Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Perissé

Vereadora do Rio de Janeiro é assassinada a tiros no Centro

Recommended Posts

Rico Orestes

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Rico Orestes

A matéria do O GLOBO ta bem mais completa. E vale destacar dois pontos:

Autores da Materia - Chico Otávio, Vera Araújo e Arthur Leal

O provavel assassino sofreu um atentado logo depois do assassinato da Marielle

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Lewiks

Esse daí era figura antiga no hall da bandidagem do Rio de Janeiro. Matador de aluguel, segurança de bicheiro, tudo de ruim em uma pessoa só. Provavelmente não vai ter tempo de pagar por aqui por todo o mal que já causou. O que me consola é que na minha religião gente como esse cidadão aí vai penar muito ainda.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Dan_Cunha

Não vão comprovar, velho. Podem até prender pelo "achismo", mas vamos ser francos, o fato já tem 1 ano. O que tinha de prova, SE tinha, já era. 

Não adianta fazer estardalhaço agora e querer cobrar imparcialidade. Tinham que ter se atentado a isso a 1 ano atrás. Lá no início deixaram gente ligada a PM e PC já meteu o bedelho, perito meteu o bedelho. Já era, infelizmente. Se atentaram da força da milícia tarde demais, tiraram o caso do Estado tarde demais. E mexer com qualquer crime que envolva atividade/influência policial sempre será melindroso. É igual o caso daquele menino Pesseghini, que supostamente matou toda a família e cometeu suicídio. O caso já está lá na OEA, deve chegar até o tribunal de Haia e dificilmente terá uma solução concreta.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
RYUxd
11 horas atrás, Dan_Cunha disse:

Não vão comprovar, velho. Podem até prender pelo "achismo", mas vamos ser francos, o fato já tem 1 ano. O que tinha de prova, SE tinha, já era. 

Não adianta fazer estardalhaço agora e querer cobrar imparcialidade. Tinham que ter se atentado a isso a 1 ano atrás. Lá no início deixaram gente ligada a PM e PC já meteu o bedelho, perito meteu o bedelho. Já era, infelizmente. Se atentaram da força da milícia tarde demais, tiraram o caso do Estado tarde demais. E mexer com qualquer crime que envolva atividade/influência policial sempre será melindroso. É igual o caso daquele menino Pesseghini, que supostamente matou toda a família e cometeu suicídio. O caso já está lá na OEA, deve chegar até o tribunal de Haia e dificilmente terá uma solução concreta.

Vc viu a entrevista coletiva do delegado que comandou as investigações? Tá bem claro que o suspeito Ronnie Lessa foi quem matou mesmo. A investigação demorou 1 ano porque investigar todos os milicianos do RJ ia demorar mesmo, como não tinha imagem do assassinato eles partiram do zero. Ele não foi preso no achismo, o cara era o melhor atirador do RJ, sofreu uma tentativa de assassinato recentemente (queima de arquivo), entre outras inúmeras provas que o delegado apontou.

Talvez não achem quem mandou matar, mas sobre quem matou o caso já tem uma solução concreta. E o trabalho de investigação foi muito bom.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Dan_Cunha
14 minutos atrás, RYUxd disse:

Vc viu a entrevista coletiva do delegado que comandou as investigações? Tá bem claro que o suspeito Ronnie Lessa foi quem matou mesmo. A investigação demorou 1 ano porque investigar todos os milicianos do RJ ia demorar mesmo, como não tinha imagem do assassinato eles partiram do zero. Ele não foi preso no achismo, o cara era o melhor atirador do RJ, sofreu uma tentativa de assassinato recentemente (queima de arquivo), entre outras inúmeras provas que o delegado apontou.

Talvez não achem quem mandou matar, mas sobre quem matou o caso já tem uma solução concreta. E o trabalho de investigação foi muito bom.

Exatamente. Acharam o matador de aluguel. E o mandante, quem é?

O delegado foi afastado por "cansaço". Tirará férias por 6 meses e irá fazer um intercâmbio, para fazer um curso, na Itália, por mais 4. 

O Lessa é só a ponta ( e olhe lá). O máximo, máximo que ele fez foi disparar a arma e executar.  Tanto é que está sob mira para queima de arquivo (isso se não aparecer um suposto suicídio logo, logo.)O mesmo Lessa que confirmou, de modo informal, que sabia do pedido de prisão/pedido vazado.

