Jump to content

Bruno Trink
 Share

Recommended Posts

E acho que até a Champions quando vir a primeira, vai enfileirar outras em sequência. Impressiona o domínio e o desempenho que não caem e nem oscilam, os grandes nomes do time vão se trocando em um processo quase que natural e o time está na ponta dos cascos, mas claro que o passo final exige ainda mais trabalho.

Existe a chance de revelar um melhor do mundo? Já teve algum indicado ao prêmio? Imagino que seria uma vitória particular para coroar todo o trabalho de recrutamento que não é fácil.

Link to comment
Share on other sites

3 horas atrás, Peepe disse:

E acho que até a Champions quando vir a primeira, vai enfileirar outras em sequência. Impressiona o domínio e o desempenho que não caem e nem oscilam, os grandes nomes do time vão se trocando em um processo quase que natural e o time está na ponta dos cascos, mas claro que o passo final exige ainda mais trabalho.

Existe a chance de revelar um melhor do mundo? Já teve algum indicado ao prêmio? Imagino que seria uma vitória particular para coroar todo o trabalho de recrutamento que não é fácil.

É exatamente isso que vem me mantendo ativo nesse save. A evolução do time com os garotos subindo e atropelando aqueles que vinham jogando está acontecendo de forma tão natural que até assusta. Claro que um bom staff nas categorias de base ajuda muito.

Além da busca pelo título da Champions, essa possibilidade de encontrar e formar um melhor do mundo é uma coisa que penso desde o começo da história. Ainda não chegamos perto mas acredito que esse é o caminho natural.

Link to comment
Share on other sites

spacer.png

 

kicker_topo_bundesliga27f2d2b0f974a79b.p

INFO   EQUIPE   ACADEMIA   1.FCK II  JOGOS   CLASSIFICAÇÃO   TRANSFERÊNCIAS   FINANÇAS

Nenhuma novidade
21 de dezembro de 2030

 

Grüße, rote Teufel!

 

ein-roter-teufel-in-aktion-foto-imago-.jpgO Kaiserslautern venceu hoje o Wolfsburg por 1 a 0 no Fritz-Walter-Stadion, gol de Oguz Kagan Keser, mas isso nem é mais uma notícia. Vitória dos diabos vermelhos é o que mais tem acontecido nessa temporada. Inclusive, foram seis na fase de grupos da Champions League, o time se classificou tranquilamente e enfrentará o AS Monaco no início do mata-mata. A notícia, entretanto, pode ser a saída de dois jogadores históricos do clube. Dois jogadores que trataram de formas diferentes a baixa frequência no time titular. Victor Contreras chegou em janeiro de 2022, assim que completou 18 anos, e estreou dois anos mais tarde na vitória sobre o RB Leipzig. Antes mesmo disso, chegou a reclamar pela falta de oportunidades mas, como estava em quarentena, Miro não podia escalá-lo. De lá para cá, sempre foi um jogador de bastante destaque e era, até o início da temporada, o maior salário do clube. Hoje só fica atrás do Opoku. Desde o ano passado, Ademi vem pedindo passagem e hoje o suíço é incontestável. Contreras ainda viu Kovac e até Koniba Sangaré o ultrapassando na preferência do treinador e optou por externar sua insatisfação.

Por outro lado, Phillip Hellwig resolveu bem melhor a questão. O atacante que veio do pequeno Zwickau em 2020 foi artilheiro da equipe por seis anos seguidos, chegou à seleção alemã mas, já há três anos não vem sendo tão aproveitado por Klose. Capitão da equipe, conversou com o treinador e ambos entenderam que seria o melhor momento para sair. Ao contrário do meia, Hellwig já está sendo seguido por clubes como Bournemouth, da Inglaterra, e Shandong Luneng, da China. O problema, em ambos os casos, pode ser o alto salário dos jogadores. Além dos dois, outro que pediu para sair foi o catari Abdulrahman Waleed Omar. Há sempre também interesse em alguns outros jogadores do elenco rubro como Arroyo, Coronado e Aïssaoui. Nesse caso, a não ser que chegue uma proposta daquelas irrecusáveis, Miro não pretende se desfazer de ninguém.

No meio de tudo isso, o elenco sai para o recesso das festas de fim de ano e viajará em seguida para Málaga, capital da Andaluzia, no sul da Espanha para uma semana de treinos. No início do ano, a equipe fará um amistoso contra o AZ em Alkmaar antes de retomar a disputa pelo bicampeonato da Bundesliga contra o Bayern, no Stadion München.

 

20301221_classif_reduz50a45781aac20e4e.p

 

 

Link to comment
Share on other sites

O meu Hamburgo firme e forte ❤️ parabés pela conquista absoluta. Fechou alguns ciclos importantes, mas as saídas (principalmente dos ídolos mais expetientes) era natural c/ tantos jogadores jovens e outros pedindo passagem. Gostei do local de pré temporada, dá p fazer um turismo bacana entre os jogos.

Belo save, muito bem escrito, objetivo sem perder nada em caráter técnico, além do ritmo da história estar real. Tenho uma duvida: qual o seu planejamento para a carreira? Pq já mudou a história e a realidade do clube

Link to comment
Share on other sites

Boa sequência, segue imparável e os primeiros 6 meses chegam a ser monótonos de tão fácil.

Uma coisa que me deixou curioso é a relação das nacionalidades no seu elenco, se numa próxima atualização puder e não for atrapalhar, traz a bandeirinha dos países ao lado dos jogadores pois pelo que observo o número de alemães é relativamente baixo, o que só reforça a qualidade da sua captação. 

Link to comment
Share on other sites

Em 07/10/2020 em 12:55, Nacho Libre disse:

O meu Hamburgo firme e forte ❤️ parabés pela conquista absoluta. Fechou alguns ciclos importantes, mas as saídas (principalmente dos ídolos mais expetientes) era natural c/ tantos jogadores jovens e outros pedindo passagem. Gostei do local de pré temporada, dá p fazer um turismo bacana entre os jogos.

Belo save, muito bem escrito, objetivo sem perder nada em caráter técnico, além do ritmo da história estar real. Tenho uma duvida: qual o seu planejamento para a carreira? Pq já mudou a história e a realidade do clube

Obrigado!

Então... Não tem planejamento para a carreira, sempre foi um save de clube sem me prender tanto a outros objetivos que não aqueles básicos do primeiro post. Já conquistei todos mas ainda sinto falta da Champions League. Assim, o foco agora é na conquista da competição continental. Seria interessante se eu conseguisse emplacar um desses garotos como melhor do mundo, mas aí seria bônus.

 

Em 07/10/2020 em 14:04, Andreh68 disse:

Hellwig!

É, o tempo passa para todos. Ja passou para o Bayern inclusive!

O bizarro é que o Hellwig é novo ainda, tem só 25 anos e já deu o que tinha para dar no clube.

 

9 horas atrás, Peepe disse:

Boa sequência, segue imparável e os primeiros 6 meses chegam a ser monótonos de tão fácil.

