Henrique M.

fm 2015
Engenharia de Base: Como Lapidar Diamantes?

53 posts neste tópico

1 hora atrás, Gith disse:

Ajudou sim, muito obrigado, gostava que realmente houvesse uma lista com todos os seus tópicos, tem ajudado muito, obrigado Henrique :)

Nós temos um Índice Geral

 

0

Compartilhar este post


Link para o post
Em 27/11/2014 at 22:23, Henrique M. disse:

Dificilmente, eu acredito que a primeira opção é para melhorar atributos técnicos, enquanto a 2ª opção serve para os atributos mentais. SE fosse assim, não havia necessidade de duas opções.

 

O ideal seria você começar melhorando o psicológico do menino e pedir para ele treinar a função que você deseja, assim você tem uma melhoria dos dois jeitos.

 

A primeira opção é boa quando seu jovem tem atributos mentais prontos e você quer acelerar o treino, eu sempre uso mais a segunda opção.

Então, se eu pegar um jogador para tutelar com bons níveis técnicos, péssimos mentais e colocar para tutorar um jovem na primeira opção com pouca técnica e bons níveis mentais não dá nada? 

0

Compartilhar este post


Link para o post

Ae rapaziada, sei que o topico tem um bom tempo já, mas tenho algumas duvidas sobre a importancia dos atributos dos staffs. Fico feliz por quem conseguir me esclarecer.

Eu ja li que a personalidade do cara que faz o recrutamento, geralmente o Diretor de futebol Juvenil esta relacionada com a personalidade dos newgens, assim como a filosofia de futebol, se ele prefere um futebol Cauteloso e Defensivo, voce tera newgens com boas carac. defensivas. Alguem sabe até q ponto isso é verdade?

E tbm em relação aos staffs, eu particulamente nunca contrato Preparador sub-20, sempre ofereço o cargo de Preparador, pois ele ja acaba por atuar em todo o plantel. Isso interfere? Não ter preparadores específicos para as camadas jovens?

0

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Yan Perisse
      Por Yan Perisse
       
      Apertando as teclas Crtl + F, digite o nome da versão do FM (ex.: FM 2016) para ver todo material construído para a versão desejada. Contudo, boa parte dos guias ainda segue atual e útil para versões posteriores.
      Guias (Em Ordem Alfabética) da Central do Olheiro:
      A importância de apostar em jogadores locais em ligas menores [FM 2017] Aproveitando o máximo de suas substituições [FM 2017] Categorias de base: Planejando o futuro [FM 2014] Como manter seu elenco livre de lesões? [FM 2017] Criando um legado - Desenvolvimento a longo prazo [FM 2014] Engenharia de Base: CA e PA no desenvolvimento de jogadores [FM 2017] Engenharia de Base: Como Lapidar Diamantes? [FM 2015] Engenharia de Base: Como Gerar Mais Craques? [FM 2015] Gerenciando os treinamentos [FM 2017] Guia - Goleiros [FM 2016] Psicologia: Como elevar e manter a moral do seu elenco? [FM 2017] Psicologia: Transformando jogadores inconsistentes em jogadores decisivos [FM 2015] Palestras [FM 2014] Lidando com as Personalidades [FM 2014] O Staff Perfeito [FM 2014] O status contratual e a harmonia do elenco [FM 2016] Tutorial: Parcerias de Ataque [FM 2015]  
      Todos os tópicos de FMs passados são válidos para versões posteriores.
      Aos moderadores da área, pedimos que mantenham o tópico atualizado. Aos membros, pedimos que reportem materiais que podem ser adicionados ao índice geral em virtude de sua relevância para que possamos avaliar a situação.
      Obrigado.
    • CCSantos
      Por CCSantos

      Olá para todos.
      Começando mais uma história, dessa vez tendo o futebol da América do Sul como cenário.
      Após criar o jogo e avançar ele até 2017, chegamos a esta equipe acima, o Club Cerro Corá, equipe fundada em Assunção, mas que atua em Luque.
      Criei meu próprio treinador, sem personagem, e sem licenças.
      Vamos conhecer o clube?

      O Club Cerro Corá foi fundado no dia 1ºde Março de 1920, no bairro de Campo Grande, na grande Assunção.
      A equipe possui este nome devido ao pequeno monte, onde ocorreu a Guerra da Tríplice Aliança (mais conhecida como Guerra do Paraguai), onde mais da metade da população do país na época (quase 300 mil pessoas) faleceram em combate, incluindo o Mariscal Fernando Solano López.
      Durante as primeiras décadas, a equipe viveu nas divisões inferiores do País, e só veio a alcançar a elite paraguaia no ano de 1990, quando conquistou a División Intermedia.

