Jump to content
Henrique M.

A Veterana - A marca da cal que machuca [15/05]

Recommended Posts

Henrique M.

eossvsD.png&key=03d301ef4e2a84c2dbabc359

A marca da cal que machuca

Intertemporada e Série D

Com a participação na semi-final do Mineiro, fizemos uma intertemporada mais curta. E com exceção do jogo contra o Audax, preferimos ficar pelo nosso estado mesmo. Fizemos bons jogos e acredito que pude rodar bem quem não jogou no Mineiro e deixar todo mundo em ponto de bala para a Série D. Na estreia, recebemos a Desportiva em casa e em um jogo estéril, os gols vieram porque as equipes realmente aproveitaram a única chance real de gol que criaram. Pela qualidade do futebol demonstrado e pelo comportamento da equipe, o resultado foi justo. Na partida seguinte, começamos bem contra o Operário, mas eles viraram o jogo. Com isso, passamos a maior parte da segunda etapa buscando o empate e depois a virada. O gol de empate só veio no quarto final da partida e a virada nos dez minutos finais. O Operário basicamente só fez o gol e se defendeu, porque buscamos realmente nos impor para obter essa vitória.

Na sequência, um jogo maluco contra o Tupynambás em casa que teve muito da partida anterior. Abrimos 2 x 0, o Tupynambás buscou antes do fim do intervalo, marcamos o terceiro no começo da segunda etapa, eles empataram logo a seguir. Conseguiram a virada dez minutos depois e fomos para cima para arrancar mais um empate e outra virada em sequência. Na marca dos 80 minutos, Patrick marcou o último gol do jogo e empatamos o segundo jogo em casa. Para o segundo jogo contra o time de Juiz de Fora, o cenário foi menos frenético e conquistamos a primeira vitória com tranquilidade e morosidade da competição. Na rodada seguinte, nos despedimos do Ronaldão com uma goleada vexaminosa contra o Operário. Fomos feitos de gato e sapato por eles e nem reagimos.

Por fim, chegamos na última rodada com todas as equipes podendo classificar. Nós e a Desportiva faríamos um confronto direto pela liderança, ambos tinham oito pontos. O Tupynambás com cinco, precisava vencer o Operário com seis e superar o saldo de gol para avançar. Uma vitória bastava para o Operário, se o saldo de gols fosse suficiente ou se nossa partida não terminasse empatada. Como a decisão pedia, tratamos o jogo com seriedade e nos impomos, provando que nosso melhor futebol foi praticado fora de casa. Foram três vitórias fora de casa, nove dos nossos 11 pontos. Terminamos na liderança e graças a um empate na outra partida, a Tiva seguiu conosco para a próxima fase. O grupo, em geral, foi meio que nivelado por baixo.

Campeonato-Brasileiro---Serie-D_-Vista-G

Pela Primeira Eliminatória, enfrentaríamos o Ipatinga, deixando apenas um mineiro vivo na competição. Lá em Ipatinga, fizemos um jogo franco, aberto, com nossa equipe chutando mais, mas acertando o mesmo tanto que eles. A questão é que a pontaria e o dia não era dos avantes, por isso, um parco empate de gols marcou nossa pior atuação fora de casa. A ideia era superar tudo isso em casa e conseguir nossa primeira vitória em casa na Série D. O Ipatinga jogou a responsabilidade para nossa equipe e se trancou. E na busca por sua uma bola, o Ipatinga conseguiu abrir o placar aos 61 minutos. Felizmente, empatamos cinco minutos depois, evitando um pouco de desespero. Contudo, o Ipatinga não abdicou do seu jogo e o empate foi cada vez mais sendo a realidade final da partida. Com isso, pela segunda vez consecutiva, fomos decidir uma vaga na Série D nas penalidades máximas. E assim como da última vez, até pior, a marca da cal nos machucou. Erramos três cobranças seguidas e facilitamos para o Ipatinga seguir adiante. O mal nos derrotou e ainda saiu dali para ser campeão.

