acho que tem mais equipes brincando pelas quatro vagas ainda.

Eu também acho que está bom. O elenco está sendo construído aos poucos e uma tática que nunca usei. Estou gostando.

Eu estou curioso para ver até onde ele vai. Poderia investir em meio-campistas e um goleiro também, né? Um reserva para o atacante também ajuda.

Também quero ver se esses clubes pequenos não se enriquecem à toa. Falaram que não.

 

3 minutes ago, Henrique M. said:

A equipe começou mal, se recuperou, mas nessa nova perna acabou demonstrando que a recuperação anterior foi apenas momentânea e que a irregularidade seria a marca da equipe. Os 4 pontos que você mencionou que ficaram para trás, deixariam a equipe em condições melhores nessas três últimas rodadas, já que o Jaboticabal irá apenas cumprir tabela.

E interessante notar a ausência de estratégia do Diretor de Futebol, lugar comum no futebol brasileiro.

Diferentemente de você, acho que a equipe começou bem (1 a 3 rodadas), seguiu bem (4 a 7), mesmo perdendo para o At. Sorocaba, e quando chegou nessa última perna caiu, mais por enfrentar adversários fortes do que necessariamente por desempenho ruim. Mas mesmo assim, a irregularidade de resultados era esperada por mim, mas estou gostando do desempenho em campo.

Não entendi o que você quis dizer: "E interessante notar a ausência de estratégia do Diretor de Futebol, lugar comum no futebol brasileiro."

 

1 minute ago, PedroJr14 said:

O Jaboticabal não faz um campeonato dos melhores, mas as coisas ainda podem mudar. Geralmente eu sou do tipo de treinador que contra bastante, especialmente para a base. Como eu costumo jogar com times de menos poderio financeiro eu busco lucrar com essas contratações, mas sem esquecer do staff, dos jogadores produzidos no clube e da sinergia dos jogadores que já atuam juntos há muito tempo. Sempre tem que haver equilíbrio, mas também é bom aproveitar as melhores oportunidades que o mercado oferece.

Eu vejo diferente, faz um campeonato bom. Era candidato às últimas colocações, esteve entre os classificados em três rodadas de 11 e está bem próximo do que poderia alcançar na avaliação que fiz no início da temporada.

A forma de encarar o jogo sempre depende de quem joga, não é mesmo? Eu já fiz muitos saves contratando livre, contratando por empréstimo, fazendo do clube barriga de aluguel, contratando para apenas revender. Enfim, como eu disse, contratar abre muitas portas e o importante é compreender a dinâmica. E quando há satisfação não forma que estamos jogando não há porque mudar. 😉

Link to comment
Share on other sites

Então, "time da capital" eh como eu quiz chamar o Botafogo já que eh um rival do Campinense e eu não queria dar essa moral pra ele chamando pelo nome, kkk. Mas, na verdade, o único apelido que conheço pra eles eh "Belo".

Qt a pergunta, eu queria saber sobre o que vc como jogador anda sentindo em relação ao que seu time anda fazendo em campo. Os números são um reflexo das atuações ou vc percebe que geralmente a equipe joga melhor (ou pior) do que as estatísticas apontam?

Link to comment
Share on other sites

35 minutes ago, Bega Gomes said:

Então, "time da capital" eh como eu quiz chamar o Botafogo já que eh um rival do Campinense e eu não queria dar essa moral pra ele chamando pelo nome, kkk. Mas, na verdade, o único apelido que conheço pra eles eh "Belo".

Qt a pergunta, eu queria saber sobre o que vc como jogador anda sentindo em relação ao que seu time anda fazendo em campo. Os números são um reflexo das atuações ou vc percebe que geralmente a equipe joga melhor (ou pior) do que as estatísticas apontam?

Compreendi agora a referência a "time da capital".

Eu acho que os números estão refletindo bem as partidas. Claro que eu gostaria que no dia que chutamos 10 vezes contra uma do adversário, o placar seja de vitória para nós, mas não funciona assim no futebol, né? 

 

Link to comment
Share on other sites

  • marciof89 changed the title to Profissão: Técnico - Aguardando Avaliação
  • AllMight featured this topic
  • marciof89 unfeatured this topic
  • marciof89 featured, pinned and unpinned this topic
  • marciof89 locked this topic
Guest
This topic is now closed to further replies.
 Share