Uma coisa que me deixou curioso é a relação das nacionalidades no seu elenco, se numa próxima atualização puder e não for atrapalhar, traz a bandeirinha dos países ao lado dos jogadores pois pelo que observo o número de alemães é relativamente baixo, o que só reforça a qualidade da sua captação. 

Não, sem problema, posso tentar incluir a coluna da nacionalidade. Mas é fato, sim, temos muitas nacionalidades e poucos alemães. Estamos com 25 olheiros e tento espalhar bem as nacionalidades deles mas ainda estou bem longe de conseguir observação máxima em todos os cantos do mundo.

Link to comment
Share on other sites

Fiquei 3 atualizações longe e o que dá pra ver é que os diabos simplesmente estão imparáveis. Ainda caíram num grupo mamatinha na UCL, nem precisava! hahaha

É assombroso (positivamente) ver no que se torno o time. A Champions vem.

Link to comment
Share on other sites

Resolvi recomeçar a leitura pois estava num limbo entre não lembrar do que já tinha lido e ter uma enorme distância de onde a história se encontra. E foi muito legal fazer a leitura de uma forma mais contínua, consegui notar melhor a evolução do clube e dos jogadores. 

Foi bacana ver que o Contreras atingiu as expectativas rapidamente, mas foi engolido por outros jogadores cujo potencial é ainda maior. E isso dá o mote para desenvolver esse save por muitos e muito anos, se tiver pique. Hellwig também é outro nessa lista, contribuiu durante mais tempo, porém sua hora já passou e é legal ver que ele está bem reposto, tanto que virou terceira opção. 

O desempenho em campo é admirável e o objetivo final é bastante óbvio. Acredito que a UCL vem esse ano. No FM quando batemos na trave umas vezes, é sinal que o título está amadurecendo.

Link to comment
Share on other sites

Em 10/10/2020 em 21:48, marciof89 disse:

Fiquei 3 atualizações longe e o que dá pra ver é que os diabos simplesmente estão imparáveis. Ainda caíram num grupo mamatinha na UCL, nem precisava! hahaha

É assombroso (positivamente) ver no que se torno o time. A Champions vem.

Praticamente imparáveis mesmo. Até agora, só nos pararam nos pênaltis. E a Champions virou obsessão!

 

Em 12/10/2020 em 11:46, #Vini disse:

Resolvi recomeçar a leitura pois estava num limbo entre não lembrar do que já tinha lido e ter uma enorme distância de onde a história se encontra. E foi muito legal fazer a leitura de uma forma mais contínua, consegui notar melhor a evolução do clube e dos jogadores. 

Foi bacana ver que o Contreras atingiu as expectativas rapidamente, mas foi engolido por outros jogadores cujo potencial é ainda maior. E isso dá o mote para desenvolver esse save por muitos e muito anos, se tiver pique. Hellwig também é outro nessa lista, contribuiu durante mais tempo, porém sua hora já passou e é legal ver que ele está bem reposto, tanto que virou terceira opção. 

O desempenho em campo é admirável e o objetivo final é bastante óbvio. Acredito que a UCL vem esse ano. No FM quando batemos na trave umas vezes, é sinal que o título está amadurecendo.

Uma das coisas mais interessantes, talvez, nesse save é ver que, com um bom staff nas categorias de base, os jogadores evoluem consistentemente nesse período de quarentena. Claro, nem todos. Isso depende muito da personalidade de cada um mas muitos já chegam prontos para atropelar aqueles que estão em cima e ainda com margem para evoluir. Esses dois casos são cristalinos.

Quero muito essa Champions. Mesmo que signifique abrir mão, por exemplo, da DFB-Pokal.

Link to comment
Share on other sites

spacer.png

 

kicker_topo_bundesliga27f2d2b0f974a79b.p

INFO   EQUIPE   ACADEMIA   1.FCK II  JOGOS   CLASSIFICAÇÃO   TRANSFERÊNCIAS   FINANÇAS

Foco na Europa
21 de março de 2031

 

Grüße, rote Teufel!

 

928399-uefa-champions-league.jpgEntre as oito equipes classificadas como cabeça de chave para a primeira fase eliminatória da Champions League, apenas uma não passou para as quartas de final. O Chelsea de Erik Ten Hag perdeu duas vezes para o Red Bull Salzburg de Marco Rose. Quis a sorte que o heptadecacampeão austríaco fosse o adversário do Kaiserslautern na próxima fase da competição continental. O Bayern München, que eliminou o Lyon nos pênaltis, enfrentará o Liverpool, onze vezes campeão europeu.

A classificação do Kaiserslautern foi, de certa forma, tranquila. A vitória em Monaco, na Delio Onnis Arena, estádio para 27.150 espectadores inaugurado no início dessa temporada, fez com que a volta no Fritz-Walter-Stadion tivesse contornos de amistoso. Enquanto o Monaco pouco ameaçava, Miroslav Klose se esgoelava na área técnica para que seus comandados não deixassem a complacência tomar conta. Afinal, o time não sabe o que é uma derrota há 92 partidas, desde agosto de 2029. Até mesmo a eliminação na DFB-Pokal para o Bayern München aconteceu nos pênaltis, após um empate no tempo extra. 

Após o sorteio das próximas fases da Champions League, Miro reafirmou que o foco da equipe para a temporada é mesmo a conquista do inédito título europeu. A Bundesliga já parece bem encaminhada. Com oito rodadas para serem disputadas, o Kaiserslautern já abriu 17 pontos de vantagem para o segundo colocado Borussia Dortmund e apenas um desastre histórico tiraria o bicampeonato dos diabos vermelhos. Até porque seus adversários andam tropeçando mais do que o normal. Com isso, podemos ver uma rotação ainda maior no elenco nas partidas restantes pela liga nacional.

Leia também: Geração fraca pode significar reformulação na base vermelha

 

20310321_classif_reduz6cc646cb46a3eada.p

 

 

Link to comment
Share on other sites

spacer.png

 

kicker_topo_bundesliga27f2d2b0f974a79b.p

INFO   EQUIPE   ACADEMIA   1.FCK II  JOGOS   CLASSIFICAÇÃO   TRANSFERÊNCIAS   FINANÇAS

Fim de um ciclo
31 de maio de 2031

 

Grüße, rote Teufel!

 

spacer.pngO adversário da decisão da UEFA Champions League pareceu sob medida. A última derrota do Kaiserslautern há quase dois anos, em junho de 2029, havia sido justamente para o Liverpool. Em dez partidas contra os ingleses, a equipe dirigida por Miroslav Klose havia vencido apenas uma, na semifinal da competição continental de 2029. O treinador de hoje já não era mais Jürgen Klopp, nem mesmo Marcelo Gallardo, demitido no final de fevereiro por causa da má campanha na Premier League. Hervé Renard, com histórico em clubes e seleções africanas, deixou o comando do selecionado francês em abril e classificou os reds para a final ao ultrapassar Bayern München e Barcelona. Já o Kaiserslautern, campeão alemão indiscutível, não teve dificuldades na sua caminhada até a disputa inédita do maior título europeu.