      As glórias não pararam por aí. O time em 1993 fez uma grande campanha no Torneo República, quando foi campeã. Com esta conquista, a equipe estreou em solo sul-americano,na Comenbol de 1994, quando fora eliminada nas quartas de final pelo poderoso Peñarol, do Uruguai, sendo que havia eliminado o Huracán da Argentina, nas oitavas.
      O time caiu em 1995, mas retornou a elite em 1997, após confirmar seu favoritismo na Intermedia. Fez grande campanha e caiu apenas para o Olimpia, na decisão do Clausura, que lhe rendeu mais uma ida para a Copa Comenbol, onde caiu para o Atlético Mineiro nos pênaltis, após dois empates: 2 a 2 no Mineirão e 0 a 0 em Assunção.
      Ainda conquistou o vice-campeonato do Clausura em 1999,mas começou um processo de queda nas temporadas seguintes. Chegou a cair para o último escalão paraguaio, a 4ªDivisão, mas no final da década passada, conquistou chegar a Intermedia,mas caiu devido a problemas financeiros.
      Em 2015, a equipe quase perdeu sua sede social e seu estádio, devido as dívidas.
      O jogador de maior sucesso que passou pela equipe é uma cria do clube. Antony Silva foi um fenômeno que apareceu no gol do Cerro Corá em 2001, quando tinha apenas 16 anos. Ficou pouco mais de uma temporada, e foi ganhando destaque no futebol local, mas teve negociações frustradas com times da Itália e Inglaterra, e começou a ser um andarilho do futebol, onde chegou a jogar no Brasil, atuando pelo Marília, em 2009.
      No ano seguinte, achou um lugar para ficar: A Colômbia, onde por quatro anos atuou no Tolima, e era titular da equipe no chamado 'Tolimazo', onde o time colombiano eliminou o Corinthians, de Ronaldo e Roberto Carlos, pela pré-Libertadores.
      Atualmente, Silva é goleiro do Indepiendiente Medellin e reveza na titularidade da seleção paraguaia com o experiente Justo Villar, No último jogo entre Brasil e Paraguai, na Arena Corinthians, ele defendeu uma cobrança de Neymar.

      A equipe atua no Estádio General Andrés Rodríguez, (que fora presidente do Paraguai entre 1989 e 1993), localizado em Luque, e que possui a capacidade de 6.000 torcedores.

      A equipe possui o histórico abaixo:

       

      1º Voltar com o Cerro Corá para a elite paraguaia;
      2º Manter as finanças no azul;
      3º Trabalhar com a revelação de novos talentos, assim como o de Antony Silva (A diretoria do clube parece que concorda comigo neste sentido)
      4º Se estabelecer na elite paraguaia;
      5º Retornar a solo sul-americano,disputando Sul-Americana e Libertadores de America.

      FM 2015
      Base de dados personalizada
      Quase toda a América do Sul, com duas divisões ativas (exceção a Argentina que está desativada devido a mudança de calendário; a liga brasileira está como 'Ver Apenas') e México ('Ver Apenas').
      No próximo post, falo sobre a chegada a Luque, o elenco que possui El Potro, as Finanças, além de tudo que vocês estão acostumados.
    • ggpofm
      Por ggpofm

       
      O "Princípio 323": como distribuir tarefas por um time
      Por ggpofm

      O Football Manager (FM) é um jogo envolvente. A possibilidade de atuar como um treinador que comanda e/ou influencia várias áreas de um clube é cativante, mas sabemos que muitos dos que estão dando os primeiros passos no FM se sentem um pouco perdidos em vários aspectos do jogo, inclusive naquele momento de colocar o time em campo.
      Para tentar ajudar quem é iniciante no FM, resolvi contribuir com um texto sobre a distribuição de tarefas na formação tática um time. Espero que as ideias que serão apresentadas possam ajudá-lo de alguma forma, mas tenha em mente que elas não são uma receita de bolo e nem a solução para todos os seus problemas. É fundamental a leitura de outros textos que abordam outros aspectos do jogo e também a compreensão de que o jogo simula o futebol e como tal, muitos acontecimentos em campo ocorrem de forma ocasional.
      Desde o FM 2010, a Sports Interactive (SI) introduziu o “Criador de Táticas” com objetivo de facilitar o trabalho de quem vai controlar um time. Com ele é possível organizar de forma intuitiva como um time se estruturará taticamente para as partidas. Mesmo assim, um dos aspectos do “Criador de Táticas” que podem gerar confusão para quem está dando os primeiros passos no mundo do FM é a definição das tarefas dos jogadores.

