Jump to content
Sign in to follow this  
Bruno Trink

Nación Charrúa [atualizado em 02.12]

Recommended Posts

Bruno Trink

spacer.png

 

O texto inicial vai em espanhol mesmo para não se perder na tradução. É do jornalista mexicano Eduardo Enrique López Navarrete e foi publicado no As em 5 de julho de 2018.

 

¿Qué es la 'garrra charrúa'?

'La garra charrúa' es el distintivo de un país. Pocas naciones en el mundo tienen a su selección de fútbol como un símbolo nacional. Uruguay es único.

"Uruguay no'ma". Es el grito de guerra de un país. La nación por encima de todo; de estrellatos, de egos, de nombres. Uruguay es una tribu, en el entendido de un colectivo amalgamado, seguro de su identidad y orgulloso de ella. El pegamento es la Selección nacional de fútbol. Pocos países del orbe, acaso ninguno, vuelca sus valores, esperanzas y anhelos en sus futbolistas profesionales, en su camiseta 'celeste', casi sagrada. La Selección Uruguaya es el guardián y embajador de la identidad nacional, de la legendaria "garra charrúa". "Uruguay, más que nadie, menos que ninguno, distinto a todos", reza la campaña de la agencia de publicidad 'Campo de Marte' previa a la Copa América de 2015. Identidad, orgullo, coraje.

"La garra charrúa", la describió Alfredo Etchandy, subsecretario del deporte del gobierno uruguayo, no sólo como un generador de lenguaje e idioma (frases como "los de afuera son de palo", pronunciada por el capitán del equipo, Obdulio Varela, antes del Maracanazo, se han infiltrado en el habla común del uruguayo de a pie); sino, además, como el sello que define la identidad nacional: "Tiene unos componentes más amplio (...) Es ese plus que dan los uruguayos cuando parece que están vencidos, que ya no pueden dar más y aparece una fuerza interior que lo lleva a seguir luchando, a seguir adelante y muchas veces conseguir la victoria", explicó en un simposio celebrado el pasado mes de abril en Montevideo.

¿Cómo urge la 'garra charrúa'? Como todo mito, fue un evento catártico su origen. El Maracanazo. La remontada frente a 200,000 aficionados enfervorecidos. "Los de afuera son de palo", muestra del temple, el arrojo. En realidad, el episodio, vital para revitalizar el imaginario colectivo de una nación golpeada, acrecentó el concepto ya existente desde la década de los 20, un símbolo nacional ya en los 30, la época de oro de su fútbol, según explica el académico Gustavo San Román en su ensayo "La garra charrúa: fútbol, indios, e identidad en el Uruguay contemporáneo", publicado por Universidad de Saint Andrew's.

Espíritu de batalla
Obdulio-Varela-1.jpgEn su texto, San Román establece una conexión entre la herencia aborigen 'charrúa', el pueblo que habitaba al norte del Río de La Plata, en el actual territorio uruguayo, y el concepto "garra", ligado directamente al fútbol y sus valores, con los que se identifica la sociedad uruguaya: "sustantivo denotador de vigor y convicción", describe San Román. A partir de una revisión histórica, el autor quiere analizar los componentes del concepto como un factor de identidad nacional. Un manto, presentado por la afición 'celeste' durante un encuentro de repechaje mundialista entre Uruguay y Australia, en 2001, que mostraba la imagen de un indio charrúa de pie sobre pabellones colombianos y brasileños, fue el punto de partida para el estudio de San Román. "Esta imagen representa 'la garra charrúa', el espíritu de batalla personificado en los más rudos e intransigentes de los habitantes aborígenes de lo que hoy es Uruguay", escribió. El concepto se traslada a la representación futbolera de las viejas batallas territoriales. 'La garra charrúa' es una recreación, simbólica, del espíritu de lucha indígena.

El poder simbólico del concepto "garra charrúa" es motivo de orgullo para los uruguayos a los que la historia les ha quedado muy lejos. A pesar del exterminio charrúa y la ocupación europea del territorio nacional, el uruguayo, aunque no sienta como propio el legado indígena, sí ha heredado sus valores. Y el fútbol, por su esencia como deporte de brega, y su rol como constructor de la sociedad uruguaya, permanece como "la fuerza que más aglutina al país". San Román concluye que "la garra charrúa" es una especie de terapia nacional que pone el país de frente a sus complejos; acude a la fortaleza porque ha sufrido; el espíritu de guerra honra a los extintos 'charrúas', con quienes la sociedad se siente en falta. El fútbol permite "una futura rehabilitación real" y una "reciente y saludable rehabilitación real". Jorge Batlle, expresidente del Uruguay, dio una conclusión terminante: "Entendemos el fútbol como una expresión de nuestra fuerza colectiva y una forma de hacer visible nuestro carácter".

