Jump to content
Sign in to follow this  
Aleef

A sociedade do Cansaço

Recommended Posts

Aleef

Por que vivemos na sociedade do cansaço, segundo este filósofo

Para o coreano Byung-chul Han, a contemporaneidade é marcada por um excesso de positividade que culmina nas mais diversas patologias psicológicas
 

Em 2013, uma pesquisa realizada pelo Ibope demonstrou que 98% dos brasileiros se sentem cansados mental e fisicamente. Os jovens de 20 a 29 anos representam a maior fatia dos exaustos. A tendência aparece em outros lugares. De acordo com o Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos de 2015, 43% dos trabalhadores do país dormem menos do que o período recomendado pela Fundação Nacional do Sono, ONG americana que promove a conscientização pública da importância do sono e dos distúrbios decorrentes da falta dele. O filósofo sul-coreano Byung-chul Han se debruçou sobre o tema da exaustão e produziu o ensaio “Sociedade do cansaço”, publicado no Brasil em formato de livro pela editora Vozes. No texto, Han argumenta que cada época possui epidemias próprias, como as doenças bacteriológicas e virais que marcaram o século 20. Para ele, as patologias neurais definem o século 21 – e todas elas surgem a partir de um denominador comum: o excesso de positividade.

A positividade e a sociedade do desempenho

Para Han, os males da alma surgem de um excesso de positividade presente em todas as esferas da sociedade contemporânea. Nesses discursos, predominam as mensagens de ação produtiva e as ideias de que todas as metas são alcançáveis. O autor simboliza esse fenômeno a partir do slogan da campanha presidencial de Barack Obama em 2008: “Yes, we can” (“Sim, nós podemos”, em tradução livre) e do slogan da Nike, “just do it” (“simplesmente faça”). De acordo com o filósofo, o excesso de positividade presente na contemporaneidade culmina na criação de uma “sociedade do desempenho”, um cenário em que a produtividade se torna um norte para os indivíduos. Han afirma que a sociedade do desempenho seria um contraponto à sociedade disciplinar postulada pelo filósofo francês Michel Foucault no século 20. Na sociedade disciplinar de Foucault, o indivíduo é vigiado constantemente, estando sujeito às normas locais e às punições decorrentes de qualquer tipo de desvio de conduta.

Mesmo parecendo contraditórias, Han acredita que as duas premissas se complementam de certa forma. Para ele, o sujeito do desempenho é mais rápido e produtivo do que o indivíduo obediente, mas o poder se transforma em uma espécie de dever. “O poder eleva o nível de produtividade que é intencionado através da técnica disciplinar, o imperativo do dever”, afirma. Han usa o trabalho do sociólogo francês Alain Ehrenberg para determinar como surge a depressão no contexto da sociedade do desempenho. No livro “La fatigue d'être soi: dépression et société” (“O cansaço de ser você mesmo: depressão e sociedade”, em tradução livre), Ehrenberg argumenta que a depressão surge do cansaço proveniente do esforço do indivíduo de ter de ser ele mesmo. O cansaço de ser si mesmo, para Ehrenberg, surge da pressão por sempre ser autêntico e produtivo, bem como da ideia difundida nos mais diversos ambientes de que nada é impossível e tudo só depende da força de vontade individual. Para Han, o cansaço de si mesmo de Ehrenberg culmina numa autoexploração do indivíduo, que se entrega ao excesso de trabalho munido de um sentimento de liberdade.

A falta de tédio e os multitarefas

Em “Sociedade do cansaço”, Byung-chul Han também argumenta que o excesso de positividade que causa a fadiga geral se manifesta a partir de um excesso de estímulos. O multitasking, a habilidade de realizar múltiplas tarefas ao mesmo tempo, é uma das formas do excesso de estímulos. A principal consequência disso para o autor é a perda do aprofundamento contemplativo do ser humano, com os indivíduos desenvolvendo “uma atenção ampla, mas rasa, que se assemelha à atenção de um animal selvagem”. A inquietação decorrente do excesso de estímulos gera uma aversão ao tédio na sociedade, criando um cenário em que as atividades são buscadas constantemente. Para Han, o ócio criativo é fundamental para a evolução intelectual da humanidade, nos mais diversos campos

A Sociedade do Cansaço

A sociedade do cansaço surge da união de todos esses fatores em algo que Han apelida de “infarto da alma”. Nesse cenário, o cansaço se manifesta coletivamente, mas de maneira solitária em cada indivíduo. O autor cita o escritor austríaco Peter Handke, que no livro “Ensaio sobre o cansaço” apresenta a ideia de uma fadiga extrema dividida entre as pessoas, cada uma com o seu próprio grau de esgotamento. Han define esse cansaço como um “cansaço da potência positiva, que incapacita de fazer qualquer coisa”. É uma fadiga surgida do excesso de desempenho e produtividade que, por sua vez, tira do indivíduo a capacidade de fazer novas coisas.