      As tarefas no FM
      No FM há seis opções de tarefas: defesa, apoio (suporte), ataque, cobertura, bloqueio e automática. Para algumas funções existe apenas uma tarefa, como por exemplo, o Primeiro Volante, que possui somente a tarefa defender. Para outras existem quatro tarefas, como por exemplo a função de Meia Central, com as tarefas de defesa, apoio, ataque e automática. Enfim, para cada posição em campo é possível escolher algumas funções e cada uma delas possui um número de tarefas pré-definidas pelo FM.
      Escolher bem as tarefas de um time permitirá que ele se torne equilibrado em campo, mantendo seus três setores (defesa, meio-campo e ataque) conectados, facilitando que os jogadores desenvolvam o modelo de jogo pretendido.
      Para o que nos interessa precisamos apenas nos concentrar nas tarefas básicas do FM: as tarefas de defesa, apoio e ataque. O motivo para isso é que as tarefas de bloqueio e cobertura são na realidade adaptações da tarefa defender, enquanto a tarefa automática reúne as três tarefas fundamentais (defesa, apoio, ataque) em uma só. Os mais experientes fazem uso da tarefa automática de forma precisa, mas para quem está iniciando eu acredito que é mais educativo controlar as tarefas que cada jogador executa em campo em determinado momento de uma partida, do que deixar que a inteligência artificial do jogo controle isso por conta própria.
       
      O que é o “Princípio 323”
      E como essas três tarefas devem ser distribuídas por um time? Quantas tarefas de defesa um time precisa ter? E quantas de apoio e ataque? Todos os jogadores de defesa devem ter tarefas de defesa e os jogadores de ataque devem ter tarefas de ataque?
      As respostas para essas e outras questões estão no que eu batizei de “Princípio 323”. A primeira vez que eu vi essa ideia apresentada de forma clara foi no “Tactical Theorems and Frameworks 09” (TT&F 09), dos idealizadores do “Criador de Táticas”, Richard Claydon (wwfan) e Gareth Millward (Millie).
      Todo time deve ter jogadores que foquem seu jogo intensivamente na defesa (tarefa defender), jogadores que foquem seu jogo intensivamente no ataque (tarefa atacar) e aqueles que jogam de forma mais equilibrada nas duas tarefas (tarefa apoiar). Para os autores do TT&F 09, para um time alcançar o equilíbrio tático é preciso que entre os 10 jogadores de campo exista o mínimo de três jogadores com tarefa defender, dois jogadores com tarefa apoiar e três jogadores com tarefa atacar.
      Sendo assim, quando se distribui as tarefas seguindo o “Princípio 323” entre os 10 jogadores de campo de um time, oito terão que estar distribuídos como a forma enunciada acima, enquanto a tarefa dos outros dois jogadores que sobraram serão designadas de acordo com a postura que for adotada em um determinado momento da partida.
      A partir desse princípio, os desdobramentos são lógicos. De forma geral, se em algum momento da partida o objetivo é atacar serão necessários mais jogadores com tarefas ofensivas e se em outro pretende-se defender, haverá necessidade de mais jogadores com tarefas defensivas. A conclusão para uma proposta defensiva, uma equilibrada (neutra) e uma ofensiva, a distribuição de tarefas entre os 10 jogadores de campo será a seguinte:
        Postura defensiva: cinco com tarefa defender, dois com tarefa apoiar e três com tarefa atacar;
      Postura equilibrada: três com tarefa defender, quatro com tarefa apoiar e três com tarefa atacar;
      Postura ofensiva: três com tarefa defender, dois com tarefa apoiar e cinco com tarefa atacar.
        Observe que em todas as três propostas acima sempre existe o mínimo proposto pelo “Princípio 323”, ou seja, três jogadores com tarefa defender, dois de apoio e três com tarefa atacar.
      Espero que não, mas alguém pode imaginar que as tarefas de defesa devem ser dadas aos defensores, as tarefas de apoio aos meio-campistas e as tarefas de ataque aos atacantes. Nada mais equivocado!
      Para um time alcançar o equilíbrio tático, evitando-se que a defesa, o meio-campo e o ataque fiquem desconectados, é preciso misturar as tarefas pelos três setores de um time para que exista movimento entre eles. Por isso, não basta saber a quantidade de tarefas necessárias em um time. É importantíssimo saber distribuí-las pelos três setores do time.
       