  • Similar Content

    • Makengo
      By Makengo
      Boas.
      Novo save,nova história
      Neste save irei abordar a história de Helen Moon (entenderam, Lua,Moon...) , uma jovem treinadora que terá de enfrentar vários desafios e mostrar que o céu é o limite, até mesmo para o Newcastle, equipa da qual será treinadora e procurará retornar aos dias de glória, com Alan Shearer e Les Ferdinand (sim, ele é primo do Rio). O save do Dortmund ficará em pausa por enquanto, já que me entusiasmei um puco com o save e terei que recolher mais informação.
      O save terá a mesma métrica, mas como será mesmo pouco a pouco, em vez dos resumos de época que tinha na história do Dortumd, conseguirei fazer uma história melhor e mais detalhada.
      E tirando um pouco de inspiração do @Cadete213 com a sua nova história, irei colocar uma música como se fosse uma espécie de "trilha sonora", baseada na vibe da história (aviso: vai ser 90% hip hop- gosto  de um pouco de tudo mas sempre terei 2Pac,Lauryn Hill e Kanye West no meu top 3).
      Enfim,desejem-me sorte. Eu colocaria-vos "Go2DaMoon" de Playboi Carti com participação do Kanye mas quero vos poupar da decepção que foi aquele álbum.
      Então fiquem com "R.I.P" de Playboi Carti, apenas porque neste save não vou ser mansinho. Se e pra entrar é pra levar a bola e o pé junto.
      (PS: É apenas uma apresentação por tanto não achei necessário um banner)
    • PedroJr14
      By PedroJr14
      Eu já venho matutando há algum tempo uma nova história com um time do meu estado. Depois que o Altos conseguiu o acesso à Série C essa vontade aumentou mais ainda. A grande cereja do bolo foi o relatório sobre a última história que eu fiz aqui, onde o nosso querido @Peepedisse que ainda esperava uma história minha com começo, meio e fim. Desafio aceito!
      O CLUBE
      Muitos aqui sabem que o Altos subiu para a Série C de 2021, mas acredito que poucos sabem das dificuldades enfrentadas pelo clube durante o ano de 2020. A Associação Atlética de Altos fundada como equipe amadora em 2013, na cidade de Altos-PI, cerca de 40km de distância da capital Teresina, se profissionalizou em 2015 e logo obteve sucesso a nível estadual. A organização do clube impressionava e logo no seu primeiro ano profissional conquistou o título da Segunda Divisão do Piauí, garantindo assim o acesso para a Primeira Divisão no ano seguinte. Já no seu primeiro ano na elite, o Altos obteve a melhor campanha do campeonato e venceu a final sobre o River por 4x2 no agregado, porém perdeu o título no tribunal, por conta da escalação de um jogador irregular. Ainda em 2016 o altos obteve a melhor campanha da história da primeira fase da Série D, naquela época(5v-1e-0d), mas acabou eliminado pelo CSA, que conseguiria acessos consecutivos até a primeira divisão.
      O ESTÁDIO

      O Altos manda seus jogos no Estádio Municipal Felipe Raulino, o "FELIPÃO", que tem capacidade para cerca de 4 mil torcedores. Apesar de ficar muito próxima à capital Teresina, o Altos prefere mandar até os jogos grandes no seu estádio, mesmo às vezes sendo menos vantajoso financeiramente, só não joga lá quando é obrigado pela federação. O acanhado Felipe Raulino se transforma em Felipão, um verdadeiro caldeirão quando o time do Altos pisa lá dentro, que já fez o clube conseguir resultados improváveis.
      O MASCOTE

      Particularmente a coisa mais espetacular que eu acho nesse time é o mascote, que além de ser LINDO e SENSUAL, literalmente vive para o clube. E por conta dele eu criei o clássico dos mascotes entre Altos e Piauí Esporte Clube, que também tem um mascote espetacular, nada mais nada menos que um RATO MOLHADO, que se enxuga durante os jogos.
      O QUE ACONTECEU EM 2020?
      A nossa história começará no início de 2020, ignorando os acontecimentos desde ano, mas sem a maioria dos jogadores importantes contratados no ano, diria que sem os mais importantes. Nossas finanças estão zeradas, não temos dinheiro para contratações ou salários e contamos com apenas 18 jogadores no elenco, com posições muito carentes como a presença de apenas 1 goleiro, 1 lateral-direito e 3 zagueiros e 3 meias de ofício.
      Os desafios para um time como o Altos vão bem além das 4 linhas. O clube não tem estrutura, nem investimentos, não tem um banco de análise de dados, nem categorias de base. Vai ser um grande desafio comandar esse time nas próximas temporadas, ainda que eu já conheça alguns atalhos nas divisões inferiores e no Nordeste do Brasil.
      Ainda não posso adiantar qual será a meta para o fim da história, mas acredito que eu só vá parar depois de pelo menos um título de Campeonato Brasileiro, já que eu costumo dar sorte em Copas, então não vou colocar a Copa do Brasil como meta principal. O intervalo (ingame) entre os capítulos também ainda não foi determinado, mas pode ser de 3/3 meses, 4/4 ou 6/6. Devo fazer uma história baseada em tudo que rodeia o clube, passando pelo treinador, presidente e a relação do Altos com a política, o que não costuma dar certo no futebol.
      Estou aberto a dicas, críticas e tudo que possa me ajudar a melhorar como contador dessa história, espero contar com vocês.
      É possível ter uma temporada semelhante à que aconteceu na vida real em 2020-21? Como fazer um time tão limitado ser competitivo? Veremos nos próximos capítulos.
      Sala de troféus
      Capítulos
    • v_martins
      By v_martins
      The Asian Way Of Life -  Livro I
      Beijing, 23 de maio de 2019. Capítulo I, pt.I.