Apesar de tudo, muito pelo histórico, o Liverpool, onze vezes campeão, chegou como favorito. E começou melhor, explorando principalmente o lado direito de ataque com Jose Manuel Fernández. Aos quinze minutos, o espanhol cruzou, Fábio Silva ajeitou para a finalização de Hamed Junior Traoré. Arroyo buscou no canto. Em seguida, ele tabelou com Haaland e ficou de cara para o gol mas o chute saiu fraco e no meio. Pelo outro lado, De la Vibora e Fábio Silva também tramaram uma boa jogada defendida por Arroyo. Até a metade do primeiro tempo, só deu Liverpool. O primeiro susto do time inglês foi numa cabeçada de Ahlstrand que passou por cima da meta defendida por Guillermo Sánchez.

Somente a partir dos trinta minutos que a partida começou a ficar mais equilibrada. Aos nove da segunda etapa, Laïb teve a grande chance de abrir o placar para o Kaiserslautern, Sánchez defendeu. O jogo ficou mais aberto e os dois goleiros trabalharam bastante. Jaime Arroyo fez um defesaço num remate a queima-roupa de Haaland. Muito por causa dos dois, a decisão foi para a prorrogação. Ninguém no Santiago Bernabéu duvidava que a questão pudesse ser definida nas penalidades máximas.

No entanto, partidas como essa costumam ter heróis improváveis. Quase foi Mariano Brancato, que havia substituído Traoré no final do tempo regulamentar. Arroyo espalmou para escanteio. Podia ter sido o veterano Alexander-Arnold mas o goleiro espanhol e o travessão o impediram. Até que, num contra-ataque, Lukac lançou Laïb pela esquerda. O argelino avançou, tocou atrás para Espina que, de primeira, achou Koniba Sangaré na entrada da área. Sem titubear, o meia francês de 20 anos bateu de esquerda, assim como a bola veio, e o mexicano Guillermo Sánchez não conseguiu chegar. Imediatamente, Miro fechou o time. O Liverpool pressionou, tentou, Arroyo salvou algumas, Haaland ainda acertou um chute no pé da trave. A noite era dos diabos vermelhos. 

A conquista da Champions League coroa uma trajetória fantástica. Miroslav Klose assumiu o Kaiserslautern em junho de 2019 quando a equipe chafurdava na terceira divisão do futebol alemão. Com ele, ainda antes de voltar para a Bundesliga, conseguiu chegar a uma decisão improvável de DFB-Pokal. Depois, foram quatro ligas, três copas, quatro supercopas, uma Europa League e, agora, a chave de ouro numa carreira de sucesso. Na entrevista coletiva após o jogo, perguntado sobre uma possível saída, Miro não disse nem que sim nem que não. Reafirmou sua paixão pelo clube e disse que pretende tirar férias. Quanto tempo durarão essas férias? Só ele sabe.

 

20310531_classif_reduz09d7f0a357fb4387.p

 

 

Link to comment
Share on other sites

Quase 2 anos de invencibilidade realmente não é pra qualquer um, e isso foi coroado com o título inédito da UCL. Sem dúvidas o auge até aqui da carreira de Klose.

Meus parabéns, não só pelo título, que foi consequência do longo trabalho feito aos longo dos últimos anos, desde o recrutamento de jovens ao redor do mundo, em conta da proposta do save, quanto a fazer o time realmente jogar. Pode ter certeza que esse estilo de desafio irá inspirar tantos outros no futuro, falando até por contra própria. Além disso, a maneira como foi contada é excelente. Falo em tom de despedida porque não sabemos até quando durará as férias de Klose, afinal. 

No mais, não poderia ter desfecho melhor do que vencer a UCL em cima do Liverpool, parece casar perfeitamente os 2 acontecimentos. Parabéns mais uma vez!!

Link to comment
Share on other sites

Enfim, a Europa!

Foi duro e suado, todo ano era uma pequena frustração diferente por ver o quanto os colossos do continente eram difíceis de serem alcançados e se há uma palavra que resuma essa história foi paciência e persistência. Parabéns pela conquista que coroa um trabalho espetacular, imagino a satisfação de ver um garoto de 20 anos, recém saído de quarentena, fazendo o gol que entra pra história do clube, e de fato agora Miro pode almejar um estádio com seu nome, virar lenda, revelar um melhor do mundo, mas tudo que tinha para ser ganho, foi e merecidamente.

Link to comment
Share on other sites

Parabéns pelo título da Champions, a equipe(pela temporada que vinha fazendo).E que campanha na Bundesliga, é um título que a equipe ganha sem que os outros possam questionar, o time "sobrou" na competição. Parabéns também pela evolução que teve sob comando da equipe, transformando uma equipe que estava na 3°Bundesliga, em uma equipe que briga por títulos nacionais e internacionais.

Link to comment
Share on other sites

Amigos,

Obrigado a todos que acompanharam essa história. Acredito que foi uma das que mais me acrescentou em termos do jogo do FM. Me fez quebrar alguns paradigmas, especialmente a questão das contratações que espelhava no entrosamento rápido da equipe. Entendo que possam existir mais objetivos a serem alcançados como os que o @Peepemencionou mas acho que o ciclo foi fechado.

Mais uma vez, ficam meus agradecimentos!

Link to comment
Share on other sites

Baita save Bruno, parabéns por mais uma excelente história contada aqui conosco! Queria só ver os reds se aventurando no Mundial, mas não há dúvidas que o troféu viria também.

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...
  • AllMight changed the title to 1. FCK - Die Roten Teufel
  • marciof89 locked this topic
  • AllMight unlocked this topic