AA-Caldense_-Calendario-Senior4ef7360b08
v Desportiva (C) | v Operário (F) | v Tupynambás (C) | v Tupynambás (F) | v Operário (C) | v Desportiva (F) | v Ipatinga (F) | v Ipatinga (C) 

A evolução do elenco em uma temporada

Mais uma temporada que chega ao fim e é hora de avaliar a evolução dos nossos atletas com relação a Série D do ano passado. Carlos André manteve a capacidade e o potencial. Táxi e Carlos André mantiveram a capacidade, mas perderam meia estrela de potencial. Batata perdeu meia estrelas de capacidade, enquanto Thiago manteve-se no mesmo nível. Davy perdeu meia estrela de capacidade e potencial. Gui perdeu meia estrela de potencial, enquanto Jairo e Thales não evoluíram e nem retrocederam. Pepe perdeu meia estrela de potencial, enquanto Emerson ganhou duas estrelas de capacidade. Na meiuca, Rosiley perdeu meia estrela de capacidade, enquanto José e Thiago Heleno ganharam a mesma quantidade. Renato perdeu uma estrela de capacidade. Na ponta-direita, Rômulo e Sousa perderam meia estrela de potencial. Do outro lado, Antônio Carlos perdeu meia estrela de potencial, enquanto Jean Pedro se manteve estável. No centro, Hygor ganhou meia estrela de capacidade e Juninho perdeu meia estrela de potencial. Por fim, no ataque, Patrick manteve o mesmo nível, enquanto Alberinho perdeu uma estrela de potencial.

Notícias, informações e estatísticas da Caldense

Share this post


Link to post
Share on other sites
Neynaocai

Não sei quanto tempo você planeja obter um resultado satisfatório, no quesito desenvolvimento de jogadores, mas creio ser complicado ver após seis (ou cinco?) temporadas uma tão díspar evolução/aparecimento de bons jogadores.

Isso diz respeito ao fato de ter surgido alguns craques inesperadamente ou eles são jogadores razoáveis e não se tem surgido bons jogadores como esperado?

Qual o impacto da situação financeira sobre os demais aspectos do clube? Não seria o caso de vender um ou outro jogador? O que leva alguém investir em um clube de futebol (ao que parece dá mais prejuízo do que qualquer coisa)?

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Felipe Soares

Os garotos estão nervosos quando jogam no Ronaldão? É a pressão da família, dos amigos? 

Mais uma temporada sem o acesso, deve dá um desanimo 😓.

Share this post


Link to post
Share on other sites
marciof89

Fez uma boa Série D, exceto pelo fato de que dava pra passar pelo Ipatinga. Bom, pelo menos perdeu para o campeão. Mas isso mostra o trabalho sendo feito. Vamos ver como fica na próxima temporada.

A nova fornada você vai trazer no próximo post, né?

Boa sorte!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

  • Similar Content

    • Neynaocai
      By Neynaocai
      Prólogo
      Filho de mãe brasileira e pai português, André Rebouças nasceu em 08 de maio de 1980 na pequena cidade de Cachoeira, Bahia. Mas de baiano só carrega o sangue materno, pois ainda bebê seus pais foram obrigado a morar em Portugal. O pai, libertário convicto, criticava abertamente o regime militar em um jornal alternativo. Em tempos de ame-o ou deixei-o, a pátria escolhida não era mais um lar.
      Buscando apoio em seus familiares, o pai de André os levou a cidade de Funchal, na Ilha da Madeira, onde os ventos do destino determinariam a vida de nosso personagem.
      Assim, o menino André cresceu no bairro Santo Antônio, onde gostava de bater uma bola nas inúmeras ladeiras que permeavam aquele bairro montanhoso. Foi vizinho de um menino um pouco mais novo, bom de bola, mas muito xarope. Por tudo reclamava, chorava. O suportavam por seu futebol, sendo sempre o primeiro a ser escolhido na pelada.
      O tempo passou a molecada cresceu, cada um pro seu canto. André gostava muito de estudar e como não era um craque de bola, sabia que o caminho para fazer parte do mundo da bola seria pelos estudos mesmo.
      Gostava bastante de economia e direito, mas na hora de escolher o curso o coração falou mais alto: Licenciatura em Educação Física e Desporto, na Universidade da Madeira. Depois, entre as aulas na famosa Escola Secundária Jaime Moniz e um estágio no Banif, André ainda teve tempo para realizar um Mestrado em Educação Física, onde apresentou dissertação com o tema "A profissionalização do desporto: da base à direção". Com o tempo, o seu caminho começou a se afastar das quatro linhas. Era só um joguinho no fim de semana e pronto.
      No entanto, aos 38 anos, seja crise de meia idade ou que for, não bastava mais a carreira estruturada, a vida financeira e pessoal estável: aos poucos o sonho de gerenciar uma equipa de futebol voltava em seu peito.
       