       

      - Essa história pode ser sobre qualquer coisa, meu rapaz... Pode ser sobre o que você quiser.

      - Inclusive sobre os seus delírios se quiseres falar mais deles. – Dizia Quevedo com o seu ar paternal, ao sairmos de uma casa de chá, próxima ao Yiheyuan.



      Esse era o primeiro dia de folga que tínhamos em muito tempo.

      Falo muito tempo, mas parece que foi ontem que cheguei à China, quase sem querer.



      Mas, espere aí: você nem sabe quem sou...

      Porém, antes preciso pegar um café, para assim narrar minha pequena (longa) história.
      (Ou seria odisseia... ?)

      Para todos os efeitos, chame-me de Vinní. E esse é o meu perfil, em modo formal, de acordo com a RFEF.

      Voltando, eu era apenas um auxiliar/analista de desempenho, adotado por um jogador histórico “barcelonista”, que era o Eusebio Sacristán.

      Também conhecido como esse cara aqui:



      Fora isso, tive uma carreira relativamente proveitosa no futebol.

      Eu fui um bom centroavante.  É verdade.

      Tirando as lesões nos dois joelhos e os dois anos sem jogar, eu até que fui bem.



      Marquei 117 gols em 198 jogos. Uma média incrível realmente.

      Exceto se você considerar que 104 desses 117 foram marcados em ligas poderosas como: a do Camboja, a das Maldivas e a do Turcomenistão.


      Mas, voltando:

      Encerrei a carreira, trabalhei em clubes pequenos, passei pelo Damm, de Barcelona, de lá fui ao sub-14 do Barcelona em 2012, até o momento em que conheci o Eusebio no refeitório do clube, conversamos e de lá...

      E bem, de lá o segui pra praticamente todo o lugar...

      Inclusive pra onde ele não veio.

       

      Continua...
       
    • Peepe
      By Peepe
      Apresentação
      Fala, pessoal, tudo bem? Não sei se posso bem me chamar de um contador experiente mas, após o sucesso do Hernandéz Fernandéz na busca para ser um milionário, resolvi voltar com um desafio que tem alguma relação com o que se passou por lá.
      Para quem não me conhece, sou Pedro Ribeiro, professor de história oficialmente e um antigo jogador de FM nas horas vagas, que busca aprender um pouco mais sobre esse cativante jogo. Uma das coisas que está na minha lista de aprendizado é a gestão individual de um clube: por ser muito apegado a saves carreiras, estilo preferido, eu nunca aprendi a ser um grande gestor que se preocupa e revoluciona cada etapa de sua equipe, sempre fiz o básico para funcionamento do time principal e aquilo era suficiente. Portanto, ao pensar o novo save eu tinha em mente que ele precisava ser de clube, faltava só decidir qual. Meu coração futeboleiro está na América do Sul e eu não tive entusiasmo para assumir clubes europeus nesse momento, então, logo me voltei ao continente e decidi escolher a Colômbia por 2 motivos: o primeiro é que o Nandéz não passou pelo país e eu senti falta de conhecer melhor uma liga que manteve-se grande durante todo meu save (arrisco dizer que era a 3ª ou a 4ª em disputa com o Paraguai), o segundo motivo é que o campeonato nacional se decide em mata-mata, o que impede o save de se tornar monótono caso eu monte um mega time, afinal, vou continuar tendo o frio na barriga na fase final do campeonato.
      Quando comecei a pesquisar, logo bati o olho no time, nas histórias que lhe permeiam e sabia que queria repetir o principal feito de sua história: ganhar uma Copa Libertadores! Ficou fácil, agora todos sabem, o time escolhido é o Once Caldas!