O excesso do desempenho do trabalho

Em um dos capítulos de "Sociedade do Cansaço", Han usa o conto "Bartleby, o escrivão", de Herman Melville, para demonstrar como o excesso de positividade pode levar ao excesso de trabalho. No conto de Melville, o escrivão Bartleby passa muito tempo produzindo grandes quantidades de trabalho de qualidade, até que, um dia, passa a recusar todas as demandas que chegam até ele e demonstra uma profunda desilusão com a vida. Escrito por Vicki Robin e Joe Dominguez, o livro “Dinheiro e Vida” argumenta que nunca se trabalhou tanto na história humana, e que a vida profissional se tornou uma nova espécie de religião. “Nossos empregos agora exercem a função que tradicionalmente pertencia à religião”, escrevem os autores. “Eles são o lugar onde buscamos respostas para questões fundamentais como ‘quem sou eu?’, ‘por que estou aqui?’ e ‘qual o sentido disso tudo?’. Os empregos também exercem a função de família, respondendo questões como ‘quem são os meus?’ e ‘onde eu me encaixo?’”. Estudos documentam as consequências do excesso de trabalho. Uma pesquisa de professores da Universidade de Angers, na França, publicada em junho de 2019, apontou que trabalhar mais de 10 horas diárias, por pelo menos 50 dias ao ano, é um fator de risco para a ocorrência de Acidente Vascular Cerebral nos trabalhadores. Uma pesquisa de 2003, publicada pelo Instituto de Estudos do Emprego do Reino Unido, indicou uma relação entre longas jornadas de trabalho e o desenvolvimento de tabagismo, problemas relacionados ao sono, doenças cardiovasculares e retardamento no crescimento fetal em trabalhadoras grávidas. Além dos efeitos na saúde, a pesquisa do instituto britânico demonstrou que mais horas de trabalho estão relacionadas a uma queda de produtividade nos trabalhadores, decorrente do cansaço físico e mental.

Link para a matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/08/27/Por-que-vivemos-na-sociedade-do-cansaço-segundo-este-filósofo

© 2019 | Todos os direitos deste material são reservados ao NEXO JORNAL LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Dr.Thales

Engraçado, este tem sido o foco das minhas reflexões nos últimos tempos.

Caiu como uma luva aqui

Share this post


Link to post
Share on other sites
fernandosancos

Tocou fundo esse post.

Estava pensando nisso também.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Aleef

Como diz um advogado; " O tempo é o nosso maior ativo".

Acho que esta quantidade de informação vem cansando demais mesmo. Esses dias me peguei pensando nisto e vem tbm um fator de "preciso ler aquilo" "preciso ver o vídeo e tal". O favoritos tende a aumentar consideravelmente.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Head Coche Z

Este parece que vai ser um longo e trabalhoso século. O cansaço é inerente. Minha dúvida é se as sociedades mais civilizadas tem mais ócio criativo. Aqui no Brasil por exemplo, tem muito vagabundo à toa e nem por isso faz de nós mais desenvolvidos.

Edited by Head Coche Z

Share this post


Link to post
Share on other sites
boblk

Não vejo defeitos no texto

Share this post


Link to post
Share on other sites
Dinheiro Tardelli

Grande reportagem. Obrigado por compartilhar, @Aleef

Share this post


Link to post
Share on other sites
John the Baptist.

Recomendo a leitura do livro também, é bem curto. Apesar da reportagem já condensar muito bem os argumentos dele, o livro sempre dá uma expandida né. No Kindle tá barato e a edição física (pasmem) mais ainda, na Amazon.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Raimundos

Somos a todo o tempo bombardeados de cobranças indiretas. No trabalho, na faculdade e nas milhares de publicidades onlines que nos cobram de ser mais produtivos, ricos e felizes. Nunca parecemos estar completos, seja profissional ou emocionalmente. Nunca somos ricos ou felizes o suficiente e isso mexe com o nosso psicológico de forma agressiva e até covarde. 