¿Qué es la 'garra charrúa'? Es la resistencia, la entrega, el compromiso; el dejar el corazón. El gol de Héctor 'El Manco Divino' Castro en la final del Mundial de 1930, una leyenda sin mano izquierda; Obdulio Varela, con las espinillas destrozadas, de pie hasta el último minuto para eliminar a Inglaterra en el Mundial de 1954; Juan Hohberg, con el corazón detenido sobre el campo de juego después de empatar a la imbatible Hungría en la semifinal del '54 y después, reanimado con frotaciones al pecho, aún batiéndose en la cancha; o Eliseo Álvarez, que saltaba sobre su pierna izquierda, mientras su tobillo izquierdo, hecho añicos, sorteaba las patadas soviéticas en 1962. Es la 'garra charrúa' que empuja a Washington Tabárez a dirigir sostenido por un bastón, inescrutable desde la línea de cal. Resistir sin impedimentos. La que tendrán que vencer Griezmann, Pogba, Mbappé, sobre Godín, Vecino, 'Cebolla' Rodríguez, Giménez, Suárez, Stuani. Vencer a un país.
 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink

spacer.png

 

Montevideo, 8 de julio de 2019

spacer.png

 

spacer.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Neynaocai

Bien podría haber sido así, la final de la Copa América 2019.

Share this post


Link to post
Share on other sites
jeanslay

Essa historia do Hohberg é fenomenal. Esse nome e essa historia sao a personificação da garra charrúa.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink

banner62880ea0e99cce50.png

 

Montevideo, 8 de julio de 2019

 

Vocês devem me conhecer do perfil do Twitter @CharruaNacion, onde eu sempre escrevi meus pitacos sobre a nossa amada Celeste. Continuarei por lá mas passo também a escrever aqui nesse novo espaço. E começo com um acontecimento triste.

"El Maestro" Óscar Tabárez não merecia passar pelo que está passando. Acabou pedindo demissão depois da má campanha na Copa América. Acho até que antecipou para não passar pelo constrangimento de ser demitido. Talvez devesse ter encerrado sua passagem na seleção uruguaia após a eliminação na Copa da Rússia. Os problemas de saúde, é verdade, nunca foram usados como desculpa mas é óbvio que as complicações decorrentes da síndrome de Guillain-Barré limitam muito seus movimentos. No entanto, o fato é que ele não é mais o treinador da seleção e, para o seu lugar, Ignacio Alonso surpreendeu e escolheu outro ídolo. Só que Diego Forlán, um monstro dentro dos gramados, não tem a menor experiência fora deles.

spacer.png

 

Diego Martín Forlán Corazzo é "apenas" filho de Pablo Forlán e neto de Juan Carlos Corazzo. Sua carreira como jogador profissional, os clubes por onde passou, os títulos que conquistou falam por si. Foi um atacante extremamente talentoso, dotado tecnicamente, trabalhador e criativo, com grande senso posicional e capaz de atuar em qualquer função da linha de frente. Jogou como atacante principal, segundo atacante, meia atacante e até como jogador de lado. Chutava com os dois pés, tanto de dentro quanto de fora da área, e ainda era um ótimo cobrador de faltas e pênaltis. 

O trabalho já começa imediatamente e Forlán já afirmou que estará sempre presente, acompanhando os possíveis convocados para o primeiro amistoso, ainda sem adversário, que será daqui a dois meses. Já em outubro, começa a caminhada nas Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar. E já de cara a Celeste recebe o Paraguai no Centenário e sai para encarar a Argentina no Monumental de Nuñez.

spacer.png

 

A convocação ainda é um mistério. Não se sabe se Forlán irá, de cara, iniciar uma reformulação visando 2022 ou se manterá boa parte da convocação feita para a Copa América. Temos ótimas promessas que já são praticamente realidade mas muitos dos grandes nomes já terão 35 anos ou mais na Copa. Nomes pesados como Muslera, Godín, Suárez e Cavani. Estou realmente curioso para ver o que o Cachavacha pretende fazer.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Neynaocai

Um nome já é certo na convocação: Giorgian de Arrascaeta hahaha

Share this post


Link to post
Share on other sites
Tsuru

Gosto muito da Celeste Olímpica e já pensei várias vezes em fazer saves no Uruguai. É claro que estarei acompanhando e torcendo.

Sucesso para o Forlan e para a seleção!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Gabriel Kanaan

É um desafio bem interessante conseguir promover essa renovação na seleção uruguaia.

Fico especialmente interessado porque moro bem próximo ao Uruguai, tenho um carinho especial pela seleção de lá e é muito legal de ver o envolvimento deles com o time.