      O Once Caldas S.A é um clube de futebol colombiano localizado na cidade de Manizales, uma das cidades que compõem o eixo do café. O clube foi fundado em 1947 como Deportes Caldas, sendo campeão nacional em 1950, em uma primeira gloriosa fase da equipe.
      É a partir apenas de 1961 que a equipe adota o nome de Once Caldas, após fechamento do Deportes Caldas e fusão com o Deportivo Once. Engana-se quem pensa que foi a única troca de nome da equipe colombiana, o Once Caldas foi pioneiro na comercialização de naming rights e negociou o próprio nome: foi chamado de Cristal Caldas e Once Phillips, entre outras marcas, durante os anos 70 e 90, retornando ao Once Caldas de 1996 em diante.
      Curiosamente falando, a fase de retorno ao nome original marcou o grande período da história do clube: em 1997, sob o comando de Javier Álvarez, a equipe se fortalece e chega a um vice-campeonato nacional no ano seguinte. Continentalmente, o Once participa da Copa Conmebol em 1998 e debuta na Libertadores em 1999, quando demonstra a força do estádio Palogrande ao vencer o River Plate por 4-1 e o Deportivo Cali por 3-0 (nota importante: o Deportivo Cali acabou vice-campeão daquela Libertadores). A força da equipe em casa vai ficar marcada pois a primeira derrota em Manizales só vem a acontecer na Libertadores de 2011 contra o Universitario San Martin após mais de 20 jogos de invencibilidade.
      A grande fase da história da equipe fica marcada por dois títulos: o Apertura de 2003, conquistado no templo Palogrande em cima do Junior de Barranquilla, que garantiu vaga para a mística Libertadores de 2004.
      Verdadeiro motivo pela escolha do clube, é possível dizer de forma mais empolgada que talvez tenha sido a maior campanha da história da Libertadores. Pelo menos no século eu afirmo com alguma tranquilidade isto. O Once Caldas sai de um grupo relativamente tranquilo mas já elimina o Vélez Sarsfield, passa nos pênaltis contra o Barcelona de Guayaquil nas oitavas e aí começa a façanha: elimina o Santos, que viria a ser campeão brasileiro em 2004, passa pelo São Paulo, o campeão da Libertadores no ano seguinte, com um gol aos 45’ do segundo tempo, sobrevive a uma temível Bombonera e na grande final diante do Boca Jrs de Tevez, Bianchi e cia, atuais campeões da Libertadores na ocasião, o Once levanta o caneco após o empate em 1-1 no tempo regulamentar e um 2-0 nas penalidades. Quem diria que o Once Caldas faria o Boca Jrs tremer ao ponto de perder as 4 cobranças. Todos os jogos decisivos acontecem em Palogrande, que se consolida como uma verdadeira fortaleza. Para quem quiser conhecer mais detalhadamente a campanha, recomendo esse texto ou esse podcast, que já fala sobre a final do Intercontinental contra o Porto.
      A campanha do Once Caldas naquela Copa não tem grandes destaques individuais, o goleiro Henao talvez tenha sido o nome de maior impacto e ele será assunto mais a frente. O que fica bem marcado como tipicamente Once é o forte sistema defensivo, capaz de sofrer poucos gols mesmo fora de casa e que deu força ao completo azarão. 

      Após a conquista da Libertadores, o Once Caldas disputou o último Intercontinental da história no formato consagrado pelos anos 80-90 contra o Porto e por pouco, muito pouco, não carregou também a alcunha de campeão mundial. Após resistir mais uma vez, a partida termina num 0-0 que leva a disputa para os pênaltis. Após 4 cobranças para cada lado, o Once estava a 1 gol de ser campeão mas Jonatan Fabbro desperdiçou a cobrança, o Porto empatou e acabou vencendo por 8-7 a disputa.
      (Nota irrelevante: Jonatan Fabbro, o homem que perdeu esse pênalti, é ex-marido de Larissa Riquelme. Aos que ganharam idolatria por ela e sua relação com o Nandéz, vale a menção)
      Como todo time de sucesso na América, o Once foi desfeito rápido por mercados de maior dinheiro, viu seus destaques ruindo e seu treinador, dono da estratégia defensiva de sucesso, terminou tetraplégico dias após a derrota para o Porto. Com isso, a equipe não galgou maiores sucessos, sendo vice na Recopa para o Boca Jrs, campeão da Sula, e eliminado nas oitavas da Libertadores seguinte.
      O último suspiro de grandeza do Once se deu com o bicampeonato colombiano no Apertura 2009 e Finalizacion 2010, sendo o último dos 4 títulos nacionais que a equipe tem em sua sala de troféus. Desde então, o Once Caldas é um time que nunca caiu mas também que não disputa mais os títulos, na posição de médio do futebol colombiano.
      Será que agora voltará aos anos de glória? Ao menos, um velho conhecido promete mudar tudo!
       
      O Treinador

      De todos os nomes possíveis, talvez ninguém simbolize mais aquela conquista de 2004 que Juan Carlos Henao, goleiro que passou 18 anos de sua carreira defendendo as cores do Once Caldas. Nascido em 30/12/1971, Henao tinha 20 anos quando fez sua estreia pela equipe em 1992 e galgou espaço pouco a pouco até se tornar uma referência no clube em 2004. Na mágica campanha, Henao era o homem de segurança de uma defesa que raramente era vazada ou cedia espaço aos atacantes adversários, além disso, aquele título tem a cara de Henao: foi ele que parou a cobrança final xeneize e pôde partir para a galera como o herói (foto acima).
      Após o título, Henao foi mais um dos que acabou saindo do clube, contratado pelo Santos mas sem maiores sequências desde então, quando passou pelo Millonarios, Atletico Maracaibo e Real Cartagena. Em 2010 retornou ao Once Caldas onde ficou até 2016, encerrando sua carreira com 45 anos.
      (Nota importante: o ex-goleiro Henao é preparador de goleiros de um pequeno time colombiano. A fim de “apagá-lo” foi criada uma alcunha para ele, como se fosse outra pessoa)
       
      Objetivo Principal:
      - Ganhar novamente a Libertadores
      Confesso que poderia fazer uma intensa lista e criar relações com as regras mas não me sinto confortável com isso. É claro que desejo ser campeão nacional, pretendo ter uma defesa de respeito e quero fazer valer o fator casa com a mística que Manizales merece, mas são coisas pouco palpáveis e de difícil controle. Resumir isso ao fato mais difícil, e motivador para a história, me parece suficiente.
      - Tornar o Once Caldas uma referência dentro da Colômbia
      Essa talvez seja uma meta “vazia” por assim dizer mas eu explico: na motivação para criar o save, eu queria ser capaz de desenvolver o clube como um todo, aprendendo um pouco sobre fornadas, comissão técnica e afins. É difícil criar parâmetros para colocar isto em objetivos, então, reúno neste ponto tornar a equipe a mais rica do país, ter condições de treino de topo, tal qual base e comissão técnica.
       