      “O Princípio 323” na prática
      Não tenho a intenção de apresentar imagens de várias formações táticas e sugestões de distribuição de tarefas porque não é meu desejo transformar o “Princípio 323” em algo a ser seguido às cegas e sem nenhuma reflexão por parte de quem irá usá-lo. Se pelo “Princípio 323” tenho um modelo a ser seguido que “exige” o mínimo de três jogadores com tarefa de defesa, três de apoio e três com tarefas de ataque, espero que ao distribuir as tarefas pelos setores de um time, você pare, pense e consiga distribuí-las de forma racional, lembrando-se que durante os 90 minutos de partida existem vários momentos diferentes e que, talvez, em cada um deles seu time precise de uma distribuição de tarefas diferente para conseguir jogar de forma equilibrada.
      Mesmo assim, vou apresentar um exemplo simples com uma formação que já foi muito usada no FM, o 4-4-2 inglês. Como você deve saber, essa formação tática utiliza os três setores em linha (quatro defensores, quatro meio-campistas e dois atacantes).


      Como toda e qualquer formação tática, ela só funcionará bem se conexões foram criadas entre os setores e por isso, o 4-4-2 inglês precisa de defensores que se aproximem do meio-campo ou que o ultrapasse, de meio-campistas que ajudem a defesa, de meio-campistas que ajudem o ataque e atacantes que ajudem o meio-campo.
      Seguindo as diretrizes do “Princípio 323” uma das maneiras possíveis de distribuir as tarefas do 4-4-2 inglês é a seguinte:

      Como é possível ver acima, existem três jogadores com tarefas defensivas (dois zagueiros e um meio-campista central), dois com tarefas de apoio (um meio-campista central e um atacante) e três com tarefas de ataque (um atacante e dois meio-campistas laterais). Também existem os dois laterais para os quais as tarefas não foram definidas.
      Determinadas escolhas parecem óbvias, mas outras nem tanto. O meio-campo é sempre problemático porque ele precisa executar várias atividades simultâneas. Ele é o setor que conecta a defesa e o ataque, mas também precisa proteger a defesa e se aproximar do ataque para não deixá-lo isolado. Por isso é comum que se tenha as três tarefas distribuídas por ele.

      Como é possível ver na imagem, existe um meia-central com tarefa defender que será o jogador mais recuado do meio-campo e que auxiliará na proteção da defesa, dois meio-campistas laterais que procurarão chegar ao ataque e um meia-central com tarefa de apoio que ajudará na ligação defesa e ataque.
      No ataque, há outro jogador com uma tarefa que não parece óbvia, o atacante com tarefa apoiar.

      Ele é responsável por impedir que o ataque se desconecte do restante da equipe, por isso ao receber a tarefa de apoio ele fica mais recuado. É um tarefa parecida com a do meia-central com tarefa defender que é o responsável por impedir que o meio-campo se desconecte da defesa.
      Observe que as ideias apresentadas no “Princípio 323” estão presentes no 4-4-2 inglês apresentado. O mínimo exigido pelo “Princípio” foi respeitado e as tarefas foram distribuídas entre os três setores do time garantindo que eles fiquem conectados e que exista movimento entre os jogadores desses setores.
      Ainda restam dois jogadores que fazem parte de um tipo de reserva: os dois laterais. Eles se adaptam dependendo do que se queira em determinado momento de uma partida.
      Se a ideia é que a defesa fique postada e resista à pressão do adversário, os laterais serão colocados com tarefa defender.


      Se quiser que os laterais vão à frente em busca de criar sobreposições e superioridade numérica no campo ofensivo, eles devem ser colocá-los com tarefa atacar.

      E se o objetivo é que eles subam ao ataque, mas de forma paciente, sem se descuidar da defesa, os laterais devem ter tarefas de apoio.