Boa sorte no trabalho!

Share this post


Link to post
Share on other sites
paulo too

boa sorte, tera um grande trabalho nessa renovação da celeste, e o dna da garra em campo sera mantido né ? ou vai tentar muda para um estilo de jogo mais bonito

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink
Em 13/11/2019 em 11:15, Neynaocai disse:

Um nome já é certo na convocação: Giorgian de Arrascaeta hahaha

Claro! Arraxxxxxxca é craque demais!

 

Em 13/11/2019 em 11:32, Tsuru disse:

Gosto muito da Celeste Olímpica e já pensei várias vezes em fazer saves no Uruguai. É claro que estarei acompanhando e torcendo.

Sucesso para o Forlan e para a seleção!

Eu ia fazer um save na América do Sul, né, mas o @vinny_dp roubou minha ideia! Me restou fazer com uma seleção, outro que eu queria fazer há um tempo. E dá pra jogar os dois ao mesmo tempo.

 

Em 13/11/2019 em 17:58, Gabriel Kanaan disse:

É um desafio bem interessante conseguir promover essa renovação na seleção uruguaia.

Fico especialmente interessado porque moro bem próximo ao Uruguai, tenho um carinho especial pela seleção de lá e é muito legal de ver o envolvimento deles com o time.

Boa sorte no trabalho!

É. essa questão da renovação vai ser complicada nesse início, alguns medalhões fortes que eu não sei como chegarão em 2022. Não tenho essa ligação tão forte com os uruguaios mas gosto de ver esse espírito raçudo de seus jogadores e acho que, com essa próxima geração, dá pra misturar talento com a garra tradicional.

 

17 horas atrás, paulo too disse:

boa sorte, tera um grande trabalho nessa renovação da celeste, e o dna da garra em campo sera mantido né ? ou vai tentar muda para um estilo de jogo mais bonito

Como disse aí em cima, pretendo aproveitar o talento da nova geração sem abandonar a tradicional garra charrúa.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marciof89

Realmente vai ter trabalho para identificar jogadores bons o suficiente para garantirem uma renovação celeste. Eu to realmente muito curioso pra ver o que vai surgir daí!

Share this post


Link to post
Share on other sites
arecibo8

Sempre tive curiosidade para saber como é um save de seleção, como é que se fortifica a liga, os times para fortificar a seleção. 

Infelizmente nunca tive paciência para isso (apesar de já ter sido campeão mundial algumas vezes já, nunca fiz uma preparação a longo prazo, talvez um dia faça e leve algumas lições do seu save) 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink
Em 15/11/2019 em 02:56, marciof89 disse:

Realmente vai ter trabalho para identificar jogadores bons o suficiente para garantirem uma renovação celeste. Eu to realmente muito curioso pra ver o que vai surgir daí!

O Uruguai já tem alguns jogadores jovens que são realidade só que não em todas as posições. O meio de campo, especialmente, já está bem renovado com jogadores para alguns bons anos.

 

Em 17/11/2019 em 17:31, arecibo8 disse:

Sempre tive curiosidade para saber como é um save de seleção, como é que se fortifica a liga, os times para fortificar a seleção. 

Infelizmente nunca tive paciência para isso (apesar de já ter sido campeão mundial algumas vezes já, nunca fiz uma preparação a longo prazo, talvez um dia faça e leve algumas lições do seu save) 

Vamos ver se eu consigo levar esse save por tanto tempo para que possamos ver esse fortalecimento.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink

banner62880ea0e99cce50.png

 

Montevideo, 8 de julio de 2019

 

A expectativa pela estreia de Diego Forlán no comando da Celeste era imensa. Depois dos mais de treze anos da era Óscar Tabárez, qualquer um que entrasse no seu lugar seria bastante comparado com El Maestro. A opção por um ex-jogador com o tamanho do Cachavacha tem a tendência de diminuir essa pressão. Talvez por isso, poucos membros da imprensa esportiva bateram pela derrota na estreia, naquele desnecessário amistoso em Dublin. Uma partida em que jogamos mais mas que foi definida numa jogada de bola parada.

Quando chegamos no momento da verdade, primeiras duas rodadas das Eliminatórias para a próxima Copa do Mundo, podemos analisar de algumas maneiras. Olhando apenas para os resultados, nada fugiu da normalidade. Derrotamos paraguaios em casa, vitória esperada. Perdemos para a Argentina lá, também já imaginava. Nos últimos doze confrontos contra nossos rivais, contando com a derrota por 3 a 0 na última Copa América, vencemos apenas duas vezes e empatamos outras duas. Por Eliminatórias, lá na Argentina, perdemos em 2004, 2008, 2012 e 2016. Então, nenhuma novidade em perder novamente o Clásico del Río de la Plata.