      Regras:
      - O sistema tático deve sempre ter mentalidade defensiva.
      Pois bem, se o ferrolho de Once ficou tão marcado na conquista da Libertadores de 2004, a forma mais justa de homenageá-lo é repetir o feito. Eu pensei até em repetir o sistema tático mas para isso existe um grande problema: eu teria de rever jogos do Once Caldas para definir sistema, jogadores e funções. Como o trabalho seria demais, ainda que sejam jogos muito bacanas, vou me limitar a sempre adotar a postura defensiva independente de qualquer coisa. Para mim, um adepto da parte tática mas viciado no “positiva” vai ser uma experiência bem curiosa.
       
      Informações do Save:
      Database

      O save foi criado na Colômbia em fevereiro de 2020 mas por razões românticas, explicadas a frente, foi andado randomicamente até 01 de julho. Carreguei as ligas todas sul-americanas, tal qual todos os jogadores do continente, para aumentar a competitividade no torneio. Também acrescentei algumas divisões europeias para tornar o save um pouco maior do outro lado da fronteira. Ao todo são 88 mil jogadores e 2,5 estrelas de desempenho, posso eliminar ligas ao longo do período se considerar necessário mas avisarei caso aconteça.
      O estilo de postagem será todo voltado para os jogos, sem nenhum elemento ficcional. Visando diminuir meu trabalho e dar uma razão de ser, os posts serão escritos em dois formatos: como um blog de torcedor do Once Caldas, para melhor contar jogos, e um diário do treinador, para acompanhar a parte tática e crescimento da equipe. É um modelo experimental que me parece mais satisfatório, tal qual a Db se preciso for mudar, aviso dentro do desenvolvimento da história.
      A apresentação do time no jogo, do treinador e tudo que percebi de entrada estarão postos no primeiro post que vai abaixo. 
    • div
      By div
      Buenas! Como vão? Tudo certo?
      Então, começo hoje meu novo empreendimento aqui na área. Pensei bastante que tipo de save gostaria de jogar e o que gostaria de trazer para cá. Tive algumas ideias e cheguei a começar alguns saves, um deles cheguei até a escrever a apresentação e fazer uns banners, mas acabei deixando de lado por conta deste aqui.
      Já queria registrar o agradecimento a todos que contribuem com a Galeria de Gráficos de onde peguei aquele que serviu de base para fazer o que estou usando. Não levo muito jeito com edição de imagem, então foi uma mão na roda.
      Este save foi inspirado no save “Os doze trabalhos de Hércules" do Jirimias, que me cativou pela premissa (completar 12 desafios, nos moldes dos trabalhos do semideus grego Hércules, dentro de um save no FM dirigindo o time do Hércules de Alicante). Com essa história como inspiração, eu queria fazer algo semelhante, porém com a cultura nórdica, que gosto muito. Assim, tentei chegar em algo que aliasse o FM, alguns desafios dentro de um save e a cultura nórdica, em especial sua mitologia.
      O primeiro passo era escolher o time que seria treinado. Não foi uma tarefa fácil, tanto que não encontrei nenhum clube que encaixasse com essa proposta como o Hércules se encaixava para aquela. Portanto...
      FIM DO SAVE, obrigado a quem acompanhou até aqui.
      Brincadeira, pensando um pouco, cheguei na conclusão de que seria melhor fazer o save com um time criado utilizando aquela opção “Criar um Clube” disponível no FM, inclusive porque nunca me aventurei nela. Assim nasceu o Viking Saga FC (falarei mais sobre o clube em outro momento, até para não alongar ainda mais a apresentação).
      Com relação ao subtítulo (“Uma nova invasão na Inglaterra”), acredito que seja de conhecimento geral a invasão Viking à Inglaterra nos séculos VIII e IX, de modo que vou me abster de explicar o contexto histórico (até porque não sou historiador e quanto mais me estender, mais chance tenho de falar besteira). Mas, caso não seja de seu conhecimento, tudo que é necessário saber é que os Vikings invadiram a Inglaterra naquele período e deram um calor no povo inglês, por assim dizer. Portanto, minha proposta é criar uma invasão Viking moderna na Inglaterra, por meio do futebol.
      Nesse momento você pode estar se perguntando: Mas por que não fazer o save num país nórdico, com o propósito dos Vikings dominando a Europa?
      E eu te responderia: Poderia ser interessante de se acompanhar um save assim e seria até mais lógico, sem sombra de dúvidas. Há na área diversos saves em países de menor tradição que levaram um clube à glória continental e mundial. Porém, especificamente para mim como jogador, há um problema nessa premissa: depende muito de ânimo e resiliência. Um save nesse estilo, salvo algo extraordinário ocorrendo, acaba chegando num ponto onde o time é bom demais comparado com seus conterrâneos, mas ruim demais para o sucesso continental, levando um tempo até que o time possa competir pela competição continental. E esse período em que não há competitividade doméstica e se joga um ano inteiro por causa de 6 a 13 jogos (ou menos), é algo que, como jogador, não me atrai no momento (repito que isto é como jogador porque me vejo muito bem lendo um save neste estilo sem problema algum, a questão para mim é jogar nestas condições).
      Tendo ponderado isso, acredito que a melhor forma de conciliar o meu interesse como jogador, com a premissa que idealizei, sendo algo que possa ser atraente para quem lê, é na ideia de fazer o clube na Inglaterra. Alguns fatores fazem da Inglaterra a melhor opção: Há uma ligação histórica entre os Vikings e a Inglaterra; há mais divisões na database básica do jogo; as ligas inglesas promovem mais competitividade aos times (o que gera desafio às sagas “Percorrendo a Yggdrasil” e “Evitando o Ragnarok”, abaixo explicadas); a Premier League em si é um desafio; e não há uma grande discrepância entre os times do G4 da PL e os postulantes ao título da UCL, de modo que evita aquela questão que mencionei antes.
      Assim, o Viking Saga FC substitui o time do Bradford PA (time escolhido unicamente por estar previsto para a última colocação da liga), atuante na National League North, a 6ª divisão da Inglaterra e a divisão inglesa mais baixa no jogo base (cabe aqui explicar que na opção de criar um clube só é possível carregar as ligas e divisões que estão no jogo base, de modo que não posso carregar uma base de dados com mais divisões na Inglaterra, por exemplo). Por fim, diferente do meu save anterior, este não será um save com ficção. Como único elemento de ficção, vou dar um “background” básico pro clube (claro que as sagas podem ser vistas como ficção também, mas vocês entenderam o que quis dizer com ficção haha).
       