Parece que hoje existe um padrão de sucesso e querem nos fazer engolir isso forçadamente. 

E é tão louco e bagunça tanto a nossa cabeça que nós tomamos isso como verdade absoluta e acabamos nos tornando o nosso próprio demônio.

Por isso que invejo cada vez mais o Evaristo Costa. O maluco mandou todo mundo tomar no cu, deu um pé na bunda de tudo e foi viver férias eternas.

Share this post


Link to post
Share on other sites
John the Baptist.
10 horas atrás, Raimundos disse:

Por isso que invejo cada vez mais o Evaristo Costa. O maluco mandou todo mundo tomar no cu, deu um pé na bunda de tudo e foi viver férias eternas.

Ele tava pra ir pra CNN Brasil, não? Esse cara deve ter feito algum rolo estranho pra juntar dinheiro e tirar essas férias, que nem o sucessor dele que já foi afastado...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Aleef
Em 11/09/2019 em 09:58, Raimundos disse:

Somos a todo o tempo bombardeados de cobranças indiretas. No trabalho, na faculdade e nas milhares de publicidades onlines que nos cobram de ser mais produtivos, ricos e felizes. Nunca parecemos estar completos, seja profissional ou emocionalmente. Nunca somos ricos ou felizes o suficiente e isso mexe com o nosso psicológico de forma agressiva e até covarde. 

Parece que hoje existe um padrão de sucesso e querem nos fazer engolir isso forçadamente. 

E é tão louco e bagunça tanto a nossa cabeça que nós tomamos isso como verdade absoluta e acabamos nos tornando o nosso próprio demônio.

Por isso que invejo cada vez mais o Evaristo Costa. O maluco mandou todo mundo tomar no cu, deu um pé na bunda de tudo e foi viver férias eternas.

É o famoso Yes We can ou aqueles livros infanto juvenis de Seja foda.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
VitorSouza

Eu vejo que isso é bem incentivado pela competitividade da sociedade. Ainda mais que as exigências para determinadas áreas hoje são maiores que as de vinte anos atrás... pro cara poder conseguir algo ele precisa batalhar mais do que há alguns anos.

Share this post


Link to post
Share on other sites
boblk
9 horas atrás, VitorSouza disse:

Eu vejo que isso é bem incentivado pela competitividade da sociedade. Ainda mais que as exigências para determinadas áreas hoje são maiores que as de vinte anos atrás... pro cara poder conseguir algo ele precisa batalhar mais do que há alguns anos.

Maquinas tomaram postos de trabalho e as vagas restantes se tornaram mais competidas pelo trabalhador

Share this post


Link to post
Share on other sites
Roman

Sempre me causa um incômodo de ler essas críticas como se tivesse algo muito melhor além disso. Como se estivéssemos perdendo o paraíso na Terra, onde haveria contemplação, alegria, cumplicidade, amor, filosofia, amizade e a porra toda. Acho que por volta de 2015 eu adoraria comprar o livro desse cara, hoje em dia já tá bem claro que a vida é isso aí mesmo cara, vai ficar cansado, vai ter problema mental, vai ter problema de relacionamento, de vez em quando vai ter umas coisas boas, descanso, risada, relaxamento e é isso. Daqui a pouco os oitentinha batem na porta e você vaza. E ninguém se importa. Já foi o tempo de achar que tem muito mais além disso e que a nossa sociedade malvadona está impedindo você de brilhar e ser 100% feliz, saudável e autossuficiente.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.

O texto é bacana, joga uma luz num tema nem tão novo assim, mas que é legal da gente debater sobre. Agora, eu não acredito tanto nessa correlação entre "sociedade positivista x sociedade do cansaço". Pra falar a real pra mim ela tá equivocada.

Pra mim não é o "positivismo" quem nos deixa exausto. Nosso estilo de vida "moderno", hoje forjado praticamente em cima da tecnologia, trouxe uma caralhada de "demandas" pessoais que, sendo positivista ou não, é fisiologicamente impossível dar conta de tudo. Não é o positivismo, é a rotina cheia de compromissos, e o número de relatórios impossíveis de se entregar até às 18h, são os boletos, são as prestações do apto. e do carro, tem a previdência, tem a viagem que a tua mulher quer fazer, tem o planejamento de ter filhos (ou os catarrentinhos já prontos pra cuidar), enfim.