Prefiro dar mais tempo ao Forlán. No entanto, já consegui ver algumas coisas interessantes no seu time. Jogando em casa, um 4-3-1-2 com três volantes muito dinâmicos, marcação alta, mordendo muito na recuperação pós-perda. Podia ter sido muito mais do que apenas 2 a 0.

spacer.png

 

Já contra a Argentina, uma mudança tática clara. Sacou o meia atacante, abriu Nico López e Suárez pelos lados e recuou o Torreira. Bentancur marcando Messi praticamente individual. Funcionou muito bem no primeiro tempo. Já na volta do intervalo, Gallardo mudou, Messi foi para o ataque e Forlán demorou a perceber. Fruto, provavelmente, da inexperiência do nosso novo comandante. Tempo suficiente para que o melhor do mundo tivesse espaço e conseguisse marcar o gol único do jogo. 

spacer.png

 

No que diz respeito às duas convocações, vimos algumas novidades na primeira, a do amistoso, principalmente na defesa. A segunda foi mais, digamos, tradicional. Varela jogou no amistoso mas, quando foi à vera, Forlán apelou para o Cáceres. A lateral esquerda ainda está bastante indefinida e Olaza e Ricca saíram na frente. De Arrascaeta perdeu espaço para Gastón Pereiro, muito bem no PSV nos últimos meses. Já no gol, a renovação ainda deve demorar um tempo até alguém conseguir barrar Fernando Muslera.

spacer.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
Neynaocai

Danny Green tocando essa seleção irlandesa aí?
Como assim sacou o Arrasca? Por isso que perdeu. Esse Gastão Pedreiro aí não tem que tirar o lugar do mito.
Cadê o Gonzalo Carneiro nessa convocação? Cavani tá velho, tem que renovar o time.
Não dá pra ficar levando os amigos, Fórlan. É seleção, tem que ser os melhores.
Cadê Cebola Rodriguez?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lanko

Os nomes principais tão bem velhos hein.

Não sei como vai ser depois que aposentarem de vez.

No mais, preste atenção em Federico Valverde, se ainda estiver no Real Madrid. Foi fundamental quando joguei com o Benfica e o cara virou um monstro no meio campo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marciof89

Martín Silva com 36 anos e ainda na seleção, mito demais.

Achei que Arrasca já seria titular nesse time ai.

Realmente a perspectiva atual é meio complicada, a maior parte dos craques realmente já estão velhos. Vai ser osso.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Gabriel Kanaan

Tudo dentro do esperado nesse início, exceto aquela estreia com derrota.

Acredito que a surpresa, como já falaram, seja o De Arrascaeta não conseguir se firmar no time.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Tsuru

Nossa, Muslera ainda tá na Seleção? É uma espécie de Highlander uruguaio, desde que me lembro ele já era o goleiro hahaha

O time está envelhecido e até agora o treinador cumpriu as expectativas, sem surpreender muito. Mas foi bem contra a Argentina, acho que é questão de tempo até as coisas encaixarem.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink
Em 19/11/2019 em 13:56, Neynaocai disse:

Danny Green tocando essa seleção irlandesa aí?
Como assim sacou o Arrasca? Por isso que perdeu. Esse Gastão Pedreiro aí não tem que tirar o lugar do mito.
Cadê o Gonzalo Carneiro nessa convocação? Cavani tá velho, tem que renovar o time.
Não dá pra ficar levando os amigos, Fórlan. É seleção, tem que ser os melhores.
Cadê Cebola Rodriguez?

Calma lá, o Arrasca ainda vai voltar. Pereiro estava num momento melhor, o assistente indicou e, na verdade, os dois tem o mesmo nível, mais ou menos.

Sobre Carneiro e Cebola, o primeiro está suspenso, não? Nem cheguei a ver se no jogo está, mas nem ele, nem o Cebola tem nível para voltar para a seleção.

 

Em 21/11/2019 em 18:59, Lanko disse:

Os nomes principais tão bem velhos hein.

Não sei como vai ser depois que aposentarem de vez.

No mais, preste atenção em Federico Valverde, se ainda estiver no Real Madrid. Foi fundamental quando joguei com o Benfica e o cara virou um monstro no meio campo.

Sim, Valverde está no radar. O grande problema é que ele joga pouco no clube e isso impacta na convocação. Os veteranos são uma preocupação, sim, mas mais ou menos endereçadas. Na zaga, Josema Giménez ainda é novo e a preciso fazer apenas a transição do Godín. No ataque vai ser um pouco mais difícil de encontrar, agora, jogadores no mesmo nível de Cavani e Suárez mas não cai tanto. Só no gol que minha preocupação é maior.