      Versão: FM 2020.
      Base dados: Grande.
      Ligas Carregadas.
      Mais Opções.
      A opção por adicionar jogadores a clubes acabou preenchendo as categorias de base do time, mas acredito que foi uma opção válida por duas razões: A primeira é porque assim todos os clubes das ligas inferiores, portanto rivais, terão plantéis completos, evitando jogar contra jogadores cinzas; a segunda é porque assim preenchem-se os elencos das ligas nórdicas, o que ajuda a cumprir uma das sagas (“Atravessando a Bifrost”), que seria praticamente inviável nesse começo de outra forma.
      Elenco Inicial: A ferramenta Criar um Clube permite que o jogador escolha como será montado o elenco do clube criado. Entre outras, as principais opções são: 1) manter o elenco do clube substituído; 2) limpar o elenco e começar sem jogadores, tendo que montar todo o elenco contratando dentro do jogo; 3) adicionar e remover jogadores a vontade, respeitando o orçamento salarial do clube. Optei pela primeira opção porque não quero perder tanto tempo no começo montando um elenco completo. Além disso, mantendo o elenco o jeito que está dá menos margem pra montar um time muito superior ao anterior, já que este elenco é cotado para o último lugar.
       

      Sagas são estórias contadas em prosa que misturam aspectos históricos com mitologia e religião. Para o save, as “Sagas” serão os objetivos/desafios propostos que misturam aspectos da mitologia nórdica com o futebol e o FM. Foi preciso adaptar muitas coisas, então peço que não estranhem, pois existem conceitos que serão variáveis para adaptar a mitologia aos objetivos (numa saga, “X” pode significar uma coisa, enquanto em outra, “X” pode significar algo diferente).
       