       
      As variações no “Princípio 323”
      Com esse exemplo do 4-4-2 inglês não quero dizer que outras combinações de tarefas não são possíveis. Isso depende do elenco de que se dispõe e também do modelo de jogo que se pretende jogar.
      Por usar há vários anos o “Princípio 323”, consigo manejá-lo com maior flexibilidade, inclusive “desrespeitando-o” algumas vezes, como por exemplo, ao usar apenas dois jogadores com tarefa de ataque em vez do mínimo de três que o princípio pede.
      Outros autores também sugerem combinações diferentes. Por exemplo, The Hand of God sugere no artigo “The Mentality Ladder: A Practical Framework for Understanding Fluidity and Duty” três jogadores com tarefa defender, dois com tarefa apoiar e três com tarefa atacar. Já o Llama3 em seu artigo “Pairs and Combination: The Complete Guide” sugere como regra que um time tenha três jogadores com tarefa defender, quatro com tarefa apoiar e três com tarefa atacar.
      A minha sugestão para quem está começando é que o ideal é seguir as ideias aqui expostas à risca e só quando a compreensão sobre como funcionam as dezenas de variáveis do FM se tornar maior, que se flexibilize o “Princípio 323”.
      Agora é com você. Boa diversão!
       
      Download da 1ª parte em pdf
      Download da 2ª parte em pdf
    • ggpofm
      Por ggpofm

       
      Construindo uma liga competitiva
      Por Cleon (traduzido e adaptado por ggpofm)
       
      Um dos desafios quando jogo FM é tentar me manter interessado em um save por tempo suficiente. Não importa se eu começo em divisões baixas até alcançar o topo ou se começo com um time grande, cedo ou tarde o jogo se torna muito fácil e vencer as ligas se torna realmente tranquilo e nada pode me deter. Então, eu pensei em maneiras de contornar isso, impedindo-me que ficasse entediado. Um desses métodos (eu sei que outros também fazem) é construir uma liga competitiva.
      Pode parecer pouco comum para você, mas eu realmente me interesso em fortalecer outras equipes da minha liga desenvolvendo jogadores para negociar com eles. Fazendo isso, eu elevo o nível da liga, tornando-a mais competitiva domesticamente para mim e não menos frequentemente, ajuda outras equipes da minha liga a se tornarem mais competitivos continentalmente, o que ajuda no crescimento da reputação da liga.
      Aqui estão algumas coisas que faço:
      Compro jogadores baratos; Desenvolvo os jogadores; Vendo jogadores. É uma estratégia bastante simples, que será mais detalhada a seguir, mas é basicamente o que faço. Vamos dar uma olhada em cada um desses itens com mais atenção.
       
      Comprando jogadores
      Por gostar realmente de desenvolver jogadores no Football Manager, depois de um tempo sem gastar o dinheiro, ela acaba acumulando-se. Quando isso acontece, eu começo a procurar jovens jogadores baratos e nos quais eu acredito que poderão se tornar jogadores decentes em poucos anos. Se eu encontro alguns candidatos eu procuro comprá-los o mais barato possível. Eu estabeleço um limite de não gastar mais do que R$11,75 milhões em um único jogador. Uma das razões para isso é que comprando um jogador para desenvolvê-lo e vendê-lo a algum clube da minha liga, eu conseguirei recuperar a maior parte ou até o total dos milhões que investi inicialmente quando as negociações ocorrerem.
      Quando eu compro um jogador eu tenho que levar em conta o seu seu salário. Ele precisa ser o mais baixo possível por conta do meu planejamento em vendê-lo mais adiante. Quanto mais baixo o salário, mais clubes podem se esforçar para pagar o salário dele quando eu for vendê-lo. No momento eu jogo na Série A do Brasil e procuro não pagar mais do que R$84 mil mensais em salários. Eu penso que esse é o máximo que posso pagar. Se um jogador quer mais do que esse limite, eu desisto da negociação e procuro outro jogador porque esse jogador não vale a pena a longo prazo.
      Coisas como cláusulas adicionais no contratos e cláusula de venda eu também procuro evitá-las. Novamente a razão para isso é que em certo ponto eu precisarei recuperar o dinheiro que investi, por isso é preciso evitar gastos extras em negociações de contrato. Cláusulas de venda também são do mesmo tipo, pois qualquer lucro que eu conseguir será limitado, por isso a importância de evitar coisas desse tipo.
       