 

Em 25/11/2019 em 00:13, marciof89 disse:

Martín Silva com 36 anos e ainda na seleção, mito demais.

Achei que Arrasca já seria titular nesse time ai.

Realmente a perspectiva atual é meio complicada, a maior parte dos craques realmente já estão velhos. Vai ser osso.

Pois é, estou preocupado com a renovação no gol. Menos mal que goleiros "duram" mais tempo.

 

Em 25/11/2019 em 10:48, Gabriel Kanaan disse:

Tudo dentro do esperado nesse início, exceto aquela estreia com derrota.

Acredito que a surpresa, como já falaram, seja o De Arrascaeta não conseguir se firmar no time.

Questão de momento a escolha pelo Pereiro, vamos ver na próxima data FIFA se o Arrasca volta.

Nem liguei tanto para a derrota no amistoso, o time pareceu um pouco com preguiça de estar lá.

 

Em 25/11/2019 em 18:27, Tsuru disse:

Nossa, Muslera ainda tá na Seleção? É uma espécie de Highlander uruguaio, desde que me lembro ele já era o goleiro hahaha

O time está envelhecido e até agora o treinador cumpriu as expectativas, sem surpreender muito. Mas foi bem contra a Argentina, acho que é questão de tempo até as coisas encaixarem.

É verdade, ainda não fizemos muito além do esperado e acho até que, durante essa campanha de Eliminatórias, não veremos muitas novidades. Talvez mais pra perto da Copa, vai depender de como vão envelhecer, principalmente, Godín e Suárez.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Bruno Trink

banner62880ea0e99cce50.png

 

Montevideo, 19 de novembro de 2019

 

Edinson Cavani. Se Diego Forlán é considerado um dos melhores atacantes que já vestiram o manto celeste, posso dizer que, nesse seu início de trabalho como treinador, Cavani é seu representante dentro de campo. Nessas quatro primeiras partidas oficiais, o Tarzan marcou cinco dos sete gols uruguaios nas Eliminatórias e, se não tivesse saído lesionado no início da partida contra o Chile, talvez pudéssemos estar comemorando mais uma vitória. De qualquer forma, com esse empate e o triunfo sobre o Equador, estamos na quarta colocação, junto com Venezuela e Peru e três pontos atrás da líder Argentina. A seleção volta a campo apenas em março do ano que vem em dois confrontos bastante complicados contra Brasil e Colômbia.

spacer.png

spacer.png

Uruguai 3 - 1 EquadorChile 2 - 2 Uruguai

 

Em relação à primeira convocação, Forlán mudou pouco. Na zaga, Coates voltou depois de lesão no lugar do Emiliano Velázquez e no meio Laxalt ficou fora para o retorno de Fede Valverde. O meia esquerda do Milan, pelo visto nesse início de trabalho, tende a perder espaço, muito por ter características que não encaixam no modelo de jogo apresentado até agora. Já no time titular, De Arrascaeta reconquistou a vaga e Pereiro ficou no banco de reservas nas duas partidas. Contra o Chile, Varela foi o titular da lateral direita no lugar do suspenso Martín Cáceres. Por falar em suspensão, Vecino recebeu o segundo amarelo e não poderá atuar contra o Brasil.

spacer.png

 

No ano que vem, teremos mais uma vez uma Copa América e o sorteio, realizado no mês passado, não foi nada favorável. Estamos no grupo B com os atuais campeões e vice, Peru e Brasil, respectivamente, além da Venezuela. A AUF ainda não se pronunciou a respeito das suas expectativas sobre a competição. Entretanto, independente de qualquer coisa, uma eliminação na primeira fase
seria visto como um primeiro grande vexame da Era Forlán.

spacer.png

Share this post


Link to post
Share on other sites
jeanslay

O grupo é duro, mas aposto numa classificação com duas vitorias. E mesmo se for mal, é mais dificil sair fora do que classificar na copa america.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • Johann Duwe
      By Johann Duwe
      Banner by @Tsuru
      Estava entre duas situações distintas para este save, ou eu começaria na Ásia ou em alguma liga periférica na Europa. Acabei decidindo, ajudado por outros amigos da área, a começar na Europa, mais precisamente na região Escandinava.
      Um dos motivos que me fez escolher essa região foi o fato de eu não jogar em nenhuma liga escandinava desde o FM 2013, então é bom poder voltar novamente para a área nórdica do mundo.
       
       
      Ligas Selecionadas:
      Todas divisões de Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia.
      Ver apenas a primeira divisão de Bélgica, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Polônia, Irlanda e Rússia.
      Perfil do Treinador: Aron Steffarsson, treinador de 21 anos nascido em Ilhas Faroé, sem licença e com experiência no futebol amador. Começarei desempregado e irei trilhar meu caminho para o sucesso.

