Entre para seguir isso  
Seguidores 0
Thiago Anjo

Domínio de bola, esse tem.

10 posts neste tópico

Dominar é uma arte difícil, não para ele, Cafú (Flamengo base)

1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eita, tinha que ser do Fla... Como você botou esse símbolo do SporTV como se fosse uma transmissão?

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estilo Ronaldinho AEUHAUHAEUHAEU acho que é mais bug do 3D do que inovação do jogo.. sei la

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estilo Ronaldinho AEUHAUHAEUHAEU acho que é mais bug do 3D do que inovação do jogo.. sei la

Esse giro é drible/domínio mesmo, eu jogo em "jogo completo" vejo "muito" ele acontecer!

Eita, tinha que ser do Fla... Como você botou esse símbolo do SporTV como se fosse uma transmissão?

É uma personalização que peguei com o _Matheus_ e dei uma mexida

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Fábio Rochemback(A.K.A Flop) fazia isso direto no meu save com o Chateuroux, isso porque ele tem incriveis 11 de drible e 12 de decisão. Toda hora dava uma giradinha e a zaga toda ia seca.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Fábio Rochemback(A.K.A Flop) fazia isso direto no meu save com o Chateuroux, isso porque ele tem incriveis 11 de drible e 12 de decisão. Toda hora dava uma giradinha e a zaga toda ia seca.

Eu acho bem falho o sistema, muitas coisas que não condizem com os atributos, jogador metendo bola na gaveta e acertando chutes incríveis com 8 de tiro livre e 7 de chutes longos, é complicado!

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu acho bem falho o sistema, muitas coisas que não condizem com os atributos, jogador metendo bola na gaveta e acertando chutes incríveis com 8 de tiro livre e 7 de chutes longos, é complicado!

https://www.youtube.com/watch?v=2r-qEcidXMc

Acabei de meter um gol assim, Alexis de Raumdeuter é um monstro. hehe

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

https://www.youtube.com/watch?v=2r-qEcidXMc

Acabei de meter um gol assim, Alexis de Raumdeuter é um monstro. hehe

Mais aí o jogador é mito mesmo, atributos muito altos, osso é levar gols incríveis de uns perebas! kkkkkkkk

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Acabei de meter um gol assim, Alexis de Raumdeuter é um monstro. hehe

É tipo o que o Thiago falou, o Alexis é um dos melhores atacantes do mundo, ele fazer gol assim não seria surpresa, agora ver uns pereba da Série C fazer isso é zoação hahaha...

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mais aí o jogador é mito mesmo, atributos muito altos, osso é levar gols incríveis de uns perebas! kkkkkkkk

É tipo o que o Thiago falou, o Alexis é um dos melhores atacantes do mundo, ele fazer gol assim não seria surpresa, agora ver uns pereba da Série C fazer isso é zoação hahaha...

To ligado caras, só quis mostrar como tá OP esse driblezinho ai, o irônico que jogando na segunda divisão francesa teve mais desses dribles que na Premier inglesa.

0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0

  • Conteúdo Similar

    • viola99
      Por viola99
      Alguém sabe como faço para recuperar meus pontos no quadro de honra? TROQUEI DE PC. Preciso do meu nome no ranking onde ele estava...
      Alguém me ajuda???? O jogo deu certo carreguei ele normal, mas o quadro de honra não foi junto!!
    • Leho.
      Por Leho.
      Os melhores filmes de 2015!
      Por André Costa