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

  • Similar Content

    • Makengo
      By Makengo
      Boas.
      Novo save,nova história
      Neste save irei abordar a história de Helen Moon (entenderam, Lua,Moon...) , uma jovem treinadora que terá de enfrentar vários desafios e mostrar que o céu é o limite, até mesmo para o Newcastle, equipa da qual será treinadora e procurará retornar aos dias de glória, com Alan Shearer e Les Ferdinand (sim, ele é primo do Rio). O save do Dortmund ficará em pausa por enquanto, já que me entusiasmei um puco com o save e terei que recolher mais informação.
      O save terá a mesma métrica, mas como será mesmo pouco a pouco, em vez dos resumos de época que tinha na história do Dortumd, conseguirei fazer uma história melhor e mais detalhada.
      E tirando um pouco de inspiração do @Cadete213 com a sua nova história, irei colocar uma música como se fosse uma espécie de "trilha sonora", baseada na vibe da história (aviso: vai ser 90% hip hop- gosto  de um pouco de tudo mas sempre terei 2Pac,Lauryn Hill e Kanye West no meu top 3).
      Enfim,desejem-me sorte. Eu colocaria-vos "Go2DaMoon" de Playboi Carti com participação do Kanye mas quero vos poupar da decepção que foi aquele álbum.
      Então fiquem com "R.I.P" de Playboi Carti, apenas porque neste save não vou ser mansinho. Se e pra entrar é pra levar a bola e o pé junto.
      (PS: É apenas uma apresentação por tanto não achei necessário um banner)
    • PedroJr14
      By PedroJr14
      Eu já venho matutando há algum tempo uma nova história com um time do meu estado. Depois que o Altos conseguiu o acesso à Série C essa vontade aumentou mais ainda. A grande cereja do bolo foi o relatório sobre a última história que eu fiz aqui, onde o nosso querido @Peepedisse que ainda esperava uma história minha com começo, meio e fim. Desafio aceito!
      O CLUBE
      Muitos aqui sabem que o Altos subiu para a Série C de 2021, mas acredito que poucos sabem das dificuldades enfrentadas pelo clube durante o ano de 2020. A Associação Atlética de Altos fundada como equipe amadora em 2013, na cidade de Altos-PI, cerca de 40km de distância da capital Teresina, se profissionalizou em 2015 e logo obteve sucesso a nível estadual. A organização do clube impressionava e logo no seu primeiro ano profissional conquistou o título da Segunda Divisão do Piauí, garantindo assim o acesso para a Primeira Divisão no ano seguinte. Já no seu primeiro ano na elite, o Altos obteve a melhor campanha do campeonato e venceu a final sobre o River por 4x2 no agregado, porém perdeu o título no tribunal, por conta da escalação de um jogador irregular. Ainda em 2016 o altos obteve a melhor campanha da história da primeira fase da Série D, naquela época(5v-1e-0d), mas acabou eliminado pelo CSA, que conseguiria acessos consecutivos até a primeira divisão.
      O ESTÁDIO

      O Altos manda seus jogos no Estádio Municipal Felipe Raulino, o "FELIPÃO", que tem capacidade para cerca de 4 mil torcedores. Apesar de ficar muito próxima à capital Teresina, o Altos prefere mandar até os jogos grandes no seu estádio, mesmo às vezes sendo menos vantajoso financeiramente, só não joga lá quando é obrigado pela federação. O acanhado Felipe Raulino se transforma em Felipão, um verdadeiro caldeirão quando o time do Altos pisa lá dentro, que já fez o clube conseguir resultados improváveis.
      O MASCOTE

      Particularmente a coisa mais espetacular que eu acho nesse time é o mascote, que além de ser LINDO e SENSUAL, literalmente vive para o clube. E por conta dele eu criei o clássico dos mascotes entre Altos e Piauí Esporte Clube, que também tem um mascote espetacular, nada mais nada menos que um RATO MOLHADO, que se enxuga durante os jogos.
      O QUE ACONTECEU EM 2020?
      A nossa história começará no início de 2020, ignorando os acontecimentos desde ano, mas sem a maioria dos jogadores importantes contratados no ano, diria que sem os mais importantes. Nossas finanças estão zeradas, não temos dinheiro para contratações ou salários e contamos com apenas 18 jogadores no elenco, com posições muito carentes como a presença de apenas 1 goleiro, 1 lateral-direito e 3 zagueiros e 3 meias de ofício.
      Os desafios para um time como o Altos vão bem além das 4 linhas. O clube não tem estrutura, nem investimentos, não tem um banco de análise de dados, nem categorias de base. Vai ser um grande desafio comandar esse time nas próximas temporadas, ainda que eu já conheça alguns atalhos nas divisões inferiores e no Nordeste do Brasil.
      Ainda não posso adiantar qual será a meta para o fim da história, mas acredito que eu só vá parar depois de pelo menos um título de Campeonato Brasileiro, já que eu costumo dar sorte em Copas, então não vou colocar a Copa do Brasil como meta principal. O intervalo (ingame) entre os capítulos também ainda não foi determinado, mas pode ser de 3/3 meses, 4/4 ou 6/6. Devo fazer uma história baseada em tudo que rodeia o clube, passando pelo treinador, presidente e a relação do Altos com a política, o que não costuma dar certo no futebol.
      Estou aberto a dicas, críticas e tudo que possa me ajudar a melhorar como contador dessa história, espero contar com vocês.
      É possível ter uma temporada semelhante à que aconteceu na vida real em 2020-21? Como fazer um time tão limitado ser competitivo? Veremos nos próximos capítulos.
      Sala de troféus
      Capítulos
    • v_martins
      By v_martins
      The Asian Way Of Life -  Livro I
      Beijing, 23 de maio de 2019. Capítulo I, pt.I.

       

      - Essa história pode ser sobre qualquer coisa, meu rapaz... Pode ser sobre o que você quiser.

      - Inclusive sobre os seus delírios se quiseres falar mais deles. – Dizia Quevedo com o seu ar paternal, ao sairmos de uma casa de chá, próxima ao Yiheyuan.



      Esse era o primeiro dia de folga que tínhamos em muito tempo.

      Falo muito tempo, mas parece que foi ontem que cheguei à China, quase sem querer.



      Mas, espere aí: você nem sabe quem sou...

      Porém, antes preciso pegar um café, para assim narrar minha pequena (longa) história.
      (Ou seria odisseia... ?)

      Para todos os efeitos, chame-me de Vinní. E esse é o meu perfil, em modo formal, de acordo com a RFEF.

      Voltando, eu era apenas um auxiliar/analista de desempenho, adotado por um jogador histórico “barcelonista”, que era o Eusebio Sacristán.

      Também conhecido como esse cara aqui:



      Fora isso, tive uma carreira relativamente proveitosa no futebol.

      Eu fui um bom centroavante.  É verdade.

      Tirando as lesões nos dois joelhos e os dois anos sem jogar, eu até que fui bem.



      Marquei 117 gols em 198 jogos. Uma média incrível realmente.

      Exceto se você considerar que 104 desses 117 foram marcados em ligas poderosas como: a do Camboja, a das Maldivas e a do Turcomenistão.


      Mas, voltando:

      Encerrei a carreira, trabalhei em clubes pequenos, passei pelo Damm, de Barcelona, de lá fui ao sub-14 do Barcelona em 2012, até o momento em que conheci o Eusebio no refeitório do clube, conversamos e de lá...

      E bem, de lá o segui pra praticamente todo o lugar...

      Inclusive pra onde ele não veio.

       

      Continua...
       