       
      Por se tratar de um save carreira, o único objetivo a longo prazo que irei impor é:
      Vencer 01 Eurocopa e 01 Copa do Mundo com alguma das seleções nórdicas.
       
       
    • luiz (🇦🇩)
      By luiz (🇦🇩)
      Prólogo
      Após quase dois anos ausente do fórum, devido à vários motivos, o lançamento de uma nova versão do Football Manager me trouxe novamente até aqui e estar no fórum e ler algumas excelentes histórias de alguns companheiros, é impossível que o bichito não te pique. Ainda não me adaptei completamente a essa nova versão, que, para quem vem do FM17, apresenta muitas novas features, principalmente no âmbito tático e de controle de plantel, mas, como vinha tendo algumas dificuldades para me empolgar em saves offline, acabei me decidindo a contar uma história, que, de antemão, afirmo que será simples, nada mais que um relato do que estou jogando. 
      O clube escolhido é o Fútbol Club Andorra, que participa da pirâmide espanhola, estando, na vida real, na Preferente Catalana, equivalente ao quinto nível, mas como a expansão de ligas ainda não está completa, o coloquei na Tercera División, que é o quarto nível, substituindo a equipe de menor reputação presente. 
      A minha ideia para esse save será utilizar apenas jogadores andorranos. Para isso, habilitei, além da pirâmide espanhola, as duas divisões do futebol andorrano. 
      O treinador do clube será o ex-zagueiro Antoni "Toni" Lima, que, apesar de nunca ter atuado no clube, é um dos maiores jogadores da história do futebol andorrano. Antoni tem um irmão mais novo, Ildefons, que atualmente atua no próprio futebol andorrano, mas foi formado no FC Andorra e rodou por vários clubes, passando até mesmo pelo futebol da América, onde atuou no Pachuca. Via editor, coloquei o no clube para que termine sua carreira onde começou e "comandado" pelo irmão. 
      Concluindo, acredito que possa não receber a melhor recepção nesse retorno, pois cometi erros no passado, ofendi alguns membros desnecessariamente, e sei que após errar, a confiança não retorna de imediato, mas espero pode demonstrar que os erros ficaram no passado e que retorno à área com uma nova forma de pensar e me comportar. De todas as maneiras, um sincero pedido de desculpas para aqueles com quem não me portei bem no passado.
      Espero me divertir e que vocês também se divirtam com a história.
      Luiz. 
    • Neynaocai
      By Neynaocai
      “Depois de maio de 1940, os bons tempos se acabaram: primeiro a guerra a capitulação, seguida da chegada dos alemães. Foi então que, realmente, principiaram os sofrimentos dos judeus. Decretos anti-semitas surgiam, uns após os outros, em rápida sucessão. Os judeus tinham de usar, bem à vista, uma estrela amarela; os judeus tinham de entregar suas bicicletas; os judeus não podiam andar de bonde; os judeus não podiam dirigir automóveis. Só lhes era permitido fazer compras das três as cinco e, mesmo assim, apenas em lojas que tivessem uma placa com os dizeres: LOSA ISRAELIA. Os judeus eram obrigados a se recolher a suas casas às oito da noite, e, depois dessa hora, não podiam sentar-se nem mesmo em seus próprios jardins. Os judeus não podiam frequentar teatros, cinemas e outros locais de diversão. Os judeus não podiam praticar esportes publicamente. Piscinas, quadras de tênis, campos de hóquei e outros locais para a prática de esportes eram-lhes terminantemente proibidos. Os judeus não podiam visitar os cristãos. Só podiam frequentar escolas judias, sofrendo ainda uma série de restrições semelhantes.
      Assim, não podíamos fazer isto e estávamos proibidos de fazer aquilo. Mas a vida continuava, apesar de tudo Jopie costumava dizer-me: _ A gente tem medo de fazer qualquer coisa porque pode estar proibido. _ Nossa liberdade era tremendamente limitada, mas ainda assim as coisas eram suportáveis.” Diário de Anne Frank, págs. 11 e 12.
       