      Nem política, nem futebol, nem religião: o tópico que rende mais polêmicas na sociedade moderna diz respeito a listas. Listas podem desencadear discussões quilométricas e iniciar guerras. Entretanto, há de se levar em consideração o fato de que listas são muito legais mesmo e, além de serem referência, com frequência proporcionam diversas outras indicações boas. É um dos casos onde os benefícios se sobrepõem aos percalços (mesmo que guerras sejam iniciadas).
      Bem, já temos a lista das melhores séries de 2015, então nada mais justo do que fazer um compilado com os melhores filmes do ano – lembrando sempre que o apanhado leva em consideração apenas produções lançadas comercialmente no Brasil em 2015 (em qualquer mídia). Pode ser que alguma película tenha ficado de fora porque a) sou esquecido e nem sempre anoto as coisas ou b) realmente não vi o filme. Ou seja, fiquem mais do que à vontade para completar a lista nos comentários.
      Seguem os destaques do ano (sem ordem de preferência) e logo depois os piores, a surpresa e o top 3:
      OS DESTAQUES
      Whiplash (Whiplash – Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle) – 4/5
      Clouds of Sils Maria (Acima das Nuvens, de Olivier Assayas) – 4/5
      Wild (Livre, de Jean-Marc Vallée) – 4/5
      Foxcatcher (Foxcatcher – Uma História Que Chocou o Mundo, de Bennett Miller) – 5/5
      Leviafan (Leviatã, de Andrey Zvyagintsev) – 4/5
      Citizenfour (idem, de Laura Poitras) – 4/5
      Selma (Selma: Uma Luta Pela Igualdade, de Ava DuVernay) – 4/5
      Kingsman: The Secret Service (Kingsman: Serviço Secreto, de Matthew Vaughn) – 4/5
      The Drop (A Entrega, de Michaël R. Roskam) – 4/5
      Top Five (No Auge da Fama, de Chris Rock) – 4/5
      Inside Out (Divertida Mente, de Pete Docter e Ronnie Del Carmen) – 5/5
      Ex-Machina (idem, de Alex Garland) – 5/5
      Hot Girls Wanted (idem, Jill Bauer, de Ronna Gradus) – 4/5
      The True Cost (idem, de Andrew Morgan) – 4/5
      The Babadook (O Babadook, de Jennifer Kent) – 5/5
      Danny Collins (Não Olhe Para Trás, de Dan Fogelman) – 4/5
      Entourage (Entourage: Fama e Amizade, de Doug Ellin) – 4/5
      Spy (A Espiã Que Sabia de Menos, de Paul Feig) – 4/5
      The Martian (Perdido em Marte, de Riddley Scott) – 4/5
      En duva satt på en gren och funderade på tillvaron (Um Pombo Pousou Num Galho Refletindo Sobre a Existência, de Roy Andersson) – 4/5
      Listen Up Philip (Cala a Boca Philip, de Alex Ross Perry) – 4/5
      Inherent Vice (Vício Inerente, de Paul Thomas Anderson) – 4/5
      The Rewrite (Virando a Página, de Marc Lawrence) – 4/5
      The Hunger Games: Mockingjay – Part 2 (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, de Francis Lawrence) – 4/5
      Best of Enemies (idem, de Robert Gordon e Morgan Neville) – 5/5
      Que Horas Ela Volta? (idem, de Anna Muylaert) – 5/5
      Mistress America (idem, Noah Baumbach) – 5/5
      Frank (idem, de Lenny Abrahamson) – 5/5
      Beasts of No Nation (idem, de Cary Joji Fukunaga) – 5/5
      The Gift (O Presente, de Joel Edgerton) – 4/5
      El Clan (O Clã, de Pablo Trapero) – 4/5
      Star Wars: The Force Awakens (Star Wars: O Despertar da Força, de J.J. Abrams) – 5/5
      OS PIORES

      Não é nenhum plot twist shyamalanesco que Fifty Shades of Grey (Cinquenta Tons de Cinza, de Sam Taylor-Johnson) preencheu as telonas do país com diálogos e situações risíveis e uma capacidade de envolvimento quase negativa, nem que Furious 7 (Velozes e Furiosos 7, de James Wan) tenha como pilar principal da história o fato de suas personagens serem mastodonticamente estúpidas. Já Jurassic World (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros, de Colin Trevorrow) faturou alto ao pegar a nossa nostalgia e transformar ela em um insosso, anti-carismático, anti-emocionante e chato manual de roteiro, enquanto a artificialidade dos Wachowski marcou presença no sonolento Jupiter Ascending (O Destino de Júpiter, de Andy e Lana Wachowski), um desfile de carros alegóricos com uma trama mal desenvolvida e que, parece, se propõe a fazer as pessoas detestarem o Eddie Redmayne (e consegue).
      A demência absoluta de Fantastic Four (Quarteto Fantástico, de Josh Trank) foi além, ignorando completamente conceitos como estrutura, direção, história, montagem, atuações e outros para se contentar em colar algumas cenas ruins juntas e torcer para dar certo, aproveitando o que parece ser um roteiro composto de oito palavras (“filmes de heróis dão dinheiro. Vamos fazer um“). Mas o grande prêmio com certeza vai para The Ridiculous 6 (idem, Frank Coraci), delírio coletivo que resultou em uma montanha de merda tão vertiginosa que Adam Sandler é capaz de usar a própria película como cocô em alguma piada escatológica nos futuros filmes.
      A SURPRESA
      Mad Max: Fury Road (Mad Max: Estrada da Fúria, de George Miller)