    • Peepe
      By Peepe
      Apresentação
      Fala, pessoal, tudo bem? Não sei se posso bem me chamar de um contador experiente mas, após o sucesso do Hernandéz Fernandéz na busca para ser um milionário, resolvi voltar com um desafio que tem alguma relação com o que se passou por lá.
      Para quem não me conhece, sou Pedro Ribeiro, professor de história oficialmente e um antigo jogador de FM nas horas vagas, que busca aprender um pouco mais sobre esse cativante jogo. Uma das coisas que está na minha lista de aprendizado é a gestão individual de um clube: por ser muito apegado a saves carreiras, estilo preferido, eu nunca aprendi a ser um grande gestor que se preocupa e revoluciona cada etapa de sua equipe, sempre fiz o básico para funcionamento do time principal e aquilo era suficiente. Portanto, ao pensar o novo save eu tinha em mente que ele precisava ser de clube, faltava só decidir qual. Meu coração futeboleiro está na América do Sul e eu não tive entusiasmo para assumir clubes europeus nesse momento, então, logo me voltei ao continente e decidi escolher a Colômbia por 2 motivos: o primeiro é que o Nandéz não passou pelo país e eu senti falta de conhecer melhor uma liga que manteve-se grande durante todo meu save (arrisco dizer que era a 3ª ou a 4ª em disputa com o Paraguai), o segundo motivo é que o campeonato nacional se decide em mata-mata, o que impede o save de se tornar monótono caso eu monte um mega time, afinal, vou continuar tendo o frio na barriga na fase final do campeonato.
      Quando comecei a pesquisar, logo bati o olho no time, nas histórias que lhe permeiam e sabia que queria repetir o principal feito de sua história: ganhar uma Copa Libertadores! Ficou fácil, agora todos sabem, o time escolhido é o Once Caldas!

      O Once Caldas S.A é um clube de futebol colombiano localizado na cidade de Manizales, uma das cidades que compõem o eixo do café. O clube foi fundado em 1947 como Deportes Caldas, sendo campeão nacional em 1950, em uma primeira gloriosa fase da equipe.
      É a partir apenas de 1961 que a equipe adota o nome de Once Caldas, após fechamento do Deportes Caldas e fusão com o Deportivo Once. Engana-se quem pensa que foi a única troca de nome da equipe colombiana, o Once Caldas foi pioneiro na comercialização de naming rights e negociou o próprio nome: foi chamado de Cristal Caldas e Once Phillips, entre outras marcas, durante os anos 70 e 90, retornando ao Once Caldas de 1996 em diante.
      Curiosamente falando, a fase de retorno ao nome original marcou o grande período da história do clube: em 1997, sob o comando de Javier Álvarez, a equipe se fortalece e chega a um vice-campeonato nacional no ano seguinte. Continentalmente, o Once participa da Copa Conmebol em 1998 e debuta na Libertadores em 1999, quando demonstra a força do estádio Palogrande ao vencer o River Plate por 4-1 e o Deportivo Cali por 3-0 (nota importante: o Deportivo Cali acabou vice-campeão daquela Libertadores). A força da equipe em casa vai ficar marcada pois a primeira derrota em Manizales só vem a acontecer na Libertadores de 2011 contra o Universitario San Martin após mais de 20 jogos de invencibilidade.
      A grande fase da história da equipe fica marcada por dois títulos: o Apertura de 2003, conquistado no templo Palogrande em cima do Junior de Barranquilla, que garantiu vaga para a mística Libertadores de 2004.
      Verdadeiro motivo pela escolha do clube, é possível dizer de forma mais empolgada que talvez tenha sido a maior campanha da história da Libertadores. Pelo menos no século eu afirmo com alguma tranquilidade isto. O Once Caldas sai de um grupo relativamente tranquilo mas já elimina o Vélez Sarsfield, passa nos pênaltis contra o Barcelona de Guayaquil nas oitavas e aí começa a façanha: elimina o Santos, que viria a ser campeão brasileiro em 2004, passa pelo São Paulo, o campeão da Libertadores no ano seguinte, com um gol aos 45’ do segundo tempo, sobrevive a uma temível Bombonera e na grande final diante do Boca Jrs de Tevez, Bianchi e cia, atuais campeões da Libertadores na ocasião, o Once levanta o caneco após o empate em 1-1 no tempo regulamentar e um 2-0 nas penalidades. Quem diria que o Once Caldas faria o Boca Jrs tremer ao ponto de perder as 4 cobranças. Todos os jogos decisivos acontecem em Palogrande, que se consolida como uma verdadeira fortaleza. Para quem quiser conhecer mais detalhadamente a campanha, recomendo esse texto ou esse podcast, que já fala sobre a final do Intercontinental contra o Porto.
      A campanha do Once Caldas naquela Copa não tem grandes destaques individuais, o goleiro Henao talvez tenha sido o nome de maior impacto e ele será assunto mais a frente. O que fica bem marcado como tipicamente Once é o forte sistema defensivo, capaz de sofrer poucos gols mesmo fora de casa e que deu força ao completo azarão. 

      Após a conquista da Libertadores, o Once Caldas disputou o último Intercontinental da história no formato consagrado pelos anos 80-90 contra o Porto e por pouco, muito pouco, não carregou também a alcunha de campeão mundial. Após resistir mais uma vez, a partida termina num 0-0 que leva a disputa para os pênaltis. Após 4 cobranças para cada lado, o Once estava a 1 gol de ser campeão mas Jonatan Fabbro desperdiçou a cobrança, o Porto empatou e acabou vencendo por 8-7 a disputa.
      (Nota irrelevante: Jonatan Fabbro, o homem que perdeu esse pênalti, é ex-marido de Larissa Riquelme. Aos que ganharam idolatria por ela e sua relação com o Nandéz, vale a menção)
      Como todo time de sucesso na América, o Once foi desfeito rápido por mercados de maior dinheiro, viu seus destaques ruindo e seu treinador, dono da estratégia defensiva de sucesso, terminou tetraplégico dias após a derrota para o Porto. Com isso, a equipe não galgou maiores sucessos, sendo vice na Recopa para o Boca Jrs, campeão da Sula, e eliminado nas oitavas da Libertadores seguinte.
      O último suspiro de grandeza do Once se deu com o bicampeonato colombiano no Apertura 2009 e Finalizacion 2010, sendo o último dos 4 títulos nacionais que a equipe tem em sua sala de troféus. Desde então, o Once Caldas é um time que nunca caiu mas também que não disputa mais os títulos, na posição de médio do futebol colombiano.
      Será que agora voltará aos anos de glória? Ao menos, um velho conhecido promete mudar tudo!
       