      Desenvolvendo jogadores
      Eu já escrevi uma série de artigos sobre o desenvolvimento de jogadores, então você sabe como é minha abordagem de treinamento. O processo é exatamente o mesmo para jogadores que eu comprei e que planejo vendê-los. Na realidade, cada jogador que está no clube (incluindo os que foram recrutados) são tratados da mesma maneira e eu procuro desenvolvê-los da melhor maneira que eu posso, não importa se ele pareçam ruins. Quando um jogador está em meu clube, ele representa o clube, mesmo que eu não tenha planos para ele na equipe principal. Mesmo assim, eu gasto tempo ensinando a ele movimentos preferidos e escolho tutores para o desenvolvimento de seus atributos.
      A razão para adotar esse comprometimento é o que eu esperaria que aconteceria na vida real, então isso adiciona uma dimensão de realismo ao jogo para mim. Isto também ajuda outros clubes que podem estar interessados neles se eu gastar alguns minutos nos programas de treinamento e no processo de desenvolvimento. Se eu penso que certos atributos estão fracos, então eu foco neles como eu faria com a equipe principal. Ou se eu penso que um calendário de uma função é melhor para ele, então eu o coloco nesse calendário de treinamento.
       
      Vendendo jogadores
      Vender jogadores não é tão fácil como possa parecer quando eu estou adotando essa abordagem. Algumas coisas eu preciso levar em consideração antes de decidir qual negócio é o melhor e cada clube é tratado diferentemente. Os aspectos que devo considerar são:
      Reputação do clube; Colocação final nas últimas três temporadas; Finanças. Esses são alguns fatores que eu levo em consideração quando uma oferta é feita.
       
      Reputação do clube
      Isto é um longo caminho para eu decidir se eu vendo um jogador para um time ou não. Na liga em que jogo atualmente, tem alguns poucos times com a mesma reputação que a do meu clube ou levemente superior. Inicialmente eu não levo em consideração ofertas dessas equipes porque eu quero fortalecer as equipes mais fracas da liga diminuindo o fosso que separa as equipes menores das mais fortes.  Se eu vender os jogadores para os clubes com reputação alta, eu irei aumentar o fosso, deixando de fazer o que eu havia proposto inicialmente. Então, eu evito vender jogadores para os grandes clubes sempre que possível.
       
      Classificação final da liga
      Pode parecer estranho para alguns, mas eu uso isso para ter uma média da posição dos clubes, em vez de basear-me em uma única temporada porque todo time pode ter uma boa ou má temporada. Se eu tenho duas ofertas por um jogador, uma de um clube de uma posição superior na tabela e outra de um clube mais perto das últimas posições, eu aceitarei a oferta do clube em piores condições e rejeitarei a oferta do clube melhor colocado. Novamente, a ideia é reforçar as equipes mais fracas da liga.
       
      Finanças
      Esse critério é um pouco mais complexo porque ele afeta o tipo de negócio que eu estou disposto a aceitar de um clube. Se um clube tem dinheiro, então serei mais propenso a exigir uma certa quantia de dinheiro inicialmente na negociação. Se uma equipe é limitada financeiramente e não pode investir muito dinheiro, eu serei menos propenso a querer uma quantia inicial na negociação.
      O que eu faço para os times que têm pouco dinheiro é vender jogadores a eles sem nenhum investimento inicial e adicionar uma cláusula de 50% do valor da próxima transferência. Dessa forma ele trocará de clube e se no futuro ele for vendido, eu recuperarei alguma parte do investimento inicial que fiz e nas maiorias das vezes eu recupero todo o meu investimento.
      Se o clube que está comprando um jogador não está com problemas financeiros, mas não tem muitos recursos eu procuro fazer um negócio levemente diferente com esses clubes. Eu aceito algum tipo de dinheiro inicial e adiciono uma cláusula de 30% do valor da próxima negociação.
      As cláusulas que eu adiciono são as seguintes:
      Se eu vendo para um clube grande por alguma razão, então o investimento inicial deles será bem alto e ainda adicionarei uma cláusula de revenda de 15%. Se eu vendo para um clube de meio de tabela, então o investimento inicial deles será pequeno e ainda adicionarei uma cláusula de revenda de 35%. Se eu vendo para um clube das oito últimas posições da tabela, então não exijo nenhum investimento, mas adicionarei uma cláusula de revenda de 50%. As cláusulas que eu incluo são de porcentagem da próxima transferência e não do lucro da próxima transferência ou você correrá o risco de perder mais dinheiro.
      Eu adoto essa abordagem faz muito tempo e vou continuar adotando-a no futuro. Isso torna o jogo mais desafiante em futuras temporadas se os adversários são mais fortes, isso torna a liga mais competitiva.
      Alguém faz algo semelhante ou adota algo para tornar seus jogos mais interessantes? Ou você é daqueles que prefere enfraquecer os rivais para manter com mais facilidade o domínio em sua liga?
       
      Fonte: SI Sports Centre
      Download do texto em pdf