      Não possuo qualquer ligação com a comunidade judaica, nem ascendência ou apreço maior por algum clube com tal relação. Por outro lado, os absurdos cometidos pelos nazistas foram muito bem documentados para não deixar ninguém incauto. Nada obstante, a idiotice humana aparece com mais força em tempos e situações de escassez (econômica, política, cultural...), portanto não me surpreendem que manifestações preconceituosas se reciclem em nossa história.
      A não ser que cheguemos em um tempo de disponibilidade total de recursos (o que considero improvável), entendo que o preconceito sempre existirá, transmutando-se em mentes fracas e com medo. Sim, o preconceito é a voz do medo e faz do ódio seu fio condutor. Por isso, não consigo ver muito sentido na frase comum: “não acredito que em 2019 alguém ainda pense assim”. Pois pensamos absurdos todo santo dia e o melhor que podemos fazer é explorar nossas opiniões, amadurecê-las e buscar evoluir – a expressão preconceituosa é imatura, fechada em si mesma e irracional.
      Apesar de não ser judeu, meu nome – para quem ainda não sabe – é Israel (tambores de revelação). O livro da Anne Frank chegou agora em minha vida e a genialidade, sensibilidade e capacidade de transmitir a crueldade e dor de um período com a sutileza do olhar de uma criança de 13 anos, me tocou demais.
      Pensei, portanto, em fazer uma jornada entre Alemanha e Holanda, lugares por onde Anne passou. Mas como ficaria um tanto limitado, decidi que vou começar de baixo, trabalhando em clubes com ligações à comunidade judaica, especialmente em Alemanha, Holanda e Israel, eventualmente jogando em algum clube dos EUA. O objetivo é chegar ao topo da carreira treinando Ajax e/ou Tottenham.
      A princípio começaria em Frankfurt, mas não consegui encontrar na base de dados (German System Football League - dica muito boa do @Johann Duwe) que estou utilizando o FC Gudesding Frankfurt, um clube criado por amigos judeus em Frankfurt an Main, cidade de nascimento de Anne. Enquanto procurava, me chamou atenção o TuS Makkabi Berlin e é por lá que vamos começar. Ou melhor, por onde Pedro Van Pels vai começar sua carreira.
       
      Makkabi Berlin
      Fundado em 1898, o clube antecessor Bar Kochba Berlin era uma das maiores organizações judaicas do mundo em 1930, com mais de 40.000 membros de 24 países, parte do movimento geral de Bar-Kochba destinado a promover a educação física e a herança judaica. O clube organizou equipes em vários esportes, incluindo um time de futebol que competiu nas ligas da cidade entre 1911 e 1929. Em 1924, Lilli Henoch, recordista mundial de eventos de discus, arremesso de peso e revezamento de 4 × 100 metros, treinou as mulheres. (Henoch foi assassinada pelos nazistas em um gueto próximo a Riga, Letônia, em 1942).
      Em 1929, o Bar Kochba fundiu-se com o Hakoah Berlin para formar o clube esportivo Bar Kochba-Hakoah . O lado Hakoah teve um sucesso cada vez maior, conquistando três campeonatos consecutivos na divisão inferior entre 1925 e 1927. Eles eram promovidos a cada vez até que, em 1928, jogavam futebol de primeira linha. O lado recém-combinado continuou a competir como Hakoah depois de 1929.
      A ascensão ao poder dos nazistas no início dos anos 30 levou à discriminação contra judeus e, em 1933, as equipes judias foram excluídas da competição geral e limitadas a jogar em ligas ou torneios separados. Em 1938, as equipes judaicas foram banidas imediatamente, quando a discriminação se transformou em perseguição.
      Em 26 de novembro de 1970, o TuS Makkabi Berlin foi formado a partir da fusão da Bar-Kochba Berlin (ginástica e atletismo), Hakoah Berlin (futebol, restabelecido em 1945) e Makkabi Berlin (boxe).
      Aparentemente não possui quaisquer títulos, mas poderei descobrir mais sobre o clube no decorrer.
      O clube joga a Berlin Liga, que faz parte do sexto nível do futebol alemão, tendo o seguinte caminho de ascensão:

       
      Índice:
      Histórico:
      Ligas selecionadas:
       