      O Treinador

      De todos os nomes possíveis, talvez ninguém simbolize mais aquela conquista de 2004 que Juan Carlos Henao, goleiro que passou 18 anos de sua carreira defendendo as cores do Once Caldas. Nascido em 30/12/1971, Henao tinha 20 anos quando fez sua estreia pela equipe em 1992 e galgou espaço pouco a pouco até se tornar uma referência no clube em 2004. Na mágica campanha, Henao era o homem de segurança de uma defesa que raramente era vazada ou cedia espaço aos atacantes adversários, além disso, aquele título tem a cara de Henao: foi ele que parou a cobrança final xeneize e pôde partir para a galera como o herói (foto acima).
      Após o título, Henao foi mais um dos que acabou saindo do clube, contratado pelo Santos mas sem maiores sequências desde então, quando passou pelo Millonarios, Atletico Maracaibo e Real Cartagena. Em 2010 retornou ao Once Caldas onde ficou até 2016, encerrando sua carreira com 45 anos.
      (Nota importante: o ex-goleiro Henao é preparador de goleiros de um pequeno time colombiano. A fim de “apagá-lo” foi criada uma alcunha para ele, como se fosse outra pessoa)
       
      Objetivo Principal:
      - Ganhar novamente a Libertadores
      Confesso que poderia fazer uma intensa lista e criar relações com as regras mas não me sinto confortável com isso. É claro que desejo ser campeão nacional, pretendo ter uma defesa de respeito e quero fazer valer o fator casa com a mística que Manizales merece, mas são coisas pouco palpáveis e de difícil controle. Resumir isso ao fato mais difícil, e motivador para a história, me parece suficiente.
      - Tornar o Once Caldas uma referência dentro da Colômbia
      Essa talvez seja uma meta “vazia” por assim dizer mas eu explico: na motivação para criar o save, eu queria ser capaz de desenvolver o clube como um todo, aprendendo um pouco sobre fornadas, comissão técnica e afins. É difícil criar parâmetros para colocar isto em objetivos, então, reúno neste ponto tornar a equipe a mais rica do país, ter condições de treino de topo, tal qual base e comissão técnica.
       
      Regras:
      - O sistema tático deve sempre ter mentalidade defensiva.
      Pois bem, se o ferrolho de Once ficou tão marcado na conquista da Libertadores de 2004, a forma mais justa de homenageá-lo é repetir o feito. Eu pensei até em repetir o sistema tático mas para isso existe um grande problema: eu teria de rever jogos do Once Caldas para definir sistema, jogadores e funções. Como o trabalho seria demais, ainda que sejam jogos muito bacanas, vou me limitar a sempre adotar a postura defensiva independente de qualquer coisa. Para mim, um adepto da parte tática mas viciado no “positiva” vai ser uma experiência bem curiosa.
       
      Informações do Save:
      Database

      O save foi criado na Colômbia em fevereiro de 2020 mas por razões românticas, explicadas a frente, foi andado randomicamente até 01 de julho. Carreguei as ligas todas sul-americanas, tal qual todos os jogadores do continente, para aumentar a competitividade no torneio. Também acrescentei algumas divisões europeias para tornar o save um pouco maior do outro lado da fronteira. Ao todo são 88 mil jogadores e 2,5 estrelas de desempenho, posso eliminar ligas ao longo do período se considerar necessário mas avisarei caso aconteça.
      O estilo de postagem será todo voltado para os jogos, sem nenhum elemento ficcional. Visando diminuir meu trabalho e dar uma razão de ser, os posts serão escritos em dois formatos: como um blog de torcedor do Once Caldas, para melhor contar jogos, e um diário do treinador, para acompanhar a parte tática e crescimento da equipe. É um modelo experimental que me parece mais satisfatório, tal qual a Db se preciso for mudar, aviso dentro do desenvolvimento da história.
      A apresentação do time no jogo, do treinador e tudo que percebi de entrada estarão postos no primeiro post que vai abaixo. 
    • div
      By div
      Buenas! Como vão? Tudo certo?
      Então, começo hoje meu novo empreendimento aqui na área. Pensei bastante que tipo de save gostaria de jogar e o que gostaria de trazer para cá. Tive algumas ideias e cheguei a começar alguns saves, um deles cheguei até a escrever a apresentação e fazer uns banners, mas acabei deixando de lado por conta deste aqui.
      Já queria registrar o agradecimento a todos que contribuem com a Galeria de Gráficos de onde peguei aquele que serviu de base para fazer o que estou usando. Não levo muito jeito com edição de imagem, então foi uma mão na roda.
      Este save foi inspirado no save “Os doze trabalhos de Hércules" do Jirimias, que me cativou pela premissa (completar 12 desafios, nos moldes dos trabalhos do semideus grego Hércules, dentro de um save no FM dirigindo o time do Hércules de Alicante). Com essa história como inspiração, eu queria fazer algo semelhante, porém com a cultura nórdica, que gosto muito. Assim, tentei chegar em algo que aliasse o FM, alguns desafios dentro de um save e a cultura nórdica, em especial sua mitologia.
      O primeiro passo era escolher o time que seria treinado. Não foi uma tarefa fácil, tanto que não encontrei nenhum clube que encaixasse com essa proposta como o Hércules se encaixava para aquela. Portanto...
      FIM DO SAVE, obrigado a quem acompanhou até aqui.
      Brincadeira, pensando um pouco, cheguei na conclusão de que seria melhor fazer o save com um time criado utilizando aquela opção “Criar um Clube” disponível no FM, inclusive porque nunca me aventurei nela. Assim nasceu o Viking Saga FC (falarei mais sobre o clube em outro momento, até para não alongar ainda mais a apresentação).
      Com relação ao subtítulo (“Uma nova invasão na Inglaterra”), acredito que seja de conhecimento geral a invasão Viking à Inglaterra nos séculos VIII e IX, de modo que vou me abster de explicar o contexto histórico (até porque não sou historiador e quanto mais me estender, mais chance tenho de falar besteira). Mas, caso não seja de seu conhecimento, tudo que é necessário saber é que os Vikings invadiram a Inglaterra naquele período e deram um calor no povo inglês, por assim dizer. Portanto, minha proposta é criar uma invasão Viking moderna na Inglaterra, por meio do futebol.
      Nesse momento você pode estar se perguntando: Mas por que não fazer o save num país nórdico, com o propósito dos Vikings dominando a Europa?
      E eu te responderia: Poderia ser interessante de se acompanhar um save assim e seria até mais lógico, sem sombra de dúvidas. Há na área diversos saves em países de menor tradição que levaram um clube à glória continental e mundial. Porém, especificamente para mim como jogador, há um problema nessa premissa: depende muito de ânimo e resiliência. Um save nesse estilo, salvo algo extraordinário ocorrendo, acaba chegando num ponto onde o time é bom demais comparado com seus conterrâneos, mas ruim demais para o sucesso continental, levando um tempo até que o time possa competir pela competição continental. E esse período em que não há competitividade doméstica e se joga um ano inteiro por causa de 6 a 13 jogos (ou menos), é algo que, como jogador, não me atrai no momento (repito que isto é como jogador porque me vejo muito bem lendo um save neste estilo sem problema algum, a questão para mim é jogar nestas condições).
      Tendo ponderado isso, acredito que a melhor forma de conciliar o meu interesse como jogador, com a premissa que idealizei, sendo algo que possa ser atraente para quem lê, é na ideia de fazer o clube na Inglaterra. Alguns fatores fazem da Inglaterra a melhor opção: Há uma ligação histórica entre os Vikings e a Inglaterra; há mais divisões na database básica do jogo; as ligas inglesas promovem mais competitividade aos times (o que gera desafio às sagas “Percorrendo a Yggdrasil” e “Evitando o Ragnarok”, abaixo explicadas); a Premier League em si é um desafio; e não há uma grande discrepância entre os times do G4 da PL e os postulantes ao título da UCL, de modo que evita aquela questão que mencionei antes.
      Assim, o Viking Saga FC substitui o time do Bradford PA (time escolhido unicamente por estar previsto para a última colocação da liga), atuante na National League North, a 6ª divisão da Inglaterra e a divisão inglesa mais baixa no jogo base (cabe aqui explicar que na opção de criar um clube só é possível carregar as ligas e divisões que estão no jogo base, de modo que não posso carregar uma base de dados com mais divisões na Inglaterra, por exemplo). Por fim, diferente do meu save anterior, este não será um save com ficção. Como único elemento de ficção, vou dar um “background” básico pro clube (claro que as sagas podem ser vistas como ficção também, mas vocês entenderam o que quis dizer com ficção haha).
       