      A primeira saga consiste em percorrer a árvore que conecta nos 9 mundos nórdicos, lares de deuses, anões, elfos, gigantes e homens. Os nove mundos são representados pelas seis divisões inglesas e dois objetivos satélites.
      A jornada pela Yggdrasil do futebol inglês começa em Muspelheim e Niflheim (National League South/North). Os dois mundos coexistem, ficando um a norte e outro a sul, e foram os dois primeiros mundos a existir. Enquanto Muspelheim é um caos de fogo e calor, o ponto de partida onde Surt acordará e liderará o caminho dos gigantes à Asgard; Niflheim é coberto de gelo e névoa. A jornada pela Yggdrasil começa pelos primeiros mundos, pela liga mais baixa. *Obs.: Como não é possível disputar pelas duas regiões (norte e sul), os dois primeiros mundos coexistem em uma só liga, tal qual coexistem na mitologia.
      Chegar em Helheim (Acesso Direto) é complicado e muito pouco se sabe sobre esse mundo. Diz-se que para chegar em Helheim é necessário percorrer a Gjallarbrú, uma ponte coberta de ouro. Passar por Helheim representa o acesso direto de uma liga, sem passar pelos playoffs, encontrando o caminho de ouro. *Obs.: Este objetivo pode ser realizado em qualquer uma das 5 divisões que oferecem acesso.
      No segundo nível está Alfheim (Narional League). Na Edda de Prosa Gylfaginning, Alfheim, o mundo dos elfos, é descrito como o primeiro de uma série de mundos no céu. Assim, o próximo passo rumo ao céu é explorar a 5ª divisão inglesa.
      Após a terra dos elfos fica Nidavellir (League Two), a terra dos anões, que fica nos subterrâneos de Midgard. Chegar em Nidavellir representa estar a um passo da terra dos homens, representa chegar na League Two, a 4ª divisão.
      Passando pelo lar dos anões e subindo pela Yggdrasil, chegamos em Midgard (League One), a terra dos homens, o solo comum, onde se planta, colhe, briga e bebe. Além disso, “Mid” significa “meio”, que é a posição da League One, a 3ª divisão, na escalada das ligas inglesas.
      Após passar pela terra dos homens, é preciso passar por Jotumheim (Championship), a terra dos gigantes. Na Championship moram alguns gigantes do futebol inglês que, contudo, há muito não conseguem entrar em Asgard, como o Preston North End e o Nottingham Forrest.
      Antes de chegar no reino dos Aesir, é hora de chegar nos Vanir, em Vanaheim (Premier League). Um dos dois clãs de Deueses, os Vanir são rivais dos Aesir, os deuses asgardianos. Todos os clubes que chegam na Premier League são deuses apenas de estarem lá, porém apenas uma parcela destes chega a Asgard, onde ficam os deuses mais venerados e conhecidos. Chegar à Premier League é se juntar ao primeiro clã de Deuses, mas com a expectativa de chegar em Asgard.
      Por fim, no topo da Yggdrasil do futebol inglês, o lar de Odin, Thor, Balder, Tyr e outros. Enfim chegamos em Asgard (Ganhar a Premier League). É em Asgard que fica Valhalla, o grande salão onde os bravos guerreiros nórdicos são recebidos por Odin, festejam e se esbaldam em um banquete que durará até a chegada do Ragnarok. Chegar em Asgard é chegar aonde estão os Deuses, ou seja, os campeões. Significa ganhar a Premier League.
       

      A mitologia nórdica é repleta de seres lendários, cujos feitos (ou atrocidades) eram contados de geração para geração. Destaquei seis dessas figuras para serem grandes rivais: Fafnir, Odin, Thor e os três filhos de Loki com a gigante Angrboða. É necessário força e perseverança para ultrapassar esses seres lendários.
      Fafnir era um anão que matou seu pai em busca de tesouro, transformando-se em um dragão para proteger suas posses. Fafnir representa um clube pequeno que através do dinheiro se engrandeceu, o Manchester City.
      Odin é o pai de todos, o maior dos Deuses. O maior de todos é o que mais vezes conquistou o campeonato inglês e que tem a maior torcida, o Manchester United.
      Thor é o mais forte dos Deuses. Pode não ser o maior deles, ou talvez o mais venerado, mas é o mais temido. Com seis títulos da UCL, o Liverpool é o time inglês mais temido.
      De acordo com a mitologia nórdica, Loki teve diversos filhos (inclusive um cavalo de 8 patas, cuja história de sua concepção é sensacional), mas entre eles, três se destacam, seus filhos com a gigante Angrboða: Fenrir, Jörmungandr e Hela. Os três londrinos:
      Fenrir é um lobo gigante feroz e terrivelmente forte. Porém, Fenrir foi preso através do Gleipnir, um cordão feito pelos anões especialmente para este fim. Muito temido quando está solto, mas inofensivo quando é preso, o clube londrino que parece estar atado a algo e não consegue se desvencilhar é o Arsenal.
      Jörmungandr é a serpente que circula o mundo e ali vive ali desde que Odin a baniu de Asgard e a enviou para Midgard, há muito tempo. Como o clube do “big-six” que não vai à Asgard (que não é campeão da Premier League) há mais tempo, o Tottenham é o Jörmungandr do futebol inglês
      Hela foi banida por Odin para o mundo inferior, que recebeu seu nome (Helheim, aquele cujo único acesso é através de uma única ponte). O Chelsea foi o último dos filhos de Loki a ser rebaixado e conquistar o acesso direto por Helheim, na temporada 1988/89.
      Para derrotar um Deus ou um ser lendário não basta o vencer uma única vez. É necessário vencer várias batalhas para se vencer uma guerra. O objetivo, portanto, é segurar uma invencibilidade de 5 jogos contra cada um.
       