    • luiz (🇦🇩)
      By luiz (🇦🇩)
      FIFA WORLD CUP™
      Comunicado: FIFA World Cup™
      04.07.2018
      Gianni Infantino: «Nós concluímos que era a melhor decisão para promover o crescimento do futebol como um todo».
      A FIFA anunciou em seu congresso anual, realizado em Zurique, Suíça, através do presidente da entidade, Gianni Infantino, o novo formato de disputa da FIFA World Cup™. Após o formato com 48 seleções ser amplamente criticado, a entidade decidiu, em conjunto com os presidentes de cada confederação, um novo método de disputa que foi aprovado pelos presidentes de cada federação nacional com cerca de 82% dos votos. 
      Gianni Infantino: «A Copa do Mundo não será mais de quatro em quatro anos. Sei que muitos entendem que esse é o charme da competição, mas sentimos que esse formato não estava permitindo um desenvolvimento adequado do futebol, sobretudo nos países de menor expressão, ademais dos altos custos que cada edição deixou para o país--sede. Sendo assim, é com muito prazer que anuncio que a nova Copa do Mundo será realizada temporada a temporada, sem uma sede fixa».
      A nova Copa do Mundo contará com a participação de todas as seleções filiadas a FIFA em uma competição que durará entre setembro e junho. Para isso ser possível, a FIFA World Cup™ será a única competição a nível de seleções chancelada pela FIFA. O formato de disputa será em eliminatórias de ida e volta, o que pode permitir, por exemplo, um confronto entre a líder do ranking, Bélgica, e uma seleção de nível muito menor como Montserrat. 
      Gianni Infantino: «Temos consciência que a princípio pode e deve haver uma certa disparidade em alguns confrontos, mas entendemos e estamos contente de ter a aprovação da maioria das federações que concordam que isso tende apenas a beneficiar o desenvolvimento do esporte em todo o planeta».
      Assim será o formato da FIFA World Cup™:
      Fase Preliminar: As 166 piores seleções de acordo com o ranking da FIFA entram nesta fase, que será disputada no mês de setembro.  Primeira Eliminatória: As outras 45 seleções juntam-se aos 83 vencedores da fase preliminar. Os confrontos serão disputados no mês de outubro. Segunda Eliminatória: Conta com as 64 vencedoras da primeira eliminatória. Os confrontos serão disputados no mês de novembro. Terceira Eliminatória: Conta com as 32 vencedores da segunda eliminatória. Os confrontos serão disputados no mês de março. Oitavas, Quartas, Semifinal e Final: Segue o padrão clássico de competições eliminatórias. Os confrontos acontecem nos meses de abril, junho e julho.  O sorteio da Fase Preliminar acontecerá no próximo dia 06 de agosto, em Zurique, Suíça. 

       
    • Tsuru
      By Tsuru
      Olímpio Celeste é um uruguaio que carrega, no nome e na alma, a paixão pelo futebol de seu país. Batizado em homenagem aos anos dourados da Celeste - décadas de 20 e 30 -, ele cresceu ouvindo histórias sobre a seleção que ganhava tudo e encantava o mundo, que calou o Maracanã em 1950 e que, desde então, viu a ascensão de forças como Brasil, Argentina, Itália e Alemanha. 
      Também ouviu falar do grande Peñarol dos anos 60, três vezes campeão da Libertadores da América. Teve ainda a oportunidade de ver os dois títulos continentais dos aurinegros na década de 80 (1982 e 1987), que quase foi um novo tricampeonato, impedido em 1983 pelo Grêmio de Renato Gaúcho. Somadas às três conquistas do arquirrival, o Nacional (1970, 1980 e 1988), são oito taças, que colocam o Uruguai como o terceiro país mais vitorioso da competição - atrás apenas da Argentina e do Brasil. Porém, o sucesso dos clubes charruas parece ser apenas uma lembrança de um passado cada vez mais distante.
      O sonho de Olimpio é, através da carreira de técnico, levar os clubes e a Celeste Olímpica a dominarem novamente o mundo do futebol. E, inspirado pelos saves Projeto Holanda, do @gq-tricolor, e Cerro Corá, do @CCSantos, encarnarei o personagem para contar aqui essa jornada.
       

       
      Vencer três vezes a Libertadores da América comandando clubes uruguaios;
        Vencer o Mundial de Clubes com um time uruguaio;
        Levar um time uruguaio a vencer, numa temporada, todos os títulos em disputa;
        Assumir a Celeste Olimpica;
        Vencer a Copa América;
        Vencer a Olimpíada;
        Vencer a Copa do Mundo;
        Ser o maior treinador uruguaio no quadro de honra.
        (Outras sugestões são muito bem-vindas).
       

       
      Como podem ver, optei pelo FM 15. Não tenho interesse nas versões mais recentes e, no 17, as ligas uruguaias só possuem um turno, de agosto a dezembro. Isto significa que, no restante do ano, eu teria que ficar organizando excursões aleatórias para não deixar os jogadores parados. Poderia funcionar se fosse apenas um período, mas ficar o save todo fazendo isso, inclusive na primeira divisão, não tem sentido.
       

       
      Carreguei todas as ligas da América do Sul e do Norte presentes na db original, com a primeira divisão jogável, exceto o Uruguai - que tem as três primeiras divisões ativas e mais as regionais visíveis, por meio do update do blog Uruguay Football Manager. Também instalei o name fix do Sortitoutsi, para que as cores e os nomes dos clubes não licenciados apareçam corretamente. Por fim, coloquei a moeda em pesos uruguaios, para tornar mais condizente com a proposta de jogo. 
       

       
      Temporada 1: 2014-2015
      Albion FC  

       
      Em breve...
×
×
  • Create New...