Eu torço para que seja tudo esclarecido, de verdade. Mas puxando pelo histórico não dá para ser positivo, infelizmente. O buraco é bem mais embaixo.

Editado por Dan_Cunha

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
RYUxd
6 horas atrás, Dan_Cunha disse:

Exatamente. Acharam o matador de aluguel. E o mandante, quem é?

O delegado foi afastado por "cansaço". Tirará férias por 6 meses e irá fazer um intercâmbio, para fazer um curso, na Itália, por mais 4. 

O Lessa é só a ponta ( e olhe lá). O máximo, máximo que ele fez foi disparar a arma e executar.  Tanto é que está sob mira para queima de arquivo (isso se não aparecer um suposto suicídio logo, logo.)O mesmo Lessa que confirmou, de modo informal, que sabia do pedido de prisão/pedido vazado.

Eu torço para que seja tudo esclarecido, de verdade. Mas puxando pelo histórico não dá para ser positivo, infelizmente. O buraco é bem mais embaixo.

A história da saída do delegado é muito estranha mesmo. Mas achando o cara que matou, fica muito mais fácil achar quem mandou matar. Inclusive já foi descoberto que ele recebeu uma quantia de R$ 100 mil ano passado. Claro que se tratando do Brasil é normal não ser otimista, mas acho que por ser um caso que tomou grandes proporções, tem tudo pra ser resolvido.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Douglas.
1 hora atrás, RYUxd disse:

A história da saída do delegado é muito estranha mesmo.

 

Citar

Na entrevista de Curicica, realizada na última semana de outubro, o miliciano resumiu o depoimento que tinha dado no final de agosto à procuradora Caroline Maciel, em Mossoró. Disse que a Polícia Civil, incluindo a cúpula da corporação, não investigava o Escritório do Crime porque recebia propinas do jogo do bicho, ao qual os matadores eram ligados. “O que tenho a dizer, ninguém gostaria de ouvir: existe no Rio hoje um batalhão de assassinos agindo por dinheiro, a maioria oriunda da contravenção. A DH [Delegacia de Homicídios] e o chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, sabem quem são, mas recebem dinheiro de contraventores para não tocar ou direcionar as investigações, criando assim uma rede de proteção para que a contravenção mate quem quiser. Diga, nos últimos anos, qual caso de homicídio teve como alvo de investigação algum contraventor?”, questionou o miliciano.

Curicica também acusava o delegado Giniton Lages, que deu início às investigações, de pressioná-lo a assumir a autoria da morte de Marielle. “No dia 10 de maio, o delegado […] foi me ouvir, mas já chegou dizendo que tinha ido lá para ouvir eu falar que o Siciliano tinha me pedido para matar a vereadora. Eu disse que isso não era verdade. Ele disse: ‘Fala que o vereador [Siciliano] te procurou e você não quis, e outra pessoa fez.’ Como me recusei, ele disse que ia futucar a minha vida e colocar inquéritos na minha conta, que me mandaria para Mossoró e, de fato, foi o que fez. Mas o tempo todo percebi que eles [os investigadores] estavam perdidos, sem caminho nenhum.”

 

Citar

Os jornalistas Vera Araújo e Chico Otávio, que pretendiam publicar a entrevista de Curicica no jornal impresso que circularia em 2 de novembro, tiveram de antecipá-la no site d’O Globo ao saberem que o então ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, convocara uma entrevista para o fim da tarde do dia 1º. Em decorrência do depoimento do miliciano ao Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte, o ministro anunciou na coletiva a abertura de inquérito na Polícia Federal para investigar uma possível obstrução de Justiça por parte da Polícia Civil fluminense no caso Marielle. “A investigação [do homicídio] de Marielle continua em nível estadual. Continua com polícia e Ministério Público estadual. O que se está fazendo é criar um outro eixo, que vai investigar aqueles que – sejam agentes públicos, sejam aqueles ligados ao crime organizado ou a interesses políticos – estão procurando fazer de tudo para impedir que se elucide esse crime. É uma investigação da investigação”, afirmou Jungmann aos jornalistas.

http://dagobah.com.br/a-metastase-o-assassinato-de-marielle-franco-e-o-avanco-das-milicias-no-rio/

(O artigo original é da Revista Piauí, mas o link está atrás de paywall)

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×