Não é questão de ser positivista, mas sim de ser bombardeado por todos os lados hoje em dia. Você pode ser pessimista, mas suas obrigações continuarão a aparecer nas notificações do teu celular, te chamando "pro fight" diário. Essa é a sociedade do cansaço, sociedade completamente dependente da tecnologia hoje, e subserviente à ela também.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lanko

Isso sempre existiu, e não é de hoje, mas é sempre bom ver que continua a ser discutido e coisas bem escritas sobre isso.

“Nossos empregos agora exercem a função que tradicionalmente pertencia à religião”, escrevem os autores. “Eles são o lugar onde buscamos respostas para questões fundamentais como ‘quem sou eu?’, ‘por que estou aqui?’ e ‘qual o sentido disso tudo?’. Os empregos também exercem a função de família, respondendo questões como ‘quem são os meus?’ e ‘onde eu me encaixo?’”

No Clube da Luta, aquele filmaço, já em 99 já dava pra ter a sensação dessas coisas (que provavelmente existiam antes também) e que poderiam piorar.

 

Você não é o que faz para viver. Você não é a sua família e não é quem pensa que é. Você não é o seu nome. Você não é os seus problemas. Você não é a idade que tem. Você não é suas esperanças.

Vejo todo esse potencial, e vejo ele desperdiçado. Que droga, uma geração inteira enchendo tanques de gasolina, servindo mesas, ou escravos do colarinho branco. Os anúncios nos fazem comprar carros e roupas, trabalhar em empregos que odiamos para comprar as porcarias que nao precisamos. Somos uma geração sem peso na história, cara. Sem propósito ou lugar. Nós não temos uma Grande Guerra. Nem uma Grande Depressão. Nossa Grande Guerra é a guerra espiritual... nossa Grande Depressão é nossas vidas. Todos nós fomos criados vendo televisão para acreditar que um dia seríamos milionários, e deuses do cinema, e estrelas do rock. Mas nós não somos. Aos poucos vamos tomando consciência disso. E estamos muito, muito revoltados.

As coisas que você possui acabam possuindo você.

Trabalhamos em empregos que odiamos para comprar porcarias de que não precisamos.

Por que será que vivemos trabalhando para produzir o que não consumimos e, em troca disso, consumimos o que não nos é útil e temos o que não utilizamos, e, por fim, nunca estamos satisfeitos?

Deixe o trabalho. Comece a lutar. Mostre que está vivo. Se você não reivindica a sua humanidade, você se transforma em estatística.

Você lê o que falam para você ler? Pensa em tudo que falam para pensar? Compra tudo o que falam que você precisa?

 

Tudo isso tem grande influência do American Dream, e o filme American Beauty, também de 99, explora muito bem isso também (embora focando em outras temas).

Share this post


Link to post
Share on other sites
boblk
1 hora atrás, Lanko disse:

Você não é o que faz para viver. Você não é a sua família e não é quem pensa que é. Você não é o seu nome. Você não é os seus problemas. Você não é a idade que tem. Você não é suas esperanças.

Vejo todo esse potencial, e vejo ele desperdiçado. Que droga, uma geração inteira enchendo tanques de gasolina, servindo mesas, ou escravos do colarinho branco. Os anúncios nos fazem comprar carros e roupas, trabalhar em empregos que odiamos para comprar as porcarias que nao precisamos. Somos uma geração sem peso na história, cara. Sem propósito ou lugar. Nós não temos uma Grande Guerra. Nem uma Grande Depressão. Nossa Grande Guerra é a guerra espiritual... nossa Grande Depressão é nossas vidas. Todos nós fomos criados vendo televisão para acreditar que um dia seríamos milionários, e deuses do cinema, e estrelas do rock. Mas nós não somos. Aos poucos vamos tomando consciência disso. E estamos muito, muito revoltados.

As coisas que você possui acabam possuindo você.

Trabalhamos em empregos que odiamos para comprar porcarias de que não precisamos.

Por que será que vivemos trabalhando para produzir o que não consumimos e, em troca disso, consumimos o que não nos é útil e temos o que não utilizamos, e, por fim, nunca estamos satisfeitos?

Deixe o trabalho. Comece a lutar. Mostre que está vivo. Se você não reivindica a sua humanidade, você se transforma em estatística.