      Versão: FM 2020.
      Base dados: Grande.
      Ligas Carregadas.
      Mais Opções.
      A opção por adicionar jogadores a clubes acabou preenchendo as categorias de base do time, mas acredito que foi uma opção válida por duas razões: A primeira é porque assim todos os clubes das ligas inferiores, portanto rivais, terão plantéis completos, evitando jogar contra jogadores cinzas; a segunda é porque assim preenchem-se os elencos das ligas nórdicas, o que ajuda a cumprir uma das sagas (“Atravessando a Bifrost”), que seria praticamente inviável nesse começo de outra forma.
      Elenco Inicial: A ferramenta Criar um Clube permite que o jogador escolha como será montado o elenco do clube criado. Entre outras, as principais opções são: 1) manter o elenco do clube substituído; 2) limpar o elenco e começar sem jogadores, tendo que montar todo o elenco contratando dentro do jogo; 3) adicionar e remover jogadores a vontade, respeitando o orçamento salarial do clube. Optei pela primeira opção porque não quero perder tanto tempo no começo montando um elenco completo. Além disso, mantendo o elenco o jeito que está dá menos margem pra montar um time muito superior ao anterior, já que este elenco é cotado para o último lugar.
       

      Sagas são estórias contadas em prosa que misturam aspectos históricos com mitologia e religião. Para o save, as “Sagas” serão os objetivos/desafios propostos que misturam aspectos da mitologia nórdica com o futebol e o FM. Foi preciso adaptar muitas coisas, então peço que não estranhem, pois existem conceitos que serão variáveis para adaptar a mitologia aos objetivos (numa saga, “X” pode significar uma coisa, enquanto em outra, “X” pode significar algo diferente).
       

      A primeira saga consiste em percorrer a árvore que conecta nos 9 mundos nórdicos, lares de deuses, anões, elfos, gigantes e homens. Os nove mundos são representados pelas seis divisões inglesas e dois objetivos satélites.
      A jornada pela Yggdrasil do futebol inglês começa em Muspelheim e Niflheim (National League South/North). Os dois mundos coexistem, ficando um a norte e outro a sul, e foram os dois primeiros mundos a existir. Enquanto Muspelheim é um caos de fogo e calor, o ponto de partida onde Surt acordará e liderará o caminho dos gigantes à Asgard; Niflheim é coberto de gelo e névoa. A jornada pela Yggdrasil começa pelos primeiros mundos, pela liga mais baixa. *Obs.: Como não é possível disputar pelas duas regiões (norte e sul), os dois primeiros mundos coexistem em uma só liga, tal qual coexistem na mitologia.
      Chegar em Helheim (Acesso Direto) é complicado e muito pouco se sabe sobre esse mundo. Diz-se que para chegar em Helheim é necessário percorrer a Gjallarbrú, uma ponte coberta de ouro. Passar por Helheim representa o acesso direto de uma liga, sem passar pelos playoffs, encontrando o caminho de ouro. *Obs.: Este objetivo pode ser realizado em qualquer uma das 5 divisões que oferecem acesso.
      No segundo nível está Alfheim (Narional League). Na Edda de Prosa Gylfaginning, Alfheim, o mundo dos elfos, é descrito como o primeiro de uma série de mundos no céu. Assim, o próximo passo rumo ao céu é explorar a 5ª divisão inglesa.
      Após a terra dos elfos fica Nidavellir (League Two), a terra dos anões, que fica nos subterrâneos de Midgard. Chegar em Nidavellir representa estar a um passo da terra dos homens, representa chegar na League Two, a 4ª divisão.
      Passando pelo lar dos anões e subindo pela Yggdrasil, chegamos em Midgard (League One), a terra dos homens, o solo comum, onde se planta, colhe, briga e bebe. Além disso, “Mid” significa “meio”, que é a posição da League One, a 3ª divisão, na escalada das ligas inglesas.
      Após passar pela terra dos homens, é preciso passar por Jotumheim (Championship), a terra dos gigantes. Na Championship moram alguns gigantes do futebol inglês que, contudo, há muito não conseguem entrar em Asgard, como o Preston North End e o Nottingham Forrest.
      Antes de chegar no reino dos Aesir, é hora de chegar nos Vanir, em Vanaheim (Premier League). Um dos dois clãs de Deueses, os Vanir são rivais dos Aesir, os deuses asgardianos. Todos os clubes que chegam na Premier League são deuses apenas de estarem lá, porém apenas uma parcela destes chega a Asgard, onde ficam os deuses mais venerados e conhecidos. Chegar à Premier League é se juntar ao primeiro clã de Deuses, mas com a expectativa de chegar em Asgard.
      Por fim, no topo da Yggdrasil do futebol inglês, o lar de Odin, Thor, Balder, Tyr e outros. Enfim chegamos em Asgard (Ganhar a Premier League). É em Asgard que fica Valhalla, o grande salão onde os bravos guerreiros nórdicos são recebidos por Odin, festejam e se esbaldam em um banquete que durará até a chegada do Ragnarok. Chegar em Asgard é chegar aonde estão os Deuses, ou seja, os campeões. Significa ganhar a Premier League.
       