      Ragnarok pode ser traduzido para “destino dos deuses”, e é uma série de eventos que conduziriam ao fim do mundo. Alguns eventos são “profetizados” (por falta de palavra melhor) como sinais do Ragnarok e é aqui onde encontrei mais divergência entre fontes, então escolhi os que mais se adequariam a um save. Diferente das outras sagas, o objetivo aqui é não deixar que algo ocorra, no caso, o Ragnarok, evidentemente. Assim, para evitar o Ragnarok é preciso evitar que os sinais se concretizem. Na mitologia, até onde pude averiguar, há uma certa ordem para o acontecimento dos eventos, porém, para fins desse save, vamos dizer que o Ragnarok vem independente da ordem que seus sinais forem aparecendo.
      O primeiro sinal do Ragnarok é a morte de Balder, o Deus imortal. Para que esse sinal seja completo é preciso que o Viking Saga FC seja rebaixado, morrendo, de certa forma (claro que o rebaixamento não é a morte de um clube, mas o clube falir e ser refundado é meio difícil – senão impossível – de ocorrer no FM).
      Depois, vem o Fimbulvetr, o longo inverno, que dura por três anos consecutivos. Assim, o inverno será uma estagnação por 3 temporadas, ou seja, se estiver em uma divisão com condição de acesso (da 6ª à 2ª), significa ficar 3 anos sem alcançar a promoção, se estiver na Premier League, primeiramente o alvo é a vaga na UEL, depois para a UCL, então para o título. Ou seja, quando subir da 2ª para a 1ª divisão, começa a contar 3 anos para ter uma classificação para a Europa League, depois 3 anos para a Champions, e, então, 3 anos para o título, se chegar ao título sem ter causado o Fimbulvetr, o título deve ser renovado a cada 3 anos, pelo menos.
      Por fim, há o desaparecimento do sol e da lua. Esse foi mais complicado para adaptar à proposta desta saga, mas considero que o desaparecimento do sol e da lua é a demissão do treinador, deixando o clube na escuridão. Assim, a demissão não será necessariamente o fim do save, mas uma das condições para a chegada do Ragnarok.
      Se não conseguir evitar os três sinais, o Ragnarok acontece e traz consigo o fim do mundo, ou seja, o fim do save.
       

      A Bifrost é uma ponte que liga o reino dos homens ao reino dos Deuses. Para o save, representa a travessia dos jogadores nórdicos para a Inglaterra. Utilizar a Bifrost significa contratar pelo menos 4 jogadores de origem nórdica* por temporada (*Dinamarca, Finlândia, Groelândia, Ilhas Faroe, Islândia, Noruega e Suécia, e pode ser como 2º nacionalidade). Obs.: Para deixar claro, serão contabilizados eventuais jogadores trazidos para o time sub-19, inclusive aqueles eventualmente oriundos das fornadas do clube.
       

      Os Deuses nórdicos, como tais, tem muitos tesouros e artefatos valiosos, sendo presenteados frequentemente (geralmente como pedido de desculpa de Loki por ter feito alguma besteira). Alguns desses artefatos aparecem no conto “Tesouro dos Deuses”, do livro “Mitologia Nórdica” de Neil Gaiman. Além dos citados no conto, os Deuses têm outros tesouros valiosos (como a já citada Gleipnir para prender Fenrir). Cada artefato é único e de difícil acesso, abrangendo um aspecto do jogo.
      Brisingamen é o colar da deusa Freya, deusa da beleza e amor. Um artefato utilizado por uma deusa da beleza pode ser equiparado ao dinheiro, que seduz os jogadores. Adquirir o Brisingamen significa transformar o Viking Saga FC no clube mais rico do mundo.
      Draupnir é o anel de Odin que a cada 9 noites cria oito anéis de mesmo tamanho e peso que o original, multiplicando-se. Possuir um Draupnir é ter uma produção em massa de itens valiosos. Assim, para isto, é necessário ter 8 jogadores que vieram de fornadas no plantel principal, que iniciem ao menos 60% das partidas em uma temporada e conquistar um título expressivo. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Gleipnir é a corrente que conseguiu prender Fenrir. As correntes que “prendem” os jogadores nos clubes são seus contratos. Obter este artefato é ter o jogador mais bem pago do mundo. (Obs.: Não é permitido aumentar a proposta salarial oferecida pelo agente do jogador)
      Gungnir, a lança de Odin, que nunca erra o alvo, sempre volta à sua mão e torna os juramentos prestados inquebráveis. Significa acertar precisamente uma contratação e transformar um jogador contratado em ícone ou lenda do clube.
      Hugin e Munin, são os corvos de Odin, contam a ele tudo que ouvem e tudo que veem. São os olheiros do clube, claro. Hugin é ter a melhor equipe de observação da Premier League. Munin é ter conhecimento de 35% do mundo (se atingir muito cedo, aumentamos).
      Maçãs de Iduna. Iduna é a Deusa da Juventude. Ela carrega consigo uma cesta de maçãs que fazem com que os deuses permaneçam jovens. Quando um Deus começa a sentir o efeito do envelhecimento, uma mordida das maças de Iduna é o suficiente para recuperar a força e juventude. A renovação é necessária em todo clube de futebol. Comer dessas maçãs é ser campeão com o elenco mais jovem. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Mjolnir, o martelo de Thor é o mais famoso e desejado dos tesouros, aqueles que todos querem, mas apenas um tem. Representa ter um jogador reconhecido como o melhor jogador do mundo.
      Espero que apreciem essa viagem!
       
×
×
  • Create New...