Você lê o que falam para você ler? Pensa em tudo que falam para pensar? Compra tudo o que falam que você precisa?

Tyler é um ser sagrado dos cinemas

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.

Mais um texto que achei que era uma coisa pelo título, mas era outra pelo conteúdo.

Concordo que o excesso de estímulo, demandas e as novas pressões da sociedade, assim como a ausência de qualidade de sono são grandes fatores na crescente quantidade de patologias psicológicas e neurais.

E sobre o positivismo, não acredito que ele se referia ao fato de sermos otimistas ou pessimistas com relação à vida, @Leho.. Acho que ele se referia ao positivismo ao nosso redor. Coisas como seja feliz, faça aquilo que te dá prazer, viaje, compre, etc, etc, etc.

E isso tudo foi exponencializado com a presença das redes sociais, acentuando-se ainda mais depois que o Instagram se firmou como a rede social da auto-promoção e felicidade constante. Ao vermos o mundo com as lentes das redes sociais e observarmos que todo mundo ao nosso redor parece estar levando uma vida completa e feliz, porque é isso que as redes sociais nos dizem, começamos a nos sentir mal porque não estamos felizes e completos como as outras pessoas.

E quando tudo e todo mundo ao nosso redor nos diz para ser feliz, e observamos que não estamos, fica mais difícil se livrar dos impactos que isso causa no psicológico. E com a crescente dificuldade do ser humano em aceitar que é normal passarmos por momentos de tristeza, insatisfação, e até mesmo um estado depressivo aqui ou acolá, fica mais complicado escapar e não sucumbir as mazelas psicológicas e neurais.

Pessoalmente, eu me beneficiei de passar a ver a vida com olhos mais positivos, ainda reclamo, ainda fico insatisfeito, mas quando vejo ou acontece algo, prefiro pensar pelo lado positivo, ao invés do negativo. Melhora o humor, o ânimo, a vontade de seguir adiante quando as coisas não estão dando certo e a vida pareceu ficar mais fácil depois disso. Mas, não acho que ser positivo ou negativo afetou o rumo da vida, só afetou a forma como a encaro.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Leho.
On 9/13/2019 at 4:01 PM, Lanko said:

[...] No Clube da Luta, aquele filmaço, já em 99 já dava pra ter a sensação dessas coisas (que provavelmente existiam antes também) e que poderiam piorar. [...]

Recomendo fortemente o livro, se é que você já não leu.

3 minutes ago, Henrique M. said:

[...] E sobre o positivismo, não acredito que ele se referia ao fato de sermos otimistas ou pessimistas com relação à vida, @Leho.. Acho que ele se referia ao positivismo ao nosso redor. Coisas como seja feliz, faça aquilo que te dá prazer, viaje, compre, etc, etc, etc. [...]

Sim sim, compreendo isso, mas mesmo se não tivéssemos esse modus operandi do positivismo aí, tenho certeza de que continuaríamos sendo a "sociedade do cansaço" da mesma maneira, entende? Foi isso que quis colocar lá no outro post, mas não sei se ficou claro.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lanko
Just now, Leho. said:

Recomendo fortemente o livro, se é que você já não leu.

Li sim. É outra grande obra que quase todo mundo viu primeiro o filme e muitos ficam chocados quando eu digo que tem um livro haha.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Henrique M.
11 minutes ago, Leho. said:

Sim sim, compreendo isso, mas mesmo se não tivéssemos esse modus operandi do positivismo aí, tenho certeza de que continuaríamos sendo a "sociedade do cansaço" da mesma maneira, entende? Foi isso que quis colocar lá no outro post, mas não sei se ficou claro.

Sim, eu entendi. Entretanto, discordo. Se o foco fosse o bem-estar, ao invés do que temos hoje, creio que as coisas seriam diferentes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • Aleef
      By Aleef
      Almeidinha: " Direitos humanos para humanos direitos"
      "Direitos humanos para humanos direitos". Este é o lema do Almeidinha, um brasileiro médio para quem a “crise de segurança” é só papo de intelectual
       