      Aos corajosos
      Vamos tentar fazer algo diferente. Vai dar certo? Não sei. Que seja a primeira de muitas tentativas de inovar. O erro não me preocupa, o importante é mirar alto.
      Passos:
      1) Ao fim de cada capítulo você terá uma decisão a fazer, um caminho a seguir.
      2) Não se trata de enquete, mas talvez possa ter, fique atento.
      3) Como não dá pra antecipar tudo que será jogado, senão teria que ter uma história completa (e eu não sou Netflix), faremos assim:
      a) Leia o capítulo, comente, critique, observe as decisões a serem tomadas e aguarde.
      b) Após os caminhos alternativos ficarem prontos, colocarei as indicações e avisarei os interessados (portanto, se você quiser participar só deixar um: eu quero).
      c) Aí, até perceber algum erro, deve ser assim.
      4) Evite spoiler.
       
      Dados do save
      FM 2019, base de dados padrão, liga portuguesa ativada apenas (por enquanto).
      Objetivos:
      a) se divertir e proporcionar o mesmo.
      b) uma temporada (ou ano - você entenderá) por sessão - depois avaliarei o custo/benefício de seguir.
       
      Vamos lá.
      Se você chegou até aqui, se interessou na brincadeira, siga indicando:
      - Interesse em ser chamado para escolher os caminhos seguintes (pensei agora: avise qual caminho escolheu no comentário e na sequência eu te marco na sequência respectiva).
      Pra ver se entenderam, primeira decisão:
       
      Começar desempregado                                                                 
      Começar em um clube
       
      RESULTADOS DA PRIMEIRA DECISÃO
      RESULTADOS DA SEGUNDA DECISÃO
      RESULTADOS DA TERCEIRA DECISÃO
      RESULTADOS DA QUARTA DECISÃO 
    • jbds.sccp
      By jbds.sccp
      Boa noite
      Jogo FM a questão de 1 mês
      E gostaria de saber
      Como colocar mais patchs no meu jogo...
      Até então só tenho do Brasil e de Portugal

      Em compensação tenho escudos e uniformes de outros países e continentes..
      Alguém pode me ajudar?
    • Paulo Barrionuevo Jr.
      By Paulo Barrionuevo Jr.
      Existem algum arquivo ou alguma forma de colocar "faces" nos jovens que vão surgindo durante o jogo??
    • Ketaros
      By Ketaros
      Pessoal,
       Estou começando um pack com a idéia de ser o kit SEM propagandas, acho que as propagandas estragam toda a arte das camisas, e ainda mais, para mim fica irreal no jogo pois não tem nenhum sentido com os patrocinadores de dentro do johgo...
       Bem, estou começando a Série A, esses são os primeiros.
       Sou relativamente novo em kits, considerem isso não precisa pegar pesado, mas comentários são bem vindos.
       Sobre as golas, vou manter a mesma em todo pack, apenas por questão de estilo, antes que falem. 🙂
       Planeja ir reportando aqui o andamento.
      Espero que gostem.

       
    • (SPFC)Coach
      By (SPFC)Coach
      Rapazes,
      Comprei o jogo na pré-venda, joguei apenas 2 semanas iniciais, e pra mim era o jogo mais leve que joguei desde o FM2005. Tava fluindo bem demais. Porém parei de jogar depois de 2 semanas, e só voltei semana passada. Porém estou com o jogo rodando em câmera lenta, travando muito, tanto ingame quanto no passar das telas. Não entendo o motivo, já que é o mesmo notebook, mesmas configurações, e tudo normal desde aquele tempo que joguei liso. O que poderia ser? algum patch tornou isso? 
      ps: jogando sem dados, tipo Brasil Mundi; com ele ou sem ele também trava.
×