      A mitologia nórdica é repleta de seres lendários, cujos feitos (ou atrocidades) eram contados de geração para geração. Destaquei seis dessas figuras para serem grandes rivais: Fafnir, Odin, Thor e os três filhos de Loki com a gigante Angrboða. É necessário força e perseverança para ultrapassar esses seres lendários.
      Fafnir era um anão que matou seu pai em busca de tesouro, transformando-se em um dragão para proteger suas posses. Fafnir representa um clube pequeno que através do dinheiro se engrandeceu, o Manchester City.
      Odin é o pai de todos, o maior dos Deuses. O maior de todos é o que mais vezes conquistou o campeonato inglês e que tem a maior torcida, o Manchester United.
      Thor é o mais forte dos Deuses. Pode não ser o maior deles, ou talvez o mais venerado, mas é o mais temido. Com seis títulos da UCL, o Liverpool é o time inglês mais temido.
      De acordo com a mitologia nórdica, Loki teve diversos filhos (inclusive um cavalo de 8 patas, cuja história de sua concepção é sensacional), mas entre eles, três se destacam, seus filhos com a gigante Angrboða: Fenrir, Jörmungandr e Hela. Os três londrinos:
      Fenrir é um lobo gigante feroz e terrivelmente forte. Porém, Fenrir foi preso através do Gleipnir, um cordão feito pelos anões especialmente para este fim. Muito temido quando está solto, mas inofensivo quando é preso, o clube londrino que parece estar atado a algo e não consegue se desvencilhar é o Arsenal.
      Jörmungandr é a serpente que circula o mundo e ali vive ali desde que Odin a baniu de Asgard e a enviou para Midgard, há muito tempo. Como o clube do “big-six” que não vai à Asgard (que não é campeão da Premier League) há mais tempo, o Tottenham é o Jörmungandr do futebol inglês
      Hela foi banida por Odin para o mundo inferior, que recebeu seu nome (Helheim, aquele cujo único acesso é através de uma única ponte). O Chelsea foi o último dos filhos de Loki a ser rebaixado e conquistar o acesso direto por Helheim, na temporada 1988/89.
      Para derrotar um Deus ou um ser lendário não basta o vencer uma única vez. É necessário vencer várias batalhas para se vencer uma guerra. O objetivo, portanto, é segurar uma invencibilidade de 5 jogos contra cada um.
       

      Ragnarok pode ser traduzido para “destino dos deuses”, e é uma série de eventos que conduziriam ao fim do mundo. Alguns eventos são “profetizados” (por falta de palavra melhor) como sinais do Ragnarok e é aqui onde encontrei mais divergência entre fontes, então escolhi os que mais se adequariam a um save. Diferente das outras sagas, o objetivo aqui é não deixar que algo ocorra, no caso, o Ragnarok, evidentemente. Assim, para evitar o Ragnarok é preciso evitar que os sinais se concretizem. Na mitologia, até onde pude averiguar, há uma certa ordem para o acontecimento dos eventos, porém, para fins desse save, vamos dizer que o Ragnarok vem independente da ordem que seus sinais forem aparecendo.
      O primeiro sinal do Ragnarok é a morte de Balder, o Deus imortal. Para que esse sinal seja completo é preciso que o Viking Saga FC seja rebaixado, morrendo, de certa forma (claro que o rebaixamento não é a morte de um clube, mas o clube falir e ser refundado é meio difícil – senão impossível – de ocorrer no FM).
      Depois, vem o Fimbulvetr, o longo inverno, que dura por três anos consecutivos. Assim, o inverno será uma estagnação por 3 temporadas, ou seja, se estiver em uma divisão com condição de acesso (da 6ª à 2ª), significa ficar 3 anos sem alcançar a promoção, se estiver na Premier League, primeiramente o alvo é a vaga na UEL, depois para a UCL, então para o título. Ou seja, quando subir da 2ª para a 1ª divisão, começa a contar 3 anos para ter uma classificação para a Europa League, depois 3 anos para a Champions, e, então, 3 anos para o título, se chegar ao título sem ter causado o Fimbulvetr, o título deve ser renovado a cada 3 anos, pelo menos.
      Por fim, há o desaparecimento do sol e da lua. Esse foi mais complicado para adaptar à proposta desta saga, mas considero que o desaparecimento do sol e da lua é a demissão do treinador, deixando o clube na escuridão. Assim, a demissão não será necessariamente o fim do save, mas uma das condições para a chegada do Ragnarok.
      Se não conseguir evitar os três sinais, o Ragnarok acontece e traz consigo o fim do mundo, ou seja, o fim do save.
       

      A Bifrost é uma ponte que liga o reino dos homens ao reino dos Deuses. Para o save, representa a travessia dos jogadores nórdicos para a Inglaterra. Utilizar a Bifrost significa contratar pelo menos 4 jogadores de origem nórdica* por temporada (*Dinamarca, Finlândia, Groelândia, Ilhas Faroe, Islândia, Noruega e Suécia, e pode ser como 2º nacionalidade). Obs.: Para deixar claro, serão contabilizados eventuais jogadores trazidos para o time sub-19, inclusive aqueles eventualmente oriundos das fornadas do clube.
       

      Os Deuses nórdicos, como tais, tem muitos tesouros e artefatos valiosos, sendo presenteados frequentemente (geralmente como pedido de desculpa de Loki por ter feito alguma besteira). Alguns desses artefatos aparecem no conto “Tesouro dos Deuses”, do livro “Mitologia Nórdica” de Neil Gaiman. Além dos citados no conto, os Deuses têm outros tesouros valiosos (como a já citada Gleipnir para prender Fenrir). Cada artefato é único e de difícil acesso, abrangendo um aspecto do jogo.
      Brisingamen é o colar da deusa Freya, deusa da beleza e amor. Um artefato utilizado por uma deusa da beleza pode ser equiparado ao dinheiro, que seduz os jogadores. Adquirir o Brisingamen significa transformar o Viking Saga FC no clube mais rico do mundo.
      Draupnir é o anel de Odin que a cada 9 noites cria oito anéis de mesmo tamanho e peso que o original, multiplicando-se. Possuir um Draupnir é ter uma produção em massa de itens valiosos. Assim, para isto, é necessário ter 8 jogadores que vieram de fornadas no plantel principal, que iniciem ao menos 60% das partidas em uma temporada e conquistar um título expressivo. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Gleipnir é a corrente que conseguiu prender Fenrir. As correntes que “prendem” os jogadores nos clubes são seus contratos. Obter este artefato é ter o jogador mais bem pago do mundo. (Obs.: Não é permitido aumentar a proposta salarial oferecida pelo agente do jogador)
      Gungnir, a lança de Odin, que nunca erra o alvo, sempre volta à sua mão e torna os juramentos prestados inquebráveis. Significa acertar precisamente uma contratação e transformar um jogador contratado em ícone ou lenda do clube.
      Hugin e Munin, são os corvos de Odin, contam a ele tudo que ouvem e tudo que veem. São os olheiros do clube, claro. Hugin é ter a melhor equipe de observação da Premier League. Munin é ter conhecimento de 35% do mundo (se atingir muito cedo, aumentamos).
      Maçãs de Iduna. Iduna é a Deusa da Juventude. Ela carrega consigo uma cesta de maçãs que fazem com que os deuses permaneçam jovens. Quando um Deus começa a sentir o efeito do envelhecimento, uma mordida das maças de Iduna é o suficiente para recuperar a força e juventude. A renovação é necessária em todo clube de futebol. Comer dessas maçãs é ser campeão com o elenco mais jovem. *Objetivo válido apenas para competições de 1º escalão (FA Cup, Premier Legue e Champions League)
      Mjolnir, o martelo de Thor é o mais famoso e desejado dos tesouros, aqueles que todos querem, mas apenas um tem. Representa ter um jogador reconhecido como o melhor jogador do mundo.
      Espero que apreciem essa viagem!
       
×
×
  • Create New...