      Almeidinha era o sujeito inventado pelos amigos de faculdade para personalizar tudo o que não queríamos nos transformar ao longo dos anos. A projeção era a de um cidadão médio: resmungão em casa, satisfeito com o emprego na “firma” e à espera da aposentadoria para poder tomar banho, colocar pijama às quatro da tarde, assistir ao Datena e reclamar da janta preparada pela esposa. O Almeidinha é aquele sujeito capaz de rir de qualquer piada de português, negro, gay e loira. Que guarda revistas pornográficas no armário, baba nas pernas da vizinha desquitada (é assim que ele fala) mas implica quando a filha coloca um vestido mais curto. Que não perde a chance de dizer o quanto a esposa (ele chama de “patroa”) engordou desde o casamento.
      O Almeidinha, para nosso espanto, está hoje em toda parte. Multiplicou-se em proporção geométrica e, com os anos, se modernizou. O sujeito que montava no carro no fim de semana e levava a família para ir ao jardim zoológico dar pipoca aos macacos (apesar das placas de proibição) sucumbiu ao sinal dos tempos e aderiu à internet. Virou um militante das correntes de e-mail com alertas sobre o perigo comunista, as contas no exterior do ex-presidente, os planos do Congresso para acabar com o 13º salário. Depois foi para o Orkut. Depois para o Facebook. Ali encontrou os amigos da firma que todos os dias o lembram dos perigos de se viver num mundo sem valores familiares. O Almeidinha presta serviços humanitários ao compartilhar alarmes sobre privacidade na rede, homenagens a pessoas doentes e fotos de crianças deformadas. O Almeidinha também distribui bons dias aos amigos com piadas sobre o Verdão ("estude para o vestibular porque vai cair… hihihi") e mensagens motivacionais. A favorita é aquela sobre amar as pessoas como se não houvesse amanhã, que ele jura ser do Cazuza mas chegou a ele como Caio Fernandes (sic) Abreu.
      O Almeidinha gosta também de se posicionar sobre os assuntos que causam comoção. Para ele, a atual onda de violência em São Paulo só acontece porque os pobres, para ele potenciais criminosos (seja assassino ou ladrão de galinha) têm direitos demais. O Almeidinha tem um lema: “Direitos Humanos para Humanos Direitos”. Aliás, é ouvir essa expressão, que ele não sabe definir muito bem, e o Almeidinha boa praça e inofensivo da vizinhança se transforma. “Lógica da criminalidade”, “superlotação de presídios”, “sindicato do crime”, “enfrentamento”, “uso excessivo da força”, para ele, é conversa de intelectual. E se tem uma coisa que o Almeidinha detesta mais que o Lula ou o Mano Menezes (sempre nesta ordem) é intelectual. O Almeidinha tem pavor. Tivesse duas bombas eram dois endereços certos: a favela e a USP. A favela porque ele acredita no governador Sergio Cabral quando ele fala em fábrica de marginais. A USP porque está cansado de trabalhar para pagar a conta de gente que não tem nada a fazer a não ser promover greves, invasões, protestos e espalhar palavras difíceis. O Almeidinha vota no primeiro candidato que propuser esterilizar a fábrica de marginal e a construção de um estacionamento no lugar da universidade pública.
      Uma metralhadora na mão do Almeidinha e não sobraria vagabundo na Terra. (O Almeidinha até fala baixo para não ser repreendido pela “patroa”, mas se alguém falar ao ouvido dele que “Hitler não estava assim tão errado” ganha um amigo para o resto da vida).