      Fury Road é uma daquelas produções tão espetaculares que fazem a tela do cinema parecer pequena. Uma ode à ação descontrolada e alucinada e ensandecida, que deixa o comum de lado e a cada momento tenta dilatar as pupilas do espectador. O equivalente fílmico a cheirar cocaína. George Miller humilhou todos os limites e apresentou para o mundo um filme insanamente envolvente, empolgante, onde até os momentos mais tranquilos são recheados de beleza e intensidade, onde o roteiro se adequa à proposta de explodir tudo e as personagens conseguem ser cativantes. De tempestades de areia a carros que fazem os Transformers parecerem pen-drives, a produção jogou lá para cima os níveis de insanidade e loucura que um filme de ação consegue atingir. Imagino que Mad Max: Fury Road seja o que acontece com uma pessoa quando ela cai em um buraco negro.
      O TOP 3
      Sicario (Sicario: Terra de Ninguém, de Denis Villeneuve)
      O cinema de Denis Villeneuve é incrivelmente tenso e intenso (Incendies, Prisioners, Enemy), e Sicario dá continuidade à jornada do cineasta pelas estradas do niilismo: sem um segundo sequer de tranquilidade, o filme expõe o horror dos cartéis, a dificuldade da luta contra as drogas e as alianças por debaixo dos panos e atira uma incauta personagem no meio desse furacão físico e moral. Villeneuve conduz a história com talento descomunal, explorando as ameaças e a ambiguidade do universo para manter o espectador sempre colado à tela. Contando ainda com uma Emily Blunt e um Benicio Del Toro em chamas, Sicario esmaga o público com uma crueza que é tão envolvente quanto impactante, mergulhando tudo e todos naquele claustrofóbico mundo sem lei.
      No Final da Turnê (The End of the Tour, de James Ponsoldt)
      Uma road trip agridoce, impecavelmente escrita, ornamentada por uma trilha inspirada e oferecendo alguns dos melhores diálogos do ano, The End of the Tour é daquelas obras que conseguem aproximar o público das personagens de forma orgânica, criando uma conexão íntima entre as poltronas e a tela. Os debates estimulantes entre os dois Davids são usados não apenas para desfilar alguns insights brilhantes sobre arte e vida, mas também para expor – às vezes sutilmente, às vezes de forma mais intensa – os medos, defeitos, expectativas e decepções deles. Liderada por uma atuação monstruosa de Jason Segel, que torna David Foster Wallace um grandalhão carismático, gentil e querido – e sem dúvidas problemático -, a produção destila sensibilidade, e é impossível não ser cativado pela atmosfera de cumplicidade que James Ponsoldt constrói ao redor dos dois. Além disso, The End of the Tour permite um olhar desmistificado, ainda que um tanto romantizado, sobre um dos maiores escritores da nossa geração. Tipo de filme que deixa aquele gostinho de autoreflexão na boca (embora, claro, você acabe se tornando você mesmo).
      Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance) (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), de Alejandro Gonzáles Iñarritu)
      É fácil se distrair pela forma de Birdman – lançamentos de foguete da NASA não devem exigir tanta logística quanto um filme que passa por um teatro, pela Times Square e pelo céu no mesmo plano – e deixar o conteúdo de lado, mas a verdade é que o cooper visual de Iñarritu e Emmanuel Lubezki (diretor de fotografia) acompanha personagens instigantes, diálogos vitoriosos, situações incríveis/absurdas, comentários certeiros sobre a indústria do entretenimento e um poderoso arco dramático percorrido pelo protagonista. Além disso, é uma abordagem tão esperta que, mesmo “sem cortes”, consegue utilizar recursos tradicionais tipo elipses e atmosferas oníricas, o que é tipo um registro em cartório do talento dos realizadores. Assim, Birdman se torna uma visão artística extremamente coesa, bailando de forma fluida pela história em uma linguagem visual distinta e pertinente enquanto acompanha um elenco absolutamente endemoniado. Com tantos aspectos da narrativa tão bem definidos e salientes – direção, fotografia, roteiro, atuações -, o grande mérito da produção de Iñarritu é justamente usar todos eles de forma harmônica para mergulhar o espectador nos conflitos artísticos/pessoais da trama. Duas horas de magia cinematográfica – sem cortes.
      @Ligado em Série
      =-=-=-=-=-=-=-
      O cara forçou a barra na citação dos ~piores~, como "Jurassic World" que eu achei mt bom. Também nunca ouvi falar nesse "The End of The Tour" que ele babou tanto o ovo mas, são listas né? É assim mesmo.
      Façam a de vocês, critiquem ou apoiem essa... bora.
       
      p.s: me interessei na indicação de "Sicario".
    • caiomorais07
      Por caiomorais07
      Galera, um amigo meu criou um blog na metade de 2014 e agora me deu a ideia de compartilhar com vocês esse trabalho maravilhoso. Recentemente, o fórum gringo FMClub lançou o modelo TW', que é bastante inovador, e poucos se interessaram por ainda ser muito pequeno. O blog está em uma pausa, mas vou mostrar alguns exemplos do bom trabalho dele.


      Não vou postar muito porque o trabalho não é meu e nem tenho autorização pra divulgar :P, deem uma passada no blog do cara pra dar uma moral ;) LINK