      A cólera, que o fazia acordar condenando o mundo pela manhã, está agora controlada graças aos remédios. O Almeidinha evoluiu muito desde então. Embora desconfiado, o Almeidinha anda numas, por exemplo, de que agora as coisas estão entrando nos eixos porque os políticos – para ele a representação de tudo o que o impediu de ter uma casa na praia – estão indo para a cadeia. Ele não entende uma palavra do que diz o tal do Joaquim Barbosa, mas já reservou espaço para um pôster do ministro do Supremo ao lado do cartaz do Luciano Huck (“cara bom, ajuda as pessoas”) e do Rafinha Bastos (“ele sim tem coragem de falar a verdade”). O Almeidinha não teve colegas negros na escola nem na faculdade, mas ele acha que o exemplo de Barbosa e do presidente Barack Obama é prova inequívoca de que o sistema de cotas é uma medida populista. É o que dizia o “meme” que ele espalhou no Facebook com o argumento de que, na escravidão, o tráfico de escravos tinha participação dos africanos. Por isso, quando o assunto encrespa, ele costuma recorrer ao “nada contra, até tenho amigos de cor (é assim que ele fala), mas muitos deles têm preconceitos contra eles mesmos”.
      O Almeidinha costuma repetir também que os pobres é que não se ajudam. Vê o caso da empregada, que achou pouco ganhar vinte reais por dia para lavar suas cuecas e preferiu voltar a estudar. Culpa do Bolsa Família, ele diz, esse instrumento eleitoral que leva todos os nordestinos, descendentes de nordestinos e simpatizantes de nordestinos a votar com medo de perder a boquinha. Em tempo: o filho do Almeidinha tem quase 30 anos e nunca trabalhou. Falta de oportunidade, diz o Almeidinha, só porque o filho não tem pistolão. Vagabundo é outra coisa. Outra cor. Como o pai, o filho do Almeidinha detesta qualquer tipo de bolsa governamental. A bolsa-gasolina que recebe do pai, garante, é outra coisa. Não mexe com recurso público. (O Almeidinha não conta pra ninguém, mas liga todo dia, duas vezes por dia, para o primo de um conhecido instalado na prefeitura para saber se não tem uma boca de assessor para o filho em algum gabinete).
      O filho do Almeidinha também é ativista virtual. Curte PlayStation, as sacadas do Willy Wonka, frases sobre erros de gramática do Enem, frases sobre o frio, sobre o que comer no almoço e sobre as bebedeiras com os moleques no fim de semana (segue a página de oito marcas de cerveja). Compartilha vídeos de propagandas de carro e fotos de mulheres barrigudas e sem dentes na praia. Riu até doer a barriga com a página das barangas. Detesta política – ele não passa um dia sem lembrar a eleição do Tiririca para dizer que só tem palhaço em Brasília. E se sente vingado toda vez que alguém do CQC faz “lero-lero” na frente do Congresso. Acha todos eles uns caras fodásticos (é assim que ele fala). Talvez até mais que o Arnaldo Jabor. Pensa em votar com nariz de palhaço na próxima eleição (pensa em fazer isso até que o voto deixe de ser obrigatório e ele possa aproveitar o domingo no videogame). Até lá, vai seguir destruindo placas e cavaletes que atrapalham suas andanças pela cidade.
      Como o pai, o filho do Almeidinha tem respostas e certezas para tudo. Não viveu na ditadura, mas morre de saudade dos tempos em que as coisas funcionavam. Espera ansioso um plebiscito para introduzir de vez a pena de morte (a única solução para a malandragem) e reduzir a maioridade penal até o dia em que se poderá levar bebês de oito meses para a cadeia. Quer um plebiscito também para acabar com a Marcha das Vadias. O que é bonito, para ele, é para se ver. E se tocar. E ninguém ouve cantada se não provoca (a favorita dele é “hoje não é seu aniversário mas você está de parabéns, sua linda”. Fala isso com os amigos e sai em disparada no carro do pai. O filho do Almeidinha era “O” zoão da turma na facul).
      Pai e filho estão cada vez mais parecidos. O pai já joga Playstation e o menino de 30 anos já fala sobre a decadência dos costumes. Para tudo têm uma sentença: “Ê, Brasil”. Almeidinha pai e Almeidinha filho têm admiração similar ao estilo civilizado de vida europeu. Não passam um dia sem dizer que a vida, deles e da humanidade em geral, seria melhor se o país fosse dividido entre o Brasil do Sul e o Brasil do Norte. Quando esse dia chegar, garantem, o Brasil enfim será o país do presente e não do futuro. Um país à imagem e semelhança de um Almeidinha.
       
       
       
       
       
      Texto escrito pro Carta Capital em 2012 nas épocas das eleições. Continua atual.
    • felipevalle
      By felipevalle
      Apesar de não ser a minha vez, o autor do mês não criou o seu respectivo tópico, então resolvi adiantar a minha vez. 
      Até havia pensado em outra obra mais leve para compartilhar com vocês, mas parece-me que uma de análise se torna mais importante. Ainda mais pelo fato de discutirmos inúmeras questões aqui a que ela faz referência. Principalmente quando o assunto for de trabalho, política, entre outros nevrálgicos que tanto mexem e dividem com as opiniões dos forumeiros. 
      Ok. Explicação dada, vamos a ela:

      SINOPSE
      O espírito imortal não nasce, não cresce, não morre e não renasce; matricula-se temporariamente na escola da Terra, onde o currículo proposto para estimular sua evolução consciencial é composto de umas seqüências de problemas.
      Os entraves da vida humana e suas equações esclarecedoras, é, portanto, o foco desta obra de Ramatís. E mais, no âmbito familiar ele aborda: o processo de reencarnação, a infância, a educação dos filhos sob a perspectiva espiritual, a adoção e o binômio afeto-disciplina. Compõem os “cursos básicos” e as “especializações” da escola terrestre temas como: problemas da saúde, da alimentação, do trabalho, da religião, dos governos, e até mesmo os problemas adquiridos quando se pretende fugir dos problemas: o alcoolismo, o tabagismo etc.
      Em seu estilo de peculiar clareza e profundidade, que nada deixa por examinar e nada teme analisar, Ramatís esboça a geometria transcendental que soluciona, pelos instrumentos da ótica espiritual, a arquitetura do edifício secular da vida humana.
      *** *** ***
      Fica a critério de vocês quanto ao prazo de leitura, mas imagino que em um mês já dê para terminá-la.
      Boa leitura ✌
    • Aleef
      By Aleef
      Sinopse: Publicado originalmente em 1954, Senhor das Moscas é um dos romances essenciais da literatura mundial. Adaptado duas vezes para o cinema e traduzido para 35 idiomas, o clássico de William Golding já foi visto como uma alegoria, uma parábola, um tratado político e mesmo uma visão do apocalipse. Durante a Segunda Guerra Mundial, um avião cai numa ilha deserta, e seus únicos sobreviventes são um grupo de meninos. Liderados por Ralph, eles procuram se organizar enquanto esperam um possível resgate. Mas aos poucos esses garotos aparentemente inocentes transformam a ilha numa visceral disputa pelo poder, e sua selvageria rasga a fina superfície da civilidade. Ao narrar a história de meninos perdidos numa ilha, aos poucos se deixando levar pela barbárie, Golding constrói uma reflexão sobre a natureza do mal e a tênue linha entre o poder e a violência desmedida. A nova tradução para o português mostra como Senhor das Moscas mantém o mesmo impacto desde seu lançamento: um clássico moderno; um livro que retrata de maneira inigualável as áreas de sombra e escuridão da essência do ser humano.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
       
      CLASSICO DOS CLASSICOS!
      Não tem nem desculpa pra não ler, porque tem filme. Então não existe desculpas! 
      O livro possui 248 páginas, mês tá osso, apertado, indo pro natal, nego cheio de prova, mas dá para pegar o dvd sentar o rabo em um domingo depois daquela maratona esperta de Netflix ou livros técnicos e apreciar a obra de arte. Ou como um bom leitor e ler a esta bela obra.
      Prazo : 2 /12/ 2018
       
       
    • Leho.
      By Leho.
      E aí, o que pensam a respeito?
      Sinceramente, achei o filósofo de uma hipocrisia tremenda, mas a discussão que ele (o assunto) gera é mt válida. Alguns pontos eu acabo concordando com ele, principalmente sobre aborto e sobre os motivos que movem nossa sociedade hoje a ter filhos.
      Sou amplamente a favor do aborto, já há algum tempo. Mas daí a dizer que "nós não deveríamos dar vida para pessoas que no futuro vão enfrentar sofrimento" já é demais.
    • Gustavohdcarioca
      By Gustavohdcarioca
      Pessoal é o seguinte , venho tentando entender a ME desse FM e me paro com muitas duvidas . Uma deles como desenvolver uma táctica para contra atacar ? Q liberdade criativa é mais interessante ? Gosto muito de usar 4-2-3-1 e 4-1-2-3 abertos , mas quando vou fazer tácticas para contra atacar não consigo me sair bem . Coloco os jogadores mais adiantados para marcar pressão e com pressão apertada ? ou diminuo a pressão e dou espaço ao time adversário para roubar a bola no campo final de jogo e ai sim sair em contra ataque ? li q o gegenspring não esta funcionando no FM e não consigo dar um contra ataque q preste . Outra duvida como fazer com q nessas táticas a combinação ponta e segundo atacante funcione com laterais ofensivos ou são  incompatíveis  ? Mais uma duvida  , é interessante pedir os jogadores para usar apenas um lado ou centro como foco em uma tática ? Não fica fácil de marcar ? Tento entender mas são muitas coisas q não consigo fazer darem certo no game , tenho muitas ideias mas não consigo
×
×
  • Create New...